Percepção, Movimento e Ação
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

Percepção, Movimento e Ação

  • 1,817 views
Uploaded on

Apresentação do capítulo 4 do livro "Manual de Psicologia Cognitiva".

Apresentação do capítulo 4 do livro "Manual de Psicologia Cognitiva".

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
1,817
On Slideshare
1,817
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
22
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Percepção, Movimento e AçãoManual de Psicologia CognitivaCap. 4Dhiego C. SantosMauricio V. AstiazaraJoão VortmannRenan R. de Almeida
  • 2. SumárioPercepção DiretaMovimento Guiado VisualmenteModelo de Planejamento e ControlePercepção de MovimentoCegueira à Mudança
  • 3. Percepção Direta●Abordagem de James Gibson: ecológica●Adicionou a dimensão tempo à imagem =fluxo óptico
  • 4. Percepção Direta●Significado: affordancescomeratirar emalguém
  • 5. Percepção DiretaAvaliação Positiva da abordagem de Gibson:●Impacto filosófico: animal e ambiente●Riqueza do mundo real X Pobreza dolaboratório●Reação de forma rápida ao ambiente semuso da memória (em parte)
  • 6. Percepção DiretaAvaliação Negativa da abordagem deGibson:●Processo de significados é mais complexodo que o descrito●Negar a necessidade de representaçõesinternas e acesso à memória●Mais fatores estão envolvidos namovimentação além do fluxo óptico
  • 7. Movimento Guiado VisualmenteDirecionamento e Direção: abordagem dofluxo óptico●Baseada nos conceitos de Gibson●Comprovada em experiênciasAvaliação Negativa:●Não leva em consideração curvas,movimentos dos olhos e cabeça●Direção é percebida mesmo em fotos
  • 8. Movimento Guiado VisualmenteDirecionamento e Direção: abordagembaseada em objeto●Uso das informações dos movimentosrelativos dos objetos do ambiente●Semelhante à abordagem de GibsonAvaliação Negativa:●Um fator da teoria não se confirmou nasexperiências●Não leva em conta a orientação visual
  • 9. Movimento Guiado VisualmenteDirecionamento e Direção: abordagembaseada na orientação visual●Uso do ângulo entre um alvo e o eixoântero-posterior do corpo●Muito empregado em caminhos curvos●Também leva em consideração o fluxoópticoAvaliação Negativa:●Ainda podemos ir na direção do alvoquando este fica oculto temporariamente
  • 10. Movimento Guiado VisualmenteTempo para contato
  • 11. Movimento Guiado Visualmente●Lee (1980) afirmou ser desnecessáriosaber velocidade e distância do objeto eobservador●Uso de variável única: nível de expansãoda imagem, chamado de T ou tau
  • 12. Movimento Guiado VisualmenteAvaliação Negativa do tau:●São levados em conta outros fatores alémdo tau (disparidade binocular, familiaridadedo tamanho do objeto, informações deaceleração)●É simplificado dizer que os observadorespercebem a velocidade constante
  • 13. Modelo de Planejamento e Controle●Investiga como as informações visuais sãousadas na produção da ação.●Neste modelo é dito que inicialmenteusamos um sistema de planejamento,seguido de um sistema de controle.●Podendo se justaporem um pouco notempo.
  • 14. Modelo de Planejamento eControleSistema de planejamento● Usado principalmente antes do início domovimento, podendo ser usado no iníciodo movimento;●Realiza a seleção do alvo apropriado,decide como deve ser pego, determinatiming do movimento;●Influenciado por vários fatores (objetivos,contexto visual, natureza do objeto, etc);
  • 15. Modelo de Planejamento eControleSistema de planejamento● É um sistema relativamente lento pois usagrande quantidade de informações, e ésuscetível à influência consciente;●Depende de uma representação visual nolobo parietal inferior, juntamente comprocessos motores nos lobos frontais e nosgânglios basais .
  • 16. Modelo de Planejamento eControleSistema de controle● Usado depois do sistema de planejamentoe opera durante a realização domovimento;●Garante que movimentos sejam precisos efaz ajustes se necessário;●É influenciado apenas pelas característicasespaciais do objeto visado;
  • 17. Modelo de Planejamento eControleSistema de controle● É relativamente rápido pois usa poucasinformações e não é suscetível a influênciaconsciente;● O controle depende de umarepresentação visual no lobo parietalsuperior associada a processos motoresno cerebelo.
  • 18. Ilusão de Ebbinghaus
  • 19. Ilusão de Ebbinghaus
  • 20. Percepção de Movimento●São discutidos 3 pontos:○Análise dos processos básicos envolvidos na detecção demovimento.○A questão de como somos capazes de perceber omovimento biológico○O fenômeno da causalidade percebida
  • 21. Detecção do Movimento●Algumas áreas do cérebro são especializadas na detecção epercepção do movimento.○Basicamente são usados no cortex dersal (verde) e ocortex ventral ( roxo)
  • 22. Detecção do Movimento●Há células cerebrais com respostas relativas à direção domovimento mostrado nos estudos sobre pós-efeitos domovimento.●Pós-efeitos do movimento:○Olha para o padrão durante vários segundos○Quando o padrão pára ainda existe um efeito domovimento.Demostração:http://www.neave.com/strobe/
  • 23. Movimento do objeto ou movimento doolho ?●O movimento pode ser do movimento do olho ou do objeto.●Sherrington (1906) propôs uma teoria do influxo.○O sistema visual monitora as munças nos músculos dosolhos e depois usa essa informação para interpretarmudanças na imagem retiniana.●Helmholtz (1866) propôs uma teoria do efluxo.○O movimento da imagem é interpretado usando-seinformações sobre o movimento pretendido.
  • 24. Movimento do objeto ou movimento doolho ?●Outras fontes podem ser usadas para decidir se são osolhos ou outro objeto observado está se movendo.Veja:http://www.youtube.com/watch?v=AuLJzB_pfgE●Velocidade de um objeto:○ Provavelmente são combinadas informações davelocidade da imagem na retina e a velocidade domovimento no olho.
  • 25. Movimento do objeto ou movimento doolho ?●Freeman e Banks ( 1998) assumem que os olhos se movemapenas em 60% da sua velocidade.○Isso é mostrado:■No Efeito Aubert-Fleischl em que a velocidade de umobjeto em movimento é mais lenta quandoacompanhada pelos olhos.■Na ilusão de Filehne em que um objeto estacionário defundo é percebido seguindo na direção oposta a outro.
  • 26. Movimento biológico●As pessoas conseguem identificar rapidamente se alguémestá andando, correndo ou mesmo mancando.Exemplos:http://www.biomotionlab.ca/Demos/scrambled.htmlhttp://www.biomotionlab.ca/Demos/BMLwalker.html
  • 27. Movimento biológico●Cutting e Kozlowski (1977) descobriram que osobservadores identificavam facilmente os outros pelospontos de luz.●Cutting e Kozlowski (1978) descobriram que osobservadores acertavam 65% das vezes o sexo de alguémandando.●Runeson e Frykholm (1983) realizaram experimentos emquem os as pessoas realizassem um seqüência de açõesnaturalmente ou como se fossem do sexo oposto. Em 85%foi identificado o sexo e quando mentiam o acerto era de75,5%.
  • 28. Movimento biológico●Estudos mostram que a percepção do movimento biológicoé feita em áreas diferentes daquelas do movimento emgeral.●A observação do movimento humano ativa áreas do córtexmotor primário.
  • 29. Percepção de causalidade●A causalidade percebida depende de processos de baixonível e envolve áreas cerebrais especializadas noprocessamtento do movimento.●Exemplo: Dois quadrados.
  • 30. Cegueira à Mudança●Falha em detectar que um objeto se moveu oudesapareceu●Cegueira por desatenção: o observador nãopercebe o aparecimento de um objeto inesperadoou a mudança de algum objeto fora do foco deatençãohttp://www.michaelbach.de/ot/mot_mib/index.html●A capacidade de detectar mudanças visuais nãose deve apenas a detecção de movimento
  • 31. Cegueira à MudançaTeoria da coerência de Rensink (2000, 2002):●Antes da atenção concentrada, há um estágio emque é feita uma representação vaga do ambiente●Em seguida a atenção concentrada produz umarepresentação bastante detalhada e longa (resistea uma breve interrupção) de um objeto●Quando a atenção concentrada é afastada desteobjeto, sua representação se desintegra (retornaao estado anterior ao da atenção concentrada)
  • 32. Cegueira à MudançaHollingworth e Henderson propuseram uma teoria alternativa àpercepção de cena (2002):●Representações visuais são constituídas deobjetos que são o foco da atenção●Essas representações são incorporadas em ummapa mental que codifica o layout da cena●As informações sobre estas representaçõesvisuais são armazenadas na memória de longoprazo
  • 33. Cegueira à MudançaDiferenças entre as duas teorias●Segundo a teoria de H&H as representações deobjetos que mudaram depois de um determinadotempo ainda podem ser percebidas pois estãoarmazenadas na memória de longo prazo●Este conceitos contrasta com a teoria dacoerência em que representações de objetos nãoobservados se desintegram
  • 34. Cegueira à Mudança●Depende da intenção do observador○abordagem intencional: é orientado que umamudança ocorrerá○abordagem incidental: não há menção alguma auma possível mudança●A abordagem incidental é a mais recorrente paracegueira à mudança
  • 35. Cegueira à Mudança●A mudança é mais facilmente detectada quando amudança na cena é maiorhttp://www.pc.rhul.ac.uk/staff/J.Zanker/teach/projects/kremlin.htmhttp://www.csc.ncsu.edu/faculty/healey/HTML_papers/NPV/NPV.html●Mudança de tipo X mudança de exemplar:○Se, em uma cena com talheres, for trocado umgarfo por uma faca, essa mudança serádetectada mais facilmente do que se o garfo forapenas trocado por um outro modelo
  • 36. ?