Intertextualidade e polifonia cap 5 parte 1_apresentar_koch

15,893 views
15,548 views

Published on

Livro O texto e a construção dos sentidos.

Intertextualidade e polifonia cap 5 parte 1_apresentar_koch

  1. 1. A construção dos sentidos no texto: Intertextualidade e Polifonia VILLAÇA, Ingedore Villaça Koch. O texto e a construção dos sentidos.9ª ed. São Paulo: Contexto, 2007. p.59-74
  2. 2. Objetivo <ul><li>Proceder uma reflexão sobre os conceitos de intertextualidade e polifonia, com o intuito de analisar se esses dois fenômenos podem ser vistos como um só. </li></ul>
  3. 3. Intertextualidade “ O texto redistribui a língua. Uma das vias dessa reconstrução é a de permutar textos, que existiriam ou existem ao redor do texto considerado, e, por fim, dentro dele mesmo; todo texto é um intertexto; outros textos estão presentes nele, em níveis variáveis, sob formas mais ou menos reconhecíveis”. Barthes (1974, apud Koch, 2007)
  4. 4. Intertextualidade: O conceito São os modos como a produção e recepção de um texto dependem do conhecimento que se tenha de outros textos com os quais ele, de alguma forma,se relaciona. Beaugrand&Dressler (1981, apud Koch (2007) Um dos padrões ou critérios da textualidade Em sentido amplo Em sentido restrito
  5. 5. Intertextualidade em sentido amplo Condição de existência do próprio discurso – aproximação, na Análise do Discurso, com a interdiscursividade (heterogeneidade constitutiva, segundo Authier, 1982) “ um discurso não vem ao mundo numa inocente solicitude, mas constrói-se através de um já-dito em relação ao qual toma posição”. Maingueneau “ Deste modo, dado discurso envia a outro, frente ao qual é uma resposta direta ou indireta, ou do qual ele ‘orquestra’ os termos principais, ou cujos argumentos destrói. Assim é que o processo discursivo não tem de direito, um inicio: o discurso se estabelece sempre sobre discurso prévio...” Pêcheux Condições de produção
  6. 6. Intertextualidade – em sentido amplo “ Qualquer texto se constrói como um mosaico de citações e é a abstração e transformação de um outro texto”. Kristeva “ Um texto não tem propriedades ‘em si’: caracteriza-se somente por aquilo que o diferencia de outro texto (...); trabalha-se sempre sobre vários textos, conscientemente ou não, uma vez que as operações na matéria significante são, por definição, intertextuais”. Verón
  7. 7. Intertextualidade em sentido restrito <ul><li>É a relação de um texto com outros textos previamente existentes, isto é, efetivamente produzidos”. (Jenny, 1979) </li></ul>
  8. 8. Intertextualidade em sentido restrito Tipos <ul><li>1- De conteúdo X de forma/conteúdo – descarta a possibilidade apenas de um ou outro. Toda forma enforma/emoldura um conteúdo . </li></ul><ul><li>2- Explícita X implícita – quando há citação da fonte. Ex. Citações e referências X quando tem que recorrer na memória para construir o sentido do texto. Ex. Nas paródias </li></ul>
  9. 9. Intertextualidade em sentido restrito Tipos 3- Das semelhanças X das diferenças Incorpora o intertexto para seguir uma argumentação Incorpora o intertexto para ridicularizá-lo, colocá-lo em questão
  10. 10. Intertextualidade em sentido restrito Tipos <ul><li>4- Com intertexto alheio, com intertexto próprio ou com intertexto atribuído a um enunciador genérico (enunciador indeterminado, como os provébios). </li></ul>
  11. 11. Polifonia O dialogismo é constitutivo da linguagem. “ A palavra é o produto da relação recíproca entre falante e ouvinte, emissor e receptor. Cada palavra expressa o ‘um’ em relação com o outro. Eu me dou forma verbal a partir do ponto de vista da comunidade a que pertenço. O Eu se constrói constituindo o Eu do Outro e por ele é constituído”. (Bahktin, 1929)
  12. 12. Polifonia Designa “dentro de uma visão enunciativa do sentido, as diversas perspectivas, pontos de vista ou posições que se representam nos enunciados” (Ducrot, 1980, 1984). Quando, no mesmo enunciado, se tem mais de um locutor (discurso relatado, citações etc) Quando, no mesmo enunciado, há mais de um enunciador. Basta que se representem, no mesmo enunciado, perspectivas diferentes, sem a necessidade de utilizar textos efetivamente existentes . Tipos
  13. 13. Casos de aderência a Polifonia introduzida De Adesão <ul><li>Alguns tipos de parafraseamento – é possivel detectar a presença do intertexto . Ex.: Hino Nacional Brasileiro que parafraseia trechos da Canção do Exílio de Gonçalves Dias. </li></ul>Não adesão <ul><li>As aspas de distanciamento (para eximir-se ou diminuir a responsabilidade) com suas diversas funções. Ex.: ...”O regime militar teve a longevidade que teve por causa dessa resignação com ‘o possível’ – uma postura eternizada por Ulysses Guimarães”. (Fernando Rodrigues, A CPMF e o’possível’”, Folha de São Paulo, 16/07/1996,1-2) </li></ul>
  14. 14. Todo caso de intertextualidade é um caso de polifonia, mas há casos de polifonia que não podem ser vistos como intertextualidade. Intextualidade Polifonia A alteridade é necessariamente atestada pela presença de um intertexto: ou a fonte é explicitamente mencionada no texto que o incorpora ou o seu produtor está presente, em situações de comunicação oral; ou ainda, trata-se de textos anteriormente produzidos, provérbios, frases feitas, expressões esteriotipadas ou formulaicas, de autoria anônima, mas que fazem parte de um repertório partilhado por uma comunidade de fala . Basta que a alteridade seja encenada, isto é, incorporam-se vozes de enunciadores reais ou virtuais, que representam perspectivas, pontos de vista diversos, ou põem em jogo “topoi” diferentes, com os quais o locutor se identifica ou não.
  15. 15. Concluindo... <ul><li>“ [...] do ponto de vista da construção de sentidos, todo texto é perpassado por vozes de diferentes enunciadores, ora concordantes, ora dissonantes, o que faz com que se caracterize o fenômeno da linguagem humana, [...] como essencialmente dialógico e, portanto, polifônico ”. </li></ul>
  16. 16. HIPERTEXTO “ […] a pluralidade de vozes no mesmo espaço discursivo. O hipertexto construtivo seria na visão de Marcuschi (1999) “a apoteose da intertexualidade” e da polifonia, uma vez que abre espaço para um número ilimitado de leitores-autores. Vale salientar, contudo, que esses caminhos só podem ser feitos se previstos pelo autor do hipertexto.”
  17. 17. OUTROS LINKS Ex.: Blog http://drikamil-adriana.blogspot.com http://sarahsantos.com.br/page/3/

×