Your SlideShare is downloading. ×
"Nunca estou satisfeito com meus trabalhos", dizvencedor do PritzkerFolha de São Paulo, 19 de março de 2013.Quando Toyo It...
"As grandes cidades de qualquer país precisam de movimento para superar o passado eavançar, e, lamentavelmente, Tóquio car...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Nunca estou satisfeito com meus trabalhos

1,058

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,058
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
6
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Nunca estou satisfeito com meus trabalhos"

  1. 1. "Nunca estou satisfeito com meus trabalhos", dizvencedor do PritzkerFolha de São Paulo, 19 de março de 2013.Quando Toyo Ito fala da Mediateca de Sendai, um de seus trabalhos mais famosos, oarquiteto, que venceu do Prêmio Pritzker na noite do último domingo (17), diz que gostade observar as pessoas cochilando e relaxando dentro da estrutura de vidro.Ito, o sexto arquiteto japonês a ganhar o Pritzker, considerado o Nobel da arquitetura,disse nesta segunda-feira que a arquitetura precisa se tornar mais aberta às necessidadesdas pessoas.O arquiteto reconhece que, desde o tsunami que atingiu o Japão em 2011, temquestionado seus projetos, acima de tudo considerando seu papel na recuperação deáreas devastadas pelo desastre natural."Depois de conviver com moradores de regiões destruídas, sinto que devo apostar naconstrução de casas que se pautem pelo estilo de vida das pessoas que irão morar nelas",disse ele, em entrevista concedida em seu escritório, em Tóquio. "Os arquitetos seacostumaram a projetar edifícios complexos demais. Precisamos simplificar as obras, usaruma linguagem mais universal."Os edifícios projetados por Ito, de bibliotecas a teatros, de casas a escritórios, são famosospor se complementarem ao ambiente, por serem arejados e equilibrarem natureza efuncionalismo.Suas construções mais conhecidas são a casa em espiral de Marbella, no Chile, seu projetoangular de 2002 para o pavilhão da Serpentine Gallery, em Londres, o curvilíneo Museu deArte da Universidade Tama e a Torre dos Ventos, de 1986, ambos em Tóquio."A arquitetura precisa se adaptar para a queda da população, as mudanças climáticas e osrecursos cada vez mais escassos", disse. Utilizando um design mais sustentável e ummovimento mais parecido com o de uma árvore, que se expande, galho a galho, de acordocom a luz e o ambiente. Precisamos relacionar a arquitetura com o meio em que ela estáinserida."Apesar de sua projeção internacional e seus edifícios ao redor do mundo, a obra de Itoestá intimamente ligada a Tóquio, para onde ele se mudou ainda na adolescência, e queabriga alguns de seus projetos mais conhecidos. O arquiteto, porém, admite que tem seinteressado cada vez mais por trabalhar nas zonas rurais do Japão.
  2. 2. "As grandes cidades de qualquer país precisam de movimento para superar o passado eavançar, e, lamentavelmente, Tóquio carece dessa energia", explicou.O edifício em Sendai é um conjunto de biblioteca e centros de estudos e convivência emum edifício transparente que deixa visíveis até mesmo os tubos de ventilação, como asveias de um corpo humano, segundo Toyo Ito. Ele já tinha uma carreira de 30 anos quandoo edifício foi inaugurado, em 2001."Naquela época, eu realmente me senti orgulhoso de ser arquiteto. Aquela era umagaleria sem paredes ou barreiras, que permitia as pessoas circularem à vontade. É comumver os visitantes tirando uma soneca, tornando-se parte do prédio."

×