• Like
1  -md-1
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
147
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território • Pretende-se orientar gestores públicos e privados, parceiros e comunidades a compreenderem formas inovadoras de atuação na comunicação e promoção do destino – De modo coordenado, integrado para a racionalidade de ações e recursos • Entre o Turismo, hospitalidade e o marketing existe… a trocaJorge.farromba@ipleiria.pt
  • 2. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território • Na hospitalidade temos aquele que recebe e aquele que é recebido – O turismo nunca pode existir sem este ponto • Turismo sendo uma atividade e um fenómeno de desenvolvimento social, económico, cultural e ambiental traz benefícios: – Pela troca entre a comunidade e os turistas • Os Turistas desejam consumir, experimentar coisas novas, serem bem recebidos, participarem nessa troca • As empresas procuram satisfazer os desejos dos turistas por meio de prestação de serviços diferenciados, para acolher o Turista – Com isso conseguem rentabilidade para a sua empres • Por isso a relevância dos novos meios – Mail e Internet para a divulgação de um destinoJorge.farromba@ipleiria.pt
  • 3. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território • Este convite para o Destino surge sob a forma de publicidade, sendo uma mensagem que coloca todas as pessoas do destino como responsáveis pelo convite • Mas para isso é necessário que o Sr da Farmácia, da venda de fruta, reconheçam esta situação • A imagem, a mensagem e a marca do destino deve estar presente em cada pessoa da comunidade para evitar… a inospitalidade Fonte: 18/02/2010 in Branding, Marketing & PublicidadeJorge.farromba@ipleiria.pt
  • 4. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território • O destino turístico – um conjunto que contém várias organizações e indivíduos que colaboram e competem na oferta de uma variedade de produtos e serviços ao turista. – É o suporte principal da actividade turística, pois compreende um conjunto de recursos, entre outros os naturais, as infra-estruturas, os diversos serviços oferecidos aos turistas e a própria cultura dos habitantes.Jorge.farromba@ipleiria.pt
  • 5. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território • O destino turístico – OMT (2000) • o destino turístico é um espaço físico no qual um visitante permanece pelo menos uma noite. Inclui produtos turísticos como serviços de apoio e atracções, bem como recursos turísticos ao alcance de uma viagem com regresso no mesmo dia. • Possui fronteiras físicas e administrativas bem definidas para a sua gestão, imagens e percepções que configuram uma competitividade de mercadoJorge.farromba@ipleiria.pt
  • 6. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território • Kotler (2002), temos como componentes essenciais do destino turístico as seguintes: – Recursos turísticos – conjunto de elementos naturais, culturais, artísticos, históricos ou tecnológicos que geram uma atracção turística; – Infra-estruturas – conjunto de construções e equipamentos exigidos pelo desenvolvimento de actividades humanas dos residentes e visitantes no local, bem como pelas que resultam das relações desse local com o exterior;Jorge.farromba@ipleiria.pt
  • 7. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território • Kotler (2002), temos como componentes essenciais do destino turístico as seguintes: – Equipamentos – conjunto de facilidades necessárias para acomodar, manter e ocupar os tempos livres dos turistas, tais como alojamento, restauração, animação, centros de congressos, comércio, transportes locais e outros serviços; – Acolhimento e cultura – o espírito, as atitudes e os comportamentos existentes em relação aos visitantes, bem como as manifestações culturais; – Acessibilidades – os meios de transporte externos, incluindo os serviços e respectivas tarifas.Jorge.farromba@ipleiria.pt
  • 8. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território • O marketing territorial é hoje utilizado ao serviço da concepção, gestão e promoção dos lugares, com o objectivo de aumentar a atractividade junto de públicos internos e externos. – Donde é importante que as estratégias utilizadas pelos lugares para posicionar e comunicar os seus atributos sejam um instrumento precioso ao serviço da estratégia territorial. • Assim, a imagem, a comunicação e a marca constitui-se como elementos nucleares. • E como se processa o processo de construção da imagem e marca territorial ? – como pode a cidade, enquanto território, ser vista como um objecto de marketing e dessa forma falar-se de marcas territoriais e de marketing territorial? •Jorge.farromba@ipleiria.pt
  • 9. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território Os elementos do marketing territorial A Identidade OS VALORES LINHA GRÁFICAS E LOGÓTIPO DE MARKETING TERRITORIAL OS OUTROS ELEMENTOSJorge.farromba@ipleiria.pt
  • 10. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território Os elementos do marketing territorial • A IDENTIDADE – Actualmente, a criação de Identidade (visual, conceptual, emocional, social ou outras) é um processo em que muitas instituições apostam ,uma vez que é muito importante o modo como pretendem ser percepcionadas pelo público em geral.Jorge.farromba@ipleiria.pt
  • 11. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território Os elementos do marketing territorial • A IDENTIDADE – É através da criação de uma identidade (institucional, corporativa, organizacional, de produto, de serviço, territorial) que se vão traduzir os valores associados, materializados através de vários elementos de comunicação tais como:Jorge.farromba@ipleiria.pt
  • 12. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território Os elementos do marketing territorial • A IDENTIDADE • a marca gráfica (logotipo), • a organização visual, • as cores e layout das peças gráficas (publicações, publicidades, embalagens, relatórios, espaços comerciais, catálogos, etc.), • elementos verbais (slogans, tags, teasers, etc.), • valores,Jorge.farromba@ipleiria.pt
  • 13. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território Os elementos do marketing territorial • A IDENTIDADE • posicionamentos e acções sociais, económicas, ecológicas, humanas, etc., • Linha de conteúdo da sua comunicações (internas e externas), • ambiente de trabalho • atendimento ao público/cliente, • diferenciação visual, conceptual e fisica dos serviços, produtos, • etc.Jorge.farromba@ipleiria.pt
  • 14. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território • A identidade é pois: – um conjunto vasto de elementos, idealmente sinergéticos, de criação de uma personalidade diferenciada e por isso mesmo identificável, do objecto ou de uma caracteristica ou organização a que se aplica, mas também um elemento de memorização, de identificação, e de diferenciação em si mesma.Jorge.farromba@ipleiria.pt
  • 15. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território • Podemos por isso manipular a identificação da marca se estrategicamente for conveniente, para ser ou não independente do objecto, produto, serviço ou organização a que se aplica. – Por exemplo, para uma manipulação para apostar na independencia (muitas vezes não totalmente intencional e determinada) torna-a mais abrangente e genérica (casos de marcas que assumem o significado de uma classe inteira de produtos, de uma qualidade ou especificidade particular de um serviço, ou de uma classe de organizações, produtos ou serviços, sem perderem a associação específica). • Exemplo: arcas como “Verde” para ecológico, “Gillete”, para lâminas de barbear ou outras bem conhecidas…Jorge.farromba@ipleiria.pt
  • 16. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território • Conteúdo da comunicação – Enquanto a marca e a imagem visual (linha gráfica) identificam e distingue visual, fisica, emocional e até conceptualmente um produto, serviço ou organização, de qualquer outro, o conteúdo da comunicação e posicionamento (nas várias vertentes), • Denotam valores associados, • criam ligações emocionais com o seu público, decisivas e cruciais quer na compra por impulso, quer na adesão a causas, na aceitação de valores, • identificação do consumidor com o grupo.Jorge.farromba@ipleiria.pt
  • 17. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território • Donde, a identidade, define quem a Instituição é, ou como a organização, produto ou serviço é apercebida pelo público. • A imagem corporativa ou imagem de marca é uma representação mental, no imaginário colectivo, de um conjunto de características e valores que funcionam como estereótipo e determinam a conduta e opiniões sobre o objecto a que se aplica. • Na sua aplicação a territórios (cidades, regiões, paises, etc.) tal realidade é ainda maior. E a sua aplicabilidade dita o exito ou insucesso da sua aceitação pelo publico • Em MD, o objecto a que se aplica é outro: o território. – Philip Kotler, defende que o marketing deve conquistar a mente, o coração e o espírito dos consumidores.Jorge.farromba@ipleiria.pt
  • 18. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território Os elementos do marketing territorial A Identidade OS VALORES LINHA GRÁFICAS E LOGÓTIPO DE MARKETING TERRITORIAL OS OUTROS ELEMENTOSJorge.farromba@ipleiria.pt
  • 19. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território • Os elementos chave da comunicação – pois mais importante que as imagens gráficas é o conjunto de valores assumidos, que caracterizam a imagem criada • A escolha, adesão, ou mesmo a simples aceitação pelo público, seja ela racional ou emocional, consciente ou inconsciente de uma instituição, produto ou serviço passa sempre por um processo de identificação do consumidor ou do público, com os valores que lhe estão associados. – valores imediatistas: (preço, eficácia, qualidade, proveito pelo valor, desconto, oferta adicional) – valores subjectivos (identificação com o grupo, status, causa, etc.) – valores abstractos e indefinidos (suporte de causas sociais, associações ideológicas, associações estéticas, preocupações ecologistas e ambentais, ou outras incluindo as filosóficas, históricas, chauvinistas, racistas ou corporativas, sejas elas também conscientes ou inconscientes). •Jorge.farromba@ipleiria.pt
  • 20. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território • A criação de um sistema de valores associado a uma marca, produto, serviço ou organização é crucial na criação da imagem. • O que “pesa” na criação de valores? – históricos (a tradição da marca, o prestigio do artesanal, o nacionalismo ou regionalismo, o hábito do público, etc…), – os convencionais (concorrência pelo preço, pela qualidade, desenvolvimento tecnológico, eficácia, qualidade de serviço, a diferença face aos outros, etc.),Jorge.farromba@ipleiria.pt
  • 21. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território • O que “pesa” na criação de valores? – os emocionais (prestigio, status social e económico, a exclusividade, o sentimento de grupo, a individualização e personalização), – os objectivos (eficiencia energética, ecologia, durabilidade real, o efeito na saúde, as caracteristicas técnicas, sensoriais ou esteticas diferenciadoras) – religiosos, sociais, culturais, ideológicas, competitivas, etc. . • É o sistema de valores que se associam a uma imagem e marca que determinam a sua representação mental e conceptual no seu público alvo.Jorge.farromba@ipleiria.pt
  • 22. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território Os elementos do marketing territorial A Identidade OS VALORES LINHA GRÁFICAS E LOGÓTIPO DE MARKETING TERRITORIAL OS OUTROS ELEMENTOSJorge.farromba@ipleiria.pt
  • 23. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território • Passa pelo símbolo, um dos elementos base da identidade visual que pode integrar (ou não) o logótipo. • Completamente abstracto e desprovido de significado, ou figurativo e representativo de conceitos caros à actividade da instituição ou à sua política, constitui frequentemente o elemento mais forte da identidade corporativa e concentra na sua simplicidade toda a força de uma identidade global complexa e de múltiplos significados.Jorge.farromba@ipleiria.pt
  • 24. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território O logótipo • a forma como o nome da instituição ou coisa (produto, serviço, território, etc) é representado graficamente, pela simples escolha de uma fonte de texto ou desenho original de um lettering específico. • Juntamente com o símbolo, constitui a logomarca, no entanto, é frequentemente o único elemento e principal representação gráfica da mesma. • Constitui a representação simbólica mental que se imprime no público alvo, e condensa todos os valores e caracteristicas do objecto a que se aplica.Jorge.farromba@ipleiria.pt
  • 25. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território O logótipo • Na sua associação a territórios, é de fundamental importância considerar – os aspectos simbólicos e de representação, – as consequencias estéticas e emocionais no público alvo, – questões de identificação daqueles que estão directamente envolvidos no território (como simbolo e materialização de uma identidade e da auto-imagem), quer principalmente na promoção dos valores, caracteristicas e aspectos particulares do território a que se aplica, como objecto de comunicação, • A imagem gráfica deve servir propósitos comunicacionais, muito além das considerações estéticas ou tipográficas, os quais vão desde a mera eficácia comunicacional, a toda a panóplia de considerações de identificação visual, emocional, subjectiva, de manipulação das avaliações subconscientes geradas no público, no patrocinio da criação de imagens e representações mentais, etc. •Jorge.farromba@ipleiria.pt • E nesse sentido uma linha gráfica abrangente e extensiva, no marketing
  • 26. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território O logótipo • Na sua associação a territórios, é de fundamental importância considerar – os aspectos simbólicos e de representação, – as consequencias estéticas e emocionais no público alvo, – questões de identificação daqueles que estão directamente envolvidos no território (como simbolo e materialização de uma identidade e da auto-imagem), quer principalmente na promoção dos valores, caracteristicas e aspectos particulares do território a que se aplica, como objecto de comunicação, • A imagem gráfica deve servir propósitos comunicacionais, muito além das considerações estéticas ou tipográficas, os quais vão desde a mera eficácia comunicacional, a toda a panóplia de considerações de identificação visual, emocional, subjectiva, de manipulação das avaliações subconscientes geradas no público, no patrocinio da criação de imagens e representações mentais, etc.Jorge.farromba@ipleiria.pt
  • 27. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território Os elementos do marketing territorial A Identidade OS VALORES LINHA GRÁFICAS E LOGÓTIPO DE MARKETING TERRITORIAL OS OUTROS ELEMENTOSJorge.farromba@ipleiria.pt
  • 28. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território • A criação de uma imagem para um lugar pode passar por inumeros outros factores que devem ser cuidadosamente escolhidos numa visão estratégica integrada e perfeitamente definidos a nivel de planeamento. – a criação de eventos memorável, – de marcas simbólicas decisivas que podem reforçar, inverter, subverter ou converter imagens pré-existentes na mente do público alvo a um sem numero de outros elementos e acções, que se enquadrem num plano estratégico e objectivo bem definido: vender o território. • Exemplo de Barcelona, – antes e depois dos Jogos Olimpicos: a sua imagem na mente do público foi definitivamente alterada e ficou indelévelmente marcada, tanto mais que as associações emocionais foram cuidadosamente escolhidas. – E nesse sentido vejam-se as associações definitivas criadas pelo espectáculo de abertura (fogo, luz, acrobacia, futuro, tecnologia), ou associação automática da musica de Montserrat Caballé e de Fred Mercury…Jorge.farromba@ipleiria.pt
  • 29. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território • Um evento ou sequencia de eventos associados a um lugar/território é também um elemento fundamental de marketing, para o bom e para o mau, e quando estratégicamente pensado, pode ser o elemento decisivo. • Ao nível da atracção, Philip Kotler preconiza a criação do que designa de “silver bullet”, isto é a construção de uma infra-estrutura ou a organização de um evento que seja marcante e “newsworthy” (motivo de conversa), referindo-se como exemplo ao Museu Guggenheim, em Bilbao. • • Mas nenhum território será marcante e relevante se não for totalmente enquadrado numa estratégia de comunicação cirurgica, nem os eventos esgotam os instrumentos adicionais à disposição do marketing territorial.Jorge.farromba@ipleiria.pt
  • 30. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território • Kotler afirma que – “o objectivo do marketing é tornar a venda desnecessária” • Ou seja, cabe ao marketing orientar a criação da oferta e posicioná-la na mente dos consumidores que, uma vez convencidos, encarregar-se-ão de a vender a si proprios e “vendê-la” a outros potenciais consumidoresJorge.farromba@ipleiria.pt
  • 31. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território “Como atrair investimentos, indústrias e turismo para as cidades, regiões, estados e países” Marketing Places, de Kotler, Haider e Reing (1992)Jorge.farromba@ipleiria.pt
  • 32. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território • Durante as próximas semanas vamos explorar esta nova área do Marketing • Esta é uma nova especialização do Marketing que tem conhecido um grande impulso • Cada situação gera novas situações e mesmo dúvidas que nos obrigam a novos desafios e muitas vezes a mudar crenças e hábitos instalados • Muitas vezes os detratores consideram o MKT Destinos a pura alusão a cartazes de boas vindas aos turistas, a brochuras. – Mas o MKT Destinos é mais do que issoJorge.farromba@ipleiria.pt
  • 33. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território • O desenvolvimento e promoção de um destino é um objetivo fundamental sempre que se aborda a temática do Turismo. • Por isso, não considerem esta UC como – Marketing para o Turismo – Promoção de destinos Turisticos – Um exemplo é o de Lisboa pretender evitar o exodo de residentes para os suburbios – Donde MKT Destinos não se trata somente de TurismoJorge.farromba@ipleiria.pt
  • 34. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território • Mas, também não estamos a falar de bens e ou serviços • Sendo o marketing territorial utilizado ao serviço da concepção, gestão e promoção dos lugares com o objectivo de aumentar a atractividade junto de públicos internos e externos, as estratégias utilizadas pelos lugares para posicionar e comunicar os seus atributos podem apresentar-se como um instrumento precioso ao serviço da estratégia territorial. (in http://www2.ufp.pt) • Neste contexto a marca constitui um elemento nuclear. Sob esta perspectiva demonstram-se as especificidades do processo de construção da marca territorial e argumenta-se acerca da sua relação sinergética com a atractividade e competitividade dos lugares e explora-se a questão sobre como pode a cidade, enquanto território, ser vista como um objecto de marketing e dessa forma falar-se de marcas territoriaisJorge.farromba@ipleiria.pt
  • 35. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território • Ashworth e Voogd (1994) definem o marketing territorial como o “processo pelo qu-al as actividades locais [e/ou- regionais] estão relacionadas, na medida do possível, com os desejos dos consu-midores alvo. – A intenção é a maximização do fu-ncionamento eficiente, ao nível social e económico, da área em qu-estão, de acordo com objectivos mais vastos definidos.” • Território não é pois um termo fácil de definir mas também não é somente Promoção. • Tanto funciona numa escala macro ou micro, assente em estratégias nacionais de promoção – promover um País, ou uma região para passar férias mas também para viver – mas podemos ter estratégias de turismo rural ou mesmo de bairro para promover um determinado tecido urbano (ver artigo D:PESSOAL1 - IPL - ESCOLA SUPERIOR DE PENICHE2011-20124 - 2º SEMESTREMARKETING DESTINOS TURISTICOSJorge.farromba@ipleiria.pt
  • 36. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território • É pois um erro pensarmos que estamos confinados às cidades!! • Não se trata somente de promover o “Queijo da Serra”, ou a “Pêra Rocha” • Mas para que serve o MKT Territorial? – Precisamos compreender a natureza dos territórios – Relação entre elementos fisicos e as pessoas, sejam elas visitantes ou residentes – Identificar o que determina a vitalidade e dinamismo de alguns locais e a decadência e abandono de outros.Jorge.farromba@ipleiria.pt
  • 37. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território • O MKT Territorial investiga estes casos e permitir também que locais decrépitos ou em declínio possam emergir • Atualmente existe quase uma unanimidade entre os autores que têm reflectido sobre a competição entre lugares, relacionando-a com as grandes alterações provocadas pela globalização, surgida nas últimas décadas, alterando o perfil e a competitividade entre diferentes regiões do globo. • A capacidade de competitividade entre as diferentes regiões, países ou cidades dependem de numerosos factores, tais como: a sua dimensão, localização geoestratégica, economia, mas também das políticas e estratégicas de gestão adotadas pelos diferentes governos locais. • A definição da identidade um determinado lugar torna-se fundamental para a selcção da sua aparência, serviços e mensagens consistentes, de forma a reforçar a identidade escolhida.Jorge.farromba@ipleiria.pt
  • 38. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território • Donde a Cultura e consequente Identidade Organizacional, são os verdadeiros pilares em que assenta a construção de uma marca por parte de uma qualquer entidade. • É de tal modo importante que actua como reforço da capacidade competitiva das organizações, impondo-a como um tesouro “ e um poder de que as organizações dispõem, face à globalização da economia (Tomlinson, 1999, pp. 276-279). • Tal como (Paddinson, 1993) menciona o Marketing Territorial tem sido utilizado por algumas cidades para reconstruir e redefinir a sua imagem, com uma estratégia alicerçada em atividades locais que refletem e reforçam a sua imagemJorge.farromba@ipleiria.pt
  • 39. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território • Assim se compreende o esforço de MKT Territorial por muitos Países, regiões ou cidades, pois ficam ligados à definição e desenvolvimento de uma identidade própria, única e diferenciável das demais, de forma a tornar esse local uma referencia regional ou mundial passível de estar, senão na primeira, nas primeiras escolhas dos Públicos-alvo definidos pela sua estratégia de marketing. • Compreende-se por isso que antes da promoção do destino ou território é importante uma estratégia com a definição de uma identidade que possua valores diferente das demais e que essa diferença seja valorizadas pelos consumidoresJorge.farromba@ipleiria.pt
  • 40. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território • A “Identidade Competitiva” que Anholt (2008) se refere é a Marca Territorial – Não pode ser criada ou inventada com um logotipo ou uma campanha promocional – Tem de ser criado através de uma estratégia global condicionada a todos os factores que influenciam o território Adaptado de (Anholt S. , 2006a)Jorge.farromba@ipleiria.pt
  • 41. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território • Mesmo considerando que este modelo se aplica às cidades, podemos estendê-lo às regiões, Países ou territórios.Jorge.farromba@ipleiria.pt
  • 42. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território • Anholt selecciona 6 grandes eixos – 6P’s para definir a marca territorial – Presença internacional – A reputação internacional de uma região ou cidade, seja ela cultural, histórica ou outra, coloca-a no topo das preferências das cidades a visitar, viver ou investir. Cidades como Paris, Londres ou Nova Iorque, surgem como destinos privilegiados no imaginário colectivo. – O lugar (Place) – Está relacionado com a percepção que as pessoas têm sobre esse lugar. – Potencial – Encontra-se directamente relacionado com as oportunidades que a cidade oferece a quem as visita ou se quer fixar.Jorge.farromba@ipleiria.pt
  • 43. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: do marketing empresarial ao desenvolvimento do território • Anholt selecciona 6 grandes eixos – 6P’s para definir a marca territorial – Pulsar – Este vértice encontra-se directamente ao estilo de vida que a cidade pode proporcionar. – Pessoas – Este eixo avalia a hospitalidade dos residentes e a sensação de segurança proporcionada aos visitantes, – Pré-requisitos – Analisa as infra-estruturas que se encontram directamente ligadas à qualidade de vida das pessoas. • Assim, uma vez definida a estratégia , o território, seja ele o que for pode ser apresentado para o exterior de modo claro, por forma a gerar valorJorge.farromba@ipleiria.pt
  • 44. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: Nomes associados ao MK Territorial • Kotler – Marketing Places – Primeira sistematização de problemas e técnicas no MKT Territorial – Lança o debate sobre o tema – “olhar para o território como um organismo, connseguimos equiparar o sucesso ou insucesso às suas condições de “saúde”, sendo essas condições dependentes do bom ou mau funcionamento de todos os sistemas do organismo” – Desse modo, é possível aplicar “curas” num diagnóstico correcto e devolver a “alma” ou “vida” ao território – Curioso o fato de abordar territórios saudáveis e doentes!!!!  Como pode um território adoecer?????Jorge.farromba@ipleiria.pt
  • 45. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: Nomes associados ao MK Territorial • Segundo Kotler os territórios podem ter altos e baixos, subsistindo ao longo do tempo a não ser que ocorram mudanças extremas ou que, por desleixo, a situação se torne irreversível • Os ciclos são uma causados por uma combinação de mudanças externas e internas aos territóros – Kotler não olha para a doença do território como algo isolado mas como um conjunto de pequenos aspectos que não funcionam e que contribuem par a degradação do território – Assim, o papel do MKT será: • Fortalecer a capacidade de adaptação dos territórios à mudança • Se possível devolver-lhe o rumo para seguir em frenteJorge.farromba@ipleiria.pt
  • 46. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: Nomes associados ao MK Territorial • Simon Anholt – Criou o termo “Place Branding” – Fundou a revista cientifica – Journal of Place Branding – A sua perspectiva foca-se na imagem das nações e no problema da marca naçãoJorge.farromba@ipleiria.pt
  • 47. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: Nomes associados ao MK Territorial • Seppo Rainisto – Primeira tese doutoral sobre este tema, comparando abordagens usadas por europeus e americanosJorge.farromba@ipleiria.pt
  • 48. Marketing de Destinos CAP I - Marketing territorial: Nomes associados ao MK Territorial • ..MARKETING DESTINOS TURISTICOSKotler_Bowen_MK Destinos.zip • ..MATERIAL MKT TERRITORIALICT_City_MK_Digital_Opportunities_for_Cities_Around_the _World_2009.pdfJorge.farromba@ipleiria.pt