Your SlideShare is downloading. ×
×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Monografia Marta Cristina Dantasv Durão Nunes

997

Published on

Monografia apresentada à Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB como requisito para obtenção do título de Especialista em Mídias na Educação.

Monografia apresentada à Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB como requisito para obtenção do título de Especialista em Mídias na Educação.

Published in: Technology
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
997
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃEO EM MÍDIAS E EDUCAÇÃO MARTA CRISTINA DANTAS DURÃO NUNESCONTRIBUIÇÕES DAS REDES SOCIAIS – BLOG - PARA A PRÁTICA PEDAGÓGICA NO ENSINO MÉDIO ORIENTADORA: Prof.ª M.S. SIRLÂNDIA SANTANA SALVADOR - BA 2012
  • 2. 2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA CURSO MÍDIAS NA EDUCAÇÃOCONTRIBUIÇÕES DAS REDES SOCIAIS – BLOG - PARA A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO ENSINO MÉDIO MARTA CRISTINA DANTAS DURÃO NUNES Monografia apresentada à Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB como requisito para obtenção do título de Especialista em Mídias na Educação. BANCA EXAMINADORA PROFª. M. S. SIRLÂNDIA SOUZA SANTANA - Orientadora PROF. M.S. DANILO DUARTE OLIVEIRA PROF.M.S. MARCO ANTONIO ASSIS LIMA SALVADOR - BA 2012
  • 3. 3 Agradeço a todos que, direta e indiretamente, contribuíram para execução deste trabalho. As colegas ecompanheiras de jornada Maria Helena e Raimunda Crispinaque sempre me encorajaram a prosseguir nesta caminhada e a meus alunos do Curso Técnico de informática que foram à fonte de inspiração para esta pesquisa.
  • 4. 4RESUMOO presente trabalho trata das possibilidades de uso das redes sociais,especialmente os blogs, como recurso didático-pedagógico ao alcance de alunose professores. Para tanto, foi realizado um trabalho de sensibilização de alunos,do Curso Técnico em Informática e dos professores da área de Ciências Exatas,do Colégio Estadual Bolívar Santana, levando-os a construir blogs, com temas deseu interesse, mas ligados a possíveis ramos de atuação profissional. Osprofessores construíram blogs associados a suas respectivas disciplinas.Precedendo a construção desses blogs, aplicou-se um questionário, quelevantasse as percepções e conhecimentos dos alunos a respeito de redes sociaise blogs. Os resultados comprovaram o interesse, a capacidade e a motivação dosalunos no uso dos blogs e revelaram a riqueza das interações que ocorreramentre eles.Palavras-chave: Cibercultura. Blog. Interatividade. Hipertexto. Redes Sociais.Ciberespaço. Twitter. Comunidades virtuais. Transformações tecnológicas. Redessociais e uso da tecnologia na educação.
  • 5. 5ABSTRACTThis work deals with the possibilities of the use of social networks, especially theblogs, as didactic resource-pegagogic within reach of students and teachers. Forboth, work was carried out to increase awareness of students, the TechnicalCourse in Computer Science and the professors in the area of Exact Sciences, theState College Bolívar Santana, leading them to build blogs, with themes of interest,but linked to possible branches of professional performance. Teachers have builtblogs associated with their respective disciplines. Prior to the construction of theseblogs, a questionnaire was administered, which raise the perceptions andknowledge of the students in respect of social networks and blogs. The resultsconfirmed the interest, ability and the motivation of the students in the use of blogsand revealed the richness of the interactions that occurred between them.Keywords: Cyberculture. Blog. Interactivity. Hypertext. Social Networks.Cyberspace. Twitter. Virtual Communities. Technological transformations. SocialNetworks and technology use in education.
  • 6. 6LISTA DE FIGURASFigura 1. Exemplo de grafo de uma rede social (neste caso, do LinkedIn da autora), gerado através da ferramenta disponível em: http://inmaps.linkedinlabs.com. Cada nó é um contato e as linhas são as interligações entre eles. ..................................................................................... 20
  • 7. 7LISTA DE GRÁFICOSGráfico 1. Percentuais dos locais onde mais acessam a Internet ......................... 36Gráfico 2. Percentual de freqüência de acesso à Internet .................................... 37Gráfico 3. Percentuais da principal atividade desenvolvida ao acessar a Internet 38Gráfico 4. Percentuais de uso das principais redes sociais online ....................... 39
  • 8. 8LISTA DE TABELASTabela 1. Local onde mais freqüentemente acessa a Internet ............................. 36Tabela 2. Frequência com que acessa a Internet. ................................................ 37Tabela 3. Principal atividade desenvolvida ao acessar ........................................ 38Tabela 4. Principal programa de relacionamento de usos de cada aluno ............. 39Tabela 5. Opiniões a respeito das redes sociais de Internet ................................ 40Tabela 6. Opiniões sobre questões éticas de uso da Internet .............................. 41
  • 9. 9SUMÁRIO RESUMO ............................................................................................................ 4 ABSTRACT ........................................................................................................ 5 LISTA DE FIGURAS ........................................................................................... 6 LISTA DE GRÁFICOS ........................................................................................ 7 LISTA DE TABELAS ........................................................................................... 8 SUMÁRIO ........................................................................................................... 9CONTRIBUIÇÕES DAS REDES SOCIAIS – BLOG - PARA A PRÁTICAPEDAGÓGICA NO ENSINO MÉDIO ................................................................... 101. INTRODUÇÃO .............................................................................................. 10 1.1. METODOLOGIA .................................................................................... 13 2. REDES SOCIAIS E BLOG: CONCEITOS, CARACTERÍSTICAS E HISTÓRIA. ............................. ...............................................................................................15 2.1. Um Pouco da História das Redes Sociais .............................................. 15 2.2. Rede Social: Conceito e Características ................................................ 17 2.3. Redes Sociais: Exemplos, Funcionamento e Finalidades ...................... 19 2.4. As Mensagens Instantâneas .................................................................. 213. REDES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ................................................................ 23 3.1. O Atrativo das Relações Sociais ............................................................ 26 3.2. As Redes Sociais: Uso do Blog como Instrumento Pedagógico ............. 28 3.3. Blog na Educação .................................................................................. 304. OS ALUNOS E O BLOG: RESULTADOS ...................................................... 335. CONSIDERAÇÕES FINAIS ........................................................................... 44REFERENCIAS ................................................................................................... 48 ANEXOS ........................................................................................................... 51
  • 10. CONTRIBUIÇÕES DAS REDES SOCIAIS – BLOG - PARA APRÁTICA PEDAGÓGICA NO ENSINO MÉDIO1. INTRODUÇÃO Em um planeta onde a sociedade está voltada cada vez mais para odesenvolvimento e a universalização das técnicas, percebe-se que o uso das novastecnologias, especialmente na escola pública, vem evoluindo de maneira lenta.Porém, as redes sociais de Internet — que serão definidas mais adiante — estãopresentes entre os alunos e chegam trazendo milhares de informações com enormerapidez. O acesso a uma comunicação veloz e, muitas vezes, em tempo real vem sedestacando em nossa sociedade tais como: E-mail, Orkut, Blogs, Fotoblogs,Sistemas, Ambientes de Estudos, etc. Como afirma Aguiar (2006) as Redes Sociaisestão mudando o cenário das relações do mundo moderno. A crescente complexidade dos sistemas sociais tem impulsionado a chamada atuação em redes de indivíduos e sociedades e, neste cenário, as redes sociais têm assumido relevante papel nas relações sociais do mundo moderno (AGUIAR, 2006). De todos os desafios, talvez o mais difícil seja levar essa velocidade dacomunicação para o ambiente escolar, especialmente para o ambiente do EnsinoPúblico, comunicando os conteúdos de forma rápida e atraente e obtendo respostas,igualmente velozes. Assim deve ser o ensino em rede, algo que tem possibilidade deser realmente eficaz e, mais que isso, acessível às diversas camadas da sociedade,desde que um conjunto de diferentes fatores, discutidos adiante se realizem. O que motivou a realização deste estudo foi à constatação de que quando sebuscam informações sobre a aplicação das redes sociais em educação é a quaseabsoluta a falta delas como ferramenta pedagógica. E, mais do que informação arespeito das possibilidades e potencialidades do ensino em rede é o fato de quemuitos professores estão presentes nas redes sociais, mas são quase inexistentesos que as levaram para a sala de aula. O Brasil começou a adotar as redes sociais no ensino com, pelo menos, cincoanos de atraso em relação aos países da OCDE (Organização para a Cooperação eDesenvolvimento Econômico). As experiências brasileiras, até agora, parecem
  • 11. 11apontar para a direção certa, mas requerem muitos avanços. Com o rápido aumentodo número de pessoas que têm acesso à Internet, no Brasil, alguns professores,tanto do Ensino Fundamental quanto do Médio, passaram a postar nessas redesvirtuais. O certo é que elas constituem excelente instrumento para contextualizar osconteúdos ministrados, de forma a tornar o aprendizado atraente e empolgante parauma geração que respira tecnologia. Entre as redes sociais que mais crescem em número de usuários estão osblogs — adiante definidos —, estes oferecem excelentes oportunidades para oaprendizado construtivista, por promover discussões sobre diferentes temas, via defóruns de discussão, o que permite a participação de todos. Desse modo apossibilidade de participação dos alunos torna esse processo ainda maisinteressante. Além dos blogs, outras redes sociais podem ser utilizadas para fins didáticoscada uma apresentando diferentes peculiaridades. É preciso, no mundo de hoje,proporcionar aos alunos a oportunidade de desenvolver habilidades tecnológicasbásicas, fazendo com que o aprendizado ocorra no contexto desta influente culturadigital. Contudo, não se pode esquecer que nem todos os conteúdos podem serensinados com o auxílio da tecnologia da informação. A tecnologia da informação, mais do que nunca, passou a ser vista como umafacilitadora do aprendizado. Embora o percentual de escolas com salas deinformática tenha aumentado consideravelmente, muitos professores, pelos maisdiversos motivos, ainda relutam em utilizar os atuais recursos tecnológicos em suasaulas. Construir o conhecimento de forma colaborativa se constitui em umaexcelente oportunidade de, justamente, facilitar o processo de aprendizado. Valelembrar que tais recursos permitem que o professor seja, efetivamente, um mediadordo aprendizado, seguindo as doutrinas de Piaget (1970) e Vygotsky (1998). Com a utilização dos computadores podemos nos comunicar muitas vezesem tempo real com pessoas de todo o planeta. Uma nova forma da comunicação,esta sendo oferecidos pelas redes sociais, os ambientes virtuais estão se tornandocada vez mais dinâmicos e criativos, por meio de uma comunicação virtual, como dizMoran, “eu permaneço aqui, na minha casa ou escritório navego sem mover-me, trago dados que já estão prontos, converso com pessoas que não conheço e talvez nunca verei ou encontrarei de novo.” (MORAN, 1998, p. 68)
  • 12. 12 O presente trabalho pretende explorar as potencialidades do uso de Weblogsna educação, com os seguintes objetivos. Objetivos Gerais.Responder ao problema de como colocar em prática ações que possam relatar apossibilidade de contribuição das Redes Sociais, especialmente dos blogs, noprocesso de ensino-aprendizagem. Objetivos específicos. a) Compreender as noções básicas de funcionamento das Redes Sociais, com foco nos blogs, de modo a participar da produção do conhecimento de modo colaborativo. b) Conhecer e utilizar as ferramentas de comunicação, interação e produção do conhecimento disponível nas Redes Sociais. c) Analisar a relação entre a comunicação e a educação vivenciando o funcionamento tecnológico (interatividade, simulação, conhecimento em rede e rede de conhecimentos). d) Identificar fatores culturais, técnicos, profissionais, psicológicos, dentre outros, que prejudicam ou auxiliam a adoção bem sucedida da ferramenta Blog, apontando estratégias didáticas que podem ser aplicadas para um bom aproveitamento dessa ferramenta colaborativa. e) Conhecer e utilizar as ferramentas de comunicação, interação e produção do conhecimento, disponível nas Redes Sociais, analisando a relação entre a comunicação e a educação, vivenciando o funcionamento tecnológico (interatividade, simulação, conhecimento em rede e rede de conhecimentos). f) Investigar como as Redes Sociais — mais diretamente o Blog —, podem ser utilizadas como recurso pedagógico por professores, especialmente do Ensino Fundamental e Médio, no apoio ao ensino presencial. g) Levantar as experiências de uso das Redes Sociais na educação, através de pesquisa bibliográfica e virtual. Assim, começa-se por indicar as possibilidades de uso dos weblogs quercomo ferramenta, quer como estratégia de ensino, à disposição dos professores,buscando conciliar esta prática com algumas teorias de aprendizagem e responderaos seguintes questionamentos: a) Como a utilização da ferramenta Blog pode contribuir no processo de ensino- aprendizagem, especialmente na colaboração entre alunos e entre professores? b) Quais os fatores culturais, técnicos, profissionais, psicológicos, dentre outros, que prejudicam ou auxiliam em uma adoção bem sucedida da ferramenta Blog?
  • 13. 13 c) Que estratégias didáticas podem ser aplicadas para um bom aproveitamento da ferramenta colaborativa Blog? 1.1. METODOLOGIA A metodologia se baseia em pesquisa bibliográfica, documental e virtual paradar suporte à pesquisa empírica e sua análise, explorando temas específicos sobreas Redes Sociais e aplicação de Blogs na aprendizagem. A metodologia aplicadabusca fazer uma conexão entre a ciência, produção do conhecimento e osquestionamentos levantados. Baseando-se nos objetivos traçados por esta pesquisa e aplicação dametodologia descrita poderemos verificar a importância da pesquisa na produção doconhecimento científico e a necessidade da preparação do individuo para interagircom as diversas ferramentas oferecidas pelas Redes Sociais. Para a pesquisa empírica — com análise qualitativa e quantitativa dasinformações levantadas — foi feita uma coleta de dados através de questionários(Anexos III e IV) respondidos por 20 alunos, do 3º ano, do Curso Técnico emInformática do Colégio Estadual Bolívar Santana. Paralelamente, se fez um trabalho de motivação e preparação dosprofessores da área das Ciências Exatas, bem como dos alunos acima citados, demodo a fazê-los entender as possibilidades do uso de blogs, como ferramenta deensino, de construção do conhecimento e de facilitador da aprendizagem (Anexo V). O trabalho envolve, portanto, uma ação — a implantação de blogs — e umaintenção: solucionar cooperativamente os problemas de falta de colaboração mútuae necessidade de adequação aos novos modos de produção e difusão deconhecimento. O trabalho com os alunos foi levado a efeito durante as aulas normais com aautora. Já o trabalho de motivação junto aos professores, foi feito durante osperíodos de AC (atividades de coordenação), apenas com o pessoal — 12 pessoas,ao todo — de Ciências exatas. Os resultados obtidos, ou seja, quantos professores e alunos construíramblogs e suas repercussões são também objeto deste trabalho. As categorias teóricas que sustentam esta pesquisa são: Cibercultura,interatividade, hipertexto, redes sócias e uso da tecnologia da informação naeducação.
  • 14. 14 Espera-se que os resultados apresentem um conjunto de informações cujainterpretação possibilite encontrar caminhos que conduzam ao uso das RedesSociais e, mais especificamente dos blogs, como ferramenta didático-pedagógica deexcelência no processo ensino aprendizagem.
  • 15. 152. REDES SOCIAIS E BLOG: CONCEITOS, CARACTERÍSTICAS E HISTÓRIA Busca-se, neste capítulo, definir os principais conceitos utilizados nesteestudo — especialmente redes sociais e blogs — de modo a construir uma base decompreensão junto aos possíveis leitores. Isso significa, inclusive, indicar o modo deuso desses conceitos — sua amplitude e limitações nos escopo deste trabalho. Osprincipais termos de tais conceitos, embora já bastante difundidos em nossasociedade, não integram o cotidiano de 100% das pessoas. Com isso, vê-se quenão é difícil encontrar quem pouco saiba — ou mesmo que tenha alguma noção — arespeito do que seja um blog, ou uma rede social. Pretende-se, ainda, apresentar, de modo sintético – e largamente baseadaem fontes virtuais — um pouco da história do surgimento das Redes Sociais, noâmbito da Internet e, por essa via, dos blogs. 2.1. Um Pouco da História das Redes Sociais De modo muito sucinto, apresenta-se, aqui, a história da Internet, para a partirdela se poder compreender seu desenvolvimento posterior e o surgimento daschamadas redes, suas variedades e entre elas o blog. Segundo uma variedade de informações da Internet, mas especialmente asda Wikipédia (http://pt.wikipedia.org/wiki/Hist%C3%B3ria_da_Internet) e do BrasilEscola (http://www.brasilescola.com/curiosidades/como-surgiu-a-internet.htm), aInternet surgiu nos Estados Unidos da América, nos anos 1960, durante o períodoconhecido como Guerra Fria. O alto grau de tensão existente à época entre aquelepaís e a antiga União Soviética — hoje Rússia —, fazia os americanos temerem queum ataque, a seus centros de informação e defesa, pudesse danificá-los parcial outotalmente, lançando o país num caos. Assim, criaram uma rede decompartilhamento de informações, no âmbito de suas organizações militares. O temido ataque nunca aconteceu e, com o fim da Guerra Fria, foi permitido oacesso a pesquisadores universitários, de início, isoladamente e, através deles àsinstituições universitárias. Depois dessas foi permitido o acesso de seus alunos e, aseguir, aos amigos dos alunos. A demanda cresceu e, com ela, a rede que seespraiou e se internacionalizou. Muito sinteticamente, assim surgiu a Internet.
  • 16. 16 Devido ao crescente desenvolvimento das ferramentas tecnológicas, comdestaque para as relacionadas com a Internet, possibilitaram o surgimento nasociedade atual de novas formas de socialização. A nova sociedade em rede éanalisada por Pierre Lévy (1999), criador da expressão “cibercultura”, termoassociado às comunidades virtuais, no espaço eletrônico e suas formas deinteração. Acredita que a Internet é um agente democratizador da informação, porpermitir que as pessoas conectadas construírem, coletivamente e partilharem ainteligência coletiva — portanto, em rede — esse mundo virtual, “é um espaço nãofísico ou territorial, que se compõe de um conjunto de redes de computadoresatravés das quais todas as informações (...) circulam”. Para Lévy a rede decomputadores através da Internet atua na sociedade democratizando a informação,merecendo destaque as redes sociais virtuais que se popularizaram entre osusuários da Internet na última década. O futuro dos sistemas da educação estádiretamente ligado à sua formação na cibercultura e a mudança contemporânea narelação com o saber. Essa nova fase da rede transformou um internauta comum num produtor e colaborador do conteúdo. “Na era da computação social, os conteúdos são criados e organizados pelos próprios utilizadores”. (LEMOS e LEVY, 2010, p.11) Para Silva (2004) o ciberespaço é uma região abstrata invisível que permite acirculação de informações na forma de imagens, sons, textos etc. Este espaçovirtual está em vias de globalização planetária e já constitui um espaço social detrocas simbólicas entre pessoas dos mais diversos locais do planeta. Segundo a Wikipédia, a ideia de rede social surgiu muito antes da invençãodos computadores em da Internet, [...] designar um conjunto complexo de relaçõesentre membros de um sistema social a diferentes dimensões, desde a interpessoal àinternacional [...] (pt.wikipedia.org/wiki/Rede_social) Uma das primeiras redes virtuais foi o Sixdegrees que, segundo o sitevocacional.blogspot.com, surgiu em 1997. Ainda segundo a mesma fonte, oSixdegrees foi o primeiro a possibilitar a criação de um perfil virtual combinado como registro do usuário, viabilizando, assim, a navegação pelas redes sociais. Contudo,seus serviços foram interrompidos após apenas três anos de funcionamento, porfalta de recursos financeiros.
  • 17. 17 (http://vocacionalnj.blogspot.com/2011/07/adolescencia-e-redes-sociais.html) Vários outros serviços semelhantes, de acordo com ovocacional.blogspot.com, surgiram a partir do ano 2000 a exemplo do Asianevenue,Blackplanet, Cyworld, Fotoblog, Live Journal, LuinarStorm, Migente e Ryze. OFriendster, segundo a mesma fonte, foi o site que mais se assemelhava às redessociais como as conhecemos hoje. Todavia, o site se viu obrigado a limitar asfuncionalidades de seus serviços, em função do subdimensionamento de suacapacidade de atendimento à demanda de seus usuários, frustrando-os(http://vocacionalnj.blogspot.com/2011/07/adolescencia-e-redes-sociais.html). É quase impossível estabelecer a quantidade de usuários de redes sociais nomundo. Contudo, é interessante observar que uma grande variedade de sites — aexemplo dos http://www.dihitt.com.br/n/internet/2009/05/31/redes-sociais-1;http://turma7e20092.bligoo.com/content/view/646612/Um-pouco-da-historia-das-redes-sociais.html; https://sites.google.com/a/in.cscm-lx.pt/redes-sociais-no-8e/historia-das-redes-sociais e mesmo a Wikipédia, provável fonte, mas, muitasvezes não citada pelos demais — estima que... [...] as maiores redes sociais apresentam números impressionantes como 250 milhões de usuários no MySpace, 200 milhões no Facebook, 120 milhões no Windows Live Spaces, 117 milhões no Habbo, 90 milhões no Friendster, 67 milhões no Orkut, entre inúmeros outros (sites acima). Mesmo em termos de estimativa, pode-se dizer que o número de usuários deredes sociais é realmente muito grande, mas tais números não podem ser tomadosde modo estrito, nem dão ideia da proporção de usuários frente aos não usuários, jáque muitas são as pessoas que participam de duas ou mais dessas redes. 2.2. Rede Social: Conceito e Características Qualquer pessoa tem noção do que seja uma rede, ou seja, um ponto ou nó, ligado a umou mais pontos ou nós. A ideia de rede social parte dessa imagem, na qual as pessoas ouorganizações se associam a outras pessoas ou organizações em função de objetivoscomuns. Exemplo disso são as redes de bairros, as beneficentes — tipo Lyons — e mesmoas redes online. Segundo Marteleto (2001, p.72), as redes sociais podem serdefinidas como um “conjunto de participantes autônomos, unindo ideias e recursosem torno de valores e interesses compartilhados”.
  • 18. 18 De modo geral, pode-se afirmar que as redes sociais são formadas por relações complexas que podem ocorrer entre indivíduos, grupos ou organizações, os quais se organizam em torno de interesses, valores ou crenças comuns (MARTELETO, 2001). As Redes Sociais têm adquirido importância crescente na sociedademoderna, a Wikipédia em sua página sobre Redes Sociais, publicou que [...] Umadas características fundamentais na definição das redes é sua abertura eporosidade, possibilitando relacionamentos horizontais e não hierárquicos entre osparticipantes (http://pt.wikipedia.org/wiki/Rede_social). Essa abertura e porosidadesignificam que a identidade entre as pessoas é que estabelece as conexõesfundamentais da rede. E significam igualmente a possibilidade de perda daidentidade fazendo com que pessoa se desligue ao ponto de a rede deixar de existir. Plataformas como wikis (permitem a construção coletiva), blogs, mídiassociais e as diversas redes sociais que se forma a inteligência coletiva, comodefende Lévy, a inteligência coletiva faz uso das redes sociais para alcançar cadavez mais pessoas. “As redes sociais on-line tornam-se cada vez mais ‘tácteis’, no sentido em que é doravante possível sentir continuamente o pulso de um conjunto de relações” (LEMOS e LEVY, 2010, p. 12). Ainda segundo a Wikipédia, as Redes Sociais, tipo online, podem operar e,efetivamente o fazem, em diferentes níveis, como, por exemplo, redes derelacionamentos como o facebook, o orkut, myspace, twitter, etc. ou redesprofissionais como LinkedIn, entre outras. Elas se caracterizam, ainda segundo amesma fonte, pela horizontalidade, descentralização e autogeração de suaorganização. E, nesse processo, o aumento do movimento de formação de RedesSociais, provoca um processo de fortalecimento da sociedade, levando à maiorparticipação democrática e com maiores possibilidades de mobilização social. AsRedes Sociais costumam reunir uma motivação comum, porém podem se manifestarde diferentes formas. As principais são: Redes comunitárias: estabelecidas em bairros ou cidades, em geral tendo a finalidade de reunir os interesses comuns dos habitantes, melhorar a situação do local, ou prover outros benefícios. Redes profissionais: prática conhecida como networking, que procura fortalecer a rede de contatos de um indivíduo, visando futuros ganhos pessoais ou profissionais.
  • 19. 19 Redes sociais online: tais como facebook, orkut, myspace, twitter, que são um serviço online, plataforma ou site que foca em construir e refletir RSs ou relações A análise de RSs (relacionada com as redes complexas) surgiu como uma técnica chave na sociologia moderna (http://pt.wikipedia.org/wiki/Rede_social). As Redes Sociais na Internet vêm ganhando destaque nos últimos anos, poisno início da segunda década do século XXI, a Internet faz parte do dia-a-dia da boaparte da população mundial, especialmente, no mundo ocidental1 e entre as pessoasde maior renda. Os e-mails —ou correio eletrônico — apareceram, por volta dosanos 1990, como a primeira forma de relacionamento de comunicação e troca dearquivos na internet. Essa forma de contato e de interação entre usuários de redesonline é mantida até os dias de hoje (www.natanaeloliveira.com.br/a-historia-das-redes-sociais/). 2.3. Redes Sociais: Exemplos, Funcionamento e Finalidades Além do Sixdegrees, citado acima, outras Redes Sociais, foram criadas comdiversas finalidades e formatos. Uma das que mais se aproxima do formato atual é aFriendster, que registrou mais de três milhões de cadastros. A Friendster, com oconceito de circulo de amizades, também permitia a criação e divulgação de perfis eum de seus objetivos era criar relacionamentos entre pessoas com os mesmosinteresses (www.natanaeloliveira.com.br/a-historia-das-redes-sociais/). Já o My Space, de acordo com o www.natanaeloliveira.com.br/a-historia-das-redes-sociais/, surgiu em 2003, logo após o Friendster, destacando-se, ao longo dotempo, por ser uma rede completamente interativa, podendo-se, nela, incluir fotos,músicas e até blogs. Segundo a mesma fonte, o My Space se tornou uma das redesmais populares dos Estados Unidos. Também em 2003 surgiu uma nova proposta de rede social online: a Linkedin.Sua proposta era voltada para interesses de empresários e profissionais. A respeitodessa rede o mesmo site www.natanaeloliveira.com.br/a-historia-das-redes-sociais/,informa que [...] a Linkedin trata a ligação entre os usuários com o termo ‘conexões’e não ‘contatos’ como nas demais redes. A figura abaixo representa a estrutura do Linkedin, mas oferece claramente anoção do que seja uma rede social online.1 No Oriente, os governantes de muitos países simplesmente não permitem o acesso à Internet ao conjunto de sua população— ou a uma parte dela, como as mulheres —, temerosos da infiltração de ideais e costumes que consideram política ousocialmente danosos / perigosos.
  • 20. 20Figura 1. Exemplo de grafo de uma rede social (neste caso, do LinkedIn da autora), geradoatravés da ferramenta disponível em: http://inmaps.linkedinlabs.com. Cada nó é um contato eas linhas são as interligações entre eles. Em 2004, desenvolveu-se a Web 2.0, uma espécie de evolução da web criadanos anos 90. Para o site www.natanaeloliveira.com.br/a-historia-das-redes-sociais/ Essa evolução não estava ligada a atualizações técnicas, mas a uma nova forma de utilizá-las e encará-las, tanto por seus usuários como também por seus próprios desenvolvedores. Apesar de muitos identificarem essa nova terminologia como apenas uma estratégia de marketing, o fato é que, exatamente no ano de 2004 seria lançada a rede social que surgiria como um grande fenômeno no Brasil e no mundo. Essa rede, sem dúvida alguma foi o Orkut. Desenvolvido pelo engenheiro turco e funcionário do Google, OrkutBüyükkokten, com a proposta de possibilitar aos usuários a criação de novasamizades — para se tornar usuário era necessário ser convidado por um usuário —,seu alvo era o público norte-americano. Entretanto, seu sucesso maior se deu naÍndia e no Brasil. No Brasil, ele cresceu tanto e conquistou tantos usuários, que ascomunicações em Português quase passaram a ser a regra.
  • 21. 21 Ainda em 2004 surgiria outra rede: Facebook, que inicialmente funcionou deforma restrita, voltado apenas para os alunos da Universidade de Harvard, origemde seus criadores. Posteriormente alcançou outros campi universitários, expandindo-se, em 2006 para quaisquer usuários, acima de 13 anos(www.natanaeloliveira.com.br/a-historia-das-redes-sociais/). 2.4. As Mensagens Instantâneas Com o rápido e considerável aumento do número de internautas, sentiu-senecessidade de uma ferramenta de comunicação que permitisse uma ampliação nasredes de contatos. Desse modo, por volta de 1997, ocorreu um dosdesenvolvimentos mais importantes e significativos, posteriores ao e-mail, que foramas mensagens instantâneas. De acordo com o site (www.natanaeloliveira.com.br/a-historia-das-redes-sociais/)América Online (AOL) foi um dos primeiros provedores de Internet a trabalhar com oserviço de bate-papo (chat em Inglês), limitado, claro, a seus assinantes. Isso nãoimpediu a popularização das mensagens instantâneas, que rapidamente, ganharammuitos adeptos. Rapidamente surgiram novos programas de mensagens instantâneas, aexemplo do ICQ — originalmente do site Mirabilis —; do SMS, da Microsoft; o Instantmessenger, do Hotmail e vários outros O Twitter — cuja denominação deriva do nome de um pássaro que gorjeiapara informar sua localização e atividade — é considerado o que há de maisinovador em termos de rede social online. Criado em 2006, pela Obvios Corp, secaracteriza pela velocidade da informação, já que apenas informações com até 140caracteres podem ser publicadas por vez. Desde 2009 essa rede vem crescendo ese tornando uma das mais importantes do mundo — e, muito especialmente noBrasil, onde vem suplantando o Orkut —, em função de seu formato, propício àsinformações jornalísticas (www.natanaeloliveira.com.br/a-historia-das-redes-sociais/). As Redes Sociais são utilizadas, nesta primeira década do século XXI porinternautas de todas as idades e praticamente, no mundo todo. Não apenasindivíduos, mas também empresas, de todos os segmentos econômicos, fazemparte das redes sociais e aproveitam sua velocidade de comunicação e o acesso a
  • 22. 22milhares de internautas para divulgar seus produtos e serviços(www.natanaeloliveira.com.br/a-historia-das-redes-sociais/). Segundo Lévy (1999), o futuro dos sistemas da educação está diretamenteligado a sua formação na cibercultura e sua mutação contemporânea na relaçãocom o saber. Essa nova fase da rede transformou internautas comuns emprodutores e colaboradores de conteúdo. “Na era da computação social, osconteúdos são criados e organizados pelos próprios utilizadores” (LEMOS e LEVY,2010, p.11). As redes sociais juntamente com muitas outras aplicações fazem parte da chamada Web 2.0. Web 2.0 é a mudança para uma Internet como plataforma, e um entendimento das regras para obter sucesso nesta nova plataforma. Entre outras, a regra mais importante é desenvolver aplicativos que aproveitem os efeitos da rede para se tornarem melhores quanto mais são usados pelas pessoas, aproveitando a inteligência colectiva. (O’Reilly 2005, s. p.). Informações divulgadas pelo jornal Folha de São Paulo(http://www1.folha.uol.com.br/tec/789215-brasil-e-o-quinto-pais-que-mais-usa-redes-sociais-diz-pesquisa.shtml), o Brasil é o 5º país, em número de visitas às RedesSociais no mundo. A mesma fonte informa que em julho de 2009, 23,9 milhões debrasileiros acessaram alguma rede, enquanto, no mesmo mês de 2010, o númerosubiu para 35,2 milhões de visitantes, um aumento de 47%. O Orkut, ainda segundoa Folha, já teria ultrapassado o Orkut em número de usuários, com um crescimentode 179% em um ano.
  • 23. 233. REDES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO A utilização das Redes Sociais como instrumento didático no ensino médio,trouxe a possibilidade de explorar suas várias potencialidades enquanto espaço deinteração, indo ao encontro dos interesses dos alunos, como também promove aaprendizagem colaborativa. As Redes Sociais atingiram pela forma como podem serutilizadas, uma importância surpreendente, que dificilmente seria previsível quandosurgiu. Suas características sociais, de utilização e fácil controle tornaram-seatrativas para todas as faixas etárias, principalmente, para os jovens. A escola podee deve aproveitar este interesse e direcioná-lo para a aprendizagem e integraçãosocial entre alunos e professores, colaborando e desenvolvendo as competênciasprevistas pelos programas das disciplinas. A questão é como o educador e o educando devem lidar com as novas ferramentas disponíveis na atualidade. A tecnologia não subestima, nem o educador, nem o educando; apenas modifica as relações entre os mesmos criando um novo ambiente de compartilhamento de conhecimento em que o domínio sobre a máquina e sobre o ciberespaço se faz imprescindível. (UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, http://www.wezen.com.br/site/2010/11/as-midias-sociais-estao-renovando-a- educacao/) Segundo Nepomuceno (2009) professores e alunos precisam começar a criarmecanismos de colaboração, para em conjunto criar conteúdos e interpretá-los.Desse modo, os alunos saem da escola com os conceitos fundamentaisapreendidos e com capacidade para entender o encadeamento das informações. Uma estrutura social que pode ser representada sob diversas formas degráficos, nos quais, os pontos representam os indivíduos — às vezes chamados deatores —, sendo as relações entre eles os traços que os unem, é o que chamamosde Rede Social. Muitos são os tipos de relações que podemos encontrar nas Redes Sociais,tais como operações financeiras, amizade, diversão, sexo ou relações profissionais.É um meio de interação entre pessoas distintas e distantes no espaço, dedicadas aatividades como nos jogos on-line, chats, fóruns, etc.A estrutura social da educação se adequa de forma perfeita a esse formato. Aprimeira característica das Redes Sociais — e, nesse caso, talvez a melhor —, quepode ser utilizada na educação é a facilidade e a rapidez para manter contato comum grande grupo de pessoas. Redes Sociais compostas por professores e
  • 24. 24estudantes poderiam explorar várias relações educacionais como cursos, monitorias,consultorias, grupos de trabalho interdisciplinares, etc. A sala de aula seria umapequena comunidade formada pelo professor e seus alunos, tornando-seefetivamente em lugar para colaboração e trabalho conjunto. Um detalhe quesurpreende quando se buscam informações sobre a aplicação das Redes Sociaisem educação é quase absoluta falta delas. Muitos professores estão em RedesSociais, mas são quase inexistentes os que as levaram para a sala de aula.Segundo LÉVY (1988), O professor deve desenvolver o papel de “animador” doaprendizado, utilizando de forma dinâmica a criatividade e utilizando o máximopossível as ferramentas que o computador e as redes sociais podem oferecer comoferramenta de aprendizado. Antes mesmo de influir sobre o aluno, o uso dos computadores obriga os Professores a repensar o ensino de sua disciplina. [...] A transmissão de informações e a notação dos exercícios deixam de ser a principal função do professor. Guiando a procura do aluno por informações nos programas, nos banco de dados e nos livros, ajudando-o a formular seus problemas, torna- se um animador do aprendizado. (LÉVY, 1998, p. 27) Desse modo Levy evidencia as transformações na execução do papel doprofessor da primeira década do século XXI. O professor passa a exercer o papel deorientador, levando o aluno a pensar, buscar informações, produzindo e exercendo asua criatividade. Uma característica importante das redes sociais é sua capacidade devalorizar a individualidade dos usuários e isso é importante quando se trata deadolescentes que estão firmando sua personalidade. Não seria, por exemplo,recomendável ou didático, que um professor, trabalhando com Redes Sociais,restringisse a possibilidade de os alunos personalizarem suas páginas pessoais,seja alterando cores, inserindo fotos, vídeos, músicas, etc. Os usuários de redessociais têm mecanismos para criar seus próprios objetos, que podem ter a forma sóde texto — mensagens, comentários sobre outros objetos, fóruns de discussão —,imagens, sons, blogs, objetos incorporados (documentos, apresentações), anexos,etc. Embora os produtos digitais da rede possam ser limitados, a capacidade deincorporar objetos externos faz com que, na prática, sua versatilidade e o leque depossibilidades e alternativas seja muito elevada.(http://www.educacaopublica.rj.gov.br/biblioteca/tecnologia/0034.html)
  • 25. 25 O papel do professor, então, além de trabalhar os conceitos, deve orientarseus alunos a navegar no rumo certo para encontrar o que interessa em meio aovolume avassalador de informações disponíveis. É fundamental, nesse sentido, queas novas gerações possam se desenvolver, dominando a máquina e o ciberespaço.Em outras palavras, é despropositado não dar a essas novas gerações aoportunidade de se integrarem ao mundo virtual e suas inúmeras oportunidades epossibilidades. Portanto, permitir que os alunos possam estabelecer relações viauma rede social, significa ainda, permitir-lhes conhecer seus limites, e os de seuscompanheiros, colegas, professores, da escola, etc. Por outro lado, a comunicação direta com os alunos se torna muito simples, edireta, seja através do mural (mensagens que todos podem ver ao abrir uma páginapessoal), ou privado (por meio de mensagens diretas semelhantes a e-mails quepodem ser enviadas diretamente a um ou a todos os membros de um grupo). Isso se aplica também aos alunos. Eles podem entrar em contato entre si, oucom qualquer de seus professores de forma direta. Desta forma a rede social temefeito direto sobre a melhoria das comunicações pessoais aluno-professor e aluno -aluno. (http://www.educacaopublica.rj.gov.br/biblioteca/tecnologia/0034.html) Para Alam (2010) a importância do professor é inegável, mas, o deste séculoé essencial para que as novas gerações se desenvolvam dominando a máquina, atecnologia e o ciberespaço. Diz ele que aprender e ensinar, no atual momentotecnológico é fundamental para vivenciar um momento da história da humanidadeque é ímpar, pelo alargamento das fronteiras do pensamento. O educadorcontemporâneo precisa manter-se constantemente atualizado para acompanhar aevolução da tecnologia e das redes sociais, desta forma poderá sentir o plenodomínio do ciberespaço. Se o professor do século passado era importante, o deste século é essencial para que estas gerações possam se desenvolver plenamente, mas dominando a máquina, dominando o ciberespaço e conscientes de que o ato de ensinar e aprender são fundamentais para usufruirmos desta fantástica tecnologia e deste momento ímpar da humanidade em que as fronteiras do pensamento inexistem. (ALAM, 2010, p.-)
  • 26. 26 Tais afirmações descrevem sintética e magistralmente o papel dosprofessores, no período histórico que Milrton Santos (1998), importante geógrafobrasileiro, denominou meio – técnico – científico – informacional. 3.1. O Atrativo das Relações Sociais Para os professores, as Redes Sociais possuem características e abrempossibilidades, ainda não inteiramente percebidas por eles. Criando uma rede épossível o facilitar a comunicação e mais eficazmente coordenar as atividades einteragir com os alunos. Mais ainda, pode criar laços de união com os demaisprofessores tanto de sua unidade, como de outras pelas afinidades disciplinares ouinterdisciplinares. As Redes Sociais têm grande importância no aspecto pessoal e de relaçãopor parte dos que fazem uso delas. Por esse motivo, quanto maior o número departicipantes, mais atração gera nos alunos que estão em contato direto com seusprofessores, amigos e colegas. Cria-se assim, um ambiente de trabalho saudável, oque tem se revelado como um dos motivos diretos do sucesso dessas redes. O Brasil ganha destaque neste contexto, pois os brasileiros são os internautas que mais passam tempo on-line por mês, fazendo uso de várias ferramentas da computação social, dentre as mais usadas estão às redes sociais. “Os brasileiros são ativos produtores de informação e participantes das redes sociais” (LEMOS e LEVY, 2010, p.23). As Redes Sociais têm a fantástica possibilidade, se bem orientadas ouorganizadas, em seus objetivos, de aproximar a aprendizagem formal da informal.Podem permitir que os estudantes se expressem por si mesmos, estabeleçamrelacionamentos com outras pessoas e atendam às exigências dos objetivoseducacionais traçados para si e para o conjunto dos demais usuários. A possibilidade de criar grupos de estudantes — assim como se criam, porexemplo, de profissionais ou de aficionados por determinados assuntos — facilita acoordenação do grupo, seus objetivos atividades; o contato entre todos; acolaboração na execução de tarefas; o compartilhamento de materiais e a criação deprodutos digitais. Tanto alunos como professores podem criar grupos que podem ser abertos aqualquer pessoa ou fechados — grupos aos quais se tem acesso via convite. Os
  • 27. 27grupos podem ser criados, pelos professores, de diversas formas como: a) classepara tutoria, onde o tutor — em geral um professor, ou alguém designado por ele —emite avisos ou estabelece diálogos sobre temas de interesse do grupo; b)disciplinas, nas quais o professor pode postar uma atividade, atualizar o blog, postarnotas de avaliações ou responder a dúvidas sobre temas estudados em sala. Formado por alunos, esses estarão em contato para quando precisaremrealizar trabalhos de grupo em alguma disciplina, ou discutir as dúvidas entre si.(http://www.educacaopublica.rj.gov.br/biblioteca/tecnologia/0034.html) Quando a intenção é usar a rede social para determinadas atividades, podeser necessário usar serviços externos que podem ser acessados pela rede,deixando-a como centro de encontro, coordenação e referência exterior. Devido à presença das redes sociais em nossas vidas, podemos realizarescolhas entre o real e o virtual, estamos seguindo uma tendência a escolher cadavez mais o virtual para nossas ações rotineiras, quando a presença física não éobrigatória, tornado a rotina mais prática, economizamos tempo que é fundamentalnos dias de hoje, assim Moran nos relata, “O que consideramos fundamental nas nossas vidas o faremos presencialmente. As tarefas, serviços, trabalho e a manutenção dos grupos a que pertencemos poderemos fazê-lo virtualmente”. (MORAN, 1998, p. 76) Devemos lembrar que interação virtual não é restrita ao computador, aoschats, as redes sociais, etc. quando entramos em contato com histórias fictícias defilmes, novelas, as pessoas passam a interagir com um mundo virtual. Como afirmaMoran à interação virtual e física pode variar entre as pessoas, devido a possuíreminteresses diferenciados, variações no nível de socialização, dentre outros fatoresque irão determinar como cada pessoa se comporta em relação a interações virtuaisou físicas. “Muitos vivem hoje mais interações virtuais do que reais, se emocionam mais com histórias de uma telenovela do que com historias semelhantes que acontecem ao seu redor”. (MORAN, 1998, p. 77) Segundo matéria publicada no site Educação Pública(http://www.educacaopublica.rj.gov.br/biblioteca/tecnologia/0034.html), pode-seencontrar em uma rede social, inúmeros benefícios que possibilitam uma formadiversificada para trabalhar com os alunos, entre os quais, podem ser citados:
  • 28. 28 a) Centralizar em um só lugar todas as atividades docentes, professores e alunos de uma escola; b) Um ambiente de trabalho mais saudável, permitindo ao aluno criar objetos de interesse próprio; c) Fluência e facilidade de comunicação entre professores e alunos; d) Maior eficácia na utilização prática das TIC; e) Coordenação dos trabalhos de vários grupos de aprendizagem (classe, disciplina, grupo de estudantes de uma disciplina etc.) mediante a criação de grupos apropriados; f) Comportamento social básico por parte dos alunos: g) O dizer, o fazer, onde posso chegar etc., sentimento de comunidade educativa para alunos e professores, devido ao efeito de proximidade que as Redes Sociais causam. (http://www.educacaopublica.rj.gov.br/biblioteca/tecnologia/0034.html) As redes sociais, conforme Bohn (2009) possibilitam a troca de conhecimento,o estudo em grupo e a aprendizagem colaborativa. Os fóruns de discussão,existentes em quase todas as redes sociais, permitem a abertura de tópicos e ainteração com outros membros para compartilhar as ideais. Tais redes são totalmente controláveis por seus administradores, que podemeliminar conteúdos inadequados e mesmo bloquear usuários que causemproblemas. É necessário trabalhar com redes fechadas para trabalhar com menoresde idade, de modo a protegê-los, evitando a divulgação de seus nomes ou outrosdados que permitam sua identificação.(http://www.educacaopublica.rj.gov.br/biblioteca/tecnologia/0034.html) 3.2. As Redes Sociais: Uso do Blog como Instrumento Pedagógico O surgimento dos blogs não tem data específica, mas o termo Weblog surgiuem dezembro de 1997, com Jorn Barger que, em sua página pessoal RobotWisdom, postou pequenos comentários e alguns links. A própria origem da palavrablog é uma mistura “[...] entre web (página na Internet) e log (diário de bordo) [...]”(SCHITTINE, 2004, p.12). O termo weblog é utilizado por servidores web para os acessos aos mesmos, então com o tempo preferiu-se a utilização de uma versão mais curta, BLOG. Peter Merholz (1999) sugeriu o termo “we blog” (em português, nós blog), e assim surgiu o verbo blogar, e por consequência o adjetivo blogger para aqueles que utilizam os blogs. No entanto Blogger é um serviço de publicação de blogs e por isso Branun sugeriu o termo bloggist (no Brasil é mais usado blogueiro que faz referência a blogger, mas o termo bloguista também é utilizado). Robot Wisdom – Blog de Jorn Barger (http://robotwisdom2.blogspot.com/).
  • 29. 29 Os Weblogs, ou simplesmente blogs, são páginas na Internet, entretanto,possuem funcionamento simplificado, de forma que qualquer pessoa consiga postartextos, imagens e vídeos na Internet. Os blogs surgiram primeiramente como diários pessoais, que poderiam serprivados ou abertos às pessoas. No entanto foi adquirindo outras funções.Divulgação de trabalhos, páginas pessoais, educação, entretenimento, informaçãoetc. A popularização dos blogs se deu devido a suas características técnicassimples, como diz Denise Schittine: [...] o blog surgiu como um sistema de disponibilização de textos e fotos na web menos complexo e mais rápido, o que facilitou a fabricação de páginas por indivíduos com pouco conhecimento técnico (SCHITTINE, 2004, p.13). Os blogs são, portanto, páginas pessoais em formato semelhante ao dediários, que podem ser atualizadas a qualquer momento. Seus temas e possíveisconteúdos abrangem uma infinidade de assuntos, ou seja, tudo que um autorimaginar. O certo é que alguns são voltados para diversão e outros utilizados emsituação de trabalho, entretanto, há também aqueles que misturam tudo. O maiscomum é enfocar um tópico ou área de interesse do autor. Até agora, expressar-sepela web era privilégio de quem conhecia a fundo linguagem de programação, masos bloggers estão ampliando as possibilidades da rede. Segundo Rebecca Blood,publicada em http://welitonshow.blogspot.com/2009/10/refletindo-sobre-blog.html, “ARede nasceu com a promessa de que todos poderiam publicar, milhares de vozespoderiam florescer, comunicar, conectar”. Em geral, os blogs trazem links para outros blogs e o conteúdo gira em tornodo tema escolhido pelo blogueiro, sob forma de comentários, em pequenosparágrafos, apoiados, ou não, por vídeos, fotos, música. Semelhante a uma homepage, tem a vantagem de facilitar a criação e a atualização, além disso, informa emtempo real, cronologicamente organizado — segue uma linha de tempo, com umfato após o outro, registrando data e hora; facilita também a interação com o leitor,que, por sua vez, pode comentar, criticar, fazer sugestões, mandar recados, etc.(http://aquarelasdigitais.blogspot.com/2008/07/os-blogs-na-educao.html) As pessoas criam blogs geralmente por dois motivos, “[...] para convencer epara deixar um registro [...]” (HEWITI, 2007, p.137). Criar um blog é a maneira mais
  • 30. 30fácil de tornar público algo que se escreveu, seja ou não dirigido para um públicodeterminado. Um aspecto a ser abordado é que, muitos autores de blog escrevem para queoutras pessoas leiam, mas quando seus blogs “[...] passam a ser ignorados, tendocomo únicas visitas um colega de faculdade ou um cunhado... alguns ficamcansados e desistem do esforço [...]” (HEWITI, 2007, p.137). E é aí que está umfator fundamental, a Internet “[...] oferece uma plateia quase ilimitada... oferecer, nãosignifica garantir” (HEWITI, 2007, p.137). Assim, muitos autores de blogs acham quepara ter essa plateia disponível, bastará começar a escrever, para que milhares depessoas comecem a ler seus textos. No entanto, para pessoas que não sãoconhecidas, como jornalistas famosos, atores, críticos, que já estão expostos namídia, à sistemática não é essa. Para os desconhecidos, ou não famosos, é precisoum “trabalho de formiga”, é preciso, além de um bom conteúdo a ser exposto, terpersistência no trabalho. Os visitantes desses blogs de pequeno tráfego estão ligados a eles por alguma razão – amigos, parentes, colegas de trabalho – o impacto do comentário será maior do que se um estranho visitar... Esses blogs ocupam um nicho semelhante ao do informativo da associação de pais e mestres, do boletim da igreja e talvez do jornal local gratuito que cobre os esportes colegiais (HEWITI, 2007, p.144). Muitas pessoas têm necessidade de saber que seu trabalho está sendoacompanhado e gosta de opiniões, comentários de pessoas próximas ao autor, que,geralmente, surtem mais efeito do que os de estranhos. Todavia, frequentemente, oscomentários de desconhecidos trazem mais verdades consigo. 3.3. Blog na Educação De que forma os educadores, podem usar esse novo suporte de informaçãopara alcançar os objetivos educacionais dentro do processo ensino- aprendizagem? Como recurso de aprendizagem, o blog ainda é novidade, mas a linguagem ébem conhecida dos adolescentes, que o utilizam para publicar páginas pessoais,como os tradicionais diários. (http://revistaescola.abril.com.br/lingua-portuguesa/pratica-pedagogica/blog-diario-423586.shtml) Entre educadores e educandos um blog pode representar um salto na capacidade de comunicação dos alunos, convidados a exercitar a leitura, a escrita, o senso crítico, a familiaridade com a informática, desenvolvendo a criatividade na elaboração de pesquisas e projetos
  • 31. 31 colaborativos (http://aquarelasdigitais.blogspot.com/2008/07/os-blogs- na-educao.html). É essa funcionalidade, uma de suas características mais interessantes,para o uso com educandos. Na sala de aula, um blog serve, ou pode servir, entre outras coisas, pararegistrar os conhecimentos adquiridos pela turma, durante os projetos de estudo,sendo possível enriquecer todo o processo, com relatos, comentários, links, fotos,ilustrações e sons. Ocorreu à popularização dos blogs, como visto antes, nummomento, em que a Rede, aparentemente, já não trazia muitas novidades,valorizando a criação e autoria, trazendo um novo cenário para a Web. Os blogs trazem mais cor, expressão, identificação e individualidade àInternet. Quem bloga uma vez, não quer parar. Os que leem um blog interessantepassam a acompanhar a atualização da página todos os dias, como o desenrolardos capítulos de uma novela. A Educação pode abrir novos canais de comunicação entre alunos eprofessores, incentivando o uso do blog e, respectivamente, a aprendizagem dastecnologias envolvidas. O educador pode convidar os alunos para criarem, juntos, um blog da turma. Todo o processo — escolher o servidor, eleger e editar o visual, inscrever os participantes e decidir o nome e os "objetivos" do blog — pode ser feito coletivamente. (...) Um blog feito por várias pessoas tem a vantagem de estar sempre mostrando novos textos, imagens, ideias. (...) Também é possível fazer do blog um jornal com as novidades, curiosidades, notícias e fofocas da turma. Grupos de alunos poderiam assumir cada editoria (editorial; notícias da escola; notícias da turma; cultura; esportes; recreio; colunas de opinião; etc.) e o jornal estaria sempre fresquinho e sempre no ar, para quem quisesse ler (Blog na Sala de Aula – Lorenzo Aldé http://www.via6.com/topico/37392/crie-um-blog-muito-facil-). Fazer blogs pode ser uma forma divertida e criativa de estabelecer o hábito deregistrar e divulgar informações e iniciativas de interesse. É uma ótima estratégiapara dar a palavra aos estudantes. E o professor? Ele também teria acesso aos blogs pessoais dos alunos, podendo sempre comentá-los, tirar dúvidas e selecionar bons textos e temas de discussão para levar para a sala de aula. Deixando os alunos livres para criar, sem compromisso de resultado ou nota, o professor obtém o que há de mais valioso nesta relação: passa a conhecer a cabeça de seus alunos, seus sonhos, medos, desejos e interesses. Seja como for, levar o recurso dos blogs para a escola pode representar um salto na capacidade de comunicação dos alunos. Levar o recurso dos blogs para a escola pode representar um salto na capacidade de comunicação dos alunos. Convidados a se divertir, eles estarão exercitando a leitura, a escrita, o senso crítico e a familiaridade com a informática (Blog na Sala de Aula – Lorenzo Aldé).
  • 32. 32 A possibilidade de explorar todas essas possibilidades e potencialidades dosblogs, a serviço do processo ensino-aprendizagem está, portanto, nas mãos dosatuais educadores. Os blogs possuem características que desperta o interesse dageração de jovens atuais que esta acostumada a dinamismo, acesso rápido,comunicação e socialização. Pode e deve ser usado como uma nova ferramentapara atrair alunos para um mundo novo da leitura e da escrita. Todas estaspossibilidades dependem da capacitação e criatividade do professor, “(...) tudo depende da imaginação do educador na hora de propor as atividades (...) É um espaço muito interessante, autoral. Os alunos se sentem orgulhosos e querem realizar bons trabalhos, que sejam valorizados pelos outros. Se o professor souber aproveitar, poderá ter ótimos resultados. Não podemos mais inibir o aluno, que já está tão acostumado com aquela caneta vermelha rabiscando o texto. O interessante do blog é que o estudante se manifeste sem restrições, interagindo com outros alunos e professores". (BARATO apud RAGAZZI, 2006) Neste imenso universo digital os estudantes encontram um grande dilúvio deinformação e se utilizam de diferentes meios para filtrar e absorver o conhecimento,é exatamente por isso que a visão do professor detentor do conhecimento não podemais existir, professor deverá transformar toda a informação que a rede disponibilizaem conhecimento. “Quanto mais informatizado for o planeta, quanto maior for o espaço cibernético, quanto mais informações estiverem disponíveis, maior será a necessidade e importância do professor. Um professor dos novos tempos, atualizado, interessado e respeitado.” (ALAM, 2010, p. -).
  • 33. 334. OS ALUNOS E O BLOG: RESULTADOS A primeira etapa do trabalho consistiu em orientar os alunos e professorespara a elaboração de um projeto para a construção de um blog. Tanto uns quantooutros receberam materiais alusivos — Roteiro para a criação de um blog (Anexo I)e Roteiro para avaliação dos blogs da turma (Anexo II) — e foram feitas discussõessobre como e por que construir um blog. Paralelamente, todos foram sendotreinados passo a passo, nessa tarefa de construção, resultando na criação dosseguintes blogs, dos quais cinco são de professores, sendo dois da autora e 14 dosalunos: 1- Prof.ª Marta - http://digitalbiologia.blogspot.com/ 2- Prof.ª Marta - http://blogandoinfo.blospot.com/ 3- Prof.ª Helena - http://digmat22.blogspot.com 4- Prof. Fred - http://fredemassuntosdiversos.blogspot.com/ 5- Prof.ª Raimunda – http://matematicaativa.blogspot.com 6- Diego Silva - http://diiegotecnico.blogspot.com/ 7- Elaine S. de Souza - http://lanesaude.blogspot.com/ 8- Elideise D. da Costa - http://damasaude.blogspot.com/ 9- Graziele S. da Silva - http://graziisenna.blogspot.com/ 10- Hilcinete M. P. Silva - http://hilinforeduca.blogspot.com 11- Ionarla S. J. Moreira- http://emutchomais.blogspot.com/ 12- Jadson R. S. Santana - http://jadsontecnico.blogspot.com/ 13- Jessica Gabriel - http://blogandocomjessica.blogspot.com. 14- Jeu Ferreira Bezerra - http://tecmicro2012.blogspot.com/ 15- Jonas S. Magalhães – http://jonasmusicas.blogspot.com/ 16- Joseane S. de Araújo - http://joseanearaujo18.blogspot.com/ 17- Marise Sousa Gomes - http://blogandocomMarise.blogspot.com 18- Roberta B. Oliveira - http://robertaaianabrasil.blogspot.com/ 19- Samara S. Conceição – http://samaradvances.blogspot.com/ Os temas escolhidos para os Blogs foram os mais diversos. Os professores— apenas três, de 12, todos da área das ciências exatas, que participaram dasreuniões de AC (atividades de coordenação), nas quais o assunto ‘construção deblogs’ foi tratado — centralizaram o tema em suas respectivas disciplinas. De seulado, dos 20 alunos do 3º ano do Curso Técnico em Informática, 15 construíramblogs, abordando grande diversidade de temas (saúde, estética, música, tecnologia,
  • 34. 34auto-ajuda, etc.). Nesta etapa foi enfatizada a importância da pesquisa e daprodução do conhecimento, contribuindo para responder os questionamentosestabelecidos por esta pesquisa. Observou-se grande interação, especialmente entre os alunos, comnavegações entre os blogs e, consequentemente, valiosas trocas de informações. Entretanto, pelo menos, entre os professores, aconteceu que por falta demaior traquejo com o manejo dos recursos da Internet, a necessidade de a autora seausentar, pouco depois dos trabalhos iniciais de elaboração dos blogs, os levoupraticamente ao abandono de seus blogs. Dando sequência à formação de Redes Sociais, foi aplicada metodologiasemelhante (o mesmo Anexo II) para a criação do Twitter, oportunizando aosparticipantes da pesquisa aprender a utilizar outra ferramenta, visando facilitar atroca de informações sobre os blogs criados. O Twitter demonstrou ser umaferramenta ideal para socializar a turma, com mensagens rápidas. Os Twitterscriados foram os seguintes: 1- Prof.ª Marta Cristina - http://twitter.com/mcddn3 2- Prof.ª Maria Helena – http://twitter.com/mahepaca 3- Prof.ª Raimunda Crispina - http://twitter.com/teixeiracrisp 4- Marise Sousa Gomes – http://twitter.com/mariseflor 5- Hilcinete M. Patriarca - http://twitter.com/hilciaboa 6- Jessica Clarissa Santos - http://twitter.com/yessicaclarissa 7- Elideise Damasceno – http://twitter.com/Daysebela 8- Joseane Araújo - http://twitter.com/joseane18 9- Samara S. Conceição - http://twitter.com/Samarininha 10- Jeú F. Bezerra - http://twitter.com/Jefebe13 11- Roberta Brasil - http://twitter.com/robertaaiana 12- Jonas Santos - http://twitter.com/jonassalvador 13- Graziele Senna - http://twitter.com/grazisenna 14- Luiza Borges – http://twitter.com/izaborges98 15- Diego Silva Alves - http://twitter.com/DihFlash Observe-se que, dos Twitters criados, apenas três são de professores, sendoum da autora. Do mesmo modo, o sucesso entre os alunos foi de 12 em 20, ou seja,60% de sucesso. Com a utilização do Twitter, observaram-se novas e mais intensastrocas de informações culturais com sugestões de vídeos, livros, músicas, jogos e
  • 35. 35conteúdos de estudo, como também, de informações diversificadas, contribuindopara melhor socialização entre alunos e professores. Em um terceiro momento foi aplicados dois questionário de pesquisa com afinalidade de coletar dados sobre o nível de conhecimento dos alunos a respeito dasRedes Sociais e sua aplicabilidade na educação (Anexo III) e outro especificamentea respeito de blogs (Anexo IV). Responderam aos questionários um total de 20 (vinte) alunos de ambos ossexos, pertencentes ao 3º ano do Curso Técnico de Informática 2. Através dasquestões pode-se avaliar e criar um perfil dos indivíduos pesquisados, a respeito dautilização da internet (onde, como e quanto usa) além das questões éticas e sociais,o nível de conhecimento sobre as Redes Sociais, sua importância e influência naeducação, especialmente o Blog. As primeiras questões (1 a 4) foram direcionadas para pesquisar sobre o fatode possuírem computador pessoal, local em que acessa a internet, frequência queutiliza e que atividades desenvolvem na internet (nesta última questão foi permitidomarcar mais de uma opção). A primeira questão, sobre ter, ou não, computador com acesso à Internet, 15alunos responderam positivamente e apenas cinco responderam não possuir talequipamento. Para alunos de colégio público, considerados oriundos de famílias debaixos rendimentos, é quase surpreendente. Mas, evidencia a importância assumidapelo computador e pela Internet no âmbito dos menos privilegiados. Para a questão sobre o local onde mais frequentemente acessam a Internetos resultados surpreenderam positivamente (Tabela 1 e Gráfico 1). Os 20 alunos, jámencionados, sem exceção, acessam a Internet, mesmo aqueles que não têmcomputador em casa. Isso demonstra que o acesso à Internet, no Colégio, mesmocom as restrições de praxe, ameniza, mesmo que em pequeno grau, um problemade inclusão digital. Mas, revela também, que é preciso investir mais profundamentenessa questão tecnológica.2 O Curso Técnico em Informática deve ser feito em quatro anos para se obter o certificado de conclusão. Como o referidocurso ainda está no estágio de implantação no Colégio citado, só haverá uma turma de 4º ano em 2012 que será formadapelos atuais alunos do 3º ano de 2011.
  • 36. 36 Tabela 1. Local onde mais frequentemente acessa a Internet Lugar Respostas % Em casa 12 60 Casa de amigos 2 10 Na escola 3 15 Lan house 3 15 Não acessa 0 0 Total 20 100 Fonte: Pesquisa direta 2011 Gráfico 1. Percentuais dos locais onde mais frequentemente acessam a Internet 60 50 40 30 20 10 0 Em casa Casa de amigos Na escola Lan house Não acessa Observe-se que 60% dos alunos pesquisados acessam a rede em casa comodito acima, por causa do acesso no Colégio, nenhum respondeu que não acessa. Tratando-se da frequência com que acessa a Internet (Tabela 2 e Gráfico 2),verifica-se que 90% dos alunos acessam a rede diariamente, ainda que do total,50% o faça por menos de três horas. Apenas dois alunos (10%) só têm acesso umavez na semana, mas ninguém leva um mês sem acessar.
  • 37. 37 Tabela 2. Frequência com que acessa a Internet. Frequência Respostas % Todos os dias 18 90 - menos de 3 horas 10 50 - mais de 3 horas 8 40 Uma vez por semana 2 10 Uma vez ao mês 0 0 Total 20 100 Fonte: Pesquisa direta 2011 Gráfico 2. Percentual de frequência de acesso à Internet 90 80 70 60 50 40 30 20 10 0 Todos os dias - menos de 3 - mais de 3 Uma vez por Uma vez ao horas horas semana mês A questão seguinte investiga as atividades desenvolvidas na Internet (Tabela3). Estudo, com 40% das respostas, revela novamente a importância do acesso àInternet no âmbito do Colégio. Comunicação aparece com 30% das respostas, mas,Lazer e Trabalho se revelaram com menor peso. No segundo caso, compreende-seque não dá para usar a Internet para trabalhar, seja no Colégio ou em lan houses.Além disso, como estudantes do turno diurno (vespertino), poucos têm empregoformal, não sendo, portanto, necessário o uso para finalidades profissionais.
  • 38. 38 Tabela 3. Principal atividade desenvolvida ao acessar Atividades Respostas % Estudo 8 40 Comunicação 6 30 Lazer 4 20 Trabalho 2 10 Total 20 100 Fonte: Pesquisa direta 2011 Gráfico 3. Percentuais da principal atividade desenvolvida ao acessar a Internet 40 35 30 25 20 15 10 5 0 Estudo Comunicação Lazer Trabalho A segunda etapa do questionário de pesquisa foi direcionada para o temaRedes Sociais, onde foram abordadas questões técnicas, éticas e educacionais.Assim, verificou-se que não havia nenhum dos alunos que responderam aoquestionário, que ainda não tivesse ouvido falar em redes sociais, ainda que cincodeles não soubessem conceituá-las. Verificou-se, a seguir, que, ainda que não soubessem conceituá-las, todosfaziam parte de alguma rede. Abaixo se apresenta o demonstrativo das redes derelacionamento que mais utilizavam. (Tabela 4).
  • 39. 39 Tabela 4. Principal programa de relacionamento de usos de cada aluno Programa Respostas % Facebook 5 25 Orkut 8 40 Weblogs - Fotoblogs 2 10 Twitter 2 10 Comunidades virtuais 3 15 Total 20 100 Fonte: Pesquisa direta 2011 Gráfico 4. Percentuais de uso das principais redes sociais online 40 35 30 25 20 15 10 5 0 Facebook Orkut Weblogs - Fotoblogs Tw itter Comunidades virtuais O Orkut apareceu com maior peso, seguido do Facebook e comunidadesvirtuais. O Twitter e os blogs não tiveram a mesma penetração entre esses alunos.Contudo, ressalte-se que a pergunta se referia ao programa mais utilizado, portanto,possivelmente, boa parte deles faça parte de mais de uma rede. A seguir, foram oferecidas algumas afirmações opinativas e foi solicitado quemarcassem aquela (ou aquelas) que mais se aproximasse de seu modo de pensar.Duas das cinco alternativas oferecidas concentraram, igualmente, mais de 26% dasopiniões dos alunos. Exatamente aquelas que, aparentemente são o principalmotivador para se fazer parte de uma rede social — virtual ou não — que foram asque afirmam as possibilidades de compartilhar ideias e interesses comuns e a
  • 40. 40aproximação de parentes e amigos distantes. Coerente com essa visão, a terceiraalternativa de maior peso (21,7%) foi a do favorecimento de novas amizades. As frases que sugerem características “negativas” ou “perigosas” foram as demenor peso relativo (Tabela 5). É muito provável que essas opiniões, mais voltada para seus própriosobjetivos de ingresso nas redes, associadas à juventude dos respondentes, não lhespermita uma visão mais crítica, ou menos favorável, das Redes Sociais online. Tabela 5. Opiniões a respeito das Redes Sociais de InternetAfirmação Respostas %a) Favorecem o compartilhamento de idéias einteresses comuns 12 26,1b) Permitem uma exposição exagerada daintimidade das pessoas 4 8,7c) Favorecem a aproximação de pessoas que estãolonge de amigos e parentes 12 26,1d) Permitem que jovens inexperientes se tornempresas fáceis de pessoas desonestas 8 17,4e) Favorecem o estabelecimento de novasamizades 10 21,7Total 46 100Fonte: Pesquisa direta 2011 Tais resultados foram corroborados pelos da questão seguinte, que investigouopiniões e ou conhecimento relativos a aspectos éticos do uso da Internet. A duas afirmações com maior peso relativo foram aquelas em que os alunosassinalaram não compreender as restrições de uso das redes sociais no âmbitoescolar (30%) e aquela em que revelaram desconhecer os aspectos éticosenvolvidos no uso da Internet (25%) (Tabela 6). Oito alunos (20%) assinalaram conhecer as restrições relativas às questõesde autoria. Apenas cinco (12,5%) afirmaram conhecer as regras eticamente corretasde uso do correio eletrônico e da Internet e outros 12,5% assinalaram quecompreendem as medidas adotadas, pela escola, de restrições de uso da Internet.
  • 41. 41 Tabela 6. Opiniões sobre questões éticas de uso da Internet Afirmação Respostas % a) Não estou ciente das questões éticas que envolvem o uso do computador 10 25,0 b) Tenho conhecimento das questões relacionadas à autoria 8 20,0 c) Compreendo as regras éticas de uso de correio eletrônico e da internet 5 12,5 d) Compreendo as restrições adotadas pela Direção da escola ao uso da internet 5 12,5 e) Não compreendo as restrições em relação ao uso das Redes Sociais no ambiente escolar 12 30,0 Total 40 100 Fonte: Pesquisa direta 2011 Os dados investigados a seguir tratam mais especificamente das redessociais e, mais de perto, dos blogs (Anexo IV). Dos 20 alunos que responderam ao questionário 18 assinalaram queacreditam que, de alguma forma, as Redes Sociais podem contribuir para a melhoriado aprendizado. Apenas dois (10%) responderam negativamente. Dentre esses 20 alunos, 15 (75%) afirmaram saber explicar o que é um blog,contra apenas cinco (15%) que não o sabem. Quanto a possuir ou participar de um blog, 13 (65%) responderamafirmativamente, contra sete (35%) que responderam negativamente à questão. Apenas cinco (15%) dos citados alunos responderam que têm, na turma,algum professor que utiliza blog como facilitador da aprendizagem dos alunos. Osdemais (75%) responderam negativamente à questão. O que não surpreende, mas que é mais do que importante e extremamentesignificativo, é o fato de 100% ter respondido estar disposto a interagir, participar de,ou colaborar com um blog. Ratificando os dados acima, 15 alunos (75%) declararam não ter qualquerdificuldade de navegar nessa interface — a dos blogs — em contraposição a apenascinco (15%) dos 20.
  • 42. 42 E, coerentemente com todas as respostas acima, também em reação aosblogs, 18 alunos (90%) assinalaram que acreditam que a utilização de blogs podecontribuir favoravelmente com o processo ensino-aprendizagem. Evidentemente isso mostra o quanto há um espaço produtivo, esperando omomento tempo certo, para sua aplicação pedagógica. A partir desses resultados, éde se esperar que a motivação para a criação de blogs de alunos e de professoresregistrasse uma boa incidência. Como se viu acima, dos professores da área de Ciências exatas, com quemfoi feito todo um trabalho de motivação e esclarecimento a respeito de blogs, seususos, recursos e possibilidades, apenas três — com os da autora, chegaram a cinco— construíram um, através do qual, conseguiram interagir com os alunos, durantecerto período de tempo. Todavia, desses, por uma questão de impossibilidade de aautora — por questões pessoais —, dar assistência permanente á atividade, dessesprofessores os mesmos caíram em desuso. Aparentemente, o que pesou nesseprocesso, foi a falta de hábito com essas novas tecnologias e, dessa forma, nãosaber, como incluir, um vídeo, música, etc. Portanto, a dificuldade que levou aorelativo insucesso, não foi a ferramenta blog, em si, mas a falta de um pouco detreino — um mínimo de assistência pessoal —, no uso dos recursos colocados àdisposição dos blogueiros. Contudo, houve um fato absolutamente inovador e não esperado. Amovimentação junto aos alunos e aos professores de exatas, não passoudespercebida dos demais professores de outras áreas. Daí que, um dos professoresde Inglês, se sentiu motivado e construiu seu próprio blog, através do qual veminteragindo com os alunos de forma bastante intensa. Dos 20 alunos que participaram deste estudo, 14 construíram seus blogs — oque se pode considerar um sucesso, já que essa participação se elevou a 70% doconjunto — e se motivaram a se relacionar também via Twitter. A construção desses blogs foi acompanhada de perto, sendo que os alunosforam avaliados relativamente a quatro aspectos da questão. Tais aspectos sãoapresentados a seguir, não necessariamente por sua importância relativa, já que, naverdade, são praticamente indissociáveis, um dos outros. O primeiro aspecto considerado foi o técnico e, nem poderia ser diferente,considerando que são alunos de um curso técnico, profissionalizante, da área deinformática. Nesse sentido, embora se tenha respeitado a liberdade de escolha do
  • 43. 43assunto a ser trabalhado, foi colocado certo limite. Os blogs deveriam contemplarassuntos técnicos ou profissionais, ou seja, deveriam ser voltados,preferencialmente, para os assuntos através do quais desejam se desenvolverprofissionalmente. Assim, surgiram os mais diferentes assuntos, desde osrelacionados à área técnica em informática, até a saúde, música, etc. O segundo foi o conteúdo, a produção do conhecimento. Como já informado,os assuntos sofreram certa limitação necessária. Assim, foram orientados a levantarinformações sobre seus respectivos temas e a criar, pequenos textos alusivos,começando por apresentar o blog, seu tema, seus objetivos e suas finalidades, semesquecer-se de apresentar o blogueiro. O terceiro foi à criatividade. O embelezamento e o uso de recursos dedesenho, vídeos, fotos, músicas, etc., para ilustrar o tema e tornar a páginainteressante e agradável aos visitantes ou leitores eventuais ou não. O último aspecto levado em consideração foi o da interação. Todos deveriambuscar conhecer os blogs dos demais, visitá-los e deixar seus comentários econsiderações, tanto a respeito do tema, quanto da apresentação. Pode-se dizer que todos os trabalhos blog foram muito bons, de excelentequalidade mesmo, em qualquer dos aspectos mencionados. Observou-se larga trocade informações, interações e grande envolvimento pessoal, de cada um, com seupróprio trabalho. Todo esse esforço foi realizado durante o segundo semestre de 2010 edeveria prosseguir ao longo de 2011. Entretanto, como já mencionado, anecessidade de afastamento pessoal da autora, de suas atividades didáticas, nosprimeiros meses do ano letivo de 2011, causou, infelizmente, uma repercussãonegativa, sobre o trabalho dos alunos. Entre eles, os blogs começaram a serabandonados. Mas a experiência, em si, demonstrou a efetiva possibilidade de usodos blogs, como instrumento didático à disposição dos educadores.
  • 44. 445. CONSIDERAÇÕES FINAIS A proposição deste estudo se fez com o objetivo de conhecer a realidade dosalunos e professores do Curso Técnico de Informática do Colégio Estadual BolivarSantana, no que se refere ao uso das tecnologias e das redes sociais e entre elas,especificamente, os blogs. Para favorecer as reflexões acerca de inovações noprocesso educativo com a utilização das Redes Sociais, foi aplicado um questionáriode pesquisa no qual se pode avaliar o grau de conhecimento dos alunos do CursoTécnico de Informática em relação à utilização das Redes Sociais. Além disso,aplicou-se também uma metodologia para a construção de blogs e de uso doTwitter, com finalidades educacionais. Observou-se que, apesar de estarem cada vez mais presentes na vidacotidiana de alunos e professores, as redes sociais online fazem parte de um mundoque ainda tem muito mais a ser explorado pela educação e, mais especificamente,no Colégio Estadual Bolívar Santana. Apesar de o corpo docente ser formado porprofessores com licenciatura plena e em sua maioria com especialização, existe acarência de uma capacitação específica para uso das tecnologias na educaçãocomo ferramenta pedagógica, causando uma certa insegurança por parte dosprofessores para aplicar o conhecimento adquirido com o uso pessoal das redessociais em sua rotina pedagógica. Verificou-se pela literatura citada, as enormes facilidades e potencialidades douso das redes sociais, propriamente ditas e, muito particularmente, do blog — porsuas características específicas —, como facilitadores do processo ensino-aprendizagem. Cabe ao docente, ser orientador e facilitador do aprendizado através dessesnovos meios. É importante ressaltar que, assim como esse tipo de mídia pode serutilizado para o lazer, diversão e entretenimento — além de viabilizar as relaçõessociais — também pode ser usado como um dos instrumentos de escolha dentro doprocesso educacional, por conta de suas possibilidades de criação coletiva e dacomunicação horizontal, em tempo real. A partir deste estudo pode-se inferir a grande abertura, especialmente porparte dos educandos, para trabalhar com as ferramentas tecnológicas e a técnicasvirtuais. Logo que estimulados, os alunos lançaram-se a campo com grande afincoe, no conjunto, observou-se um grande interesse e motivação para trabalhar
  • 45. 45individualmente — em seus respectivos blogs — e, cooperativamente, colaborandoe trocando informações com os colegas. Também alguns professores se motivarame construíram blogs ligados a suas respectivas disciplinas, relatando grandeparticipação de seus alunos. Contudo, por motivos alheios ao caráter do trabalho, a assistência a alunos eprofessores foi interrompida, por força de necessário afastamento, da autora, doambiente de trabalho. Com isso, aos poucos, todos foram abandonando suaspáginas. Isso revelou que a prática de uso das redes sociais no meio escolar precisada atenção permanente do professor orientador, sem o quê, perde a consistência. Evidenciam-se desse modo, que é preciso integrar o uso das redes sociais àsatividades cotidianas da vida escolar e à prática didática, sem isso, os efeitos serãoincomparavelmente modestos, em relação aos mestres — ou unidades escolares —que fazem uso dessas novas formas de acesso à informação. Para resultados maisconsistentes é preciso uma aplicação constante das ferramentas que as redessociais disponibilizam, o professor deve se manter em constante movimento comatualizações relacionados com o conteúdo trabalhado em sala, despertando ointeresse dos alunos e necessidades do acesso as redes sociais. Para executar tarefa de tamanha complexidade, antes de tudo, é necessárioque as escolas disponham de uma equipe de professores razoavelmente bemtreinados, o que se constitui, neste momento, pelos mais diversos motivos, umaséria dificuldade. As novas tecnologias da informação e da comunicação não substituem osprofessores como intermediários da produção e difusão do conhecimento. Mas opapel dos mesmos e suas formas de atuação, apesar da mencionada falta de treinoespecífico, ainda assim, já foram bastante modificados, por essas tecnologias. Oprofessor deste novo século, não pode simplesmente deixar o tempo correr, semobservar as mudanças que lhe estão sendo impostas. Fundamentalmente, eleprecisa se adaptar às essas novas tecnologias da informação e de ensino adaptar-se a essa nova realidade, adaptando-a, também, por sua vez, a sua realidadeespecífica, de forma a não se tornar mero refém dessas tecnologias e seus usos.Para tanto, duas coisas são essenciais: acesso aos equipamentos e tecnologias —inclusive sob o aspecto de seu custo financeiro — e treinamento para aproveitartodos os recursos disponíveis.
  • 46. 46 Embora o papel do professor tenha sofrido importantes modificações frente àutilização de recursos tecnológicos na educação, é fato que as redes decomunicação social ainda não têm a penetração necessária entre os docentes, maisespecificamente, no ambiente da escola pública, onde se realizou esta pesquisa.Todavia, é interessante que o educador procure se capacitar para começar a lidarcom a enorme variedade de recursos existentes, que podem transformar o processoensino-aprendizagem mais interativo e dinâmico. Mais ainda, ele pode encontrarcaminhos e sugestões para utilizar as redes sociais, como os blogs a favor daaprendizagem de seus alunos e, também, para tornar o relacionamento professor-aluno em algo mais aprazível, além de mais proveitoso. Contudo, isso não dependeapenas da vontade expressa do professor – educador, mas, de toda uma série decondições físicas, financeiras e políticas que podem se transformar (e, muitas vezeso fazem, especialmente nas escolas públicas) em obstáculos à consecução de taisobjetivos. O uso de Redes Sociais online e outros tipos de redes sociais devem sermuito bem planejados e mensurados, mas, sempre de forma participativa, ou seja,docentes e discentes precisam apoiar-se mutuamente nos atuais processos deensinar e aprender. Mesmo a escola pública, nos dias atuais, recebe cada vez mais alunosfamiliarizados com a tecnologia que vem aumentando sua participação na vida dasociedade. Este fato torna mais fácil a utilização das tecnologias da informação naEducação, com destaque para as Redes Sociais. Cabe, em parte, ao professorexplorar as potencialidades dessa tecnologia, procurando entender como seusalunos a utilizam e, a partir daí, propor atividades, que sejam significativas para oprocesso educacional. Cabe à Secretaria da Educação e seus diversos segmentosconstruírem as políticas e processos que efetivamente promovam a inclusão digital,oferecendo ainda os equipamentos e treinamentos adequados a cada situação. Com certeza, a introdução de tecnologias educacionais e utilização das redessociais não serão a solução para todos os problemas da Educação, na atualidade.Entretanto, tais tecnologias poderão contribuir para que, ao menos a escola pública,não mantenha seus alunos distante da realidade técnica-informacional, que permeiacada vez mais fortemente nosso modo de vida. Uma realidade à qual uma parte dasociedade — aquela de maior renda — tem acesso sem maiores problemas, seja
  • 47. 47em casa ou no ambiente escola. De modo geral, o aluno da escola pública, quasenão tem acesso, pois depende de poder pagar o tempo de uso de um computadorde lan-house, ou das eventuais aulas informática. O acesso aos computadores,geralmente, é oferecido apenas aos alunos do curso técnico em informática. Nãoaos demais. E esse é um problema a ser resolvido fora do âmbito escolar. É umaquestão de política educacional. Que ou qual formação se pretende dar aoseducandos. O grande desafio é que a utilização destas inovações deve ocorrer de forma atransformar os alunos, de simples consumidores, em produtores e difusores deconhecimento e cultura. Para que estes fatos ocorram de forma mais consistente etransforme-se em uma ferramenta atuante no processo de ensino aprendizagem énecessário que ocorram algumas mudanças na politica das escolas públicas emrelação ao ensino de informática, incluindo esta disciplina na grade curricular, comodiversificada do nas séries do 2º ciclo do ensino fundamental e no ensino médioregular. Democratizando o conhecimento tecnológico e ampliando o uso dolaboratório de informática, orientados por professores, a um maior número dealunos.
  • 48. 48REFERENCIASACIOLI, S. Redes sociais e teoria social: revendo os fundamentos do conceito. Inf. Inf.,Londrina: v. 12, n. esp, 2007.AGUIAR, S. Redes sociais e tecnologias digitais de informação e comunicaçãono Brasil (1996-2006). Relatório final de pesquisa. NUPEF Rits - Núcleo dePesquisas, Estudos e Formação da Rede de Informações para o Terceiro Setor,2006, 37 p.ALAM, NEIFF SATTE. O professor e o ciberespaço. Disponível em:http://zerohora.clicrbs.com.br/zerohora/jsp/default2.jsp?uf=1&local=1&source=a2959264.xml&template=3898.dwt&edition=15017&section=1012 . Acesso em 16/09/2010.ALDÉ, Lorenzo. Blog na Sala de Aula –http://www.via6.com/topico/37392/crie-um-blog-muito-facil-. Acesso em 15/02/2011ALMEIDA, M.E.B. DE. Educação, projeto, tecnologia e conhecimento. São Paulo:PROEM, 2002.ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de; MORAN, José Manuel. Integração dastecnologias na educação: Salto para o futuro. Brasília: 2005.ALEJANDRO, V.; NORMAN, A. (2005) Manual introdutório à Analise de Redes Sociais.-medidas decentralidade – Disponível em:http://www.aprende.com.pt/fotos/editor2/Manual%20ARS%20%5BTrad%5D.pdf. Acesso em23/11/2010.A SALA DE AULA SE EXPANDIU. E AGORA? Disponível emhttp://www.conexaoprofessor.rj.gov.br/temas-especiais-26.asp Acesso em 15/02/2011.BARGER, Jorn. http://robotwisdom2.blogspot.com/. Acesso em 17/11/2010BARATO, JARBAS NOVELINO, Boteco Escola – acesso 12/12/2010www.jarbas.worpress.comBLOGGER. http://blogger.globo.com/br/about.jsp. Acesso em 18/08/2010BLOOD, Rebecca. In: http://welitonshow.blogspot.com/2009/10/refletindo-sobre-blog.html.Acesso em 17/11/2010BRASIL ESCOLA. http://www.brasilescola.com/curiosidades/como-surgiu-a-internet.htm.Acesso em 22/08/2010BRASIL. PCNEM+: Orientações Educacionais Complementares aos ParâmetrosCurriculares Nacionais. Brasília: MEC, 2002. Disponível emhttp://www.mec.gov.br/semtec/ensmed/ftp/CienciasNatureza.pdf. Acesso em 16/09/2010.CROSS, R.; LIEDTKA, J; WEISS, L. Um guia prático de redes sociais. Harvard BusinessReview. V. 83, N. 3, Mar., 2005, p. 92-99.FOLHA DE SÃO PAULO. http://www1.folha.uol.com.br/tec/789215-brasil-e-o-quinto-pais-que-mais-usa-redes-sociais-diz-pesquisa.shtml, 26/10/2010. Acesso em 30/10/2010.
  • 49. 49GATTI, B. Informação e Tecnologia. In: SERBINO, R. V., BERNARDO, M. C. C. (orgs.)Educadores para o século XXI: uma visão interdisciplinar. São Paulo: Unesp, 1992, p.155-158.GOMES, M.J. (2005). Blogs: um recurso e uma estratégia pedagógica, IN ANTÓNIOMENDES, ISABEL PEREIRA E ROGÉRIO COSTA (editores), Actas do VII SimpósioInternacional de Informática educativa, Leiria: Escola Superior de Educação de Leiria,pp.311-315GOMES, M.J. & LOPES, M. (2007). Blogues escolares: quando, como e porquê?. InCONCEIÇÃO BRITO, JOÃO TORRES E JOSÉ DUARTE (orgs); weblogs na educação, 3experiências, 3 testemunhos, Setúbal: Centro de competências CRIE pp. 117-133.HEWITI, Hugh. Blog: entenda a revolução que vai mudar o seu mundo; tradução deAlexandre Martins Morais. – Rio de Janeiro: Thomas Nelson, 2007.http://aquarelasdigitais.blogspot.com/2008/07/os-blogs-na-educao.html Acesso em25/01/2011http://www.dihitt.com.br/n/internet/2009/05/31/redes-sociais-1. Acesso em 15/10/2010http://turma7e20092.bligoo.com/content/view/646612/Um-pouco-da-historia-das-redes-sociais.html. Acesso em 13/10/2010https://sites.google.com/a/in.cscm-lx.pt/redes-sociais-no-8e/historia-das-redes-sociais.Acesso em 21/10/2010http://www.natanaeloliveira.com.br/a-historia-das-redes-sociais/. Acesso em 09/ 2011.http://bib.pucminas.br/teses/Educacao_SerraDT_1.pdf. Acesso em 28/11/2011LEMOS, ANDRÉ; LÉVY, PIERRE. O futuro da internet. São Paulo: Paulus, 2010.LÉVY, PIERRE. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era dainformática. Rio de Janeiro: 34, 2001.LÉVY, PIERRE. O que é virtual. São Paulo: 34, 2003.LÉVY, PIERRE. Cibercultura. São Paulo: 34, 2008.MARTELETO, R. M. Análise de Redes Sociais – aplicação nos estudos detransferência da informação. Ci. Inf., Brasília, v. 30, n. 1, p. 71-81, jan./abr. 2001.MORAN, JOSÉ MANUEL. Mudanças na comunicação pessoal: gerenciamentointegrado da comunicação pessoal, social e tecnológica. Ed. Paulinas. São Paulo: 1998.MORAN, JOSÉ MANUEL. Como utilizar as tecnologias na escola. Disponível em:http://www.eca.usp.br/prof/moran/utilizar.htm. Acesso em 23/05/2011NOVAES, CAIO. A história dos Blogs, 2007/2008. Disponível em:http://www.brogui.com/a-historia-dos-blogs/. Acesso em 28/05/2011O’REILLY, T. What Is Web 2.0. (2005) Disponível em:http://www.oreillynet.com/pub/a/oreilly/tim/news/2005/09/30/what-is-web-20.html. Acesso em25/05/2011
  • 50. 50PIAGET, Jean. Psicologia e Pedagogia. Trad. Dirceu A. Lindoso; Rosa M. R. da Silva. Riode Janeiro: Forense Universitária, 1970. 182 p.PONTE, J. P.; OLIVEIRA, H.; VARANDAS, J. M. O contributo das tecnologias deinformação e comunicação para o desenvolvimento do conhecimento e da identidadeprofissional. In: FIORENTINI, Dario (org.). Campinas, SP: Mercado das Letras, 2003,Cap.5, p. 159-192.PROINFO. Informática e formação de professores / Secretaria de Educação a Distância.Brasília: Ministério da educação, Seed, 2000.REIS, M. F. Da revisão da educação tecnológica à base conceptual para uma novapolítica de educação tecnológica. In: REIS, M. F. Educação Tecnológica: a montanhapariu um rato? Porto: Porto Editora, 1995, cap. 2, p. 37-57.SANTOS, Milton. Técnica Espaço Tempo Globalização e meio técnico-científico-informacional. 4º ed. São Paulo: HUCITEC Ltda. 1998. 190 p.SCHITTINE, DENISE. Blog: comunicação e escrita íntima na Internet. Rio de Janeiro:Civilização Brasileira, 2004.SEVERINO, JOAQUIM ANTÔNIO. Metodologia do trabalho científico (22ª ed.) São Paulo,Cortez, 2002.SILVA, MARCO. Um convite à interatividade e à complexidade: novas perspectivascomunicacionais para a sala de aula. In: GONÇALVES, Maria Alice Rezende (org.).Educação e cultura: pensando em cidadania. Rio de Janeiro: Quartet, 1999. p. 135-167.UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, http://www.wezen.com.br/site/2010/11/as-midias-sociais-estao-renovando-a-educacao/ Acesso em 15/04/2011.VALENTE, JOSÉ ARMANDO. Computadores e conhecimentos: repensando aeducação. (2ª ed.) Campinas, SP: UNICAMP/NIED, 1998.VALENTE, J. A. Análise dos diferentes tipos de software usados na educação. In: ____(Org.). O computador na sociedade do conhecimento. Brasília: Mec, s.d. Disponível emhttp://www.proinfo.gov.br/biblioteca/publicacoes/livro02.pdf. Acesso em 23/01/2011VIGOTSKY, LEV SEMYONOVITCH. A formação social da mente. 6ª ed. – São Paulo:Martins Fontes, 1998.WIKIPÈDIA. http://pt.wikipedia.org/wiki/Hist%C3%B3ria_da_Internet. Acesso em 13/08/2010ZAGO, G. S. O Twitter como suporte para produção e difusão de conteúdosjornalísticos. Cyber Legenda, 2008.
  • 51. 51ANEXOS
  • 52. 52ANEXO I ROTEIRO PARA CRIAÇÃO DO BLOG1. Tema/Título do seu blog:2. Qual o site de hospedagem de sua preferência? Qual a provável URL do seu blog?3. Objetivos do blog:4. A quem se destina? A alunos? De qual nível? Fundamental, Médio ouSuperior? Para alguma comunidade?Para uso pessoal? Pesquisa? Enfim, quemvai se interessar por seu blog?5.Características: (aula, projeto, informativo, diário, álbum virtual, mensagens,resenha de livros, dicas de filmes para aulas...)...6. Descreva as atividades:7. Cite também sites ou blogs relacionados (digite nome e endereço).
  • 53. 53 ANEXO II ROTEIRO: AVALIAÇÃO DOS BLOGS DA TURMAATIVIDADES INCLUÍDAS NO ROTEIRO 01:VALOR: 1,0 PONTOSDATA DE ENTREGA: 14/09/20101ª ATIVIDADE:Você deverá visitar os blogs sugeridos e escolher dois, para analisar. A análiseserá feita com base nos seguintes critérios:  Quais os blogs analisados? (Informar nome e endereço)  Faça suas considerações sobre dois deles. (a que público se destina, objetivos, que sugestões/mensagens você daria para o autor). Se desejar, deixe um comentário nos blogs visitados (deve ser entregue por escrito juntamente com o roteiro 02)2ª ATIVIDADE:Após as visitas e análises dos blogs, deixe seus comentários (mensagem) noseu Twitter.3ªATIVIDADE:Nesta atividade você vai criar um blog, socializar o endereço no seu Twitter,registrando também o seu processo de criação. Visite e comente no seuTwitter também os blogs dos colegasATIVIDADE INCLUÍDAS NO ROTEIRO 2VALOR: 2,0 PONTOSDATA DE ENTREGA: 14/09/2010ROTEIRO PARA A CRIAÇÃO DE BLOGPreencha o roteiro, cuidadosamente, entregar até a seguinte data: 13/09/2010.Procure tirar cópia, pois ficará retido até a conclusão dos trabalhos.ATIVIDADE 03 – CRIAÇÃO, SOCIALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO – BLOGVALOR: 1,0 PONTOSDATA DE CONCLUSÃO DA ATIVIDADE: 21/09/20101. Faça as primeiras postagens em seu blog, seguindo o roteiro de elaboraçãoque você criou;2. Divulgue o endereço do seu blog no seu twitter, enviando o endereço para oe-mail da turma e para o e-mail da professora.3. Visite os blogs todos os colegas colocando comentários no blog de cada um.ATIVIDADE 04: POSTAGENS - DESIGNER-CONFIGURAÇÕESVALOR: 4,0 PONTOSDATA PARA FINALIZAR A ATIVIDADE: 27/09/20101- CABEÇALHO:
  • 54. 54 O cabeçalho deverá conter o título do Blog e por trás do título uma imagem relacionada com o tema do blog. Abaixo da imagem com o título uma descrição sucinta dos objetivos do blog.2-POSTAGENS:  TEXTO ACOMPANHADO DE IMAGEM: Deverá ser postado no blog, um mínimo de três postagens, todas acompanhadas de imagens relacionadas com o tema da postagem e com links para outra página da web. Duas postagens pode ser de artigos pesquisados na internet, relacionados com o tema do blog (não se esqueçam de colocar a autoria) uma deve ser construída pelo aluno ( texto de autoria própria).  Um vídeo relacionado com o tema do blog.  Imagem, colocada usando o recurso HTML, relacionada com o tema do blog.3- DESIGN:  Através do design modelo escolher: modelo, plano de fundo, layout, avançado (para configurar cor, tipo e tamanho da fonte).  Colocar os seguintes gadget (obrigatórios): logotipo do blogger, links, relógio, buscador do google, barra de vídeo do You Tube ( relacionar como o tema do blog), Twitter, Windows Live Messenger, seguidores, Apresentação de slides ( com o tema do blog), perfil e seguidores. Se quiser pode adicionar mais alguns gadget de sua escolha.4- CONFIGURAÇÕES:  Publicação: fazer o comentário sobre o seu blog  Comentários: moderar comentários  Permissão: Qualquer pessoa pode visualizar o blog.  Formatação: Postagens, escolher forma de a data aparecer.  Perfil5- TRABALHANDO HTML:  Mural de recados  Contador de visitantes  Imagem  Cursor6- RECURSOS EXTRAS (NÃO OBRIGATÓRIO)  Música; Banner; TV; Jogos; etc..ATIVDADE O5: APRESENTANDO SEU BLOG:  Data da apresentação: 28/09/2010 e 30/09/2010  Valor da apresentação: 2,0 PONTOS  Tempo: 10 minutos para cada blog  Apresentação de cada blog: deverá ser realizada pelo seu criador, falando do tema, objetivos e do processo de criação (aprendizado) do seu blog.
  • 55. 55  A ordem das apresentações será pela ordem do mapa de notas da professora.  O aluno que não comparecer só terá direito a uma segunda chance com apresentação de atestado médico. OBSEVAÇÃO: Só será considerada a nota do item ATIVIDADE 04: POSTAGENS- DESIGNER- CONFIGURAÇÕES (valor: 4,0 pontos) para os alunos que realizarem a atividade ATIVDADE O5: APRESENTANDO O SEU BLOG.6- SUGESTÕES PARA PESQUISA: Para incluir imagens músicas em seu blog, utilize Sites que disponibilizam conteúdos livres para download como os citados abaixo: Domínio Público: http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/PesquisaObraForm.jsp Overmundo: http://www.overmundo.com.br/ Jamendo: http://www.jamendo.com/br/ Internet Archive: http://www.archive.org/ Portal do Paraná: http://www.diaadia.pr.gov.br Portal do professor: http://portaldoprofessor.mec.gov.br/ Banco de imagens: http://recursostic.educacion.es/bancoimagenes/web/ Flash sound: http://www.flashsound.com/ Banco de imagem: www.dreamstime.com Recursos para Blog: http://materialparablogs.blogspot.com/2008/06/efeitos-em-cursores_15.html http://www.dicasparablogs.com.br/2008/03/imagem-no-cursor-do-mouse.html http://www.ferramentasblog.com/ http://www.apostilaz.com.br/informatica/como-criar-um-blog.html http://www.codigofonte.net/ Bom trabalho aguardo todos com suas produções no dia da apresentação. Lembrem-se: O bom profissional não fala que sabe fazer e sim faz bem feito para mostrar sua competência!!!
  • 56. 56ANEXO III QUESTIONÁRIO DE PESQUISA Questionário I – Internet e Redes Sociais1. Possuem computador com acesso a internet? ( ) Sim ( ) Não2. Qual o local que utiliza mais frequentemente para acessar a internet?( ) Em casa ( ) Casa de amigos ( ) Na escola( ) Lan house ( ) Não acessam3.Com que frequência acessa a internet?( ) Todos os dias – menos de três horas( ) Todos os dias – mais de três horas( ) Uma vez por semana( ) Uma vez ao mês4. Que atividades desenvolve na internet?( ) Estudo ( ) Comunicação ( ) Lazer ( ) Trabalho5. Já ouviu falar em redes sociais?( ) Sim ( ) Não6.Seria capaz de conceituar redes sociais?( ) Sim ( ) Não7. Qual o programa de relacionamento que mais utiliza?( ) Face book ( ) Orkut ( ) weblogs - Fotoblogs( ) Twitter ( ) Comunidades virtuais8. Marque a afirmação que mais se aproxima da sua opinião sobre redes sociais nainternet?( ) Favorecem o compartilhamento de ideias e interesses comuns.( ) Permite um exposição exagerada na intimidades das pessoas.
  • 57. 57( ) Favorece a aproximação de pessoas que estão longe: amigos e parentes.( ) Permite que jovens inexperientes tornem-se pressas fáceis de pessoas desonestas.( ) Favorece o estabelecimento de novas amizades.9. Sobre as questões éticas que envolvem o uso da internet, o que pode afirmar?( ) Não estou ciente das questões éticas que envolve o uso de computadores( ) Tenho conhecimento da existência de restrições relacionadas a autoria.( ) Compreendem as regras eticamente corretas relacionadas ao uso do correio eletrônico e da internet.( ) Compreendem as medidas adotadas pela direção da escola em relação as restrições ao uso da internet.( ) Não compreendem as restrições em relação ao uso das redes sociais noambiente escolar.10. Acreditam que de alguma forma a redes sócias podem contribui para umamelhoria no aprendizado?( ) Sim ( ) Não
  • 58. 58ANEXO IV Questionário I I - BLOG 1. Saberia explicar o que é um blog? ( ) Sim ( ) Não 2. Possui um blog pessoal ou participa de algum blog? ( ) Sim ( ) Não 3. Existe um blog da turma para trocas de informações e publicações dos trabalhos da turma? ( ) Sim ( ) Não 4. Tem algum professor na turma que possui um blog e utiliza com facilitador do processo de ensino aprendizagem do aluno? ( ) Sim ( ) Não 5. Gostaria de interagir, de participar, de colaborar no Blog? ( ) Sim ( ) Não 6. Sentiu ou sente dificuldade de navegação nessa interface? Sim ( ) Não ( ) 7. Acredita que de alguma a utilização dos blogs podem contribui para uma melhoria no aprendizado? ( ) Sim ( ) Não
  • 59. 59ANEXO V Atividade: Análise de BlogsO blog pode ser considerado como um suporte de informações, com grandefacilidade de criação e atualização, possibilitando interações. Nele, o leitor podeemitir comentários, críticas, sugestões, mandar recados. É como uma página denotícias ou um jornal cujos "fatos" e publicações seguem uma sequênciacronológica. O conteúdo e tema dos blogs abrangem uma infinidade de assuntosque vão desde diários, piadas, notícias, poesia, ideais, enfim, tudo que a imaginaçãodo autor permitir. Entre educadores e educandos pode representar um salto nacapacidade de comunicação dos alunos, convidados a exercitar a leitura, a escrita, osenso crítico, a familiaridade com a informática, desenvolvendo a criatividade naelaboração de pesquisas e projetos colaborativos.O que vamos fazer nesta atividade?1º: Você deverá visitar os blogs sugeridos e escolher dois, para analisar. A análiseserá feita com base nos seguintes critérios:1.Quais os blogs analisados? (Informar nome e endereço)2.Faça suas considerações sobre ele. (a que público se destina, objetivos, quesugestões/mensagens você daria para o autor).Se desejar, deixe um comentário nos blogs visitados.2º: Após as visitas e análises dos blogs, deixe sua crítica (mensagem) no seuTwitter.Sugestão de blogs para analise é só clicar nos nomes e entrar na blogosfera!Blog Lousa Digital - http://lousadigital.blogspot.com/Blog Por Dentro da Ciência - http://pordentrodaciencia.blogspot.com/Informática na Escola- http://jmzimmer.blog.uol.com.br/Cidadania Digital- http://cidadaniadigital.blogspot.com/Educação e Tecnologia - http://aprendersempre.zip.net/Estudos em Rede- http://blogdaclausia.blogspot.com/Videolog Conexão XXI -http://conexaoxxi.blogspot.com/TIC na Educação- http://crissy05.blog.uol.com.br/Projetos Colaborativos- http://projetando.blogspot.com/Oficina de projetos- http://vicenteoficina.blogspot.com/
  • 60. 60http://midiatico.blogspot.comhttp://oficinadeblognaescola.zip.net/http://compartilhando-vdeosslides.blogspot.com/http://palavraaberta.blogspot.com/http://abiblogteca.blogspot.com/http://internetnaeducacao.blogspot.com/ Reunião de blogs - Lista Blogs EducativosOficina de EducaçãoFiquem à vontade para escolher os blogs que desejarem e fazer a 1ª AtividadeO que vamos fazer nesta atividade?Já vimos um pouco sobre blogs, discutimos possibilidades de uso na educação ecriamos um plano para o nosso blog. Agora vamos criar o nosso e socializar oendereço no Twitter de cada um de vocês.3ª ATIVIDADE:Nesta atividade você vai criar um blog, socializar o endereço no seu Twitter,registrando também seu processo de criação.Visite e comente no seu Twitter também os blogs dos colegas.ORIENTAÇÕES: Como e onde criar seu blog? Onde?Vários sites oferecem hospedagem gratuita para blogs e explicam passo a passocomo criar e manter o seu. É extremamente simples! Primeiro é necessário escolherum site para hospedar seu blog. Sugerimos nesse momento ohttp://www.blogger.com/start, pois além do fácil cadastramento (só precisa do seuendereço de e-mail) você poderá criar vários blogs com o mesmo nome de usuário esenha, também não tem limite de textos como os outros gratuitos.Como?Não se angustie! É tudo muito fácil e simples! Seja atencioso e paciente!IMPORTANTE - Não se esqueça de anotar seu nome de usuário e senha do Bloggerpara postar novas mensagens no seu blog.Depois de criado como fazer nova postagem no blog?Atenção:Para acessar seu Blog novamente, basta entrar no site dohttp://www.blogger.com/start Clicar em Acessar o Blogger.Preencha com seu NOME DE USUÁRIO E SENHA e clique em LoginDepois é só acessar e começar a postar sempre que possível!

×