Your SlideShare is downloading. ×
0
Cibercultura e Educação - Desafios
Cibercultura e Educação - Desafios
Cibercultura e Educação - Desafios
Cibercultura e Educação - Desafios
Cibercultura e Educação - Desafios
Cibercultura e Educação - Desafios
Cibercultura e Educação - Desafios
Cibercultura e Educação - Desafios
Cibercultura e Educação - Desafios
Cibercultura e Educação - Desafios
Cibercultura e Educação - Desafios
Cibercultura e Educação - Desafios
Cibercultura e Educação - Desafios
Cibercultura e Educação - Desafios
Cibercultura e Educação - Desafios
Cibercultura e Educação - Desafios
Cibercultura e Educação - Desafios
Cibercultura e Educação - Desafios
Cibercultura e Educação - Desafios
Cibercultura e Educação - Desafios
Cibercultura e Educação - Desafios
Cibercultura e Educação - Desafios
Cibercultura e Educação - Desafios
Cibercultura e Educação - Desafios
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Cibercultura e Educação - Desafios

437

Published on

Desafios que se colocam à Educação no contexto da Cibercultura

Desafios que se colocam à Educação no contexto da Cibercultura

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
437
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. PERSPECTIVAS E DESAFIOS PARA A EDUCAÇÃO NA CIBERCULTURA E LIBERAÇÃO DA PALAVRA Fátima Batista Fátima Oliveira Norma Martins
  • 2. A CIBERCULTURA é hoje uma realidade insofismável
  • 3. CIBERCULTURA representa um “conjunto tecnocultural impulsionado pela sociabilidade pós-moderna em sinergia com a microinformática e o surgimento das redes telemáticas mundiais”. Lemos e Lévy (2010, pág. 21)
  • 4. Para Eugênio Trivinho “... a noção de cibercultura nomeia a fase contemporânea da civilização tecnológica. Abrange, como bloco social- histórico, o estirão mais avançado da mundialização do capital, fincada nas tecnologias do virtual e em redes interativas”. (Trivinho 2007, pág. 217)
  • 5. Pierre Lévy diz que o termo cibercultura “especifica o conjunto de técnicas (materiais e intelectuais), de práticas, de atitudes, de modos de pensamento e de valores que se desenvolvem juntamente com o desenvolvimento do ciberespaço”. (Lévy, 1999, pág. 17)
  • 6. Fica assim subjacente que a CIBERCULTURA emerge da conjunção e recursão entre as formas de sociabilidade pós-moderna e o desenvolvimento tecnológico que caracterizou a segunda metade do século XX de onde emergiu uma nova forma sociocultural que “revolucionou” hábitos sociais, práticas de consumo cultural, ritmos de produção e distribuição de informação que resultaram em novas relações no trabalho e no lazer, novas formas de sociabilidade e de comunicação e, até mesmo, novas relações com o saber, tendo como suporte o ciberespaço.
  • 7. Para Lévy, o ciberespaço define-se como “o espaço de comunicação aberto pela interconexão mundial dos computadores e das memórias dos computadores”. O termo refere-se “não apenas à infra-estrutura material da comunicação digital, mas também ao universo oceânico de informações que ele abriga, assim como os seres humanos que navegam e alimentam esse universo” . (Lévy, 1999, pág. 111)
  • 8. Lemos nos alerta para o fato de toda a economia, a cultura, o saber, a política do século XXI estar passando por um processo de negociação, distorção, apropriação a partir da nova dimensão espaço-temporal de comunicação e informação planetárias que é o ciberespaço”. (Lemos, 2002, pág.127)
  • 9. A CIBERCULTURA traz consigo uma reconfiguração da paisagem comunicacional onde a comunicação unidirecional, massificadora corporizada pelos media de massa como a imprensa e rádio e que encontrou na televisão sua máxima sofisticação rivaliza agora com a comunicação dialógica, onde a circulação de informações não é mais hierarquizada.
  • 10. Por isso Lemos ressalta que é importante considerar as novas tecnologias de informação em função da comunicação bidirecional entre grupos e indivíduos, escapando da difusão centralizada da informação massiva pois daí decorre a ampliação do espaço de conversação mundial como o demonstra a expansão de sistemas e ferramentas de comunicação como blogs, wikis, podcasting, softwares sociais. (Lemos, 2002)
  • 11. Lemos e Lévy evocam três princípios básicos da cibercultura que emergem em decorrência desta configuração: • Liberação da emissão • Conexão generalizada • Reconfiguração social, cultural, econômica e política. Estes princípios vão nortear os processos de “evolução cultural” contemporâneos. Sob o prisma de uma fenomenologia do social, esse tripé (emissão, conexão, reconfiguração) tem como corolário a mudança social na vivência do espaço e do tempo. (Lemos e Levy, 2010, pág. 45)
  • 12. Uma das características marcantes desta nova pragmática comunicacional não hierarquizada é a liberação do pólo de emissão que retira do receptor o caráter passivo e o torna sujeito ativo e cocriador. O princípio da liberação do pólo da emissão se constitui na LIBERAÇÃO DA PALAVRA em seu sentido mais amplo: sons, imagens, textos, produzidos e distribuídos livremente, fruto da paisagem comunicacional contemporânea propiciada pelas novas mídias e suas funções pós- massivas. (Lemos e Lévy, 2010, pág. 87)
  • 13. Assim a liberação da emissão, a conexão planetária e a conseqüente reconfiguração social, política e cultural emergem da nova potência da liberação da palavra que as tecnologias digitais possibilitam, servindo para recombinar e criar processos de inteligência, de aprendizagem e de produção coletivos e participativos. (Lemos e Lévy, 2010, pág. 46)
  • 14. A inteligência coletiva é um dos principais motores da CIBERCULTURA e, o ciberespaço é assim um dos instrumentos privilegiados da inteligência coletiva e, como seu suporte, esta se torna uma das principais condições do seu desenvolvimento, havendo aqui um processo de retroação positiva, fenômeno complexo e ambivalente que resulta na automanutenção da revolução das redes digitais. (Lévy, 1999)
  • 15. Quanto mais os processos de inteligência coletiva se desenvolvem – o que pressupõe, obviamente, o questionamento de diversos poderes - melhor é a apropriação, por indivíduos e por grupos, das alterações técnicas, e menores são os efeitos de exclusão ou de destruição humana resultantes da aceleração do movimento tecno-social. (Lévy, 1999, pág. 28)
  • 16. Levantam-se aqui grandes desafios à EDUCAÇÃO. Por exemplo, Marco Silva considera infoanalfabeto ou excluído digital não meramente aquele que não tem acesso ao computador e à Internet, “mas aquele que não sabe operá-los para se posicionar criticamente no espaço e no ciberespaço” ou seja quem apenas divulga fragmentos do seu cotidiano no twitter, Facebook e Orkut, envia e-mails e sua declaração de imposto de renda, não é necessariamente alfabetizado ou incluído digital. (Silva, M., entrevista concedida à Cristiane Parente e Wendel Freire Programa Jornal e Educação)
  • 17. Os desafios da educação, porém, vão muito além, pois ela deve ajudar o sujeito a construir uma consciência cidadã, consciência crítica que o engaja no ideal de construção de um mundo melhor. Para tal a escola deve habilitá-lo a “aprender a aprender” condição necessária para que possa dar conta do ecossistema caótico de informações no qual se insere, filtrando o necessário para construir conhecimento.
  • 18. É evidente que a escola centrada na lógica da distribuição, na qual teima em persistir, não é capaz de aportar ao sujeito esta educação que o nosso tempo reivindica pelo que é necessário modificar este modelo, potencializando efetivamente as bases da comunicação livre. “No lugar da pedagogia da transmissão baseada em lições- padrão e no falar-ditar do mestre, ele precisará propor a construção de conhecimento, em uma arena presencial ou online, baseada em iniciativas capazes de garantir a materialidade da comunicação efetiva”. (Silva, M. entrevista Programa Jornal e Educação)
  • 19. Os alunos de hoje “nativos digitais” ou “geração net” já lidam facilmente com o hipertexto e com a experiência comunicacional que lhe permite interferir, modificar, produzir, partilhar e colaborar. Evitam acompanhar argumentos lineares que não permitem a sua interferência e essa sua atitude menos passiva diante da mensagem é sua exigência de uma sala de aula sustentada em nova postura comunicacional do professor.
  • 20. É necessário reconfigurar a sala de aula de modo a incorporar a dinâmica comunicacional que o novo contexto sócio-técnico propicia e que contempla a liberação da palavra. Este desafio não diz respeito apenas ao professor pois deste jeito ele não progredirá muito nessa tarefa se apenas sua sala de aula configurar-se de modo interativo, enquanto toda a escola se mantém aferrada à lógica da distribuição.
  • 21. O desafio se estende, pois, para a educação em geral, para as autoridades que atuam na gestão dos sistemas gerais de ensino e para os responsáveis pela gestão de cada unidade escolar.
  • 22. Fica assim claro que o esforço no sentido da reconfiguração da sala de aula, seja ela presencial ou virtual, e o esforço tendente a fazer a educação se apropriar deste modelo comunicacional deve engajar não apenas alunos e professores, mas, também, gestores e autoridades em educação.
  • 23. Assim nesta mesa relataremos experiências com alunos, professores e gestores em educação que visam justamente redesenhar a educação em tempos de cibercultura e liberação da palavra.
  • 24. Muito Obrigado! Maurílio Luciano Sabino Luiele Doutorando PPGE UNESA maurilio.luiele@gmail.com

×