ApresentaçãO1

5,544 views
5,283 views

Published on

Trabalho de Literatura

Published in: Travel, Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
5,544
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
152
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

ApresentaçãO1

  1. 1. JOSÉ DE ALENCAR
  2. 2. <ul><li>José Martiniano de Alencar ( Messejana , 1 de maio de 1829 — Rio de Janeiro , 12 de dezembro de 1877 ) foi um jornalista , político , orador , romancista , crítico , cronista , polemista e dramaturgo brasileiro . Filho de um influente senador, José de Alencar formou-se em Direito , iniciando-se na atividade literária através dos jornais Correio Mercantil e Diário do Rio de Janeiro . Foi casado com Ana Cochrane. Era irmão do diplomata Leonel Martiniano de Alencar , barão de Alencar </li></ul>VIDA
  3. 3. Nascido em Messejana, bairro da capital cearense , a família transfere-se para a capital do Império e José de Alencar, então com onze anos, foi matriculado no Colégio de Instrução Elementar. Em 1844, matriculou-se nos cursos preparatórios à Faculdade de Direito de São Paulo , começando o curso em 1846. Fundou, nessa época, a revista Ensaios Literários , onde publicou o artigo Questões de estilo . Formou-se em Direito, em 1850, e, em 1854, estreou como folhetinista no Correio Mercantil . Em 1856, sob o pseudônimo de Ig, criticou o poema A Confederação dos Tamoios , de Gonçalves de Magalhães
  4. 4. José de Alencar é o grande nome da prosa romântica brasileira, tendo escrito obras representativas para todos os tipos de ficção românticos: passadista e colonial (O Guarani, 1857), indianista (Iracema, 1865), sertaneja (O Sertanejo, 1875).
  5. 5. <ul><li>LIVROS INDIANISTAS </li></ul><ul><li>O Guarani , 1857 </li></ul><ul><li>Iracema , 1865 </li></ul><ul><li>Ubirajara , 1874 </li></ul><ul><li>Lucíola , 1862 </li></ul><ul><li>Diva , 1864 </li></ul><ul><li>Senhora , 1875 </li></ul><ul><li>O Gaúcho , 1870 </li></ul><ul><li>O Sertanejo </li></ul><ul><li>LIVROS HISTÓRICOS </li></ul><ul><li>Guerra dos Mascates (primeiro volume) , 1873. </li></ul>OBRAS
  6. 6. <ul><li>Cinco minutos , 1856 </li></ul><ul><li>A viuvinha , 1857 </li></ul><ul><li>O guarani , 1857 </li></ul><ul><li>Lucíola , 1862 </li></ul><ul><li>Diva , 1864 </li></ul><ul><li>Iracema , 1865 </li></ul><ul><li>As minas de prata - 1.º vol. , 1865 </li></ul><ul><li>As minas de prata - 2.º vol. , 1866 </li></ul><ul><li>O gaúcho , 1870 </li></ul><ul><li>A pata da gazela , 1870 </li></ul><ul><li>O tronco do ipê , 1871 </li></ul><ul><li>Guerra dos mascates - 1.º vol. , 1871 </li></ul><ul><li>Til , 1871 </li></ul><ul><li>Sonhos d' ouro , 1872 </li></ul><ul><li>Alfarrábios , 1873 </li></ul><ul><li>Guerra dos mascates - 2.º vol. , 1873 </li></ul><ul><li>Ubirajara , 1874 </li></ul><ul><li>O sertanejo , 1875 </li></ul><ul><li>Senhora , 1875 </li></ul><ul><li>Encarnação , 1893 </li></ul>ROMANCES
  7. 7. <ul><li>O crédito , 1857 </li></ul><ul><li>Verso e reverso , 1857 </li></ul><ul><li>Demônio familiar , 1857 </li></ul><ul><li>As asas de um anjo , 1858 </li></ul><ul><li>Mãe , 1860 </li></ul><ul><li>A expiação , 1867 </li></ul><ul><li>O jesuíta , 1875 </li></ul>TEATRO
  8. 8. <ul><li>Ao correr da pena , 1874 </li></ul>CRÔNICA
  9. 9. <ul><li>Grande expoente da literatura brasileira do século XIX , Alencar entretanto não alcançou a fundação do Silogeu Brasileiro. Coube-lhe, entretanto, a homenagem de ser Patrono da Cadeira 23 da Academia, onde veio depois a ter assento talentos como Jorge Amado .Nas discussões que antecederam a fundação da Academia, seu nome foi defendido por Machado de Assis para ser o primeiro Patrono, ou seja, nominar a Cadeira Um. Mas não poderia haver hierarquia nessa escolha, e resultou que Adelino Fontoura , um autor quase desconhecido, veio a ser-lhe o patrono efetivo. Sobre esta escolha, registrou Afrânio Peixoto : &quot;Novidade de nossa Academia foi, em falta de antecedentes, criarem-nos, espiritualmente, nos patronos. Machado de Assis, o primeiro da companhia, por vários títulos, quis dar a José de Alencar a primazia que tem, e deve ter, na literatura nacional. A justiça não guiou a vários dos seus companheiros. Luís Murat, por sentimento exclusivamente, entendeu honrar um amigo morto, infeliz poeta, menos poeta que infeliz, Adelino Fontoura.&quot; </li></ul>ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS
  10. 10. COLÉGIO : SÃO JOSÉ ALUNA : ANA CAROLINA C. SOARES SÉRIE : 1° EM : A

×