Your SlideShare is downloading. ×
0
Aula12
Aula12
Aula12
Aula12
Aula12
Aula12
Aula12
Aula12
Aula12
Aula12
Aula12
Aula12
Aula12
Aula12
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Aula12

708

Published on

Teoria Geral da Administração

Teoria Geral da Administração

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
708
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
14
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. 07/11/11 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO – AULA 12 Nas duas últimas aulas falamos sobre a Escola Comportamental ou Behaviorista . Conhecemos suas linhas gerais e falamos sobre as idéias de três grandes ícones: MASLOW e sua PIRÂMIDE DAS NECESSIDADES ; FREDERICK HERZBERG e a TEORIA DOS DOIS FATORES e finalmente sobre DOUGLAS MCGREGOR e sua polêmica TEORIA X e Y. Hoje iremos somar estes pensamentos e ver sua aplicação nas organizações, como fatores de MOTIVAÇÃO . Boa aula!
  • 2. 07/11/11 1. CONCEITOS DE MOTIVAÇÃO (Maximiano, 2002) <ul><li>Força, ou tensão capaz de desencadear e manter uma ação, canalizando o comportamento para um determinado fim; </li></ul><ul><li>Conjunto de fatores psicológicos, conscientes ou não, de ordem fisiológica, intelectual ou afetiva, que determinam um certo tipo de conduta em alguém; </li></ul><ul><li>A motivação conduz a atitudes dinâmicas, ativas e persistentes. </li></ul><ul><li>Quem está motivado fica facilmente mobilizado para intervir, sente-se com forças intrínsecas, valoriza-se, dá menos relevância aos obstáculos do que à idéia de sucesso. </li></ul>
  • 3. 07/11/11 2. RECAPITULANDO A MOTIVAÇÃO A PARTIR DOS PRINCIPAIS TEÓRICOS: <ul><li>MASLOW </li></ul><ul><li>Necessidades básicas </li></ul><ul><ul><li>Sono, sede, fome, desejo sexual (vitais do organismo) </li></ul></ul><ul><li>Segurança </li></ul><ul><ul><li>Proteção, defesa perante perigos </li></ul></ul><ul><li>Sociais </li></ul><ul><ul><li>Participação, amizade, afeto, amor, aceitação </li></ul></ul><ul><li>Estima </li></ul><ul><ul><li>Auto-avaliação, auto-confiança, prestígio. </li></ul></ul><ul><li>Auto-realização </li></ul><ul><ul><li>Competência e sucesso </li></ul></ul>
  • 4. 07/11/11 Continuação <ul><li>HERZBERG </li></ul><ul><li>Preocupou-se com o tipo de motivação subjacente à situação de trabalho, </li></ul><ul><li>Fatores de satisfação do desempenho da função </li></ul><ul><li>Higiênicos </li></ul><ul><li>Pertencem ao ambiente: </li></ul><ul><li>Relações com colegas, clima na empresa, salário... </li></ul><ul><li>Motivacionais </li></ul><ul><li>Aspectos sob controle das pessoas </li></ul><ul><li>Competências profissionais, crescimento individual, capacidade de liderança. </li></ul>
  • 5. 07/11/11 Continuação <ul><li>MCGREGOR </li></ul><ul><li>Motivação deve ser analisada em função das diferentes concepções da natureza humana. </li></ul><ul><ul><li>Teoria X </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>As pessoas preferem ser dirigidas do que assumir responsabilidades, </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>assumem uma atitude passiva que lhes facilita a segurança </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Teoria Y </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>As pessoas podem formular objetivos e satisfazer as suas necessidades, uma vez motivadas </li></ul></ul></ul>
  • 6. 07/11/11 3. CLASSIFICAÇÃO DAS MOTIVAÇÕES <ul><li>Impulsos básicos </li></ul><ul><li>Primários sendo a sua satisfação essencial para a sobrevivência (sono, sede, fome) </li></ul><ul><li>Motivos sociais </li></ul><ul><li>Necessidades afetivas </li></ul><ul><li>Sentir-se amado, respeitado, aprovado) </li></ul><ul><li>Motivos para a estimulação sensorial </li></ul><ul><li>Necessidades de quebrar as rotinas e de desafiar os limites; </li></ul><ul><li>Motivos de crescimento </li></ul><ul><li>Necessidades de realização pessoal e competência </li></ul><ul><li>Realização de tarefas cada vez mais complexas </li></ul><ul><li>Motivos relacionados com as idéias </li></ul><ul><li>São muito importantes pois vivemos em sociedade </li></ul><ul><li>Agimos em função de crenças, metas e idéias </li></ul><ul><li>Idéias podem ser motivadoras quando acreditamos profundamente nelas </li></ul>
  • 7. 07/11/11 4. INDICADORES DE MOTIVAÇÃO DIREÇÃO <ul><li>A escolha aparente entre um conjunto de possibilidades de ação é um primeiro indicador de motivação; </li></ul>PERSISTÊNCIA <ul><li>Ocorre quando o indivíduo concentra a sua atenção na mesma tarefa ou acontecimento durante um período de tempo, e é referente à duração do esforço. </li></ul>MOTIVAÇÃO CONTÍNUA <ul><li>Verifica-se quando após uma interrupção há um retorno espontâneo. </li></ul>
  • 8. 07/11/11 Continuação ATIVIDADE <ul><li>Refere-se ao nível de atividade mantida pelo indivíduo. </li></ul>REALIZAÇÃO <ul><li>Funciona principalmente quando as variações no nível de realização não são explicáveis em termos de capacidades, competências ou fatores fisiológicos. </li></ul>
  • 9. 07/11/11 5. TIPOS DE MOTIVAÇÃO <ul><li>INTERNAS </li></ul><ul><ul><li>Instintos </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Quando se reage impulsivamente a fim de se obter algo que dê prazer </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Hábitos </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Funcionam como condicionantes da ação e derivam de aprendizagens sociais, culturais e educacionais </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Atitudes mentais </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Dirigem a motivação de modo a obter-se algo que valoriza o ego, quando se pretende dar provas de afirmação e auto-estima. </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Idéias </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Quando se estabelece padrões e a partir destes são definidos objetivos. </li></ul></ul></ul><ul><ul><li>Prazer </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Resulta de um reflexo automático e é do domínio inconsciente. </li></ul></ul></ul>
  • 10. 07/11/11 <ul><li>EXTERNAS </li></ul><ul><ul><li>Personalidade do formador </li></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Influencia bastante as situações de aprendizagem, e facilita quando há empatia e afetividade. </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><li>Influência do meio </li></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>O meio social e familiar influenciam bastante o tipo de motivação. </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><li>Influência do momento </li></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>A situação emocional do momento influenciam o tipo de motivação. </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><li>Objeto em si </li></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>As características do objeto podem funcionar como fonte de motivação. </li></ul></ul></ul></ul>Continuação
  • 11. 07/11/11 6. COMPARAÇÃO DOS MODELOS DE MOTIVAÇÃO DE MASLOW E HERZBERG Adaptado de Chiavenato, 2006 Auto-realização O trabalho em si; Responsabilidade; Progresso, crescimento Estima Realização; Reconhecimento; status Sociais Relações interpessoais; Supervisão; Colegas e subordinados Segurança Supervisão técnica; Políticas administrativas e empresariais; Segurança no cargo Fisiológicas Condições físicas de trabalho Salário, Vida pessoal MASLOW HERZBERG
  • 12. 07/11/11 ATIVIDADE: Baseado no capítulo 3 desta aula (CLASSIFICAÇÃO DAS MOTIVAÇÕES), busque exemplos dentro da realidade administrativa para cada uma delas. Justifique.
  • 13. 07/11/11 PRÓXIMA AULA: A ESCOLA QUANTITATIVA Para a próxima aula preparamos uma pequena apostila cujo conteúdo faz uma abordagem inicial da ESCOLA QUANTITATIVA. Leia com atenção, marque os pontos importantes e não deixe nenhuma dúvida passar em branco.
  • 14. 07/11/11 CHIAVENATO, Idalberto – Princípios da Administração . 1ª Ed. São Paulo: Ed. Campus, 2006 MAXIMIANO , Antonio C. Teoria Geral da Administração: da escola científica à competitividade em Economia Globalizada . 3ª edição - São Paulo. Atlas. 2002 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

×