0
PRODUÇÃO TEXTUAL
Os primeiros registros de escrita que se tem notícia até hoje, datam de cerca de 3000 a.C., que foram encontrados na Mesop...
“ É impossível se comunicar verbalmente a não ser por algum gênero, assim como é impossível se comunicar verbalmente a não...
A teoria do dialogismo <ul><li>São duas categorias essenciais em Bakhtin. Quando escrevemos temos no horizonte um interloc...
A finalidade do texto <ul><li>Os sistemas de escrita, bem como seus gêneros, têm sempre uma finalidade prática. Sempre. Es...
Contextualizando... <ul><li>Reparar nas diferenças e semelhanças entre uma lista de compras, que serve a um determinado fi...
<ul><li>A produção textual é um processo dialógico que deve estar contido na escola, mas também, vai além de sua jurisdiçã...
A escola tem sua prática textual sedimentada nessas concepções, reducionistas, da linguagem e da escrita. Na prática escol...
Não se pode entender a língua isoladamente, mas qualquer análise lingüística deve incluir fatores extra-lingüísticos como ...
Necessário...  <ul><li>Por isso, ao solicitar uma escrita, é imprescindível que o texto do aluno tenha um interlocutor rea...
 
Tempo para repensar em nossas produções:   Quais propostas foram feitas com estas produções? A que estes modelos de produç...
Função social implica em:  <ul><li>O QUE ESCREVER? </li></ul><ul><li>POR QUE ESCREVER? </li></ul><ul><li>PARA QUEM ESCREVE...
Espero ter colaborado com novas concepções e não façam esta cara Maristela Couto
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

ProduçãO Textual

47,445

Published on

Published in: Education
2 Comments
6 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
47,445
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
459
Comments
2
Likes
6
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Transcript of "ProduçãO Textual"

  1. 1. PRODUÇÃO TEXTUAL
  2. 2. Os primeiros registros de escrita que se tem notícia até hoje, datam de cerca de 3000 a.C., que foram encontrados na Mesopotâmia.
  3. 3. “ É impossível se comunicar verbalmente a não ser por algum gênero, assim como é impossível se comunicar verbalmente a não ser por algum texto.” Bakhtin (1997)
  4. 4. A teoria do dialogismo <ul><li>São duas categorias essenciais em Bakhtin. Quando escrevemos temos no horizonte um interlocutor, digo o que constrói e o outro entende e pode fazer uma outra construção em cima disso e me retornar. Daí a responsabilidade. No processo de dialogia de Bakhtin, os sujeitos do diálogo se alteram em processo. O diálogo é uma corrente inserida na cadeia infinita de enunciados (atos) em que a dúvida leva a outro ato e este a outro, infinitamente. O enunciado afirmado por alguém passa a fazer parte de todos os enunciados, numa cadeia infinita. Resumindo um texto dialoga com outros textos, outras realidades.(dialogismo). </li></ul>
  5. 5. A finalidade do texto <ul><li>Os sistemas de escrita, bem como seus gêneros, têm sempre uma finalidade prática. Sempre. Escrevemos porque queremos algo, porque temos uma intenção por detrás do gesto. O ensino da escrita, portanto, deve visar o cumprimento destas diferentes finalidades. Elaboradores de livros didáticos, ou editores que fornecem material para treinamento de professores, todos eles, sabem disto: que cada texto tem uma vocação. O próprio texto didático tem uma finalidade, e por isto tem uma forma. </li></ul>
  6. 6. Contextualizando... <ul><li>Reparar nas diferenças e semelhanças entre uma lista de compras, que serve a um determinado fim, e um poema, que serve a um fim bem diverso, pode ser algo instrutivo. Perceber que não é ao acaso que uma carta tenha um formato diferente de um relatório também. No caderno de matemática, uma conta de subtração, que, não nos esqueçamos, também é escrita, é radicalmente diferente de um conto de Machado de Assis. A mesma conta de subtração, no caderno de um mesmo aluno, já é bem diferente de uma conta de divisão, por exemplo. São registros textuais diferentes porque têm finalidades diferentes. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>A produção textual é um processo dialógico que deve estar contido na escola, mas também, vai além de sua jurisdição. A prática da escrita também possui uma realidade, uma prática social e suas utilizações nessa realidade. Fatores que devem ser considerados pelo professor em sua postura mediadora do conhecimento. Essa prática social cobra dos produtores textuais e dos professores uma(s) utilização(ões), algumas finalidade(s), onde e quando será útil a prática da produção textual. Para tanto, o professor deve buscar situações que coloquem o aluno em contato com essas questões e procurando solucioná-las. </li></ul><ul><li>Busca-se situações/experiências da realidade do educando, procurando levá-los a trabalhar no campo das idéias concomitantemente ao trabalho no campo das palavras. </li></ul>
  8. 8. A escola tem sua prática textual sedimentada nessas concepções, reducionistas, da linguagem e da escrita. Na prática escolarizada o aluno/produtor elabora um texto simplesmente para obter uma nota, preocupa-se apenas em levar uma informação acerca de determinado tema ao professor/receptor. Procura, simplesmente, moldar suas mensagens dentro das exigências gramaticais normativistas. O professor limita-se a uma prática gramaticalista de avaliação textual, na qual ele apenas assinala/marca os erros no texto, subtrai os pontos da nota, e o devolve ao aluno sem apontar soluções para esses erros. Com isso o professor encerra essa atividade, não retomando a esse texto para, por exemplo, uma possível reescrita.
  9. 9. Não se pode entender a língua isoladamente, mas qualquer análise lingüística deve incluir fatores extra-lingüísticos como contexto de fala, a relação do falante com o ouvinte, momento histórico, etc.
  10. 10. Necessário... <ul><li>Por isso, ao solicitar uma escrita, é imprescindível que o texto do aluno tenha um interlocutor real. Aliás, o processo de escrita exige que ele (estudante) se desvencilhe da sua solidão, no ato de escrever, e tenha uma imagem do seu destinatário. Caso contrário, é possível que seu texto signifique menos do que pretendia seu autor. Assim, uma prática interacionista de linguagem pode facultar ao educando as ferramentas de que precisa para, ao intuir o interlocutor, usar as qualificações pertinentes para desenvolver uma argumentação eficaz e ao alcance do outro. </li></ul>
  11. 12. Tempo para repensar em nossas produções: Quais propostas foram feitas com estas produções? A que estes modelos de produções levam meus alunos?
  12. 13. Função social implica em: <ul><li>O QUE ESCREVER? </li></ul><ul><li>POR QUE ESCREVER? </li></ul><ul><li>PARA QUEM ESCREVER? </li></ul>
  13. 14. Espero ter colaborado com novas concepções e não façam esta cara Maristela Couto
  1. A particular slide catching your eye?

    Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

×