A importância de contar histórias

9,479 views
9,282 views

Published on

Published in: Education, Travel, Technology
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
9,479
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
126
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

A importância de contar histórias

  1. 1. UFPR – Universidade Federal do Paraná Alunas: Dalmira C. F. Serrato Glaucia Luiza Reeck Lilian Sofia Kovalski Disciplina: Tecnologia Aplicada a Educação Turma: 4º A Professor: Paulo Ross TRABALHO FINAL: BLOG TEMA: A IMPORTÂNCIA DE CONTAR HISTÓRIAS Como professores e pedagogos, sabemos da importância de se contar histórias para os nossos alunos. Mas como saber o momento certo? Qual história escolher? Qual a diferença entre ler e contar uma história? Para responder a essas e outras questões trazemos a seguir o texto de Cláudia Marques Cunha Silva: A importância de contar histórias para as crianças Como recurso pedagógico a história abre espaço para a alegria e o prazer de ler, compreender, interpretar a si próprio e à realidade. Por que contar histórias para as crianças? A história é uma narrativa que se baseia num tipo de discurso calcado no imaginário de uma cultura. As fábulas, os contos, as lendas são organizados de acordo com o repertório de mitos que a sociedade produz. Quando estas narrativas são lidas ou contadas por um adulto para uma criança, abre-se uma
  2. 2. oportunidade para que estes mitos, tão importantes para a construção de sua identidade social e cultural, possam ser apresentados a ela. Qual a diferença entre ler e contar uma história? São duas coisas muito diferentes, porém ambas muito importantes. Um texto escrito segue as normas da língua escrita, que são completamente diferentes daquelas da linguagem falada. Quando uma criança ouve a leitura de uma história ela introjeta funções sintáticas da língua, além de aumentar seu vocabulário e seu campo semântico. Porém, aquele que lê a história deve dominar a arte de contá-la, estar preparado suficientemente para fazê-lo com apoio no texto, sabendo utilizar o livro como acessório integrado à técnica da voz e do gesto. Além disso, quem lê para uma criança não lhe transmite apenas o conteúdo da história; promovendo seu encontro com a leitura, possibilita-lhe adquirir um modelo de leitor e desenvolve nela o prazer de ler e o sentido de valor pelo livro. Há opiniões divergentes neste campo: alguns autores consideram que o contador sem o livro tem mais liberdade de acentuar emoções, modificar o enredo segundo as reações da criança e portanto, melhor comunicação com o público infantil. Teria ainda mais disponibilidade para trabalhar sua voz e seu gesto. Somos partidárias, neste aspecto de que o importante é como ler e como contar, porque é preciso que se tenha técnica e preparo para despertar o desejo e o prazer das crianças. Para que contar histórias? Um dos principais objetivos de se contar histórias é o da recreação. Mas a importância de contar histórias vai muito além. Por meio delas podemos enriquecer as experiências infantis, desenvolvendo diversas formas de linguagem, ampliando o vocabulário, formando o caráter, desenvolvendo a confiança na força do bem, proporcionando a ela viver o imaginário. Além disso, as histórias estimulam o desenvolvimento de funções cognitivas importantes para o pensamento, tais como a comparação (entre as figuras e o texto lido ou narrado) o pensamento hipotético, o raciocínio lógico, pensamento divergente ou convergente, as relações espaciais e temporais( toda história tem princípio, meio e fim ) Os enredos geralmente são organizados de forma
  3. 3. que um conteúdo moral possa ser inferido das ações dos personagens e isso colabora para a construção da ética e da cidadania em nossas crianças. Como selecionar histórias para ler ou contar? Segundo Luiza Lameirão, existem dois tipos de histórias: aquelas que servem de alimento para a alma, permitindo a transmissão de valores e de imagens arquetípicas fundamentais para a construção da subjetividade; e aquelas que servem para despertar o raciocínio e o interesse da criança para formas de agir e estar no mundo. - são chamadas histórias matéria - importantes para a estruturação dos aspectos objetivos de nossa personalidade. Estas últimas devem ser selecionadas de acordo com o desenvolvimento cognitivo do ouvinte porque exigem maior compreensão racional e analítica. Como se aprende a contar histórias? Em cursos de capacitação pode-se adquirir as competências necessárias para se contar histórias, aprendendo as técnicas básicas de voz, gesto, materiais de apoio, dentre outras. Podemos destacar algumas orientações básicas para contar histórias: - Escolha leituras que tenham ligação direta com o sexo, a idade, o ambiente familiar e o nível sócio econômico da clientela; - Incentive as crianças diariamente, contando pequenas histórias sem mesmo ter o livro nas mãos; - Use entonação de voz atraente, sem exageros, faça suspense, faça drama, se emocione, expresse sua opinião sobre o tema e dê oportunidade para que a criança também apresente sua opinião; - Enriquecer a narração com ruídos (onomatopéias) como miau! Au! Au; - Movimente o corpo (olhos, mãos e braços), mas sem exageros; - Evite cacoetes como: aí... então... entenderam... não é?;
  4. 4. - Crie a "hora da história". Na escola, um bom horário é após o recreio para acalmar a turma; em casa pode ser à noite, antes de dormir; - Determine um dia ou horário para cada aluno ler ou contar uma história. Não force ninguém; - Em casa, estimule a criança a recontar a história que ouviu; compre livros, dê livros de presente em aniversários, natal e outras festividades; - Sempre que possível sente-se no nível das crianças; - Explique quando necessário, o significado das palavras novas; - Preserve a atenção das crianças no local em que a história está sendo contada (muito barulho, pessoas estranhas interrompendo, etc.). Quais as implicações pedagógicas do ato de contar histórias? A história, como já foi dito, possibilita a articulação entre objetividade e subjetividade, espaço no qual se situa o trabalho pedagógico. É, portanto, um recurso que pode ser usado também tanto no diagnóstico como na intervenção psicopedagógica em instituições e na clínica. O conteúdo mítico, as ações praticadas pelos personagens, os valores morais implícitos na narrativa, permitem projeções que facilitam a elaboração de questões emocionais, muitas vezes expressas como sintomas que se apresentam na aprendizagem. A compreensão dos enredos, a análise dos conteúdos, a estrutura lingüística subjacente ao texto, permitem ao profissional investigar questões cognitivas presentes nas dificuldades do processo de aprendizagem. Como recurso pedagógico a história abre espaço para a alegria e o prazer de ler, compreender, interpretar a si próprio e à realidade. Disponível em: http://www.profala.com/artigopsicopedagogia5.htm Após a leitura desse texto, temos que nos perguntar e responder honestamente se damos a importância devida ao ato de contar histórias.
  5. 5. Depois de analisar nossas ações, nossos pontos de vista sobre a contação de histórias precisamos exercitar essa habilidade e nos permitir sermos tão criativos e exploradores de nossos próprios “limites” como as crianças o são. Para isso, propomos as seguintes atividades: 1. Escolha um ou mais destes inícios e continue a história: a) Era uma vez, uma girafa muito bonita amarela e marrom. Vivia muito feliz e passava o seu dia a comer folhinhas tenras do topo das árvores que os seus pais lhe davam. Um dia, foi até ao rio beber água e viu outras girafas que por lá andavam. Ao ver o seu reflexo na água, ficou muito triste. É que era a única girafa que tinha pescoço curto... b) Abobarriga, o Monstro das abóboras, julgava-se o rei da horta. Sempre carrancudo e rabugento, não sabia o que era uma palavra meiga e amiga. As aboborinhas tremiam só de o ver; até a sua mulher, dona Abobolina, vivia atemorizada. Mas chegou o dia 31 de Outubro e trouxe consigo a noite de Halloween... c) Lara saiu de casa, atrasada como em todos os dias, mas daquela vez não seguiu o ritual: tomar café, escovar os dentes, pegar a bolsa e sair. A preocupação com o relatório que iria apresentar era tanta que não tomou café, apenas escovou os dentes; não pegou a bolsa, mas alimentou Joca e saiu. O salto enroscou na calçada esburacada (por que ainda uso salto alto se o médico disse que me faz mal?) e ela tropeçou quando pensava em dar aquele par. Caiu em uma poça de água fedorenta e... d) Numa cidade pequena, tão pequena que parece uma aldeia, mora um jovem que é conhecido como Tuto, que tem fama de muito corajoso e destemido. E nessa pequena cidade tem uma lenda antiga, que até hoje assusta seus moradores, Mas Tuto está disposto a desvendar essa lenda. Em uma noite dessas com nevoeiro, Tuto vai em busca do mistério...
  6. 6. e) Quando eu era criança, lembro que desde cedo eu já ficava esperando, o almoço que parecia não chegar nunca! Depois vinha a sexta, e lá pela três da tarde meu pai se levantava e dizia: - Bom, bom, será que alguém quer dar um passeio? Era o sinal. Eu e minha irmã corríamos para tomar banho, minha mãe nos vestia com as melhores roupas e lá íamos nós, contentes da vida! O meu número preferido era... f) Era uma vez uma viúva que tinha duas filhas. A mais velha se parecia tanto com ela, no humor e de rosto, que quem a via, enxergava a própria mãe. Mãe e filha eram tão desagradáveis e orgulhosas que ninguém as suportava. A filha mais nova... 2. Agora que já exercitamos o ato de inventar e de contar histórias a partir de um trecho, vamos propor que você inicie uma história e deixe para que outras pessoas a continuem e terminem: “ ...” 3. Propomos também dois alguns links sobre contação de histórias, com entrevistas, explicações, oficinas com professores: http://revistaescola.abril.com.br/lingua-portuguesa/pratica- pedagogica/contacao-historias-431368.shtml (Neste vídeo, você acompanha atividades de uma oficina sobre contação de histórias, realizada no projeto Letras de Luz, programa de incentivo à leitura mantido pela Fundação Victor Civita e a Energias do Brasil). http://vimeo.com/8743000
  7. 7. (Sandra, Meire e Tina, professoras do DAC da sala de 4 anos resolveram registrar um dia de ensaio para “Contação de Histórias”. Existem mais alguns vídeos disponíveis elencados no mesmo link).

×