Your SlideShare is downloading. ×
Ecodesign Ciclo De Vida
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Ecodesign Ciclo De Vida

6,012
views

Published on

Published in: Technology, Business

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
6,012
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
195
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ADP 723 - GESTÃO AMBIENTAL E COMPETITIVIDADE Prof. Dr. Luís Felipe Nascimento Ecodesign - Projeto para o meio ambiente Análise do Ciclo de Vida Cláudio Senna Venzke senna@portoweb.com.br Porto Alegre, RS
  • 2. 2 ÍNDICE Evolução da preocupação ambiental...................................................................................3 O que é Ecodesign?...............................................................................................................4 O Ecodesign dentro de empresa...........................................................................................5 Integração empresarial................................................................................................................5 Desenvolvimento sustentável.......................................................................................................5 Desafios para a implementação do Ecodesign.....................................................................6 Elementos do ecodesign........................................................................................................8 Medidas de eco-eficiência............................................................................................................8 Práticas de projetos Eco-eficientes.............................................................................................8 Métodos de análise de eco-eficiência...........................................................................................9 Passos para a implementação de um programa de Ecodesign............................................9 DIRETRIZES PARA A PRÁTICA DO ECODESIGN.....................................................11 A Necessidade de Diretrizes......................................................................................................11 Catálogo de Diretrizes para Ecodesign.....................................................................................12 Práticas de Ecodesign................................................................................................................13 ANÁLISE DE CICLO DE VIDA (ACV): Definição e Aplicação.....................................15 Fases da ACV.............................................................................................................................16 Estratégias do Design do Ciclo de Vida....................................................................................17 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS..............................................................................19
  • 3. 3 ECODESIGN - Projeto para o meio ambiente Evolução da preocupação ambiental Apesar da preocupação com a qualidade do meio ambiente ser relativamente nova, já que até a geração passada pouco se conhecia e se fazia com relação às questões ambientais, atualmente vivemos numa era de consciência elevada. Muito desta consciência surge a partir de grupos de interesse público, como as organizações não governamentais. Entretanto, os processos os processos de fabricação de grande parte dos produtos atuais pode causar impactos negativos ao meio ambiente, como a geração de resíduos, destruição de ecossistemas e a diminuição dos recursos naturais disponíveis. Da mesma forma que os atuais modelos de desenvolvimento industrial ameaçam exceder os limites de sustentabilidade em termos da utilização de recursos naturais e geração de resíduos, ameaçando também o equilíbrio do clima, da vegetação e de produção de alimentos. Infelizmente os debates sobre qualidade ambiental muitas vezes não encontram um ponto de equilíbrio, pois de um lado estão ecologistas que, embora bem intencionados, são dogmáticos nas suas desconfianças do que as instituições causam ao meio ambiente. Do outro lado os homens de negócio que se preocupam somente com as questões econômicas. E junto a estes dois grupos estão as entidades reguladoras que geram muitas leis, mas pouco fazem de implementação prática. E o cidadão comum se desencanta com estas questões. Assim, no meio destes desentendimentos, pouco progresso ambiental alcançamos. Talvez o caminho que nos dê mais esperança seja aquele que nos leve a alcançar o desenvolvimento industrial compatível com qualidade ambiental. Isto passa por uma radical mudança dos sistemas de produção tradicionais, trazendo para dentro da empresa a responsabilidade ambiental, reprojetando seus sistemas industriais para alcançar qualidade ambiental e eficiência econômica. Desta forma, o desenvolvimento sustentável por intermédio da eco-eficiência tem se tornado lema de muitas empresas que descobrem as vantagens competitivas na conservação dos recursos naturais e consciência ambiental.
  • 4. 4 Dentro deste contexto surge o conceito de Projeto para o Meio Ambiente ou Ecodesign. O que é Ecodesign? O conceito de Ecodesign é recente, segundo Fiksel (1996) originou-se no início dos anos 90, com os esforços das indústrias eletrônicas dos EUA para criarem produtos que fossem menos agressivos ao meio ambiente. Formaram uma força tarefa para desenvolver um base de conhecimentos em projetos voltados para a proteção do meio ambiente, que primeiramente beneficiou estas indústrias. A partir desta época, tem crescido rapidamente o interesse pelo tema, principalmente em empresas que já desenvolviam programas de gestão ambiental e de prevenção da poluição. Desta forma, Ecodesign é definido como sendo um conjunto específico de práticas de projeto, orientadas à criação de produtos e processos eco-eficientes, tendo respeito aos objetivos ambientais, de saúde e segurança, durante todo o ciclo de vida destes produtos e processos (Fiksel, 1996). A prática de Ecodesign torna-se essencial para aquelas empresas que já reconheceram que a responsabilidade ambiental é de vital importância para o sucesso no longo prazo, pois promove vantagem como redução dos custos, menor geração de resíduos, gera inovações em produtos e atrai novos consumidores. Somado a isto, atualmente os consumidores preocupam-se mais em adquirir produtos menos impactantes ao meio ambiente, existindo também, tendências globais que colocam como condição essencial, para os fornecedores, que os produtos e serviços tenham um projeto que vise o respeito ao meio ambiente. Governos, principalmente na União Européia, criam leis que fazem com que os fabricantes se responsabilizem pela recuperação de produtos e materiais, após o término da vida útil destes. Da mesma forma, esta preocupação está crescendo voluntariamente em diversas empresas que promovem a responsabilidade ambiental entre seus funcionários, clientes e fornecedores.
  • 5. 5 O Ecodesign dentro de empresa O Ecodesign representa a convergência de duas tendências que orientam as formas atuais de produção, que são a integração empresarial e o desenvolvimento sustentável. Integração empresarial É a reorganização dos processos empresariais e dos sistemas de informação para facilitar o desenvolvimento da empresa como um todo, através da interligação dos diversos setores da empresa. O gerenciamento da qualidade total é uma importante base para a integração empresarial. Mais recentemente, o desenvolvimento integrado de produtos tem sido largamente adotado como uma estratégia de agilidade na produção, permitindo que as empresas desenvolvam produtos com alta qualidade enquanto reduzem seus tempos de lançamento no mercado. A integração dos produtos requer equipes de projeto interligadas e conhecedoras dos aspectos de segurança, testabilidade, fabricação, confiabilidade e manutenção ao longo do ciclo de vida deste produto. Como segurança ambiental é um importante aspecto da qualidade total, o Ecodesign aparece naturalmente neste processo. Desenvolvimento sustentável Implica na questão de como assegurar o crescimento industrial sem causar impactos ambientais adversos, indo ao encontro da máxima de "atender as necessidades das gerações presentes sem comprometer o atendimento das necessidades das gerações futuras". O conceito de empresa ambientalmente responsável tem servido como base para superar este desafio, assim como a prevenção da poluição que já se tornou uma prática comum nas indústrias. As empresas buscam agora integrar suas atividades com os sistemas naturais em que operam. Para ilustrar a convergência destas duas linhas, Fiksel (1996) apresenta a figura mostrada a seguir.
  • 6. 6 DESENVOLV. INTEGRAÇÃO SUSTENTÁVEL EMPRESARIAL ECODESIGN DESENVOLVIMENTO PREVENÇÃO INTEGRADO DE DA PRODUTO POLUIÇÃO GESTÃO DA GESTÃO QUALIDADE TOTAL AMBIENTAL Fonte: Traduzido de Fiksel (1996) Desafios para a implementação do Ecodesign Grandes empresas mostram-se abertas para a adoção de tecnologias ambientalmente responsáveis em seus produtos e processos, buscando com isto uma melhor estratégias de desenvolvimento. Mas descobrem que a implantação de um projeto para o meio ambiente de forma consistente e efetiva é um desafio, principalmente pelos seguintes motivos: necessidade de pessoas qualificadas; a complexidade dos fenômenos naturais e suas análises; os sistemas econômicos nos quais os produtos são produzidos, utilizados e reciclados são muito mais difíceis de se entender e controlar do que os próprios produtos. Assim, empresas que desejam implementar o Ecodesign necessitam considerar cuidadosamente os seguintes pontos: Motivação empresarial - Verificar se a empresa possui uma ou mais unidades de negócios nas quais o ecodesign mostra-se como um fator competitivo; - Verificar a preocupação dos clientes com o desempenho ambiental dos produtos ou processos de fabricação;
  • 7. 7 - Prever padrões e regulamentações ambientais que possam influenciar a lucratividade da empresa. Postura ambiental - verificar se a missão e a política da empresa dão suporte ao ecodesign; - verificar se a empresa está preparada para uma estratégia pró-ativa de gerenciamento ambiental; - como a empresa coloca as metas ambientais na sua estratégia; - relação com outros programas já implantados; - identificar quais os impactos na imagem da empresa são causados pela postura de responsabilidade ambiental adotada. Características organizacionais - implementação de um sistema de gerenciamento ambiental integrado com outros sistemas gerenciais já implantados; - existência de práticas integradas de desenvolvimento de produtos; - como os atributos ambientais podem ser incorporados aos processos de gerenciamento da qualidade de produtos e processos; - verificar a existência de recursos organizacionais em posições estratégicas para dar suporte às questões ambientais; Experiência existente - existência projetos voltados ao meio ambiente; - análise de ciclo de vida e performance de produtos; - existência de programas de reciclagem, conservação de recursos, redução de resíduos ou recuperação de materiais; - implementação de iniciativas em prevenção da poluição e consciência ambiental; - existência de tecnologias que facilitem a implementação de projetos voltados ao meio ambiente, como modelagem por computador e ferramentas de suporte à decisão. Metas estratégicas
  • 8. 8 - como o Ecodesign contribuirá para a lucratividade e desenvolvimento dos negócios; - identificação melhoramentos ambientais desejados em produtos ou processos específicos; - parcerias e alianças com fornecedores e clientes que são necessárias para encontras oportunidades ambientais; - avaliar qual os benefícios do melhoramento ambiental para os funcionários, clientes, fornecedores, comunidade e acionistas; - como avaliar os custos e benefícios, ao longo do ciclo de vida, de forma satisfatória. Elementos do ecodesign Como o Ecodesign busca descobrir inovações em produtos que resultarão na redução da poluição e resíduos em todos os estágios do ciclo de vida, além de satisfazer outros objetivos de custo e desempenho, ele não deve ser praticado isoladamente. Para que haja esta integração no processo de desenvolvimento de novos produtos, os elementos a seguir são necessários: Medidas de eco-eficiência São usadas para refletir o desempenho ambiental da empresa, como as utilizadas nos programas de certificação e de rotulagem ambiental. A escolha das medidas ambientais é de extrema importância para estipular parâmetros quantitativos que servirão de controle para o perfeito atendimento dos objetivos ambientais propostos. Práticas de projetos Eco-eficientes São uma variedade de práticas específicas associadas ao projeto de eco- eficiência, que procuram alcançar as metas ambientais propostas, tais como: - substituição de materiais; - redução de resíduos na fonte geradora; - redução do uso de substâncias tóxicas; - redução do consumo de energia; - extensão da vida útil do produto; - projeto de montagem e desmontagem facilitadas,
  • 9. 9 - projeto para reciclagem; - projeto para a disposição final; - projeto para reuso; - projeto para refabricação; - projeto para recuperação de energia. Métodos de análise de eco-eficiência Para completar o processo de desenvolvimento, são necessários métodos que analisem o grau de melhoramento esperado com o novo projeto, com relação as medidas de eficiência de interesse. Os métodos mais utilizados são os seguintes: - métodos de triagem: são utilizados para escolher entre um conjunto de alternativas; - métodos de análise: são utilizados para fazer a previsão de desempenhos de projetos esperados, com respeito a objetivos particulares; - métodos de comparação: são utilizados para comparar o desempenho e o custo de diversas alternativas de projeto, com relação a um ou mais atributos de interesse. - Métodos de tomada de decisão: são utilizados para auxiliar ou grupos de projeto selecionarem alternativas quando há grande incerteza ou complexidade. Passos para a implementação de um programa de Ecodesign Passo 1: discussão do que é Ecodesign Trazer para dentro da empresa a discussão do assunto Passo2: formação da base conceitual Desenvolver o conceito de Ecodesign na empresa, principalmente nos níveis gerenciais. Passo 3: comprometimento
  • 10. 10 Elaboração da política ambiental da empresa, decidindo quando esforço será gasto para implementá-la e o que é importante para a empresa. Passo 4: Planejar o processo Criação de um plano de implementação do ecodesign, incluindo os participantes do processo, e o tempo disponível, bem como as formas de comunicação. Passo 5: identificar os aspectos ambientais Os aspectos ambientais da empresa são qualquer tipo de atividade, produtos ou serviços que podem ter um impacto no meio ambiente, desta forma é necessário que sejam identificados, considerando a entrada e saída de materiais, as atividades de produção e administrativas. Passo 6: determinar os aspectos significativos Após a identificação dos aspectos, é necessário que sejam determinados os mais significativos, para que sejam priorizados na elaboração do projeto. Passo7: fixar padrões Todo o aspecto ambiental significativo deve ter um conjunto de padrões, que servem de guia para o controle operacional e ação corretiva quando necessário, minimizado assim os impactos ambientais. Passo 8: realizar melhorias O projeto ambiental permite que sejam avaliadas alternativas e escolhidos os objetivos, que podem ser a substituição de materiais, prevenção da poluição e gestão de recursos e resíduos. Passo 9: montar um projeto de gestão ambiental Implementação do projeto ambiental, através da mudanças necessárias nos processos, procedimentos de trabalho e metas a serem atingidas. É necessário também, uma revisão do processo em intervalos regulares para mensurar o quanto das metas está sendo atingidas.
  • 11. 11 Passo 10: estabelecer um plano de melhoria contínua Para assegurar o sucesso do plano, são necessárias revisões regulares, como exposto no passo 9, além disto para promover uma melhoria contínua é necessário também revisar as formas de gerenciamento e os objetivos propostos, para que se consiga avançar da solução de problemas mais simples até os problemas mais complexos que existem na organização. DIRETRIZES PARA A PRÁTICA DO ECODESIGN Conforme apresentado anteriormente, o objetivo do Ecodesign é habilitar as equipes de projeto a criar produtos eco-eficientes, ou seja, que ao longo do seu ciclo de vida minimizem os impactos ambientais adversos e que maximizem a conservação de recursos valiosos. Para atingir tal objetivo, o Ecodesign deve ser integrado de modo adequado ao processo de desenvolvimento, desde a análise das necessidades do cliente e o estabelecimento dos requisitos do produto até a constatação de que tais requisitos foram plenamente atendidos. Nesse contexto, a disponibilidade de orientações voltadas para a prática do Ecodesign constituem o segundo elemento-chave de apoio a esse processo de desenvolvimento. A Necessidade de Diretrizes Uma vez definidos os objetivos do produto, seu ciclo de desenvolvimento deve ser iniciado logo em seguida. É um processo exploratório durante o qual idéias são geradas, consideradas sob várias perspectivas, e ou perseguidas ou rejeitadas. Existem pelo menos dois tipos de diretrizes: - diretrizes prescritivas: algumas vezes chamadas de regras de projeto, definem afirmações sobre o que os projetistas deveriam ou não fazer. Por exemplo, lista de materiais banidos. - diretrizes sugestivas: representam conhecimento acumulado, incluindo as melhores práticas e lições aprendidas, mas não procuram estabelecer regras estritas. Todas as diretrizes aqui apresentadas serão sugestivas, visto que o Ecodesign
  • 12. 12 ainda se encontra em um estágio embrionário, não existindo ainda padrões; envolve diversas trocas complexas, tornando difícil encontrar-se regras gerais A aplicação dessas diretrizes do Ecodesign gera inúmeros benefícios: - estimulam a consistência entre diferentes equipes de desenvolvimento em áreas onde a consistência é desejável, por exemplo, esquemas padronizados de rotulagem de materiais; - promovem continuidade por meio da acumulação de conhecimento sobre sucessivos ciclos de projetos, permitindo que a conservação e difusão do conhecimento; - levam a um processo de projeto mais sistemático, sendo menos dependente de idiossincrasias ou particularidades de projetistas individualistas; - expandem o escopo de questões consideradas durante o projeto, permitindo à equipe antecipar tendências que podem desconhecer. Apesar disso, num ambiente de rápido desenvolvimento de produtos, é geralmente difícil assegurar que as equipes de produto dêem atenção a diretrizes, especialmente sendo estas apenas sugestivas e não restritivas. Catálogo de Diretrizes para Ecodesign A seguir são apresentadas algumas diretrizes comumente aplicadas por empresas fabricantes em uma variedade de setores industriais. Para serem realmente úteis para uma empresa e uma equipe de produto em particular, tais diretrizes necessitam ser convertidas a partir das considerações gerais relacionadas abaixo para uma abordagem mais específica que seja aplicável ao(s) produto(s) em questão: - tal relação não pretende ser exaustiva, embora englobe a maioria das práticas industriais comuns, visto que novas abordagens estão sendo constantemente criadas; - o esquema hierárquico de classificação é um tanto quanto arbitrário, pois muitas dessas práticas estão intimamente interligadas; - cada diretriz apresentada pode ter impactos em um ou mais estágios do ciclo de vida do produto;
  • 13. 13 - há muitos pontos em comum com outras disciplinas de projetos, tais como os de fabricação e o de montagem, sendo um ponto forte do Ecodesign sua sinergia com tais disciplinas. Por exemplo, a redução da complexidade de um projeto direciona para menos partes, menores custos de montagem e desmontagem mais simplificada. Práticas de Ecodesign Dentre os vários enfoques que se pode dar ao ecodesign, pode-se enunciar as seguintes: 1 – Design voltado para a recuperação e reutilização de materiais e componentes: 1.1. Design para recuperação de materiais: para serem recuperáveis com valor econômico positivo, os materiais precisam se apresentar o mais próximo possível do seu estado de alimentação do estoque de fabricação. Para tanto, são várias as características associadas ao valor de recuperação dos materiais: homogeneidade, pureza e reprocessabilidade, bem como estabilidade e requisitos estéticos e estruturais. Em geral, a reciclabilidade de um material depende de inúmeros fatores: - a atratividade econômica para a reciclagem do material e a existência de mercados “fim de tubo”; - o volume, a concentração e a pureza do material reciclado; - a existência de tecnologias de reciclagem e de separação e uma adequada infra-estrutura de reciclagem. 1.2. Design para recuperação de componentes: os desenvolvedores de produtos podem aumentar o valor do fim de vida de vários de seus componentes de várias formas: - projetando componentes que sejam reutilizáveis para propósitos de círculo de fabricação próximo; - projetando componentes que sejam reutilizáveis para aplicações secundárias devido à sua funcionalidade, flexibilidade ou programabilidade genérica; - facilitando a remoção não destrutiva do componente; - projetando o componente de uma forma que acelere seu diagnóstico e restauração.
  • 14. 14 2 – DFD (Design for Disassembly) ou Design para Desmontagem: visa facilitar o acesso aos componentes, de modo a simplificar o máximo possível o processo de desmontagem de cada componente do produto. As métricas de desmontagem incluem: número de direções de desmontagem, volume/peso dos componentes, redução de materiais e componentes, reuso de materiais, componentes e do produto, e reciclagem 2.1 Facilitar o acesso aos componentes: pois o propósito desse tipo de design é assegurar que um sistema de produto possa ser desmontado com o mínimo de custo e de esforço. Se não se tem acesso a um componente, independente do quanto seja valioso, então não se pode recuperá-lo. Da mesma forma, não se considera compensador desmontar produtos que contenham materiais diversos em grande número, de difícil identificação ou, ainda, em grande parte não recicláveis. 2.2 Simplificar as interfaces entre os componentes: evitar o uso de parafusos, adesivos, colas, dando preferência à utilização de encaixes, clipes, etc. 2.3 Projetar visando simplicidade: pois leva a menores custos de fabricação, menor volume de material, maior durabilidade e desmontagem mais fácil para propósitos de manutenção ou recuperação. Entre as formas de se atingir a simplicidade no projeto, tem-se: reduzindo a complexidade de fechamento e montagem do produto em termos de seu projeto geométrico e espacial, bem como a complexidade de sua operação funcional; projetando partes multifuncionais que sirvam a uma variedade de propósitos; utilizando partes iguais em projetos diferentes, representando ou modelos diferentes numa família de produtos ou em gerações sucessivas de produtos. 3 – Design para minimização de resíduos: obtido ao se buscar reduzir sua geração na fonte (redução de peso e volume do produto), facilitar a separabilidade dos mesmos, evitar o uso de materiais contaminantes, viabilizar a recuperação de resíduos para sua reutilização e, não sendo isso possível, para sua incineração 4 – Design para conservação de energia: realizado mediante a redução do uso de energia no processo de produção, desenvolvimento de equipamentos que reduzam o consumo de energia na empresa, bem como a diminuição do uso de
  • 15. 15 energia usada na cadeia de distribuição de produtos e o uso de fontes renováveis de energia (solar, por exemplo) 5 – Design para conservação de materiais: desenvolvendo-se produtos com múltiplas funções de uso, sejam estas paralelas (funções simultâneas, como por exemplo uma câmera de vídeo que também pode ser usada para reproduzir filmes) ou seqüenciais (um produto é retirado de seu uso primário e aplicado para um uso secundário ou terciário); especificando-se que materiais são reciclados e/ ou renováveis, utilizando-se componentes remanufaturados, visando-se alcançar maior longevidade para o produto (aumento de sua vida útil), buscando-se a recuperação de embalagens, assim como a adoção de recipientes/depósitos reutilizáveis 6 – Design para a redução de riscos crônicos: buscando-se reduzir a geração de desperdício, mediante a adoção de processos de produção mais limpos; evitando- se o emprego de substâncias indesejáveis (devido a sua elevada toxicidade) e de químicos redutores da quantidade de ozônio (CFCs), adotando-se tecnologias baseadas no uso de solventes aquosos, utilizando-se produtos biodegradáveis, quando sua reciclabilidade não for possível, bem como assegurar a disposição de resíduos que não possam ser economicamente recuperados e reprocessados 7 – Design para prevenção de acidentes: por meio da aplicação de técnicas visando a realização de análise de riscos reais ou potenciais relacionados aos processos e produtos existentes na empresa, a fim de se avaliar conceitos e tecnologias alternativas de design para os mesmos. ANÁLISE DE CICLO DE VIDA (ACV): Definição e Aplicação A crescente preocupação com os impactos ambientais gerados pela provisão de bens e serviços à sociedade tem sido indutora do desenvolvimento de novas ferramentas e métodos que visam a auxiliar na compreensão, controle e/ou redução desses impactos. A análise de ciclo de vida (ACV), portanto, é uma ferramenta que visa a avaliação dos aspectos ambientais e dos impactos potenciais associados a um produto ao longo de todo o seu ciclo de vida, compreendendo etapas que vão desde a retirada da natureza das matérias- primas elementares que entram no processo produtivo (berço), ao uso e à disposição final do produto (túmulo).
  • 16. 16 A Análise de Ciclo de Vida de Produtos é, na realidade, uma ferramenta que pode ser utilizada em uma grande variedade de propósitos. As informações coletadas na ACV e os resultados de suas análises e interpretações podem ser úteis para tomadas de decisão, na seleção de indicadores ambientais relevantes para avaliação da performance de projetos ou reprojetos de produtos ou processos e/ou planejamento estratégico. Ao ser adotada, portanto, a ACV pode trazer benefícios diversos, dentre os quais: - encorajar as indústrias a sistematicamente considerar as questões ambientais associadas aos sistemas de produção (insumos, matérias-primas, manufatura, distribuição, uso, disposição, reuso, reciclagem) - identificar oportunidades de melhoramento dos aspectos ambientais considerando as várias fases de um sistema do produção - melhorar o entendimento dos aspectos ambientais ligados aos processos produtivos de uma forma mais ampla, auxiliando na identificação de prioridades e afastando-se do enfoque tradicional end-of-pipe para a proteção ambiental - subsidiar as estratégias de marketing (declarações ambientais, esquemas de rotulagem, entre outros) - avaliar a seleção de componentes feitos de diferentes materiais - auxiliar o processo de tomada de decisão da empresa, por exemplo, no estabelecimento de prioridades ou durante o projeto de produtos e processos, podendo levar à conclusão de que a questão ambiental mais importante para uma determinada empresas pode estar relacionada ao uso de seu produto, e não às suas matérias-primas ou ao processo produtivo A ACV, em suma, constitui-se em uma forte tentativa de integração da Qualidade Tecnológica do Produto, da Qualidade Ambiental e do Valor Agregado para o consumidor e a sociedade. Fases da ACV A ISO 14040 estabelece que a ACV de Produtos deve incluir a definição do objetivo e do escopo do trabalho, uma análise do inventário, uma avaliação de impacto e a interpretação dos resultados.
  • 17. 17 Na primeira fase define-se a razão principal para a condução do estudo, sua abrangência e limites, a unidade funcional, a metodologia e os procedimentos considerados necessários para a garantia da qualidade do estudo e que deverão ser adotados. Como essas definições influenciam o resultado final, representam uma etapa-chave de qualquer projeto de ACV, sendo importante ressaltar, contudo, que a ACV é uma ferramenta iterativa, fazendo parte de sua metodologia, portanto, a revisão, quando necessária, de tais definições. Tendo sido determinados o objetivo e o escopo do trabalho, passa-se à fase de coleta e quantificação de todas as variáveis (matéria-prima, energia, transporte, emissões para o ar, efluentes, resíduos sólidos, etc.) envolvidas durante o ciclo de vida de um produtos (análise horizontal), processo ou atividade (análise vertical). Da mesma forma que a fase anterior, a análise do inventário do ciclo de vida deve ser conduzida de modo iterativo, envolvendo a checagem de procedimentos de forma a assegurar que as definições estabelecidas na primeira fase estejam sendo atendidas. A fase seguinte representa um processo qualitativo/quantitativo de entendimento e avaliação da magnitude e significância dos impactos ambientais com base nos resultados obtidos na análise de inventário. O nível de detalhamento, escolha dos impactos a serem avaliados e a metodologia utilizada dependem do objetivo e do escopo do estudo. Por fim, realiza-se a identificação e análise dos resultados obtidos nas fases de inventário e/ou avaliação de impacto de acordo com o objetivo e o escopo previamente definidos para o estudo. Estratégias do Design do Ciclo de Vida Após as explanações anteriormente realizadas acerca da ACV de produtos, e com base nas práticas de design previamente apresentadas, busca-se, então viabilizar a aplicação do design ao ciclo de vida de produtos mediante os seguintes níveis estratégicos a seguir elencados: Nível 0 - Desenvolvimento de um novo conceito; Nível 1 – Seleção de materiais de baixo impacto; Nível 2 – Redução do uso de materiais;
  • 18. 18 Nível 3 – Otimização das técnicas de produção; Nível 4 – Otimização do sistema de distribuição; Nível 5 – Redução dos impactos dos usuários; Nível 6 – Otimização do tempo de vida do produto; Nível 7 – Otimização do pós-uso. Tais níveis devem ser aplicados e revisados continuamente, objetivando, dessa forma, obter-se a melhoria contínua do produto, atuando nas etapas do ciclo de vida do produto, conforme apresentado a seguir: - Fonte dos Recursos: neste caso, mediante o uso de fontes de recursos renováveis; por meio da redução no uso de matérias-primas, energia e demais insumos ou, ainda, reduzindo-se os possíveis impactos ambientais quando do transportes das matérias-primas para o local de fabricação do produto; - Produção, Vendas e Distribuição: por meio de eficiência no uso de energia, na redução ou prevenção de poluição, ou mesmo na minimização na geração de desperdícios; - Uso do Produto: produtos que apresentem redução no impacto ambiental causado durante sua vida útil; - Disposição Final: desenvolvimento de produtos que possam ser reutilizados ou reciclados, sendo, assim, reaproveitados como subprodutos. Com base no exposto anteriormente, adquiri-se, portanto, condições para o desenvolvimento e/ou aperfeiçoamento contínuo de produtos.
  • 19. 19 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ELKINGTON, Jonh et alii. The green consumer. Peguin Books, USA, Inc. 1990. Environmental Protection Agency - EPA. A design for the environment approach. USA, 1999 FIKSEL, Joshep. Design for environment: creating eco-efficient products and processes. McGraw-Hill: New York, 1996. SEYMOUR, J. e GIRARDET, H. Blueprint for a Green Planet. 1987. U.S. Office of technology assessment report. Green products by design: choices for a cleaner environment. USA, 1996 Pesquisa na internet http://www.msu.edu/~sop/what_is_packaging.html em 07/09/2000 http://orbita.starmedia.com/~jbraga//index.htm em 02/09/2000 www.unilivre.org.br/centro/f-experiencias.htm em 09/09/2000