Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
Trabalho de conclusão do Curso Gestão integrada em QSMS
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Trabalho de conclusão do Curso Gestão integrada em QSMS

  • 1,620 views
Published

 

Published in Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
1,620
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
54
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Investimentos na Segurança e Saúde no Trabalho Evolução da Segurança no Trabalho Revolução industrial Investimentos em Segurança e Saúde no Trabalho Introdução PÓS – TÉCNICO EM QSMS Mary Coelho Gestão de Segurança e Saúde no Trabalho 19/3/2014
  • 2. Introdução As mudanças no mundo do trabalho e as inovações tecnológicas organizacionais tem aumentado significativamente a produção nas empresas eliminando assim tarefas pesadas. Próxima página
  • 3. Introdução O homem quando surgiu na face da terra necessitou trabalhar para a sua sobrevivência. Essa relação entre o homem e a tecnologia ocasionou novos riscos para a saúde dos trabalhadores, transtornos em aspectos físicos, metal ou social.
  • 4. Evolução da Segurança no Trabalho  Em 1.700 foi publicado na Itália em livro, cujo o autor era um médico chamado Bernardino Ramazzini este ficou conhecido como o pai da medicina do trabalho.  1802 Lei da Moral e Saúde dos Aprendizes.  1834 surgiu o primeiro inspetor médico de fábrica Dr. Robert Baker.  1919, foi criada a Organização Internacional do Trabalho - OIT, surge a primeira lei brasileira de acidentes do trabalho.  1920, surge o primeiro médico do trabalho no Brasil.  1943, foi aprovada a CLT ( Consolidação das Leis do Trabalho), pelo Decreto-Lei n. 5.452 de 1º de abril.  1978, a Portaria 3.214 de 8 de junho aprovou as Normas Regulamentadoras ( NR’s).
  • 5. Revolução Industrial • Aconteceu no século XVIII, na Inglaterra. • Um movimento que muda toda concepção em relação aos trabalhos realizados, aos acidentes e doenças profissionais que deles advinham. • As tarefas a serem executadas pelo trabalhador eram repetidas, o que levaram a um crescente número de acidentes. • Não havia critério para o recrutamento de mão de obra; homens, mulheres e até mesmo crianças eram selecionadas sem qualquer exame inicial. Próxima página http://engdofuturo.com.br/revolucao-industrial- favorecimentos/ http://historiaecoisaetal.blogspot.com/2012/06/ao- longo-de-toda-historia-podemos.html
  • 6. Revolução Industrial • Em 1831, instalou-se uma comissão para analisar a situação dos trabalhadores. • Em 1833 surgiu a primeira legislação eficiente para proteção do trabalhador o Factory Act. • Em Massachusets nos EUA surgi o primeiro ato governamental visando a proteção de acidente na indústria. A segurança nessa época , era considerada estritamente como um trabalho de engenharia mecânica. • Já na América latina, a preocupação com acidentes de trabalho surgiu no século XX com o desenvolvimento da industrialização. • No Brasil surge a primeira lei contra acidentes em 1919. Em 1934 surge a lei trabalhista. Em 1972 foi baixada a portaria nº 3237 pelo governo federal, ainda nos anos 70, surge a figura do Engenheiro de Segurança do Trabalho nas empresas. • Em 08 de junho de 1978, é criada a portaria de n° 3.214 que aprovas as Normas Regulamentadoras – NR’s.
  • 7. Empregadores Gestão de Segurança e Saúde no Trabalho São controles preventivos estabelecidos de forma sistêmica. Objetivo: Tornar e manter os locais de trabalho saudáveis e seguros.  Envolve para tal: Próxima página Empregadores Empregados Recursos Financ. Recursos Humanos
  • 8. Gestão de Segurança e Saúde no Trabalho Segundo a OIT - Organização Internacional do Trabalho, a criação de um sistema de gestão de segurança e saúde no Trabalho deve ter presente os seguintes eixos: Política de SST Organização Planejamento e Implementação Avaliação Ações e Melhoria Contínua Implementação
  • 9. Política de SST O empregador, mediante consulta junto aos trabalhadores e seus representantes, deve estabelecer e apresentar, por escrito, uma política de SST que deve incluir, no mínimo, os seguintes princípios e objetivos fundamentais:  Proteção da segurança e saúde de todos os membros da organização;  Cumprimento dos requisitos da legislação nacional em vigor,  A garantia de que os trabalhadores e seus representantes sejam consultados e encorajados a participar ativamente em todos os elementos do sistema de gestão da SST; e  melhoria contínua do desempenho do sistema de gestão da SST.
  • 10. Organização A implementação de medidas para uma política de segurança e saúde no trabalho implica quase sempre para o modo como está organizada uma empresa. São exemplos de algumas medidas:  Promover competências que permitem que todos os trabalhadores possam ter uma participação ativa responsável para o esforço da melhoria continua da segurança e da saúde no trabalho.  Criar mecanismo de comunicação interna de forma a existir uma compreensão compartilhada da visão, dos valores e das convicções da empresa.  Desenvolver uma cultura positiva de Segurança e Saúde no Trabalho, liderada de forma visível e ativa por parte dos responsáveis da empresa
  • 11. Planejamento e Implementação Definir procedimentos da metodologia utilizada e assegurar as responsabilidades, o envolvimento de todos, ou seja, “quem faz o quê”, “quando” e “como”. A fase de planejar e implementar significa ter em consideração os seguinte requisitos:  Cumprir no mínimo as disposições legais e regulamentos específicos.  Estabelecer prioridades dentro dos objetivos estabelecidos pela empresa em matéria de Segurança e Saúde no Trabalho.  Desenvolver um plano de ação para alcançar cada um dos objetivos traçados definindo responsabilidades e critérios de funcionamentos.  Criar critérios de medição dos níveis de execução das ações a serem implementadas.  Adequar às estruturas dos recursos necessários: sejam esses humanos, técnicos ou financeiros.
  • 12. Avaliação Assegurar a manutenção e melhoria do desempenho no campo de ação da Segurança e Saúde no Trabalho. Existem dois modos de gerar informações sobre avaliação: • O cumprimento dos planos previamente definidos. • Os métodos de trabalho, instalações e equipamentos. • A saúde dos trabalhadores. • O cumprimento da legislação e regulamentos específicos que existam. • Acidentes; • Incidentes; • Potencias de doenças; • Danos patrimoniais; • Lacunas no sistema de Gestão de Segurança e Saúde no Trabalho. Sistemas Ativos Sistemas Reativos
  • 13. Ações e Melhoria Contínua As empresas podem e devem melhorar a sua capacidade de gestão dos riscos tendo em conta experiência, a realização de auditorias e a revisões do desempenho. O desempenho é avaliado por: • Referência interna; • Indicador chave previamente definidos; • Comparação com o desempenho dos concorrentes; • Comparação com as melhores praticas conhecidas, independentemente dos setores de atividade econômica em que uma empresa opera.
  • 14. Investimento em Segurança e Saúde no Trabalho Em 2011: •Foram registrados 711.164 acidentes e doenças do trabalho. •Afastamento de 611.576 trabalhadores devido a incapacidade temporária. •14.811 trabalhadores afastados por incapacidade permanente. •2.884 trabalhadores que vieram a óbito *. Hoje: •O tema prevenção e proteção ganha maior visibilidade . • As Empresas vem implantado ou melhorando sistemas de gestão de segurança e saúde no trabalho. Próxima página
  • 15. Luiz Fernando Vianna, Flávio Vieira, Dr. Gustavo Nicolai e Alexandre Ehrenberger A Empresa Mendes Júnior apresentou o modelo de gestão de Segurança e Saúde consistente, na XVIII Feira Internacional de Segurança e Proteção (FISP), realizada em São Paulo em outubro de 2010. em que conseguiu uma redução de 36,5% em seu Fator Acidentário de Prevenção - FAP uma economia de cerca de R$ 2 milhões. Na palestra, realizada por Flávio Vieira, auditor interno, e pelo coordenador de Medicina Ocupacional, Dr. Gustavo Nicolai, foi destacada a importância de ter um sistema de gestão integrada que contempla, além de segurança e saúde ocupacional, quesitos de qualidade, meio ambiente e responsabilidade social, suportado por uma base consistente de dados. Próxima página
  • 16. “O que não é medido não pode ser gerenciado“ William Edwards Deming Obrigada.
  • 17. Referências DE ARAUJO, Renata Pereira, DOS SANTOS, Neri, MAFRA, Wilson José: “Gestão da segurança e saúde do trabalho” - Trabalho apresentado no III SEGET – Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia, 2006. Disponível em: <http://www.aedb.br/seget/artigos07/579_Gestao%20de%20seguranca%20e%20saude%20no%2 0trabalho.pdf> Acesso em 15/Jan/2014. Brasil. Decreto-lei nº 5.642, de 1º de maio de 1943, aprova a Consolidação das Leis de Trabalho. Diário Oficial da União, Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto- lei/del5452.htm>. - Acesso em: 15/Jan/2014. Brasil. Diretrizes sobre Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho - Organização Internacional do Trabalho. Disponível em: http://www.oitbrasil.org.br/sites/default/files/topic/safework/pub/diretrizes_sobre_gestao_364.pd f>. - Acesso em: 20/Jan/2014. CICCO, F. de, Sistema de gestão da saúde e segurança no trabalho: uma proposta inovadora, Revista Proteção, n. 68, encarte especial, 1997. TAVARES Jr., J. M. Metodologia para Avaliação do Sistema Integrado de Gestão: Ambiental, da Qualidade e da Saúde e Segurança. Tese apresentada a Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Florianópolis, 2001