(Jornal escolar   palavras d'encanta 3.º ed.
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

(Jornal escolar palavras d'encanta 3.º ed.

on

  • 1,199 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,199
Views on SlideShare
1,196
Embed Views
3

Actions

Likes
0
Downloads
2
Comments
0

1 Embed 3

http://clubedejornalismoebig.blogspot.com 3

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

(Jornal escolar   palavras d'encanta 3.º ed. (Jornal escolar palavras d'encanta 3.º ed. Document Transcript

  • Volume 3, Edição 3 Jo r n a l E s c o la r — E B I d e G i n e t e s Junho de 2008 Coordenador: Max Teles PALAVRAS D’ENCANTAR Colaboradoras: Grace Oliveira Célia Lima NESTA EDIÇÃO: Semana Aberta Neste jornal o Editorial 2 programa da Se- Dia da Europa 3 Actividades mana Aberta Jardim de Infância 4 /5 Torneio Interescolar Passeio da Primavera 6 II Passeio de Ci- O Baile Visitas de estudo à EP 7 cloturismo Peça de Teatro Capelas e ES Antero de Quental Visita de estudo à 8 Biblioteca Municipal História Familiar 9 II passeio de ciclotu- 10/11 rismo Peça de Teatro 12 Exposição Centenário 13 Miguel Torga Hora do Chá Exposição Centená- Dança; Paddy-paper; 14 hora do chá Inglês e Francês rio de Miguel Torga Cinema francês 15 Cinema Inglês 16 Jogo do 24 Torneio quadrangular 17 Jogo de futebol de 5 professoras/alunas Final do Torneio de futebol de 5 Karaoke /variedades 18 Jogo Mat e CN 2.º 19 Jogo de futebol ciclo de 5 Professoras / Matpaper 20/21 Viagem de Finalistas 22 alunas. MATpaper História Egípcíos 23 História Gregos 24 Contos e Ditos 25/26 Provérbios, anedotas 27 e adivinhas Programa dia 26 28 Neste jornal o Progra- ma Semana Aberta
  • Página 2 Palavras d’Encantar Volume 3, Edição 3 em geral, aos funcionários e às entidades Editorial externas à escola. Palavras d’Encantar vai continuar a noticiar o que de melhor se faz na nossa Chegamos ao fim de um ano lectivo escola e mostrar à Comunidade Educativa bem conseguido, com muitas actividades que EBI 2,3 de Ginetes está viva e reco- escolares e extra-escolares que consegui- menda-se. ram desbravar novos horizontes aos nos- Como coordenador do jornal peço sos alunos. desculpa se algo falhou, mas “Errare Hu- Quero deixar uma nota de agradeci- manus est”, ficando desde já a promessa mento a todos quantos colaboraram na ela- que o próximo número será melhor que o boração do nosso Jornal Escolar, em pri- anterior. meiro lugar aos alunos da EBI 2,3 de Gine- Obrigado a todos! tes e depois às professoras Grace Oliveira e Célia Lima em particular, aos professores Actividades – Dia da Europa na EBI de Ginetes
  • P á g i n a 3 P al a v r a s d ’ E n c an t a r Volume 3, Edição 3 Paulo Casaca cele- bra Dia da Europa na EBI de Ginetes No dia 9 - Dia da Europa, pelas 10h00, realizou-se uma interessante confe- rência com a presença do Dr. Paulo Casaca (eurodeputado socialista no parlamento eu- ropeu), acompanhado pela eurodeputada francesa, Marie Noelle Liene- mann, onde se abordou o actual contexto da União Europeia e os novos desafios que colocam a todos os europeus, em espe- cial aos jovens. Assistiram à sessão 200 alunos da Escola Básica e Integrada de Ginetes, tendo havido muita participação dos mes- No dia 9 de Maio, sexta-feira, os alunos mos, através de questões colocadas aos do 7º ano comemoraram o dia da Europa atra- dois eurodeputados presentes. vés da realização de um peddy-paper, compos- Ainda no dia 9, pelas 15 horas, a Associação to por diversos jogos alusivos ao tema: cons- de Juventude de Candelária em parceria trução de puzzle, jogo da farinha, rebenta ba- com a Associação de Atletismo de São Mi- lões, jogo dos arcos, cronologia dos alarga- guel, promoveu uma prova de atletismo. A mentos da União Europeia e monumentos da “Corrida para a Europa”, teve partida na Es- Europa. A actividade foi organizada pelas pro- cola Básica e Integrada de Ginetes e chega- fessoras de Geografia e inscreveram-se 7 da à sede da Associação de Juventude de equipas que obtiveram os seguintes resulta- Candelária, num percurso de cerca de 5km e dos: contou com a participação de 43 atletas, de idades compreendidas entre os 13 e os 50 Classificação Equipa Pontuação anos. 1º lugar Tricampeões (7ºB) 139 pontos No final da prova foi servido um lanche a to- dos os participantes e entregues medalhas 2º lugar Tubarões Bran- 113 pontos cos(7ºB) de participação aos atletas e um troféu para 3º lugar Power girls (7ºA) 106 pontos cada primeiro lugar dos dez escalões que participaram na prova. 4º lugar Botafogo(7ºD) 104 pontos Esta iniciativa organizada pela Associação 5º lugar Radicais (7ºA) 102 pontos de Juventude de Candelária, teve o apoio da 6º lugar Crazy girls (7ºB) 94 pontos Direcção Regional da Juventude e contou 7º lugar The friends ( 7ºD) 72 pontos com as parcerias do Gabinete do Eurodepu- tado Dr Paulo Casaca, Escola Básica Inte- Todos os participantes irão receber o grada de Ginetes e da Associação de Atletis- certificado de participação e a equipa classifi- mo de São Miguel. cada em 1º lugar receberá o respectivo prémio no decorrer das actividades da Semana Aber- AJC ta. View slide
  • Página 4 palavras d’Encantar Volume 3, Edição 3 trabalhos no jornal e não se esqueçam de Jardim de Infância Dr. POUPAR A ÁGUA!!! Carlos Pavão de Medeiros Os meninos e meninas do Jar- Olá, nós somos os meninos do jardim dim de Infância Dr. Carlos Pavão de Medei- de infância da Várzea. ros. Estivemos a fazer um trabalho sobre a água e aprendemos muitas coisas. Primeiro estivemos a ver um globo terrestre e a falar sobre alguns problemas que existem no planeta Terra. Depois fize- mos um cartaz que tinha o título: Como poupar a água? Fizemos também um pan- fleto que entregamos aos meninos da “escola de cima” e levámos para casa para mostrar aos pais e às mães. Gostávamos que vissem os nossos View slide
  • Volume 3, Edição 3 Página 5Palavras d’Encantar
  • Página 6 Palavras d’Encantar Volume 3, Edição 3 Torneio Interescolar de Professores Foi um excelente convívio num ambi- – Laranjeiras ente de contacto coma natureza, num meio muito bonito e selvagem ainda No dia 29 de Maio uma equipa de professo- com vestígios da flora endémica dos res da Escola Básica Integrada de Ginetes partici- Açores. pou no Torneio Interescolar que se disputou no Com a hora de início combinada para complexo desportivo das Laranjeiras, por volta das as 10H00 a partida foi às 10:20 e o 16 horas, com a participação de 8 equipas, dividi- regresso foi cerca das 14H30, cum- das em dois grupos. prindo-se assim o tempo de 4 horas O tempo estava bom, por isso profetizava-se e10 minutos, com algumas paragens uma tarde bem passada. A equipa da EBI de Gine- para as fotos, para apreciar a nature- tes facturou dois empates e uma falta de compa- za e para o lanche. rência, portando não perdeu nenhum jogo. Que- Este passeio contou com 13 partici- dando-se pelo segundo lugar do seu grupo. pantes, todos eles com experiência Finalmente, na disputa do 3 e 4 lugares, as nestas andanças e no final ainda hou- coisas não corram de feição e por isso a goleada ve tempo para um cafezinho na es- por 5-1 teve um sabor amargo, mas paciência, não planada do Restaurante das Caldei- foi mau de todo. ras onde nos despedimos e combiná- mos o próximo passeio, o qual será Os Incríveis dos Ginetes no dia 25 de Abril 2008, Sexta-feira, subida à Lagoa do Fogo, designada por Passeio da Liberdade com 10,2 km e duração prevista de 04:30 Ho- ras. Prof. Luís Alves Passeio da Primavera No dia 5 de Abril de 2008 realizou-se o passeio pe- destre denominado Passeio da Primavera que co- meçou logo com uma subida acentuada até à Cen- tral do Salto do Cabrito. Depois de a visitarmos vol- támos atrás e começamos uma longa subida até à Vereda do Mulato (674 metros). Durante esta subida avistámos a Ilha desde a Ribeira Grande até à Ponta de Santo António, assim como zonas altas, Central Geotérmica, Antenas da Barrosa, Pico do Sapateiro, Maciço das Sete Cidades. Tal como a meteorologia adivinhava começaram os aguaceiros, alternando com abertas e sol, contudo sem vento. Quando che- gámos às Lombadas estava a chover, mas logo abriu e fez sol, pelo que conseguimos lanchar sosse- gados e em convívio.
  • Volume 3, Edição 3 Página 7 Palavras d’Encantar Visita de Estudo à Escola Profissional de Capelas e à Escola Secundária Antero de Quental. No passado dia cinco de Maio, das 9h00 às 16h30, os alunos do 9º ano e do PO-II da nossa escola realizaram uma visita de estudo à Escola Profissional de Capelas e à Escola Secundária Antero de Quental. O principal objectivo desta visita foi receber- Escola Secundária Antero de Quental mos informações acerca das saídas profissi- onais para o próximo ano lectivo nestas du- as escolas. As várias turmas dividiram-se em dois grupos e foram acompanhados por dois gui- as que nos mostraram as diferentes salas das aulas práticas e explicaram os módulos dos vários cursos que lá existiam, nomeada- mente, cabeleireiro, esteticista, mesa-bar, cozinha, lavandaria, serviço de quartos, electricista, serragem, carpintaria, mecânica, bate-chapa, entre outros. Escola Profissional das Capelas Às 12h30, almoçámos no refeitório da Escola Profissional de Capelas, onde fomos todos muito bem recebidos e tivemos um al- moço muito bem confeccionado. Depois do almoço, fomos à Escola Se- cundária Antero de Quental. No entanto, de- vido à reconstrução de um edifício, só foi possível visitar uma pequena parte das ins- talações e também não foi possível darem informações sobre os cursos que irão ser leccionados no próximo ano lectivo. Por último, fomos ao Jardim António Borges onde passeámos um bocadinho e, em seguida, regressámos à nossa escola. Foi um dia divertido e enriquecedor! A turma 9º B
  • Volume 3, Edição 3 Página 8 Palavras d’Encantar Visita de Estudo à biblio- teca pública/arquivo re- gional de Ponta Delgada No dia 11 de Junho, alguns alunos das turmas do sétimo, oitavo e nono ano, realizaram uma visita de estudo ao arquivo regional de Ponta Delgada, no âmbito do tra- balho sobre a História Familiar. Esta visita de estudo teve como ob- jectivo mostrar as funções do Arquivo regio- nal, como também a forma de procurar os registos paroquiais dos nossos antepassa- dos. Acompanharam os alunos, o profes- sor Maximino Teles e o professor João Pin- to, organizador da visita. Ana Rita Aguiar 7ºA
  • Página 9 Palavras d’Encantar Volume 3, Edição 3 datas e locais de nascimento. Voltando o coração dos pais 2. Escrevem a informação adquirida por via oral ou com documentos num gráfico de li- aos filhos e dos filhos aos nhagem. pais. 3. Dirigem-se ao registo civil e procuram ob- ter fotocopias não certificadas dos seus an- tepassados até por volta de 100 anos atrás. Sem nossos antepassados não estaríamos 4. Para época anterior a 1908 (100 anos aqui. Um sentimento de gratidão, respeito e atrás) Continuam a sua busca nos registos reverência enche as almas nobres daqueles que se encontram no Arquivo Regional de que olham para seus antepassados com a Ponta Delgada. devida estima, tenham eles sidos nobres ou 5. Mas não fica por aqui, os nomes datas e plebeus, pobres ou ricos. Cada família teve locais são depois colocados dentro de um os seus desafios, descobrir quem foram e ficheiro utilizando o programa PAF (personal porque eram assim, daquele maneira espe- Ancestral File(que muito resumidamente cial, ou porque resolviam os problemas da- quer dizer: (ficheiro pessoal de antepassa- quela maneira, ou que antecedentes os le- dos). Assim desenvolvem competências di- varam a ter determinadas escolhas, ajuda- versas: entre outras conversar sobre seus nos a compreendermos porque somos as- antepassados com as pessoas mais idosas. sim. Reunir informação sobre dados vitais Hoje há uma guerra contra a família, os (nascimento, casamento e falecimento). Re- princípios que norteiam alguns elementos gistar detalhes dessa informação: locais que estão na governação dos dias de hoje onde moravam, profissões amigos (os padri- nem sempre tem os seus alicerces que per- nhos que aparecem nos casamentos e bap- mitam fortalecer a família e aprovam leis tismos). Partilhar essa informação com os contrárias à importância que a família teve e familiares saber divulgar o seu trabalho. terá na Educação. Os pais conscientes valo- Compilar fotos e outros documentos num rizam a família e trabalham activamente na dossier pessoal sobre sua família. Educação de seus filhos. A escola pública 6. Os alunos também devem escolher um ou privada só pode dar uma Educação me- antepassado de quem gostem e escrever lhor se as famílias a souberem dar de raiz. uma pequena biografia. Conta duplamente, A relação pedagógica professor aluno é me- conta para a disciplina de língua portuguesa lhor nos alunos onde a família é mais atenta e conta para a sua família porque escreve e acompanha verdadeiramente os seus fi- sobre ela. Isto é conhecer. Não só o que é lhos. imediato, mas o que em última instância me Neste sentido e no intuito de fortalecer os diz respeito a mim que sou, porque estou laços entre gerações, a identidade e a cons- inevitavelmente ligado a meus antepassa- trução de uma personalidade mais equilibra- dos e se sou hoje alguma coisa a eles devo da e mais consciente de (quem sou eu?) estar muito agradecido.. surge o trabalho de história familiar. Nós família (coloque aqui o seu nome de famí- Prof. João Pinto lia ) quem somos. Nós açorianos quem so- mos? Na escola de Ginetes cerca de 55 alunos principalmente dos 7º anos e alguns do 8º e 9º ano compilaram aproximadamen- te 3500 nomes de antepassados e familia- res. O trabalho não parou, continua a crescer pois já os alunos do 6º ano estão a começar a sua história familiar. É muito simples. 1. Pergunta a seus pais e avós seus nomes,
  • Página 10 Palavras d’Encantar Volume 3, Edição 3 Semana Aberta - Favorecer a comunicação interpessoal; II Passeio de Cicloturismo - Desenvolver formação harmoniosa e multi- 1. Introdução lateral dos jovens; - Adquirir padrões e hábitos desportivos. Este projecto insere-se no Plano Anu- al de actividades do grupo de Educação Físi- 2.2. Específicos ca. - Promover o BTT aliando a prática do des- Esta actividade deve ir ao encontro das ne- porto ao contacto directo com a natureza; cessidades e motivações dos alunos em re- - Encorajar o uso da bicicleta; lação à criação de uma cultura desportiva de - Conhecer as normas e regras de base e de hábitos desportivos. Aliando a comportamento em todo terreno, regras de prática desportiva ao contacto directo com segurança individual e de grupo e regras e natureza e ao mesmo tempo divulgar e pro- sinais de trânsito; mover a vertente de Cicloturismo e a tradi- ção velocipédica na comunidade escolar é - Desenvolver as capacidades motoras, adaptando-as as exigências da prova. um dos objectivos fundamentais deste pro- jecto. 2. Definição de objectivos 2.1. Gerais - Promover a saúde e o bem-estar; - Respeitar as premissas inerentes à Activi- dade Física; 3. Local de realização / Itinerário Regional → Escola. O Passeio será efectuado com o seguinte Perímetro: Aproximadamente 12 Km. itinerário: Escola → Caminho velho dos Gi- netes → Chã da Lomba da Cruz → Estrada 4. Calendarização O II Passeio de Cicloturismo irá realizar-se no decorrer da semana aberta. 8:30 Concentração dos participantes no Polidesportivo de Basquetebol; 9:30 Início do passeio: 10.30 Paragem para lanche (Miradouro da Candelária) 12.15 Regresso à escola
  • Página 11 Palavras d’Encantar Volume 3, Edição 3 5. Responsáveis pela organização pria para o efeito; Este projecto é de responsabilidade do Grupo Concentração dos participantes: Polides- de Educação Física com a colaboração do portivo de Basquetebol; Professor Pedro Branco do grupo disciplinar Equipamento aconselhado – Calções /ou de Inglês. Fato de Treino, T-Shirt e Ténis; Alimentação – os participantes devem levar 6. População alvo um pequeno lanche e água; O II Passeio de Cicloturismo destina-se a Transporte: O transporte de ida e volta das todos os alunos da Escola Básica Integrada bicicletas das freguesias envolventes à esco- de Ginetes, pessoal docente e não docente. la, será efectuado por carinhas disponibiliza- das pela Câmara Municipal de Ponta Delga- 7. Condições de realização da. Participação: Os participantes estão dispen- Os participantes no final do passeio devem sados das actividades lectivas e outras; concentrar-se no polidesportivo de Basquete- Inscrições – Todos os interessados realizam bol, onde serão arrecadadas, as bicicletas e a sua inscrição junto do grupo disciplinar de retomar as actividades lectivas na escola. Educação Física, numa ficha de inscrição pró- 8. Apoios 8.1- Listagem das entidades a contactar: Direcção Regional de Educação Física e Des- porto (DREFD); Bombeiros Voluntários de Ponta Delgada; Câmara Municipal de Ponta Delgada; Açoriano Oriental; RTP Açores. 9. Balanço das actividades O balanço da actividade será efectuado atra- vés da apresentação de um relatório final e através de opiniões pessoais de todos os agentes envolvidos com o objectivo de avaliar o nível de aceitação desta actividade.
  • Página 12 Palavras d’Encantar Volume 3, Edição 3 Semana Aberta vos, o público acaba por ver desfilar à sua frente diversos pares de casais que, pelos seus diálogos banais, vazios e rotineiros, O Baile - Peça de Teatro revelam tudo menos uma apaixonante rela- ção amorosa. As duas jovens feiticeiras de- cidem, finalmente, da arte dos poucos feiti- “O Baile” – (baseado numa comédia de Ba- ços que conhecem… glio Di Stefano intitulada “A Festa”) É inter- pretada de uma maneira pessoal, por parte de todos os elementos do Clube de Teatro desta escola. Desde o número de actores (oito no total), passando pela introdução de novos adereços até à própria representa- ção, todo o trabalho revelou-se original. Com efeito, o facto de oito actores interpre- tarem o papel de duas personagens per- tencentes à peça original, constituiu um grande desafio para todos os membros deste clube.. “O Baile” conta a história de duas aprendizes de feiticeiras que tentam ajudar a vida amorosa de vários casais, com bastantes anos de casamento. Em- bora não consigam atingir os seus objecti- Elenco, por ordem de entrada em cena: Fabiana Sousa (5.ºD); Marilda Medeiros (5.ºD); José Machado (5.ºD); Renata Teves (5.ºD); Roberto Raimundo (curso de culinária); Dâ- nia Lehmann (8.ºC); João Duarte (9.ºC ); Carla Pereira (ex-funcionária de biblioteca); Sérgio Faustino (Professor de EVT); Sónia Martins (5.ºD); Hugo Cordeiro (6.ºC); Ana Machado (curso de culinária). Encenação e sonoplastia – João Maria (Professor de EVT). Auxílio Técnico – Tânia (curso de culinária). Não Faltes ao espectáculo !!! João Maria (Professor de EVT).
  • Página 13 Palavras d’Encantar Volume 3, Edição 3 Semana Aberta São Leonardo da Galafura À proa dum navio de penedos, A navegar num doce mar de mosto, Capitão no seu posto De comando, S. Leonardo vai sulcando As ondas Da eternidade, Sem pressa de chegar ao seu destino. Ancorado e feliz no cais humano, É num antecipado desengano Que ruma em direcção ao cais divino. Lá não terá socalcos Exposição Cem Anos Cem Nem vinhedos Na menina dos olhos deslumbrados; Imagens – Miguel Torga o Po- Doiros desaguados eta Telúrico Serão charcos de luz Envelhecida; No dia 16 de Junho 2008 comemorou-se Rasos, todos os montes O Centenário de Miguel Torga (1907-1995), en- Deixarão prolongar os horizontes quadrado neste ano lectivo 2007-2008, na esco- Até onde se extinga a cor da vida. la Básica Integrada 2,3 de Ginetes, sob a forma de uma exposição - Cem Anos Cem Imagens – Por isso, é devagar que se aproxima Da bem-aventurança. Miguel Torga o Poeta Telúrico. É lentamente que o rabelo avança A comemoração veio ao encontro do que Debaixo dos seus pés de marinheiro. estava estipulado leccionar no terceiro período, E cada hora a mais que gasta no caminho ou seja, o texto poético (embora o escritor tam- É um sorvo a mais de cheiro bém tenha desenvolvido outros géneros literári- A terra e a rosmaninho! os) e ainda o facto de o escritor/poeta fazer cem anos, se estivesse vivo, neste ano lectivo 2007- 2008. As turmas A e D, do 7.º ano de escolari- dade participaram na exposição com alguns tra- balhos ligados à temática. A responsabilidade desta iniciativa coube aos docentes Max Teles e Célia Lima do Depar- tamento de Línguas. Prof. Max Teles
  • Página 14 Palavras d’Encantar Volume 3, Edição 3 Semana Aberta As inscrições para o concurso de dan- ça encontram-se na reprografia. Consulta o regulamento do concurso de dança. Matiné Turma 8.ºA Gostas de dançar??? Então que esperas!!! Vem ao nosso encontro!!! A turma A, do 8.º ano, vai realizar uma grande Matiné na Semana Aberta, no dia 23 de Junho das 13h30 às 16h00 no re- feitório. Música, diversão, prémios e folia garanti- das… podes, se quiseres, inscrever-te no concurso de dança. turmas. Só poderão participar até 12 equi- Semana Aberta pas. Para mais informações, podem con- Paddy-paper tactar os docentes do 8.ºB. A turma A, do 8.º ano vai realizar na Turma do 8.ºB Semana Aberta um Paddy-paper, cujo tema do jogo incide sobre o Arquipélago dos Aço- res. As inscrições podem ser efectuadas na reprografia da escola até ao dia 13 de Ju- nho 2008. Os grupos podem ser formados por 3/4 elementos, têm de escolher um porta- voz e um nome para a equipa. Podem tam- bém formar grupos com elementos de várias nomia desses países. Semana Aberta Deixamos aqui as imagens de alguns deles. Hora do Chá Os grupos disciplinares de Inglês e Francês organizaram uma hora do chá para a Semana Aberta (ver programa). Nessa hora do chá irão ser apresen- Croissant tados diversos produtos típicos, ingleses e scone franceses, com o intuito de divulgar a gastro-
  • Página 15 Palavras d’Encantar Volume 3, Edição 3 Semana Aberta Cinema francês Os filmes em exibição na Semana Aberta serão os que estão em cartaz.
  • Página 16 Palavras d’Encantar Volume 3, Edição 3 Semana Aberta Cinema grupo de Inglês Os filmes em exibição na Semana Aberta serão os seguintes: Hércules; Monsters, inc.; As aventuras de Huckle- berry Finn; Sozinho em Casa 4; O meu marciano favorito; Grande Peixe e Billy Elliot. O Jogo do 24 Sentámo-nos e começámos a jogar. Quando a 1ª fase terminou, eu estava ansioso por saber se iria à fase seguinte. Fe- No passado dia 4 de Junho decorreu, lizmente, passei. na Escola de Vila Franca do Campo, o con- Foi com alegria e algum orgulho que curso do Jogo do 24. vi o meu nome seleccionado para a final. Neste concurso, estavam representa- Nesse momento o nervosismo era muito das 7 escolas da ilha de S. Miguel, cada maior e a responsabilidade também. Come- uma participando com 4 alunos do 5º e do 6º cei a sentir que me daria imenso prazer que anos de escolaridade. A Escola Básica e In- a minha escola fosse a vencedora, para já tegrada de Ginetes, da qual eu sou aluno, foi não falar na vontade que tinha de receber o também uma das participantes. Para além primeiro prémio, do qual fazia parte um leitor de mim, foram o Miguel, o Tiago e a Amélia. de mp3. Éramos, então, 28 rapazes e rapari- Mas, enquanto se disputava a final, gas a disputar o Jogo do 24. Trata-se de um nunca pensei em ganhar. jogo de Matemática que requer concentra- Todavia, felizmente, acertei nos racio- ção e raciocínio e que consiste em somar, cínios das cartas que valiam mais pontos e subtrair, multiplicar ou dividir 4 números co- acabei por ganhar com um ponto de vanta- locados numa espécie de carta, de modo a gem. que o resultado seja sempre 24. As cartas Foi bom sentir aquela vitória! No fim, valem 1, 2 e 3 pontos, de acordo com o grau todos receberam uma pasta com o Jornal da de dificuldade do raciocínio a efectuar. Escola de Vila Franca, uma caneta, um lá- Na 1ª das três fases do jogo, partici- pis, uma régua e um diploma de participa- param os 28 alunos, distribuídos por 7 me- ção. Para além disso, como fiquei em 1º lu- sas, cada uma com 4 alunos, portanto. Na 2ª gar, recebi o diploma de 1º lugar, o dito leitor fase, jogaram os 16 alunos que tinham obti- de mp3 e um jogo de Matemática, o jogo do do mais pontos na 1ª fase. Na final, jogaram “Tio Papel”, à base de expressões numéri- os 4 alunos que obtiveram mais pontos na 2ª cas. fase. Por fim, ganhou aquele que obteve Regressámos a casa muito felizes por aqui mais pontos. sabermos que, pela primeira vez, a nossa Quando chegámos à escola de Vila escola ganhara o concurso do Jogo do 24. Franca, eu estava muito nervoso, embora tivesse participado no concurso do ano pas- João Vítor Meireles Chaves, nº14, 6º ano, sado. Turma B
  • Página 17 Palavras d’Encantar Volume 3, Edição 3 Semana Aberta Semana Aberta Jogo de futebol Professo- Torneio Quadrangular de ras / alunas Futebol de 5 Encerramento Grande novidade na EBI de Ginetes, Na Semana Aberta vamos encerrar o Jogo de futebol Professoras / alunas. Torneio Quadrangular de Futebol de 5 com Nunca é demais referir que o sexo mais uma disputa entre duas equipas de pro- feminino tem mais encanto quando se en- fessores e duas de alunos. volvem em actividades supostamente mas- Estes encontros futebolísticos têm sido culinas. No entanto, hoje em dia, o que é muito animados, empolgando a assistência. que elas não fazem!!!. Esperamos que mais uma vez as claques Na verdade, vamos gritar, aplaudir e animem o recinto desportivo e que acabe apupar com toda a nossa convicção estas tudo em festa. belas desportistas. Para o próximo ano lectivo à mais. Fica aqui a promessa!!! Semana Aberta Final do Tornei de Futebol de 5 da EBI de Ginetes (Ante véspera da Semana Aberta) No dia 16 de Junho, pelas 11H45, realizou-se a final do Tornei de Futebol de 5 da EBI de Ginetes, organizada pelos alunos e integrada na ante véspera da Semana Aberta. Uma equipa de professores e outra de alunos foram à final. O jogo foi bem disputado por ambas as equipas, registando-se um equilíbrio inicial. No entanto, no final do primeiro tempo, os professores já ganhavam por 2-0. Na segunda parte, apesar o esforço dos alunos em dar a volta ao resultado, tal não veio a acontecer, pois o marcador funcionou mais uma vez para os professores. O jogo acabou com a vitória dos professores sobre os alunos por 5-0. Espera-se mais garra por parte dos alunos para a próxima! Prof. Max Teles
  • Página 18 Palavras d’Encantar Volume 3, Edição 3 Semana Aberta Semana Aberta Variedades Karaoke Vem participar no espectacular ka- raoke. Este evento é promovido pelo gru- po de Inglês e E. Musical. Não deixes os talentos escondi- dos, dá a conhecer a toda a gente o cantor em potência que és. Liberta a energia que há em ti !!! Filarmónica da Candelária
  • Página 19 Palavras d’Encantar Volume 3, Edição 3 Semana Aberta No dia 23 de Junho, se- Semana Aberta gunda-feira, das 14:30 às 16:30 não percas este formi- dável concurso. No dia 23 de Junho, segunda-feira, das 09:30 Dirige-te ao anfiteatro e às 12:30 , dirige-te ao an- participa. fiteatro e participa. Vem divertir-te!!! 2º
  • Página 20 Palavras d’Encantar Volume 3, Edição 3 Semana Aberta O Departamento de Matemática e Informática, durante a semana aberta, vai dinamizar as seguintes actividades: final do jogo “Cálculo mental em 5 minutos”, no dia 23 de Junho das 9:00 às 12:30; “Jogo do 24”, no dia 23 de Junho das 9:00 às 12:30; “MATpaper”, no dia 24 de Junho das 14:15 às 16:30; Concurso de Digitação, no dia 23 de Junho das 9:30 às 10:30. Na 5ª feira, dia 26 de Junho, na festa de S.João, serão divulgados os resultados das ac- tividades e proceder-se-á à entrega dos prémios. Regulamento do MATpaper Participação • Cada equipa será constituída por 5 elementos, sendo um deles o capitão da equipa; As inscrições para esta prova ficarão a cargo dos respectivos professores de Matemáti- ca. Realização • A cada equipa será distribuído um envelope contendo o percurso que deverá seguir; • O MATpaper é composto por 5 etapas, contendo cada uma delas 4 tarefas. No final haverá uma etapa extra; • Todas as equipas deverão começar a prova em simultâneo; • Em cada etapa, o capitão de cada equipa deverá dirigir-se ao posto indicado para receber o envelope com as respectivas tarefas e organizar a sua equipa para a distribui- ção de funções. Depois de realizadas as tarefas, deverá entregá-las no posto seguinte;
  • Página 21 Palavras d’Encantar Volume 3, Edição 3 Haverá um posto de informação no hall de entrada onde, apenas os capitães das equipas, poderão esclarecer qualquer dúvida que ocorra durante a prova. Pontuação • Cada tarefa que envolva cálculos será pontuada com 10 pontos; • Cada tarefa que não envolva cálculos será pontuada com 5 pontos; • Ganha a prova quem tiver maior pontuação; A tarefa extra será pontuada por quatro docentes do Departamento de Matemática, pela sua originalidade. Esta pontuação será no máximo de 10 pontos (cada professor dará uma pontuação entre 1 e 10, depois será calculada a média). Empate • Em caso de empate ganha a equipa que realizar a prova em menor tempo; Se este empate se mantiver, ganha a equipa que obtiver maior pontuação nas cinco eta- pas iniciais. Início da prova A prova terá início às 14 horas e 30 minutos. Duração da prova O tempo para a realização da prova é de 90 minutos e o da tarefa extra é de 20 minutos. Prémios • Serão atribuídos certificados aos elementos das três equipas melhor classificadas; Serão atribuídas medalhas aos elementos da equipa vencedora. Divulgação dos resultados/Entrega de prémios • Os resultados serão divulgados na 5ª feira, dia 26 de Junho, na festa de S.João, bem como a entrega de prémios.
  • Página 22 Palavras d’Encantar Volume 3, Edição 3 nismo, ciclismo, motocross… Viagem de Finalistas de Sonho Antes do jantar, era chegada a hora do nosso ansiado mergulho na praia de límpidas No final do 2.ºPeríodo, os alunos do águas verdes e areia branca. apoio de Língua Portuguesa da turma B do séti- O jantar era a nossa refeição mais rica mo ano, decidiram, após longos meses de estu- do dia, mas também a mais apetitosa, pois era do, realizar uma viagem de sonho, onde hou- composta por pratos típicos das Caraíbas. Jan- vesse praias paradisíacas e onde se pudesse távamos nas margens da piscina e acendíamos relaxar. Os alunos trouxeram para a aula diver- uma fogueira. Jogávamos às cartas, cantáva- sos panfletos com vários destinos possíveis. As mos e contávamos histórias de TERROR… opções eram: Brasil, Canárias, Caraíbas, Tai- Tremíamos todos de medo… lândia, Cabo Verde e República Dominicana. Terminadas as histórias, voltávamos aos Tendo em conta os preços praticados, o desti- nossos quartos. Era então que tomávamos um no escolhido foi as Caraíbas. duche rápido, vestíamo-nos a rigor e “toca a A viagem realizou-se em Julho e foi lon- andar” para a discoteca mais radical do plane- ga, mas tranquila. ta: “The Caribbean”. Dançávamos pela noite “À chegada, nós fomos muito bem rece- dentro e só regressávamos ao hotel por volta bidos pelos habitantes locais e todos ficámos das 4 da matina. hospedados num luxuoso hotel de cinco estre- Depois de um mês a viver esta vida de las. Lá, a comida era muito saudável e saboro- sonho, voltámos à nossa ilha que, apesar de sa. Todas as manhãs, traziam-nos um enorme tudo, é a mais linda de todas…” cesto de frutos tropicais: eram morangos, man- Os alunos do Apoio de Língua Portuguesa – gas, meloas, abacaxis, kiwis, uvas, bananas… 7.ºB Depois de tomarmos o pequeno-almoço, íamos dar um longo passeio pelas redondezas, a fim de conhecermos um pouco melhor os há- bitos, costumes e tradições dos habitantes das Caraíbas e a própria ilha em si e o que tem de maravilhoso. O nosso almoço era numa esplanada à beira-mar. De seguida, retirávamo-nos para os nossos luxuosos aposentos para um breve e merecido descanso… Por volta das 14 horas, ficávamos por conta do hotel e das actividades por ele propos- tas: canoagem, mergulho, surf, bodyboard, alpi- Que és tu a minha paixão Só pelo teu olhar Eu não te posso perder Vejo a imensidão do mar Porque és a paixão E todo o meu ser. No qual quero navegar Que de dia para dia Olhando para o céu Para teu amor conquistar. Dá vida ao meu ser. Vejo as estrelas a brilhar Mas a mais brilhante Vendo a imensidão do mar Ao olhar para ti, Escreveu o teu nome Comparo-o com o meu amor Os meus olhos começaram a E disse-me que era a ti que eu Que por ti continua a aumen- brilhar ia sempre amar! tar A pedir para contigo ficar, Porque és todo o meu ser. E o meu coração a dizer (M.K.)
  • Página 23 Palavras d’Encantar Volume 3, Edição 3 Disciplina de História De certeza que todos já ouviram falar no Egipto, múmias e sarcófagos! Mas, já ouviram falar como se fa- zem as múmias? Para satisfazer a vossa curiosidade explicarei este processo com o nome de Mumificação. Os egípcios acreditavam na vida para além da morte e então preparavam os mortos para essa vida. Segundo a cultura egípcia os cor- pos deviam manter-se em perfeito estado, Sarcófago sem entrarem em decomposição. Este ritu- al era feito somente pelos sacerdotes. O primeiro passo era extrair o cé- rebro, pelas narinas, e as vísceras (conjunto de órgãos que estão dentro do nosso tórax e abdómen) que eram limpas e colocadas em vasos especiais que depois eram colocados no túmulo. Apenas o cora- ção era recolocado no corpo. Posteriormente, o corpo era mer- gulhado numa espécie de salmoira (água saturada de sal marinho) para o corpo ficar desidratado. Estando o corpo seco era enchido com resinas perfumadas, mirra e canela. O corpo era depois esfregado com óleos, enfaixado com tiras de pano de linho e era colocado dentro de um sarcófago. Por último, através de um ritual, a alma era julgada no tribunal de Osíris (o Deus Osíris deus da morte e da ressurreição) onde o coração era colocado num prato de uma Joana Ferreira 7.ºA balança, no outro prato colocavam uma pena, se o coração pesasse mais do que a pena a alma era impura e não passava para a eternidade.
  • Página 24 Palavras d’Encantar Volume 3, Edição 3 Disciplina de História Civilização grega Foi na Grécia que surgiu Essa grande Civilização Existia democracia Quem governava era o cidadão Polis eram cidades - estado Individuais e separadas Possuíam seu governo Possuíam suas armas A arte grega transmitia Harmonia, equilíbrio e proporção É por isso que é tão belo O grande partenão A religião Grega era antropomórfica Acreditava na imortalidade Pois os deuses para eles Eram mera realidade Na sociedade grega Estava no topo o cidadão O escravo que era o último Não tinha qualquer valorização Lina Lindo 7.º A
  • Página 25 Palavras d’Encantar Volume 3, Edição 3 muito boa eram Pedro Perder Eu e ainda Rodrigo Cowboy. Perder Eu rematou duas Contos vezes ao poste e uma contra as mãos do & Ditos guarda-redes, que se desviou com medo da bola, mas como esta vinha com efeito, aca- Prof. Rodrigo de Sá bou por bater nas suas mãos. Por seu lado, o Cowboy já tinha rematado com o seu mag- nífico pé esquerdo ao poste uma vez e ainda Na ausência do redactor de serviço, o uma vez para golo. Cowboy Cantor por unanimidade, facto que A segunda parte foi mais do mesmo. En- está inerente à sua condição de pseudo- quanto Caceteiro, Max Vou-me Embora e intelectual egocêntrico, voluntariou-se para Jorge Ciganão controlavam a defesa, ou me- redigir este texto, o qual reflecte a magnífica lhor o ataque dos adversários, Perder Eu e tarde de futebol passada no Complexo Des- Cowboy atiravam incessantemente sobre o portivo das Laranjeiras, no dia 28 de Maio. adversário, na busca do golo perdido. A competição chamava-se Mexe-te Profes- Depois de vários avisos, Perder Eu conse- sor. No entanto, só a parte do professor é guiu marcar um golo de canto directo. Sali- que era obrigatória. A parte do mexe-te era ente-se que o guarda-redes ao ver que era ao critério de cada um. Pedro Perder Eu que ia marcar o canto, saiu Estando atrasados os dois elementos da da baliza, com medo de a bola fazer nova- equipa, Bruno Caceteiro, por estar a receber mente algum efeito, e pudesse bater nova- massagens na virilha, e Rodrigo Cowboy, mente nas mãos. por estar em reunião da Comissão Organiza- Depois de várias trocas entre Ciganão, Vou- dora de Eventos que acabou mais tarde, os me Já Embora e Caceteiro à defesa, a equi- restantes membros da equipa ficaram preo- pa adversária lá conseguiu marcar o golo do cupados: empate. - Onde estarão as nossas estrelas? Enraivecido, o Cowboy armou-se em índio, Nos balneários ouvia-se vários comentários. apanhou a bola junto à baliza adversária e Max Vou-me já Embora dizia: fez um bonito golo com o seu pé direito. Bom, o golo foi bonito mas só na imaginação - Se eles não vêm, vou-me já embora. de quem quis ver o golo. Na realidade, quan- Jorge Ciganão gritava: do Cowboy rematou com o pé direito, a bali- - Estes manos… Quando chegarem vou-lhes za desviou-se 563cm para a esquerda. fazer a folha. O jogo acabaria empatado 2-2 perante o Por seu lado, Luís G.R. lá aconselhava: olhar atento de Ricardo Pere, que por ter - Tenham calma pá. Tenham calma… Se chegado atrasado não jogou o primeiro jogo. bem que os meus alunos do Profij davam Esta regra foi inventada depois de o jogo ter jeito agora. acabado. Enfim, lá chegaram a tempo de começar o Bruno Caceteiro comentou: primeiro jogo. - Tenho uma dor na virilha. Pedro, trouxeste A táctica, elaborada por Pedro Perder Eu, as brasileiras? bem ensaiada de improviso durante os pri- Durante o aquecimento para o segundo jogo meiros 5 minutos deu resultado, uma vez da tarde, Pere rematou 15 metros por cima que ao intervalo estava 1-1, num jogo em da baliza, o que fez a bola saltar a vedação que a equipa da Escola da Lagoa nem se- e perder-se no meio do quer tinha feito um remate à baliza e já tinha (continua) um golo. Ou seja, uma percentagem de efi- cácia infinita. Quem parecia ter uma eficácia
  • Página 26 Palavras d’Encantar Volume 3, Edição 3 mato. Foi nesta altura que se confirmou o Na segunda parte, já com Perder Eu e Ciga- que toda a gente suspeitava há muito tempo. não no ataque, os Ginetes conseguiram Este professor foi trocado na maternidade marcar o golo do empate, fruto da imagina- pelo vocalista da banda U.H.F. Agora se ção de Perder Eu, que inventou uma jogada compreende a sua forma de jogar futebol. digna de um compêndio qualquer das técni- Sempre que pega na bola, corre como se cas futebolísticas. fosse um verdadeiro cavalo de corridas. No fim do jogo, Perder Eu deu a táctica para Será uma forma de protestar pelo facto da a o jogo que terminara 27 segundos antes: canção “Cavalo de Corridas” estar a fazer - Não podemos entrar com o Pere e o sucesso na boca da outra pessoa? Cowboy na frente. Só pode estar um deles O segundo jogo começou com um fabuloso em campo. E tenham cuidado, não podemos quinteto: GR na baliza, Vou-me Já Embora e dar 2 golos de avanço. Caceteiro na defesa, Pere e Cowboy no ata- Dá sempre jeito ouvir as tácticas no fim do que. jogo. Dois golos em 5 minutos, entre o primeiro e Quanto ao jogo para apuramento do terceiro terceiro minuto, deram vantagem à escola e quarto lugar, Perder Eu lesionara-se num, das Capelas. Perder Eu reclamava cá fora: desentendimento com Caceteiro. O defesa - Perder eu? Perder eu? Minha Nossa Se- tinha enviado a bola para o adversário, na nhora! ânsia de este avançar e Bruno Caceteiro po- Ciganão por seu lado dizia: der mais uma vez desferir um golpe sobre a - Mano, vamos trocar de camisola e fingir canela do atacante. Perder Eu não perce- que somos dos azuis. beu, esticou a perna para recuperar a bola, acabando por se lesionar na unha do dedo Dentro de campo, Pere reforçava a ideia: mais pequeno do pé. Depois de alguns mi- - Nós é que somos as vedetas. nutos de descanso, Perder Eu descalçou-se Eis que, Vou-me Já Embora levanta a bola percebendo-se que o dedo mais pequeno ainda antes da linha de meio campo, aca- era o que tinha a unha maior. bando esta por entrar na baliza. Foi de facto Max Vou-me Já Embora tinha mesmo se ido um fantástico golo, que deu novo ânimo à embora. Restava aos bravos heróis, as ve- equipa, e impediu Perder Eu e Ciganão de detas, resistentes darem o seu máximo para trocarem a camisola. levar de vencida uma equipa da escola de Ao intervalo, Max Vou-me Já Embora con- Rabo de Peixe constituída por jogadores do fessou: Operário e Vitória do Pico da Pedra. - Este gajo, no aquecimento rematou dez Deste jogo, os jogadores dos Ginetes lem- metros acima da baliza. Parecia o da Nova bram-se de pouco. Desmotivados, só GR e Zelândia a marcar três pontos em rugby. Eh Cowboy é que repararam que o esquerdino pá, quis mostrar que também sei rematar por tinha marcado um golo. O que levou a que cima da baliza a partir da linha de meio cam- GR gritasse bem alto: po. Saiu mal. A bola desceu e entrou. Foi - Boa! É isso mesmo! Vamos, vamos! Boa! golo, paciência. - Tenho tudo para ser um bom ponta-de- Ginetes voltaram para onde nunca deveriam lança. Só me falta altura, velocidade, força ter saído, embora ainda não estivessem lá no remate e bom cabeceamento. Acho que estado durante a tarde: uma esplanada, me vou dedicar mais à baliza, ou então à onde em 30 minutos apareceram cerca de música. 24 copos de cerveja, sem saberem quem os Orgulhosos de objectivos cumpridos, não estava a mandar para a mesa. perder jogos, saldando-se pelo balanço de 2 empates e uma derrota, os jogadores dos
  • Página 27 Palavras d’Encantar Volume 3, Edição 3 Anedota Um alentejano apanha um comboio para ir ao Porto Provérbio popular e senta-se ao lado de um senhor muito bem vestido. O alentejano começa a olhar e pergunta: - Por aca- Não digas tudo quanto sabes so você nunca apareceu na televisão? Ao que o Sr. não faças tudo quanto podes responde: - Sim, eu costumo ir a muitos concursos não creias em tudo quanto ouves de cultura geral e por isso o Sr. deve-me conhecer não gastes tudo quanto tens daí. Como a viagem vai ser longa, você por acaso não quer fazer um jogo comigo? - Pode ser. - Res- porque pondeu o alentejano. - Então fazemos assim: como eu tenho mais cultura que o Sr., você faz-me uma quem diz tudo quanto sabe pergunta sobre um assunto qualquer e se eu não quem faz tudo quanto pode souber responder, dou-lhe 50 euros. A seguir faço- quem crê em tudo quanto ouve lhe eu uma pergunta e se não souber a resposta, quem gasta tudo quanto tem dá-me só 5. Concorda? - Vamos a isso. - Respon- deu o alentejano confiante. - Então eu faço-lhe a muitas vezes primeira pergunta. Diga-me o nome da pessoa que diz o que não convém escreveu "Os Lusíadas", aquele poeta só com um faz o que não deve olho, que dignificou Portugal? O alentejano começa julga o que não vê a pensar e passados alguns instantes diz: - Nã sei. gasta o que não pode" Ê nã sei leri. - A resposta era Luís de Camões. Dê- me os mil escudos e faça-me uma pergunta qual- ( Provérbio Árabe) quer. - Tomi. Bem, qual é o animali que se o encos- tar a um chaparro sobe-o com quatro patas e des- ce-o com cinco patas? - Olhe, essa nem eu sei. - Respondeu o homem muito admirado. - Então pas- se para cá os 50 euros. - Tome. Mas agora diga- Adivinhas me, que animal é esse? - Tamém nã sei. Tome lá 5. - O que será, que será, que sen- do preto ou branco, de noite é Adivinhas e humor sempre pardo, escaldado, tem medo de água fria e dizem ter O que é que um pato diz ao outro? mais de oito vidas? Resposta: - Estamos empatados! - Porque é que as rodas dos Quem ri por último… comboios são de ferro? Resposta: Não entendeu a piada! - O que será, que será, verde, Sabes o que diz um peixe ao outro? branco ou amarelo, pode ser fra- Resposta: - Nada! de sem convento, quando não carrapato? - Atenção! Fala o capitão do navio… Vamos manter a calma e imaginar que estamos num submarino… Cláudia Resendes, 7º.B
  • Página 28 Palavras d’Encantar Volume 3, Edição 3 Semana Aberta - Programa DIA 26 (5ª Feira) PERÍODO ACTIVIDADE (S) ESPAÇO HORA MANHÃ HORA DE ALMOÇO Venda de Produtos "Agricultura Tradicional Exterior 16h00 - 24h00 Concurso de pintura (tema livre) Exterior 16H00 - 18H00 Filme sobre " Estufa e Cozinha " Auditório 16h30 Palestra " Agricultura sem pragas" - Eng. Carlos Auditório 16h45 Santos TARDE / Abertura dos Comes e bebes Exterior 19h00 - 24h00 NOITE Banda Filarmónica da Candelária Exterior A partir das 21h00 Tia Maria do Nordeste Exterior A partir das 21h00 Grupo de cantares D´outrora Exterior A partir das 21h00 Casa do Chá: "Tea Thé" Sala 3 19h00-24h00