Riscos e Catastrofes Naturais

15,140 views
14,904 views

Published on

Published in: Lifestyle, Technology
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
15,140
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
998
Actions
Shares
0
Downloads
377
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Riscos e Catastrofes Naturais

  1. 1. ASSOCIAÇÃO INSULAR DE GEOGRAFIA<br />www.aigmadeira.com<br />geral@aigmadeira.com<br />Riscos e CatástrofesNaturais<br />"PREVENIR hojepara SALVAR amanhã"<br />
  2. 2. PREVENIR HOJE PARA SALVAR AMANHÃ<br />2<br />Associação Insular de Geografia<br />10:53 H<br />
  3. 3. Antes…<br />
  4. 4. Depois…<br />
  5. 5. Antes…<br />
  6. 6. Depois…<br />
  7. 7. AS CATÁSTROFES NATURAIS PODEM ACONTECER<br />EM QUALQUER REGIÃO DO MUNDO E QUANDO MENOS ESPERAMOS…<br />CATÁSTROFES NATURAIS OCORRIDAS EM 2009 (Fonte: NatCatService)<br />Catástrofes de origem geológica (sismos, tsunamis, erupções vulcânicas)<br />Catástrofes de origem meteorológica (tempestades)<br />Catástrofes de origem hidrológica (inundações, movimentos de massa)<br />Catástrofes de origem climática (temperaturas extremas, secas, fogos florestais)<br />7<br />Associação Insular de Geografia<br />10:53 H<br />
  8. 8. Alguns exemplos de CATÁSTROFES…<br />Lisboa, PORTUGAL<br />(1966)<br />Um dos mais intensos terramotos de que há memória…<br />Cerca de 60 000 pessoas terão morrido na tragédia…<br />8<br />Associação Insular de Geografia<br />10:53 H<br />
  9. 9. Alguns exemplos de CATÁSTROFES…<br />Yungai, PERU<br />(1975)<br />Um dos piores sismos de que há registo em termos de vítimas mortais…<br />A cidade ficou soterrada com avalanches de neve e lama…<br />As estimativas da época apontaram para 50 000 mortos <br />9<br />Associação Insular de Geografia<br />10:53 H<br />
  10. 10. Alguns exemplos de CATÁSTROFES…<br />BandaAceh, INDONÉSIA<br />(2004)<br />Um sismo no Oceano Índico originou uma sequência de tsunamis que devastaram inúmeras cidades costeiras <br />Estima-se um número assustador de vítimas mortais - cerca<br />de 250 000 …<br />10<br />Associação Insular de Geografia<br />10:53 H<br />
  11. 11. Alguns exemplos de CATÁSTROFES…<br />Houston – Texas, EUA <br />(2005)<br />O furacão Katrina atingiu esta região do Golfo do México, causando aproximadamente 1000 mortes…<br />Foram evacuadas cerca de 1 milhão de pessoas… <br />11<br />Associação Insular de Geografia<br />10:53 H<br />
  12. 12. Alguns exemplos de CATÁSTROFES…<br />Rio de Janeiro, BRASIL<br />(2011)<br />As chuvas intensas tiveram como consequências inundações e deslizamentos de terra. <br />Números (aprox):<br />911 mortos<br />281 desaparecidos<br />35 000 desalojados<br />12<br />Associação Insular de Geografia<br />10:53 H<br />
  13. 13. Alguns exemplos de CATÁSTROFES…<br />Okinawa , JAPÃO<br />(2011)<br />O Governo japonês calcula que o sismo e sequente tsunami poderão custar ao país 220 000 000 000 de euros…<br />Números (à data):<br />9 000 mortos<br />12 000 desaparecidos<br />320 000 desalojados<br />13<br />Associação Insular de Geografia<br />10:53 H<br />
  14. 14. RISCO<br />PERIGO<br />VULNERABILIDADE<br />=<br />+<br />PERCEBER OS CONCEITOS…<br />Exemplo:<br />Um passeio improvisado sem a devida preparação…<br />Queda de neve…<br />“Setenta viaturas e respectivos ocupantes retidos nas serras do Areeiro…”<br />14<br />Associação Insular de Geografia<br />10:53 H<br />
  15. 15. PRINCIPAIS FACTORES DE PERIGO<br />CARACTERÍSTICAS DO RELEVO<br />Por exemplo:<br />- Relevo com elevados declives<br />- Vales muito fechados<br />- Poucas áreas planas dispo-níveis para construção<br />- Linhas de água (ribeiras e seus afluentes) com elevado inclinação, aumentando a velocidade de deslocação das águas<br />- Erosão das vertentes e arribas<br />CONDIÇÕES METEOROLÓGICAS<br />Por exemplo:<br />- Precipitação intensa e concen-trada<br />- Precipitação intensa e pro-longada<br />- Agitação marítima forte <br />15<br />Associação Insular de Geografia<br />10:53 H<br />
  16. 16. PRINCIPAIS VULNERABILIDADES<br /><ul><li> Elevada densidade populacional e pressão urbanística (na Madeira moram em média cerca de 308 habitantes por cada km2, valor que podemos considerar muito elevado);
  17. 17. Ocupação dos cursos de água e das zonas envolventes, feita por vezes, de forma menos correcta;
  18. 18. Intensa urbanização (edificação) ao longo das faixas costeiras;
  19. 19. Ocupação humana de encostas íngremes de maior risco, devido à escassez de áreas planas;
  20. 20. Exposição das vias de comunicação ao risco, particularmente as mais antigas;</li></ul>16<br />Associação Insular de Geografia<br />10:53 H<br />
  21. 21. RISCO<br />CATÁSTROFE<br />PERCEBER OS CONCEITOS…<br />RISCO<br />É a probabilidade de uma catástrofe ocorrer. O risco resulta da possibilidade do fenómeno acontecer e da presença vulnerável de pessoas, bens, equipamentos e infra-estruturas.<br />CATÁSTROFE<br />É a concretização do risco. Para que um acontecimento possa ser considerado uma catástrofe é necessário que o mesmo tenha consequências devastadoras, um carácter súbito e que seja um fenómeno excepcional, ou seja, que não ocorra com frequência.<br />17<br />Associação Insular de Geografia<br />10:53 H<br />
  22. 22. Com maior possibilidade de ocorrer na RAM<br />(embora com características muito particulares)<br />PRINCIPAIS FENÓMENOS NATURAIS <br /> QUE PODEM RESULTAR EM CATÁSTROFES NATURAIS<br />Sismos (Terramotos/ Maremotos); <br />Tsunamis;<br />Vulcões;<br />Movimentos de Massa;<br />Ciclones Tropicais/ Furacões/ Tufões;<br />Tornados;<br />Inundações e Cheias rápidas;<br />Vagas de Calor e de Frio;<br />Desabamentos/ Derrocadas / Queda de Blocos;<br />…a ocorrência de um fenómeno, pode desencadear outros, agravando os seus efeitos devastadores… <br />18<br />Associação Insular de Geografia<br />10:53 H<br />
  23. 23. EMBORA OS FENÓMENOS NATURAIS NÃO POSSAM SER ELIMINADOS, <br />O QUE PODEMOS FAZER PARA EVITAR QUE SE TRANSFORMEM EM GRANDES CATÁSTROFES??? <br />"OS FENÓMENOS NATURAIS NÃO SÃO RISCOS... <br />ELES TORNAM-SE RISCOS DEVIDO AO DESCONHECIMENTO E NEGLIGÊNCIA DO HOMEM." <br />19<br />Associação Insular de Geografia<br />10:53 H<br />
  24. 24. ALGUMAS MEDIDAS PASSAM POR:<br />UTILIZAR /RENTABILIZAR A TECNOLOGIA DE QUE DISPOMOS<br />(por exemplo: os sistemas de recolha e gestão de informação, a internet, etc..)<br />EFECTUAR UMA CORRECTA UTILIZAÇÃO E OCUPAÇÃO DO TERRITÓRIO<br />(ordenamento do território)<br />ELABORAR E APLICAR OS PLANOS DE EMERGÊNCIA COM RESPEITO PELAS ORIENTAÇÕES NELES DEFINIDOS<br />MANTERMO-NOS INFORMADOS E DEMONSTRARMOS TODO O NOSSO RESPEITO PELA NATUREZA<br />"OS FENÓMENOS NATURAIS NÃO SÃO RISCOS... <br />ELES TORNAM-SE RISCOS DEVIDO AO DESCONHECIMENTO E NEGLIGÊNCIA DO HOMEM." <br />20<br />Associação Insular de Geografia<br />10:53 H<br />
  25. 25. INFORMAÇÃO E RESPEITO PELA NATUREZA<br />PARA…<br />CONHECER OS RISCOS<br />PREVENIR OS DANOS <br />As ilhas são espaços que pelas suas características físicas, socioeconómicas e estruturais, possuem um elevado grau de vulnerabilidade em relação aos desastres naturais.<br />O comportamento de cada pessoa é importante para reduzir os efeitos dos desastres naturais. Muitas vidas e muitos bens podem ser salvos se cada um de nós seguir regras simples.<br />"OS FENÓMENOS NATURAIS NÃO SÃO RISCOS... <br />ELES TORNAM-SE RISCOS DEVIDO AO DESCONHECIMENTO E NEGLIGÊNCIA DO HOMEM." <br />21<br />Associação Insular de Geografia<br />10:53 H<br />
  26. 26. PRINCIPAIS RISCOS NATURAIS NA MADEIRA tsunamis<br />Tsunamis (originados por deslizamentos)<br />Câmara de Lobos (1930)<br />Santana (2011)<br />Faial (1993)<br />TSUNAMIS<br />São ondas de grande energia, que no caso da Ilha da Madeira, têm origem principalmente em grandes deslizamentos ocorridos na orla costeira.<br />PRINCIPAIS CAUSAS:<br />Grandes deslizamentos de arribas provocados pela erosão marítima.<br />22<br />Associação Insular de Geografia<br />10:53 H<br />
  27. 27. 1930 - Cª Lobos<br />(19 Mortos e 6 Feridos)<br />
  28. 28. PRINCIPAIS RISCOS NATURAIS NA MADEIRA inundações costeiras<br />Tsunamis (originados por deslizamentos)<br />Inundações Costeiras<br />INUNDAÇÕES COSTEIRAS:<br />Elevação do nível do mar, originada por temporais, principalmente em ocasiões de marés vivas.<br />PRINCIPAIS CAUSAS:<br />Agitação marítima forte;<br />Marés vivas;<br />Ocupação humana do litoral.<br />24<br />Associação Insular de Geografia<br />10:53 H<br />
  29. 29. PRINCIPAIS RISCOS NATURAIS NA MADEIRA desabamentos/derrocadas/queda de blocos<br />Tsunamis (originados por deslizamentos)<br />Inundações Costeiras<br />DESABAMENTOS/ DERROCADAS/ QUEDA DE BLOCOS<br />Estes movimentos caracterizam-se por um brusco desprendimento, muitas vezes devido a fracturas e diáclases que deixam em desequilíbrio estruturas rochosas coesas.<br />PRINCIPAIS CAUSAS<br />Forte declive e efeito da gravidade;<br />Erosão por efeito da água, vento ou do mar; <br />Efeito do crescimento de raízes;<br />Acção da água infiltrada nas diáclases ou fissuras (principalmente em acção de gelo/degelo nas áreas montanhosas.<br />25<br />Associação Insular de Geografia<br />10:53 H<br />
  30. 30. MEDIDAS PREVENTIVAS<br />- Procure saber, junto das autoridades locais e da população mais idosa, se a sua área de residência tem um historial de problemas relacionados com desabamentos , derrocadas ou queda de blocos (rochas);<br /><ul><li>Identifique possíveis focos de problemas na sua área de residência. Como arribas ou taludes instáveis e avise as autoridades locais;
  31. 31. Não faça cortes ou escavações em arribas ou taludes, sem licença das autoridades. Poderá estar a contribuir para a desestabilização dos terrenos, pondo em risco a sua vida e a de outros;
  32. 32. Observe a estrutura da sua casa, muros e terreno envolvente, confirmando se existem fendas ou fissuras que comprometam a estabilidade da sua propriedade. Em caso de dúvida procure, junto das autoridades locais – Câmara Municipal, um técnico competente para fazer uma avaliação da situação.</li></ul>OS RISCOS EVITAM-SE NO DIA-A-DIA<br />
  33. 33. PRINCIPAIS RISCOS NATURAIS NA MADEIRA aluviões<br />ALUVIÕES<br />Cheias Rápidas/ Fluxos de Detritos (Enxurradas)/ Deslizamentos <br />Tsunamis (originados por deslizamentos)<br />Inundações Costeiras<br />ALUVIÕES<br />Constituídos por movimentos de detritos e cheias repentinas, os aluviões constituem um fenómeno natural perigoso.<br />PRINCIPAIS CAUSAS<br />Precipitação intensa e/ou prolongada;<br />Bacias hidrográficas pequenas e de grande inclinação;<br />Linhas de água de grande declive;<br />Ocupação humana dos leitos de cheia;<br />Saturação dos solos.<br />27<br />Associação Insular de Geografia<br />10:53 H<br />
  34. 34. MEDIDAS PREVENTIVAS<br />ALUVIÕES<br />Cheias Rápidas/ Fluxos de Detritos (Enxurradas)/ Deslizamentos <br /><ul><li>Procure saber, junto das autoridades locais e da população mais idosa, se a sua área de residência tem um historial de problemas relacionados com aluviões;
  35. 35. Evite construir em encostas muito íngremes, próximo de cursos de água, ou em leito de cheia (área aplanada no fundo dos vales). Em casos de aluvião estas são, normalmente, as zonas mais afectadas;
  36. 36. As árvores ajudam a fixar o solo e protegem contra pequenos deslizamentos de terras. Nunca desarborize as encostas ou vertentes, principalmente em locais onde existam casas ou outras construções. ;
  37. 37. Não efectue aterros de lixos ou inertes (entulhos, terras, etc.) em lugares inclinados. Estes podem impedir a circulação da água e/ou aumentar a pressão e o peso sobre os terrenos desestabilizando-os;
  38. 38. Em zonas com historial de inundações, arranje um anteparo de metal ou madeira para a porta da rua. Poderá ser o suficiente para evitar a inundação da sua casa ou estabelecimento-</li></ul> <br />
  39. 39. ALUVIÕES<br />alguns conselhos<br />NUMA SITUAÇÃO DE ALUVIÃO GRAVE HÁ UM CONJUNTO DE MEDIDAS QUE DEVEMOS CONHECER<br />O QUE DEVEMOS TER EM CASA<br />- Lanterna e rádio a pilhas;<br /><ul><li>Pilhas de reserva;
  40. 40. Kit de primeiros socorros;
  41. 41. Medicamentos essenciais;
  42. 42. Agasalhos;
  43. 43. Uma reserva de água e alimentos.</li></ul>29<br />Associação Insular de Geografia<br />10:53 H<br />
  44. 44. ALUVIÕES<br />alguns conselhos<br />NUMA SITUAÇÃO DE ALUVIÃO GRAVE HÁ UM CONJUNTO DE MEDIDAS QUE DEVEMOS CONHECER<br />O QUE DEVEMOS FAZER NA EMINÊNCIA DO PROBLEMA<br /><ul><li>Manter-se calmo e informado (rádio, tv, internet);
  45. 45. Respeitar as indicações das autoridades;
  46. 46. Evitar deslocar-se;
  47. 47. Fixar adequadamente estruturas soltas (chapéus-de-sol, andaimes, placards, atc)
  48. 48. Soltar os animais domésticos;
  49. 49. Retirar do quintal objectos que possam ser arrastados;
  50. 50. Acondicionar em local seguro, documentos e objectos pessoais importantes.</li></ul>30<br />Associação Insular de Geografia<br />10:53 H<br />
  51. 51. ALUVIÕES<br />alguns conselhos<br />NUMA SITUAÇÃO DE ALUVIÃO GRAVE HÁ UM CONJUNTO DE MEDIDAS QUE DEVEMOS CONHECER PARA NOS PROTEGER<br />NUMA SITUAÇÃO DE ALUVIÃO GRAVE HÁ UM CONJUNTO DE MEDIDAS QUE DEVEMOS CONHECER<br />O QUE DEVEMOS FAZER<br />DURANTE O FENÓMENO<br /><ul><li>Manter-se calmo e informado (rádio, tv, internet);
  52. 52. Não se deslocar. Se tiver de o fazer, siga as indicações das autoridades e os planos de emergência;
  53. 53. Em situações graves ligue o 112 (número europeu de emergência );
  54. 54. Utilize o telefone (fixo ou móvel) apenas em situação de emergência;
  55. 55. Não consuma água da rede pública;
  56. 56. Não coma alimentos que estiveram em contacto com a água ou lamas das inundações.</li></ul>31<br />Associação Insular de Geografia<br />10:53 H<br />
  57. 57. ALUVIÕES<br />alguns conselhos<br />NUMA SITUAÇÃO DE ALUVIÃO GRAVE HÁ UM CONJUNTO DE MEDIDAS QUE DEVEMOS CONHECER PARA NOS PROTEGER<br />NUMA SITUAÇÃO DE ALUVIÃO GRAVE HÁ UM CONJUNTO DE MEDIDAS QUE DEVEMOS CONHECER<br />SE TIVER DE ABANDONAR O LOCAL ONDE SE ENCONTRA<br /><ul><li>Respeite as indicações das autoridades e os planos de emergência previamente estabelecidos;
  58. 58. Não arrisque a vida para salvar o carro ou outros bens;
  59. 59. Evite o contacto com águas ou lamas da inundação (poderão estar contaminadas)
  60. 60. Não atravesse as torrentes de lama (poderá ser arrastado);
  61. 61. Não atravessa áreas inundadas (estas escondem armadilhas);
  62. 62. Afaste-se de postes e cabos eléctricos caídos;
  63. 63. Não arrisque a vida a fotografar ou filmar.</li></ul>32<br />Associação Insular de Geografia<br />10:53 H<br />
  64. 64. ALUVIÕES<br />alguns conselhos<br />NUMA SITUAÇÃO DE ALUVIÃO GRAVE HÁ UM CONJUNTO DE MEDIDAS QUE DEVEMOS CONHECER PARA NOS PROTEGER<br />NUMA SITUAÇÃO DE ALUVIÃO GRAVE HÁ UM CONJUNTO DE MEDIDAS QUE DEVEMOS CONHECER<br />NO REGRESSO A CASA<br /><ul><li>Verifique se a sua casa está segura e não apresenta danos estruturais (fissuras, pilares danificados, etc.)
  65. 65. Avalie a segurança da área envolvente;
  66. 66. Não consuma água da rede pública de abastecimento;
  67. 67. Desinfecte o depósito da água;
  68. 68. Ao movimentar objectos ou móveis, tenha atenção ao aparecimento de aranhas, ratos ou outros animais;
  69. 69. Limpe os disjuntores e tomadas antes de ligar a corrente eléctrica;
  70. 70. Mantenha a casa aberta e ventilada;</li></ul>33<br />Associação Insular de Geografia<br />10:53 H<br />
  71. 71. AUTORES<br />Ilídio Sousa<br />Marco Teles<br />COLABORAÇÃO<br />Uriel Abreu<br />Parceiros:<br />Obrigado pela atenção!<br />Apresentação: Ilídio Sousa<br />ilidiosousa@aigmadeira.com<br />PRODUÇÃO<br />ASSOCIAÇÃO INSULAR DE GEOGRAFIA – 2011<br />geral@aigmadeira.com<br />

×