Arcadismo

1,253 views
1,188 views

Published on

arcadismo

Published in: Travel, Entertainment & Humor
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,253
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
16
Actions
Shares
0
Downloads
26
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Arcadismo

  1. 1. Arcadismo<br />Século XVIII<br />
  2. 2. A grande odalisca - Ingres<br />
  3. 3. A banhista - Ingres<br />
  4. 4. Da Vinci<br />Ingres<br />
  5. 5. Contexto histórico<br />Criação da Enciclopédia por Diderot;<br />Voltaire escreve Cândido e o otimismo;<br />Preferência ao racionalismo à religiosidade cega;<br />Iluminismo;<br />Também conhecido como Neoclassicismo.<br />
  6. 6. Características<br />Simplicidade de temas e linguagem;<br />Contato com a natureza;<br />Bucolismo (fugereurbem);<br />Pastorialismo;<br />Retorno do classicismo;<br />Objetividade;<br />Integração homem-natureza.<br />
  7. 7. Arcadismo no Brasil<br />1768 – Obras Poéticas de Cláudio Manuel da Costa;<br />Inconfidência Mineira;<br />
  8. 8. Autores e obras<br />Cláudio Manuel da costa:<br />1729-1789<br />Pseudônimo árcade: GlaucesteSatúrnio<br />Vila Rica<br />Obras Poéticas<br />
  9. 9. Pastores, que levais ao monte o gado, Vêde lá como andais por essa serra; Que para dar contágio a toda a terra, Basta ver se o meu rosto magoado:<br /> Eu ando (vós me vêdes) tão pesado; E a pastora infiel, que me faz guerra, É a mesma, que em seu semblante encerra A causa de um martírio tão cansado.<br /> Se a quereis conhecer, vinde comigo, Vereis a formosura, que eu adoro; Mas não; tanto não sou vosso inimigo:<br /> Deixai, não a vejais; eu vo-lo imploro; Que se seguir quiserdes, o que eu sigo, Chorareis, ó pastores, o que eu choro.<br />
  10. 10. Tomás Antônio Gonzaga<br />1744-1808 ou 1812<br />Nome árcade: Dirceu<br />Promoveu a transição entre o arcadismo e o romantismo<br />Marília de Dirceu<br />
  11. 11. PARTE I<br />Lira I<br /> Eu, Marília, não sou algum vaqueiro,Que viva de guardar alheio gado;De tosco trato, d&apos; expressões grosseiro, Dos frios gelos, e dos sóis queimado.Tenho próprio casal, e nele assisto;Dá-me vinho, legume, fruta, azeite;Das brancas ovelhinhas tiro o leite,E mais as finas lãs, de que me visto.Graças, Marília bela,Graças à minha Estrela! <br />

×