Loading…

Flash Player 9 (or above) is needed to view presentations.
We have detected that you do not have it on your computer. To install it, go here.

Like this document? Why not share!

Like this? Share it with your network

Share
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
765
On Slideshare
765
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
5
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. 404nOtF0und ANO 3, VOL 1, N. 33· outubro/2003 ISSN 1676- 2916 Publicação do Ciberpesquisa - Centro de Estudos e Pesquisas em Cibercultura http://www.facom.ufba.br/ciberpesquisa/404nOtF0und Editor: André Lemos Editor Assistente: Cláudio Manoel APONTAMENTOS EM CIBERPOLÍTICA A Internet e suas possibilidades democráticas Francisco Paulo Jamil Almeida Marques1 Resumo: O texto visa argumentar sobre as mudanças que ocorrem no cenário político contemporâneo devido, entre outros elementos, às tecnologias, à globalização, ao enfraquecimento das fronteiras e Estados nacionais, à mobilização civil e, sobretudo, a mudanças tecnocomunicacionais que reforçam a ação dos chamados “ novos movimentos sociais “ . O cerne des te trabalho bas ei a-se na tentativa de analisar como as novas tecnologias podem inserir um ingrediente inédito na comunicação e democracia contemporâneas, interferindo nas ações evidenciadas nos espaços públicos e esferas tradicionais/institucionais do debate político. Palavras-chave Comunicação - Internet - Democracia - Esfera Pública - Cidadania 1. Contextualização Somos a vanguarda no convívio efetivo com tecnologias a exemplo do computador, palm tops e celulares. Quando vamos ao banco, compramos no cartão de crédito ou mesmo ao assistir ao telejornal da noite, presenciamos a ação desses novos agentes, interligando, tornando o remoto acessível e instantâneo. No embate entre os “ integrados“ , que ins istem em sugerir a ampliação dos benefícios e da participação social com o advento de técnicas, e os “ apocalí ptic os“ 2, sempr al ardeando quanto a as suntos como exclusão digital, aumento da distância entre aqueles que e podem ou não ter acesso e fazer um bom uso dessas tecnologias (sem falar da “ r endi ção da cultura à tecnologia“ ), preferimos admi ti r que a informação, sua emissão, distribuição e consumo/recepção, ocupa sim um espaço diferenciado na contemporaneidade, mas nem por isso deve ser tratada como algo eminentemente sagrado ou profano. É fato, e contra fatos não há argumentos, de que cada vez mais a riqueza deixa de se associar aos bens materiais para se aliar ao conhecimento, o tal “ valor agregado“ 3. De imensas calculadoras até o desenvolvimento de interfaces amigáveis e equipamentos compactos, já se passaram mais de 30 anos. Entretanto, ainda estamos na euforia teórica inicial do advento de um novo meio/técnica4. Vários textos tentam dar conta dos efeitos que estas novas tecnologias geram no cotidiano, alguns mais recatados, outros apelando para a futurologia. Neil Postman, em seu livro intitulado Tecnopólio, afirma: “ ... a mudança tecnológica não é nem aditiva nem subtrativa. É ecológica (...) Se você retira as lagartas de dado habitat, você não fica com o mesmo ambiente menos as lagartas, mas com um novo ambiente e terá reconstituído as condições da sobrevivência (...) Uma tecnologia nova não acrescenta nem subtrai coisa alguma. Ela muda tudo (...) Depois da televisão, os Estados Unidos não eram a América mais a televisão; esta deu um novo colorido a cada campanha política, a cada lar, a cada escola, a cada igreja, a cada indústria“ (POSTMAN, 1994) Precisamos compreender sobretudo que as mudanças ocorridas na sociedade contemporânea não devem ser analisadas somente pelo viés tecnológico, como uma evolução do maquinário e do poder científico humano. A cibercultura, na verdade, é um dos desdobramentos da cultura contemporânea (talvez ainda sejam sinônimos), e não o contrário. No máximo podemos admitir uma relação dialógica. É necessário analisar possíveis mudanças que ocorrem na esfera pública e privada, devendo-se aceitar contribuições de abordagens alternativas que vão contra a idéia do determinismo tecnológico. Afinal, Comunicação é, sobretudo, relação social. 2. Cenários sócio-políticos contemporâneos O conhecimento humano (pelo menos no concernente a atualidades, já que nossa formação mais sólida, aquela que influencia nossa personalidade, desde as relações na escola, igreja ou família é sobretudo convivial, comunitária), é em sua maior parte mediado ou, como nos diz Giddens (2000), “ quando a imagem de Nelson Mandela pode ser mais famil iar para nós que o rosto do nosso vizinho de porta, alguma coisa mudou na natureza da experiência cotidiana “ . Nos confrontos cham ados “ anti-globalização“ ocorridos em Gênova, por exemplo, percebemos a presença da comunidade em sua multiplicidade, de setores agora mundializados, não mais apenas de caráter local ou nacional. Estão ali sindicalistas, sacerdotes, ecologistas e comunistas. A tecnologia permite, de certa forma, que as pessoas se coloquem em escala mundial. O fim da Guerra Fria e, consequentemente, o fim da bipolaridade entre Estados Unidos e União Soviética; a crescente unificação/regionalização dos mercados financeiros internacionais e nacionais; a descentralização da produção; o surgimento de novos movimentos sociais, sejam eles ecológicos ou étnicos e a fragmentação das grandes ideologias são fenômenos que, de alguma forma, abalam nossos quadros tradicionais de referência. Todos estes elementos geram incertezas/inquietações, inclusive contradições, no cenário contemporâneo. Que relações de produção emergem deste ciclo de mudanças? Seriam estes “ abalos“ sóci o-culturais, e até teórico-conceituais, os indícios de um “ Mundo em Desc ontrole“ , “ globaliz ado“ , c omo aponta Anthony G iddens? Es ses movimentos sociais5 lutam contra a globalização mas ao mesmo tempo utilizam as redes telemáticas, as reais propulsoras da “ nova economia“ ? Não é contraditório? Uma tomada de decisão do G8 reflete sobre os rumos da economia mundial, mesmo que 80% das pessoas do mundo não estejam sendo representadas numa reunião do “ cl ube“ . A simpáti ca idéia de “ village-monde“ , di fundi da principalmente na década de 60, vai dando lugar à construção do termo “ château-monde“ 6 , criado e adm inistrado, por grandes instituições financeiras mundiais, como FMI, Banco Mundial e G8.
  • 2. Giddens define globalização como: “ A intensificação de relações sociais em escala mundial que ligam localidades distantes de tal maneira, que acontecimentos locais são modelados por eventos ocorrendo a muitas milhas de distância e vice- versa (...) não é portanto um processo singular, mas um conjunto de complexos processos. E estes operam de uma maneira contraditória ou antagônica“ (GIDDENS, 2000) Os analistas, geralmente, interpretam a globalização de duas formas diversas: um processo fatal e “ inesc apável“ , do qual todos fazem parte e são obrigatoriamente inseridos; uma ideologia propagada pelo Banco Mundial e países dominantes para servir aos interesses das transnacionais7. Há ainda pensadores que usam expressões como “ D isneylândia global“ , proposta de Octávio Ianni, “ macnonaldização do mundo“ etc. Mas também há um outro viés, um esforço de construção de uma globalização “ por baixo“ , como s upõe o analista Richard Falk, na qual as forças que se auto intitulam anti-hegemônicas buscam fomentar uma sociedade civil global, que promova a democracia, o caráter humanitário e o desenvolvimento social sustentável. São estas forças que têm a consciência de que a fome, o desemprego8 e a miséria também estão se globalizando. “ A pobr eza, a fome, as guerras civis são negligenciadas como algo próprio dessas sociedades em transição, em estágio evolutivo doloroso rumo à democracia e ao livre mercado. Nenhuma conexão é feita entre o colapso das economias nacionais e o subjacente processo de reestruturação global (...) A globalização da pobreza ocorre em época de notável progresso tecnológico nas áreas de engenharia de produção, telecomunicações, computadores e biotecnologia.“ (VIEI RA, 1999) Os governos formais não são os únicos que se colocam para discutir a ordem internacional. Os ciclos mundiais da ONU contam cada vez mais com a participação atuante de entidades oriundas da sociedade civil organizada. Esta presença de entidades privadas, mas de caráter público, são a essência daquilo que Boaventura Santos chama de “ globaliz ação contra-hegemônica “ , onde grupos defendem os interesses de excluídos do capitalismo global. É necessário fiscalizar, influenciar, agir, seja através de um grupo de moradores ou de um sindicato. No mundo moderno, a vida das pessoas está associada ao Estado, que tem um aspecto onipresente, estabelecendo regras e convenções sociais, provendo educação, saúde. Mas todo esse poder é algo recente se tomarmos como referência a história humana. Algumas comunidades de séculos atrás conheciam pouca coisa que não fizesse parte de seu cotidiano, visitando uma cidade mercantil raramente ou conhecendo apenas o nome do rei. O contato com o mundo exterior, digamos assim, era maior com a Igreja do que com um líder político ou militar, ou seja, não havia um governante ou a presença de um Estado soberano. Liszt Vieira afirma: “ O Estado-Nação é um fenômeno historicamente recente, que vincula os direitos e a comunidade ao território, mas sua supremacia sempre foi débil e está cada vez mais questionada por se contrapor a identidades, comunidades e valores mais locais e particularistas, ou mais gerais e não territoriais“ . (VIEIRA, 1999) De acordo com Castells, “ O s s istemas políticos es tão mergulhados em uma crise estrutural de legitimidade, periodicamente arrasados por escândalos, com dependência total de cobertura da mídia e de liderança personalizada e cada vez mais isolados dos cidadãos“ (CASTEL LS, 1999). É colocado por vários estudiosos que a decadência da soberania dos Estados nacionais pode ter como resultado principal a erosão da cidadania, pois é justamente a “ máquina“ quem garante, reconhece e legitima o status de cidadão, apesar de não esgotar essa noção. Se antigamente, na Grécia, a identificação política entre população, Estado e Território era gerada a partir da noção de cidade-Estado (pólis), na democracia moderna esse eixo experimenta uma mudança para o Estado-Nação. Na medida em que os Estados contemporâneos têm controle apenas nacional da situação, empresas, culturas, migrações e outros processos têm âmbito planetário. Preocupados com esta temática da cidadania, aqui citamos uma reflexão de Norberto Bobbio: “ Os direitos não nascem todos de uma vez (...) Nascem quando o aumento do poder do homem sobre o homem “ que acompanha inevitavelmente o progresso técnico, isto é, o progresso da capacidade do homem de dominar a natureza e os outros homens “ ou cria novas ameaças à liberdade do indivíduo, ou permite novos remédios para suas indigências: ameaças que são enfrentadas através de demandas de limitações do poder; remédios que são providenciados através da exigência de que o mesmo poder intervenha de modo protetor“ (BOBBIO, 1992) Este é mais um desafio proposto pela globalização: repensar a cidadania, mas só que agora uma cidadania planetária. Atualmente, boa parte das teorias contemporâneas conferem ao direito e à cidadania papel chave no processo de construção da vida democrática. É sadio para a sociedade que os indivíduos se organizem em movimentos sociais ou sindicatos, tanto para exercer sua cidadania quanto para formar um contrapoder que limite a atuação estatal. Esta contextualização do cenário sócio-político contemporâneo se constitui ferramenta imprescindível para a análise das novas discussões sobre política e relações de poder 3. As possibilidades democráticas da comunicação digital Com o surgimento da imprensa, a disseminação de idéias sempre esteve ligada à delegação de poder na sociedade. À medida em que a técnica dos meios de comunicação vai evoluindo, aumenta o interesse dos governos e de numerosos partidos políticos e movimentos sociais em usar essas novas mídias como meios de difusão de sua próprias idéias. Os meios de comunicação tornaram-se, ao longo do século XX, sobretudo, elementos indispensáveis da estruturação social e política dos povos, funcionando até mesmo como extensão dos homens (ao estilo McLuhan) ou suporte para a inteligência coletiva. “ A Idade Mí dia redimensiona a política, resigni ficando-a: como uma política realizada em redes eletrônicas (telepolítica); através do aparecimento de novos ingredientes políticos e pela redefinição do funcionamento e dos formatos da política realizada em territórios, espaços geográficos determinados (aqui representados pela metáfora da rua), pela virtualidade da sua possível absorção em redes midiáticas (definidas pela noção metafórica de tela). (RUBIM, 2000) Canais de rádios comunitárias e televisões a cabo, por exemplo, são possibilidades de fazer os mass media funcionarem como mecanismos de democratização e até de diversidade/pluralidade cultural. Porém, o que se percebe é o enfraquecimento desses meios de promoverem mudanças sociais, pois na maioria das vezes eles são tomados de posse por megagrupos, empresariais ou não, e aparelhos do Estado. Assim aconteceu com o jornal impresso, o rádio, a televisão. Muitos têm a curiosidade de saber se, com a Internet, acontecerá o mesmo, dado seu crescente caráter comercial. Desta forma, a Internet nos interessa enquanto um espaço de produção contínua de conteúdos, emissão e recepção destes por públicos que antes dependiam exclusivamente de outros meios de comunicação para se manterem informados ou adquirirem o saber. O cidadão passa a depender menos da imprensa tradicional para formar uma opinião política, ou seja, não vai deixar de ler o jornal impresso ou assistir ao Jornal Nacional da Globo com a família, mas o usuário de Internet passa a contar com um maior número de fontes alternativas, desde governos e sindicatos até
  • 3. informações providas por particulares. Duas são as conseqüências imediatas advindas dessas considerações: uma nova discussão sobre o papel mediador do jornalismo e a pluralidade de opiniões (GOMES, 2001). Muitos de nós já recebemos em nossas caixas de e-mail, por exemplo, mensagens cujo conteúdo têm relação com campanhas virtuais de Organizações Não-Governamentais (ONGs). São abaixo - assinados repudiando determinada empresa ou atitudes de Estados, textos destinados à captação de recursos financeiros, disseminação de informações e pesquisas e, sobretudo, presença institucional. Com a popularização da Internet, a partir de 1996, essas organizações ganharam mais um espaço de divulgação, interação e aglutinação de seus componentes. O acesso a um computador conectado à Internet dá ao usuário a possibilidade de participar de ações promovidas por movimentos sociais com de um ponto nas redes telemáticas. Não há a dependência de intermediação, filtros ideológicos e editoriais da chamada grande mídia, que podem destacar, deturpar ou ocultar de acordo com sua conveniência, além de impor barreiras burocráticas. É diferente, por exemplo, acompanhar a cobertura da ocupação de um prédio público por membros do Movimento dos Sem Terra (MST) a partir das grandes redes de televisão brasileiras ou através do jornal online disponibilizado pelo movimento; foi diferente a cobertura dos protestos gerados pela reunião da cúpula da Organização Mundial do Comércio em Seattle (ano de 1999) feita pela grande imprensa internacional em relação ao reportamento dos fatos pelo Independent Media Center9. Entra aí também a questão da credibilidade. Isto quer dizer, em suma, que o próprio agente social agora tem um canal de interlocução com a sociedade10. “ O que se busca é promover a di ssemi nação de idéias e o máximo de intercâmbios. Poder interagir com quem quer apoiar, criticar, sugerir ou contestar. Como também driblar o monopólio de divulgação, permitindo que forças contra-hegemônicas se expressem com desenvoltura, enquanto atores sociais empenhados em alcançar a plenitude da cidadania e a justiça social “ (MORAES, 2001b) Em um dos maiores portais de notícias da Internet, o espanhol “ El Mundo“ (www.el-mundo.es), uma notícia divulgada no último dia 12 de março11 nos faz refletir sobre a eficácia da Internet enquanto suporte de uma comunicação alternativa para trocar, tornar público e prover opiniões ou mesmo acontecimentos omitidos pela mídia convencional. Os tais “ panelaços“ (ou cacerolazos) organizados pelos argentinos contra o “ cor ralito“ (congelam ento de todos os depósitos bancár os para evitar a fuga de capitais do país), que apesar de pacíficos na maioria das vezes são i reprimidos pelo governo local por manchar a imagem do país junto ao exterior, foram transplantados para a rede mundial de computadores. Foram criados em poucos dias site como o C-a-z-e-r -o- l-a-z -o, o El cazerolazo, o Cazerolazo.info e o Cazerolazo.unlugar, todos estes trazendo editoriais, fóruns online, enfim, estimulando a participação e o debate políticos. Algumas ONGs, como o WWF, por serem internacionais, terem milhares de filiados e, justamente por isso, receberem maiores recursos, acabam conseguindo um maior poder de divulgação e de influência por sustentarem campanhas não apenas na Internet, investindo somas de capital em outros meios de comunicação. No próprio site do Greenpeace podemos assistir, a partir de recursos multimídia disponibilizados, os anúncios que a entidade produziu para a televisão. Desta forma, a rede mundial de computadores acaba se tornando mais um canal de divulgação dentre outros. Geralmente para essas entidades com maiores orçamentos a Internet não é colocada como principal veículo de comunicação, pois ainda é superada principalmente por jornais e revistas. Entretanto, para pequenas ONGs, que não podem gastar com impressão de material ou veicular publicidade em rádio e televisão, a Internet inaugura uma nova condição na comunicação. É justamente aí que se percebe como o ciberespaço pode agrupar as mais diferentes formas de vida e organização. Entendendo esses novos atores sociais como formas particulares de intervenção, como uma luta pela reestruturação da sociedade e até mesmo novas formas de expressão política, através de ações, fiscalização e de estímulo ao debate, não podemos deixar de tocar no assunto “ es fera pública“ , cujo princ ipal expoente e referência é o alemão Jürgen Habermas e seu clássico Mudança Estrutural da Esfera Pública. Para dar início a este ponto, adotaremos o conceito de esfera pública enunciado pelo professor Wilson Gomes em seu texto “ Esfera Pública Política e Media “ : “ A esfera pública é um âmbito da vida social protegido de influências não-comunicativas e não- racionais, tais como o poder, o dinheiro e as hierarquias sociais. A pública argumentação que nela se realiza constringe por princípio os parceiros do debate a aceitar como única autoridade aquela que emerge do melhor argumento. A esfera pública como que impõe uma paridade inicial entre os sujeitos de pretensões até que a sua própria posição se torne discurso; depois disso, há de se submeter apenas às regras internas ao processo de conversação ou debate público“ . (GOMES, 1997) A partir dessas bases, é justamente esta a questão que queremos levantar: existe a possibilidade de uma remissão da Esfera Pública? Na visão dos mais otimistas do assunto, o crescimento da atuação e influência dos movimentos sociais bem como o advento de mídias eletrônicas de caráter interativo12 nos dão a possibilidade de ver renascida uma nova modalidade de Esfera Pública. Se a sociedade de massa e os meios de comunicação de massa, que funcionam na relação emissor “ receptor, haviam limi tado o encontro face-a-face dos cidadãos para o debate racional do que é benéfico para a sociedade, podem recursos multimidiáticos (que se utilizam de áudio, vídeo, permitem a interatividade de pessoas, numa comunicação todos-to dos, como sugere Pierre Lévy) nos fazer deslumbrar um novo espaço para o exercício livre/direto da democracia? Há uma reviravolta nos meios de veiculação e publicação de uma opinião em um ambiente descentralizado e sem fronteiras temporais ou espaciais como a Internet? O fato de a emissão das mensagens se dar de forma multilateral (“ horizontaliz ada“ ) não é suficiente para admitirmos a remissão de uma “ es fera públic a“ através da Internet (nem el imina as formas verticais de emissão...). Não é fácil admitir a alternativa teórica da existência de uma esfera pública contemporânea que se realiza plenamente na rede mundial de computadores. A esfera pública pensada por Habermas requer o uso público da razão, a posse de vontade livre e de uma maturidade racional. A esfera pública do pensador de Frankfurt perdeu, sobretudo com o advento da comunicação de massa, três de suas características fundamentais: acessibilidade, discursividade e racionalidade. Falando em termos normativos, a opinião pública teria se distorcido e emergiria não mais de um debate claro, sincero entre o Estado e a sociedade civil, mas das disputas entre a esfera política (busca votos, manutenção do poder e administração do erário) e os meios de comunicação de alcance generalizado (busca de audiência, função fiscalizadora, mas sem perder de vista o fato de que funcionam como empresa). Podemos afirmar, porém, que na contemporaneidade há a reunião de um público representativo para debater temas coletivamente relevantes (outro problema é como dimensionar e mensurar esse dado em diferentes sociedades)? O melhor argumento sempre vence ou muitas vezes ele é dominado pelo poder político e econômico, pelas denominadas “ hier arquias sociais “ (o debate s obre se existe ou não uma “ paridade entre os sujeitos“ )? F atores como o marketing e a midiatização da sociedade e da política acabam influenciando a formação da opinião pública (se é que podemos falar em opinião pública, como ataca Bourdieu)? A acessibilidade não é uma barreira, visto que grupos de pessoas estão excluídas de debates? Imagino que essas respostas são a chave para começar a compreender o cerne da questão. Por outro lado, a questão da multilateralidade, da variedade de fontes, dos próprios atores sociais poderem divulgar os fatos a partir de sua ótica, da possibilidade da reunião de pessoas em salas de bate-papo, em grupos de atuação social, acaba criando ou fortalecendo identidades e, de alguma forma, dinamiza o processo. “ Comunidades da Internet funcionam como locais diferenciados e de resistência à sociedade moderna. Nesse sentido, elas exercem a função de esfera pública habermasiana sem a intenção de ser uma. São locais onde não há presença de causas válidas ou da realidade da razão crítica, mas de inserção de novas maneiras do ser13“ (POSTER, 1995) Além disso, o fato a se destacar é que o modelo rizomático, descentralizado, possibilita uma maior autonomia no tocante às normas culturais e barreiras impostas por determinados Estados. Na China, por exemplo, o Ministério da Indústria da Informação determinou há alguns meses que os provedores do país vasculhem salas de bate-papo e o correio eletrônico dos usuários em busca de material considerado “ subversivo“ . Afora isso, já há pouco tempo foi publicada em vários jornais do mundo a notícia de que Pequim havia mandado fechar mais de 2000 cibercafés. Numa “ guerra“ , a primeira vítima é a verdade, a informação. Não interessam o debate e o questionamento a uma forma de governo ditatorial.
  • 4. “ Num mundo baseado em comuni cação ativa, o poder opressivo “ aquele que se exerce somente de cima para baixo “ perde sua posição vantajosa. As condições econômicas com que a economia soviética, conduzida de cima para baixo, ou a de outros regimes autoritários não foi capaz de lidar “ a necessidade de descentralização e flexibilidade “ se espelhar am na política. O monopólio da informação, em que o sistema político se baseava, não tem futuro numa estrutura intrinsecamente aberta de comunicação global“ (GIDDENS, 2000) Apesar de se mostrar uma estrutura de comunicação que difere das tradicionais, a Internet não permite o encontro físico, o que levanta alguns questionamentos sobre a estabilidade das interações14. A Internet dá a possibilidade dos indivíduos lerem e interpretarem as informações da maneira que considerarem mais adequada. Os entes do discurso não são fatalmente “ estranhos “ entr si, ou s ej a, e apesar de não se encontrarem face- a-face, as pessoas podem aprofundar a discussão, voltar a se encontra r em outro dia, retomar o debate. Há inclusive quem diga que a diferença crucial entre o Jornalismo praticado na Internet e o Jornalismo praticado na mídia “ c onvenc ional“ 15 s ej a j us tamente a forma de ediç ão: apesar de ser uma mídia “ nervosa“ , onde o ac ess o e o usuário são dinâmicos, isto é, têm pressa em encontrar a informação que desejam, a rede mundial funciona como fonte de investigação onde pode-se aprofundar a pesquisa por determinado tema. Há uma descentralização do discurso, agora não mais limitado no esquema de comunicação “ um-todos“ . Considero interessante ainda observar um outro fato quando relacionamos Internet e esfera pública: à época dos cafés ingleses dos séculos XVIII e XIX, as esferas pública e privada estavam visivelmente “ apartadas“ , enquanto que hoje, dentro do quarto, ouvindo o som da televisão na sala e dos familiares conversando, podemos opinar, argumentar, publicar um conteúdo e debater, por exemplo, numa lista de discussão. Isso, de alguma forma, muda o “ esquem a“ . Se “ o mei o é a mensagem“ , talvez o meio, o lugar onde o internauta se encontra, também possa influir no fluxo. A esfera pública genuína difere da esfera da intimidade por desconhecer o comportamento e o desejo privado, já que estes não são submetidos a uma condição racional de geração. “ Mas o fato é que o di scurso político há tempos é mediado pelas máquinas eletrônicas: a questão agora é que as máquinas nos possibilitam novas formas de diálogo descentralizado e criam novas combinações homem-máquina (interações), novas vozes individuais e coletivas, espectadores, interatividades que são os novos blocos construtores de grupos e formações políticas16“ . (POSTER, 1995) Porém, não é por causa desta mediação eletrônica ou impressa que está difundida que podemos reduzir a capacidade crítica das pessoas e superestimar o poder da mídia: a política continua acontecendo e assim vai permanecer por longo tempo em espaços tradicionais, com ao rua, por exemplo. Quando em seu livro “ A Soc iedade Em Rede“ Manuel Cas tells (1999) ressalta a necessidade de se “ util izar o enorme potenci al da Internet (...) para reviver a democracia, não enquanto substituição da democracia representativa por meio do voto, e sim para organizar grupos de conversação, plebiscitos indicativos e consultas sobre distintos temas, disseminando informações na sociedade“ , na verdade ele está evidenc iando o ponto que insistimos: pode-se colocar para o público, sem a interferência de barreiras como espaço ou tempo, as mais diversas visões de mundo. A democracia contemporânea formal pressupõe o acesso e a participação de todos. Como não seria possível a participação ativa de todo o contigente populacional no processo político, a saída, um aparato técnico, a nosso ver, foi eleger representantes. Porém, devemos tomar o advento da nova tecnologia de comunicação como um instrumento da democracia direta que pode ser agregado à democracia representativa; a democracia direta ou plena não se alcança apenas com a viabilidade de plebiscitos eletrônicos, uma consulta direta às pessoas sempre que estiver em debate um tema de interesse coletivo. Na falta de uma análise alternativa coerente dessas questões midiáticas, o melhor a fazer é examinar o fenômeno Internet e as novas formas de participação possibilitadas por ela em relação a velhas formas de democracia, como assinala Poster. Se num primeiro momento a comunicação era marcada exclusivamente por sua verticalidade, agora podemos nos tornar provedores de informação17. Assim, no ciberespaço há lugar para manifestações de diversas naturezas, sejam elas acadêmicas, artísticas, religiosas, sexuais ou mesmo políticas. Movimentos sociais, por exemplo, são contemplados com sites de ambientalistas (Greenpeace e WWF - World Wound Found for Nature); partidos políticos, parlamentares ou ainda candidatos também têm a possibilidade de serem “ acess ados“ , numa m ídia que lhes dá espaç o 24 horas por dia, 7 dias por semana18. “ As igrejas ou os Estados que não estão presentes na web começam a sentir certa carência na comunicação com seus fiéis ou cidadãos. O mesmo corre com empresas ou círculos comerciais. A conclusão é de que a rede converteu-se num lugar importante para o desenvolvimento das relações convencionais entre administradores e administrados. Em que pese seu caráter anárquico e suas tendências caóticas, instituições hierárquicas do mais variado tipo tratam de ocupar terreno nela. O que nos perguntamos é se, efetivamente, pretendem aprender as novas formas de organização ou querem Parece um discurso fácil tão somente condicioná-las.“ (CEBRIÁN, 1999) aceitar que a Internet pode funcionar plenamente como esfera pública. As comunidades eminentemente virtuais, por exemplo, ainda apresentam uma baixa dinâmica interna. Com isto queremos dizer que, apesar de iniciativas reconhecíveis, há sim dificuldades de se passar do discurso, do debate, à ação plena. Para uma efetiva mobilização política não é necessária apenas uma boa estrutura comunicacional, mas também a vontade de participar por parte dos cidadãos. “ As novas aplicações tecnológicas, independentemente de favorecer ou dificultar a democracia, devem ser pensadas de maneira associada com os elementos sócio-históricos próprios dos atores sociais e com os procedimentos da comunicação estabelecida entre os sujeitos comunicantes concretos“ (MAIA, 2001) Ou seja, é de se levar em consideração que o acesso à tecnologia de comunicação e informação não é um caminho automático à democracia, à participação política. Retirar as barreiras de possibilidades de comunicação e expressão não são suficientes para eliminar a apatia política ou garantir a reflexão crítica das pessoas. Aqui entra em cena a questão da racionalidade do debate público, como oportunamente coloca Rousiley Maia. 4. Possíveis Conclusões Consideramos a comunicação mediada pelo computador um novo espaço de intervenção pública que vem se destacando por duas características principais: advento da interatividade entre diversas pessoas sem levar em conta tempo e espaço; e agilização dos processos comunicativos. Existe a possibilidade de se constituir uma nova comunidade política, sem barreiras territoriais, a partir de recursos multimídia. Acreditamos sim que a Internet oferece condições necessárias para uma maior democratização da vida política da sociedade e do Estado, dada sua capacidade de possuir mecanismos eletrônicos de efetiva participação política e difusão de informação. A rede mundial de computadores é o meio mais ágil e barato de transmitir informações que interessam à sociedade civil. Outro ponto que não pode passar desapercebido no assunto que estamos desenvolvendo: o digital divide (trocadilho com a expressão inglesa), isto é, também há uma exclusão digital, seja por falta de recursos financeiros, seja por falta de conhecimento para manejar os novos aparatos. Mas não é por isso que devemos encarar esta nova mídia com hostilidade. A tendência é de crescimento e difusão. Além disso, o fato mais importante é que toda nova tecnologia gera, obrigatoriamente, seus excluídos. Havia analfabetos antes da invenção da escrita? É fato de que a grande maioria do planeta não está online. A metade da população mundial ainda vive no campo, o analfabetismo atinge mais de um bilhão de pessoas, e outros bilhões de pessoas se encontram em estado de pobreza absoluta. Apesar de termos um leque de possibilidades, gera incerteza imaginar de que forma traçaremos os caminhos da tecnologia até o social. É importante ressaltar ainda que inclusão digital não é apenas aumentar o número e a venda de computadores, e sim qualificar e treinar pessoal. Se as coisas não se encaminharem nesse sentido, apenas jovens ricos, saudáveis e com acesso à educação formal terão habilidade suficiente, deixando para trás a maioria da população.
  • 5. A própria ONU intitulou seu relatório do Desenvolvimento Humano, divulgado em julho de 2001, da seguinte maneira: “ F azer com que as novas tecnologias trabalhem para o desenvolvimento humano . A r “ elevância do tema é comprovada quando a entidade estabeleceu nesta última edição um novo indicador para o Dese nvolvimento Humano: o Índice de Avanço Tecnológico (IAT). Ele foi criado para avaliar a disseminação das novas tecnologias e, sobretudo, seu aproveitamento pela população. “ Ainda que as novas tecnol ogias sejam impressi onantes, nós não devemos esquecer que a tecnologia em si mesma não determina mudança, é apenas um facilitador desta mudança. Como com qualquer outra tecnologia, é o contexto social no qual estas tecnologias estão inseridas e, o mais importante, implementadas, que determina seus usos e impactos19“ (UIMONEN, 1997) Os problemas que afetam a humanidade e o mundo, assim como as redes de comunicação, estão deixando de levar em conta as fronteiras geográficas. Comércio, produção, desemprego, degradação ambiental são questões que ganham cunho transnacional. Está surgindo, assim, um novo conceito de cidadão, de cidadania, que é caracterizada pelo “ planetári o“ , ora ao lado, ora em contraposição ao Estado e poder econômico do mercado. Não podemos deixar de dizer que, nesta “ inundação de signos“ , no “ di lúvio informacional“ a busca do que é relevante s e faz mais ur gente. Desde a disseminação da tecnologia e da perda da exclusividade do uso da rede por militares e acadêmicos, as ferramentas estão disponíveis. Resta a nós contribuir para o desenvolvimento de uma sociedade de informação inclusiva, onde todos tenham acesso à informação. Os governos devem investir no que se convencionou chamar de “ acesso com uni tário“ , não apenas de infra-estrutura técnica, mas também de qualificação das pessoas. Além do mais, imaginamos que democracia (inclua-se a eletrônica) e estímulo à cidadania não são apenas a possibilidade de poder consultar a população sempre que se fizer necessário. 5. Referências Livros e artigos acadêmicos: 1.ANTOUN, Henrique (2001). Jornalismo e ativismo na hipermídia: em que se pode conhecer a nova mídia. In: Revista Famecos, nº 16, Porto Alegre. 2.BOBBIO, Norberto (1992) A era dos direitos. Rio de Janeiro: Campus. 3.CASTELLS, Manuel (1999). A sociedade em rede. A era da informação: economia, sociedade, cultura; volume 1. São Paulo: Paz e Terra. 4.CÉBRIAN, Juan Luis (1999). A Rede. São Paulo: Summus. 5.DE PAULA, Silas e GUEDES, Olga (1999). Sociedade de Informação: o futuro (im)perfeito. VIII Encontro da COMPÓS, UFMG. 6.FERNANDES, Rubem César (1994). Privado porém público: O Terceiro Setor na América Latina. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994. 7.FILHO, Ciro Marcondes (2001). Haverá Vida após a Internet? In: Revista Famecos, nº 16, Porto Alegre. 8.GATES, Bill (1995). A estrada do futuro. São Paulo: Companhia das Letras. 9.GIDDENS, Anthony (2000). Mundo em Descontrole. Rio de Janeiro: Record. 10.GOHN, Maria da Glória (2000). Mídia, Terceiro Setor e MST: impactos sobre o futuro das cidades e do campo. Petrópolis, RJ: Vozes. 11.GOLDSMITH, Marshall. (1998). Comunicações Globais e Comunidades por Escolha in HESSELBEIN, Frances et al.: A Comunidade do Futuro. São Paulo: Futura. 12.GOMES, Wilson (1997). Esfera pública política e media. Com Habermas, contra Habermas. Anais do VI Encontro anual da COMPÓS, Unisinos. 13.______________ (1998). Esfera pública política e media - II. Anais do VII Encontro anual da COMPÓS, São Paulo. 14.______________ (2001). Opinião Política na Internet. Anais do X Encontro da Compós. Brasília. 15.GUEDES, Olga (1999). “ O Cons umo das Novas Tecnologias de Comunicação na Esfera Privada“ . In: Coleção do I Colóquio Brasil - Reino Unido. INTERCOM. 16.HABERMAS, Jürgen (1984). Mudança estrutural da esfera pública. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. 17.HALL, Stuart (2001). A identidade cultural na Pós-Modernidade. Rio de Janeiro: DP&A Editora. 18.(HELD, David e McGREW, Anthony (2001). Prós e Contras da Globalização. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. 19.IANNI, Otávio (1996). Teorias da Globalização. Editora Civilização Brasileira. 20.LÉVY, Pierre (1999). Cibercultura. São Paulo: Editora 34. 21.________ (1998). O que é o virtual. São Paulo: Editora 34. 22.MAIA, Rousiley C.M. (2001). Democracia e a Internet como Esfera Pública Virtual: aproximando as condições do discurso e da deliberação. Anais da X Reunião da Compós. Brasília. 23.MARSHALL, T.H. (1967). Cidadania, classe social e status. Rio de Janeiro: Zahar 24.MATTELART, Armand e Michèle (1999). História das Teorias da Comunicação. Edições Loyola. 25.MORAES, Dênis de (2001a). O Concreto e o Virtual. Rio de Janeiro: DP&A 26.NEGROPONTE, Nicholas (1995). A Vida Digital. São Paulo: Companhia das Letras. 27.POSTMAN, Neil (1994). Tecnopólio: A Rendição da Cultura à Tecnologia. São Paulo: Nobel. 28.PRIMO, Alex. F.T. (1997). Seria a Multimídia de fato Interativa? In: Revista Famecos, nº 6, Porto Alegre. 29.ORTIZ, Renato (1994). Mundialização e Cultura. São Paulo: Brasiliense. 30.SCHERER-WARREN, Ilse (1996). Redes de Movimentos Sociais. São Paulo: Loyola. 31.RUBIM, Antonio Albino Canelas (1996). A comunicação e a política dos Neo-Zapatistas. Caderno do CEAS, Salvador, n° 166, Novembro/Dezembro, 1996. 32.SILVEIRA, Sérgio Amadeu da (2001). Exclusão Digital “ A Miséria na Er da Infor ação. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo. a m 33.TRIVINHO, Eugênio (1996). Sociedade, Razão e Cultura tecnológica. Compós. São Paulo. 34.VIEIRA, Liszt (1999). Cidadania e Globalização. Rio de Janeiro: Record. 35.WOLF, Mauro (1987). Teorias da comunicação. Lisboa: Presença. Documentos digitais (www): 1.ALMEIDA, Jorge. Mídia, Opinião Pública ativa e Esfera Pública Democrática (http://sites.uol.com.br/jorgealm/Esfera.html) 2.CHARRY, Clara Inês e CALVILLO, Miriam. Organizaciones Civiles: Nuevos Sujetos Sociales.(http:/www.cem.itesm.mx/dacs/publicaciones/logos/anteriores/n18/18charrcalvil.html) 3.DOWBOR, Ladislau (2000). Economia da Comunicação. (http://ppbr.com/ld/9economia.shtml) 4.FILHO, Paulo Cunha. Modelos de cidadania digital: hipermídia e democracia na sociedade de informação ( http://www.eca.usp.br/gt_sociedadetecnologica/html/paulo_cunha98.html) 5.GIDDENS, Anthony. Entrevista à revista “ Is to é“ nº 1658 (http://www.terra.com.br/istoe/1658/1658vermelhas.htm) 6.GUEDES, Olga (1998). Sociedade de Informação. 7._____________ (2001). New Technologies, Democracy and Social Movement. 8.LARANGEIRA, Álvaro (1999). A imersão da humanidade no universo on-line. In: Revista Famecos. (http://ultra.pucrs.br/famecos/rf9larangeira.htm ). 9.LEMOS, André. (1998a)As estruturas antropológicas do ciberespaço. (http://www.facom.ufba.br/pesq/cyber/lemos/estrcy1.html) 10._______ (1998b). Ciber-Socialidade: Tecnologia e Vida Social na Cultura Contemporânea. (http://www.facom.ufba.br/pesq/cyber/lemos/cibersoc.html) 11.MORAES, Dênis de (2001b) O ativismo Digital (http://www.bocc.ubi.pt/pag/_texto.php3?html2=moraes-denis-ativismo-digital.html) 12.MURAD, Angèle. Nem tudo o que cai na rede é peixe: os desafios da comunicação pública na Internet. ( http://www.facom.ufba.br/ciberpesquisa/404nOtF0und/www.e- democracy.lcc.ufmg.br/e - democracy.nsf/papers_murad.html?OpenPage) 13.PACHECO, Ricardo de Aguiar (2000). Cidadania e Identidade Social in Revista de Humanidades (www.seol.com.br/mneme). 14.PAL, Leslie A . (1997). Virtual Policy Networks: The Internet as a model of contemporary governance?. (http://www.isoc.org/inet97/proceedings/G7/G7_1.HTM) 15.PALACIOS, Marcos. Cotidiano e sociabilidade no ciberespaço: apontamentos para uma discussão. (1998)(http://www.cfh.ufsc.br/~ciber/ant5203/cotidiano.html) 16.POSTER, Mark (1995). Cyberdemocracy: Internet and the Public Sphere. (http://www.humanities.uci.edu/mposter/writings/democ.html) 17.SILVER, David. Introducing Cyberculture. (http://otal.umd.edu/~rccs/intro.html). 18.ROCHA, Marisa Perrone (2000). A questão da cidadania na sociedade de informação. 19.RUBIM, Albino Canelas. (2000) Política Midiatizada: Entre o Global e o Local. In: Revista Comunicação & Sociedade, nº 33. São Paulo (http://www.facom.ufba.br/compolitica/textos/polimidiat.htm) 20.TRIVINHO, Eugênio (1996). Epistemologia em ruínas: a implosão da Teoria da Comunicação na experiência do cyberspace. In: Revista Famecos (http://ultra.pucrs.br/famecos/rf5eugen.html ) 21.UINOMEN, Paula. The Internet as a Tool for Social Development (1997) (http://www.isoc.org/inet97/proceedings/G7/G7_1.HTM ) 1 Jornalista graduado pela Universidade Federal do Ceará, em abril de 2002, tendo defendido monografia com o título “ Cidadania Digital “ A Internet como ferramenta política“ . Atualmente é mestrando do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporâneas da Universidade Federal da Bahia, na linha Cibercultura. Bolsista Capes, instituição à qual o autor é grato. 2 Dicotomia criada por Umberto Eco e trazida por nós, neste texto, ao debate sobre o advento de novas tecnologias de informação e comunicação. 3 O argumento é de que as licenças de uso do sistema Windows, da Microsoft, por exemplo, valem muito mais que ações e maquinários de indústrias de bens de produção. 4 É importante dizer que o meio é o computador, sendo a Internet apenas o suporte. 5 “ The Twenty first century social movement is characterised by a common objective of transforming the values and institutions of society through collective actions and it has manifested itself on and by the Internet. The new social movement is a movement of opposition to global capitalism and although it has a global scope tends to be manifest locally. They challenge the transnational corporations, oppose the transnational capitalist class and its local affiliates in the political sphere, and promote cultures and ideologies of anti-consumerism. In most capitalist societies, social movements for what has become known as social democracy have united those who are hostile to capitalism, those who struggle to alleviate the worst consequences of capitalism, and those who simply want to ensure that capitalism works with more social efficiency than the so called free market allows. They are characterized by the unmistakable novelty of their practices, for example the use of credit cards for donations and the media and new media for mobilization, and the appeal of some of the most prominent social movements of recent decades, notably the women s “ movement and environmental movement. The issue of democracy is central to the practice and the prospectus of social movements against capitalism, local and global. The rule of law, freedom of association and expression, and freely contested elections, as minimum conditions and however imperfectly sustained, are as necessary for mass market -based global consumerist capitalism as
  • 6. 7 Um exemplo do uso ideológico-político do termo globalização está na abertura indiscriminada dos mercados nacionais de países do terceiro mundo. 8 Nos final do século XIX, a agricultura empregava 90% da população nos países desenvolvidos. Na atualidade apenas 3% das pessoas se encontram nesse setor da economia, de acordo com CEBRIÁN, 1999. Aqui se coloca um desafio, pois o trabalhador desempregado não importa se estamos ou não entrando na sociedade de informação. De que forma vamos resolver problemas como estes? As inovações técnicas procuram render o máximo com o mínimo de esforço, o que gera postos de trabalho, mas tira muitos outros. 9 O IMC (Independent Media Center “ www.indymedia.org) é uma rede de comunicação que se propõe a fazer cobertura de manifestações sociais, estimular debates, servir como elemento de pressão com o objetivo de “ trabalhar por um mundo m elhor“ , de maior j ustiça s oc ial . O tom é a descentralização das ações, a atuação coletiva. 10 O canal já era possível com a possibilidade de se produzir um programa de rádio, um jornal ou inserir VTs na televisão. O que destacamos, porém, é a agilidade, o número de pessoas potencialmente atingidas e o baixo custo do uso da Internet se comparada à utilização das mídias convencionais. 11 http://busca.terra.com.br/wired/politica/02/03/12/pol_1.html 12 É interessante esclarecer um pouco mais o conceito de Interatividade. Etimologicamente, o termo “ interação “ designa “ ação entre entes“ . Aqui concordamos com Alex Primo quando ele afirma que, na verdade, muito do que se chama da Interativo é apenas “ r eati vo“ , ou s ej a, o computador não pode ser considerado um agente no processo, já que tem estabelecida uma interface previamente elaborada por um software (inputs, outputs). “ O computador continua sendo o meio e não o comunicador (...) A verdadeira interação deveria possibilitar aos interagentes liberdade de escolha e manifestação“ (PR IMO , 1997) 13 “ Internet communities func ti on as plac es of difference from and resistence to modern society. In a sense, they serve the function of a Habermasian public sphere without intentionally being one. They are places not of the presence of validity claims or the actuality of critical raison, but of the inscription of new assemblages of self-constittution. 14 A tecnologia da vídeo-conferência poderá aliviar, mas não resolver por completo esse problema. 15 Aqui consideramos mídia convencional veículos como a TV, o rádio e o jornal impresso. 16 A tradução é nossa. O original está aqui: “ But the fact is that political discourse has long been mediated by eletronic machines: the issue now is that the machines enable new forms of descentralized dialogue and create new combinations of human-machine assemblages, new individual and collective “ voices“ , “ specters“ , “ inter activities“ whic h ar the new building blocks of e political formations and groupings“ . 17 Aqui seguimos aquela tática de “ exagerar para ser didátic o“ . Esta tal independência do usuário às vezes é bem relativa. Primeiro porque nem todos desejam participar do processo de interação, provendo informações; segundo, não podemos falar de pluralidade absoluta num mundo onde a grande maioria dos sistemas operacionais e de ferramentas básicas, como o editor de texto, são monopolizadas por uma gigante norte-americana, a Microsoft. 18 Aqui não se deve deixar de dizer que a grande novidade da Internet, sob nosso ponto-de-vista, encontra-se nas possibilidades abertas. Não é por ter um site na rede mundial de computadores que estaremos estabelecendo obrigatoriamente a comunicação no sentido estrito da palavra: quem garante que algum usuário vai acessar meu conteúdo, quem garante que terei um interlocutor? Fácil publicar, difícil tornar público... 19 “ Although the innovati ons in digital technology ar impressive, we must not forget that technology in itself is not a determinant of change, only a facilitator. As with any other technology, it is e the social context within which these new technologies are introduced and, more importantly, implemented, that determines their usage and impact.“