• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
4sessão domínios B1 B3
 

4sessão domínios B1 B3

on

  • 526 views

 

Statistics

Views

Total Views
526
Views on SlideShare
526
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
5
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    4sessão domínios B1 B3 4sessão domínios B1 B3 Document Transcript

    • Metodologias de Operacionalizaçãodo Modelo de Auto-Avaliação O Modelo de Auto-Avaliação das Bibliotecas Escolares: metodologias de operacionalização (Parte I) Marta Medeiros Página 1
    • Metodologias de Operacionalizaçãodo Modelo de Auto-Avaliação INTRODUÇÃO . A aplicação e o sucesso do modelo de auto-avaliação da Biblioteca Escolar depende não só da motivação e empenho da equipa que o vai implementar, assim como também do envolvimento do órgão de gestão da Escola/Agrupamento e da comunidade educativa. Assim, é fundamental comunicar ao Conselho Pedagógico, de acordo com uma calendarização adequada, quer o processo em si e o modo como cada agente educativo será nele envolvido, quer os resultados e respectivas implicações. A avaliação envolve toda a comunidade escolar, permitindo uma reflexão e planificação que permitem validar todo o trabalho da Biblioteca. Forma-se uma consciência colectiva sobre a situação da mesma, em função da partilha dos resultados e da relação que tem com a avaliação da própria escola (interna e externa). O enfoque na acção, na diferença que a biblioteca escolar faz na escola, nas aprendizagens e no sucesso educativo convoca, também, a necessária percepção de que essa diferença acontece através da mudança de práticas mais centradas nos outcomes (resultados) que essas práticas comportam e menos nos processos que seguimos para a obtenção desses resultados. Cram (1999) descreve esse processo: “(…) as bibliotecas não possuem um valor objectivo intrínseco. O valor é uma atribuição subjectiva e está relacionado com as percepções relativamente a um benefício real ou esperado. De um certo modo, as bibliotecas criam valor através da transformação de recursos atingíveis num processo multidisciplinar de benefícios. Elas não gerem valor, antes gerem processos e actividades, tomando as decisões condutoras à criação de valor para os seus utilizadores e para a organização onde se integram.” O Modelo de Auto-Avaliação das BEs deve estar sujeito à Mudança. Os principais desafios colocados residem na avaliação dos Impactos sobre os utilizadores. Derivam da necessidade de: • Clarificar adequadamente os objectivos da BE. • Esclarecer os objectivos de aprendizagem dos alunos. • Estabelecer os indicadores adequados para essa aprendizagem. • Recolher evidências apropriadas à quantidade e qualidade. Marta Medeiros Página 2
    • Metodologias de Operacionalizaçãodo Modelo de Auto-Avaliação • Assegurar a realização do processo de recolha, tratamento, análise e comunicação dos dados. Uma vez mais refiro que não possuo qualquer tipo de experiência na implementação do Modelo. Graças à formação que estou a realizar, tenho a oportunidade de me familiarizar com novos conceitos e terminologias, de adquirir documentação específica, de vivenciar experiências alheias e diversificadas de colegas e reflectir sobre as minhas práticas reorganizando, reformulando e repensando as minhas actividades para que possam ser levadas a bom termo dentro do contexto do novo Modelo de Avaliação. Domínio escolhido para a realização da tarefa B. Leitura e Literacia Indicadores B.1 Trabalho da BE ao serviço da promoção da leitura na escola/agrupamento (indicador de Processo- actividades e serviços). Este indicador exige uma planificação prévia para ir de encontro aos interesses dos utilizadores e modificar atitudes e comportamentos. B.3 Impacto do trabalho da BE nas atitudes e competências dos alunos, no âmbito das leituras e das literacias. (indicador de Impactos-até que ponto o trabalho realizado transformou hábitos e melhorou competências). Este indicador incide sobre a recolha de evidências que permitem verificar os efeitos do trabalho realizado nas aprendizagens dos alunos. Motivo da escolha O termo literacia é uma preocupação recente e exprime um conceito abrangente, não estando associado à prática escolar, mas às capacidades de ler e escrever dos indivíduos que frequentam o sistema escolar. Pretende-se que os alunos saibam usar as competências e não as adquiram apenas. Ler, na actual sociedade do conhecimento, implica saber fazê-lo, independentemente do seu suporte. Marta Medeiros Página 3
    • Metodologias de Operacionalizaçãodo Modelo de Auto-Avaliação Conforme Isabel Alçada (actual ministra da Educação), as bibliotecas escolares têm um papel essencial uma vez que contribuem para a mudança das representações dos professores, dos alunos e dos pais, da importância da leitura e do modo como esta deve ser ensinada e incentivada (Alçada, 2004). A escolha deste domínio foi motivada por considerar prioritário e de grande importância transmitir às crianças e aos jovens gosto/interesse pela leitura, competências da leitura e meios para a disponibilização dos saberes. É fundamental ter o cuidado de não derrotar o imaginário da criança/adolescente, deixando brotar a sua criatividade para que se torne um bom leitor. Neste sentido, e em torno da leitura dirigida e/ou orientada, desenvolvem-se actividades culturais, mantendo-se o leitor motivado. Uma escola de qualidade deve estar dimensionada para o sucesso educativo, visando fins de preparação para a vida. Os jovens precisam de ser preparados para o futuro, para a inserção social e a vida activa, como cidadãos realizados e intervenientes. Assim sendo, a leitura assume uma relevância inquestionável. A comunicação diária, com a diversidade de contextos que envolve, exige que saibamos ler, aprendamos a ler, ganhemos hábitos de competência de leitura e literacia sob pena de virmos a sofrer com isso, na nossa realização pessoal, na nossa interacção com os outros, na nossa integração na sociedade e participação nos destinos do mundo. A BE onde eu desempenho as minhas funções, tem vindo a desenvolver diversas actividades de promoção da leitura. Por isso, importa determinar, de forma mais precisa, se o trabalho que tem vindo a ser desenvolvido neste domínio, tem tido impacto na escola. Importa, pois, saber o impacto dessas actividades e se elas contribuem para aumentar o número de leitores. Constrangimentos - O tempo - A sobrecarga de trabalho que a aplicação do modelo acarreta -Dificuldade em envolver todos os intervenientes para aplicação dos inquéritos Marta Medeiros Página 4
    • Metodologias de Operacionalizaçãodo Modelo de Auto-Avaliação - Dificuldade em recolher algumas evidências pois nem tudo se regista (apesar de tudo se dever registar) PLANO DE AVALIAÇÃO DOMÍNIO B. LEITURA E LITERACIA Marta Medeiros Página 5
    • Metodologias de Operacionalizaçãodo Modelo de Auto-Avaliação • A colecção Objecto de • Actividades de promoção da leitura Avaliação • Clubes de leitura • Encontro com escritor • Articulação da BE com outras instituições • Articulação com actividades orientadas pelo PNL Métodos • Análise do Plano de Acção da BE de • Divulgação atempada das acções pretendidas Avaliação • Nível de consecução de objectivos • Aspectos a melhorar • Questionário aos docentes (QD2) • Questionário aos alunos (QA2) • Estatísticas de utilização da BE para actividades de leitura programada/articulada com outros docentes • Estatísticas de utilização informal da BE Evidências • Estatística de requisição (ao longo do ano) IndicadorB1(de processo) Trabalho da BE ao serviço • Plano Anual de Actividades (ao longo do 1º da promoção da leitura período) • Actas • Registo de actividades/projectos • Actividades da “Hora do Conto” • Encontros de (En)canto • Semana da Leitura • Feira do Livro • Professor bibliotecário • Equipa da BE Intervenientes • Alunos • Professores • Comunidade Educativa • Direcção Executiva • Questionários Instrumentos de • Grelhas de observação recolha de • Estatística evidências • Documentos • Contactos • PAA da BE/ do Agrupamento/ Relatórios de avaliação das actividades /PCT • Fotos/ Artigos imprensa • Conselho pedagógico • Conselho de Directores de Turma Marta Medeiros Página 6
    • Metodologias de Operacionalizaçãodo Modelo de Auto-Avaliação Marta Medeiros Página 7
    • Metodologias de Operacionalizaçãodo Modelo de Auto-Avaliação • Leitura recreativa. • Desenvolvimento de competências nos alunos Objecto de ao nível da leitura. avaliação • Progressos dos alunos em diversos ambientes. • Participação dos alunos em actividades de promoção da leitura (clubes, fóruns,..). • Análise do PA da BE • Registos/materiais de apoio produzidos pela BE Indicador B.3 (de impacto) Métodos Impacto do trabalho da BE de • Observação de utilização da BE (O2) nas atitudes e competências Avaliação dos alunos, no âmbito das leituras e das literacias • Estatística de participação nas actividades • Levantamento de dúvidas • Aspectos a melhorar • Estatísticas de utilização da BE para actividades de leitura • Estatística de requisição domiciliária • Guiões no âmbito da literacia da informação • Registo de actividades • Observação da utilização da BE (O3; O4) • Trabalhos realizados pelos alunos • Análise diacrónica das avaliações dos alunos • Trabalhos realizados pelos alunos nas actividades desenvolvidas pela BE na promoção da leitura • Projectos no âmbito do Apoio ao Currículo Evidências • Actas de reuniões Conselhos Turma/ Departamento • Registos fotográficos de projectos e actividades Indicador B.3 (de impacto) • “Encontros de (En)canto”- actividades Marta Medeiros Página 8
    • Metodologias de Operacionalizaçãodo Modelo de Auto-Avaliação Calendarização Tratamento dos dados 1º- Constituição de uma equipa constituída pela coordenadora da BE e outros professores (1º período) 2º - Elaboração de instrumentos de tratamento de dados (1º e 2º períodos) 3º - Tratamento e análise dos dados (Julho) Registo da auto-avaliação 1º - Reflexão sobre os resultados (Setembro) 2º - Identificação do nível de desempenho (Setembro) 3º - Preenchimento do relatório (Setembro) Comunicação dos resultados Apresentação do relatório ao Conselho Pedagógico e estruturas intermédias assim como do plano de melhoria (Setembro) – motivação e compromisso institucional. Conclusão O relatório final de avaliação é um instrumento de descrição e análise dos resultados da auto-avaliação, de identificação do conjunto de acções a ter em conta no planeamento futuro e de difusão desses resultados e acções junto dos órgãos de gestão e de decisão pedagógica. Deve integrar o relatório anual de actividades do Agrupamento e o relatório da avaliação interna do mesmo. É através dos resultados da avaliação e a sua divulgação que são definidos rumos estratégicos e acções para a melhoria, sempre em conformidade com o Projecto Educativo da Escola/Agrupamento e a missão e objectivos da BE. Marta Medeiros Página 9
    • Metodologias de Operacionalizaçãodo Modelo de Auto-Avaliação É cada vez mais importante que as bibliotecas escolares demonstrem o seu contributo para a aprendizagem e o sucesso educativo das crianças e jovens que servem. Por esse motivo, a avaliação deve ser encarada como uma componente natural da actividade da gestão da biblioteca, usando os seus resultados para a melhoria contínua, de acordo com um processo cíclico de planeamento, execução e avaliação. Remato com um pensamento pertinente “Os obstáculos da vida são proporcionais às capacidades que as pessoas têm de lhe fazer frente”. Bibliografia consultada: • Texto da sessão • Basic Guide to Program Evaluation, disponível em linha, em http://www.managementhelp.org/evaluatn/fnl_eval.htm#anchor1585345 • Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares, disponível em linha, em http://www.rbe.min-edu.pt/np4/? newsId=31&fileName=Modelo_de_avaliacao.pdf Marta Medeiros Página 10
    • Metodologias de Operacionalizaçãodo Modelo de Auto-Avaliação Marta Medeiros Página 11