Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
Como evitar o mico da grafia 2
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Como evitar o mico da grafia 2

  • 208 views
Published

 

Published in Travel , Technology
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
208
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. estrangeiros). Principalmente, o mento proativo", por exemplo, si-Como caso mostra como denunciamos quem somos pelo modo como nos expressamos. A imagem que espe- ramos imprimir sobre nós mesmos está, sempre, ligada à forma co- naliza que compartilha o universo de referência dos treinamentos em- presariais e "entrega" o jogo sobre .,1 quem é. Pode fazer isso de forma de- .•.. liberada, consciente. Em boa parte Micos·.de glafia souívoco Advinhar CORREÇÃO Adiviriharevitar··o mo articulamos a linguagem, ào das vezes em que nos expressamos; Ascenção . Ascensão domínio dosisterna da língua e às no entanto, emitimos sinais invo- ~, Apropiado . Apropriado variantes do idioma que adotamos luntãrios de nossa formação e do- em-cada situação comunicativa. mínio do idioma. Se desarmados de Benefidente. . Beneficente Quando falamos, temos a ilusão intenção retórica; quando falamos .. • Distoar Destoarmlco de achar que comunicamos só um revelamos muito ao dizer qualquer ~ conteúdo intencional, mas há outras coisa, simplesmente somando síg- .? êxcessão Exçêção Os tropeços de informações transmitidas enquanto nificados ao sentido literal. ) Encapuçado Encapuzado grafia, regência e se fala. Não diz apenas aquilo que diz Assim, .que~ dirige a alguém i (desculpe o truísrno) quem fala "pro- palavras doces transmite 1) o sig- .1 •Frustado frustrado concordância brerna" ou "a nível de", apela para o nificado literal de seu enunciado + i Flagrância Fragrância que m.ais gerundismo ("vou estar providen- 2) sua capacidade de ser doce. Tal" Im,pecilhà . Empecilho 1 ciando") ou tropeça na concordân- como aquele que, ao usar um dado comprometem cia do verbo "haver" ("houveram tom de vozIenfadonho, magnetí- Parallzar Paralisar a nossa im.agem. reuniões em que nada se decidiu"). zante, irritante], imprime ao que Pertubar Perturbar Uma parte do que dizemos de diz uma imagem de pessoa chata . nós mesmos ao enunciarmos algo ou interessante. . Previlégio Privilégio revela o nosso ponto de observa- O problema é quando a enuncia- . Xuxu Chuchu ção do mundo. Quem muito em- ção é marcada por cacoetes de lin- prega expressões como "comporta- guagem usados à exaustão num dado O exército dos efraimitas, uma das 12 tribos de Is- ;~~1".~,u;t;4t;,#,t;.r~~:it,* .•. !.:;li:"!i·~~~·"~"""·"; rael, cruzou o rio [ordão para enfrentar [efré, o ~_V . chefe militar de Gileade. Exigia de [efté o di- reito de dividir a glória - e, por óbvio, a pilhagem - da guerra amonita.smesmo sem ter participado do com- bate. Em resposta, o general abriu guerra. Venceu. Em 6) A fuga, os efraimitas tentaram cruzar o jordão, de volta para casa. Deram de cara com os homens de J efré, que ,,j.-:,i" tinham ordens de executar os fugitivos. ~ E é então gu o episódio bíblico, contido no Li- f~Zt:IVl - :~t vro os [utzes (12,6, ClõnããeSfêrãaa o Antigo Testamento, aban- lenda para maravil ar a ciência --~ pt:Z IVlt:St:S QUEREMOS da linguagem. Q(]t: "l~Jt:l Para peneirar a fronteira, os gileaditas obrigaram ASCENÇÃO . cada passante a dizer a palavra "chibolete" (translite- ração de "espiga" em hebraíco), que sabiam de diftctl pronúncia a quem usasse o dialeto da tribo de Efraim. SOCIAL .!:,-: .: Dito e feito: os efraimitas foram constrangidos a passar pelo teste. Por mais que evitassem, enunciavam "síbo- II lere", Ao todo, 42 mil foram mortos no ato, à medida que articulavam a palavra.I~ O relato virou uma metáfora do idioma como marca de identidade (o mais famoso chíbolete por- tuguês é o ditongo nasal "ão", impronunciável por . " .~ . 41 ,_._.---"-- ..- --------------_.