Your SlideShare is downloading. ×
Expressao E Arte
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Expressao E Arte

2,255

Published on

Expressão e Arte psicologia

Expressão e Arte psicologia

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
2,255
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
36
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Saúde Mental Express ã o e Arte
  • 2. ARTE TERAPIA
    • Tem por objetivo refletir e debater sobre a importância da Arte como fator de promoção de Saúde e Transformação Social na passagem do Milênio. Arteterapia é a arte pela arte, deixa a criação em segundo plano, para analisar acima de tudo o processo de criação do paciente (pintura, desenho, teatro, etc) Fundamenta-se em Artes em todos os níveis e Técnicas de Terapias diversas (Psicologia, Psicanálise, etc.)
  • 3.
    • Alguns trabalhos dão ênfase ao Psicodrama, muito utilizado em Artes Cênicas e em algumas linhas de Psicanálise. Esta linha de terapia (Psicodrama) pode tratar todos os distúrbios de aprendizagem, alguns comportamentais e é muito útil em terapias anti toxicomania (drogas/álcool) e terapia de casais.
  • 4. Benefícios da Terapia pela Arte
    • 1 - Melhora a comunicação consigo mesmo e com o outro;
    • 2 - O cliente se independentiza do terapeuta pois é ativo, cria nas sessões;
    • 3 - O tempo do tratamento é menor pois a transferência é reduzida, a atividade diminui o valor desta;
    • 4 - Favorece a busca da harmonia e do equilíbrio da vida;
    • 5 - Facilita o diagnóstico propiciando leitura de material pré e inconsciente através de imagens pictórias, sonoras, táteis e kinestéricas.
    • 6 - Aumenta a espontaneidade e a criatividade positivamente orientadas.
  • 5. SER E FAZER
    • Tânia Maria José criou o Laboratório de Saúde Mental e Psicologia Clínica Social localizado no Departamento de Psicologia Clínica do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (1998).
  • 6. SER E FAZER
    • Desde então são desenvolvidas modalidades de pesquisa intervenção com uso de mediações que facilitem a expressão do individuo.
  • 7. SER E FAZER
    • Partindo da noção winnicottiana que consiste na superposição de duas áreas do brincar: a do terapeuta e a do paciente .
    • A s comunicações emocionais se articulam como brincadeiras, os pacientes podem se deparar com ambiente que favorece o surgimento do gesto espontâneo em presença do outro.
  • 8. SER E FAZER
    • Trata-se de uma psicanálise inovadora que, recorrendo a diferentes estratégias clínicas, dá contornos aceitáveis às angústias existenciais mais profundas e oferecem a possibilidade de uma experiência emocional enriquecedora, incentiva n do a expressão dos pacientes para a criação/transformação da realidade, permitindo auxiliá-los na busca de um novo sentido de existência.
  • 9. SER E FAZER
    • Acolhe desde pessoas que sofrem profundas angústias relacionadas à fragmentação e aniquilação do ser até aqueles que referem sentimentos difusos de falta de sentido e vazio interior, que impedem a valorização da vida tal como se apresenta.
  • 10. O NUCLEO DE ESTUDOS WINNICOTTIANOS DE SÃO PAULO - NEW é uma associação sem fins lucrativos, de iniciativa privada, de caráter científico, com os seguintes objetivos:
    • Promover o estudo aprofundado do pensamento de D. W. Winnicott, em suas implicações teóricas, bem como desenvolver práticas clínicas diferenciadas voltadas, principalmente, ao atendimento de grupos e famílias; Estudar e divulgar as práticas diferenciadas de atendimento psicológico com grupos de pessoas em serviços de saúde, nas empresas, nas escolas e em outros locais .
  • 11.
    • Estimular a produção científica ligada à psicanálise winnicottiana e aos estudos sobre grupos; Realizar periodicamente eventos científicos com o fim de estudar, debater, desenvolver e divulgar as práticas psicológicas derivadas do uso da psicanálise winnicottiana;
  • 12.
    • Assessorar outras instituições no uso de práticas diferenciadas derivadas do uso da psicanálise winnicottiana; Realizar eventos científicos, cursos e treinamentos em parceria com outras instituições públicas e privadas, sociedades e centros de estudos de psicoterapia de grupo.
  • 13. Oficinas Psicoterapêuticas de Criação
  • 14. Oficina de Histórias, Fotos e Lembranças
    • É um espaço no qual pais que vivem dificuldades, maiores ou menores, no relacionamento com os filhos, recebem atenção psicológica que os auxilia a encontrar sua maneira própria e pessoal de estar com seus filhos, como cuidadores e parceiros, em seu processo de amadurecimento emocional.
  • 15. A rte e papel
    • P apel como material mediador de experiências emocionais.
  • 16. A rranjos florais
    • Trabalha-se com uma variedade de flores frescas, esponjas vegetais, material de sucata, vasilhames de refrigerantes , embalagens de leite e materias de papelaria.
  • 17. Arranjos Florais para Pacientes Neurológicos
    • P acientes portadores de esclerose lateral amiotrófica (ELA), seu s familiares e cuidadores.
  • 18. Cartas, Fotografias e Lembranças
    • Os participantes são convidados a trazer cartas, fotografias ou outros objetos portadores de lembranças a serem compartilhadas com o grupo. Ficam à disposição um cavalete e um quadro magnético nos quais são afixados os pertences trazidos, de modo a compor um painel.
  • 19. Tapeçaria e outros Bordados
    • São oferecidos aos participantes lãs em cores variadas e linhas para bordar, além de tecidos e telas para a realização dos bordados. São confeccionados tapetes, bordados, panos de prato e toalhas.
  • 20. Oficina d e Esculturas
    • O ferece um espaço e um tempo onde a terapeuta e os pacientes possam brincar com o barro, visando promover a saúde e o potencial criativo, possibilitando integrações, favorecendo a expressão, a ampliação do viver, a diminuição do sofrimento.
  • 21. Oficina de Biscuit
    • Tem como objetivo favorecer o desenvolvimento pessoal e aliviar sofrimentos. Podem ser criados os mais variados objetos em biscuit, desde imãs de geladeira, potes decorados, porta lápis, bijuterias, quadros, entre outras possibilidades sugeridas pelos participantes.
  • 22. Oficina de Velas Ornamentais
    • O ambulatório atende pacientes – e seus familiares - portadores do HIV, em sua grande maioria, porém ainda: portadores de hepatites B e C; portadores de DSTs; acidentados de trabalho com material biológico e vítimas de violência sexual.
  • 23. Oficina de Velas Artezanais para mulheres vítimas de violência doméstica
    • Acreditamos que, por meio desta clínica gestual, proporcionamos sustentação emocional a estas mulheres que se encontram fragilizadas, bem como favorecemos seu desenvolvimento pessoal, em termos da adoção de um gesto espontâneo.
  • 24. Oficinas de Teatro Espontâneo
    • Projeto mais amplo de pesquisa que procura desenvolver enquadres clínicos diferenciados, capazes de se oferecer como proposta diante das novas demandas de sofrimento gerado pela vida contemporânea.
  • 25. M useu do inconsciente
  • 26.
    • Inconformada com os métodos violentos de tratamento psiquiátricos como o eletrochoque, o coma insulínico, a lobotomia, a psiquiatra Nise da Silveira encontra na terapêutica ocupacional uma forma de tratamento para os usuários de saúde mental.
  • 27.
    • A arte, com sua característica capacidade de expressar concomitantemente uma multiplicidade de níveis de significados, mostra-se capaz de expressar a complexidade humana, em seus conteúdos conscientes, inconscientes e quase-conscientes, revelando-se um recurso poderoso e eficaz.
  • 28. Principais coleções do museu do inconsciente
  • 29. Adelina Gomes Nasceu em (1916-1984), foi internada aos seus 21 anos. Dedicou-se ao trabalho em barro e a pintura e confecção de flores de papel. Produziu cerca de 17.500 obras.
  • 30.  
  • 31. Artur Amora
    • Suas composições foram realizadas aproximadamente entre 1949 e 1951
  • 32. Carlos Pertuis (1910-1977)
    • Viu "O Planetário de Deus" refletido no espelho.
    • Foi internado com 29 anos (1939).
    • Em 1946 começou frequentar o ateliê.
    • Produziu cerca de 21.500 trabalhos .
  • 33.  
  • 34. Fernando Diniz (1918- 1999)
  • 35. Isaac Liberato (1906-1966)
    • Em 1946 começa frequentar o ateliê.
    • Através da linguagem plástica narra uma história diretamente compreensível e concatenada, que jamais verbalizaria.
  • 36.  
  • 37. Octávio Ignácio (1916-1980)
  • 38. Raphael Domingues (1913-1979)
  • 39. Emygdio de Barros - fez cerca de 3.300 obras

×