Your SlideShare is downloading. ×
Preconceito com as diferenças
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Preconceito com as diferenças

1,212
views

Published on


0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
1,212
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
33
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Preconceito com asDiferenças
  • 2. Primeiro, o que é Preconceito Preconceito, é basicamente o conceito precipitado, no português arcaico é escrito pré-conceito. É praticado como uma atitude discriminatória perante as diferenças, que podem variar de base, entre elas: a estruturacorporal, o estilo, “opção”sexual, nível social e o mais comum: a raça. O modo mais comum de preconceito é o estereótipo, que é a generalização superficial; como por exemplo dizer que: “loiras são burras”.
  • 3. Preconceitoreferente a: EstruturaCorporal
  • 4. Pessoas acima do pesosão vítimas deinúmeros preconceitos– podendo até serdiscriminados no localde trabalho econsiderados menoscapazes para cumprirtarefas do que outros.
  • 5. Médicos acham que perder peso é uma responsabilidade pessoal do paciente, mesmo com pesquisas que indicam que a maior parte das pessoas com sobrepeso não consegue perder uma quantidadesignificativa de massa a longo prazo, mesmo fazendo dietas.
  • 6. Há também as pessoas que tem problemas sociais com o peso, e para “esquecer” desces problemas, essas pessoas se afundam em comida, assim engordando mais e sofrendo mais preconceitos. Há também os distúrbios metabólicos, que podem ser controlados, dependendo do distúrbio e da pessoa; como o hipotireoidismo, que écontrolável e distúrbios genéticos que não são.
  • 7. Preconceito referente a: Opção
  • 8. Homofobia É uma série de atitudes e sentimentos negativos em relação a lésbicas, gays,bissexuais e, em alguns casos, contra transgêneros e pessoas intersexuais. As definições referem-se variavelmente a antipatia, desprezo, preconceito, aversão e medo irracional. A homofobia é observadacomo um comportamento crítico e hostil, assim como a discriminação e a violência com base em uma percepção de orientação não-
  • 9. Em um discurso de 1998, a autora, ativista e líder dos direitos civis, Coretta Scott King, declarou: "A homofobia é como o racismo, o anti-semitismo e outras formas de intolerância na medida em que procura desumanizar um grande grupo de pessoas, negar asua humanidade, dignidade e personalidade.” Em 1991, a Anistia Internacional passou a considerar a discriminaçãocontra homossexuais uma violação aos direitos humanos.
  • 10. Parte onde homossexualismo é crimeParte onde homossexualismo é legal, e “aceito” pelasociedadeParte ambígua perante o tema
  • 11. Preconceito proveniente da Religião No cristianismo a homofobia é declarada na cara dura, alegando que Deus criou o homem para “viver” com a mulher e a visão de que isso pode ser transgredido causa repulsa nessas pessoas.
  • 12. Preconceito referente a Contra EMOS
  • 13. EMOs, o que são? No Brasil, a "tribo urbana emo" se estabeleceu sob forteinfluência estadunidense em meados de 2003, na cidadede São Paulo, espalhando-se para outras capitais do Sul e do Sudeste, e influenciou também uma moda de adolescentes caracterizada não somente pela música, mas também pelo comportamento geralmente emotivo e tolerante, e pelo visual, que consiste em geral em trajes pretos, listrados, Mad Rats , cabelos coloridos e franjas caídas sobre os olhos. Porém, os fãs das bandas Emo já estabelecidas no Brasil (desde 1997). E a criação dos modernos estereótipos sobre os mesmos, como as franjas, se deu a partir do começo do Século XXI, o movimento EMO em si acabou em 2006.
  • 14. De forma explícita ou não, osemos sofrempreconceito, especialmente deoutras tribos. Um dos exemplosocorreu recentemente na Galeriado Rock, em São Paulo, quandoalguns adolescentes sofreram um“arrastão”, sendo expulsos dolocal por um grupo de punks.Participar de grupos é uma fasetransitória da vida do jovem.“Eles se entendem, têmlinguagens e características emcomum”.
  • 15. Isso é importante no processode educação.O impactonegativo e muito grandecom relação ao preconceitoque os EMOs sofrem.Compartilhar da mesmaopinião, cuidado e muitodiálogo são essenciais naeducação dos jovens eadolescentes. “É precisohaver uma preocupação,não exagerada ou neurótica.Tem que ser uma coisa leve”.
  • 16. Leonardo Brandt,Equipe: Matheus Baer, Taiza, Matheus Lopes, Patrick