Sermão de Santo António aos Peixes - Tópicos para estudo

16,585 views

Published on

2 Comments
24 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
16,585
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
83
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
2
Likes
24
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Sermão de Santo António aos Peixes - Tópicos para estudo

  1. 1. PADRE ANTÓNIO VIEIRA Tópicos para estudo do Sermão de Santo António aos peixes 5
  2. 2. Sermão de Santo António Três dias antes do embarque para Lisboa, na festa de Santo António – 13 de Junho de 1654 –, em S. Luís do Maranhão, P.e António Vieira sobe ao púlpito e causa grande surpresa: em vez de, simplesmente, enaltecer as virtudes e os milagres de Santo António... ...relembra o ambiente adverso que reinava contra ele, sossega os ouvintes e declara-lhes que, visto não o quererem ouvir, vai, a exemplo de Santo António, pregar aos peixes, que estavam ali a poucos passos. E profere uma das melhores obras oratórias de sempre: 6 O Sermão de Santo António
  3. 3. Sermão de Santo António Estrutura de um Sermão Introdução – Exórdio Desenvolvimento – Exposição e Confirmação Conclusão – Peroração 7
  4. 4. Sermão de Santo António Exórdio Capítulo I . O conceito predicável: «Vós sois o sal da terra» – há muitos pregadores; – a Terra está corrupta, ou porque o sal não salga ou porque a Terra não se deixa salgar… Definição de Conceito Predicável: são expressões retiradas das Sagradas Escrituras que encerram uma determinada verdade que apresentam o tema do sermão. 8
  5. 5. Sermão de Santo António Exórdio Capítulo I . Santo António como exemplo de pregador – como os homens não o ouviam, pregou aos peixes; – Padre António Vieira vai seguir o seu exemplo. 9
  6. 6. Sermão de Santo António Exposição e Confirmação Capítulos II, III, IV e V Cap. II – Louvores aos peixes em geral . Cap. III – Louvores aos peixes em particular . Cap. IV – Repreensões aos peixes em geral . Cap. V – Repreensões aos peixes em particular . 10
  7. 7. Sermão de Santo António Exposição e Confirmação Capítulos II, III, IV e V . Cap. II – Louvores aos peixes em geral – bons ouvintes («ouvem e não falam»); – primeiras criaturas criadas por Deus; – obedientes; – prudentes (recusam a convivência com o homem). 11
  8. 8. Sermão de Santo António Exposição e Confirmação Capítulos II, III, IV e V . Cap. III – Louvores aos peixes em particular – o peixe de Tobias; – a rémora; – o torpedo; – o quatro-olhos. 12
  9. 9. Sermão de Santo António 13
  10. 10. Sermão de Santo António Exposição e Confirmação Capítulos II, III, IV e V Cap. IV – Repreensões aos peixes em geral – comem-se uns aos outros, com a agravante de os grandes comerem os pequenos; – ignorância, cegueira e vaidade. . 14
  11. 11. Sermão de Santo António Exposição e Confirmação Capítulos II, III, IV e V . Cap. V – Repreensões aos peixes em particular – os roncadores; – os pegadores; – os voadores; – o polvo. 15
  12. 12. Sermão de Santo António 16
  13. 13. Sermão de Santo António Peroração Cap. VI O Pregador retoma os argumentos utilizados: elogio aos peixes, porque cumprem aquilo para que foram criados. Os peixes não ofendem a Deus. Aos Homens deu Deus memória, entendimento vontade e não cumprem o fim para que foram criados. . . Apelo aos ouvintes para que respeitem, venerem e louvem a Deus. 17 . Louvor a Deus.
  14. 14. PADRE ANTÓNIO VIEIRA António Vieira O céu ‘strela o azul e tem grandeza. Este, que teve a fama e a glória tem, Imperador da língua portuguesa, Foi-nos um céu também. No imenso espaço seu de meditar, Constelado de forma e de visão, Surge, prenúncio claro do luar, El-Rei D. Sebastião. Mas não, não é luar: é luz do etéreo. É um dia; e, no céu amplo de desejo, A madrugada irreal do Quinto Império Doira as margens do Tejo. 18 Fernando Pessoa, Mensagem, 31-7-1929
  15. 15. PADRE ANTÓNIO VIEIRA António Vieira Filho peninsular e tropical De Inácio de Loyola, Aluno do Bandarra E mestre De Fernando Pessoa, No Quinto Império que sonhou, sonhava O homem lusitano À medida do mundo. E foi ele o primeiro. Original No ser universal... Misto de génio, mago e aventureiro. Miguel Torga, Poemas Ibéricos, 1965 19

×