Karl marx

62,924 views

Published on

slide sobre karl marx -Português-

Published in: Education
4 Comments
34 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
62,924
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1,207
Actions
Shares
0
Downloads
2,213
Comments
4
Likes
34
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Karl marx

  1. 1. Karl Marx e a crítica da sociedade capitalista
  2. 2. KARL MARX Alemanha (1818-1883) Principais obras : Manuscritos, A Guerra Civil na França, Crítica da Filosofia do Direito de Hegel, A Sagrada Família , A Ideologia Alemã, Miséria da Filosofia , 1847, Crítica da Economia Política, Manifesto do Partido Comunista ; ENTRE OUTROS. <ul><li>Marx nasceu numa família de classe média. Seus pais eram judeus que tiveram que se converter ao cristianismo em função das restrições impostas à presença de membros de etnia judaica no serviço público. </li></ul><ul><li>Estudou jurisprudência e depois Filosofia na Universidade de Berlim, doutorando-se em Iena. Mudou-se em 1842 para Paris, conhecendo Friedrich Engels, seu companheiro de ideias e publicações por toda a vida. </li></ul>
  3. 3. Karl Marx foi um intelectual alemão considerado um dos fundadores da sociologia, teve influencia em diversas áreas como economia ,filosofia e história. Marx casou-se e teve cinco filhos sendo que três morreram na infância, provavelmente pelas péssimas condições financeiras a que a família estava submetida. Foi privado da oportunidade de seguir uma carreira acadêmica na Alemanha pelo absolutismo prussiano.
  4. 4. KARL MARX <ul><li>Por sua formação filosófica, Marx concebia a realidade social como uma concretude histórica, isto é, como um conjunto de relações de produção que caracteriza cada sociedade num tempo e espaço determinados (...) </li></ul><ul><li>A HISTÓRIA DE TODA SOCIEDADE existente até hoje tem sido a história das lutas de classes. Homem livre e escravo, patrício e plebeu, senhor e servo, mestre de corporação e companheiro, numa palavra, o opressor e o oprimido permaneceram em constante oposição um ao outro durante toda a história . </li></ul>
  5. 5. <ul><li>A realidade imaterial : que se refere ao nível político-ideológico , comumente chamado de Superestrutura . É constituído: </li></ul><ul><li>● pela estrutura jurídico-política representada pelo Estado e pelo direito. </li></ul><ul><li>● pela estrutura ideológica referente às formas de pensamento, sentimento e consciência social , tais como: </li></ul><ul><li>▪ Filosofia; ▪ Literatura; ▪ Estética; </li></ul><ul><li>▪ Ciência; ▪ Religião; ▪ Moral; </li></ul><ul><li>▪ Arte; ▪ Educação; ▪ Música. </li></ul>Superestrutura e infraestrutura
  6. 6. Refere-se a infra-estrutura , que é um composto de força produtivas e relações sociais de produção . Ou seja, é a maneira pela qual os homens obtêm seus meios necessários de existência material – comumente chamado por Marx de econômica. Ou... Refere-se a determinado estágio de desenvolvimento das forças produtivas , que por sua vez, determinam as relações sociais de produção em um dado momento histórico. Logo: Modo de produção = forças produtivas + relações sociais de produção = Infra-estrutura Modos de produção da vida material
  7. 7. <ul><li>Forças produtivas: é a relação do ser humano com a natureza no esforço de produzir a própria existência – isto é, relação dialética entre homem e natureza , que permite desenvolver instrumentos, ferramentas etc. </li></ul>Trabalho: Ação humana transformadora da natureza que visa suprir as necessidades materiais. <ul><li>Relações sociais de produção: é a relação dos indivíduos entre si - isto é, é a relação dialética entre homem e homem , que pode ser de dois tipos: </li></ul><ul><li>● explorador-explorado; Formas de ação </li></ul><ul><li>entre os indivíduos </li></ul><ul><li>● solidariedade e respeito recíproco. </li></ul>Relações sociais de produção
  8. 8. <ul><li>Comunismo ou sociedades primitivas: os seres humanos se unem para enfrentar os desafios da natureza hostil e dos animais ferozes. Os meios de produção , as áreas de caça, assim como os produtos, são propriedades comuns , isto é, pertencem a toda a sociedade. A base econômica determina certa maneira de pensar peculiar, em que não há sentimento de posse , uma vez que não existe propriedade privada. </li></ul><ul><li>Aspectos fundamentais das sociedades primitivas: </li></ul><ul><li>▪ Não há sentimento de posse; </li></ul><ul><li>▪ A propriedade é comum. </li></ul>Tipos de modo de produção: O Materialismo histórico dialético: Não são as ideias ou os valores que transformariam uma sociedade, mas as condições materiais entre as classes sociais.
  9. 9. Interpretação do Materialismo Dialético <ul><li>O modo de produção patriarcal: surge quando se inicia a domesticação de animais e se desenvolve a agricultura graças ao uso de instrumentos de metal e à fabricação de vasilhas de barro, o que possibilita fazer reservas. </li></ul><ul><li>Quais as conseqüências das modificações das forças produtivas ? Alteram-se as relações de produção e o modo de produção : aparece uma forma específica de propriedade ( a propriedade familiar ); diferenciam-se funções de classe (autoridade do patriarca, pai de família); muda o direito hereditário, ao se substituir a filiação materna pela paterna. </li></ul><ul><li>Aspectos fundamentais da produção patriarcal: </li></ul><ul><li>▪ Surge a classe como hierarquia social; </li></ul><ul><li>▪ Surge a propriedade familiar em sentido amplo; </li></ul><ul><li>▪ A produção é para subsistência. </li></ul>
  10. 10. <ul><li>O modo de produção escravista: decorre do aumento da produção além do necessário para a subsistência, o que exige o recurso de novas forças de trabalho, conseguidas geralmente entre prisioneiros de guerra, transformados em escravos. Com isso surge a propriedade priva dos meios de produção, e a contradição entre senhores e escravos, como exemplo da primeira forma de exploração humana . </li></ul>Aspectos fundamentais da produção escravista: ▪ Surge, pela primeira vez na história, a classe como modo de exploração humana; ▪ Surge a propriedade privada , devido a produção excedente; ▪ Ocorre a separação entre trabalho intelectual e trabalho manual. O Materialismo histórico-dialético
  11. 11. O modo de produção feudal : a base econômica é a propriedade dos modos de produção pelo senhor feudal. O servo trabalha um tempo para si e outro para o senhor, o qual, além de se apropriar de parte da produção do servo, ainda lhe cobra impostos pelo uso comum do moinho, do lagar etc. Aspectos fundamentais da produção feudal: ▪ Permanece a classe como modo de exploração humana; ▪ Permanece a propriedade privada, devido a produção excedente; ▪ Surge o burguês, habitante dos burgos, isto é, dos arredores das cidades, que dentre os servos são os que se dedicam ao artesanato e ao comércio, e que consegue aos poucos a liberdade pessoal e a das cidades. O Materialismo histórico-dialético
  12. 12. O modo de produção capitalista: é a nova síntese que surge das ruínas do sistema feudal, ou seja, da contradição entre a tese (senhor feudal) e a antítese (servo). Neste contexto, para Marx, o movimento dialético pelo qual a história se faz tem um motor: a luta de classes. Chama-se luta de classes ao confronto entre duas classes antagônicas quando lutam por seus interesses de classe. No modo de produção capitalista , a relação antitética se faz entre o burguês , que é o detentor do capital , e o proletário , que nada possui e só vive porque vende sua força de trabalho . O Materialismo histórico-dialético
  13. 13. Aspectos fundamentais da produção capitalista: ▪ Permanece a classe como modo de exploração humana; ▪ Permanece a propriedade privada, devido a produção excedente; ▪ Ocorre a consolidação do Estado moderno ou burguês (Estado-nação), como aparelho coercitivo; ▪ Cria-se a alienação na produção, fetichismo da mercadoria e a i ntensificação da mais-valia. Resumo: materialismo histórico não são as ideias ou os valores que transformariam uma sociedade, mas as condições materiais entre as classes sociais.
  14. 14. fetichismo da mercadoria - o valor da mercadoria era irreal, como se não fosse fruto do trabalho humano. Ela ganhava um valor simbólico, como se tivesse perdido a relação com o trabalho e ganhasse vida própria. Hoje isso é muito comum, com o avanço da tecnologia, muitos produtos mantêm seu valor de troca superior ao tempo socialmente necessário que as produziu. A mais valia não é o lucro que o industrial recebe pela venda dos produtos, mas a exploração da mão de obra, as horas não pagas ao trabalhador, obtidas pela mais valia absoluta - o operário trabalha 8 horas e recebe por 4 - ou pela mais valia relativa - aumento da produção pela tecnologia obtida.
  15. 15. Luta de Classes e o Trabalho <ul><li>De acordo com Marx, o motor da história é a eterna luta de classes, entre aqueles que detêm os modos de produção e aqueles que possuem apenas a força de trabalho para vender. </li></ul><ul><li>De acordo com Marx, com o Capitalismo há o desvirtuamento do trabalho humano com a conseqüente servilização do proletário. </li></ul>
  16. 16. KARL MARX A análise sociológica concentra-se nas estruturas de desigualdade e nas combinações entre aqueles com poder, privilégios e bem-estar material e os menos poderosos, menos privilegiados e materialmente menos abastados.*
  17. 17. Materialismo Histórico-Dialético O Estado É a filosofia fundamentada por Karl Marx e Friedrich Engels (1820-1895), que visa explicar como se formaram as classes sociais e, posteriormente, o Estado que possui dois momentos, a saber: 1º Momento: surge para evitar ou amenizar o conflito entre classes; 2º Momento: torna-se parcial, representando os interesses das classes dominantes e servindo como aparelho de coerção contra as classes dominadas. Em seguida, provar que a história da humanidade é uma história de luta de classes. ● Para os idealistas, em específico Hegel, o real é guia e fundamento do pensar na história e as contradições ocorrem naturalmente . ● Para Marx o real também é guia e fundamento do pensar, mas as contradições históricas não ocorrem naturalmente, elas são provocadas pela diferença econômica de classes.
  18. 18. • O proletário vende sua força de trabalho para o capitalista. O valor que o • trabalhador gera para a indústria é muito maior do que o valor que a indústria paga para o trabalhador (salário). • Então por que o trabalhador trabalha para o patrão ao invés de vender mercadorias diretamente no mercado? • R: porque ele não possui os meios de produção (máquinas). CAPITALISMO
  19. 20. O TRABALHO 1. Fator principal da realização do ser humano. 2. Um processo dinâmico entre o ser humano e a natureza. 3. A sociedade de agrária para industrial, causou a des-humanização do trabalhador. 4. O operário torna-se um meio para o fim do outro.*
  20. 21. A FERRAMENTA <ul><li>Com a Revolução Industrial, a ferramenta aumentou os meios de produção. </li></ul><ul><li>Este aumento tornou-se uma séria ameaça ao bem-estar da humanidade. </li></ul><ul><li>Fator do estabelecimento do status do trabalhador (1º e 3º mundo). </li></ul>
  21. 22. ALIENAÇÃO <ul><li>Termo criado por Marx e Engels na obra “A ideologia Alemã” = conjunto de idéias. </li></ul><ul><li>Oriunda da classe dominante. </li></ul><ul><li>A alienação faz o indivíduo perder a consciência da vida e ser engolido pelas diretrizes do mercado capitalista. </li></ul>
  22. 24. OBJETIVO DE MARX <ul><li>No comunismo que Marx idealizou, todos trabalham juntos para o bem comum e posse em conjunto da produção. </li></ul><ul><li>Término da propriedade privada através dos meios de produção pelo Estado. </li></ul>
  23. 25. Problemas <ul><li>Utopia : sociedade sem classes. </li></ul><ul><li>Quando todos são donos de tudo, ninguém é dono de nada. </li></ul>
  24. 26. Revolução do Proletariado A revolução proletária levaria a um regime intermediário e de caráter provisório, a ser conhecido como “ditadura do proletariado” . Nesse momento, passando de despossuídos a detentores do poder, o proletariado trataria de arrancar pouco a pouco o capital das mãos dos burgueses, centralizando os instrumentos de produção nas mãos do Estado para, enfim, chegar ao comunismo completo , em que os meios de produção serão repassadas a associações.

×