Your SlideShare is downloading. ×
SUMÁRIO


Introdução                                             02
Sugestões Para Dirigir uma Reunião de Grupo Familiar  ...
2

INTRODUÇÃO


        “Pelo que, deixando os rudimentos da doutrina de Cristo, prossigamos até a perfeição,
não lançando...
3

SUGESTÕES PARA DIRIGIR UMA REUNIÃO DE GRUPO
FAMILIAR

I- QUANTO AO SEU PREPARO E ATITUDE

    1. Oração. Nunca comece u...
4

     6. Resumo. No final, faça um pequeno resumo, recordando o que foi estudado. Isto ajuda a
        assimilar e ver s...
5



                            AUTENTICIDADE DA BÍBLIA

Introdução: As Escrituras Sagradas têm sido reconhecida como o m...
6

      6. Quanto aos seus relatos históricos. A Bíblia é um livro que tem merecido confiança em
         seus relatos hi...
7



                           A BÍBLIA E SUAS DIVISÕES

Introdução: A Bíblia, como a conhecemos hoje, tem 66 livros. Ape...
8

       Vejamos agora a classificação do Novo Testamento:

       1º. Históricos: Começando no Evangelho de Mateus, Marc...
9



                              A EXISTÊNCIA DE DEUS

Introdução: Neste estudo, vamos verificar o que a Bíblia ensina a...
10

                                  A TRINDADE DIVINA
Introdução: Ao ensino de que há um só Deus em três pessoas distint...
11

                                      JESUS CRISTO
Introdução: Chegamos ao ponto central do cristianismo: Jesus Cristo...
12

VI- A ASCENSÃO DE JESUS

       1. A maravilha da ascensão (Atos 1:9).
       2. Mesmo na glória, Ele intercede por nó...
13



                      A OBRA DE CRISTO: SUA MORTE

Introdução: Falamos da morte de Cristo como uma “obra” que Ele ex...
14

                              A ORIGEM DO HOMEM
Introdução: Vivemos numa época em que muitas teorias são propostas, vi...
15

                                O HOMEM NATURAL

Introdução: Sendo criado por Deus, o homem é um ser racional. Deus lh...
16


VI- COMO TER ESPERANÇA?

      1.   Crendo no livramento divino (Gl. 1:3,4).
      2.   Entrando pela única Porta da ...
17



                                         O PECADO
Introdução: Deus nos ama e deseja que sejamos felizes. Ao mesmo te...
18

                                        O PERDÃO

Introdução: “E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós temos pe...
19



                     ARREPENDIMENTO E CONVERSÃO

Introdução: O conhecimento da Palavra de Deus, que é a verdade, nos...
20

                               NOVO NASCIMENTO
Introdução: Um dos assuntos mais importantes para meditação da mente hu...
21

                                BATISMO NAS ÁGUAS

Introdução: Para ter significação, o batismo tem de ser o testemunh...
22

                        IGREJA – O CORPO DE CRISTO


Introdução: A palavra “igreja” tem dois significados fundamentais...
23



                                 A CEIA DO SENHOR
Introdução: A Ceia do Senhor é uma participação nos emblemas do co...
24


IV- COMO PARTICIPAR DA CEIA DO SENHOR

      1.   Os Cristãos devem participar da Ceia como membros do corpo de Crist...
25

                            DOUTRINA DA FÉ CRISTÃ

Introdução: Não existe no mundo uma única pessoa que não tenha fé; ...
26

                                        A ORAÇÃO
Introdução: “Oração é comunicação com Deus. É um diálogo entre duas p...
27

                                   O ESPÍRITO SANTO

Introdução: Em todas as páginas da Bíblia encontramos referências...
28




                        BATISMO NO ESPÍRITO SANTO

Introdução: Uma das doutrinas principais das Escrituras é o bati...
29




                                 DONS ESPIRITUAIS

Introdução: Neste estudo, nos propomos a demonstrar a importânci...
30

IV- DONS DE EXPRESSÃO - I CORÍNTIOS 12:10

       1. Profecia. Falar claramente, anunciar. A profecia, geralmente fala...
31

                                  A GRAÇA DE DEUS

Introdução: Um dos mais belos aspectos da fé cristã é o da graça de...
32

                                      A LEI DE DEUS

Introdução: Um dos assuntos mais importantes da teologia bíblica ...
33

      6. Moral. Diz respeito aos Dez Mandamentos (Ex. 20:1-17). Esta lei reflete a natureza e
         perfeição moral...
34

                                         IDOLATRIA

Introdução: Ao olharmos os ensinos bíblicos nos mandamentos do Sen...
35

      e) loucura;
      6. f) degeneração. Paulo e Barnabé, após terem efetuado um milagre de cura, recusaram a
      ...
36



                                  O DIA DO SENHOR

Introdução: Vamos tratar de um assunto relevante, o Sábado. Um es...
37

                           O DIA DA MORTE DE JESUS

Introdução: Em que dia morreu e ressuscitou Jesus Cristo? Para a m...
38

       2. Sábado anterior à morte (Lc. 13:10, 31-33; 14:1; 18:31-34; 19:1-5). Jesus ensina
          numa sinagoga. Ne...
Rudimentos da doutrina facilitado
Rudimentos da doutrina facilitado
Rudimentos da doutrina facilitado
Rudimentos da doutrina facilitado
Rudimentos da doutrina facilitado
Rudimentos da doutrina facilitado
Rudimentos da doutrina facilitado
Rudimentos da doutrina facilitado
Rudimentos da doutrina facilitado
Rudimentos da doutrina facilitado
Rudimentos da doutrina facilitado
Rudimentos da doutrina facilitado
Rudimentos da doutrina facilitado
Rudimentos da doutrina facilitado
Rudimentos da doutrina facilitado
Rudimentos da doutrina facilitado
Rudimentos da doutrina facilitado
Rudimentos da doutrina facilitado
Rudimentos da doutrina facilitado
Rudimentos da doutrina facilitado
Rudimentos da doutrina facilitado
Rudimentos da doutrina facilitado
Rudimentos da doutrina facilitado
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Rudimentos da doutrina facilitado

5,275

Published on

O Rudimentos da Doutrina f

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
5,275
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
174
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "Rudimentos da doutrina facilitado"

  1. 1. SUMÁRIO Introdução 02 Sugestões Para Dirigir uma Reunião de Grupo Familiar 03 01. Autenticidade da Bíblia 05 02. A Bíblia e suas Divisões 08 03. A Existência de Deus 10 04. A Trindade Divina 13 05. Jesus Cristo 15 06. A Obra De Cristo: Sua Morte 18 07. A Origem do Homem 21 08. O Homem Natural 23 09. O Pecado 26 10. O Perdão 29 11. Arrependimento e Conversão 32 12. Novo Nascimento 34 13. Batismo nas Águas 36 14. Igreja – O Corpo de Cristo 38 15. A Ceia do Senhor 41 16. Doutrina da Fé Cristã 44 17. A Oração 46 18. O Espírito Santo 49 19. Batismo no Espírito Santo 52 20. Dons Espirituais 55 21. A Graça de Deus 58 22. A Lei de Deus 60 23. Idolatria 63 24. O Dia do Senhor 66 25. O Dia da Morte de Jesus 69 26. Alimentação e Saúde 73 27. Mordomia Cristã 77 28. Conduta Cristã 80 29. A Constituição Humana 85 30. O Inferno 88 31. As Ressurreições 91 32. A Vinda de Jesus 94 33. Milênio 97 34. Juízo Final 99 35. O Nascimento de Jesus 101 Bibliografia 107
  2. 2. 2 INTRODUÇÃO “Pelo que, deixando os rudimentos da doutrina de Cristo, prossigamos até a perfeição, não lançando de novo o fundamento de arrependimento de obras mortas e de fé em Deus, e o ensino sobre batismos e imposição de mãos, e sobre ressurreição de mortos e juízo eterno. E isso faremos, se Deus o permitir” Hebreus 6:1-3. Uma casa precisa ter um alicerce, pois senão ela será abalável e insegura; todavia, o alicerce não é a casa. Seria absurdo edificar um alicerce em cima de alicerce, e repetir este processo e nunca chegar a construir a superestrutura. O escritor de Hebreus nos diz que nós, que despendemos tanta atenção e energia com os princípios elementares da fé cristã, somos como um construtor que repete o lançamento do alicerce e nunca vai além, edificando a casa da vida. O alicerce é importante, mas não é a casa. Porém sem ele a casa não existe, nem subsiste. Alguém tem que realizar essa tarefa, ainda que, muitas vezes, não seja vista nem admirada pelas pessoas. Precisa-se apenas observar as doutrinas que compõem o alicerce da vida cristã, para saber que nenhuma superestrutura cristã pode ser construída sem esses elementos: Arrependimento de obras mortas; a doutrina do sumo sacerdócio de Jesus; a doutrina da fé; o ensino sobre batismos; a doutrina da ressurreição de mortos. Finalmente, a doutrina do juízo eterno. Ora, cada uma dessas doutrinas é básica para a fé cristã histórica. Todavia a assimilação destas doutrinas não é a intenção final de Jesus para os seus seguidores. Na verdade, o escritor nos mostra que os cristãos, já nos seus dias, se demoravam demais nestas doutrinas elementares, e se recusavam a prosseguir para a maturidade de discípulos maduros, que não mais vivem de leite, mas requerem carne, para dela obterem a vigorosa energia para realizar a obra de Deus no mundo. Será que nós, na igreja moderna, estamos gastando tanto tempo em tentar acrescentar membros às nossas instituições religiosas e treiná-los nos princípios elementares da fé, que não temos energia para cultivar a maturidade, que tem um magnetismo dinâmico como sua característica, que poderia atrair pessoas para o Salvador, mais do que todas as nossas atividades organizadas podem esperar fazer? Por tudo isso, o nosso propósito aqui é o de lançarmos os fundamentos básicos para a fé cristã, cabe porém a outros a tarefa de regar, ou seja produzir a maturidade cristã, e, com toda certeza, Deus irá produzir o crescimento (I Co. 3:6-15). Porém cada um veja como edifica. RUDIMENTOS DA DOUTRINA CRISTÃ vem ajudar o instrutor e capacitá-lo para toda boa obra. O cristão não deve buscar apenas o “conhecimento e a inteligência em toda cultura e sabedoria do mundo” (Dn. 1:17; I Co. 1:18-25), mas precisa, especialmente, “fazer uma acurada investigação” (Lc. 1:3) sobre “a sã Doutrina” revelada nas Escrituras (II Tm. 4:3). O lançamento deste livro, se faz na esperança de que algumas das mais profundas verdades que cimentam e edificam a nossa fé cristã sejam apresentadas em formas simples e concisa. De fato, nem todas as facetas dessa fé, foram aqui incluídas, visto que os limites do espaço proíbem tal tratamento. Nestes estudos encontramos fartas referências bíblicas, isso com o fito de ajudar aqueles que desejarem fazer estudo mais pormenorizados e profundos dessas doutrinas. Esperamos que todos os leitores tenham a nobreza característica do povo de Beréia, os quais “examinavam cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim” (Atos 17:11).
  3. 3. 3 SUGESTÕES PARA DIRIGIR UMA REUNIÃO DE GRUPO FAMILIAR I- QUANTO AO SEU PREPARO E ATITUDE 1. Oração. Nunca comece uma reunião de grupo familiar antes de uma oração a sós com Deus. Repasse mentalmente o que você gostaria de fazer, mas dê liberdade ao Espírito Santo para conduzir o estudo. 2. Horário. Comece o estudo no horário e termine-as dentro do prazo estabelecido. Isto gera seriedade e confiança no instrutor e no que ele diz. 3. Humor. Mantenha o bom humor e o bom senso. Não demonstre irritação, nem faça comentários negativos quanto ao seu ou outro grupo. 4. Entusiasmo. Seja entusiasmado, mostre que você gosta do que faz. Nunca reclame ou murmure, principalmente perto de visitantes. Um segredo para se estar cheio do Espírito Santo desde o começo do estudo é procurar ter tudo pronto uma hora antes para não chegar ao estudo aflito e correndo. Lembre-se que não devemos participar de nenhum ministério para o qual não temos tempo suficiente para interceder. 5. Críticas. Evite criticar outras religiões e seitas ou evangelizar alguém à força. Isto só conduz o indivíduo contra o evangelho. 6. Postura. Cuide para que todos se sentem próximos uns dos outros, pois isto ajuda na participação e envolvimento geral. Não se coloque de pé (a não ser em casos especiais), à frente do grupo; sente-se com todos junto ao grupo. 7. Compreensão. Lembre-se que no grupo você encontrará tipos diferentes de pessoas e temperamentos. Saiba identificá-los e entender como aproveitá-los no grupo. Por exemplo, pode-se pedir a uma pessoa, que fale muito, que ajude o grupo deixando espaço para que outras pessoas também aprendam II- QUANTO AO ESTUDO 1. Preparo. Prepare bem o estudo para evitar que sejam semeadas no grupo posições sem base bíblica. Elabore pesquisas e anotações, buscando noutras fontes subsídios para a complementação dos estudos. Lembre-se: os comentários do estudo servem apenas para fornecer uma correta interpretação e comentário do texto ao instrutor. 2. Perguntas. Use boas perguntas. Lembre-se: as pessoas só aprendem quanto elas mesmas tomam parte ativa do processo do ensino. Não fale sozinho. Coloque uma pergunta e deixe as pessoas darem suas opiniões. Quando a discussão cai ou toma um rumo diferente do proposto, direcione o estudo por meio de outra pergunta e, novamente, deixe-os falar. Seja cuidadoso ao dirigir perguntas às pessoas tímidas. Evite palavras difíceis ou “chavões evangélicos”. 3. Versão. O instrutor não deve apegar-se apenas à uma versão da Bíblia. Os principais textos bíblicos, a serem lidos, aparecem no final de cada frase em negrito, sendo que os demais poderão ser citados ou não, conforme o caso. 4. Liberdade. Permita liberdade de expressão para que cada um exponha sua opinião, porém, mantenha em vista o objetivo da reunião e do estudo. 5. Respostas. Não se sinta obrigado a dar respostas às perguntas levantadas. Não se preocupe com perguntas difíceis que surgirem. Se as perguntas estão dentro do tema, responda-a de forma clara e concisa. Se não souber a resposta, diga que irá pesquisar durante a semana e que trará uma resposta no próximo encontro. Caso surjam perguntas fora do tema, agradeça a pessoa pela participação e diga que irá conversar com ela, depois do estudo, sobre o assunto.
  4. 4. 4 6. Resumo. No final, faça um pequeno resumo, recordando o que foi estudado. Isto ajuda a assimilar e ver se todos compreenderam o que ouviram. Se você puder reconhecer as pessoas que fizeram os comentários que está resumindo, com certeza gostarão muito! III- QUANTO AO LOUVOR (OPICIONAL) 1. Adoração. Procure conduzir os participantes à presença de Deus. Este momento precisa ser expontâneo. Não force ninguém a cantar. Deixe o Espírito Santo conduzir a adoração. 2. Facilitação. Use uma folha de cânticos para ajudar todos a participarem. Tenha sempre cópias de canções sobrando para dar aos visitantes. A folha limita o número de canções, o que é bom para que os visitantes aprendam por meio de repetições. 3. Preparo. Demonstre preparo e zelo pelo grupo, escolhendo os cânticos antecipadamente, sendo no máximo três. 4. Instrumento. Se houver alguém no grupo com dom musical, ou que toque violão, poderá encarregar-se desta parte. IV- QUANTO À ORAÇÃO 1. Anotação. O grupo pode ter um caderno para anotar os pedidos de oração. Estimule as pessoas a orarem pelos assuntos listados em casa. Peça que as pessoas indiquem respostas de orações ou bênçãos que tenham recebido na última semana. Desta forma poderão ver como Deus responde às orações e então louvá-lo por Seu amor. 2. Pedidos. Peça que o grupo compartilhe pedidos de oração. Pode-se pedir que as pessoas, ao lado de quem formular um pedido, fiquem orando de forma especial durante a semana. 3. Imposição de mãos. Identifique se a necessidade e situação favorecem um momento de oração com imposição de mãos do grupo sobre uma pessoa necessitada. Porém deve-se ter sensibilidade para não causar constrangimento aos presentes. 4. Atenção. Dê devida atenção ao momento de oração. A grande maioria das pessoas acaba sendo negligente, gastando todo o tempo da reunião com as primeiras partes. Se a duração da reunião for de uma hora, procure reservar pelo menos dez minutos para esta parte. V- QUANTO AO ENCONTRO 1. Local. O ideal é que cada grupo de estudo tenha o seu encontro num local permanente, que possibilite a freqüência de todos. 2. Convites. Estimule os membros do grupo a fazerem pontes-de-amizade com seus vizinhos e, então, convidá-los para as reuniões do grupo. Todos deverão ser conscientizados da importância de trazer visitantes para a reunião. 3. Lanche. Normalmente a casa hospedeira pode prover água ou outra coisa para beber. Se houver lanche, deverá ser espontâneo.
  5. 5. 5 AUTENTICIDADE DA BÍBLIA Introdução: As Escrituras Sagradas têm sido reconhecida como o maior livro de todos os tempos, devido à sua antigüidade, à sua circulação total, ao número de línguas para as quais foi traduzida, à sua extraordinária grandeza como obra literária, e por sua extrema importância para toda a humanidade. Nosso objetivo neste estudo é de aprendermos algo mais sobre este Livro precioso. I- A COMPOSIÇÃO DA BÍBLIA. 1. Quanto ao nome. A palavra Bíblia é de origem grega (Biblos) e significa “livros”. Dessa forma podemos dizer que a Bíblia é um conjunto de livros sagrados, ou seja, muitos livros encadernados em um só volume. A Bíblia, em geral, contém 66 livros, sendo que 39 são do Antigo Testamento e 27 do Novo Testamento. Há Bíblias que contém 7 livros a mais e, no decorrer dos estudos, iremos entender porque há essa diferença. O termo “Bíblia” não se encontra escrito na Bíblia. Quando fala dela mesma se refere como: Livro do Senhor (Is. 34:16); Palavra de Deus (Hb. 6:5); Escrituras (Jo. 5:39); Palavra de Cristo (Cl. 3:16); Palavra da verdade (II Tm. 2:15); e outros. 2. Quanto a autoria. A Bíblia foi escrita por cerca de 40 autores. Todos eles foram inspirados pelo Espírito Santo. Eles não registraram suas opiniões pessoais, mas a vontade de Deus. Seus autores eram homens diferentes, tanto em cultura como em poder aquisitivo. Lucas era médico, Amós era boiadeiro, Salomão era rei, Pedro pescador, etc. Muitos deles não se conheceram e viveram em épocas muito distantes uns dos outros. Eles escreveram sobre os assuntos mais controvertidos e mesmo assim seus escritos não se contradizem. Não houve oposição, contradição de um escrito com outro, porque foram todos inspirados pelo mesmo Espírito. A Bíblia tanto no Antigo como no Novo Testamento é como que uma engrenagem que trabalha encaixando-se harmoniosamente. 3. Quanto ao tempo de composição. Esses livros foram escritos num período aproximado de 1.600 anos. O primeiro livro escrito foi Jó, aproximadamente no ano 1500 a.C. O último livro composto foi o Apocalipse, no ano 97 d.C. Entre o livro de Malaquias e Mateus há, geralmente, uma página em branco entre os dois testamentos que representa um largo período de tempo que, segundo as melhores informações históricas hodiernamente aceitas, durou mais ou menos 400 anos. Esse período é conhecido como “Período Interbíblico”. Os 400 anos do Período Interbíblico caracterizam-se pela cessação da Revelação Bíblica, pelo silêncio profundo em que Deus permaneceu em relação ao seu povo, pois durante esse período, nenhum profeta se levantou em nome de Deus. Foi nesse período que os livros “apócrifos” foram escritos (para maiores detalhes ver Estudo 2). 4. Quanto a sua atualidade. A Bíblia é um livro antigo, mas, ao mesmo tempo, é atual e relevante para os dias de hoje. Ela nunca fica superada. Seus escritos são atualizados porque a Bíblia é a Palavra de Deus, e Deus sabe todas as coisas, assim como o passado, presente e futuro; portanto, Sua Palavra é para todos os tempos. 5. Quanto a sua importância. A Bíblia é o livro dos livros. Ela não é um escrito comum. Não há o que substitui o estudo da Bíblia, o que aprendemos na Bíblia não aprendemos em lugar algum. O conhecimento, os benefícios, os feitos que o estudo bíblico nos dá, não encontramos em nenhum outro livro.
  6. 6. 6 6. Quanto aos seus relatos históricos. A Bíblia é um livro que tem merecido confiança em seus relatos históricos. Tanto a arqueologia como a História comprovam isso. A Bíblia narra a história desde antes da criação do mundo, como este foi criado e a história da humanidade existente na época, seja em história ou em profecias. A Bíblia fala também sobre a vinda de Jesus, o chamado "fim do mundo", depois do fim do mundo, o destino eterno da humanidade. 7. Quanto aos seus ensinos. A Bíblia nos dá a sabedoria que nenhum livro poderá nos oferecer. Nela está revelada a vontade de Deus para com o homem. Ela nos ensina, consola, nos dá esperança e nos exorta. A Bíblia dá resposta segura para nossas perguntas, funciona como espelho para o homem. Ela mostra a situação de cada ser humano diante do seu criador e nos capacita a saber quem somos, o estado em que nos encontramos e, o que é de mais importante, mostra-nos a verdade apontando-nos o caminho para uma vida equilibrada e feliz. Ela nos orienta na educação dos nossos filhos, nos ensina a fazer negócios, enfim, tudo o que um ser humano precisa, espiritualmente, emocionalmente e moralmente. II- A NATUREZA DA BÍBLIA 1. Palavra Eterna (Is. 40:7,8). 2. Fonte de vida eterna (Jo. 5:39). 3. Fonte de verdade (Jo. 8:32; 17:17). 4. Origem divina (II Pd. 1:19-21; Ec. 3:14). 5. É viva e eficaz (Hb. 4:12-13). III- OBJETIVOS DA BÍBLIA 1. Falar à humanidade (Hb. 1:1). 2. Ensinar os princípios de Deus (II Tm. 3:16,17). 3. Produzir a fé (Rm. 10:17). 4. Preservar de pecar (Sl. 119:11: Mt. 22:29; Pv. 30:5). 5. Mostrar o caminho verdadeiro (Sl. 119:105). 6. Alimentar o homem (Mt. 4:4). Conclusão: Devemos fazer da Bíblia Sagrada nossa fonte de entendimento, sabedoria e presença de Deus (Provérbios 2:3-5)
  7. 7. 7 A BÍBLIA E SUAS DIVISÕES Introdução: A Bíblia, como a conhecemos hoje, tem 66 livros. Apesar disso, os livros bíblicos, em conjunto, constituem apenas uma única obra, um todo completo. Estes livros, de Gênesis a Apocalipse, constituem o cânon da Bíblia, ou seja, aqueles livros que foram escolhidos e catalogados pela Igreja Cristã nos primeiros séculos da era Cristã. A escolha desses livros específicos, e a rejeição de muitos outros, evidencia que o Autor divino não só inspirou a sua escrita, mas também cuidou meticulosamente da sua compilação e da sua preservação. Vamos então, neste estudo, conhecer algo mais sobre a Palavra de Deus e sua estrutura literária. I- DIVISÕES PRINCIPAIS DA BÍBLIA. 1. Antigo Testamento e Novo Testamento. A Bíblia é mais do que apenas um livro. É uma valiosa biblioteca de 66 livros agrupados em duas partes: 39 livros, escritos originalmente em hebraico e aramaico, compõem o Antigo Testamento; e 27 livros, escritos originalmente em grego, compõem o Novo Testamento. Hoje em dia é comum chamar as Escrituras escritas em hebraico e aramaico de “Antigo (ou Velho) Testamento”. Isto baseia na leitura de II Coríntios 3:14, em algumas versões bíblicas. No entanto, o uso de “antigo (ou velho) testamento” neste texto é incorreto. A palavra “Testamento” significa originalmente “pacto, aliança”, e este acordo se refere a uma forma de perdão dos pecados instituída por Deus ao homem. O apóstolo Paulo não se referia às Escrituras Hebraicas e Aramaicas na sua inteireza. Ele, antes, estava falando do antigo pacto da Lei, registrado por Moisés no Pentateuco e que constitui apenas uma parte das Escrituras pré-cristãs. Por este motivo ele disse no próximo versículo: “sempre que se lê Moisés”. Portanto não há base válida para as Escrituras Hebraicas e Aramaicas serem chamadas de “Antigo (Velho) Testamento”, e para as Escrituras Gregas serem chamadas de “Novo Testamento”. O próprio Jesus Cristo chamou a coleção dos escritos sagrados de “as Escrituras” (Mt. 21:42; Mc. 14:49; Jo. 5:39). O apóstolo Paulo chamou-as de “Sagradas Escrituras”, “Escrituras” e “sagradas letras” (Rm. 1:2; 15:4; II Tm. 3:15). 2. Capítulos e versículos. A subdivisão da Bíblia em capítulos e versículos não foi feita pelos escritores originais, mas foi uma adição utilíssima, realizada séculos depois. Os massoretas dividiram as Escrituras Hebraicas em versículos; daí, no século 13 da Era Cristã, acrescentaram-se as divisões em capítulos. Por fim, em 1553, a edição de Robert Estienne da Bíblia em francês foi publicada como a primeira Bíblia completa com as atuais divisões de capítulos e versículos. II- CLASSIFICAÇÃO LITERÁRIA DOS LIVROS DA BÍBLIA. A Bíblia está classificada em quatro tipos de literaturas: Históricos, poéticos, proféticos e . epistolas Vejamos como se classifica o Antigo Testamento: 1º. Históricos: Incluem os livros: Gênesis, Êxodo, Levítico, Números, Deuteronômio, Josué, Juizes, Rute, I e II Samuel, I e II Reis, I e II Crônicas, Esdras, Neemias e Ester. 2º. Poéticos: Começam no livro de Jó, Salmos, Provérbios, Eclesiastes e Cantares de Salomão (ou Cântico dos Cânticos). 3º. Proféticos: Estão agrupados nos seguintes livros: Isaías, Jeremias, Lamentações de Jeremias, Ezequiel, Daniel, Oséias, Joel, Amós, Obadias, Jonas, Miquéias, Naum, Habacuque, Sofonias, Ageu, Zacarias e Malaquias.
  8. 8. 8 Vejamos agora a classificação do Novo Testamento: 1º. Históricos: Começando no Evangelho de Mateus, Marcos, Lucas, João, e Atos, achamos os livros históricos. Estes descrevem a história de Jesus Cristo, desde o nascimento, ministério, morte e ressurreição, bem como a origem da igreja. 2º. Epístolas: Ao todo são 21 epístolas (cartas), sendo que 13 delas foram escritas por Paulo. Estas são: Romanos, I e II Coríntios, Gálatas, Efésios, Filipenses, Colossenses, I e II Tessalonicenses, I e II Timóteo, Tito, Filemon e Hebreus. Estas são cartas específicas para igrejas daquela época. Do livro de Tiago, I e II Pedro, I, II e III João e Judas estão as epístolas gerais. 3º. Profético: Por fim temos o livro de Apocalipse (Revelação). Este é um livro profético escrito por João no final do 1º século na ilha de Pátmos. III- OS LIVROS APÓCRIFOS Dependendo da editora, a Bíblia pode conter 73 livros, ou seja, 7 livros a mais: I e II Macabeus, Judite, Baruc, Tobias, Eclesiástico, Sabedoria e um acréscimo de dois capítulos (13 e 14) no livro de Daniel. Estes 7 livros e mais estes dois capítulos acrescentados no livro de Daniel não são inspirados pelo Espírito Santo porque foram escritos num período em que Deus não falou com Israel (400 anos). Os próprios autores de tais escritos não reclamam inspiração para eles, mas confessam a falta do Dom profético (I Macabeus 4:46; 9:27; 14:41). Esses livros recebem o nome de Apócrifos. A palavra “apócrifo” é grega e significa “escondido” ou “secreto”, e foi dada a esses livros porque os seus autores são desconhecidos. A data de seus escritos é também matéria duvidosa, embora seja geralmente colocada entre os anos 200 e 100 a.C. Apesar dos livros Apócrifos não serem inspirados pelo Espírito Santo, são de grandes valores históricos. O que nos leva a crer que estes livros não foram inspirados pelo Espírito Santo? Por que são os livros apócrifos rejeitados pelo protestantismo? 1º- Porque estes livros foram inseridos na Bíblia Sagrada em 1.546 no Concílio de Trento, 1200 anos depois da canonização da Bíblia Sagrada. 2º- Todos os livros do Antigo Testamento foram citados no Novo Testamento cerca de 453 vezes, mas os livros apócrifos nenhuma vez. (compare Hb. 2:6,7 com Sl. 8:4,5). 3º- O Senhor Jesus e Seus apóstolos nunca fizeram deles qualquer citação. Josefo (historiador judeu) rejeitou-os, e Jerônimo, ao traduzir a Vulgata (versão da Bíblia em Latim) recusou reconhecê-los. 4º- Em II Macabeus 15:35-39, o autor se desculpa, se caso não tinha sido claro em sua narração, o que torna claro não ter sido divina sua inspiração. 5º- Há controvérsias nos escritos apócrifos, isto é, contradiz em alguns de seus ensinos em relação aos demais livros inspirados conforme Tobias 12:9, que nos garante que a esmola nos livra da morte, apaga o pecado e nos faz encontrar a vida eterna (salvação pelas obras). A Bíblia toda nos ensina que o que nos livra da morte eterna é Jesus, mediante o nosso crer e aceitá-lo como Senhor e Salvador de nossa vida e vivermos como tal, e que nossos pecados somente serão perdoados mediante o nosso arrependimento, confissão e conversão. 6º- Falta ao apócrifos o planejamento progressivo e mútua interconexão das Escrituras do Novo e Antigo Testamentos. Erros históricos, inexatidões, e evidentes histórias e discursos de ficção aparecem. Por estas razões os livros apócrifos não são aceitos como canônicos. Por outro lado, se sua Bíblia contiver livros a mais não significa que ela não servirá para o estudo, pode usá-la normalmente, porém com esta observação que já mencionamos acima. Conclusão: Que as Sagradas Letras reconhecidas tradicionalmente como Palavra de Deus, possam sempre nos edificar espiritualmente.
  9. 9. 9 A EXISTÊNCIA DE DEUS Introdução: Neste estudo, vamos verificar o que a Bíblia ensina a respeito da pessoa de Deus. Numa época em que tantas idéias e conceitos a respeito de Deus são divulgados, é bom verificarmos o que o próprio Deus revelou a respeito de si mesmo. A Bíblia é a Palavra de Deus, é o único livro que pode falar, com autoridade, sobre o assunto.É muito importante saber que a Bíblia não procura provar a existência de Deus, mas parte do pressuposto de que Deus existe e que se revela aos que o buscam em espírito e em verdade. I- OS NOMES DE DEUS A palavra “Deus” não é nome. Refere-se antes a um título que usamos para designar o Ser supremo, o criador de todas as coisas. Todavia, Deus se revelou pelo nome. Os nomes na Bíblia têm significados, os quais geralmente transmitem alguma idéia quanto ao caráter da pessoa que usa o nome. Todos os nomes pelos quais a Bíblia designa Deus são significativos; e, assim, cada um deles permanece como o símbolo de alguma verdade relativa a Ele. Os três principais nomes da Divindade no Antigo Testamento são: 1. Eloim (Gn. 1:2,26,27). 2. Adonai (Gn. 15:1,2,8; Dt. 3:24). 3. Jeová (Êx. 3:14; Ex. 20:7; Is. 42:8). II- A NATUREZA DE DEUS 1. Deus é espírito (Jo. 4:24). 2. Deus é infinito (I Re. 8:27; Rm. 11:33-36). 3. Deus é eterno (Êx. 15:18; Dt. 33:27; Sl. 90:2). III- OS ATRIBUTOS NÃO-MORAIS DE DEUS 1. Deus é onipotente (Êx. 15:7; Mt. 19:26). 2. Deus é onipresente (Gn. 28:15; Sl. 139:7-12). 3. Deus é onisciente (Gn. 18:18; II Tm. 2:19). 4. Deus é soberano (Jr. 18:4-6; Mt. 20:15). 5. Deus é imutável (Ml. 3:6; Tg. 1:17). IV- OS ATRIBUTOS MORAIS DE DEUS 1. Deus é justo e santo (Êx. 15:11; Lv. 19:2). 2. Deus é bom (Sl. 25:8; Rm. 2:4). 3. Deus é amor (I Jo. 4:8-10). V- O SER E A NATUREZA DE DEUS 1. Ele deve ser adorado (Jo. 4:23,24). 2. Ele deve ser servido (II Co. 5:15). 3. Ele deve ser proclamado (Atos 17:16, 22-31). Conclusão: Deus é Deus. Nossa comunhão com Ele é também pela fé. Mesmo que ainda exista mistérios sobre a Sua pessoa, o que a Bíblia nos revela é suficiente para termos uma comunhão vitoriosa com este Ser Supremo, nosso Todo-Poderoso Deus.
  10. 10. 10 A TRINDADE DIVINA Introdução: Ao ensino de que há um só Deus em três pessoas distintas, separadas uma das outras, porém da mesma essência, chama-se Doutrina da Trindade. A palavra “trindade” não se encontra na Bíblia, mas o ensino encontra-se claramente ali, pois em o Novo Testamento existem 108 passagens comprobatórias. Muitos acham a doutrina de difícil compreensão. Nunca devemos imaginar que algo está errado, só porque não o compreendemos bem. I- A UNIDADE DE DEUS 1. A Bíblia afirma que há um só Deus (Dt. 6:4; Mc. 12:29). 2. As três pessoas divinas são um (I Jo. 5:7,8). 3. A unidade absoluta não desfaz a sua individualidade (Mt. 3:16,17). II- A TRINDADE DIVINA 1. A Trindade no Antigo Testamento (Gn. 1:1,26). Todos os membros da trindade são mencionados no Antigo Testamento: a) o Pai (Is. 63:16;); b) o Filho de Jeová (Is. 9:6); c) o Espírito Santo (Is. 61:1). 2. A Trindade no Novo Testamento (II Co. 13:13). Dentro do Novo Testamento, a doutrina da Trindade fica grandemente ampliada: a) o Pai é Deus (Mt. 6:8;); b) o Filho é Deus (Jo. 1:1-4,14,18); c) o Espírito Santo é Deus (Atos 5:3,4). III- A TRINDADE E OS ATRIBUTOS DIVINOS 1. Eternidade. O Pai (Sl. 90:2); o Filho (Cl. 1:17); o Espírito Santo (Hb. 9:14). 2. Onipresença. O Pai (Jr. 23:24); o Filho (Mt. 18:20); o Espírito Santo (Sl. 139:7). 3. Onisciência. O Pai (Jr. 17:10); o Filho (Ap. 2:23); o Espírito Santo (I Co. 2:10,11). 4. Onipotência. O Pai (I Pd. 1:5); o Filho (II Co. 12:9); o Espírito Santo (Rm. 15:19). 5. Santidade. O Pai (I Pd. 1:16); o Filho (Atos 3:14); o Espírito Santo (Lc. 12:12). 6. Amor. O Pai (I Jo. 4:8,16); o Filho (Ef. 3:19); o Espírito Santo (Rm. 15:30). 7. Verdade. O Pai (Jo. 7:28); o Filho (Ap. 3:7); o Espírito Santo (I Jo. 5:6). IV- A OBRA DA TRINDADE DIVINA 1. Na criação do universo (Gn. 1:2; Sl. 102:25; Cl. 1:16). 2. Na criação do homem (Gn. 1:26; 2:7; Jó 33:4; Cl. 1:16). 3. Na salvação do homem (Jo. 3:16). 4. Na ressurreição da humanidade (Jo. 5:21; Rm. 8:11). Conclusão: A grande maravilha deste assunto é que apesar de Deus ser infinito, se preocupa conosco, criaturas tão imperfeitas e limitadas.
  11. 11. 11 JESUS CRISTO Introdução: Chegamos ao ponto central do cristianismo: Jesus Cristo, embora verdadeiro homem, era também verdadeiro Deus. Esta é uma das particularidades do cristianismo. A Bíblia no Antigo e Novo Testamento funciona como duas engrenagens trabalhando e encaixando-se harmoniosamente. Todos os livros do Antigo Testamento, direto ou indiretamente fazem referência a Jesus. Por tudo isso nosso objetivo neste estudo é pesquisarmos alguns aspectos fundamentais sobre o Senhor Jesus Cristo. I- JESUS EXISTIA ANTES DO SEU NASCIMENTO 1. O evangelista João dá testemunho da preexistência de Jesus (Jo. 1:1,2). 2. O Novo Testamento menciona claramente a preexistência de Cristo antes de seu nascimento (Cl. 1:15-17). 3. O próprio Jesus declarou que viveu antes de vir a este mundo (Jo. 8:57,58). II- JESUS VEIO EM FORMA HUMANA 1. Jesus era verdadeiramente Deus (Jo. 14:9). 2. Jesus era verdadeiramente homem (Fl. 2:6,7). III- JESUS É DIVINO 1. Seu nascimento diferente (Lc. 1:26-35; Mt. 1:18-23). 2. Suas palavras e seus ensinos eram diferentes (Mt. 7:28,29; Jo. 3:10-12; 7:46). 3. O testemunho de seus discípulos (Jo. 20:28). 4. A maneira diferente como viveu (Hb. 4:15). 5. Sua gloriosa ressurreição (Rm. 1:3,4). IV- A MORTE DE JESUS NA CRUZ 1. Antes de morrer seria escarnecido (Sl. 22:7,8; comp. Mt. 27:41-43). 2. Suas mãos e pés seriam furados (Sl. 22:16; comp. Lc. 23:33; Jo. 20:25-28). 3. Seria crucificado entre malfeitores (Is. 53:12; comp. Mt. 27:38). 4. Ele intercederia pelos seus algozes (Is. 53:12; comp. Hb. 9:24; I Jo. 2:1; Lc. 23:34). 5. Seus amigos o contemplariam de longe (Sl. 38:11; comp. Lc. 23:49). 6. Ele sentiria sede e lhe dariam vinagre e fel (Sl. 69:21; 22:15; comp. Jo. 19:28,29; Mt. 27:34). 7. Ele seria abandonado por Deus (Sl. 22:1; comp. Mt. 27:46). 8. Seus ossos não seriam quebrados (Sl. 34:20; comp. Jo. 19:32,33). 9. Em uma sepultura de um homem rico colocariam seu corpo (Is. 53:9; comp. Mt. 27:57-60). V- A RESSURREIÇÃO DE JESUS 1. A maravilha da ressurreição (Mt. 28:1-15). 2. A ressurreição de Jesus é a garantia da nossa (Rm. 6:9). 3. Nos traz nova vida (I Co. 15:17).
  12. 12. 12 VI- A ASCENSÃO DE JESUS 1. A maravilha da ascensão (Atos 1:9). 2. Mesmo na glória, Ele intercede por nós (Hb. 4:15,16; 7:24,25). VII- A SEGUNDA VINDA DE JESUS 1. Ele está sempre conosco (Mt. 18:20, 28:20). 2. Ele voltará (At. 1:6-11). 3. Estaremos com Ele para sempre (Jo. 14:1-3). VIII- JESUS CRISTO É SENHOR 1. Em nossas relações comerciais e de trabalho (Ef. 6:5-9; Cl. 3:22: I Tm. 6:1,2) 2. Em nossas relações domésticas (I Co. 6:15-20; Cl. 3:5; Hb. 13:4). Conclusão: Jesus é o maior projeto de vida que possamos ter.
  13. 13. 13 A OBRA DE CRISTO: SUA MORTE Introdução: Falamos da morte de Cristo como uma “obra” que Ele executou, porque não caiu sobre Ele inevitavelmente ou sem que Ele o soubesse, mas porque resultou de uma escolha definida da parte dEle. É também uma “obra” por causa do que trouxe para os beneficiários dessa morte. O uso do termo “obra” é claramente justificado pelo conceito bíblico e significação da morte de Cristo. I- A IMPORTÂNCIA DA MORTE DE CRISTO 1. É anunciada no Antigo Testamento (Gn. 3:15; Is. 53:4-6). 2. É proeminente no Novo Testamento (Mt. 16:21-23; At. 2:22-24). 3. É a principal razão da encarnação (Hb. 2:9,14; I Jo. 3:5). 4. É essencial para a nossa salvação (Jo. 3:14,15). II- O SIGNIFICADO DA MORTE DE CRISTO 1. A morte de Cristo é vicária – no lugar de outro (Is. 53:5,6; II Co. 5:21). 2. A morte de Cristo é a expiação dos nossos pecados (Lv. 4:13-20; 6:2-7; Hb. 2:17,18). 3. A morte de Cristo é um resgate (Mc. 10:45; Hb. 9:12). III- A EXTENSÃO DA MORTE DE CRISTO 1. Cristo morreu pelos eleitos (Mt. 20:28; I Tm. 4:10). 2. Cristo morreu pelo mundo inteiro (Jo. 1:29; I Tm. 2:6; I Jo. 2:2). IV- A RESSURREIÇÃO DE CRISTO 1. A importância da ressurreição de Cristo (Rm. 10:9,10). 2. A natureza da ressurreição de Cristo (Lc. 24:39-45). 3. Os resultados da ressurreição de Cristo (Rm. 1:4; 4:25). Conclusão: Sem Jesus a vida não é vida. Com Ele tudo. Sem Ele nada.
  14. 14. 14 A ORIGEM DO HOMEM Introdução: Vivemos numa época em que muitas teorias são propostas, visando explicar a origem e a natureza do homem. É importante que se conheça o ensino da Bíblia, a respeito do ser humano. Através da Bíblia, encontramos a resposta e a orientação do próprio Deus sobre a origem, natureza e finalidade da existência do homem, sobre a face da terra, respondendo, assim, quatro perguntas fundamentais: De onde vim? O que sou? Por que vim? Para onde vou? I- A ORIGEM DO HOMEM 1. O homem é a mais elevada de todas as criaturas de Deus (Gn. 1:26-28). 2. O homem, como criado por Deus, é bom (Gn. 1:31). 3. O homem é uma criatura (Gn. 2:7). 4. O homem foi criado um ser inteligente (Gn. 2:15-20). 5. O homem foi criado à “imagem e semelhança de Deus” (Gn. 5:1; 9:6). 6. O homem é um ser moral (Ec. 7:29; Ef. 4:24). II- A CONSTITUIÇÃO DO HOMEM 1. A natureza física (Sl. 104:29,30). 2. A natureza espiritual (Jo. 4:24). III- A RELAÇÃO DO HOMEM COM DEUS 1. O homem, por ser criatura, depende de Deus (Mt. 6:26-30) 2. A recusa do homem em reconhecer a sua relação com Deus (Jo. 3:3-6; I Co. 2:14). 3. O homem natural está perdido (Is. 53:6; Lc. 19:10). 4. Há salvação em Jesus Cristo (II Co. 5:17,18). Conclusão: Deus nos fez incompletos para que completássemos nEle. Então a única dependência que devemos aceitar é a dependência de Deus em todas as situações, lugares e tempo.
  15. 15. 15 O HOMEM NATURAL Introdução: Sendo criado por Deus, o homem é um ser racional. Deus lhe concedeu o livre arbítrio, ou seja a liberdade de escolher entre o bem e o mal; de obedecer-lhe ou ignorar Seus mandamentos. A história da humanidade revela a seqüência de decisões tomadas pelo homem. Este, por sua vez, tornou-se rebelde, egoísta e orgulhoso. I- CONDENADO À MORTE. 1. Todos os homens possuem uma natureza pecaminosa e cometem pecados (Sl. 51:5). 2. Todos estão mortos nos delitos e pecados (Ef. 2:1). 3. O procedimento da pessoa sem Cristo é determinado (Ef. 2:2-3): a) Pelos padrões do mundo (sistema mundial funcionando contra tudo o que é verdadeiro em Jesus Cristo); b) Pelo príncipe da potestade e do ar (o diabo); c) Pelo espírito que atua nos filhos da desobediência; d) Pelas inclinações (maneira de pensar) da carne (princípio pecaminoso que opera em nós) e dos pensamentos: vida centralizada em si mesmo e independente de Deus. 4. O fruto produzido por este tipo de vida (Gl. 5:19-21). II- SEPARADO DA FAMÍLIA DE DEUS 1. Separado do povo de Deus (Ef. 2;12). 2. Escravo do maligno (Rm. 6:16). 3. Filho do diabo (Jo. 8:41, 44,47). III- SEM ESPERANÇA NO MUNDO. 1. Está desprovido do salvador e em trevas.(I Pd. 2:9,10). 2. Não tem o direito de cidadania dentro da nação eleita (o povo de Deus). 3. Sofre privação espiritual, perdendo os privilégios e vantagens da aliança (Ef. 2:12). 4. Não tem esperança, pois está sem Deus no mundo. IV- COMO SAIR DA CONDENAÇÃO DA MORTE? 1. Crer no sacrifício feito por Jesus na cruz (Jo. 3:16). 2. Crer que Jesus veio Trazer-nos a vida (Jo. 10:10). 3. Crer que Jesus é o único que pode nos dar a vida eterna (Jo. 17:2,3). V- COMO PERTENCER A FAMÍLIA DE DEUS? 1. Pelo processo de adoção feito por Jesus (Jo. 1:12,13). 2. Deixando-nos guiar pelo Espírito Santo (Rm. 8:14-17). 3. Reconhecendo a Jesus como nosso irmão (Rm. 8:29).
  16. 16. 16 VI- COMO TER ESPERANÇA? 1. Crendo no livramento divino (Gl. 1:3,4). 2. Entrando pela única Porta da Salvação (Jo. 10:9). 3. Reconciliando-nos com Deus (Rm. 5:1-11). 4. Aceitando a Jesus como nosso Salvador (Atos 16:31; Rm. 10:9-11). Conclusão: Deixemos de ser criaturas para sermos verdadeiramente filhos de Deus.
  17. 17. 17 O PECADO Introdução: Deus nos ama e deseja que sejamos felizes. Ao mesmo tempo Ele quer que o amemos e depositemos nossa confiança nEle. É nosso amigo, e deseja que sejamos seus amigos Infelizmente, porém, o homem natural não confia em Deus como deveria. Em lugar de seguir Seus ensinos, quer andar pelos seus próprios caminhos. Reluta em depender de Deus e, sempre que deixa de realizar a vontade de Deus, para fazer a sua própria vontade, está pecando. I- O QUE SIGNIFICA PECADO? 1. Pecado é transgressão (Rm. 4:15; I Jo. 3:4). 2. Pecado é erro (Lv. 4:13,14; Mt. 18:15). 3. Pecar é errar o alvo (Lc. 15:18,21). 4. Pecado é uma intromissão da vontade própria na esfera da autoridade divina (Rm. 1:18-32). 5. Pecado é iniqüidade e perversidade (Mt. 7:21-23; Rm. 4:7). II- A ORIGEM DO PECADO 1. O pecado originou-se com Satanás levando o primeiro casal a opor-se à vontade de Deus (Gn.2:16, 17; 3:1-6). 2. A natureza humana caída sempre tende para o pecado (Tg.1:14, 15). III- A UNIVERSALIDADE DO PECADO 1. O pecado atingiu toda a raça humana existente (Rm. 3:23). 2. O pecado atingiu todo o homem como ser (Rm. 7:14-24). 3. O pecado atingiu toda a criação de Deus (Gn. 3:17-19; Rm. 8:21,22). IV- AS CONSEQÜÊNCIAS DO PECADO 1. Morte física (Gn. 3:22-24). 2. Morte espiritual (Is. 59:1,2, Ef. 2:1). V- QUAL DEVE SER A NOSSA ESPERANÇA? A nossa única esperança está depositada em Cristo. Ele é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo (Jo. 1:29). Ele é aquele que fora prometido para esmagar a cabeça da serpente e derrotar o poder de Satanás (compare Gn. 3:15 com Ap. 12:9). Conclusão: Renovados e salvos podemos dizer como Paulo a Tito: “aguardando a bendita esperança e a manifestação da glória do nosso grande Deus e Salvador Cristo Jesus, o qual a si mesmo se deu por nós, a fim de remir-nos de toda iniqüidade e purificar, para si mesmo, um povo exclusivamente seu, zeloso de boas obras” (Tt. 2:14).
  18. 18. 18 O PERDÃO Introdução: “E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós temos perdoado aos nossos devedores”. Com certeza, estas palavras não são estranhas para ninguém. É a parte da oração do “Pai Nosso” – tantas vezes orada por todos nós – que fala sobre o perdão.O Deus que tem prazer em nos perdoar, deseja que tenhamos também um coração perdoador. Especialmente no contexto de nossa vida cristã, a prática do perdão deve ser algo presente sempre que se fizer necessário. I- O QUE É PERDÃO No Novo Testamento há dois termos gregos que são traduzidos como “perdoar”: “aphiemi”, que significa “remir ou deixar de lado”, e “apoluo”, que significa “libertar, colocar em liberdade”. Daí surgem duas definições básicas para o termo “perdoar”: 1) Parar de culpar alguém por alguma ofensa ou de ter ressentimento contra o ofensor; 2) Cancelar ou anular uma dívida. A palavra “perdoar” nos traz à mente diversos conceitos como: “quitar, absolver, anistiar, isentar, desculpar e eximir”. II- O ENSINO BÍBLICO SOBRE PERDÃO 1. O perdão divino está alicerçado sobre a misericórdia de Deus (Êx. 34:6,7). 2. O perdão dos pecados é uma prerrogativa divina (Sl. 130:4; Dn. 9:9). 3. O perdão depende diretamente da expiação de Cristo (I Jo. 1:9; 2:1,2). 4. O perdão dado por Deus é completo (Sl. 103:12; Is. 38:17). III- O PERDÃO E A MISERICÓRDIA DE DEUS 1. O reconhecimento da culpa (Dn. 9:8). 2. Arrependimento e confissão (Sl. 51:1-4). 3. O abandono do erro (Pv. 28:13). IV- OS MOTIVOS PARA COMPARTILHAR O PERDÃO 1. Por causa do exemplo dado pelo Senhor (Ef. 4:32; Cl. 3:13). 2. Por causa dos resultados que proporciona (Mt. 18:23-35). 3. Por causa da condição imposta pelo Senhor (Mt. 6:14,15). V- OS LIMITES DO PERDÃO 1. Intensidade do perdão (Mt. 18:21,22). 2. Extensidade do perdão (Mt. 6:12). 3. Gravidade do perdão (Lc. 23:34; Atos 7:58-60). Conclusão: Que a nossa grande dívida com o nosso semelhante seja o de amar e perdoar sempre, como o Senhor faz conosco.
  19. 19. 19 ARREPENDIMENTO E CONVERSÃO Introdução: O conhecimento da Palavra de Deus, que é a verdade, nos leva a tomar consciência da nossa situação diante de Deus, proporcionando em nós a análise da importância da Salvação em nossa vida. Mediante este conhecimento, esta análise, se nós abrirmos o coração, nasce em nós um desejo ardente de acertar a nossa situação, ou seja, romper essa separação que há entre nós e Deus. I- DEFINIÇÃO DE ARREPENDIMENTO E CONVERSÃO. 1. Arrependimento (Lc. 18:13). 2. Conversão (Atos 26:20). II- QUAIS SÃO OS PROPÓSITOS DO ARREPENDIMENTO E CONVERSÃO? 1. Cancelar nossos pecados (Atos 3:19). 2. Produzir a salvação (Lc. 13:1-5). 3. Produzir cura física e emocional (Sl. 32:3; 51:1-13). III- QUAIS SÃO OS BENEFÍCIOS ADQUIRIDOS? 1. Reatamos o relacionamento com Deus (Atos 2:37-39). 2. Renovamos nossa vida com Deus (II Co. 5:17). 3. Passamos o controle de nossa vida para Cristo (Gl. 2:20). 4. Somos livres da morte eterna (Ez. 33:9,11-20; Ap. 20:6). 5. Somos perdoados e temos nossas orações atendidas (II Cr. 7:14,15). IV- COMO EXPERIMENTAR O ARREPENDIMENTO E CONVERSÃO? 1. Pela ação do Espírito Santo (Jo 16:7-11). 2. Pela ação da Palavra de Deus (Hb 4:12,13). 3. Pelo reconhecimento de que sou um pecador (Lc. 18:9-14; Rm. 3:23). 4. Pela confissão dos meus pecados (Pv. 28:13; I Jo. 1:9). Conclusão: A confissão nem sempre é fácil. É necessário coragem e humildade para admitir que erramos e confessar que pecamos. Mas, só assim alcançaremos perdão (Lv. 5:5).
  20. 20. 20 NOVO NASCIMENTO Introdução: Um dos assuntos mais importantes para meditação da mente humana é o do novo nascimento. Jesus é categórico em afirmar que todos nós precisamos nascer de novo. Não basta apenas termos um assentimento intelectual sobre quem é Jesus ou sermos convencidos de quem Ele é o do que fez por nós. É preciso que todos passemos por um processo convulsivo e compulsivo de profundo arrependimento. I- O QUE O NOVO NASCIMENTO NÃO É – JOÃO 1:12,13 1. Um processo natural (Ef. 2:1,2). 2. Um produto de um esforço de vontade. “Nem da vontade da carne”. 3. O resultado da mediação humana. “Nem da vontade do varão, mas de Deus”. II- O QUE É NOVO NASCIMENTO? 1. Novo nascimento é arrependimento (Jo. 3:5). 2. Novo nascimento é uma mudança espiritual (Tt. 3:4-6). III- COMO ACONTECE O NOVO NASCIMENTO? 1. Pela regeneração produzida pela Palavra de Deus (Tg. 1:18I; Pd. 1:23-25). 2. Pela recepção do Espírito de Deus (Jo. 16:7-15; Ef. 1:13). 3. Pela fé no sacrifício substitutivo de Cristo (Jo. 3:14-16). IV- POR QUE HÁ NECESSIDADE DE NASCER DE NOVO? 1. Por causa duma natureza espiritual que falta ao homem (Jo. 3:6). 2. Por causa dum reino espiritual que o homem natural não pode ver e no qual não pode entrar (Jo. 3:3). 3. Por causa duma vida espiritual que o homem natural não possui (Ef. 2:1-6). V- QUAIS SÃO AS BÊNÇÃOS DO NOVO NASCIMENTO? 1. A salvação (Jo. 3:15-17). 2. A absolvição do julgamento (Jo. 3:18; Rm. 8:1,2). Conclusão: Não aceitemos viver a fé Cristã superficialmente. Naveguemos em águas profundas para a glória do Deus Altíssimo.
  21. 21. 21 BATISMO NAS ÁGUAS Introdução: Para ter significação, o batismo tem de ser o testemunho público de aceitação do que Deus já efetuou em nós, para habilitar-nos a ser membros da família de Deus. Sendo assim, nosso objetivo neste estudo é o de analisarmos o significado bíblico deste rito na igreja de Deus. I- ORIGEM DO BATISMO O que significa a palavra batismo? A palavra “batizar”, usada na fórmula de Mateus 28:19,20, significa literalmente mergulhar ou imergir. Essa interpretação é confirmada por eruditos da língua grega e pelos historiadores da igreja. Mesmo eruditos pertencentes a igrejas que batizam por aspersão admitem que a imersão era o modo primitivo de batizar Qual é a origem do batismo? Como rito religioso ele se originou em tempos anteriores ao cristianismo. Foi praticado pelos Judeus como meio de receber prosélitos ao judaísmo. O batismo era também praticado pelos essênios (seita religiosa do judaísmo) em conexão com os seus ritos religiosos. II- QUE É BATISMO? 1. Batismo é confissão de fé (Atos 2:38, 41). 2. Batismo é o testemunho da morte, sepultamento e ressurreição de Cristo e expressão de novidade de vida (Rm. 6:3-6; Cl. 2:12,13). 3. Batismo é requisito prévio para unir-se à Igreja (Jo. 3:1-5). III- QUE SIGNIFICA BATISMO? 1. Ele representa que Cristo é o Senhor de nossa vida (Gl. 3:27). 2. Ele representa que pertencemos ao Corpo de Cristo (I Cor. 12:12-14). IV- COMO É MINISTRADO O BATISMO? 1. Em nome da Trindade Divina (Mt. 28:19). 2. Imersão na água (Mt. 3:13-17; Jo. 3:23). V- A CONDIÇÃO ESSENCIAL PARA SER BATIZADO 1. Crer no Evangelho (Mc. 16:16). 2. Instrução nas Escrituras (Mt. 28:20). 3. Aceitação dos ensinamento bíblicos (Atos 8:12, 35-38; 18:8). 4. Arrependimento e conversão (Atos 3:19). Conclusão: O batismo esvazia-se de conteúdo se não exprimir verdadeiramente a passagem da morte para a vida, através do arrependimento pelos pecados. A palavra “arrependimento” indica uma mudança de direção na vida da pessoa e significa muito mais do que apenas uma alteração mental de atitude, ou sentimento de remorso; significa o repúdio do modo de vida pecaminoso do ímpio.
  22. 22. 22 IGREJA – O CORPO DE CRISTO Introdução: A palavra “igreja” tem dois significados fundamentais no Novo Testamento. Na maior parte de suas ocorrências significa “congregação. Nesse sentido, a ênfase está no grupo local de cristãos, que se reúnem para adoração, companheirismo e serviço cristão (At. 8:1; Rm. 16:16). Outras vezes a palavra igreja é usada para descrever todos aqueles que aceitaram Jesus Cristo como Salvador. É o sentido global e mais amplo da palavra igreja (I Co. 15:9). I- O QUE É UMA IGREJA? 1. A igreja é um grupo de comunhão (Atos. 2:41-44). 2. A igreja é o corpo de Cristo presente no mundo (Rm. 12:3-9; I Co. 12: 12-27). 3. A igreja é um templo espiritual (I Pd. 2:5,9). II- A ORIGEM DA IGREJA DE JESUS. 1. A igreja começou em Jesus Cristo (Mt. 16:16-18). 2. O fundamento da igreja é o próprio Jesus Cristo (Ef. 2:19-22). 3. A igreja está em processo de edificação (Ef. 2:21,22). III- CARACTERÍSTICAS DA IGREJA VERDADEIRA. 1. Reconhecimento de Cristo como a cabeça do corpo ( Ef. 1:22). 2. Pregação de Cristo como Salvador e Senhor (I Co. 2:1,2). 3. Os seus membros vivem em comunhão e amor (Jo. 13:34,35). 4. Ensino da Bíblia como única regra de fé (Lc. 24:27; Atos 17:11). 5. Observância dos mandamentos de Deus (Ap. 12:17; 14:12). IV- POR QUE DEVEMOS PERTENCER À IGREJA? 1. Um membro não tem vida independente (I Co. 12:12; Ef. 4:15,16). 2. É o meio estabelecido por Deus para o nosso crescimento (Hb. 10:24,25). V- COMO PODEMOS PERTENCER À IGREJA? 1. Sendo ligados no Corpo de Cristo (I Co. 12:13). 2. Tendo convicção da salvação pela fé em Cristo (I Jo. 5:12). 3. Recebendo o batismo ordenado por Jesus (Atos 2:38). Conclusão: Vivamos diariamente o Projeto Divino como Povo de Deus.
  23. 23. 23 A CEIA DO SENHOR Introdução: A Ceia do Senhor é uma participação nos emblemas do corpo e do sangue de Jesus, como expressão de fé nele, nosso Senhor e Salvador. As passagens acerca da Ceia do Senhor encontradas em I Coríntios constituem o relato escrito mais antigo, a respeito da Ceia, em o Novo Testamento. Este rito é citado com nomes variados pelos apóstolos: 1) “O partir do pão”; 2) “A mesa do Senhor”; 3) “A Ceia do Senhor”; 4) “A Comunhão”. I- A CERIMÔNIA DA HUMILDADE – JOÃO 13:1-17 1. A ocasião. A Santa Ceia foi instituída por Jesus na noite anterior à Festa da Páscoa. Foi nessa ocasião que Ele instituiu a cerimônia da humildade para a Igreja – o Lava-pés. As circunstâncias que favoreceram este rito se deu quando os discípulos disputavam entre si sobre quem era o maior no meio deles (Lc. 22:24-27). Ao chegarem no cenáculo, para comemorarem a Ceia da Páscoa, nenhum deles ofereceu-se a lavar os pés uns dos outros, pois o ato de lavar os pés antes da refeição era comum no meio judaico, mas nem mesmo aos escravos judeus se pedia executar tarefas tão servis. Jesus, porém, demonstrou que a grandeza verdadeira consiste não no lugar onde se assenta, mas no modo como se serve. Foi desta forma que ele instituiu este rito para sua Igreja celebrar antes da Santa Ceia. 2. 3. O significado do ato. Enquanto prosseguia a disputa pelo lugar mais elevado, Jesus ajoelhou-se e lavou os pés dos discípulos. O Salvador abaixou-se para servir, demonstrando com isso o trajeto percorrido por Ele desde o trono de Seu Pai. O ato de lavar os pés demonstra assim a mais alta purificação feita na cruz do Calvário, limpando- nos dos pecados e da impureza, porém mostra-nos também a necessidade da confissão diária e reconhecimento de que constantemente nos vemos ainda enredados pelo pecado. Dessa forma podemos afirmar que o Lava-pés é uma preparação essencial para o serviço da comunhão. Pelo ato de nosso Senhor, esta cerimônia tornou-se uma ordenança consagrada. Devia ser observada pelos discípulos, a fim de poderem conservar sempre em mente Suas lições de humildade e serviço. II- COMPREENDENDO A CEIA DO SENHOR 1. A ocasião (Mt. 26:26-30; Lc. 22:17-20). 2. Os elementos usados (I Co. 11:23-25). O pão e o vinho. III- O SIGNIFICADO DA CEIA DO SENHOR – I CORÍNTIOS 11:25,26 1. Um memorial da morte de Cristo. 2. A proclamação da morte de Cristo (I Pd. 1:18-20). 3. A proclamação da vinda de Cristo. “Proclamamos a morte do Senhor até que ele venha”.
  24. 24. 24 IV- COMO PARTICIPAR DA CEIA DO SENHOR 1. Os Cristãos devem participar da Ceia como membros do corpo de Cristo (I Co. 10:16,17). 2. Fazer um exame pessoal antes da Ceia é de fundamental importância (I Co. 11:27- 28). 3. Não podemos participar da Ceia do Senhor de forma indigna (I Co. 11:29). Conclusão: Não tratemos a ceia como mero ritual mas como um instante da mais íntima comunhão com o Corpo de Cristo (nossos irmãos) e com o Senhor das nossas vidas.
  25. 25. 25 DOUTRINA DA FÉ CRISTÃ Introdução: Não existe no mundo uma única pessoa que não tenha fé; a própria vida o prova quando fazemos coisas que exigem uma certa dose de convicção. Esse é o tipo de convicção que chamamos de fé natural. Mas entre tantas demonstrações de fé, falta ainda no coração do homem aquela fé essencial, sem a qual ele não pode viver em paz: a fé em Deus. Neste estudo vamos aprender sobre a “fé” que é o termo usado para identificar a verdade que o cristão dá crédito ou como qualquer outro termo para o cristianismo (Jd. 3). I- DEFINIÇÃO DO QUE É FÉ. 1. Fé é esperança no futuro (Rm. 4:16-21; Hb. 11:17-19). 2. Fé é convicção de fatos (Hb. 11:1). II- A NECESSIDADE DA FÉ NA VIDA CRISTÃ. 1. Ela aproxima o homem de Deus (Hb. 10:22,23). 2. Ela abre o caminho da salvação (Rm. 10:8-10). III- COMO RECEBER A FÉ. 1. Pela leitura da palavra de Deus (Rm. 10:17). 2. A fé resulta de uma aceitação do testemunho ou evidência (Jo. 5:46,47). IV- FÉ E OBEDIÊNCIA. 1. A obediência da fé (Rm. 1:5; At. 6:7). 2. A obediência é simplesmente a fé em ação (Tg. 2:14-26). V- OS RESULTADOS DA FÉ. 1. A fé assegura a salvação para o homem (Atos 15:9; Ef. 2:8). 2. A fé agrada a Deus (Hb. 11:6). 3. A fé traz paz e justificação ao coração do homem (Rm. 5:1). Conclusão: A fé é indispensável a uma vida feliz, e só é feliz aquele que está em paz com Deus. Neste contato com o Criador é fundamental demonstrar fé nEle.
  26. 26. 26 A ORAÇÃO Introdução: “Oração é comunicação com Deus. É um diálogo entre duas pessoas que se amam mutuamente: Deus e o Homem”. Deus está interessado em tudo o que você faz. Assim sendo, Ele tem prazer na oração de seus filhos (Pv. 15:8). Comunicar-se com Deus é um dos grandes privilégios daqueles que já se tornaram filhos de Deus. A oração, dessa forma, é um dos elementos básicos da vida cristã. 1. Aprender a orar é uma grande necessidade (Lc. 11;1). II- PROPÓSITOS DA ORAÇÃO. 1. Glorificar a Deus (Jo. 14:13,14). 2. Satisfazer as nossas necessidades básicas (Hb. 4:16). 3. Obter respostas de Deus para situações específicas (Mt. 7:7,8). 4. Obter vitória sobre as tentações (Mt. 26:41; Ef. 6:10-18). 5. Apresentar a Deus as nossas preocupações (Fl. 4:6,7). III- SEGREDOS DA ORAÇÃO. 1. Pedir e crer (Mt. 21:22). 2. Pedir de acordo com a vontade de Deus (I Jo. 5:14,15). 3. Orar em nome de Jesus (Jo. 16:23,24). 4. Confiar na intercessão do Espírito Santo (Rm. 8:26). 5. Ser perseverante (Lc. 11:5-13). 6. Orar com sinceridade (Hb. 10:22). IV- OBSTÁCULOS À ORAÇÃO. 1. Não pedir com fé (Tg. 1:5-8). 2. Pedir com motivos errados (Tg. 4:3). 3. Pecados não confessados (Sl. 66:18; Pv. 28:13). 4. Desobediência à Lei de Deus (Pv. 28:9). 5. Usar repetições vazias e orar para agradar pessoas (Mt. 6:5-8). 6. Problemas na vida familiar (I Pd. 3:7). V- ELEMENTOS DA ORAÇÃO. 1. Louvor e adoração (Atos 16:24-26; Ap. 4:11). 2. Ações de graças (I Ts. 5:18). 3. Confissão (I Jo. 1:9). 4. Intercessão (Atos 12:5-10; I Tm. 2:1). 5. Petição (Jr. 29:12,13;Jo. 16:24). VI- QUANDO ORAR? 1. Sempre (I Ts. 5:17). 2. Momentos específicos que separamos exclusivamente para oração (Mt. 6:6). 3. Em qualquer circunstância (Ne. 2:4). 4. Publicamente (Atos 4:23-31). Conclusão: Orar é deixar Deus agir. Vivamos intensamente a nossa comunhão com quem nos criou, sustentou e comprou com o sangue de Jesus.
  27. 27. 27 O ESPÍRITO SANTO Introdução: Em todas as páginas da Bíblia encontramos referências sobre o Espírito Santo. Não poderia ser de outra maneira, pois as Escrituras Sagradas foram produzidas por seu intermédio (I Pd. 1:12). Logo no início, em Gênesis 1:2, encontramos a primeira menção da pessoa do Espírito Santo: “...o Espírito de Deus pairava sobre a face das águas.” I- O ESPÍRITO SANTO É: 1. Uma pessoa (Rm. 8:26,27). 2. Deus (Atos 5:3,4). 3. A Ele se atribuem as obras divinas (Gn. 1:2). II- NOMES DO ESPÍRITO SANTO. 1. Espírito de Deus (I Jo. 4:2). 2. Espírito de Cristo (Rm. 8:9). 3. Espírito Santo (Lc. 3:16; 12:12). 4. Consolador (Jo. 14:16). III- A OBRA DO ESPÍRITO SANTO 1. A obra do Espírito Santo na vida do ser humano (Jo. 16:8; At. 1:8;Tt. 3:5). 2. A obra do Espírito Santo na Igreja de Deus (At. 9:31; 15:28; 20:28 1 Co. 12:7-11). 3. A obra do Espírito Santo no mundo (Jo. 16:9-11). IV- O FRUTO DO ESPÍRITO SANTO – GÁLATAS 5:22, 23 1. Em seu interior. O primeiro resultado da presença do Espírito Santo no cristão é sentido através do que se manifesta em seu interior: amor, gozo e paz. 2. Em sua vida exterior. O segundo resultado manifesta-se na vida exterior: benignidade, bondade e longanimidade (longo + ânimo), 3. Em seus relacionamentos. O terceiro resultado do Espírito Santo manifesta-se no íntimo relacionamento da pessoa consigo e com os outros: fidelidade, humildade, domínio próprio. V- ATITUDES DO CRISTÃO PARA COM O ESPÍRITO SANTO 1. Devemos buscar a plenitude do Espírito (Ef. 5:18-21). 2. Não apagar a influência do Espírito Santo (I Ts. 5:19). 3. Evitar entristecer o Espírito Santo (Ef. 4:29,30). 4. Não resistir à sua voz (At. 7:51). 5. Não mentir ao Espírito Santo (At. 5:3,4). 6. Não blasfemar contra o Espírito Santo (Mt. 12:31,32). 7. Não ultrajar o Espírito Santo (Hb. 10:29). Conclusão: Que o Espírito Santo seja nosso amigo em todas as áreas de nossas vidas, aqui, como na eternidade.
  28. 28. 28 BATISMO NO ESPÍRITO SANTO Introdução: Uma das doutrinas principais das Escrituras é o batismo no Espírito Santo. Por intermédio do Espírito Santo, Deus se manifesta de maneira singular entre o povo de Sua Igreja. Assim, podemos dizer que o Espírito Santo é o agente divino para o serviço do Senhor, revestindo os cristãos de poder para realizar a obra do Senhor e dar testemunho dEle (Atos 1:8). Esta obra relaciona-se com o batismo ou com a plenitude do Espírito Santo. Vejamos, então, no que consiste o Batismo no Espírito Santo. I- O QUE É BATISMO NO ESPÍRITO SANTO 1. Batismo no Espírito Santo é uma promessa do Pai (Lc.24:49). 2. Batismo no Espírito Santo é plenitude (enchimento de poder) deste Ser Maravilhoso (At. 2:1-4). II- O BATISMO NO ESPÍRITO SANTO NAS PROFECIAS 1. O profeta Joel fala desse derramamento 750 a.C. (Joel 2:28-29). 2. O profeta Isaías também vaticinou a respeito do Espírito Santo (Is. 44:3). 3. O profeta Zacarias se referiu à promessa mencionando o tempo do cumprimento (Zc. 10:1). 4. João Batista confirmou a profecia (Mt. 3:11; Mc. 1:8). 5. Jesus testificou que ele mesmo cumpriria Sua promessa (Atos 1:4-8). III- O CUMPRIMENTO DA PROFECIA 1. O Espírito Santo seria dado após a glorificação de Jesus (Jo. 7:37-39; Atos 2:33). 2. O Batismo no Espírito Santo ocorreu no dia de Pentecostes (Atos 2:1-4). IV- A EVIDÊNCIA DO BATISMO NO ESPÍRITO SANTO 1. Em Jerusalém (Atos 2:1-4). 2. Em Samaria (Atos 8:14-20). 3. Em Cesaréia (Atos 10:44-48). 4. Em Éfeso (Atos 19:1-7). V- COMO RECEBER O BATISMO NO ESPÍRITO SANTO 1. Precisamos crer em Cristo (Mc. 16:17-18). 2. Devemos obedecer a Deus (Atos 5:32). 3. Devemos pedir o Espírito Santo (Lc. 11:13). 4. Devemos crer (Jo. 7:39; Gl. 3:14). Conclusão: Tenhamos a “vida abundante” que Cristo desejou para nós (Jo.10:10). Não aceitemos viver na periferia da fé. Deixemos Deus realizar de forma completa a Sua obra em nós.
  29. 29. 29 DONS ESPIRITUAIS Introdução: Neste estudo, nos propomos a demonstrar a importância dos dons espirituais. Segundo alguns expoentes, os dons dividem-se em ordinários e extraordinários. Na primeira classificação incluem-se os dons de natureza comum. Na segunda encontramos aqueles dons de caráter sobrenatural. Esses dons extraordinários são aqueles nove alistados em I Coríntios 12:8-10: 1) palavra da sabedoria, 2) palavra do conhecimento, 3) fé, 4) curas, 5) operação de milagres, 6) profecia, 7) discernimento de espíritos, 8) variedade de línguas, 9) interpretação de línguas. I- DIVERSIDADE DE DONS – I Coríntios 12:8-11 1. Dons de Revelação. Revelar significa: Tirar o véu; desvelar; fazer conhecer; divulgar; fazer conhecer sobrenaturalmente. Incluem a Palavra da Ciência, Palavra da Sabedoria e o Discernimento de espíritos. 2. Dons de Poder. Trata-se da virtude do Espírito; concedem poder para agir sobrenaturalmente. Incluem os Dons de Curar, Operação de Maravilhas e Fé. 3. Dons de Expressão. Expressão, nesse caso, refere-se à capacidade para falar de maneira sobrenatural. Incluem a Variedade de Línguas, Interpretação das Línguas e Profecia. II- DONS DE REVELAÇÃO 1. Palavra da sabedoria (I Co 12:8). Por esta expressão entende-se pronunciamento ou da declaração de sabedoria. Revelação ou expressão de Deus, análoga à ocasião. Necessidade de conhecer e saber “como”. 2. Palavra do conhecimento (I Co 12:8). É um pronunciamento ou declaração de fatos, inspirado dum modo sobrenatural. Em suma é saber algo que Deus sabe, saber acerca de Deus, ou acerca de outras pessoas, ou situações, e que vem somente por revelação divina. 3. Discernimento de espíritos (I Co 12:10). Este dom dá capacidade à pessoa para distinguir, para julgar se é o Espirito de Deus que está atuando ou não na vida de uma pessoa. Esse dom capacita o possuidor para “enxergar” todas as aparências exteriores e conhecer a verdadeira natureza duma inspiração ou ação. III- DONS DE PODER 1. Fé (I Co 12:9). Este Dom é uma dotação especial do poder do Espírito. Parece vir sobre alguns servos de Deus em tempos de crise e oportunidades especiais duma maneira tão poderosa, que não deixa dúvidas de que foi a ação de Deus que se fez presente. Podemos dizer que é esse tipo de fé que nos dá a palavra da divina autoridade. 2. Milagres (I Co 12:10,28). Literalmente: energia poderosa, poder dinâmico, força divina. Um poder sobrenatural, onde o poder divino é manifestado fora do comum, extraordinariamente. Outras palavras são usadas para designar esse dom: maravilhas, sinais, prodígios. 3. Dons de curar (I Co 12:9,28). Literalmente: Livramento das doenças, das piores enfermidades, males incuráveis. Dizer que uma pessoa tenha os dons, significa que são usados por Deus duma maneira sobrenatural para dar saúde aos enfermos por meio da oração. Não se deve entender que quem possui esse dom tenha o poder de curar a todos; deve dar-se lugar à soberania de Deus e à atitude e condição espiritual do enfermo.
  30. 30. 30 IV- DONS DE EXPRESSÃO - I CORÍNTIOS 12:10 1. Profecia. Falar claramente, anunciar. A profecia, geralmente falando, é expressão vocal inspirada pelo Espírito Santo de Deus. A profecia bíblica pode ser mediante revelação da Palavra do Senhor. Pode também ser extática, uma expressão de inspiração do momento. Significa também falar numa linguagem do poder do Espírito Santo. O propósito deste dom é edificar, exortar, confortar, instruir, consolar (I Co. 14:3,4,31). As profecias devem ser julgadas (I Co. 14:29) mas não desprezadas (I Ts. 5:20). 2. Línguas. Também conhecida como “variedade de línguas”. O Dom de Línguas é o poder de falar sobrenaturalmente em uma língua nunca aprendida por quem fala, sendo essa língua feita inteligível aos ouvintes por meio do Dom igualmente sobrenatural de interpretação. Seu propósito: para sinais (Mc. 16:17). Para a edificação pessoal (I Co 14:4). Para edificação, no culto público (I Co. 14:12,13,26-28,39,40). 3. Interpretação de línguas. Explicar, tornar conhecido o sentido da língua ou a sua significação. O propósito do dom de interpretação é tornar inteligíveis as expressões do êxtase inspiradas pelo Espírito Santo que se pronunciaram em uma língua desconhecida da grande maioria presente, repetindo-se claramente na língua comum ao povo congregado (I Co. 14:5). V- O PROPÓSITO DOS DONS ESPIRITUAIS 1. Para “um fim proveitoso” (I Co. 12:7). 2. Edificação (I Co.14: 12,13). 3. Para que o mundo veja os sinais (Mc. 16:15-18; Hb. 2:4). VI- A MANEIRA CORRETA DO USO DOS DONS ESPIRITUAIS 1. Valor proporcional (vs. 5-10). 2. Sabedoria (v. 20). 3. Autodomínio (v. 32). 4. Suscetível de ensino (vs. 36,37). 5. Ordem (v. 40). Conclusão Quando o Espírito Santo está operando, há uma comoção e harmonia, de tal forma que todos que participam são edificados. Sejamos instrumentos do Espírito Santo, edificando de vidas para a eternidade.
  31. 31. 31 A GRAÇA DE DEUS Introdução: Um dos mais belos aspectos da fé cristã é o da graça de Deus. A palavra graça vem do grego “charis” (ocorre 156 vezes no Novo Testamento) e significa favor imerecido, referindo-se sempre ao infinito amor de Deus e a tudo que Seu amor O levou a fazer para a nossa salvação. A graça de Deus não somente abrange o imerecido favor estendido aos pecadores, mas também a dádiva de poder habilitar Seus filhos a cumprirem a Sua vontade. Sobre este assunto existem três posições teológicas, sendo que duas são extremas, e uma moderada. I- DOUTRINAS SOBRE A GRAÇA. 1. A doutrina da segurança eterna (Rm. 6:1,2; Jd. 4). 2. A doutrina da salvação pelas obras (Gl. 5:4). 3. A doutrina da salvação pela graça (II Co. 8:9). II- A IMPORTÂNCIA DA GRAÇA NA VIDA CRISTÃ. 1. A salvação vem pela graça (Rm. 3:23,24). 2. A vida cristã depende da Graça (Tt. 2:11-14). 3. A graça é liberdade para crescer (II Pd. 3:18). 4. A graça enriquece e informa (I Co. 1:4,5, 26). 5. A graça é o poder pelo qual os cristãos realizam boas obras (II Co. 9:8,14). III- LEI E GRAÇA NO ANTIGO TESTAMENTO 1. A graça no jardim do Éden (Gn. 3:15; II Tm. 1:9). 2. A graça de Deus na morte do cordeiro (Gn. 3:21; Ap. 13:8). 3. A graça de Deus na vida de Davi (Sl. 32:1,2; 51:1-12). IV- DEBAIXO DA GRAÇA E NÃO DA LEI 1. Debaixo da lei (Rm. 6:14 a). Que significa a frase “debaixo da lei”? É evidente que em certo sentido todos os homens, a raça humana toda, estão debaixo da lei de Deus, debaixo de sua jurisdição, de seu domínio, uma vez que a Terra pertence a Deus e é parte de seu universo. 2. 3. Debaixo da graça (Rm. 6:14 b). Que significa estar “debaixo da graça”? Uma vez que a graça é definida como favor, disposição de mostrar bondade, clemência, misericórdia, perdão, favor divino imerecido pelo homem, o estar “debaixo da graça” significa estar sob o favor de Deus, sob Sua misericórdia, sob Seu perdão. Conclusão: Vivamos a liberdade doada pelo Filho de Deus (Jo. 8:32, 36) com responsabilidade.
  32. 32. 32 A LEI DE DEUS Introdução: Um dos assuntos mais importantes da teologia bíblica é a Lei. Este tema tem chamado a atenção de estudiosos desde o início da história do cristianismo.Na língua hebraica a palavra “lei” tem um sentido bastante abrangente designando um ensinamento dado por Deus para regular a conduta do homem. Pode-se dizer que a lei, dada a Israel sob a liderança de Moisés, é o eixo central do qual circula toda a vida do povo escolhido por Deus.A lei dos mandamentos também ocupa papel importante no Novo Testamento. Em resumo, pode-se dizer que, na visão do Novo Testamento (especialmente nos escritos de Paulo), ela tem o objetivo de apontar para Cristo, o único que pode salvar. “Porque a finalidade da Lei é Cristo para justificação de todo o que crê” (Rm. 10:4, A Bíblia de Jerusalém). I- A CLASSIFICAÇÃO DA LEI Mesmo um exame superficial dos textos que falam sobre este assunto, é capaz de mostrar como a lei do povo de Israel era ampla o bastante para cobrir uma vasta área de atividades. Um certo estudioso da Bíblia sugeriu que a lei do Antigo Testamento pode, significativamente, dividir- se em três aspectos: Cerimonial (as observâncias rituais que apontavam para a frente, para a expiação final em Cristo); Judicial ou Civil (as leis que Deus prescreveu para uso no governo civil de Israel), e Moral (corpo de preceitos morais de aplicação universal, permanente, a toda a humanidade). Poderíamos ainda classificarmos a Lei da seguinte forma: 1. Criminal ou Civil. O aspecto, dessa lei, abrange os preceitos dados a Israel para o governo do seu estado civil. Previa, inclusive, pena de morte para alguns delitos (Êx. 21:12,15,17; 22:18,20; Lv. 20:10-16,27, etc.). 2. Circunstancial. Lei que deveria ser aplicada conforme o caso, a circunstância ou a situação. Geralmente inicia-se com um “se”, que transmite idéia de condição. Os seguintes textos dão vários exemplos de leis circunstanciais (Êx. 22:1-17; Dt. 15:12-17). 3. Familiar. A instituição familiar tinha grande peso na vida do povo de Israel. Por isso havia leis que regulamentavam, por exemplo, o castigo aos filhos rebeldes (Dt. 21:15- 21), a castidade e o casamento (Dt. 22:13-30), a herança dos filhos primogênitos 4 Cerimonial. Outro aspecto importantíssimo da vida de Israel era o culto ao Senhor. Diversas leis, que tratavam do ritual de culto, abrangiam os vários sacrifícios e ritos cerimoniais que serviram como figuras ou tipos que apontavam para o Redentor vindouro, conforme Hebreus nos capítulos 7 a 10. Vários textos do Antigo Testamento confirmam que os israelitas tinham concepção do significado espiritual desses ritos e cerimônias (Lv. 20:25,26; Sl.26:6; 51:17; Is. 1:16). Diversos textos do Novo Testamento diferenciam o aspecto cerimonial da lei e apontam para seu cumprimento em Cristo (Ef. 2:14,15; Hb. 7:26-28; 9:9-15; 10:1-12). 4. Sanitárias e alimentar. Havia também as chamadas “leis sanitárias”, que regulamentavam sobre a higiene, a alimentação, etc. Como exemplos de leis sanntares pode-se citar as coletâneas de leis que aparecem em Levítico 5. Caridade. Outra característica da lei de Israel, que freqüentemente é ignorada, é o aspecto humanitário que ela apresenta. Estas leis incluíam proteção aos fracos – viúvas, órfãos, levitas e estrangeiros (Êx. 22:21-24); justiça para com os pobres (Ex. 22:25); imparcialidade (Ex. 23:6-8); generosidade por ocasião da colheita (Lv. 19:9-10); respeito pelas pessoas e pela propriedade, mesmo de um inimigo (Ex. 23:4,5); o pagamento imediato de salários ganhos pelo trabalhador contratado (Lv. 19:13); sensibilidade para com as pessoas de quem se tomavam objetos como penhor (Ex. 22:26,27); consideração para com as pessoas recém-casadas (Dt. 20:5-7; 24:5) e até mesmo cuidado para com os animais, domésticos e selvagens, e com as árvores frutíferas (Dt. 20:19,20; 22:6,7; 25:4).
  33. 33. 33 6. Moral. Diz respeito aos Dez Mandamentos (Ex. 20:1-17). Esta lei reflete a natureza e perfeição moral de Deus. Uma vez que a natureza moral de Deus permanece inalterável, Sua lei também o é, e ela é tão aplicável ao crente hodierno quanto o foi aos crentes aos quais foi dada. O cristão está justificado do poder condenador da lei (Rm. 8:1-3), mas ainda permanece sob sua ordem de obediência como guia para a vida reta diante de Deus (Rm. 3:31; I Co. 6:9-20). II- CONTRASTE ENTRE A LEI MORAL E CERIMONIAL 1. A Lei Moral (Ex. 20:1-17). A Lei Moral, os Dez Mandamentos, chamamos Lei de Deus. Esta lei vem da eternidade. Os princípios desta lei são a base do governo de Deus. Foi escrita pelo “dedo de Deus” em duas “tábuas de pedra” (Êx. 31:18), denotando, com isso, sua autoria e tempo de duração (eterna). É denominada: “a Lei Real” (Tg. 2:8). Ela era guardada dentro da Arca da Aliança, a qual foi vista por João, na sua visão, no templo de Deus (Êx. 40:20; Ap. 11:19). É uma lei perfeita (Sl. 19:7,8). Nem tampouco é anulada pela fé (Rm. 3:31). 2. A Lei Cerimonial (Ef. 2:15; Cl. 2:14). A Lei Cerimonial continha sete sábados semanais (Lv. 23:27; 23:32); foi desfeita por Cristo em seu sacrifício. Foi escrita por Moisés num livro, o qual foi colocado ao lado da Arca da Aliança (Dt. 31:9,24-26), denotando com isso a temporalidade da lei, freqüentemente chamada de “Lei de Moisés” – título dado aos cinco primeiros livros do Antigo Testamento(Atos 15:5), veio a existir depois da queda do homem. A Lei Cerimonial “nenhuma coisa aperfeiçoou” (Hb. 7:19). Esta lei “consistia em manjares e bebidas, e várias abluções e justificações da carne” e sacrifícios, destinava-se a chamar a atenção para a primeira vinda de Jesus (Hb. 9:10). Com Sua morte, essa lei foi “cravada na cruz”; era transitória (Hb. 10:1). III- A NATUREZA DA LEI DE DEUS 1. A lei é eterna e imutável (Mt. 5:18). 2. A lei é santa e justa (Rm. 7:12). 3. A lei é espiritual (Rm. 7:14). 4. A lei é boa (Rm. 7:16; I Tm. 1:8). IV- OS PROPÓSITOS DA LEI 1. Santificação (Lv. 20:7,8). 2. Apontar o pecado (Gl. 3:19). 3. Conduzir a Cristo ( Rm. 10:4 ;Gl. 3:24). V- CRISTO E A LEI 1. Jesus viveu sob a Lei (Gl. 4:4,5). 2. Jesus não ab-rogou a Lei (Mt. 5:17-19). 3. Jesus resumiu a Lei em dois mandamentos (Mt. 22:34-40). Conclusão: É impossível viver sem lei civil, moral e espiritual. Vivamos com temor a nossa jornada Cristã.
  34. 34. 34 IDOLATRIA Introdução: Ao olharmos os ensinos bíblicos nos mandamentos do Senhor, encontramos de início a afirmação ao povo que deseja ser povo de propriedade exclusiva de Deus. Que deseja servir amorosamente Àquele que os libertou do cativeiro, da escravidão e da manipulação religiosa: “Não terás outros deuses diante de mim” (Êx. 20:3). O desafio deste texto inicial da Lei Moral, era promover a libertação interior do povo da idolatria e de toda forma de culto que não poderia subsistir na vida daqueles que foram libertos e resgatados pelo Único Deus, Vivo e Verdadeiro. I- DEFINIÇÃO DE IDOLATRIA Ídolo é uma imagem, uma representação de algo, ou um símbolo que seja objeto de devoção passional, quer material, quer imaginado. De modo geral, idolatria é a veneração, o amor, a adoração ou reverência a um ídolo. A idolatria geralmente envolve alguma formalidade, cerimônia ou ritual.Os termos hebraicos usados para se referir a ídolos não raro sublinhavam a origem e a inerente inutilidade dos ídolos, ou então eram termos depreciativos. Entre estas há palavras traduzidas por “imagem esculpida ou entalhada” (literalmente: algo esculpido); “estátua, imagem ou ídolo fundidos” (literalmente: algo lançado ou despejado); “ídolo horrível; “ídolo vão” (literalmente: futilidade); e “ídolo sórdido”. “Ídolo” é a tradução usual da palavra grega “eídolon”, e significa “imagem, falso deus”. Idolatria, no sentido deste estudo, é o desvio da verdadeira adoração a Deus. II- CONCEITO BÍBLICO SOBRE A IDOLATRIA 1. Termos desprezíveis para os ídolos. Nas Escrituras, mencionam-se repetidas vezes os deuses falsos e os ídolos com termos de desprezo, como sendo imprestáveis (I Cr. 16:26); horríveis (I Re. 15:13); impudência (vergonhosa cousa) (Jr. 11:13); detestáveis (Ez. 16:36,37) e repugnantes (Ez. 37:23). 2. A descrição da idolatria na Bíblia. A idolatria é descrita como: Uma abominação a Deus (Dt. 7:25,26); odiosa a Deus (Dt. 16:22; Jr. 44:3,4); sanguinária (Ez. 23:39); sem proveito (Is. 46:7); irracional (At. 17:29); contaminadora (Ez. 20:7; 36:18). 3. O conceito de Deus sobre os ídolos (Is. 44:9-20). O próprio Deus nos leva a uma análise crítica sobre a idolatria, mostrando-nos como pode um ser tão inteligente, como o homem, adorar “coisas” feitas de madeira, pedra ou metal. Ele faz afirmações contundentes sobre os ídolos, dizendo que: a) eles não têm serventia; b) não têm vida nem sentidos (Sl. 115:4-8); c) servem para confundir e envergonhar; d) é feito por homens fracos e mortais; e) são feitos de materiais comuns e perecíveis; f) demonstram a insensatez do homem. Deus condena claramente a procissão de imagens de escultura (Is. 45:20), e ainda afirma que a imagem é mentira, pois não há vida nelas (Jr. 51:17,18). 4. A denúncia do profeta Jeremias (Jr. 44:17-26). A imagem de uma mulher com um menino no colo já era adorada nos tempos do profeta Jeremias. O nome da mulher era Semírames e o nome do menino era Tamúz. Com a “conversão” do Império Romano ao Cristianismo, mudou-se o nome da mulher e também do menino (Maria e Jesus), mas a imagem é a mesma. Até hoje é sustentado, pela tradição, a cor das vestes da Rainha do céu (Jr. 10:1-15). Os homens, no tempo de Jeremias, já se ajoelhavam diante das imagens e adoravam-nas (Jr. 1:16). 5. O conceito dos Santos Apóstolos (Rm. 1:21-23). No conceito do apóstolo Paulo,idolatria é: a) desconhecimento de Deus; b) adoração falsa; c) falta de gratidão a Deus; d) insensatez;
  35. 35. 35 e) loucura; 6. f) degeneração. Paulo e Barnabé, após terem efetuado um milagre de cura, recusaram a adoração por parte da sociedade de Listra (Atos 14:8-18). O apóstolo Pedro também recusou adoração, por também ser homem (Atos 10:25,26). Os próprios anjos de Deus não aceitaram adoração humana (Ap. 22:8,9; Mt. 4:9-10). Os fabricantes de imagens consideravam o cristianismo como uma ameaça a seu lucrativo negócio (Atos 19:23-27). 7. Com relação à idolatria, os cristãos devem: Resguardar-se dela (Js. 23:7); não ter pacto com os idólatras (Êx. 34:16). Os servos do Senhor precisam guardar-se dos ídolos (I Pd. 4:3; I Jo. 5:21), até mesmo hoje em dia. III- PRIMÓRDIOS DA ADORAÇÃO DE ÍDOLOS NA HISTÓRIA BÍBLICA 1. Idolatria antediluviana (Gn. 3:6,17; 6:3-5,11-13; Is. 14:12-14; Ez. 28:13-15,17). 2. A Idolatria nos tempos patriarcais (Gn. 10:9; 11:1-9, 27,28; Js. 24:2). 3. Idolatria nos tempos da Lei (Êx. 20:1-6; Dt. 7:5,6; 29:17). IV- FORMAS DE IDOLATRIA 1. Prostituição cerimonial, o sacrifício de crianças, a bebedice e a autofragelação, a ponto de sangrar (I Re. 14:22-24; 18:28; Jr. 19:3-5; Os. 4:13,14; Am. 2:8). 2. Veneração dos ídolos, por partilhar com eles a comida e a bebida em festividades ou cerimônias em sua honra (Êx. 32:6; I Co. 8:10). 3. Curvar-se e oferecer sacrifícios aos ídolos, por meio de cânticos e danças diante de tais, a até mesmo por beijá-los (Êx. 32:8,18-20; I Re. 19:18; Os. 13:2). 4. Praticava-se também idolatria por preparar uma mesa com alimentos e bebidas para os deuses falsos, por fazer ofertas de bebidas, de bolos sacrificiais e de fumaça (incenso) sacrificial, e por chorar em cerimônia religiosa (Is. 65:11; Jr. 7:18; 44:17; Ez. 8:14). 5. A idolatria também consistia na adoração de corpos celestiais (astrologia), tais como a lua, o sol e as estrelas (Ez. 8:16; Dt. 4:15,19; 17:2,3; II Re. 17:16). 6. Adoração de animais, anjos, demônios e homens (Sl. 106:19,20,28; Cl. 2:8; Ap. 9:20). 7. Consistia também em fazer o filho passar pelo fogo, consultar adivinhos (búzios, tarô, sortes etc.), prognosticador (astrologia), agoureiros e feiticeiros; procurar encantadores, mágicos e necromantes (Dt. 18:10-14). V- AS CONSEQÜÊNCIAS DA IDOLATRIA 1. Desvia-se da verdadeira adoração a Deus (Jo. 4:23,24). 2. Presta-se culto aos demônios (I Co. 10:14,19-22). 3. Desfaz-se do verdadeiro mediador entre o homem e Deus (I Tm. 2:5). 4. Não herda-se o Reino dos Céus (I Co. 6:9,10; Ap. 21;8). Conclusão: Adoremos e sirvamos exclusivamente àquEle que sonhou conosco desde os tempos eternos para honrar e testemunhar do Seu poder.
  36. 36. 36 O DIA DO SENHOR Introdução: Vamos tratar de um assunto relevante, o Sábado. Um estudo cuidadoso a este respeito, tanto do ponto de vista doutrinário como histórico deixará bem claro que o dever do homem de guardar o Sábado permanece enquanto ele existir sobre a terra.A palavra “Sábado” vem do hebraico “shabath”, significa: desistir, cessar, acabar, pausa, interromper, donde vem a idéia de descanso. Logo depois que se completou a grande obra da criação, foi instituído o Sábado (Gn. 2:1-3), e, por causa da sua origem divina, é dia que se deve santificar perpetuamente. I- A INSTITUIÇÃO DO SÁBADO – GÊNESIS 2:1-3 1. O Sábado foi instituído no fim da Criação. 2. O Sábado foi abençoado e santificado por Deus. II- O SÁBADO NO ANTIGO TESTAMENTO 1. O Sábado foi observado por Abraão, o pai da fé (Gn. 26:5). 2. O Sábado foi observado antes de ser dada a lei no Monte Sinai (Êx. 16:4,5,16-30). 3. A observância do Sábado foi incluída no quarto mandamento da Lei de Deus (Êx. 20:8-11). III- CRISTO E O SÁBADO 1. O Sábado foi observado por Jesus em seu ministério terreno (Lc. 4:14-16,31). 2. O Sábado, e todos os demais mandamentos, foram defendidos por Jesus (Mt. 5:17-20). 3. Jesus reafirmou a verdadeira instituição do Sábado (Mc. 2:23-28). ] IV- OS APÓSTOLOS E O SÁBADO 1. O Sábado foi observado pelos seguidores de Jesus após sua morte (Lc. 23:54-56). 2. O Sábado foi observado pelos Apóstolos em Antioquia (Atos 13:14,15; 42-44). 3. O Sábado era observado mesmo onde não havia Igreja (Atos 16:12-15). 4. O Sábado foi também observado em Tessalônica e Corinto (Atos 17:1,2; 18:1,4,11). V- TIRANDO DÚVIDAS SOBRE O SÁBADO 1. Diferença entre o Sábado moral e os Sábados cerimoniais (Ez. 20:12,20; Os. 2:11). 2. O Sábado que foi abolido por Deus (Cl. 2:14-17). 3. A instituição do Domingo como dia de guarda (Dn. 7:25). Conclusão: Deus quer que tenhamos uma vida sadia. O sábado faz parte deste projeto. Sejamos física, emocional e espiritualmente equilibrados para louvor do Senhor, que tudo fez perfeito para sermos felizes.
  37. 37. 37 O DIA DA MORTE DE JESUS Introdução: Em que dia morreu e ressuscitou Jesus Cristo? Para a maioria dos cristãos a resposta à esta pergunta é: “morreu na Sexta-feira e ressuscitou no Domingo de Páscoa”. Porém não é tão simples assim. Examinando as Escrituras encontraremos a verdade sobre o dia da morte de Jesus na Cruz. O presente estudo tem como objetivo examinar uma série de textos bíblicos que o farão entender melhor os fatos que envolveram a pessoa de Cristo com relação à sua morte e ressurreição. I- A PÁSCOA: SUA RELAÇÃO COM A MORTE DE CRISTO 1. A instituição da Páscoa (Êx. 12:1-14; Dt. 16:6,16; Nm. 28:17,18). 2. Os elementos da Páscoa (Êx. 12:5). 3. A morte de Jesus e sua relação com o Páscoa (I Co. 5:7). II- A DETERMINAÇÃO DA DATA DA MORTE DE JESUS 1. A profecia de Daniel (Dn. 9:24-27). O anjo explicou a Daniel que passaria 69 semanas proféticas desde a saída da ordem de restaurar e edificar Jerusalém até ao Messias, o Príncipe. Na profecia de Daniel, a palavra semana, segundo se entende no contexto, significam 7 anos. Tomando isso por base, faremos o cálculo para saber o tempo em que apareceria o Messias. Segundo as Escrituras, desde que se deu a ordem para a restauração de Jerusalém nos dias do rei Artaxerxes, que foi no ano 457 a.C. (Ne. 2:1), até o dia quando chegasse o Messias, passariam 483 anos (69x7 = 483 – 457 = 26). Este tempo cumpriu-se literalmente no batismo de Jesus, quando João o batizou no rio Jordão, iniciando, assim o seu ministério no outono do ano 27 d.C. Segundo a profecia, o Príncipe seria tirado (morto) no meio da septuagésima semana profética, ou seja, três anos e meio depois do concerto, o que se deu no ano 31 d.C. 2. A ano da Sua morte (Lc .3:1-3). Lucas declara que João Batista começou a batizar no décimo quinto ano do reinado de Tibério César, o imperador romano. Isso ocorreu 15 anos após o ano 12 d.C., quando começou a reinar com Augusto. Portanto, temos aqui o ano do batismo de Jesus, que se deu no ano 27 d.C. O ministério de Jesus foi de três anos e meio, o que somado aos 27, somos transportados ao ano 31 d.C. Sendo assim, temos o ano 31 como sendo o ano da morte de Cristo. 3. O sinal da sua morte (Mt. 12:40). Há três palavras gregas para designar milagres: a) “teras”, coisa maravilhosa; b) “dunamis”, poder maravilhoso; c) “semeion”, uma prova ou sinal sobrenatural. Os judeus pediram um sinal para Jesus. Para confirmar a obra de Jesus, haveria o maior prodígio de todos. O tempo de permanência na sepultura foi dado por Jesus como o sinal da Sua messianidade. Esse tempo seria, segundo Jesus, de três dias e três noites. A analogia a Jonas serviu ao propósito de Jesus para apontar para Sua ressurreição. III- O MINISTÉRIO DA ÚLTIMA SEMANA 1. Sexta-feira anterior à morte (Jo. 12:1; Lc. 13:22). Jesus saiu de Efraim e se dirigiu para Betânia. Isso ocorreu 6 dias antes da comemoração da Páscoa dos judeus. Isto significa que a referida saída ocorreu no dia 9. O percurso entre Efraim e Betânia não poderia ser feito senão em um dia comum de trabalho, em razão da distância, cerca de vinte quilômetros.
  38. 38. 38 2. Sábado anterior à morte (Lc. 13:10, 31-33; 14:1; 18:31-34; 19:1-5). Jesus ensina numa sinagoga. Neste mesmo dia vamos encontrá-lo participando de um banquete. De acordo com o costume judaico, o Senhor não teria prosseguido com Sua viagem no Sábado. No final daquele Sábado, Jesus foi informado de que Herodes procurava ocasião para matá-lo, e isso fez com que se retirasse dali com Seus discípulos para Jericó (Mc. 10:46,51-52). Porém, antes de sair, mandou dizer a Herodes que tinha uma agenda a ser cumprida, abrangendo três dias de intensa atividade e que só depois disso, seria consumado. Naquela noite, Jesus pousou na casa de Zaqueu, em Jericó. 3. Primeiro dia da semana anterior à morte (Mt. 20:29; 21:1-11). Pela manhã do primeiro dia da semana, Jesus juntou-se à uma caravana de peregrinos vindo da região da Peréia, dalém do Jordão, e com eles entrou em Jerusalém, montado em um jumentinho. Nesse mesmo dia expulsou os cambistas do templo (Lc. 19:45,46). À noite, retirou-se para Betânia, onde pousou (Mc. 11:11). Chegava ao fim o primeiro dia da sua agenda de trabalhos mencionada em Lucas 13:31-33. 4. Segunda-feira anterior à morte (Mt. 26:1, 14-16, 22). Jesus voltou à Jerusalém na manhã de Segunda-feira, dia 12 de Abibe, indo ao templo, onde ficou ensinando (os ensinos são os que estão em Mateus 21:23 a 25:46). Mateus registra que “daqui a dois dias é a Páscoa...”. E ele ainda acrescenta que é nesse dia que “o Filho do homem será entregue para ser crucificado”. Isto iria ocorrer no dia 14 de Abibe, numa Quarta-feira, o último dos 6 dias de João 12:1 e também o último dos 3 dias mencionados em Lucas. Ainda nesse mesmo dia Judas procurou o príncipe dos sacerdotes para combinar o preço da traição. 5. Terça-feira anterior à morte (Lc. 22:17-19). Ao pôr-do-sol daquele dia Jesus mandou preparar o local dos preparativos da Páscoa que seria comido ao entardecer do dia 14. Jesus, porém, antecipou para a noite do dia 13 (Terça-feira), comendo assim a Páscoa com seus discípulos uma noite antes do normal. Depois levantou-se da mesa e lavou-lhes os pés (Jo. 13:1-17) e instituiu a Santa Ceia (Mt. 26:26-29). Logo após anunciou a traição dando um bocado de pão a Judas que saiu para chamar os soldados, “e era já noite” (Jo. 13:30). Jesus deu as últimas instruções aos Seus discípulos (Jo. 13:31 a 17:26). Depois saiu com eles para além do ribeiro de Cedrom, onde havia um horto “e Judas, que o traia, também conhecia aquele lugar” (Jo. 18:1,2). Logo após, Judas chega com soldados, “a coorte e oficiais dos principais sacerdotes e fariseus, veio ali com lanternas, tochas e armas” para prenderem a Jesus. Os discípulos fogem, deixando Jesus sozinho. Ainda nessa mesma noite, Ele foi levado perante Anás (Jo. 18:3,12,13). IV- O DIA DA MORTE E RESSURREIÇÃO DE JESUS Já pudemos observar que a última Páscoa comemorada por Jesus ocorreu no ano 31 d.C., e o cordeiro pascal, segundo as Escrituras, devia morrer exatamente no dia 14 do mês de Abibe. Vejamos agora em que dia ocorreu a morte do nosso Salvador. 1. O dia da Sua morte (Lc. 22:66-71; 23:6-12; Jo. 18:39,40). Cedo, de manhã, na Quarta-feira, dia 14 de Abibe, Jesus foi levado da casa de Caifás para a audiência com Pilatos. Antes, passou pelo julgamento formal diante do Sinédrio. Pilatos enviou Jesus a Herodes. Herodes enviou Jesus novamente a Pilatos, que soltou a Barrabás (Mt. 27:15,16,26). Jesus é coroado, espancado e forçado a levar a cruz até o monte do Gólgota, onde é crucificado entre dois ladrões (Mt. 27:27-38), e desde a hora sexta (meio-dia) até a hora nona (três horas após meio-dia) houve trevas. Houve um grande terremoto e o véu do templo se rasgou em duas partes (Mt. 27:45,51). À hora nona Jesus expirou, e caindo a tarde, José de Arimatéia foi ter com Pilatos para pedir o corpo de Jesus.

×