• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Principais tendencias europeias no pós guerra
 

Principais tendencias europeias no pós guerra

on

  • 979 views

 

Statistics

Views

Total Views
979
Views on SlideShare
314
Embed Views
665

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

5 Embeds 665

http://blogdamayararquitetura.blogspot.com.br 621
http://blogdamayararquitetura.blogspot.ru 32
http://blogdamayararquitetura.blogspot.com 10
http://blogdamayararquitetura.blogspot.fr 1
http://blogdamayararquitetura.blogspot.it 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Principais tendencias europeias no pós guerra Principais tendencias europeias no pós guerra Document Transcript

    • PRINCIPAIS TENDÊNCIAS EUROPEIAS NO PÓSPRINCIPAIS TENDÊNCIAS EUROPEIAS NO PÓSPRINCIPAIS TENDÊNCIAS EUROPEIAS NO PÓSPRINCIPAIS TENDÊNCIAS EUROPEIAS NO PÓS----GUERRAGUERRAGUERRAGUERRAO Movimento Moderno fundou suas bases sobre o ideal de mudança naorganização da sociedade estabelecendo, portanto, uma atitude ética diante davida antes mesmo de ser uma linguagem, uma estética arquitetônica. Nestesentido, o papel da arquitetura foi importante na mudança dos hábitos sociais,na abolição da propriedade privada, no planejamento das cidades e na crençade um homem universal em sua essência.Contudo, depois da Segunda Grande Guerra, algumas áreas daschamadas Ciências Humanas como a Antropologia Cultural, a Psicologia e aTeoria de Comunicação de Massa, etc., adquirem grande importância para acrítica arquitetônica ao constatar que o M. M. levou à perda da identidade dascidades e do significado da arquitetura.O Estruturalismo, por exemplo, colocou em xeque toda uma série devalores da sociedade por meio do relativismo cultural, isto é, afirmando que osvalores culturais são determinados pelas especificidades culturais.Em outras palavras, não é somente pela ciência que se pode chegar aoconhecimento das coisas. Podemos dizer que, grosso modo, nas décadas de1950 e 1960 são revalorizados movimentos e atitudes relegadas peloracionalismo, como o surrealismo, as experiências sensoriais retiradas dooriente, a cultura hippie, o flower power, etc.Assim, dentro do corpo doutrinário do M. M. são introduzidos conceitosque procuram incentivar e resgatar a ideia de identidade, do particular emoposição ao universal, valorizando a diferença.Com a contribuição do Estruturalismo, surgem três vertentes naarquitetura:1- A que busca na antropologia, na arquitetura popular e vernácula novas formasde concepção do espaço – Novo empirismoNovo empirismoNovo empirismoNovo empirismo2 - A que busca na estruturaestruturaestruturaestrutura a verdade e a pureza da forma – Novo brutalismoNovo brutalismoNovo brutalismoNovo brutalismo3 - A que busca na história como estrutura projetual – Grupo TendezaGrupo TendezaGrupo TendezaGrupo Tendeza
    • NOVO BRUTALISMONOVO BRUTALISMONOVO BRUTALISMONOVO BRUTALISMONovo brutalismo pode ser definido como uma corrente que rejeitava asreações saudosistas e nostálgicas do neoempirismo demonstrando que a éticaestava no trabalho afinado com os novos cenários culturais do período, nacontemporaneidade da linguagem arquitetônica, na tecnologia e nas mudançassociais. Não se tratava de uma nova linguagem formal, mas um modoexperimental de situar-se e de atuar frente a um tema, ao programa e aosmateriais de um projeto.Principais referências: art brut, Le Corbusier (Unidades de Habitação, ConventoLa Tourette) e a arquitetura japonesa (pelo seu aspecto minimalista).Quanto ao urbanismo do M. M., Alison e Peter Smithson atacaram osdogmas da cidade moderna propostos por Le Corbusier e Walter Gropius queestabeleciam que as cidades deveriam ser zoneadas em áreas específicas para ahabitação, trabalho lazer e transporte e que a habitação urbana deveria consistirem altas torres amplamente espaçadas.Para eles, a cidade ideal combinava atividades diferentes dentro dasmesmas áreas e previa modernas habitações a serem construídas e ligadasentre si por ruas elevadas em que a circulação de pedestres era rigorosamenteseparada do tráfego de veículos além de incentivar nos moradores umsentimento de pertencimento e vizinhança.