Fronteiras

1,009
-1

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,009
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Fronteiras

  1. 1. Programa de Pós-Graduação Mestrado e Doutorado em Educação Doutoranda: Maysa de Oliveira Brum Bueno Orientadora: Dra. Maria Cristina Lima Paniago Lopes Linha 2 - Práticas pedagógicas e suas relações com a formação docente
  2. 2. Formação Continuada de Professores de Educação a Distância em Comunidade de Prática Maysa de Oliveira Brum Bueno Maria Cristina Lima Paniago Lopes Campo Grande 2010
  3. 3. Objetivos - Analisar a formação em Ead dos professores da UCDB Virtual; - Verificar as concepções dos professores frente a formação de uma comunidade virtual de aprendizagem; - Analisar se o agrupamento desses professores caracteriza-se como uma comunidade de prática; - Verificar a capacidade de articulação entre a formação continuada e a prática desses professores.
  4. 4. Comunidade Virtual - Pode ser identificada a partir de encontros no ciberespaço. (Levy, 1999) - Esses espaços não constituem a comunidade em si, mas a completa.
  5. 5. Comunidade Virtual - Lugar no ciberespaço: blog, orkut, facebook, youtube, web 2.0 - Uso ou apropriação desses suportes
  6. 6. Comunidade Virtual - Nível mínimo de interatividade; - Variedade de comunicadores; - Espaço público virtual (e-mail pessoal é privado); - Quantidade de membros relativamente constante.
  7. 7. Comunidade Virtual Elementos... - Sentido de pertencimento (ou pertença); - Territorialidade (locus, lugar das relações); - Permanência (essencial para se estabelecer relações); - Ligação entre sentimento de comunidade, o caráter corporativo e a emergência de um projeto comum
  8. 8. Comunidade de Prática (CoP) Wenger (1998) Comunidades que reuniam pessoas unidas informalmente – com responsabilidades no processo – por interesses comuns no aprendizado e principalmente na aplicação prática do aprendido.
  9. 9. Comunidade de Prática McDermott (2006) Comunidades de Prática podem ser definidos como agrupamento de pessoas que compartilham e aprendem uns com os outros em contato físico ou virtual.
  10. 10. Comunidade de Prática Mitchel (2002) Comunidades de Prática são grupos de pessoas que dividem uma preocupação, um conjunto de problemas ou uma paixão a respeito de algum tema e aprofundam seu conhecimento e experiência sobre esse tema, por meio da interação contínua.
  11. 11. Comunidade de Prática (CoP) De acordo com Wenger (1998), comunidades de prática são formadas por pessoas que: - Partilham suas práticas, preocupações, paixões; -Interagem regularmente para aprender a fazer melhor o que já fazem em suas práticas; - Inventam maneiras melhores e mais fáceis de resolver seus desafios;
  12. 12. Comunidade de Prática (CoP) -Partilham um interesse, um problema que enfrentam regularmente no trabalho ou em suas vidas; -Se juntam para desenvolver conhecimento de forma a criar uma prática em torno desse tópico. - Celebram o uso da criatividade e recursos da comunidade para resolver problemas.
  13. 13. Formação Continuada do Professor de Ead Dewey (1979) Importância da reflexão sobre a experiência concreta como processo de reconstituição de reconstrução da experiência em direção à melhoria de suas qualidades.
  14. 14. Formação Continuada do Professor de Ead Schön (1992) É necessário que o educador se distancie da ação para reconstituí-la mentalmente a partir da observação, da descrição e da análise. Reflexão sobre a prática – tomar consciência, compreender e reconstruir sua prática.
  15. 15. Referências BEHRENS, Marilda Aparecida. Projetos de Aprendizagem Colaborativa num Paradigma Emergente.In. Novas Tecnologias e Mediação Pedagógica. São Paulo. Papirus, 2002. BEHRENS, MASETO, MORAN. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 8ªed. São Paulo: Papirus, 2005. BONILLA, Maria Helena S. Escola Aprendente: comunidade em fluxo. In: FREITAS, Maria Teresa de A. Cibercultura e formação de professores. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009. DEWEY, J. Experiência e Educação. 3.ed. São Paulo: Editora Nacional, 1979. LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999. ____________. As Tecnologias da Inteligência. São Paulo: Editora 34, 1996. MENGALLI, Neli Maria. Conceitualização de Comunidade de Prática (CoP). MORAN, José Manuel. “Ensino e aprendizagem inovadores com tecnologias audiovisuais e telemáticas.” In: MORAN, J. M., MASETTO, M. T. & BEHRENS, M. A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas: Papirus, 2000. SILVA, Marco. Educação online: cenário, formação e questões didático-metodológicas. Rio de Janeiro: Wak Ed., 2010. SCHLEMMER, Eliane. Metodologias para educação a distância no contexto da formação de comunidades virtuais de aprendizagem. In: BARBOSA, Rommel Melgaço. Ambientes Virtuais de Aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2005. SCHÖN, D. A. Formar Professores como Profissionais Reflexivos". In Os Professores e a sua Formação. Nóvoa (org.). Lisboa, Dom Quixote 1992. WENGER, Etienne. Communities of Practice: Learning as a Social System. Diponível em: http://www.ewenger.com Acesso em 20/08/10.
  16. 16. Obrigada!! maysabueno@terra.com.br msn: maysabueno@hotmail.com skype: maysa.bueno fabebook: maysabueno twitter: @maysabb

×