Ténicas de produção e estratégias de conteúdo digital - aula 02 - 22 e 23-07-2011

  • 1,495 views
Uploaded on

Técnicas de Produção e Estratégias de Conteúdo Digital - Aula 02 - 22 e 23-07-2011 …

Técnicas de Produção e Estratégias de Conteúdo Digital - Aula 02 - 22 e 23-07-2011

Prof. Luciane Stahl

More in: Education , Technology
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
No Downloads

Views

Total Views
1,495
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
1
Comments
0
Likes
11

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide
  • Luciane Stahl - MBA em Marketing Digital e Gestão de Projetos Web

Transcript

  • 1. Técnicas de Produção e Estratégias de Conteúdo Digital Aula 2 22 e 23/07/2011 Ms. Luciane M. Stahl
  • 2. Conteúdo Programático
    • 1. A era da informação
    • 2. A cultura do excesso
    • 3. Formatos de conteúdo
    • 4. Hábitos de leitura na cibercultura
    • 5. Audiência
    • 6. Técnicas de webwriting
    • 7. Preparação de e-mails
  • 3. Técnicas de Webwriting
    • Nas últimas décadas, escrever textos para uma comunicação fluida e informação útil tornou-se menos formal, uma tendência que foi acelerada com a web.
    • É escrever para que pessoas ocupadas possam entender o que elas estão lendo na primeira vez que elas lerem.
  • 4. Técnicas de Webwriting
    • Uma boa técnica é a de contar histórias:
      • Liste todos os itens que devem estar no seu texto
      • Enumere cada item de acordo com o nível de importância
      • Comece pelo primeiro item e encontre as palavras para relacioná-lo ao segundo
      • Faça esses vínculos sucessivamente até o último item.
      • Durante todo o tempo, imagine-se contando uma história para alguém. Sempre funciona!
  • 5. 10 Guidelines para boas sentenças
    • 1 – Fale com seus leitores: use “você”
    • Se você está escrevendo para as pessoas ou sobre as pessoas, ou coisas que dizem respeito a elas, fale com “elas”. Use “você”. Isso torna a informação pessoal e convidativa.
      • Prefira “você” em vez de “ele/ela”: não caia na armadilha do gênero específico.
      • Se você vai dar dicas ou instruções use o verbo no imperativo. Use apenas o verbo sem o “você”. “Compre”, “Assista”, “Compare”.
  • 6. 10 Guidelines para boas sentenças
    • 2 – Mostre que você é uma pessoa e que sua organização inclui pessoas
    • Em webwriting é apropriado usar “eu” ou “nós” nesses casos.
    • Para perguntas e respostas dos usuários use o mesmo tratamento que adotar no site (eu, nós, nome da empresa).
  • 7. 10 Guidelines para boas sentenças
    • 3 - Escreva na voz ativa a maior parte do tempo
    • A voz ativa ajuda as pessoas a obter informação mais fácil e rapidamente. As sentenças ativas descrevem “quem faz o que pra quem”: o sujeito está antes do verbo. Essa é a ordem lógica do webwriting.
      • Sentença passiva: O formulário deve ser preenchido pelo cliente.
      • Sentença ativa : O cliente deve preencher o formulário
  • 8.  
  • 9. 10 Guidelines para boas sentenças
    • 4 - Escreva sentenças simples, curtas e fortes
    • Use sentenças com no mínimo 10 e no máximo 20 palavras.
      • Diga de uma vez só e claramente
      • Use apenas uma ideia para cada sentença
  • 10. 10 Guidelines para boas sentenças
    • 5 - Corte
    • Usamos muitas palavras para dizer coisas que apenas uma diria.
  • 11. 10 Guidelines para boas sentenças
    • 6 – Quebre blocos de texto
    • Se o seu conteúdo for denso, em grandes blocos, quebre-os. Mesmo usando a pirâmide invertida, mantenha os parágrafos curtos e use tópicos. Eles dão mais fluidez ao conteúdo
    • Use intertítulos
    • Faça enumerações (7±2)
  • 12.  
  • 13. 10 Guidelines para boas sentenças
    • 7 – Use parágrafos curtos
    • Se estiver escrevendo artigos técnicos, você pode usar no mínimo três e no máximo seis sentenças em cada parágrafo. Mas isso é demais para a web: seu parágrafo pode ter apenas uma sentença. Em alguns casos, você pode até tornar o seu texto mais escaneável usando listas e tabelas.
  • 14. 10 Guidelines para boas sentenças
    • 8 – Use o modelo da pirâmide invetida
    • Comece com o ponto-chave.
    • Para muitos webwriters, usar a pirâmide invertida requer uma grande mudança no modo de pensar e escrever.
    • Eles querem a conclusão primeiro.
  • 15. 10 Guidelines para boas sentenças
  • 16. 10 Guidelines para boas sentenças
    • 9 - Ponha ação nos verbos
    • Não ponha ação nos nomes.
    • Fazer = ação = verbos.
    • Se você colocar ação nos nomes, o verbo vai parecer paisagem na sentença. A ação pertence ao verbo, se você quer textos mais logicamente estruturados, coloque ação no verbo:
  • 17. 10 Guidelines para boas sentenças
    • Ação no nome: As recomendações da Comissão para mudanças são poucas em número.
    • Ação no verbo: A Comissão recomendou poucas mudanças.
  • 18. 10 Guidelines para boas sentenças
    • 10 – Use as palavras dos seus leitores
    • Pense na sua audiência!
    • Não tente impressionar usando palavras difíceis ou grandes demais.
    • Se não forem palavras conhecidas pelo seu público, eles não ficarão impressionados. Eles deixarão seu site e vão para outro que use a mesma linguagem que eles usam.
  • 19. Atividade 3
    • http://vai.nitrum.com.br/atividade3
  • 20. Definindo o conteúdo
    • Se você vai começar a escrever para uma empresa ou para um público, primeiro deverá entender as particularidades deste mercado/público
      • Google News
      • Google Insight
      • Google Trends
      • Concorrentes
  • 21. Definindo o conteúdo
    • Defina claramente a arquitetura de informação ou pelo menos a linha editorial que será seguida
    • Daí vem a grande dúvida:
      • Sobre o que escrever?
        • O que as pessoas buscam?
        • Quais suas dúvidas?
        • O que poderia complementar meu produto/serviço?
  • 22. Definindo o conteúdo
    • Faça a expansão das palavras, se aprofunde nos relacionamentos
    • Pense em como as pessoas irão procurar por este conteúdo nos buscadores
      • LongTails: Mais de 3 palavras (entrega de flores em)
      • Short Tails: 2 ou 3 palavras (entrega de flores, buquê de flores)
      • Head Tails: 1 palavra (flores, buquês, floricultura, ...)
  • 23. Definindo o conteúdo
    • Lista de produtos e serviços
  • 24. Definindo o conteúdo E agora?
  • 25. Definindo o conteúdo
    • Veja os termos que você recebe mais visitas;
    • Veja os termos que você recebe mais conversões
    • Você possui uma busca interna? Confira quais são os termos mais pesquisados
    • Pesquise o que as pessoas estão comentando e perguntando nas redes sociais
  • 26. Definindo o conteúdo
    • Twitter
    • Facebook
    • Yahoo! Respostas
    • Mercado livre
    • Fóruns
  • 27. Definindo o conteúdo
    • Depois de identificar a lista de palavras-chave crie uma tabela indicando como elas deverão ser utilizadas em seu site
    Palavra-chave O que fazer
  • 28. Dicas para preparação de textos para ferramentas de busca
    • O crawler deve ser considerado por você como um dos usuários do seu site. Portanto, para que você apareça nas ferramentas de busca, construa conteúdo amigável para o crawler:
      • Otimize títulos: o título deve ser referente ao texto, de preferência usando palavras que estão no texto. Faça títulos que possam ser lembrados e posteriormente linkados. Use adequadamente palavras-chaves.
  • 29. Dicas para preparação de textos para ferramentas de busca
    • na Web poderiamos dizer que os dois pontos podem significar: “Vamos fazer uma afirmação sobre este assunto”
    • Cuidado ao fazer referencias temporais “Acaba de ser aprovado...”
    • Os artigos estão na categoria das piores palavras para começar frases, em especial títulos
  • 30. Dicas para preparação de textos para ferramentas de busca
    • Não começar com expressões de ligação, como: além disso, a saber, agora, ainda que, aliás, ao menos, aparentemente, apesar disso, assim, até certo ponto, certamente, com efeito, contudo, de fato, de toda forma, depois de tudo, dito isto, em troca, em consequência, em uma palavra, enfim, em princípio, ou seja, isto é, finalmente, mais ainda, mas, melhor dizendo, na verdade, não obstante, ou seja, por conseguinte, portanto, por exemplo, por ora, por outro lado, por último, pois bem, porém, vale dizer.
  • 31. Dicas para preparação de textos para ferramentas de busca
    • frases longas obrigam ao usuário que estabeleça relações complexas entre as idéias da frase, e são difíceis de ler e entender.
    • o limite das 30 ou 35 palavras deve ser tomado como um bom conselho
    • Use verbos fortes: “decidir” em vez de “tomar uma decisão”, “usar” em vez de “fazer uso”
    • A frase longa é uma doença que produz os seguintes efeitos secundários de natureza gramatical: virgulite, queísmo, concordância
  • 32. Dicas para preparação de textos para ferramentas de busca
      • Abuse dos subtítulos: o leitor sempre gosta de uma introdução e você estabelece elos no conteúdo.
      • Destaque os principais termos do conteúdo: utilize negritos, itálicos, quotes.
      • Otimize a URL: procure usar o título da matéria como nome da URL
      • Escreva pensando na audiência: mas não esqueça, um deles é o crawler.
  • 33. Escrevendo em blogs
    • A escrita em blogs pode ou não seguir os conceitos apresentados anteriormente sobre a pirâmide invertida, visto que muitas vezes se trata de narrativas ou opiniões (como uma coluna)
    • Em qualquer que seja o caso do blog para o qual está escrevendo, a máxima das frases curtas, diretas e se possível um resumo com a conclusão no começo é sempre bem vindo.
  • 34. Escrevendo em Microblogs
    • Nos microblogs é possível utilizar textos e enviar links (para fotos, vídeos, páginas, etc)
    • Por este motivo ele deve funcionar como um título, tomando os mesmos cuidados e ainda adicionar o cuidado de utilizar quando necessário uma hastag (#) seja para indicar aos leitores que se trata de um anúncio, evento, ou que está ligado a algum movimento real ou virtual
  • 35. Mobile
    • A vantagem de utilizar o microblog é que você também já prepara o conteúdo para uma versão mobile (por exemplo SMS)
    • Aliás esta é outra vantagem do Twitter, suas versões mobile muito difundidas o que permite interagir com o consumidor/público em diversos momentos diferentes
  • 36. Dicas para microblogagem
    • Defina objetivos: se vai criar um microblog como seu único meio de comunicação, ou como apoio de um blog, de um website ou outra plataforma de conteúdos.
    • Cadastre-se no Twitter… mas também experimente com outras opções mais versáteis.
  • 37. Dicas para microblogagem
    • Preencha completamente seu perfil de usuário no Twitter (e nos outros serviços), inclua seu avatar (uma fotografia ou imagem que o identifique) e um design para seu microblog. Isto permitirá que seus visitantes o conheçam melhor e se sintam mais motivados para assinar seu microblog.
  • 38. Dicas para microblogagem
    • Busque seu próprio estilo. Antes de iniciar seu próprio microblog, torne-se seguidor (‘follower’) de vários microblogs que lhe sirvam de inspiração e o levem até o que lhe agrada.
    • Assine um serviço gratuito de simplificação de endereços da Web. Isto serve para encurtar os links que você recomenda.
  • 39. Dicas para microblogagem
    • Integre o Twitter ao Facebook, MySpace e similares, para que seu microblog ‘decole’ já com um público.
    • Não esqueça que um microblog, assim como um blog, é mais rico se, em vez de ser um meio de comunicação de um autor, tornar-se um espaço para o diálogo e a discussão. Leia os comentários feitos aos seus ‘microposts’ e responda a eles quando for pertinente.
  • 40. Dicas para microblogagem
    • Evite os erros mais comuns dos microblogueiros novatos: levar muito a sério os comentários do público ou as assinaturas ou abandonos, usar o microblog como chat ou diálogo entre duas pessoas, assinar muitos microblogs para obter reciprocidade, atualizar com muita frequência (várias vezes por hora) ou muito esporadicamente (a cada semana ou menos), e não enfocar-se em nada ou não conseguir um estilo próprio.
  • 41. Dicas de redação para o Twitter
    • Pense nos títulos: você deverá conseguir, em apenas 140 caracteres ou menos, uma frase atraente, informativa – que traga uma idéia completa – e, dentro do possível, que gere uma reação (comentários dos leitores).
    • Diversifique os tipos de títulos
    • Seja criativo
    • Cuidado com o uso de abreviaturas
    • Aproveite o Twitter para agregar informação
  • 42. Cuidados extras
    • Utilize um corretor ortográfico
    • Cuidado ao consultar o Google sobre grafias
    • Mais cuidado ainda com o Word
    • Atenção a nova ortografia
  • 43. Check List
  • 44. Check List
  • 45. Podcast
    • Seja qual for o tema escolhido pense na música
    • O site Internet Archive (Arquivo daInternet) e o Portal Domínio Público, mantidopelo Ministério da Educação do Brasil, são boasfontes de obras liberadas para download.
  • 46. Etapas para desenvolvimento de um podcast
    • criar um roteiro básico do programa: assunto, o que vai falar, trilha sonora, vinhetas, coisas assim
    • gravação dos episódios
    • colocar o arquivo de áudio em um servidor
    • atualizar o seu podcast, a lista desses áudios, no arquivo RSS e fazer o upload desse arquivo
    • espalhar o RSS
  • 47. Dicas
    • Faça um breve roteiro: Esboce o caminho que pretende seguir. Não é necessário criar uma estrutura rígida com todos os detalhes previstos, ela pode roubar a simpatia e a naturalidade.
  • 48. Dicas
    • Prepare a conversa: Antes de convidar alguém para uma entrevista, estude o assunto abordado, prepare a pauta como um bom jornalista faz. Fuja das perguntas óbvias e, ao mesmo tempo, dê ao ouvinte que nada sabe sobre o tema a oportunidade de se interessar pela conversa. Apresente o convidado e explique por que vale apena ouvi-lo. Não o atropele, ouça o que ele diz. Faça uma lista de perguntas, mas não se preocupe em percorrê-la totalmente, conduza a conversa de acordo com as respostas
  • 49. Dicas
    • Seja o maestro dos ritmos: Não tenha pressa, não fale rápido, respire. Procure quebrar a monotonia em termo de ritmos.
    • Repita as informações: O podcast libera o público para fazer outras atividades enquanto ouve o programa. Evite despejar uma avalanche de dados por segundo sobre o ouvinte. Procure ser redundante, mas de forma inteligente.
  • 50. Dicas
    • Refine o programa na edição: Na edição você pode brilhar, mesmo sem ser um bom técnico. Identifique os pontos fortes e procure valorizá-los. Elimine ruídos, acrescente som de fundo, corte momentos de silêncio, equalize a música.
  • 51. Dicas
    • Seja claro: A linguagem deve ser muito simples. Use frases na ordem direta, empreste o jeito de falar do dia-a-dia para colorir suas ideias.
    • Converse diretamente com o ouvinte: Use verbos no presente, busque intimidade. É uma conversa entre amigos
  • 52. Dicas
    • Crie clima com vinhetas: Vinheta é aquela pequena peça sonora que faz uma intervenção rápida no programa.
    • Arrume um parceiro: Experimente dividir seu podcast com um amigo.
    • Ouça o novo programa antes de divulgá-lo: Aquelas brincadeiras de criança para “quebrar” a língua também ocorrem involuntariamente.
  • 53. Dicas
    • Defina a periodicidade: Atualize seu podcast regularmente, uma vez por semana ou uma vez por mês.
    • Monte um blog: Na página pessoal, acrescente dados sobre os novos programas, abra espaço para discussão e mantenha um canal de diálogo com seus ouvintes.
  • 54. Podcasts
    • Alguns exemplos
      • Guanabaracast
      • Nerdcast
      • Falafreela
  • 55. Métricas
    • Ranking de Busca
      • Google Page Rank
      • Hashtags do Twitter
      • Statcounter
      • Technorati
      • Analytics
      • Alexa
  • 56. Métricas
    • Hiperlinks
      • Quem são os blogs/sites que fazem links pra você e para quem você linka? Faça um comparativo de relevância: se você é citado em um blog que tem 300% mais acessos que você, o quanto gerou de tráfego para o seu site?
  • 57. Métricas
    • Target (público alvo)
      • Usuários estão dentro do perfil do conteúdo? Você sabe quem é sua audiência real?
      • Monitoramento constante do perfil do público: o que eles escrevem diz muito sobre suas preferências
      • Redirecionamentos: esteja preparado para um redirecionamento no estilo editorial se perceber que não estava falando com a audiência certa.
  • 58. Métricas
    • Feedbacks
      • Análise dos feedbacks dos usuários: quantitativa e qualitativa
      • Comentários positivos: elogios, agradecimento
      • Comentários negativos: críticas, pixações
  • 59. Métricas
    • Popularidade & viralização
      • Quanto tempo demorou pro conteúdo esquentar?
      • Qual o potencial de viralização?
      • Acompanhamento das ferramentas de métricas e de audiência para acompanhar a viralização do conteúdo.
  • 60. Métricas
    • Depreciação
      • Quanto tempo pro conteúdo esfriar?
      • Análises periódicas das métricas de audiência (idem ao item 3 da Popularidade)
  • 61. Preparação de e-mails
    • Marketing de Permissão
      • Algumas vantagens do e-mail:
      • é uma ferramenta barata de comunicação
      • é rápido para respostas
      • é personalizado e dirigido
      • é monitorável e mesurável
      • gera buzz quando os usuários compartilham o e-mail
  • 62. Preparação de e-mails
    • Quando um usuário diz Sim para receber e-mails, ele pode estar de fato interessado em produtos, serviços, ou informações.
  • 63. Preparação de e-mails
    • Antes de produzir conteúdo, defina qual é o objetivo:
      • agregar valor a produto e serviços usando o e-mail como mecanismo de suporte?
      • construir relacionamento a partir da presença?
      • construir reputação a partir de conteúdo especializado?
  • 64. Preparação de e-mails
      • obter retorno para pesquisas que ajudem a melhorar produtos ou conhecer melhor o público?
      • promover produtos, serviços, opiniões e idéias?
      • como suporte a produtos, serviços?
      • como reforço de marca?
  • 65. Preparação de e-mails
    • determinar a periodicidade do e-mail
    • dia específico para os disparos
  • 66. Cuidados
    • “ De”: de quem vem o e-mail? Sempre identifique-se individualmente, ou use o nome da instituição
    • Assunto : Não use mais que 35 caracteres na linha de assunto e declare abertamente o conteúdo. Não deixe que o usuário precise abrir o e-mail pra saber o que do que se trata. Deixe-o livre pra escolher se interessa ou não logo na linha de assunto.
    • Conteúdo: Você terá 10 segundos para apreender a atenção do usuário depois que ele abrir o e-mail.
  • 67. Junk words
    • os 8 primeiros caracteres forem digitos
    • se o assunto tiver a palavra “publicidade”
    • se o conteúdo tiver as palavras: “dinheiro”, “cartões de crédito aceitos”, “taxas”, “grátis”, “Querido amigo”, “satisfação absoluta”, “promoção”, “compre agora”, “100% de satisfação”.
    • se o remetente for: vendas@, mail@, @public, sucesso@, amigo@
  • 68. Branded Content
    • Significa comunicação por conteúdo.
    • Marketing de Conteúdo
    • Tem um único objetivo: aproximar marcas e pessoas de uma maneira única.
  • 69. O que importa
    • o conteúdo é a principal atração e onde as mídias ou as plataformas em que o conteúdo circula não tem tanta importância quanto a narrativa, a história, a mensagem em si.
    • As marcas tranformam-se em suas próprias mídias, transformam-se em um universo de interesse e constroem sua própria gramática de comunicação
  • 70. O que acontece?
    • Ganham autonomia para se relacionarem abertamente com as marcas. Envolvem-se por experiências únicas, surpreendentes, simples e principalmente: verdadeiras.
  • 71.  
  • 72. Resultado
    • 10600 pessoas curtiram a fan page
  • 73.
    • O gol da comunicação é que o público tenha a mesma percepção sobre uma mensagem. Fazer Branded Content requer escolher muito bem a audiência, usando os preceitos detalhados no começo do curso.
    • Porque a Gafisa escolheu o facebook?
  • 74. Como fazer comunicação por conteúdo?
    • Percepção
    • é necessário conhecer a percepção de marca que o usuário tem e a partir desse entendimento
    • Construímos a percepção de uma marca pela maneira como ela altera nossa sensorialidade (audição, visão, tato, paladar e olfato) e pela maneira que ela nos impacta emocionalmente, quando usamos a razão e o conhecimento para fazermos um julgamento de valor.
  • 75. Como fazer comunicação por conteúdo?
    • Relevância
    • Não é o que você diz que importa, é o que você faz
      • que seja importante
      • que seja diferente
      • que vale a pena ser comentado
  • 76. Como fazer comunicação por conteúdo?
    • Participação
    • faça conteúdo participativo, colaborativo
    • faça conteúdo que ajude as pessoas
    • faça conteúdo que receba intervenção do público.
  • 77. Como fazer comunicação por conteúdo?
    • Envolvimento
    • faça conteúdos surpreendentes
    • faça conteúdos simples
    • faça conteúdos verdadeiros
  • 78. Como fazer comunicação por conteúdo?
    • Experiências únicas
    • O conteúdo pode conectar memoravelmente sua marca e seu público através de experiências únicas. Mesmo que sua marca não apareça.
  • 79. Mobile
    • As duas premissas que baseiam esses projetos são:
    • a) navegação simples e redação sucinta b) entretenimento e conteúdo embarcado
  • 80. Mobile
    • 1. Mobilidade
    • 2. Momento
    • 3. Meu
    • 4. Multi-usuários
    • 5. Máquina
    • 6. Métricas