Your SlideShare is downloading. ×
0
Cláudio Manuel da Costa
Cláudio Manuel da Costa
Cláudio Manuel da Costa
Cláudio Manuel da Costa
Cláudio Manuel da Costa
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Cláudio Manuel da Costa

5,539

Published on

Trabalho de Literatura

Trabalho de Literatura

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
5,539
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
44
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Cláudio Manuel da Costa Raul D'Ignazio
  • 2. Cláudio Manuel da Costa -Nasceu em Vargem do Itacolomi no dia 5 de junho de 1729. -Morreu em Vila Rica no dia 4 de julho de 1789. -Foi jurista e poeta luso-brasileiro da época colonial. -Filho de João Gonçalves da Costa e de e Teresa Ribeira de Alvarenga. -Tornou-se conhecido principalmente pela sua obra poética e pelo seu envolvimento na Inconfidência Mineira. -Foi também advogado
  • 3. Epicediu , consagrado à memória de fr. Gaspar da Encarnação - Coimbra, 1753. Labirinto de amor , poema - Coimbra, 1753. Númerosos harmônicos - Coimbra, 1753. Obras Poéticas - Coimbra, 1768 Vila Rica , 1773 Soneto Entre o Velho e o Novo Mundo Poesias diversas - Revista Brazileira, Rio de Janeiro, 1895 (post.). Minusculo métrico , romance heróico - Coimbra 1751. Obras
  • 4. Vila Rica é um poema épico escrito por Cláudio Manuel da Costa em 1773, narra em versos a história de fundação de Minas Gerais, que se dá com a viagem de Antônio Albuquerque Coelho de Carvalho às Minas Gerais, no início do século XVIII, resolvendo o conflito da Guerra dos Emboabas. O poema possui dez cantos e usa versos decassílabos com rimas emparelhadas.
  • 5. www.wikipedia.org Referencias

×