Your SlideShare is downloading. ×
Projeto eeefm hermann berger  atitude sustentável 2013
Projeto eeefm hermann berger  atitude sustentável 2013
Projeto eeefm hermann berger  atitude sustentável 2013
Projeto eeefm hermann berger  atitude sustentável 2013
Projeto eeefm hermann berger  atitude sustentável 2013
Projeto eeefm hermann berger  atitude sustentável 2013
Projeto eeefm hermann berger  atitude sustentável 2013
Projeto eeefm hermann berger  atitude sustentável 2013
Projeto eeefm hermann berger  atitude sustentável 2013
Projeto eeefm hermann berger  atitude sustentável 2013
Projeto eeefm hermann berger  atitude sustentável 2013
Projeto eeefm hermann berger  atitude sustentável 2013
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Projeto eeefm hermann berger atitude sustentável 2013

2,034

Published on

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
2,034
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. PROJETO ATITUDE SUSTENTÁVEL 2013 ROTEIRO PADRÃO DE PROJETO SOCIAL Parte I – Cadastro da Entidade Proponente Identificação: CNPJ: 03.178.467/0001-14 Nome da Entidade: EEEFM “Prof. Hermann Berger” Endereço: Logradouro (Avenida, Rua, Praça, outros): Número: Bairro/Distrito: Município: CEP: Tel: E-mail: Representante Legal Nome: Função: CPF: Estado Civil: Profissão: Tel: E-mail: Rod. Dr. Afonso Schwab, km 05 s/n São Sebastião de Belém Santa Maria de Jetibá 29.645-000 [ 27] 3263-1933 bergerhermann@gmail.com Luzia Domingas Fiorotti Diretora Escolar 772.836.517-72 Divorciada Professora [ 27] 9720-6652 Responsável Técnico / Contato Nome: Clarice Bausen Tel: [ 27]9776-2257 E-mail: clabausen@hotmail.com Caracterização da Entidade Data de constituição: Complemento: Zona Rural UF: Espírito Santo Fax: [ ] RG: Nasc: 578.275 11/01/1963 Fax: [ ] Fax: [ ] 24/11/1996 FINALIDADE DA ORGANIZAÇÃO Informar a finalidade social da entidade descrevendo os seus objetivos institucionais e as principais atividades desenvolvidas. Finalidade social inserção do sujeito à sociedade. O papel da escola é o de ensinar os alunos e jovens, embasados nos pilares da educação: Aprender a ser; Aprender a fazer; Aprender a conviver; Aprender a aprender. Os conteúdos escolares, conceituais, procedimentos e atitudes, são trabalhados de forma que o aluno possa construir significados, apoiados em metodologias adequadas. “... nas condições de verdadeira aprendizagem os educandos vão se transformando em reais sujeitos da construção e da reconstrução do saber ensinado, ao lado do educador, igualmente sujeito do processo”, contribuindo para a promoção do ser humano formando alunos cidadãos. O papel da escola ultrapassa seus muros para que o processo ensino aprendizagem contribua para um mundo melhor, pessoas conscientes do seu próprio papel de transformador da realidade. Atendimento a Educação Básica. HISTÓRICO Destacar os principais fatos que, durante a existência da entidade, contribuíram para o
  • 2. alcance dos seus propósitos institucionais. Fatos: a. A constituição do Conselho Escolar que auxilia na organização e tomada de decisões, composto por vários segmentos, b. A Comunidade Escolar através de pais, mestres e igreja, c. As orientações do órgão gestor SEDU, d. A organização do Conselho de Alunos, e. O compromisso e a responsabilidade das equipes de trabalho. PRINCIPAIS ATIVIDADES E PÚBLICO-ALVO DA ENTIDADE Listar as atividades-chave da organização que possibilitam a realização da sua missão. Informar o público-alvo a quem se destina os seus esforços. As principais atividades estão contidas no Projeto Político Pedagógico da Escola, que constam projetos desenvolvidos pela SEDU e projetos específicos da escola, como exemplo o “Projeto Mata Viva do Belém” e outros. “As orientações contidas no mapa estratégico da SEDU, o cronograma anual da escola e o cronograma do Projeto Mata Viva do Belém”. Atendemos ao Ensino Fundamental e Médio. EQUIPE TÉCNICA Informar o perfil, as qualificações e as funções das principais pessoas que irão integrar a gestão e a execução do projeto, responsabilizando-se pela eficiência das ações e pelo alcance dos resultados. Nº. Profissional 01 Luzia Domingas Daleprane 02 Rosimary Dal Col Rosangela Magaly Alberti Eliete Borlot Martins Carina Knidel Clarice Bausen Denisa Belz 03 04 05 06 07 08 09 Nº. Função Fiorotti Diretora Coordenadora Secretária Secretária Secretária Pedagogia Secretária Secretária Ensino Médio Ensino Médio Disciplina Adriana Gusmão da Silva Núcleo Comum Ulich Aldelucia Aparecida Valcher Núcleo Comum Anna Izabel Delboni S. Núcleo Comum Soares ALE Beatriz Francely da Silva Ciências Bibiana Ramos de Castro Língua Portuguesa dos Santos Clézio Fehelberg Schultz Matemática Débora Friedrich Schulz História Supervisor Pedagogia Barbosa Coordenadora Pedagogia Ivone Braun Fernanda Carla Raig Schwarz Professor Habilitação Física Ensino Superior incompleto Pedagogia Administração Habilitação Pedagogia Pedagogia, Espanhol Geografia Letras, Ciências Biológicas Let. Port./Inglês Licenciatura Plena em Matemática Licenciatura Plena em Matemática e Física
  • 3. Débora Sarnaglia Barbosa Geografia Pagel Elaine Aparecida Sbardelotti ALE/Ensino Religioso Ester Ramos Cauia Filosofia/Espanhol Geografia/Pedagogia Heloy Gaspar Coelho Química Química Janete Pires Beilke Língua Portuguesa Letras/Português/Inglês Jonisário Littig Matemática Matemática Josivani Gering Geografia Luis Jorge Krause Matemática Geografia/Ed. Ambiental Matemática Pedagogia não obtivemos resposta Maria Cristina Plaster Sociologia/Arte Boening Marta Helena Ramalho de Arte Carvalho Mônica Fernanda Berger História Licenciatura Plena em Pedagogia História/Pedagogia Natalina Mognato Educação Física Rodrigo Machado Bassani Inglês Lic. Plena em Ed. Física Letras/Português/Inglês Rosana Demoner Matemática Rosangela Magaly Barbosa Núcleo Comum Alberti Simone Dettmann Arte Lucinelda Lawers Dettmann Taise Magally Lamberth Ciências/Biologia Vicente Língua Portuguesa História Licenciatura Plena em Matemática Licenciatura Plena em Pedagogia Licenciatura Plena em Pedagogia Ciências Biológicas Letras/Português/Inglês Pedagogia PARCERIAS E RESULTADOS ALCANÇADOS Demonstrar que a entidade está habilitada a gerenciar e/ou executar projetos, obtendo a adesão de outras instituições e empresas, às suas propostas. A participação de comunidades e lideranças nos trabalhos desenvolvidos pela entidade também deve ser registrada, assim como os resultados sociais obtidos através de suas iniciativas e esforços. A instituição conta com diversos parceiros: SEDU Governo Federal, Comunidade Escolar , Secretaria Municipal de Educação. HISTÓRICO FINANCEIRO DOS ÚLTIMOS ANOS Informar sobre o montante de recursos do orçamento anual da entidade nos últimos anos, identificando a origem dessas fontes (entidades e forma de apoio). Ano Orçamento Total Recursos Financeiros
  • 4. de Parcerias 2011 R$17.000,00 2012 R$17.000,00 2013 R$12.000,00 TEMPO DE ATUAÇÃO NA ATIVIDADE PROPOSTA R$0,00 R$0,00 R$0,00 96 Meses Parte II – Cadastro do Projeto Identificação* Título: Público-alvo: Local de realização: Período Início (mês/ano): Término (mês/ano): Projeto Mata Viva do Belém Alunos do Ensino Fundamental e Médio Área de Propriedade particular cedida pelo proprietário Junho de 2005. Projeto contínuo * Instrução de Preenchimento: Título: Descrever de forma sucinta o nome do projeto, baseado na sua principal finalidade. Deve propiciar a identificação da idéia central que se propõe. Público-alvo: Indicar os beneficiários diretos do projeto, ou seja, a quem se pretende atender. Podem ser grupos de pessoas, comunidades ou instituições. Local de realização: Informar o local onde o projeto será realizado. Período: Registrar o período previsto para realização do projeto, com mês e ano de início e término das ações propostas. LINHA DE ATUAÇÃO DO PROJETO (assinale apenas uma das opções que melhor indica o sentido da proposta) [ x ] Educação Refere-se à educação em um sentido amplo, entendida como todas aquelas intervenções que se dirigem ao fortalecimento do capital humano. Essa linha de atuação vai além das atividades de ensino e aprendizagem, busca transferir e compartilhar conhecimentos e habilidades que contribuam para a sociabilidade, o aprimoramento da qualidade de vida das pessoas, sem limites etários. Como exemplo de intervenções tem-se: ensino básico, formação de professores, gestão escolar, educação ambiental, educação para o trabalho, educação para cultura, para saúde, para o esporte, entre outros. [ ] Geração de Renda e Empreendedorismo Questão também inserida na agenda nacional, junto à educação, essa linha de atuação visa abrir oportunidades de ocupação, levando em conta a reestruturação produtiva da economia, os potenciais nichos de mercado, a criatividade, o esforço e as habilidades de cada indivíduo. São atividades elegíveis, por exemplo: o fomento ao empreendedorismo, artesanato local, estímulo ao micro-crédito, entre outros. Detalhamento da Proposta JUSTIFICATIVA
  • 5. Fundamentar a importância da proposta contextualizando a situação ou problemática que motiva a execução do projeto e caracterizando as necessidades e carências do público que será beneficiado com as intervenções. Também deve ser citadas as linhas gerais de ação ou soluções que serão implementadas para amenizar ou suprimir as fragilidades identificadas. Diante do grau de ameaça ao meio ambiente e desinformação da sociedade por não acreditar que o aquecimento global causa a destruição dos seres vivos, a escola que, está localizada na zona rural, com 90 por cento de nossos alunos filhos de agricultores, tem a responsabilidade de orientar, conscientizar e desenvolver ações que difundam a ciência e pequenas práticas de produção sustentável a fim de que a comunidade possa adequar suas propriedades rurais preservando o meio ambiente buscando qualidade de vida. Considerando esse acelerado processo de degradação ambiental, uma das grandes preocupações está centrada na preservação dos fragmentos de mata atlântica da nossa região, berço onde habita o muriqui primata, considerado o maior macaco dos neotrópicos, ameaçados de extinção. A fragmentação da Mata Atlântica, devido à devastação e caça intensa, levará à extinção milhares de espécies. Para combater este processo e reverter a situação atual, é necessário que além da implementação de planos de manejo da fauna e flora, também sejam realizados trabalhos de educação ambiental, a fim de conscientizar a população de um modo geral, e principalmente as comunidades de entorno de áreas importantes para preservação. CARACTERIZAÇÃO DA COMUNIDADE Descrever os aspectos sociais, econômicos e/ou ambientais da região ou localidade aonde se concentrará os esforços de melhoria da realidade social, descrevendo o seu perfil (aspectos geográficos, sociais, econômicos, culturais, etc) e as principais carências e oportunidades. Os alunos pertencem a famílias de trabalhadores rurais, sendo sua principal renda a agricultura familiar, o qual abastece a Ceasa de Cariacica. Muitos de nossos alunos trabalham na roça com seus pais nas lavouras de: café, chuchu, alface, cenoura, beterraba, repolho e outros. Descendentes de Pomeranos preservam suas tradições e costumes. Moram nas localidades de: São Sebastião de Belém, Rio das Pedras, Córrego do Japão, Rio Bonito, Baixo São Sebastião, Recreio e Córrego do Ouro. Devido à longitude de suas residências, necessitam usar o transporte escolar. Dentre eles há uma diversidade de situações sociais, pois alguns são proprietários de terra, meeiros, empregados de comércios da cidade ou serrarias recentemente criadas nas localidades, principalmente em Rio das Pedras. Um dos vínculos empregatícios mais procurados são as granjas, que também acolhem moradores de outras partes do estado, que buscam uma sustentabilidade mais eficaz para suas famílias. Apresentam-se em classe média baixa. A maior parte são membros da religião luterana, inclusive há uma igreja em frente a escola, mas também há outras denominações religiões presentes.
  • 6. OBJETIVO Descrever a finalidade do projeto de forma a apresentar o propósito que se pretende atingir. Deve estar vinculado às necessidades do público-alvo e ser descrito em um texto que se inicie por um verbo no infinitivo e indicar a transformação (benefício) almejada. Sensibilizar e difundir o conhecimento científico sobre Meio Ambiente e adequação ambiental das propriedades rurais (modelo sustentável). Incentivar a comunidade da importância das áreas devastadas no entorno da escola, conscientizando para a preservação da Mata Atlântica como patrimônio biológico. Promover a integração entre a escola, comunidade e o Projeto Muriqui; Monitorar o aprendizado de alunos, funcionários e familiares e comunidade sobre a importância da preservação do Meio Ambiente; Difundir o conhecimento científico acerca das espécies da flora e fauna da Mata Atlântica, especificamente aquelas presentes na região de Santa Maria de Jetibá; Capacitar os grupos envolvidos, sobre a produção de mudas, manutenção de viveiro e reflorestamento. Estabelecer um viveiro na escola para a produção de mudas; Reflorestar áreas degradadas; Oferecer melhores oportunidades à população do entorno escolar para arrecadação de renda familiar, através de cursos que priorizem as habilidades artísticas, manuais e culinárias presentes na cultura pomerana (inserida na maior parte das famílias da região), como opção para que não haja o desmatamento desenfreado na região e o êxodo rural; Elaborar cronograma de atuação do Clubinho “Amigos do Projeto Mata Viva do Belém”; Incentivar a realização de atividades práticas nas propriedades locais; Envolver os alunos na construção e monitoramento de Horta Orgânica na Escola, para que percebam a importância de preservação baseados nos fatores acima descritos; Destacar a relevância da preservação do Muriqui presente apenas em três fragmentos de florestas do mundo incluindo o nosso município. ATIVIDADES PREVISTAS Atividade J F M Oficina 1: Zootecnia Visita 1: Acompanhamento do núcleo Oficina 2: Técnicas de coleta zoológica e noções de curadoria Oficina3: Botânica1 Oficina 4: Botânica 2 Oficina 5: Identificação dos diferentes grupos biológicos (animais) (NONA) Oficina 6: Solos Oficina 7: GPS, programas e transferência de dados (NONA) Oficina 8: Discutindo os resultados “Adote uma árvore” BENEFÍCIOS ESPERADOS A x x x Mês de Realização M J J A S x x X x x x x X x x x O N D
  • 7. Indicar os benefícios que apresentam maior correlação ao projeto. Os benefícios se caracterizam não apenas pelos resultados gerados no decorrer da execução do projeto, mas também após a sua conclusão. Deverão ser selecionados até cinco benefícios mais representativos do alcance do projeto. 1 - Conscientização Ambiental, 2 – Orientação e Estudo das Novas Leis Ambientais, 3 – Iniciações científicas, 4 – Participação da Comunidade Escolar, 5 – Inscrição em vários eventos. RESULTADO QUANTITATIVO ANUAL Demonstrar de forma quantitativa os resultados numéricos pretendidos pelo projeto, através de indicadores que possam ser mensurados com precisão. Os indicadores irão depender do tipo e característica do projeto, devendo estar relacionado à transformação que se pretende alcançar, ou seja, os efeitos que serão produzidos para público-alvo. Indicador Meta 1 - 10% Conscientização ambiental 2 3 4 5 BENEFICIÁRIOS DIRETOS Dimensionar o número de beneficiários do projeto, adotando a segmentação sugerida por público-alvo, conforme segue: crianças, jovens, mulheres e/ou mães, idosos, dependentes químicos, comunidade, população do município, ou outros. Público Quantidade Crianças 226 Jovens 83 Mulheres / mães Idosos Dependentes químicos (álcool / drogas) Comunidade 200 População do município Outros (especificar) CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DOS BENEFICIÁRIOS Descrever, de forma sintética, os critérios estabelecidos para seleção dos beneficiários do projeto. O tema se torna relevante à medida que estudantes, professores saem da aula teórica sobre o Meio Ambiente juntamente com a comunidade para atuação de uma
  • 8. prática efetiva de reflorestamento. Além disso, “rompem as fronteiras dos muros escolares” e se percebem na comunidade e entorno da escola atuando voluntariamente no projeto “MATA VIVA DO BELÉM” como verdadeiros cidadãos ecológicos. Há de se destacar a freqüênte participação da comunidade escolar juntamente com pesquisadores do mundo inteiro nos fragmentos de mata onde habita o muriqui. Esse tipo de ação tem sido de fundamental importância para o conhecimento cientifico dos alunos, e uma atitude de extrema conscientização ambiental. PARTICIPAÇÃO DE VOLUNTÁRIOS Mencionar o perfil, o número e as atividades a serem desenvolvidas por voluntários que atuarão junto ao projeto. Não possui voluntários Parte III – Investimentos e Parcerias Demonstrativo de Uso dos Recursos (vide orientações em anexo) ITEM VALOR 1 Pessoal 2 Serviço de Terceiros 3 4 Custo Operacional Material de Consumo R$850,00 5 Encargo Tributário e Financeiro Imobilização % - - 6 TOTAL R$850,00 Fontes e Participação dos Parceiros* ENTIDADE Recursos Financeiros Nome Organização Proponente Parceiro 1 (Prefeitura Municipal): Parceiro 2 (Governo Federal ): Parceiro 3 (Pessoa Física ): Parceiro 4 (Governo Estadual ): T.P.* - Não Sim. Valor (R$) 100 CONTRIBUIÇÃO Recursos Bens Humanos* Materiais e Serviços* Não Sim Não Sim x x x x Cessão de Espaço* Não Sim
  • 9. * Tipo de Parceiro 1. Prefeitura Municipal 2. Governo do Estado 3. Governo Federal 4. Empresa Pública 5. Empresa Privada 6. ONG 7. Pessoa Física 8. Outro * Especificar a participação dos parceiros envolvidos no projeto segundo o tipo de contribuição, se financeira ou através de contrapartida com a alocação de pessoas, materiais, serviços e/ou cessão de espaço. No caso de participação financeira, deverá ser registrado o valor previsto por parceiro; nos demais casos, assinalar apenas com “x” se ocorrerá ou não a contribuição. O proponente também deverá especificar o nome dos parceiros e classificá-los por tipo (T.P. = Tipo de Parceiro), registrando o código correspondente com base nas informações da legenda apresentada abaixo do quadro. Parte IV – Gestão do Projeto Monitoramento e Avaliação FORMAS DE ACOMPANHAMENTO Especificar as formas de acompanhamento das ações e dos resultados do projeto a serem adotadas na sua gestão, incluindo a participação, se for o caso, dos parceiros e da comunidade beneficiada. Indicar também a periodicidade do acompanhamento do projeto. Primeiramente foi aplicado um questionário para diagnosticar o conhecimento prévio tanto de alunos, quanto dos funcionários da escola. Palestras sobre as características e a importância da Mata Atlântica foram ministradas, e anualmente, na Semana do Meio Ambiente, palestras, vídeos e dinâmicas sobre o tema são abordados. Os professores participaram de cursos oferecidos pelo Projeto Muriqui durante a formação continuada sobre o tema “Mata Atlântica e Muriqui”. Os alunos também participaram de um curso promovido pelo Projeto Muriqui sobre a produção de mudas, com a construção do viveiro. Depois de um primeiro momento teórico, no qual todos tiveram acesso a informações sobre a Mata Atlântica e sua situação atual de conservação, foi proposto o reflorestamento de uma área degradada. A idéia foi abraçada por todos e a partir daí, alunos e funcionários começaram uma campanha para convencer proprietários a cederem áreas para recuperação ambiental. Neste momento, apareceu à família Seick que cedeu uma área de pasto abandonada, situada à beira da barragem de Rio Bonito onde se localiza uma nascente desmatada. Esta área degradada também está conectada a uma região de floresta onde vive uma população de muriqui. A escola incorporou o projeto dentro do projeto político pedagógico, estruturando suas atividades através de um cronograma anual ligadas ao reflorestamento que é desenvolvido e seguido por todos dentro da escola. Estas Atividades estão previstas no planejamento interdisciplinar. Trabalhos em grupos; Sistematização das atividades no LIED (Laboratório de Informática) para a organização de materiais destinados a participação IX Feira Cientifica Cultural; Jogos; Registro de atividades; Produção de livro de poesia “Muriqui”; Produção da Coletânea de Poesias e Memórias de São Sebastião de Belém. Ao mesmo tempo em que ocorrem as atividades de campo, cursos periódicos sobre artesanato são oferecidos a comunidade, tais como: pintura com terra, confecção de fuxicos, tricô com sacolas plásticas, confecção de sabão caseiro, reaproveitamento de lixo para artesanato.
  • 10. MECANISMOS DE AVALIAÇÃO Especificar os meios de avaliação a serem utilizados no gerenciamento do projeto, como reuniões, debates, pesquisas e outros. Palestras e exposições sobre o tema proposto, sob orientação do técnico da Encaper e do Engenheiro Ambiental. Cursos de artesanato para a população local com alternativa de renda para uma vida mais sustentável. Reflorestamento de uma área degradada cedida pela comunidade (Parceria Escola e Comunidade). Montagem do viveiro para distribuição de mudas. Distribuição de mudas com plantio no quintal de moradores da comunidade com monitoramento dos alunos; Distribuição de mudas na rodovia Dr. Afonso Schwab, km 05, através de Pedágio Ecológico; Visita ao Museu Mello Leitão e ao Horto Municipal. Monitoramento através de cronograma anexo ao Local da Mata Viva de Belém para capina, adubação, coroamento e pesquisa. Criação do Clube do “Mata Viva” Contrato de Comodato de Imóvel Rural para o Clubinho “Mata Viva” atuar na propriedade reflorestada. Plantio de um Jequitibá Branco no pátio da escola - Arvore que deu origem o nome de nosso município Participação no desfile municipal de ações inovadoras no município Exposição do Projeto Muriqui para a comunidade e escola parceria com a UFES Participação do documentário sobre o macaco Muriqui no Programa Globo Natureza - Rede Globo Visita do Biólogo pesquisador Richard Criação da Logomarca do Clubinho” Mata Viva” Participação na Semana Estadual de Ciências e Tecnologia DIVULGAÇÃO DO PROJETO Descrever as formas de divulgação do projeto junto aos públicos interno (pessoal envolvido diretamente com o projeto) e externo (comunidade, financiadores e sociedade em geral), apresentando aquelas que melhor se adequarem ao processo de comunicação a esses grupos. Através da Mídia (Blog, facebook) Baners e panfletos, Feiras, Reportagens, Estratégias de Sustentabilidade do Projeto SUSTENTABILIDADE DO PROJETO Descrever quais as estratégias que serão adotadas para assegurar a manutenção e ampliação das propostas apresentadas pelo projeto. A relação custo-benefício é compensatória considerando que todas as ações são desenvolvidas no ambiente natural e em parceria setores da administração publica e
  • 11. comerciantes locais. A produção dos resultados tem sido evidenciado na mudança de atitudes dos alunos, comunidade. A escola tendo servido de referencia na divulgação do espaço ambiental privilegiado da nossa região que tem se tornado um local de grande circulação de pesquisadores nacionais e internacionais. Parceria com outras organizações em assessoramento disponibilizando técnicos para orientação das práticas adotadas pelo projeto. Doação de mudas e sementes pelo Horto Municipal e cessão de terreno pelo proprietário local para o plantio de árvores. Local, Data e Assinatura do Responsável Legal pela Entidade Local: Data: Assinatura: ANEXO ÚNICO - Demonstrativo de Uso dos Recursos Especificar e dimensionar no demonstrativo apresentado a destinação dos recursos financeiros necessários à execução do projeto, classificando-os em cinco grandes grupos, quais sejam: pessoal, serviço de terceiros, custo operacional, material de consumo e imobilização. Para se chegar ao valor desejado, especifique a unidade de medida do item, a sua quantidade, o valor unitário, o valor total e a representação percentual deste item sobre o orçamento geral elaborado. Segue, para melhor compreensão, os conceitos e tipos de usos a serem enquadrados por categoria: Pessoal Contempla as aplicações relativas ao pessoal envolvido na realização do projeto, bem como os encargos patronais daí decorrentes. No caso de projetos encaminhados por entidades parceiras estes usos só poderão cobrir despesas com pessoal contratado exclusivamente para a execução do projeto e pelo tempo determinado para sua execução, não podendo, portanto, se estender a pessoal do quadro permanente do proponente. Serviço de Terceiros Abrange as despesas com serviços de pesquisadores, instrutores, consultores e outros profissionais especializados objetivando a melhor realização do projeto. Custo Operacional Compreende uma grande diversidade de usos, a exemplo de: - Passagens, transporte e locomoções; - Hospedagem e alimentação; - Serviços de comunicação em geral (telefonia, postagem, malotes etc); - Aluguéis e encargos; - Locação de bens móveis (veículos, equipamentos, mobiliário etc); - Divulgação, anúncio, publicidade e propaganda; - Serviços gráficos e reprográficos; - Serviços de manutenção, limpeza e conservação; - Serviços de segurança e vigilância; - Serviços de água e energia; - Seguros; - Outros. Material de Consumo Contempla as despesas com material de limpeza, copa e refeitório, material de expediente (escritório), material de manutenção e reparos, combustíveis e lubrificantes, matérias técnicos
  • 12. e didáticos e outros. Imobilização Refere-se à aquisição de bens imóveis e móveis necessários ao projeto.

×