As concepções de criança e infância...
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

As concepções de criança e infância...

on

  • 14,152 views

 

Statistics

Views

Total Views
14,152
Views on SlideShare
14,151
Embed Views
1

Actions

Likes
3
Downloads
127
Comments
0

1 Embed 1

https://twitter.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

As concepções de criança e infância... As concepções de criança e infância... Presentation Transcript

  • Marília Fabiana Pires Mendonça - UFRN Vanessa Maria da Silva Clemente - UFRN Orientadora: Profª. Drª. Mariangela Momo - UFRN
    • O presente trabalho é parte de uma pesquisa realizada na disciplina Fundamentos da Educação Infantil do curso de Pedagogia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. O estudo tem como objetivo investigar de que maneira a Instituição de Educação Infantil abordada na pesquisa compreende as concepções de criança e infância e como o entendimento desses conceitos é refletido na prática educativa.
    • A pesquisa investigativa partiu de um estudo bibliográfico sobre os conceitos de criança e infância ao longo da história. Logo em seguida realizamos a observação de uma Instituição de Educação Infantil privada, situada no bairro Morro Branco, zona administrativa oeste da cidade de Natal, em que foram analisados os aspectos físicos e pedagógicos da instituição. Por último foi realizada uma entrevista semi-estruturada com uma das professoras do quadro docente da instituição.
    • Não há um único conceito de criança e infância;
    • Existem características universais de ser criança – fragilidade, necessidade de atenção e cuidados especiais, como alimentação e cuidados físicos, requerendo esses cuidados durante muito tempo;
    • O tratamento dado à criança em diferentes momentos históricos: Durante os séculos XV e XVI, as crianças não eram vistas como seres inseridos socialmente. Muitas crianças morriam, pois não tinham a devida atenção para com sua saúde. Apenas nos séculos XVII e XVIII as crianças começam a ser vistas de outra forma. Para Ziberman (2003),
    • a mudança se deveu a outro acontecimento da época: a emergência de uma nova noção de família, centrada não mais em amplas relações de parentesco, mas num núcleo unicelular, preocupado em manter sua privacidade (impedindo a intervenção dos parentes em seus negócios internos) e estimular o afeto entre seus membros.
    • As concepções dependem e variam de acordo com cada sociedade e cada epoca.
    • Tendo em vista as concepções observadas durante o estudo teórico, partimos para a observação da organização dos espaços dedicados à criança na Instituição para investigar como esta instituição concebe a criança e seu papel na sociedade.
    • Estrutura da sala de aula: A instituição atende a um número de crianças de modo que a professora responsável possa dar conta de cuidar de cada uma, sem que haja desmerecimento de nenhum presente na sala, valorizando assim a função do cuidar que a criança merece.
    • Rotina da escola : momento do parque, momento da água, atividade coletiva, momento do banho, momento do lanche, momento da higienização, atividade individual e o ato de brincar. A importância de valorizar igualmente as atividades de alimentação, leitura de histórias, troca de fraldas etc.
    • Proposta pedagógica das Instituições de Educação Infantil: se “contemplam os princípios éticos no que se refere à formação da criança para o exercício progressivo da autonomia, da responsabilidade, da solidariedade e do respeito ao bem comum” (BRASIL, 2006). A escola mantém essa proposta, visto que podemos observar a presença de armários onde as crianças guardam seus pertences, desenvolvendo a autonomia, a responsabilidade sobre seus próprios objetos e o respeito para com o outro.
    • Desenvolvimento de atividades que promovam a movimentação das crianças : O ato do brincar é algo em destaque nas atividades em sala de aula e fora dela, onde as crianças dispõem de brinquedos da escola, valorizando o lúdico na construção de conflitos entre o real e o ficcional. Percebe-se que com essa postura a instituição valoriza os princípios estéticos, envolvendo a criatividade e a ludicidade.
    • Interação entre a Instituição de Educação Infantil e família: Através da fala da professora entrevistada percebemos que esta interação ainda não ocorre de maneira integral. No período de acolhimento inicial, a presença dos pais não é permitida nas dependências da instituição, sendo responsabilidade apenas dos professores propiciar a adaptação das crianças.
    • Os diferentes aspectos presentes na instituição observada obedecem em grande parte aos Parâmetros Nacionais de Qualidade para as Instituições de Educação Infantil, tendo em destaque a formação da criança como um ser social ativo e presente na sociedade da qual faz parte. A criança é tida como um ser capaz, que tem suas especificidades físicas e intelectuais e que precisa de cuidados. A instituição nesse sentido é o espaço em que a criança recebe cuidados, como também é o lugar em que desafios para sua vida ativa são proporcionados, possibilitando um ensino significativo, reflexivo e crítico para essa faixa etária.
    • ARIÈS. Philippe. História social da criança e da família . 2 ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1978.
    • BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Nacionais de Qualidade para as Instituições de Educação Infantil . Brasília: MEC, 2006.
    • FRANCO, Márcia Elizabete Wilke. Compreendendo a Infância. A cumplicidade da escola com o conceito de infância. In.: _______. Compreendendo a infância como condição de criança . 2 ed. Porto Alegre: Editora Mediação, 2006. (Cadernos da Educação Infantil, v.11).
    • FREITAS, M. C. de. (Org.) História social da infância no Brasil . São Paulo: Cortez, 1997.
    • KUHLMANN, Jr. Moysés; FERNANDES, Rogério. Sobre a história da infância. In.: FARIA FILHO, Luciano Mendes de. (org.) A infância e sua educação : materiais, práticas e representações. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.
    • RICE, Chris; RICE, Melanie. As crianças na história . São Paulo: ática, 1998.
    • STEARNS. Peter N. Introdução: A infância na história mundial. In.: ______ A infância . São Paulo: Contexto, 2006.
    • URBIM, Emiliano. O fim da infância. Revista Superinteressante . Edição 268, p. 29-34, ago. 2009.
    • ZILBERMAN, Regina. A literatura infantil na escola. 11. Ed. São Paulo: Global, 2003.