Proposta de Trabalho de Conclusão de Curso
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Proposta de Trabalho de Conclusão de Curso

on

  • 2,697 views

 

Statistics

Views

Total Views
2,697
Views on SlideShare
2,697
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
38
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Proposta de Trabalho de Conclusão de Curso Proposta de Trabalho de Conclusão de Curso Document Transcript

  • Área: Informática em SaúdeOrientador: Fábio Bif Goularte B2. PROPOSTA DE TCCTÍTULO DO PROJETOEstudo da aplicação de um padrão de vocabulário clínico em um Sistema de RegistroEletrônico em Saúde. OBJETO DE ESTUDO1. Informática em Saúde;2. Sistema de Registro Eletrônico em Saúde – SRES;3. Padrões de Vocabulário em Saúde;4. Snomed.DEFINIÇÃO DO PROBLEMA 1 A Saúde é uma das áreas onde há maior necessidade de informação para a 2 tomada de decisões. A Informática Médica é o campo científico que lida com recursos, 3 dispositivos e métodos para otimizar o armazenamento, recuperação e gerenciamento 4 de informações biomédicas. O crescimento da Informática Médica como uma disciplina 5 deve-se, em grande parte: aos avanços nas Tecnologias de Informação e Comunicação 6 (TICs), à crescente convicção de que o conhecimento médico e as informações sobre os 7 pacientes são ingerenciáveis por métodos tradicionais baseados em papel, e devido à 8 certeza de que os processos de acesso ao conhecimento e tomada de decisão 9 desempenham papel central na medicina moderna.10 Dentre as áreas da saúde em que a informática é aplicada está a de Prontuário11 Eletrônico do Paciente (PEP), onde são desenvolvidos Sistemas de Registro Eletrônico12 em Saúde (S-RES) com o objetivo de substituir o prontuário de papel.13 Essa mudança é eminente, devido a alguns problemas que os prontuários14 físicos apresentam, como o difícil transporte; no caso do prontuário eletrônico é possível15 acessá-lo de qualquer lugar tendo um computador e acesso a internet. O prontuário de16 papel também demanda grandes espaços físicos de armazenamento. Além disso, nos17 textos, há uma variação na ordenação e nas terminologias, havendo particularidade de18 quem os escreve. Muitas vezes, a grafia torna-se incompreensível para outras pessoas,19 a falta de padrões causa perda de dados e ambigüidade.20 Um estudo feito recentemente pela Universidade Federal de São Paulo21 (Unifesp) mostra bem isso. O resultado revelou que menos de 34% dos prontuários22 físicos foram interpretados da maneira correta. Entre os eletrônicos, a taxa de acerto23 chegou a 67% (VIEIRA, 2007).24 Para que fosse possível o desenvolvimento desses sistemas, o Conselho25 Federal de Medicina (CFM) e a Sociedade Brasileira de Informática em Saúde (SBIS)26 estabeleceram um convênio de cooperação técnica para desenvolver o manual de27 certificação de S-RES.28 Quando um S-RES é desenvolvido sem levar em consideração as normas do29 CFM e da SBIS, a troca de informações entre os sistemas fica prejudicada, essa30 incompatibilidade pode causar alguns problemas, como a perda da integridade dos31 dados.32 Dentre os padrões na área da saúde, existem os de Vocabulários Clínicos, que33 tem como fim a padronização dos termos clínicos. Esses vocabulários devem atender34 critérios como validade, especificidade, recuperação de dados e facilidade de35 comunicação. Acrescenta-se ainda que, um vocabulário clínico deve ser simples de36 entender, fácil de codificar e intuitivo aos profissionais de saúde (MARIN, 2000).37 Os vocabulários clínicos tem como finalidade nos S-RES padronizar os termos
  • 38 médicos de forma que em qualquer sistema seja possível chegar a mesma informação,39 através de um código é possível chegar a definição de uma doença ou exame, por40 exemplo.41 Os vocabulários clínicos mais conhecidos são: Classificação Internacional de42 Doenças (CID), Nomenclatura Sistematizada da Medicina (SNOMED), desenvolvido pelo43 Colégio Americano de Patologia, o Unified Medical Language System (UMLS), que44 contém uma coleção de dicionários, sendo desenvolvido pela National Library of45 Medicine e o Vocabulário da base de dados de identificadores universais para resultados46 de testes laboratoriais e clínicos (LOINC).47 Nas Clínicas Integradas da UNESC está sendo implantando um S-RES que48 conta com uma base de dados de pacientes atendidos desde 2004 até o presente. Está49 base contempla o padrão CID, porém, este padrão apresenta algumas limitações quando50 comparado a outros. Uma dessas limitações é não possuir uma descrição detalhada das51 doenças como existe no padrão Snomed.52 Sendo assim, este trabalho tem por fim a inserção do padrão de vocabulário53 clínico Snomed no S-RES das Clínicas Integradas da Unesc. A aplicação desse padrão54 irá atender a exigência do Ministério da Saúde para que o S-RES possa ser certificado55 de acordo com o manual desenvolvido pelo CFM e pela SBIS, além de trazer definições56 mais completas dos termos clínicos. Esta aplicação será feita com a indexação da base57 de dados do Snomed ao S-RES, isto é, as codificações e definições de termos clínicos58 do Snomed serão adicionadas ao Sistema das Clínicas. A interação dos usuários com59 essa base será feita através de um campo que virá a ser desenvolvido e inserido no S-60 RES neste trabalho, onde, por exemplo, um aluno, atendente no ambulatório médico,61 poderá adicionar o Snomed a consulta de um paciente através de um botão que também62 virá a ser criado neste trabalho, ou seja, uma doença diagnosticada, identificada por um63 código do Snomed, será inserida ao PEP, semelhante ao que já existe do vocabulário64 clínico CID. OBJETIVO GERALAplicar o padrão de vocabulário clínico Snomed em um sistema de registro eletrônico emsaúde. OBJETIVOS ESPECÍFICOS1. Analisar os aspectos relacionados a informática em saúde e ao S-RES;2. Compreender os padrões de saúde;3. Comparar os principais vocabulários clínicos;4. Apresentar a aplicação do padrão de vocabulário Snomed em um S-RES;5. Avaliar a utilização do Snomed na prática através do S-RES das Clínicas Integradas daUnesc, verificando, através dos usuários, as vantagens deste padrão.JUSTIFICATIVA 1 O desenvolvimento e a utilização de padrões para dados produzidos na área de 2 saúde são guiados pela necessidade de representar de forma coerente e com precisão a 3 comunicação da informação, garantir o armazenamento, a recuperação efetiva desses 4 dados e principalmente, permitir a interoperabilidade entre diferentes sistemas de 5 informaçã (RICHESSON, KRISCHER, 2007). 6 Dessa forma, essa padronização possibilita a troca de informações, 7 uniformização de dados, aperfeiçoamento de dados estatísticos e epidemiológicos, 8 análise dos dados, redução dos custos administrativos, além de agilizar o atendimento 9 ao paciente. Um bom exemplo das vantagens da padronização é um médico poder10 acessar o prontuário de um paciente através do S-RES do hospital onde ele está,11 fazendo a comunicação com o S-RES do hospital onde foi feito originalmente o registro12 médico do paciente.13 A padronização da linguagem utilizada na área da saúde é um grande desafio
  • 14 da informática em medicina, devido à complexidade inerente a linguagem e às15 informações envolvidas (RICHESSON, KRISCHER, 2007).16 Por isso, há necessidade da criação de padrões de vocabulários para termos17 clínicos. Através da padronização, os médicos podem ter um melhor entendimento dos18 dados dos paciente e poderam fazer um diagnóstico de forma mais ágil e precisa. A19 consulta a informações se torna mais refinada, trazendo resultados mais relevantes,20 eliminando dados que não interessam.21 A Nomenclatura Sistematizada da Medicina (Snomed) é uma das mais22 completas nomenclaturas multiaxiais criadas para indexar o conjunto de registros23 médicos. É composta por dezenove eixos hierárquicos e várias subclassificações24 (JAMES et al, 2008).25 A Organização Internacional de Desenvolvimento de padrões e Terminologia26 em Saúde (IHTSDO) anunciou no dia 22 de julho de 2010 um acordo de colaboração27 com a Organização Mundial da Saúde (OMS) para harmonizar as classificações da OMS28 e Snomed.29 Esse padrão já é usado em mais de 50 países ao redor do mundo e será30 adotado como um dos padrões para certificação dos S-RES pelo Ministério da Saúde31 (MS). Atualmente a Snomed é distribuída em quatro idiomas (alemão, inglês, espanhol e32 chinês), e com a adoção desse padrão pelo MS, está sendo feita uma tradução para o33 Português.34 O ambulatório médico das Clínicas Integradas é responsável por prestar35 atendimento a comunidade de Criciúma e região nas mais diversas especialidades,36 como cardiologia, pediatria, pneumologia, endocrinologia, gastroenterologia, entre37 outras. Este atendimento é realizado por acadêmicos do Curso de Medicina e38 Responsáveis, sendo de extrema importância para pesquisa e estudos.39 Portanto, o SRES se torna uma ferramenta de significativa relevância para40 funcionários, professores, estudantes e bolsistas ligados as Clínicas e também a41 população atendida. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA1. Informática em saúde;2. Sistemas de Registro Eletrônico em Saúde;3. Padrões em saúde; 3.1 Padrões de vocabulário e terminologias clínicas; 3.2 Snomed;4. Trabalhos Relacionados;5. Trabalho Proposto. METODOLOGIA1. Realizar levantamento bibliográfico;2. Realizar um estudo para compreender o que são os padrões em saúde e de vocabulárioclínico;3. Descrever os padrões;4. Estudar o padrão Snomed;5. Indexar a base do Snomed ao S-RES;6. Desenvolver e inserir um campo e um botão no S-RES para a interação do usuário com oSnomed;7. Descrever os testes e resultados alcançados;8. Elaborar o TCC. RECURSOS NECESSÁRIOS1. Hardware - Computador com configuração básica;
  • 2. Software - Linguagem de Programação PHP; - Ambiente de Desenvolvimento Integrado; - Sistema Gerenciador de Banco de Dados;3. Humano - Usuários do S-RES do Ambulatório Médico da Unesc; DISPONIBILIDADE DOS RECURSOS CITADOSOs recursos de hardware são disponibilizados pela universidade e pelo próprio acadêmico,enquanto os recursos de software estão disponíveis gratuitamente na internet. Os recursoshumanos podem ser funcionários, bolsistas ou alunos da Unesc.CRONOGRAMA Etapas 2011/02 2012/01 2012/02 Jun Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Levantamento Bibliográfico Realizar um estudo para compreender o que são os padrões em saúde e de vocabulário clínico Descrever os padrões Estudar o padrão Snomed Indexar a Base do Snomed ao S- RES Desenvolver e inserir um campo e um botão no S- RES para a interação do usuário com o Snomed Descrever os testes e resultados alcançados Redação Final do TCC Elaboração da Apresentação para Defesa PúblicaBIBLIOGRAFIABACLAWSKI, Kenneth; NIU, Tianhua. Ontologies for bioinformatics. Massachusetts: TheMIT Press, 2006.BEMMEL, J.H. van; MUSEN, M. A. . Handbook of Medical Informatics. Houten/Diegem:Springer, 1997.
  • Berners-Lee, T., Hendler, J., Lassila, O. The Semantic Web. Scientific American, Vol.5/2001. Disponível em: http://www.sciam.com/. Acesso em: 01 nov. 2011.BLOIS, M.S, SHORTLIFFE, E.H. Medical Informatics: Computer Applications in HealthCare and Biomedicine. 2nd ed. New York: Springer; 2001.BRANCO, M.A.F. Sistemas de Informação em saúde no nível local. Cadernos de SaúdePública, Rio de Janeiro, v.12, n2, p267-270, abril-junho, 1996.BRASIL. Secretaria Executiva. Área de Informação e Informática em Saúde. AConstrução da Política Nacional de Informação e Informática em Saúde: versão 1.3.Brasília, 2003.CARVALHO, André de Oliveira; EDUARDO, Maria Bernadete de Paula. Sistemas deinformação em saúde para municípios. São Paulo: Faculdade de Saúde Pública da USP,1998.CHEN, Hsinchun. Medical informatics: knowledge management and data mining inbiomedicine. New York: Springer, 2005. COIERA, Enrico. Guide to Medical Informatics, theInternet and Telemed icine. London: Arnold, 1997.CFM - CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Resolução n° 1638, de 10 de julho de2002a. Define prontuário médico e torna obrigatória a criação da Comissão de Revisão deProntuários nas instituições de saúde. Disponível em:<http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/cfm/2002/1638_2002.htm>. Acesso em: 01 nov.2011.COSTA, Cláudio Giulliano Alves da. Certificação SBIS-CFM para Software em Saúde.2007. Disponível em: < www.sbis.org.br/site/site.dll/view?pagina=104 >. Acesso em: 01 nov.2011.COTÉ, R. A. Systematized Nomenclature of Medicine (SNOMED). College of AmericanPathologists, Skokie, Ill., 1979.FRIEDMAN, Charles P.; WYATT, J. Evaluation methods in medical informatics. 2nd edNew York: Springer, 2006.GARCIA, Diego. Utilização dos Requisitos Mandatórios de Conteúdo da SociedadeBrasileira de Informática em Saúde e Conselho Federal de Medicina na Modelagem deum Sistema de Registro Eletrônico em Saúde. 2009. Projeto de Pesquisa do Trabalho deConclusão de Curso (Graduação em Ciência da Computação) – Universidade do ExtremoSul Catarinense – Criciúma.GOULARTE, F. B. Projeto de um Sistema de Prontuário Eletrônico Baseado na WEBpara as Clínicas Integradas da Saúde da UNESC. 2006. 91 f. Monografia (EspecializaçãoMBA em Gerenciamento de Banco de Dados) - Universidade do Extremo Sul Catarinense,Criciúma.HERSH, William R. Medical informatics: improving health care through information.
  • Jama: The Journal Of The American Medical Association, Chicago : v. 288, n. 16 , p. 1955-1958,, oct. 23/30 , 2002.IHTSDO (International Health Terminology Standards Development Organisation).Systematized Nomenclature of Medicine - Clinical Terms (SNOMED CT). 2008.Disponível em: http://www.ihtsdo.org/snomed-ct. Acesso em: 01 nov. 2011.ISO. ISO/TS 18.308:2004. Health informatics - Requirements for an electronic healthRecord architecture. Disponível em:<http://www.iso.org/iso/en/CatalogueDetailPage.CatalogueDetail?CSNUMBER=33397>.Acesso em: 01 nov. 2011.J. J. Cimino, H. Min, Y. Perl. Consistency across the hierarchies of the UMLS SemanticNetwork and Metathesaurus. Journal of Biomedical Informatics, Volume 36, Issue 6,December 2003, Pages 450-461.James E. Andrews, Timothy B. Patrick, Rachel L. Richesson, Hana Brown, Jeffrey P.Krischer. Comparing heterogeneous SNOMED CT coding of clinical research conceptsby examining normalized expressions. Journal of Biomedical Informatics, In Press,Corrected Proof, Available online 5 February 2008.LEÃO, Beatriz de Faria et al. O Desafio de Integrar Sistemas de Informação em Saúde.In: CBIS 2004, IX Congresso Brasileiro de Informática em Saúde, 07 a 10 de Novembro de2004, Ribeirão Preto. Anais eletrônicos ...Ribeirão Preto: Sociedade Brasileira de Informáticae Saúde. 2004. p 1-6. Disponível em: http://www.sbis.org.br/cbis9/arquivos/919.pdf. Acessoem: 01 nov. 2011.______, Beatriz de Farias. Padrões para representar a informação em Saúde. Versão 2.0Brasil: Datasus, 2003. 17 p.MARIN, H.F. Vocabulário: Recurso para construção de base de dados emEnfermagem. Acta Paul Enf, São Paulo, v. 13, n. 1, p. 86-89, 2000.MASSAD, E.; MARIN, H. F.; AZEVEDO NETO, R. S. O Prontuário Eletrônico do Pacientena Assistência, Informação e Conhecimento Médico. São Paulo: H. de F. Marin, 2003.Disponível em: <www.sbis.org.br/site/arquivos/prontuario.pdf>. Acesso em: 01 nov. 2011.MCDONALD, C. J.,BARNETT, G. O. Medical-record systems. In: SHORTLIFFE,PERREAULT (eds). Medical informatics - computer applications in Health Care. NewYork: Addison-Wesley, 1990.MORAES, I. H.S. Informações em saúde: da prática fragmentada ao exercício dacidadania. São Paulo – Rio de Janeiro: Hucitec e Abrasco, 1994. 172p.MySQL. The worlds most popular open source database. Disponível em:http://www.mysql.com/. Acesso em: 01 nov. 2011.
  • OPAS. Organização Panamericana da Saúde. Centro Colaborador da OrganizaçãoMundial de Saúde para Classificação de Doenças em Português CID-10: ClassificaçãoEstatística Internacional de Doenças e problemas relacionados à saúde. 10nd.ed. rev.São Paulo: EDUSP, 2007.PEREZ, Gilberto; ZWICKER, Ronaldo. Fatores Determinantes da Adoção de Sistemas deInformação na Área de Saúde: Um estudo sobre o prontuário médico eletrônico. RAM– Revista de Adminstração Mackenzie, São Paulo, jan/fev 2010. Disponível em:<http://www3.mackenzie.com.br/editora/index.php/RAM/article/download/535/1359>. Acessoem: 01 nov. 2011.PHP. Hypertext Preprocessor. Disponível em: http://www.php.net/. Acesso em: 01 nov.2011.REGENSTRIEF INSTITUTE. Logical Observation Identifier Names and Codes (LOINC).Indiana, 1994.Richesson RL, Krischer J. Data standards in clinical research: gaps overlaps, andchallenges and future directions. Journal of the American Medical Informatics Association.2007;14:687–696. DOI 10.1197/jamia.M2470.SABBATINI, R. M. E. . Utilizando o Computador na Anamnese Clínica. Revista Brasileirade Informática em Saúde, 1986.__________ . História da Informática em Saúde no Brasil. Informática Médica, SãoPaulo, set/out. 1998. Seção Em Foco. Disponível em:<http://www.informaticamedica.org.br/informaticamedica/n0105/sabbatini.htm>. Acesso em:01 nov. 2011.SANTIAGO, F., CARDOSO, J.C., ARAÚJO, M.R. Prontuário Eletrônico Odontológico.Rio de Janeiro, 2004. Disponível em: <www.odontologia.com.br/artigos.asp?id=155>.Acesso em: 08 nov. 2009.SBIS. O que é Informática em Saúde?. Disponível em:<http://www.sbis.org.br/infosaude.htm>. Acesso em: 01 nov. 2011.SBIS-CFM. Manual de Certificação para Sistemas de Registro Eletrônico em Saúde.Versão 3.3. São Paulo. 2009c. Disponível em:<http://www.sbis.org.br/certificacao/Manual_Certificacao_SBIS-CFM_2009_v3-3.pdf>.Acesso em: 01 nov. 2011.SNOMED. Systematized Nomenclature of Medicine. 2006. Disponível em:http://www.ihtsdo.org/. Acesso em: 01 nov. 2011.SHORTLIFFE, Edward H.; PERREAULT, Leslie E.; WIEDERHOLD,Gio; FAGAN, LawrenceM. Medical Informatics : Computer Applications in health Care and Biomedice. 2ed.New York: Springer.
  • STRACHOSKI, Aristorides Fugiwara. Especificação de um Prontuário Eletrônico comBase em Normas de Construção de Registros Eletrônicos de Saúde e padronização daInformação Médica. 2005. 92f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciênciada Computação) – Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma.SULLIVAN, Frank; WYATT, J. ABC of health informatics. Massachussetts: BlackwellPublishers, 2006.UNESC. Unesc – Clínicas Integradas da Saúde. Disponível em:<http://www.unesc.net/portal/capa/index/73/3140/>. Acesso em: 01 nov. 2011.UNIFESP. Universidade Federal de São Paulo. Disponível em:http://www.unifesp.br/index.php. Acesso em: 01 nov. 2011.VAN BEMMEL, J.H. Toward a Virtual Electronic Patient Record. MD Computing, v.16,n.6, 1999.VAN GINNEKEN, A.M., MOORMAN, P.W. The Patient Record. In: van Bemmel, J.H.,Musen, M.A.(eds.). Handbook of Medical Informatics. Houten, the Netherlands: BohnStafleu Van Loghum, 1997. p.99-115.VIEIRA, Sérgio. Adeus ao Papel. Disponível em:<http://www.universovisual.com.br/publisher/preview.php?edicao=0107&id_mat=1511>.Acesso em: 01 nov. 2011.