Your SlideShare is downloading. ×
0
Tecnologia da ConstruçãoAplicada ao ProjetoRubens Mauro CunhaCristiana Badra Matavz – RA 4282149Larissa Duarte Galvão – RA...
CONDOMÍNIO EDIFÍCIOSANTA CATARINAAvenida Paulista, região central da cidade de São Paulo
Ruy OtakeNasceu em São Paulo, 27 de janeiro de 1938, éum arquiteto e designer de móveis brasileiro,responsável por mais d...
“As épocas da Paulista estão assinaladas por umasérie de construções: os casarões decomerciantes enriquecidos e de cafeicu...
Histórico do Edifício O terreno em que o edifício está implantado erade propriedade do Hospital Santa Catarina, quefica n...
Ficha Técnica e EquipeTécnicaObra: Condomínio Edifício Santa CatarinaLocalização: Avenida Paulista, região centralda cidad...
Planta do Térreo
Planta do 1º ao 3º Andar
Planta do 4º ao 6º Andar
Planta do 7º ao 16º Andar
Planta 17º Andar
Planta 18º Andar
Cortes
Estrutura O edifício é estruturado em apenasquatro pilares com vão transversal de18,6 m e vão longitudinal de 20,8 m ,pos...
Estrutura Possui térreo com pé-direitoduplo mais 17 andares destinadosa escritórios, o 18º é ocupado porum auditório comu...
Fachada e Recuo A fachada é em pele de vidro e explora a ausência de pilares periféricos e apresenta doisrecuos. Nesse t...
Acesso Como no inicio o Edifício seria usado pelo Hospital SantaCatarina , o acesso ficou restrito com dois halls: um mai...
Térreo Para o térreo o arquiteto optou pormanter o mesmo conceito de recuoque utilizados do 4º ao 6º andar, paraintegrar ...
Pilares e Vão Interno As colunas não são raras apenas na fachada. O edifício, na verdade, praticamente não tem pilares, ...
Protensão das Vigas Os grandes vãos, aliados à exigência do arquiteto por um pé-direito alto, levaram àprotensão das viga...
Estrutura eEstabilidade Global A estabilidade à ação do vento, no lado quefaz frente à avenida, foi obtida com acriação d...
Coroamento O topo do prédio de 81 m de altura écoroado com treliças verticais curvas,projetadas com perfisW e cantoneiras...
Fundação Os 22 pavimentos, além dos quatro subsolos de3.200 m2 cada e que exigiram escavação quase naárea total do terren...
Fotos da Obra
Fotos da Obra Finalizada
Bibliografia Arcoweb RevistaTéchne www.ruyohtake.com.br www.brasfond.com.br www.engeconfundacoes.com.br
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Condomínio edifício santa catarina

1,879

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,879
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
6
Actions
Shares
0
Downloads
35
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Condomínio edifício santa catarina"

  1. 1. Tecnologia da ConstruçãoAplicada ao ProjetoRubens Mauro CunhaCristiana Badra Matavz – RA 4282149Larissa Duarte Galvão – RA 5385626Mayara Virgulino de Oliveira – RA 5199343Thiago Penteado – RA 4195053Virginia Vasques de Paula – RA 5176375Arquitetura e UrbanismoUni FIAMFAAM9º Semestre A
  2. 2. CONDOMÍNIO EDIFÍCIOSANTA CATARINAAvenida Paulista, região central da cidade de São Paulo
  3. 3. Ruy OtakeNasceu em São Paulo, 27 de janeiro de 1938, éum arquiteto e designer de móveis brasileiro,responsável por mais de trezentas obrasrealizadas no Brasil e no exterior.Formou-se em arquitetura pela Universidadede São Paulo em 1960.São suas características, a exuberânciacriativa, a vontade de inovar, acreditando nacontemporaneidade, como fator artístico,arquitetônico e urbano.
  4. 4. “As épocas da Paulista estão assinaladas por umasérie de construções: os casarões decomerciantes enriquecidos e de cafeicultores doinicio do século e os mais recentes. Quis marcaro local com uma edificação do século 21”Ruy Ohtake
  5. 5. Histórico do Edifício O terreno em que o edifício está implantado erade propriedade do Hospital Santa Catarina, quefica na esquina transversal oposta. Na negociação com a incorporadora o lote foitrocado por alguns andares do empreendimento. De início, o hospital desejava ocupá-los com umcentro clínico, ampliando assim suas instalações. Posteriormente, o hospital resolveu alugar seusespaços para uma única empresa.
  6. 6. Ficha Técnica e EquipeTécnicaObra: Condomínio Edifício Santa CatarinaLocalização: Avenida Paulista, região centralda cidade de São PauloConstrução: entre outubro de 2003 e outubrode 2006Área construída: 30.767,93 m2Área de laje: 1.225,95 m2Terreno: 3.803 m2Volume de concreto: 11.979,90 m3Quantidade de aço utilizada: 945 t naestrutura e 105 t nas vigas protendidasVão transversal: 18,6 mVão longitudinal: 20,8 mPavimentos: 26, sendo quatro subterrâneosElevadores: 10Capacidade do auditório: 80 pessoasVagas de garagem: 525 para carros e 60 paramotosPé-direito: 3,9 m (livre); 2,85 m (acabado)Arquitetura: Ruy OhtakeIncorporação e Administração:SerplanConstrução: MatecEstrutura: Aluízio A. M. D’ÁvilaEstrutura Metálica da Cúpula e doTérreo: AlaxisFachadas: Mário Newton Leme(consultoria); Alumigon (projeto egerenciamento); Companhia Mercantil deAlumínio (execução)Acústica: Nacyr Martins PereiraFundações: Portella AlarconElétrica e Hidráulica: MHAAr condicionado: Amsett
  7. 7. Planta do Térreo
  8. 8. Planta do 1º ao 3º Andar
  9. 9. Planta do 4º ao 6º Andar
  10. 10. Planta do 7º ao 16º Andar
  11. 11. Planta 17º Andar
  12. 12. Planta 18º Andar
  13. 13. Cortes
  14. 14. Estrutura O edifício é estruturado em apenasquatro pilares com vão transversal de18,6 m e vão longitudinal de 20,8 m ,possui o núcleo rígido voltado para ofundo do lote, dentro da plantaquadrada, com quinas arredondadas(remete tanto Hotel Renaissancequanto ao Berrini 500)
  15. 15. Estrutura Possui térreo com pé-direitoduplo mais 17 andares destinadosa escritórios, o 18º é ocupado porum auditório comum, com 80lugares. Do 4º ao 6º andar, os escritóriosforam recuados, deixando 6,5 mde balanço nas três extremidades(laterais e frente). Enquanto os andares maiorespossuem 1070 m², os menoresmedem 542m² de laje.Vão6,5m
  16. 16. Fachada e Recuo A fachada é em pele de vidro e explora a ausência de pilares periféricos e apresenta doisrecuos. Nesse trecho, além de lajes reduzidas, com 560 m2, o vidro laminado da fachada muda pormotivos estéticos. De prata - como no restante da edificação - para fumê, sempre com 8 mmde espessura. Poucos reflexivos para diminuir a incidência de calor, têm sua espessura dividida em duascamadas iguais de 4 mm, devido à resistência e à capacidade de absorção sonora. Os três últimos níveis tiveram os vidros trocados por uma tela metálica perfurada,determinante para o bom funcionamento do ar-condicionado, pela circulação de ar. Os anéis a cada dois andares proporcionam uma vibração e dinâmica à fachada.
  17. 17. Acesso Como no inicio o Edifício seria usado pelo Hospital SantaCatarina , o acesso ficou restrito com dois halls: um maiorpara o prédio em si e outro menor para os três andares,com elevadores independentes.
  18. 18. Térreo Para o térreo o arquiteto optou pormanter o mesmo conceito de recuoque utilizados do 4º ao 6º andar, paraintegrar o ambiente urbano aoprojeto. A Alaxis desenvolveu o projetoestrutural do fechamento do térreocom uma pele de vidro. A estrutura metálica é formada pormontantes de tubos redondos com168 milímetros de diâmetro. Ela vence uma altura de 8,60 metros,com 7,20 metros do piso ao teto.
  19. 19. Pilares e Vão Interno As colunas não são raras apenas na fachada. O edifício, na verdade, praticamente não tem pilares, omotivo é o grande salão de 924 m² e apenas dois grandespilares, de 1,6 x 1,6 m, na parte anterior do prédio e na parteposterior, onde fica o núcleo rígido. No núcleo rígido concentram-se hall, dois banheiros, copae shafts para elevadores e escadas.
  20. 20. Protensão das Vigas Os grandes vãos, aliados à exigência do arquiteto por um pé-direito alto, levaram àprotensão das vigas. Daí surgiu o maior desafio estrutural, talvez da obra: Garantir que as forças de protensão aplicadas nas vigas longitudinais venceriam aresistência imposta pelos pilares de 1,6 m de lado onde se apoiam. Aumentar a viga e a quantidade de cabos para compensar a perda de protensãoencareceria o projeto. Além disso, afetaria o pé-direito exigido pelo projeto dearquitetura: 3,9 m livre e 2,85 m já com o forro. A alternativa foi encontrada na execução, cujo ciclo era de cerca de dez dias por laje,concretar os pilares em etapas: Primeiro, pilares provisórios com base de 0,4 x 0,8 m no local dos definitivos e jácom toda a armação montada, sendo a menor dimensão no sentido da protensão. Após a aplicação das cargas e o previsto desaprumo dos pilares, o restante dosmesmos era preenchido com concreto e graute na parte superior, estrangulada. "Se as colunas estivessem plenamente concretadas, reduziriam significativamente aforça de protensão no vão central da viga"
  21. 21. Estrutura eEstabilidade Global A estabilidade à ação do vento, no lado quefaz frente à avenida, foi obtida com acriação de um pórtico múltiplo. Dessamaneira, vigas foram distribuídas entre osandares a fim de realizar o travamento daestrutura. A altura da viga chega a ser 2,45m no 18ºandar e isso se deve à impossibilidade deaumentar a largura. Semi-invertida, forma o peitoril do andarque abriga o auditório do Santa Catarina.
  22. 22. Coroamento O topo do prédio de 81 m de altura écoroado com treliças verticais curvas,projetadas com perfisW e cantoneiraslaminadas com espaçamento de 2,5m ecaixilharia em forma de cúpula de vidroque esconde a laje estruturada emconcreto para abrigar o heliponto.
  23. 23. Fundação Os 22 pavimentos, além dos quatro subsolos de3.200 m2 cada e que exigiram escavação quase naárea total do terreno, atingem o solo em 85 pontos. Vinte e seis estacas barrete distribuem a cargadepositada pelos quatro pilares principais, quechega, em cada, a aproximadamente 6 mil t. Na periferia do edifício, 59 estacas hélice contínua,com uma média de 15 m de comprimento útil,recebem o restante da carga. Estudos comparativossobre a viabilidade técnico-econômicademonstraram que as estacas permitiram menorprazo de execução quando comparadas a tubulõesa céu aberto. Para a contenção dos taludes, foram utilizadosperfis metálicos com cortinas de elementos pré-moldados de concreto. Em toda a circunferência,mas principalmente na face frontal, o uso detirantes foi impossibilitado devido à presença deedificações ou de redes de utilidades públicas.Nafrente do terreno, era o túnel do Metrô, que chegoua ficar a 5 m de distância do subsolo do prédio, queinviabilizava o uso dos cabos.
  24. 24. Fotos da Obra
  25. 25. Fotos da Obra Finalizada
  26. 26. Bibliografia Arcoweb RevistaTéchne www.ruyohtake.com.br www.brasfond.com.br www.engeconfundacoes.com.br
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×