Libro de Actas III Jornadas Iberoamericanas RRHH y RSC 2014

1,413
-1

Published on

Libro de Actas III Jornadas Iberoamericanas RRHH y RSC 2014. III Jornadas Iberoamericanas Recursos Humanos y Responsabilidad Social Corporativa 2014.

Published in: Business
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,413
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
6
Actions
Shares
0
Downloads
13
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Libro de Actas III Jornadas Iberoamericanas RRHH y RSC 2014

  1. 1. "Trabajjando hombro con hombro: "Traba ando hombro con hombro: llo que iimporta es ell equiipo humano,, no llas diistanciias" o que mporta es e equ po humano no as d stanc as" FERROL 4, 5 Y 6 DE FEBRERO DE 2014 GUITIRIZ 7 DE FEBRERO DE 2014 LIBRO DE ACTAS ENTIDADES ORGANIZADORAS
  2. 2. Entidades colaboradoras-apoyos Concello de Guitiriz
  3. 3. Sumario 1 2 3 4 5 6 7 8 Saluda 9 10 11 12 13 Universidades y Entidades Organizadoras Información General Comité Organizador Social Networking Revistas colaboradoras con las jornadas Comité Científico Programa Científico Relación de admitidos/as Resúmenes Comunicaciones Participación en el Stand IV Jornadas Iberoamericanas RRHH y RSC 2015 1
  4. 4. Saluda Estimadas/os colegas, Tengo el honor de invitaros las III Jornadas Iberoamericanas de Recursos Humanos y Responsabilidad Social Empresarial que se celebrarán los días 4, 5, 6 y 7 de febrero en la Facultade de Ciencias do Traballo en Ferrol y en el Hotel Balneario de Guitiriz en Lugo. Las Jornadas se desarrollan en colaboración con la Universidad de A Coruña (España), la Universidade do Minho (Portugal), la Universidad de Guanajuato (México), la Universidad Autónoma de Aguascalientes (México), la Universitat Jaume I (España), la Universidade Salesiana de Sao Paulo (Brasil), la Universidade de Brasilia (Brasil), el Balneario de Guitiriz (España) y Cruz Vermella España-Galicia (España). El resultado de esta colaboración es el desarrollo de las Ponencias, Mesas Redondas, Comunicaciones Orales, Posters y Stands que se presentan en las jornadas. Estas jornadas son de carácter solidario abiertas al público en general y en particular a todo aquel interesado en los temas relacionados con las personas y la responsabilidad social. Hemos preparado un programa científico atractivo centrado en 4 grandes bloques: la inmigración y la diversidad; las personas y la responsabilidad social; el turismo y el emprendimiento y finalmente se analizara la repercusión del cáncer en el ámbito laboral. El Congreso se desarrollará en tres jornadas en la Facultad de Ciencias del Trabajo del Campus de Ferrol de la Universidad de A Coruña y en una jornada final de clausura en el Hotel Balneario de Guitiriz, que ofrecen un excelente marco para el encuentro y discusión de los participantes. Las sesiones de Comunicaciones Orales y Posters son protagonistas con 71 presentaciones. Uno de los mayores atractivos para los investigadores e investigadoras que participan es la posibilidad de publicar sus aportaciones en las cuatro revistas científicas de carácter internacional: Revista de Ciências da Educação (Brasil), Anuario da Facultade de Ciencias do Traballo da Universidade da Coruña (España), Tourism and Hospitality International Journal (Portugal), Revista de Responsabilidad Social de la Empresa (España). Os esperamos en Ferrol y Guitiriz en febrero de 2014. María Dolores Sánchez Fernández Directora de las III Jornadas Iberoamericanas Recursos Humanos y Responsabilidad Social Corporativa 2014. 2
  5. 5. Información General Fechas de las Jornadas 4, 5, 6 y 7 de Febrero de 2014 Sedes Días 4, 5 y 6 de febrero Facultade de Ciencias do Traballo Universidade da Coruña Campus de Esteiro R/ San Ramón s/n Ferrol + 34 981.337400 Ext. 3577 www.fcct.es Localización: http://www.udc.es/sobreUDC/localizacion/ferrol/esteiro/fa_ciencias_traballo/inde x.html?__locale=es Día 7 de febrero Hotel Balneario de Guitiriz Ctra. del Balneario s/n Guitiriz. Lugo +34 982 022 200 http://www.balneariodeguitiriz.com/ Localización: http://www.balneariodeguitiriz.com/ubicacion.aspx Contacto jornadarrhhyrsc@gmail.com https://sites.google.com/site/jornadasrrhhyrsc/3-jornadas Personas destinatarias Alumnado de la Facultad de Ciencias del Trabajo y, en general, de la Universidad da Coruña y otras universidades. Organizaciones empresariales y sindicales. Profesionales y personas interesadas en la materia. Diploma Se entregará diploma acreditativo a las personas que asistan como mínimo al 75% de la jornada al finalizar la misma (ver programa) 3
  6. 6. Información General Inscripción La inscripción en las jornadas se hará de forma online a través del formulario que se encuentra en la siguiente dirección: https://sites.google.com/site/jornadasrrhhyrsc/3-jornadas/inscripcion Cuota de inscripción Formas de pago: Forma de pago tipo A: donación mínima de 5 kg de producto (entidad que estimen oportuno los inscritos) (Enviar comprobante de donación antes del día 15 de enero 2014 a jornadarrhhyrsc@gmail.com) Forma de pago tipo B: donación mínima de 5 euros (entidad que estimen oportuno los inscritos) (Enviar comprobante antes del día 15 de enero 2014 a jornadarrhhyrsc@gmail.com) Forma de pago tipo C: donación mínima de 5 Kg de producto (se entregan los productos el primer día de las jornadas y se elige el último día la entidad a la cual donar, mediante votación). Nota: Los productos se entregarán el primer día que asista a las jornadas al comité organizador, con el fin de que se compartan entre todos los asistentes de forma adecuada durante la exposición del póster. Fijarse en especial en la fecha de caducidad de los productos, se recogerán el primer día que asista a las jornadas. Aquellos/as que participen y asistan de forma presencial además de la cuota de participación y asistencia deberán traer dos productos para compartir: mínimo 2 productos para compartir durante los descansos de los días en que se desarrollan las jornadas con todos los asistentes: Producto tipo 1 (bebida no alcohólica: 1 litro de zumo, refresco, etc.) Producto tipo 2 (bolsa herméticamente envasada frutos secos, galletas, patatas etc.). Fechas importantes 30 de noviembre de 2013 Fecha límite para recepción de resúmenes 15 de enero de 2014 Envío de exposiciones video presentaciones: (youtube, etc.) y póster (.jpg) 15 de enero de 2014 Envío de textos completos (sólo en el caso de querer someter la comunicación a la valoración de la potencial publicación en alguna de las revistas de las jornadas): (las normas a cumplir son las normas especificadas por la revista seleccionada VER apartado Revistas) 4
  7. 7. Información General Sala de Conferencias. Área de Posters. Área Coffee Break La Sala de Conferencias será el Salón de actos (2º Planta) de la Facultade de Ciencias do Traballo. El Área de Stand y Exposición de Póster estará ubicada en el Hall de la Facultade de Ciencias do Traballo. El área de Coffee Break estará ubicada al final del Hall de la Facultade de Ciencias do Traballo (Planta baja). Las aulas de las Comunicaciones se asignarán y comunicarán el día 4 de febrero de 2014. Se publicarán en un tablón específico de la Facultade de Ciencias do Trabajo y en la Web de las jornadas. Idiomas Los idiomas oficiales serán español, portugués, gallego e inglés. Acceso Red Wifi Centro: Facultad de Ciencias do Traballo (Campus Esteiro, Ferrol) Nombre de la red (SSID): congresorrhh Contraseña: congreso1014 Cifrado: WPA-PSK, WPA2-PSK 5
  8. 8. Comité Organizador Dirección Secretaría España Secretaría Portugal Secretaría América Secretaría México María Dolores Sánchez Fernández Universidade da Coruña (UDC) Grupo de investigación GREFIN María Allegue Rodríguez UDC Liliana Teixeira Universidade do Minho Héctor Pérez López Portillo Kathia Lorena Ibarra Torres Ana Carolina Stefanini Leone Ana Claudia Rocha Barbosa Ana García Calvo Carmen Azpelicueta Criado Universidad de Guanajuato Universidad Autónoma de Aguascalientes Donária Coelho Duarte Universidade de Brasilia Centro de Excelência em Turismo - Centre for Excellence in Tourism Fernando de Vicente Pachés Universitat Jaume I Cátedra Intercoop en Economía Social Jaume I Gilson Zehetmeyer Borda Universidade de Brasilia Centro de Excelência em Turismo - Centre for Excellence in Tourism Jesica Nadia Guadalupe Fuentes García Lilian de Souza María Josefina Mateu Carruana Marisa Rodríguez Cigán Mery Gómez García Pilar Bonigno González Roberto Nuez Sánchez Salvador Ramos Rey Sandra López Salmonte Sheila Díaz Ferreira Sonia Seijas Ramos Thais Pousada García Centro de Investigação em Ciéncias Sociais Universidade do Minho. UNISAL UNISAL UDC Universitat de les Illes Balears Universidad Autónoma Metropolitana Xochimilco UNISAL. Centro Universitário Salesiano de São Paulo Universitat Jaume I Hotel Balneario & Golf Club de Guitiriz Cruz Roja Española. Galicia Cruz Roja Española. Galicia UDC Hotel Balneario & Golf Club de Guitiriz Cruz Roja Española. Galicia UDC UDC UDC Cátedra Intercoop en Economía Social Jaume I ASEM Galicia 6
  9. 9. Comité Científico Coordinadora Dña. María Dolores Sánchez Fernández, Universidade da Coruña, España Miembros Dra. María Josefina Mateu Carruana, Universitat Jaume I. España Dr. Fernando Vicente Pachés, Universitat Jaume I. España Dra. Thais Pousada García, Universidade da Coruña. España Dña. María Asunción López Arranz, Universidade da Coruña. España Dña. María Pilar Millor Arias, Universidade da Coruña. España Dra. Paula Remoaldo, Universidade do Minho. Portugal Dra. Laurentina Vareiro, Universidade do Minho. Portugal Dr. Ivo Domingues, Universidade do Minho. Portugal Dr. José Carlos Morgado, Universidade do Minho. Portugal Dra. Sheila Khan, Universidade do Minho. Portugal Dra. Susana Caires, Universide do Minho. Portugal Dra. Donária Coelho Duarte, Universidade de Brasilia. Brasil Dr. Gilson Zehetmeyer Borda, Universidade de Brasilia. Brasil Dra. Joana D'Arc Bicalho Félix, Centro Universitário de Brasilia. Brasil Dr. Antonio Carlos Miranda, UNISAL. Brasil Dra. María Luísa Bissoto, UNISAL. Brasil D. Fabio Camilo Biscalchin, UNISAL. Brasil Dra. Sueli María Pessagno Caro, UNISAL. Brasil Dra. Norma Silvia Trindade De Lima, UNISAL. Brasil Dra. María Luiza Vechetin Begnami, UNISAL. Brasil Dra. Claudia Gutiérrez Padilla, Universidad de Guanajuato. México Dra. Natascha van Hatum-Janssen, Saxion Universidade de Ciências Aplicadas. Holanda Dr. José Álvarez García, Universidad de Extremadura. España Dra. Mª Cruz del Río Rama, Universidad de Vigo. España Dr. Federico J. Novelo y Urdanivia, Universidad Autónoma Metropolitana Xochimilco. México D. Nicola Maria Boccella, Università degli Studi di Roma "La Sapienza". Italia Dr. José Luis Coca Pérez, Universidad de Extremadura. España Dra. Dora Aguilasocho Montoya, Universidad Michoacana de San Nicolás de Hidalgo. México Dr. Evaristo Galeana Figueroa, Universidad Michoacana de San Nicolás de Hidalgo. México Dr. Nuno Alexandre Pereira Abranja, Instituto Superior de Ciências Educativas Ramada. Portugal Dra. Raquel Bernardette Vale Mendes, Instituto Politécnico do Cávado e do Ave. Portugal Dra. Olga de Matos, Instituto Politécnico de Viana do Castelo. Portugal Dr. José Cadima Ribeiro, Universidade do Minho. Portugal Dr. Eduardo Duque, Universidade Católica de Braga. Portugal Dr. Vitor Ribeiro, Universidade do Minho. Portugal Dr. Ricardo Alejandro Rodríguez Lara, Universidad de Guanajuato. México Dr. José Eduardo Vidaurri Aréchiga, Universidad de Guanajuato. México Dr. José Ramón Cardona, Universitat de les Illes Balears. España Dr. Juan Carlos Brenlla Blanco, Universidade da Coruña, España Dra. Isabel Novo Corti, Universidade da Coruña, España. Dra. Nuria Calvo Babío, Universidade da Coruña, España Dra. Dolores Gallardo Vázquez, Universidad de Extremadura, España Dra. Sandra Rufino Santos, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Brasil Dra. Ciliana Regina Colombo, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Brasil 7
  10. 10. Comité Científico Dra. Gisele Cristina Sena da Silva Pinho, Universidade Federal de Pernambuco, Brasil Dr. Joaquim Pinto Contreiras, Universidade do Algarve, Portugal 8
  11. 11. Programa Científico Horario peninsular en España Le rogamos puntualidad 4 de febrero de 2014. Facultad de Ciencias del Trabajo (Ferrol) 15.00-15.15: Entrega de documentación 15.15-16.00: Inauguración Jornadas Dª. Martina Aneiros Barros, Concejala de empleo, participación, comunicación, nuevas tecnologías, normalización y atención al ciudadano y barrios en el Ayuntamiento de Ferrol. Dª. Araceli Torres Miño, Vicerrectora del Campus de Ferrol y Responsabilidad Social de la UDC D. Moisés Alberto García Núñez, Decano da Facultade de Ciencias do Traballo D. Salvador Ramos Rey, Director Médico do Hotel Balneario de Guitiríz Dª. Pilar Bonigno González, Directora Provincial de Empleo e Inclusión Social en Cruz Roja Española. Dª: María Dolores Sánchez Fernández, Directora de las III Jornadas Iberoamericanas RRHH y RSC, docente de la UDC 16.00-16.45: La situación general de la inmigración en España 2013; visión y actuación desde Cruz Roja. Cruz Vermella Española Galicia. D. Ignacio Álvarez García. 16.45-17.30: La igualdad de oportunidades y la gestión de la diversidad. Cruz Vermella Española Galicia. Dª. Sandra López Salmonte. 17.30-18.00: Descanso Networking 18.00-19.00: Experiencias Empresariales. Empresas invitadas: Alcampo. Moderadora: Dª. Mery Gómez García. 19.00-20.30: Taller Gestión de la Diversidad en entornos multiculturales. Cruz Vermella Española Galicia. Dinamizadores: D. Ignacio Álvarez García y Dª. Mery Gómez García 5 de febrero de 2014. Facultad de Ciencias del Trabajo (Ferrol) 15:45-17:45: Comunicaciones paralelas (https://sites.google.com/site/jornadasrrhhyrsc/3jornadas/programa/comunicaciones). Aula A: Laboral / Seguridad y Salud laboral Aula B y Aula C: Educación, contexto escolar, género e intervención socio comunitaria Aula D: Responsabilidad Social 9
  12. 12. Programa Científico 17:45-19:00: Descanso Networking + Exposición de póster + Stands asociacionesempresas. (Stand de asociaciones -Coord: Thais Pousada y María Dolores Sánchez-: AFAES, Ferrol - APEM, A Coruña - FEAFES GALICIA - LIGA REUMATOLOXICA GALEGA- ALCER CORUÑA- ASEM GALICIA - CRUZ VERMELLA GALICIA - ACCU Coruña - ANHIDACORUÑA FUNDACIÓN CEO, CIENCIA E CULTURA (FC3) - SAPE UDC)) 19:00-19:45: Conferencia 1: En busca de oportunidades en la inserción de personas con enfermedad mental. Dª. Cristina Rivas Prado (Orientadora Laboral y Psicóloga, Federación de Asociacións de Familiares e Persoas con Enfermedade Mental de Galicia -FEAFES). Moderadora: Sonia Seijas Ramos 19:45-19:55: Presentación Revista "Anuario da Facultade de Ciencias do Traballo". Moderadora: Thais Pousada García 19:55-20:55: Mesa: Responsabilidad Social. Moderadora: Carmen Azpelicueta Criado Conferencia 2: Prevención de Riesgos Laborales y Responsabilidad Social de la Empresa. Dra. María Josefina Mateu Carruana (Universitat Jaume I, Castellón) Conferencia 3: El derecho a la Seguridad y Salud Laboral en las empresas socialmente responsables. Dr. Fernando de Vicente Pachés (Universitat Jaume I, Castellón) 6 de febrero de 2014. Facultad de Ciencias del Trabajo (Ferrol) 16.00-18.00: Comunicaciones paralelas Aula A y B: Turismo Aula C: Emprendimiento y Políticas Públicas Simposio online 18.00-18.30: Descanso Networking 18.30-19.15: Mesa: Turismo de Salud y Socialmente Responsable. Moderadora: María Dolores Sánchez Fernández Conferencia 1: ¿De qué hablamos cuando hablamos de Turismo de Salud? D. Salvador Ramos Rey (Director Médico Balneario de Guitiriz) 19.15-20.30: Conferencia 2: Turismo Socialmente Responsable. Dª. María Dolores Sánchez Fernández (Universidade da Coruña, España) 10
  13. 13. Programa Científico 7 de febrero de 2014. Hotel Balneario de Guitiriz (Lugo) Bloque I: Experiencias y proyectos de Responsabilidad Social 16.00-16.40: Responsabilidad Social y discapacidad. Dª. Menchu Iglesias Rey (Directora Territorial Galicia. FSC Inserta) 16.40-18.00: Mesa: ¿Es posible la RSC en las pequeñas y medianas empresas (PYMES)? La experiencia de LOIDA Imagen Contemporánea. Dª. Laura Doval Lodeiro (Técnica en Proyecto Sociales y Desarrollo) La experiencia del Hotel-Balneario de Guitiriz. Dª. Marisa Rodríguez Gigán (Directora Balneario de Guitiriz) 18.00-18.30: Descanso Networking Bloque II. Día Mundial Contra el cáncer (4 de febrero). Cáncer y actividad laboral. 18.30-21.15: Factores de riesgo relacionados con el trabajo. Representante de la Sociedad Gallega de Prevención de Riesgos Laborales La vuelta al trabajo después del cáncer: ¿existen dificultades? Representantes de asociaciones de pacientes El paciente oncológico en el Balneario ¿Por qué hemos puesto en marcha la Unidad de Cuidados Integrales para personas afectadas por cáncer? D. Salvador Ramos Rey (Director Médico Balneario de Guitiriz) Entrega de diplomas** 21.30: Cena y Clausura de las III Jornadas Iberoamericanas RRHH y RSC NOTA: La cena se pagará directamente al hotel-balneario ya que no está incluida en la cuota de inscripción. Para más información teléfono: 982 022 220 o mail: balneario@balneariodeguitiriz.com **En el caso de no quedarse hasta la entrega de diplomas (certificado de asistencia a las jornadas), si cumple todas las condiciones para obtener el diploma de asistencia y quieren que se proceda a su envío por correo ordinario, deben traer un sobre tamaño folio, añadirle un sello adecuado e incluir su nombre y la dirección postal. 11
  14. 14. Programa Científico 8 de febrero de 2014. Hotel Balneario de Guitiriz (Lugo) 10.30: Actividades Termo-Lúdicas Sesión relajación asistida en piscina termal dinámica* Iniciación a la marcha Nórdica: recorrido por el bosque del Balneario* *Para participar en estas actividades es preciso: traje de baño, ropa y calzado cómodo. *Actividades de acceso libre (no es necesaria inscripción). 4 de febrero de 2014 a 5 de marzo de 2014 Linkedin y Facebook Las videocomunicaciones estarán accesibles en el siguiente Link y se debatirán en los grupos virtuales desde el inicio de las jornadas (4 de febrero de 2014) hasta el 5 de marzo de 2014. Nombre del grupo: III Jornadas Iberoamericanas RRHH y RSC 2014 Enlace: https://www.facebook.com/groups/312390780847/ Nombre del grupo: Jornadas RRHH y RSC en la UDC http://www.linkedin.com/groups/Jornadas-RRHH-RSC-UDC4356324?trk=myg_ugrp_ovr Otras actividades de colaboración libre durante las jornadas: • Entrega de productos no perecederos para donación El jueves día 6 se procederá a la votación para donación de los productos recogidos durante las jornadas, entre las siguientes entidades propuestas por los inscritos: Cocina Económica Cruz Vermella Asociación Dignidad Cáritas 12
  15. 15. Comunicaciones COMUNICACIÓNES ORALES PRESENCIALES Laboral / Seguridad y Salud Laboral Aula Magna (2º planta) (5 de febrero) Coord: María Asunción López Arranz y María Pilar Millor Arias 29. FLEXIBILIZAR AS LEIS LABORAIS: A TROIKA (A CRISE) É A RAZÃO OU É A DESCULPA? Preto, Sonia; Instituto Superior Bissaya Barreto (Coimbra, Portugal); soniapreto@gmail.com 34. EXPOSICIÓN AL AMIANTO: UNA APROXIMACIÓN AL SECTOR NAVAL Gustavo Ramos Pouso; Universidad Pública de Navarra (UPNA); ramos.pouso@gmail.com 39. PARTICIPACIÓN LABORAL EN EL TERCER SECTOR DE LOS ESTUDIANTES UNIVERSITARIOS: VALORACIÓN A TRAVÉS DE SUS PERCEPCIONES DE FUTURO Becerra Amado, Patricia Mª; Universidade da Coruña; patricia.becerra@udc.es Novo Corti, Isabel; Universidade da Coruña; isabel.novo.corti@udc.es 45. ANÁLISIS DE LAS FINALIDADES DE LA JURIDIZACIÓN EN LA SOLUCIÓN DEL CONFLICTO POR ACOSO LABORAL EN COLOMBIA Urresta Tascón, Mónica María; Universidad Cooperativa de Colombia; monicaurresta@campusucc.edu.co , monicaurresta@hotmail.com Educación, contexto escolar, género e intervención socio comunitaria Aula 3 (planta baja) (5 de febrero) Coord: Sonia Seijas Santos 17. MENINOS E MENINAS: UMA ANÁLISE DO MENINO MALUQUINHO, O FILME, SOB O OLHAR DO GÊNERO Bittencourt, Rosânia Maria Silvano; Universidade do Extremo Sul Catarinense UNESC; zanebit@hotmail.com Rabelo, Giani; Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC; gra@unesc.net 23. EDUCAÇÃO SEXUAL: OS DESAFIOS E REALIDADES / UM PROJETO DE INTERVENÇÃO COMUNITÁRIA NA ESCOLA Gomes Alves, Maria Emília; Instituto de Educação - Universidade do Minho; emiliagomesalves@gmail.com Antunes, Maria da Conceição; Instituto de Educação - Universidade do Minho; mantunes@ie.uminho.pt 27. EDUCAÇÃO MUSICAL E OPORTUNIDADES SOCIOCULTURAIS: PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO DE CONTEÚDOS PARA IMPLANTAÇÃO DO ENSINO DE MÚSICA NAS ESCOLAS BRASILEIRAS Santos, Wilson Rogério dos; Escola de Música Universidade Federal da Bahia (UFBA) rg_santos@hotmail.com Paes, Ana Roseli; Instituto de Educação – Universidade do Minho Centro de Investigação de Estudos da Criança anaroseli@ie.uminho.pt 13
  16. 16. Comunicaciones 35. O PODER DA EDUCAÇÃO E DA INTERVENÇÃO NA E PELA FREGUESIA DE GONÇA – UMA EXPERIÊNCIA DE EDUCAÇÃO DE ADULTOS E INTERVENÇÃO COMUNITÁRIA Fernandes Alves, Cristina Maria; Universidade do Minho; cristina.maria.alves@gmail.com Educación, contexto escolar, género e intervención socio comunitaria Aula 2 (planta baja) (5 de febrero) Coord: Thais Pousada García 38. ENSEÑANZA UNIVERSITARIA Y LAS POSIBILIDADES DE ÉXITO LABORAL DE COLECTIVOS EN RIESGO DE EXCLUSIÓN: LA VALORACIÓN DEL ESTUDIANTADO Novo Corti, Isabel; Universidade da Coruña; isabel.novo.corti@udc.es Becerra Amado, Patricia Mª; Universidade da Coruña; patricia.becerra@udc.es 43. ASSOCIATIVISMO E INTERVENÇÃO COMUNITÁRIA EM CONTEXTO RURAL – PARTILHA DE UMA EXPERIÊNCIA DE ANIMAÇÃO SOCIOCULTURAL Costa Faria, Maria Augusta, Nós Consigo – Associação para a Educação e Intervenção Comunitária, mariacostafaria@gmail.com Pinto Antunes, Maria da Conceição, Instituto de Educação da Universidade do Minho e Nós Consigo – Associação para a Educação e Intervenção Comunitária, mantunes@ie-uminho.pt Fernandes Alves, Cristina Maria, Nós Consigo – Associação para a Educação e Intervenção Comunitária, cristina.maria.alves@gmail.com Gomes Alves, Maria Emília, Nós Consigo – Associação para a Educação e Intervenção Comunitária, emiliagomesalves@gmail.com 56. CRESCER PARA SER – CAMINHO PARA A AUTONOMIA Maria da Conceição Antunes, Universidade do Minho, mantunes@ie.uminho.pt Sara Rita Cunha, Centro Social Padre David de Oliveira Martins, sararitacunha@centrosocialpadredavid.pt Sónia Fernandes, Centro Social Padre David de Oliveira Martins soniafernandes@centrosocialpadredavid.pt Responsabilidad Social Aula 1 (planta baja) (5 de febrero) Coord: Carmen Azpelicueta Criado y María Dolores Sánchez Fernández 13. LA INFORMACIÓN VOLUNTARIA SOBRE LOS RECURSOS HUMANOS: UN DILEMA ENTRE LA IMAGEN Y LA RESPONSABILIDAD SOCIAL Tejedo Romero, Francisca; Universidad de Castilla la Mancha; Francisca.Tejedo@uclm.es Ferraz Esteves de Araújo, Joaquim Filipe; Universidade do Minho; jfilipe@eeg.uminho.pt 14
  17. 17. Comunicaciones 8. TURISMO ACESSÍVEL EM CIDADES PATRIMÔNIO: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO EM PIRENÓPOLIS – GOIÁS Carvalho, Rogerio L. ; Mestrando do Programa de Mestrado Profissional em Turismo – Centro de Excelência do Turismo – CET / UNB; xo_stressturismo@hotmail.com Duarte, Donária Coelho; Professora do Mestrado do Centro de Excelência em Turismo – CET da Universidade de Brasília. donaria@unb.br e donaria@hotmail.com Borda, Gilson Zehetmeyer; Professor do Mestrado do Centro de Excelência em Turismo – CET da Universidade de Brasília.gborda@unb.br e gborda@cnpq.br 25. AS DIFERENTES REPRESENTAÇÕES SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL ORGANIZACIONAL Correia, Adelina; Universidade do Minho; adelinamcorreia@gmail.com Domingues, Ivo; Universidade do Minho; ivodomingues58@gmail.com Matos, Alice; Universidade do Minho 41. SEGURIDAD Y SALUD EN LA CONSTRUCCIÓN; UNA RESPONSABILIDAD SOCIAL EN LAS EMPRESAS CONSTRUCTORAS. Piñeiro Otero,Mar; Concello de Ferrol; Universidad da Coruña; marpiweb@gmail.com 21. ACESSIBILIDADE E HOSPITALIDADE NO PROJETO CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA EM ALTAMIRA-PARÁ Elias Mota Vasconcelos Bacharel em Turismo pela Universidade Federal do Pará (Brasil), Ifpa Campus Santarém, Centro de Excelência em Turismo CET/UnB; eliasturismo@yahoo.com.br Donária Duarte, Universidade de Brasília, Laboratório de Estudos em Turismo e Sustentabilidade (Centro de Desenvolvimento Sustentável, UnB); donaria@unb.br Gilson Zehetmeyer Borda, Centro de Excelência em Turismo, Universidade de Brasília (UnB), Laboratório de Estudos em Turismo e Sustentabilidade (Centro de Desenvolvimento Sustentável, UnB); gborda@unb.brr Turismo Aula 2 (planta baja) (6 de febrero) Coord: Paula Remoaldo 40. ECOTURISMO EDUCATIVO COMUNITÁRIO: UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO SOCIAL PARA O TURISMO NA RESERVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ESTADUAL PONTA DO TUBARÃO NO ESTADO DO RIOGRANDE DO NORTE, BRASIL Souza Samir; Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte; samir.souza@ifrn.edu.br 42. PERCEPTIONS OF RESIDENTS OF THE HOSTING OF THE “GUIMARÃES 2012 EUROPEAN CAPITAL OF CULTURE”: AN EX-ANTE APPROACH Paula Remoaldo; Department of Geography – Institute of Social Sciences, University of Minho, Portugal; premoaldo@geografia.uminho J. Cadima Ribeiro; Economic Policies Research Unit (NIPE), University of Minho, Portugal; jcadima@eeg.uminho.pt Laurentina Vareiro; Polytechnic Institute of Cávado and Ave; Campus do IPCA, Barcelos, Portugal; lvareiro@ipca.pt Mécia Mota; Department of Geography – Institute of Social Sciences; University of Minho, Portugal; meciamota@gmail.com 15
  18. 18. Comunicaciones 52. DEL GUÍA DE MASAS AL GUÍA ESPECIALIZADO, UNA NUEVA PROPUESTA DE VISITAS GUIADAS Abril Sellarés, Maria; Universitat Autònoma de Barcelona, maria.abril@uab.cat 63. PERCEPÇÕES DE RESIDENTES A RESPEITO DOS IMPACTOS DA ATIVIDADE TURÍSTICA: UMA ANÁLISE DAS PUBLICAÇÕES BRASILEIRAS SOBRE O TEMA Elaine Cristina Borges Scalabrini; Departamento de Geografia – Instituto de Ciências Sociais; Universidade do Minho, Portugal; ecristinborges@outlook.com Paula Remoaldo; Departamento de Geografia- Instituto de Ciências Sociais~NIGP/CICS; Universidade do Minho, Portugal; premoaldo@geografia.uminho Júlia Lourenço; Departamento de Engenharia Civil; Universidade do Minho, Portugal; jloure@civil.uminho.pt Turismo Aula 1 (planta baja) (6 de febrero) Coord: Carmen Azpelicueta Criado y Donária Coelho Duarte 53. EL CRM: UNA ESTRUCTURA EXITOSA PARA UNA HERRAMIENTA ESTRATÉGICA EN LA GESTIÓN DEL SECTOR HOTELERO. Díaz-Ordoñez González, Augusto; Cluster for Technological Innovation in Tourism of the Balearic Islands (Balears.t); j_agp@hotmail.com Azpelicueta Criado, María del Carmen; Universitat de les Illes Balears; m.azpelicueta@uib.eu Ramón Cardona, José; Universitat de les Illes Balears; jramon.cardona@terra.com Serra Cantallops, Antoni; Universitat de les Illes Balears; antoni.serra@uib.es 16. TURISMO EM ESPAÇO RURAL NA REGIÃO CENTRO (PORTUGAL) Palma, Ana Raquel, Instituto Politécnico de Viana do Castelo, raquelpalma89@gmail.com Pinto de Matos, Olga Maria; Instituto Politécnico de Viana do Castelo, Portugal, omatos@estg.ipvc.pt 9. A MULHER DEFICIENTE NO TURISMO: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO NA HOTELARIA DE BRASÍLIA Duarte, Donária Coelho; Professora e pesquisadora do Centro de Excelência em Turismo – Universidade de Brasília (UnB), Brasília - Brasil. Email: donaria@unb.br; donaria@hotmail.com Borda, Gilson Zehetmeyer; Professor e pesquisador do Centro de Excelência em Turismo – Universidade de Brasília (UnB), Brasília - Brasil. Email: gborda@unb.br; gborda@cnpq.br 54. VALORACIÓN DE LOS DISTINTOS TIPOS DE OFERTA TURÍSTICA POR PARTE DE LOS RESIDENTES DE IBIZA Azpelicueta Criado, María del Carmen; Universitat de les Illes Balears; m.azpelicueta@uib.eu Ramón Cardona, José; Universitat de les Illes Balears; jramon.cardona@terra.com Serra Cantallops, Antoni; Universitat de les Illes Balears; antoni.serra@uib.es 16
  19. 19. Comunicaciones Emprendimiento y Políticas Públicas Aula Magna (2ª planta) (6 de febrero) Coord: Eduardo Duque 1. EMPREENDEDORISMO, INOVAÇÃO, INCUBAÇÃO DE EMPRESAS, STARTUP E OS MEANDROS DA LEI DE INOVAÇÃO Emanuel Ferreira Leite, Pós-doutorado, Universidade de Pernambuco, emanueleite@hotmail.com Ericê Bezerra Correia, Doutor, Universidade de Pernambuco, ericecorreia@gmail.com Eduardo Duque, UCP-Braga e CICS-UM, eduardoduque@ics.uminho.pt Daniel de Cerqueira Lima e Penalva Santos, mestrando em Gestão do Desenvolvimento Local Sustentável UPE. penalvadaniel@gmail.com 57. PERSPECTIVAS DE DESARROLLO FRENTE A LA POBREZA. ANÁLISIS COMPARATIVO DE LAS POLÍTICAS PÚBLICAS CONTRA LA POBREZA EN MÉXICO Y CHINA Fuentes García, Jesica Nadia Guadalupe, Universidad Autónoma Metropolitana unidad-Xochimilco, g408_nad@hotmail.com 2. DESTRUIÇÃO CRIATIVA: GÊNESE DO EMPREENDEDORISMO Emanuel Ferreira Leite, Pós-doutorado, Universidade de Pernambuco, emanueleite@hotmail.com Ericê Bezerra Correia, Doutor, Universidade de Pernambuco, ericecorreia@gmail.com Eduardo Duque, UCP-Braga e CICS-UM, eduardoduque@ics.uminho.pt 37. POLÍTICAS PÚBLICAS E EMPREENDEDORISMO NOS INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO BRASIL Paiva, Fernando; Instituto Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do Norte; fernando.paiva@ifrn.edu.br Marques, Ana P.; Universidade do Minho; amarquesuminho@gmail.com 3. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL LOCAL - A INOVAÇÃO E O EMPREENDEDORISMO Emanuel Ferreira Leite, Pós-doutorado, Universidade de Pernambuco, emanueleite@hotmail.com Ericê Bezerra Correia, Doutor, Universidade de Pernambuco, ericecorreia@gmail.com Eduardo Duque, UCP-Braga e CICS-UM, eduardoduque@ics.uminho.pt POSTERS PRESENCIALES 55. APROXIMACIÓN HISTÓRICA DE LA RESPONSABILIDAD SOCIAL EN LA UNIÓN EUROPEA. Azpelicueta Criado, María del Carmen; Universitat de les Illes Balears; m.azpelicueta@uib.eu Ramón Cardona, José; Universitat de les Illes Balears; jramon.cardona@terra.com Serra Cantallops, Antoni; Universitat de les Illes Balears; antoni.serra@uib.es 17
  20. 20. Comunicaciones 58. LA TUTORIA EN LA UDC: EVOLUCIÓN EN LOS TRES ÚLTIMOS CURSOS ACADÉMICOS Seijas Ramos, Sonia; Universidade da Coruña; sseijas@udc.es Toja Reboredo, Belén; Universidade da Coruña; toja@udc.es Sánchez Fernández, María Dolores ; Universidade da Coruña; msanchezf@udc.es 59. RESPONSABILIDAD SOCIAL UNIVERSITARIA DESDE LA MISIÓN Y LA GOBERNANZA INSTITUCIONAL. ANÁLISIS DE UNIVERSIDADES EN MÉXICO. Sánchez-Fernández, María Dolores; Universidade da Coruña; msanchezf@udc.es Héctor Pérez López Portillo, Universidad de Guanajuato; hector.plp@gmail.com Claudia Gutiérrez Padilla; Universidad de Guanajuato; padilla@ugto.mx 60. RESPONSABILIDAD SOCIAL HOTELERA EN EL ENTORNO INSTITUCIONAL DE LA REGIÓN NORTE DE PORTUGAL: UN ANÁLISIS FACTORIAL Sánchez-Fernández, María Dolores; Universidade da Coruña; msanchezf@udc.es 61. GESTIÓN DE LA RESPONSABILIDAD SOCIAL EN LA EMPRESA: PROMOCIÓN DE LA SALUD EN EL ÁMBITO LABORAL Sánchez-Fernández, María Dolores; Universidade da Coruña; msanchezf@udc.es Allegue Rodríguez, María; Universidade da Coruña; mariallegue78@gmail.com 62. RESPONSABILIDAD SOCIAL UNIVERSITARIA: GESTIÓN DE UN EVENTO SOCIALMENTE RESPONSABLE Sánchez-Fernández, María Dolores; Universidade da Coruña; msanchezf@udc.es PANEL ESPECIAL ESTUDIANTES LICIENCIATURA 64. RESPONSABILIDAD SOCIAL: EMPRESA FAMILARMENTE RESPONSABLE López Bermúdez, Beatriz; Universidade da Coruña 65. SEGURIDAD Y SALUD EN EL TRABAJO (SST) Casal Beiroa, Olalla y Suárez Vieites, Sonia ; Universidade da Coruña 66. RESPONSABILIDAD SOCIAL CORPORATIVA Y EMPRESARIAL Álvarez Rodríguez, Iván; Faíña Rodríguez-Vila, José; Ramos González, Pablo y Rey Corral, Iago; Universidade da Coruña 67. EMBAJADORES ESPAÑOLES DE LA RSC Acuña Garrido, Sofía; Longueira Bello, Alba; Lourido Nieto, Esther; Martínez Sánchez, Lara y Pérez Folla, Andrea Alexandra; Universidade da Coruña 68. LA RESPONSABILIDAD SOCIAL EN EL ÁMBITO UNIVERSITARIO Estévez Pagola, Marta; Parada Pérez, Andrea; Quintela Miguélez, Natalia y Rilo Riveiro, Patricia ; Universidade da Coruña 69. LA EDUCACIÓN EN LA RESPONSABILIDAD SOCIAL EMPRESARIAL Sieira Pérez, Isabel ; Universidade da Coruña 70. LA EMPRESA Y LOS DERECHOS HUMANOS: LOS PRINCIPIOS DE NACIONES UNIDAS PARA "PROTEGER, RESPETAR Y REMEDIAR" Silva Vázquez, María y Mosteiro Grela, Marta; Universidade da Coruña 18
  21. 21. Comunicaciones 71. LA RESPONSABILIDAD SOCIAL CORPORATIVA EN EL TURISMO Álvarez Álvarez, Ariana; Fernández Regueiro, Melania, Vázquez Díaz, María del Carmen, Arias Boán, María y García Cambón, Adriana; Universidade da Coruña SIMPOSIO ONLINE " RESPONSABILIDAD SOCIAL EN LA ENSEÑANZA SUPERIOR" Coord. Dra. María Luísa Bissoto, UNISAL, Brasil y Dra. Susana Caires, Universidade do Minho, Portugal 6. PENSAMENTO DE PAULO FREIRE E EDUCAÇÃO SUPERIOR SOB A ÓPTICA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL Giatti, Tadeu de Jesus; UNISAL - CÂMPUS MARIA AUXILIADORA - AMERICANA/SP tadeu_giatti@yahoo.com.br Marques Silva, Keila; UNISAL - CAMPUS MARIA AUXILIADORA, Americana/SPBrasil; keilamourana@gmail.com Ferrari,Sônia Maria Souza; UNISAL - CAMPUS MARIA AUXILIADORA, Americana/SP/Brasil; soniaferrari@gmail.com 10. EDUCAÇÃO POPULAR E EDUCAÇÃO DE ADULTOS Silva Keila, Unisal-Universidade Salesiana de São Paulo - Campus Maria Auxiliadora Americana -SP; keilamourana@gmail.com Ferrari Sônia, Unisal-Universidade Salesiana de São Paulo - Campus Maria Auxiliadora-Americana-sp; soniafferrari@gmail.com Giatti Tadeu, Unisal - Universidade Salesiana de São Paulo - Campus Maria Auxiliadora - Americana SP; giatti@Yahoo.com.br 14. MERCADO DO TEMPO: MODA SUSTENTÁVEL Melo, Natalia, Unisal-São Paulo Brasil, natalia.pelo-melo@hotmail.com Garcia, Wilian, Unisal-São Paulo Brasil wiliantosta@hotmail.com Souza, Juliana, Unisal- São Paulo Brasil julianaso_uza@hotmail.com Bordignon, Lívia, Unisal-São Paulo Brasil livia_bordignon@hotmail.com Forti, Jéssica, Unisal-São Paulo Brasil jessikinha.forti@hotmail.com 15. A RESPONSABILIDADE SOCIAL UNIVERSITÁRIA COMO ATIVIDADE FORMATIVA NA EDUCAÇÃO SUPERIOR Bissoto, Maria Luisa; Centro Universitário Salesiano de São Paulo - Unisal; Brasil; malubissoto@yahoo.com Begnami; Maria Luiza Vechetin; Centro Universitário Salesiano de São Paulo - Unisal, Brasil; luizabegnami@gmail.com 26. MODA, GRAFITE E ENVOLVIMENTO SOCIAL Moreno de Lima, Amanda; UNISAL Americana - SP - Brasil; amandam.lima@yahoo.com.br Pauletti Moraes Coelho, Jhennyfer; UNISAL Americana - SP - Brasil; jhee.nny@hotmail.com Camargo da Silva, Rubia Mayara; UNISAL Americana - SP - Brasil; rubia.silva94@gmail.com 32. RESPONSABILIDADE SOCIAL: A MISSÃO INSTITUCIONAL DO UNISAL E O MARCO LEGAL NO BRASIL Miranda, Antonio Carlos; Centro Universitário Salesiano de São Paulo - UNISAL, campus Americana; miranda.ac@uol.com.br 19
  22. 22. Comunicaciones 33. RESPONSABILIDADE SOCIAL UNIVERSITÁRIA E METODOLOGIAS ATIVAS Rocha Barbosa, Ana Claudia; Centro Universitário Salesiano de São Paulo - UNISAL, campus Americana; anaclaudiarb@yahoo.com.br De Souza, Lilian; Centro Universitário Salesiano de São Paulo - UNISAL, campus Americana; lilianfacions@gmail.com VIDEOCOMUNICACIONES 11. COMPREENDENDO E TRANSFORMANDO A EDUCAÇÃO CONTEMPORÂNEA: OLHARES PSICOPEDAGÓGICOS Karina Donizete Martins; Universidade Salesiana - UNISAL; irkarinamartins@yahoo.com.br Richard Stefanini Munhoz; Universidade Salesiana - UNISAL; richard.musi@bol.com.br 19. JOGOS RÍTMICOS E MELÓDICOS E OS LETRAMENTOS MÚLTIPLOS: ALFABETIZAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL Martins, Karina D, UNISAL, irkarinamartins@yahoo.com.br Munhoz, Richard. UNISAL, cehvl@hotmail.com 20. COMPREENDENDO E TRANSFORMANDO A EDUCAÇÃO UNIVERSITÁRIA CONTEMPORÂNEA: OLHARES PSICOPEDAGÓGICOS Karina Donizete Martins; Universidade Salesiana - UNISAL; irkarinamartins@yahoo.com.br Richard Stefanini Munhoz; Universidade Salesiana - UNISAL; richard.musi@bol.com.br 28. TURISMO CINEGÉTICO EN EXTREMADURA: LA MONTERÍA Coca Pérez, José Luis; Universidad de Extremadura; jlcocap@hotmail.com Bredis, Kristina; Universidad de Extremadura; cristinabredis@hotmail.com Alvarez García, José; Universidad de Extremadura; pepealvarez.ou@gmail.com 30. COMUNICAR COM SÍMBOLOS - EMPODERAMENTO COMUNICATIVO Boné, Maria; Universidade de Évora – Escola de Ciências Sociais, Largo dos Colegiais, 2, 7002-554 Évora, Portugal. aurorabone@hotmail.com jbonito@uevora.pt Bonito, Jorge; Centro de Investigação Didática e Tecnologia na Formação de Formadores – CIDTFF, Universidade de Aveiro, Campus Universitário de Santiago, 3810-193 Aveiro, Portugal. jbonito@ua.pt 46. FROM SOCIAL AND ENVIRONMENTAL RESPONSIBILITY TO SOCIAL AND TERRITORIAL COMPETITIVNESS FOR ENTREPREUNERSHIP Anna Zollo, Doutoramento en Direcciòn y planificaciòn del turismo Facultad de Socioloxia-Universitad A Coruña (Spagna) annazollo@gmail.com Mariagrazia De Castro, dottore di Ricerca in Analisi dei Sistemi Economici e Sociali e docente a contratto di Laboratorio di Discipline Biologiche ed Ecologiche presso l’Università degli Studi del Molise. 20
  23. 23. Comunicaciones 50. JUVENTUDE, DROGADIÇÃO E ANALFABETISMO FUNCIONAL vilmacguimaraes@yahoo.com.br 47. O TURISMO RESPONSÁVEL EM CIDADES CRIATIVAS: POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A MOBILIDADE URBANA EM BRASÍLIA. Menezes Palhares, Carolina; Universidade de Brasília; carolinapalhares@hotmail.com Zehetmeyer Borda, Gilson; Universidade de Brasília; gborda@unb.br Coelho Duarte, Donária; Universidade de Brasília; donaria@unb.br 49. A HISTORICIDADE DOS FESTIVAIS DE MÚSICA: UMA ANÁLISE SOB A PERSPECTIVA DO TURISMO Ruas, Rayane; Centro de Excelência em Turismo da Universidade de Brasília (UnB); rayane.ruas@gmail.com Duarte, Donária Coelho; Centro de Excelência em Turismo da Universidade de Brasília (UnB); donaria@unb.br ; donaria@hotmail.com 51. CURRÍCULO E SUSTENTABILIDADE: QUE RELAÇÃO? Morgado, José Carlos, Universidade do Minho, jmorgado@ie.uminho.pt Teixeira, Liliana, Universidade do Minho, liliana.teixeira@ie.uminho.pt Almeida, Sara, Universidade do Minho, b5407@ie.uminho.pt 21
  24. 24. Participación en el Stand ANHIDACORUÑA (asociación de padres y madres de niños afectados por el TDAH (trastorno por déficit de atención con/sin hiperactividad)) Asociación de Enfermos de Crohn y Colitis Ulcerosa de la provincia de A Coruña (ACCU Coruña) Asociación de Familiares e Amigos dos Enfermos Mentais (AFAES Ferrol) Asociación Gallega contra las Enfermedades Neuromusculares (ASEM GALICIA) Asociación Pro Enfermos Mentales (APEM Coruña) Cruz Vermella Española en Galicia Federación de Asociaciones de Familiares y Personas con Enfermedad Mental (FEAFES) Federación Nacional de Asociaciones de Lucha Contra las Enfermedades del Riñón (ALCER Coruña) Fundación Ceo, Ciencia e Cultura Liga Reumatolóxica Galega (LRG) Servizo de Asesoramento e Promoción do Estudante da Universidade da Coruña (SAPE) 22
  25. 25. Jornadas Iberoamericanas RRHH y RSC 2015 Referencia de fechas importantes para la próxima edición 30 de abril de 2014 Propuestas Simposio online o presencial 30 de septiembre de 2014 Envío de resúmenes 15 de enero de 2015 Envío de exposiciones videocomunicaciones: (youtube,…) y póster (.jpg) 15 de enero de 2015 Envío de textos completos (sólo en el caso de querer someter la comunicación a la valoración de la potencial publicación en alguna de las revistas colaboradoras con las jornadas) Las normas de publicación son las normas especificadas por la revista seleccionada (ver apartado Revistas colaboradoras con las jornadas) Enviar al correo electrónico de las jornadas: jornadarrhhyrsc@gmail.com Inscripción autores de los trabajos presenciales: Desde el 30 de septiembre de 2014 hasta el 15 de enero de 2015 Inscripción como asistente a las jornadas: Desde el 15 de diciembre de 2014 hasta el 15 de enero de 2015 Inscripción participante en Stand Desde el 15 de diciembre de 2014 hasta el 15 de enero de 2015 Más información en: https://sites.google.com/site/jornadasrrhhyrsc/04-jornadas/call-for-papers 23
  26. 26. Jornadas Iberoamericanas RRHH y RSC 2015 Novedades que pretendemos incluir, retos a alcanzar en la próxima edición: Posters virtuales Simposios presenciales y online Programación de una actividad solidaria (limpieza de ríos, recogida de ropa, actividades con niños, personas mayores, etc.) Nuevas formas de pago para la inscripción Publicación de e-book Actividad cultural y turística: visita cultural y turística en Ferrolterra Actividad paralela: visita a una empresa, organización, fundación, etc Lanzar las jornadas por medio de la plataforma UDCtv (plataforma de televisión por Internet de la Universidad de A Coruña) para que se puedan visualizar en directo las jornadas desde otros lugares Avances de la investigación: Responsabilidad Social Universitaria colaboración entre las Universidades: A Coruña, Minho, Guanajuato y Autónoma de Aguascalientes. ¿Quieres colaborar con nosotros? ¿Quieres saber de los avances de nuestro proyecto? Colaborar y apoyar a diferentes iniciativas solidarias Conseguir un/os Sponsor/s para poder llevar a cabo las actividades propuestas (Ideas: en especie – yo puedo imprimir unos carteles, folletos, yo puedo hacer-; colaboración – yo puedo hacer el diseño de los carteles, folletos, etc, monetario….) ¿Te apetece colaborar? ¿Nos puedes apoyar en especie, con trabajo o monetariamente? sugerencia? ¿Quieres Escríbenos ser y nuestro ayúdanos sponsor? a ¿Quieres alcanzar los aportar alguna sueños 2015: jornadarrhhyrsc@gmail.com 24
  27. 27. Universidades y Entidades Organizadoras Facultade de Ciencias do Traballo de la Universidade da Coruña Página web: http://www.fcct.es/ http://www.udc.es Centro de Investigação em Ciências Sociais Página web: http://cics.uminho.pt La Cátedra Intercoop de Economía Social de la Universitat Jaume I Página Web: http://blogs.uji.es/cies/ Universidade do Minho Página Web: http://www.uminho.pt/ Universidad de Guanajuato Página Web: http://www.ugto.mx/ Universidad Autónoma de Aguascalientes Página Web: http://www.uaa.mx/ Centro Universitário Salesiano de São Paulo Página Web: http://unisal.br/ Faculdade UnB Planaltina de la Universidade de Brasília Página Web: http://www.fup.unb.br/ Universitat de les Illes Balears Página Web: http://www.uib.es Hotel Balneario & Golf Club de Guitiriz Página Web: http://www.balneariodeguitiriz.com/ Cruz Vermella Española. Galicia Página Web: http://www.cruzvermella.org/ 25
  28. 28. Social Networking Grupo en linkedIn. Nombre del grupo: Jornadas RRHH y RSC en la UDC http://www.linkedin.com/groups/Jornadas-RRHH-RSC-UDC4356324?trk=my_groups-b-grp-v Nombre del grupo: II Jornadas Iberoamericanas RRHH y RSC https://plus.google.com/u/0/100835727964093309497?tab=mX# events/c4n983b99csre8tljdu4jftrq8c?authkey=CKro2ra60qiBBQ Grupo Twitter Jornadas RRHH y RSC https://twitter.com/MariaSnchezFdez Nombre del grupo: III Jornadas Iberoamericanas RRHH y RSC 2014: https://www.facebook.com/groups/312390780847/ http://www.slideshare.net/mariasanchezfernandez https://www.youtube.com/user/jornadarrhhyrsc Blog de María Dolores Sánchez Fernández http://mariadoloressanchezfernandez.blogspot.com.es/ 26
  29. 29. Revistas colaboradoras con las jornadas • Revista de Ciências da Educação Publicación en el primer número de 2014, previsto para julio de 2014. La revista tiene el ISSN: 2317-6091 y está indexada en las siguientes fuentes: Sumários de Revistas Brasileiras (SRB), Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT)/Diadorim, Index Copernicus, Public Knowledge Project, LivRe!, Bielefeld Academic Search Engine (BASE), Edubase, Google Acadêmico, Scirus/Elsevier, New Jour/Georgetown University, Ulrich’s e DOAJ. Se atenderá a las normas de publicación de la “Revista de Ciências da Educação”: http://200.206.4.13/ojs/index.php?journal=educacao&page=index • Anuario da Facultade de Ciencias do Traballo da Universidade da Coruña Publicación en el número 5 del año 2014. La revista tiene el ISSN: 2173-9811 y está indexado en las siguientes fuentes: DIALNET, LATINDEX y ISOC. Se atenderá a las normas de publicación de la “Anuario da Facultade de Ciencias do Traballo da Universidade da Coruña”: http://www.eurlf.com/anuario2/normas.pdf • Tourism and Hospitality International Journal Publicación en un número especial para las jornadas en el año 2014. La revista cumple 36 características de calidad editorial de LATINDEX y cuenta en indexarse en un corto período de tiempo en: EBSOO, SCIELO, DIALNET, CIRET, SCIRUS, CETCITE Y CAPES. http://www.isce-turismo.com/ • Revista de Responsabilidad Social de la Empresa Publicación de un número especial para las jornadas en el año 2014. La revista ha sido incluida en el catálogo de sistema de información LATINDEX, en el ISOC del CSIC y en DICE (Difusión y Calidad editorial de las Revistas Españolas de Humanidades, Ciencias Sociales y Jurídicas, CSIC-ANECA). http://www.fundacionluisvives.org/servicios/publicaciones/rse/index.html 27
  30. 30. Relación de admitidos/as Abril Sellarés Agullo Diaz Aldrey Forti Allegue Rodríguez Alvarez Garcia Amenedo Aldrey Antelo Álvarez Arteaga Azevedo Azpelicueta Criado Becerra Amado Begnami Bello Gonzalez Bissoto Bittencourt Bonigno Gonzalez Bordignon Moura Cadima Ribeiro Carvalho Castilla Pascual Cruz Vareiro Domínguez de Vasconcelos Duarte Fernandes Alves Ferraz Esteves de Araújo Freitas de Torres Fuentes García Giatti Gomes Alves Gonzalez Piñeiro Grandal Campos Grandal Mourente López Arranz Lopez Salmonte López Vázquez Losada Lopez Manteiga Outeiro Marrugo Salas Mateu Carruana Matos Mendes Palma Menezes Palhares Millor Arias Moreno de Lima Novo Corti Nuez Sánchez Nuez Sánchez Paiva Pauletti Moraes Coelho Pego González Pelo de Melo Pinto Antunes Maria Sara Jéssica Maria Ignacio Maria Vanesa Jessica Fidelina Antonio Maria del Carmen Patricia Mª Maria Luiza Vechetin Noemi Maria Luisa Rosania Pilar Livia José Rogerio Consuelo de los Lirios Laurentina Vladimir Donaria Cristina Maria Joaquim Filipe Leslie Jesica Nadia Guadalupe Tadeu Maria Emília Natalia José Manuel Judit Mª Asunción Sandra Beatriz Jose Maria Minia Lina Margarita Maria Josefina Olga Ana Raquel Carolina Mª del Pilar Amanda Isabel Manuel Luis Roberto Fernando Henrique Jhennyfer Ana Belen Natalia Maria Conceição 28
  31. 31. Relación de admitidos/as Piñeiro Otero Pires Pousada García Puente Hermida Ramos Pouso Reigosa Varela Remoaldo Rodríguez Silva Rodríguez Suárez Sánchez Fernández Sánchez Fernández Santiso Bugia Scalabrini Seijas Ramos Seoane Bouzas Silva Souza Souza Souza Tejedo Romero Tosta Tosta Ulla Miguel Vicente Pachés Mar Sofia Thais Juan Carlos Gustavo Teresa Paula Cristina Tamara Adriana María Dolores Rubén Ana Cristina Elaine Sonia Mercedes Keila Lilian Samir Cristino Juliana Souza Francisca Wilian Wilian Ana Fernando 29
  32. 32. Resúmenes 1. EMPREENDEDORISMO, INOVAÇÃO, INCUBAÇÃO DE EMPRESAS, STARTUP E OS MEANDROS DA LEI DE INOVAÇÃO Emanuel Ferreira Leite, Pós-doutorado, Universidade de Pernambuco, emanueleite@hotmail.com Ericê Bezerra Correia, Doutor, Universidade de Pernambuco, ericecorreia@gmail.com Eduardo Duque, UCP-Braga e CICS-UM, eduardoduque@ics.uminho.pt Daniel de Cerqueira Lima e Penalva Santos, mestrando em Gestão do Desenvolvimento Local Sustentável UPE. penalvadaniel@gmail.com Resumen Podemos afirmar que, até pouco tempo, empreendedor era uma palavra que pouco significava para a maioria das pessoas. Hoje a figura do empreendedor já é bastante conhecida. Talvez não fosse tanto o alvo das atenções da opinião pública, como é na atualidade, pois seu papel é de grande importância no desenvolvimento econômico e social como gerador de empregos e renda. De fato, o empreendedor é uma das personagens de maior relevância na história recente da humanidade, sendo o maestro de uma das instituições mais importantes da sociedade moderna: a empresa. Mas se a figura do empreendedor é tão importante, por que a sua história nunca foi devidamente estudada? É a história social do empreendedor. Romancistas e historiadores encararam os empreendedores como uma raça à parte, muito mais ainda do que jornalistas, engenheiros, etc. No entanto, eles estão no centro da sociedade dotados de uma confiança baseada na sua capacidade de realização e no conhecimento pelo que são capazes de executar. Palabras clave: Empreendedorismo, lei de inovação, incubação de empresas, startup. 30
  33. 33. 2. DESTRUIÇÃO CRIATIVA: GÊNESE DO EMPREENDEDORISMO Emanuel Ferreira Leite, Pós-doutorado, Universidade de Pernambuco, emanueleite@hotmail.com Ericê Bezerra Correia, Doutor, Universidade de Pernambuco, ericecorreia@gmail.com Eduardo Duque, UCP-Braga e CICS-UM, eduardoduque@ics.uminho.pt Resumen O número de indivíduos que desejam criar o seu próprio negócio, cresce dia-a-dia. O fenômeno do empreendedorismo vem se alastrando pelos quatro cantos do mundo, em ritmo cada vez mais alucinante. O candidato a empreendedor tem que vencer uma verdadeira corrida de obstáculos para poder concretizar o sonho de ser dono de seu próprio negócio. Esperamos que a leitura deste ensaio, ao mesmo tempo em que discorre sobre empreendedorismo desperte também, no leitor, a força do espírito empreendedor, como opção de vida. O empreendedorismo será a alternativa profissional para muitos indivíduos no século XXI. Vivemos a era do poder da informação, dos negócios on-line, da força das ideias audaciosas..... e da sorte. As ideias são a nova moeda do mundo empresarial. Quem tem uma ideia, um sonho, depara-se com duas opções: ou faz o que é necessário para o colocar em prática, ou arranja muitas desculpas para não o fazer. Palabras clave: Destruição criativa; Gênese do Empreendedorismo; Inovação; Empresas. 31
  34. 34. 3. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL LOCAL - A INOVAÇÃO E O EMPREENDEDORISMO Emanuel Ferreira Leite, Pós-doutorado, Universidade de Pernambuco, emanueleite@hotmail.com Ericê Bezerra Correia, Doutor, Universidade de Pernambuco, ericecorreia@gmail.com Eduardo Duque, UCP-Braga e CICS-UM, eduardoduque@ics.uminho.pt Resumen Este artigo busca fazer uma reflexão das questões globais e locais como possibilidades de fatos geográficos para um sistema de inovação e de empreendedorismo. Numa visão atual, ocorre um ambiente degradado marcado por grandes transformações e processos caracterizados na globalização, onde "a sociedade global não é uma mera extensão quantitativa e qualitativa da sociedade nacional" (IANNI, 2000, p. 238). A globalização como conceito de mudança e transformação, possibilitou a quebra de barreiras e uma forma de operação diferente entre os países e as empresas, introduzidas a partir de inovações tecnológicas estabelecidas na comunicação, assim como, o desenvolvimento de uma visão empreendedora. Palabras clave: Desenvolvimento, Sustentabilidade, Inovação e Empreendedorismo. 32
  35. 35. 6. PENSAMENTO DE PAULO FREIRE E EDUCAÇÃO SUPERIOR SOB A ÓPTICA DA RESPONSABILIDADE SOCIAL Giatti, Tadeu de Jesus; UNISAL - CÂMPUS MARIA AUXILIADORA - AMERICANA/SP tadeu_giatti@yahoo.com.br Marques Silva, Keila; UNISAL - CAMPUS MARIA AUXILIADORA, Americana/SPBrasil; keilamourana@gmail.com Ferrari,Sônia Maria Souza; UNISAL - CAMPUS MARIA AUXILIADORA, Americana/SP/Brasil; soniaferrari@gmail.com Resumen Este trabalho objetiva analisar a relação entre o pensamento freiriano e de Dom Bosco, no âmbito da educação sociocomunitária, social e a atual educação superior, assim como lançar luzes sobre novas perspectivas que o pensamento construtivista idealizado por Freire pode contribuir para o meio acadêmico nesta segunda década do século XXI, no âmbito de ensino/pesquisa no contexto de aulas ministradas na Unisal – curso de Moda. Nossos estudos estão embasados em reflexões teóricas sobre o pensamento freiriano, a curiosidade epistemológica e outros autores que dialogam com ele, no sentido de vestir a roupagem da responsabilidade social pedagógica solicitada nos dias atuais, através do desenvolvimento da criticidade. O material analisado constitui-se de extratos e pensamentos do já referido autor, assim como depoimento de alunas do curso de Moda. O que ocorreu na dinâmica destas aulas na disciplina de processos criativos e seus resultados é analisado no corpus do artigo, desde o primeiro momento em que houve uma rejeição à disciplina, por achá-la “supérflua”, até a conscientização de sua importância dentro do contexto de um curso que prima pela fomentação da criatividade, do despertar da consciência dos aspectos da educação formal e não formal sob a égide da responsabilidade social no ensino superior. As implicações do presente trabalho, assim como sua originalidade baseiamse no fato de a filosofia salesiana de ensino pode conseguir resultados pedagógicos satisfatórios utilizando-se o método de Paulo Freire, através da curiosidade epistemológica, que, em última instância baseia-se no fomento da criticidade e despertar do desejo do saber. Isto é constatado através do caso concreto analisado no trabalho. Palabras clave: Responsabilidade Social – Educação Superior – Curiosidade Epistemológica. 33
  36. 36. 8. TURISMO ACESSÍVEL EM CIDADES PATRIMÔNIO: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO EM PIRENÓPOLIS – GOIÁS Carvalho, Rogerio L. ; Mestrando do Programa de Mestrado Profissional em Turismo – Centro de Excelência do Turismo – CET / UNB; xo_stressturismo@hotmail.com Duarte, Donária Coelho; Professora do Mestrado do Centro de Excelência em Turismo – CET da Universidade de Brasília. donaria@unb.br e donaria@hotmail.com Borda, Gilson Zehetmeyer; Professor do Mestrado do Centro de Excelência em Turismo – CET da Universidade de Brasília.gborda@unb.br e gborda@cnpq.br Resumen O presente trabalho tem como objetivo discutir o turismo acessível em cidades tombadas pelo patrimônio mundial chanceladas pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAM). Mais especificamente, visa discutir a acessibilidade na cidade de Pirenópolis, localizada na região centro oeste brasileiro especificamente no estado do Goiás. Este resumo visa discutir brevemente a importância da participação da comunidade receptora na fomentação da atividade turística e a preocupação dos gestores públicos assim como dos representantes do trade turístico com a acessibilidade para pessoas com deficiência. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2010), o censo realizado em 2010 indicou que aproximadamente 45,6 milhões de pessoas, ou 23,9% da população total, apresentaram algum tipo de incapacidade ou deficiência, ou seja, um percentual considerável de pessoas que, assim como as demais, tem o direito de usufruir dos serviços turísticos, dentre essas a visita em cidades tidas como patrimônio histórico. Cercada de três grandes pólos econômicos, como as cidades de Brasília, Goiânia e Anápolis, a cidade de Pirenópolis foi tombada como patrimônio histórico mundial no ano de 1988. Hoje com sua população de pouco mais de 23 mil habitantes, segundo o Censo de 2010, a cidade em período festivo chega receber mais que o dobro de sua população (IBGE, 2010), sendo que a sua maior demanda ocorre nos finais de semana (PIRENÓPOLIS, 2013). A pesquisa foi bibliográfica com análise de autores que focam no turismo acessível, além disso utilizou-se da pesquisa documental por meio de pesquisa sobre dados da cidade e demais informações sobre as pessoas deficientes no Brasil. Para a coleta de dados, foram realizadas entrevistas não estruturadas e o registro fotográfico para verificar como estava a acessibilidade dos principais atrativos turísticos da cidade. A abordagem, portanto, foi de cunho qualitativo. Na pesquisa de campo realizada em maio de 2013 foi verificada a falta de rampas e de banheiros adaptados em hotéis, pousadas e restaurantes sem contar com os banheiros em prédios públicos como museus, igrejas e casarões históricos. A falta de acessibilidade restringe a liberdade de cidadãos de ir e vir quando a gestão pública das ditas cidades patrimônio não se preocupa com o acesso para todos. De acordo com o Ministério do Turismo (2009, p. 16), “as ações de qualificação profissional para o atendimento às pessoas com deficiência e mobilidade reduzida podem ser o primeiro passo para o mercado incluir em sua carteira de clientes uma demanda significativa de consumidores.” Esta demanda representa um aumento significativo na receita do município. Tendo como base os dados coletados, conclui-se que, com a falta de políticas públicas, relacionadas a projetos de acessibilidade e associadas as questões da conservação das cidades patrimônio pelo IPHAM, fica uma reflexão para um debate a adaptação da cidade para o atendimento deste público que necessita de uma atenção especial, pois Pirenópolis recebe muitos turistas e deveria estar adaptada para os seus diversos públicos. Sugere-se o desenvolvimento de estratégia de sensibilização dos atores da cadeia produtiva do turismo de Pirenópolis GO em relação à acessibilidade. Palabras clave: Turismo responsável, cidades patrimônio, turismo acessível, Pirenópolis. Pessoas com deficiência 34
  37. 37. 9. A MULHER DEFICIENTE NO TURISMO: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO NA HOTELARIA DE BRASÍLIA Duarte, Donária Coelho; Centro de Excelência em Turismo – Universidade de Brasília (UnB), Brasília - Brasil. Email: donaria@unb.br; donaria@hotmail.com Borda, Gilson Zehetmeyer; Centro de Excelência em Turismo – Universidade de Brasília (UnB), Brasília - Brasil. Email: gborda@unb.br; gborda@cnpq.br Resumen O artigo discute o papel da mulher deficiente no turismo, mais especificamente no setor hoteleiro de Brasília. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2010), o censo realizado em 2010 indicou que aproximadamente 45,6 milhões de pessoas, ou 23,9% da população total, apresentaram algum tipo de incapacidade ou deficiência – uma em cada quatro. Entretanto, para Mello e Nuernberg (2012), os estudos sobre gênero e deficiência são pouco conhecidos no Brasil, tendo um enfoque predominantemente biomédico e pouco contemplado nas Ciências Humanas e Sociais. Se enquadrarmos a temática ao setor turístico, constatase uma carência ainda maior na literatura de estudos que versem sobre esse tema. Sob esta ótica, Fialho (2009) defende que o turismo é um bem social e que deve estar ao alcance de todos os cidadãos, entre os quais as pessoas portadoras de deficiência. Entretanto, no que se refere ao mercado de trabalho, Araújo e Castro (2013) consideram que o setor turístico ainda apresenta resquícios de uma sociedade que menospreza a diversidade dentro de suas organizações. A consequência disso, segundo as autoras, é uma parcela da sociedade marginalizada em detrimento de raça, de orientação sexual, de gênero, de deficiência, entre outros. Uma pesquisa prévia realizada em 28 hotéis em Brasília no ano de 2012 indicou que sua grande maioria (19 estabelecimentos) só adaptaram suas instalações para o cumprimento da legislação, não visualizando tal grupo como um segmento de mercado em potencial (DUARTE; BORDA, 2012). Neste contexto, esse estudo tem como ponto focal discutir a mulher turista deficiente no setor hoteleiro de Brasília, assim como verificar se a mulher deficiente atua no mercado de trabalho nesses estabelecimentos. Quanto a metodologia, este estudo caracteriza-se como bibliográfico, de cunho exploratório e qualitativo. Ao todo, foram entrevistados 33 estabelecimentos localizados no setor hoteleiro Norte e Sul de Brasília nos meses de agosto a novembro de 2013. Os resultados indicaram que, dos 33 hotéis entrevistados, 16 responderam que há uma demanda de hóspedes maior por homens, 9 responderam que há uma demanda variada entre homens e mulheres; e apenas 8 afirmaram que há uma procura maior por mulheres. Em relação aos tipos de deficiência dessas mulheres, os itens mais assinalados foram: deficiência física (26 estabelecimentos); deficiência visual (12 estabelecimentos); deficiência auditiva (8 estabelecimentos); deficiência múltipla (3 estabelecimento) e deficiência mental (1 estabelecimento). A grande maioria (25 entrevistados) relatou que as mesmas costumam se hospedar acompanhadas; 3 hotéis afirmaram que se hospedam tanto sozinhas como acompanhadas e apenas 4 entrevistados relataram que sozinhas. Em relação ao mercado de trabalho, dos 33 entrevistados apenas 9 hotéis possuem deficientes no seu quadro de funcionários, sendo que 6 afirmaram possuir tanto homens como mulheres deficientes. Os resultados evidenciaram que o setor não visualiza a mulher deficiente como um cliente em potencial e que esta poderia ser melhor atendida se existissem instalações adaptadas e serviços adequados às suas necessidades. Sugere-se que sejam feitas estratégias para sensibilização do setor tanto para a importância desse segmento de mercado quanto a força de trabalho da mulher deficiente. Palabras clave: Hotelaria. Gênero. Acessibilidade. Mulheres. Brasília. 35
  38. 38. 10. EDUCAÇÃO POPULAR E EDUCAÇÃO DE ADULTOS Silva Keila, Unisal-Universidade Salesiana de São Paulo - Campus Maria Auxiliadora Americana -SP; keilamourana@gmail.com Ferrari Sônia, Unisal-Universidade Salesiana de São Paulo - Campus Maria Auxiliadora-Americana-sp; soniafferrari@gmail.com Giatti Tadeu, Unisal - Universidade Salesiana de São Paulo - Campus Maria Auxiliadora - Americana SP; giatti@Yahoo.com.br Resumen O trabalho é o resultado de um estudo relacionado à Educação Popular e a Educação de Jovens e Adultos, que objetivou verificar os diferentes tipos de aprendizagens apresentadas por jovens e adultos na construção de conhecimentos. O interesse em trabalhar este tema está embasado na experiência docente dos autores buscando na pesquisa de campo, elementos que pudessem identificar junto aos sujeitos da pesquisa a busca na construção de conhecimento. Questões como: quem são os educadores da EJA, que saberes trazem, como eles aprendem, quais seus desejos, expectativas e necessidades de aprendizagem contribuem para refletir, rediscutir o papel da EJA para além da escolarização - para quem, para que e como educamos? E indagações que direcionaram o trabalho de campo aos professores da EJA, especificamente aos da FUMEC (Fundação Municipal Para Educação Comunitária) que mesmo com diversas dificuldades enfrentadas no processo de aprendizagem, buscam a verdadeira educação e através da Educação Popular possam construir junto aos seus educandos uma educação crítica e inclusiva, conscientizando-os para um estudo contínuo, que se concretize ao longo da vida. Palabras clave: eja, educação popular, construção de conhecimentos. 36
  39. 39. 11. COMPREENDENDO E TRANSFORMANDO A EDUCAÇÃO CONTEMPORÂNEA: OLHARES PSICOPEDAGÓGICOS Karina Donizete Martins; Universidade Salesiana - UNISAL; irkarinamartins@yahoo.com.br Richard Stefanini Munhoz; Universidade Salesiana - UNISAL; richard.musi@bol.com.br Resumen Introdução: Ao pensar nas práxis pedagógicas existentes, têm-se observado o papel do professor como transmissor direto do conhecimento, adquirindo para si toda forma de expressão, não valorizando os sentimentos, pensamentos e ações dos mesmos, sendo esta o papel fundamental da escola, ricas em transformações de pensamentos e ideias sendo que, o mesmo deveria partir dos aprendentes e não dos educandos. Repensando nestas práticas, vale a pena considerar os aspectos culturais envolventes neste processo sócio educacional como cita Bruner (1988 a) "A cultura é tanto um fórum para negociar e renegociar o significado e explicar a ação, como um conjunto de normas ou especificações da ação". Destaca-se a formação do psicopedagogo educacional favorecendo assim uma organização metodológica e gestão para uma melhor compreensão das estruturas sócia educacionais aqui descritas; na atual condição Brasileira da Psicopedagogia, têm-se observado a disjunção entre troca de saberes entre a pedagogia e a psicologia, sendo estas, as principais fundamentadoras da profissão. Objetivo: Desenvolver uma proposta para transformar a gestão do conhecimento considera-se importante a assumir uma postura de abertura à diversidade de pensamento nas séries iniciais e do ensino fundamental. A compreensão dos fundamentos científico-tecnológicos dos processos produtivos, relacionando a teoria com a prática, no ensino de cada disciplina. Consolidar uma força de resistência e de oposição, e também realizar uma revisão do conceito de soberania, sem pôr em risco a independência da gestão democrática e participativa na ação do saber. Acompanhar o processo de conhecer de seus alunos, sem impor, sentir-se desmotivado, transformando em palavras aquilo que sucede em atos, desfazendo, para voltar a reconstruir sua práxis do aprender. Revelar toda a sua riqueza à luz de um olhar que, além de aspectos específicos "educacionais", atende o entrelaçamento de relações, significados e tarefas coletivas "informalmente" coproduzido que habitam no cotidiano dos sujeitos. Método: Nesse sentido, a gestão do conhecimento nos ajuda a tomar consciência do que são as práticas que constroem uma metodologia de aprendizagem, fazendo com que o sujeito se torne ativas em seu processo de aprender, uma vez que, seu professor não será apenas seu condutor e sim seu mediador durante toda esta construção. Consolidar as práticas Psicopedagógicas no processo educacional com o enfoque nas estruturas do pensar ativo do sujeito e sua participação contribuindo significativamente para a compreensão deste processo. Resultados: Através deste trabalho, esperamos que as propostas de pensamentos em transformação sócios educacional sejam reestruturadas pelos “ensinantes” e gestores com o apoio direto da práxis psicopedagógica educacional, esperando que os alunos sejam estes ativos competentes em suas reflexões e ideias contribuindo para uma melhor construção do conhecimento. Considerações: Observamos que na medida em que avançamos na produção acadêmica no nosso campo teórico, a psicopedagogia tem assumido papéis mais específicos, porém, estamos tratando em resgatar um sujeito total em seu processo ativo na construção do seu próprio conhecimento não buscando apenas em terceiros os seus embasamentos teóricos e científicos, rompendo paradigmas de uma gestão autoritária não contribuindo assim para uma construção sócia educacional efetiva dentro desta proposta. Palabras clave: Aprendizagem, Psicopedagogia, Gestão do Conhecimento. 37
  40. 40. 13. LA INFORMACIÓN VOLUNTARIA SOBRE LOS RECURSOS HUMANOS: UN DILEMA ENTRE LA IMAGEN Y LA RESPONSABILIDAD SOCIAL Tejedo Romero, Francisca; Universidad de Castilla la Mancha; Francisca.Tejedo@uclm.es Ferraz Esteves de Araújo, Joaquim Filipe; Universidade do Minho; jfilipe@eeg.uminho.pt Resumen Los recursos de naturaleza intangible se han convertido en los más importantes en el proceso de generación de valor de manera sostenible en las empresas, concretamente, los Recursos Humanos. Así, las actuaciones que realizan las empresas, dentro del marco de la responsabilidad social, generan valor, un valor de naturaleza intangible que las posibilitan a la capacidad de crear, compartir y gestionar los conocimientos que fundamentan la generación de ventajas competitivas sostenibles. Sin embargo, el éxito y supervivencia de la empresa se encuentra sometida a la aprobación de sus stakeholders. Esto implica que las empresas adopten medidas para garantizar que sus actuaciones sean percibidas como legítimas. Bajo el marco de la Teoría de los Stakeholders y de la Legitimidad una manera que tiene la empresa de legitimar sus actuaciones socialmente responsables ante los stakeholders es mediante el suministro de información voluntaria. Por ello, nuestro objetivo es estudiar cómo las empresas españolas están informando de manera voluntaria sobre sus Recursos Humanos, desde una doble perspectiva informativa: la generación de conocimiento y la responsabilidad social. Para la consecución de tal objetivo, nos hemos planteado las siguientes preguntas de investigación: a) ¿cuál es el la cantidad de información suministrada por las empresas?, b) ¿cuál es la evolución sufrida en el nivel de información suministrado por las empresas durante el periodo objeto de estudio?, y, c) ¿existen patrones comunes de comportamiento entre las empresas del mismo sector industrial?. La metodología utilizada para obtener la información fue el análisis de contenidos en 115 informes anuales correspondientes a 23 empresas cotizadas, incluidas en el Ibex 35, para un período de estudio de cinco años. La evidencia refleja que las empresas utilizan la información voluntaria para promocionar sus actuaciones, siendo los temas relacionados con la formación y el desarrollo de los empleados los más divulgados. Sin embargo, y con respecto a la responsabilidad social, hay una tendencia alcista a suministrar información relativa a la política de igualdad y diversidad, la prevención de riesgos laborales y, las relaciones entre empleadores y empleados. La originalidad de este estudio radica en que él, amplía el resto de investigaciones relativas a divulgación sobre los Recursos Humanos, al centrarse no solamente en información de carácter social relativa a temas de igualdad de oportunidades y diversidad en el trabajo, seguridad y salud de los empleados, relaciones laborales y actividad sindical e implicaciones de los trabajadores con la comunidad, sino que se pretende analizar, también, la información relacionada con los conocimientos, competencias, habilidades y otras características de los empleados; contribuyendo a una mejor comprensión respecto al tratamiento de la información empresarial de sus Recursos Humanos. Estos resultados pueden tener una serie de implicaciones que nos llevan a considerar una serie de recomendaciones: a) sugerir a los organismos reguladores la conveniencia de unas pautas de actuación comunes en materia de política de información de los Recursos Humanos, b) fomentar e incentivar actuaciones en materia de responsabilidad social que permitan crear y transmitir conocimiento, y, c) poner de manifiesto la necesidad de una regulación obligatoria respecto a la información de los Recursos Humanos como medio para convertirse en empresas socialmente responsable. Palabras clave: conocimiento, recursos humanos, responsabilidad social, información, análisis de contenido 38
  41. 41. 14. MERCADO DO TEMPO: MODA SUSTENTÁVEL Melo, Natalia, Unisal-São Paulo Brasil, natalia.pelo-melo@hotmail.com Garcia, Wilian, Unisal-São Paulo Brasil wiliantosta@hotmail.com Souza, Juliana, Unisal- São Paulo Brasil julianaso_uza@hotmail.com Bordignon, Lívia, Unisal-São Paulo Brasil livia_bordignon@hotmail.com Forti, Jéssica, Unisal-São Paulo Brasil jessikinha.forti@hotmail.com Resumen Moda é um movimento social necessário, surgiu a alguns séculos, acompanhando e promovendo a evolução humana, caracterizou hierarquias, promoveu proteção, definiu classes sociais, enfim apoiou o desenvolvimento da sociedade em muitas áreas. Isso ainda acontece hoje: a Moda promove ostentação, impulsiona o consumo, mexe com nossa autoestima, define caráter ainda que precipitadamente, ou seja, moda é hoje a transmissão do que você é, pensa, sente, opina, ama, vive, faz... É cultura! E toda cultura produz derivados que se acumulam com o tempo. Na moda isso se acumula em brechós já que a aceitação dos jovens em relação a produtos usados é bem baixa. Então surge um problema: um lixo que crescentemente se acumula e não tem finalidade pode se tornar algo, ser útil novamente? Esse foi o questionamento que nos fez pensar sobre o consumo desenfreado e uma maneira de resolver ou amenizar seus estragos, já que a cultura do consumo dita por sempre consumir mais, não dando escolha de destinação para o final deste produto. Surge então a ideia de usar esses derivados do consumo como matérias primas de novas peças. Após esta ideia surgir, pesquisamos opiniões, fizemos testes e pensamos em criar uma empresa, que aliada à rede de brechós, passe a utilizar a matéria prima das roupas que já existem neles, transformando-as em novas peças conceituais, trazendo satisfação ao público jovem e seus diversos estilos. Afinal, todo jovem nos dias de hoje busca se diferenciar dos demais. Essa ideia foi importante porque pode criar um novo caminho na moda. Não é de hoje que se fala de uma forma melhor e sustentável de se viver, respeitando tudo aquilo que a natureza nos oferece. Pensando assim, através da moda, pode-se aplicar esse conceito, derivando dessa ideia a sustentabilidade, que surge com força na ação de transformar o que seria “lixo de moda”, em produtos novos, que estariam circulando novamente no mercado. Trabalhando no formato slowfashion, ou traduzindo, "moda lenta", que se preocupa com a qualidade, durabilidade e utilizando toda a matéria prima de maneira sustentável, produzimos peças que são planejadas e desenvolvidas com essa preocupação. Temos como referencia metodológico inicial de trabalho a pesquisa bibliográfica e empírica (experimento do design de um produto a partir de outro). Através de um préteste de opinião de prováveis consumidores, tivemos como resultado uma boa aceitação do produto pelo público jovem quanto a essa forma sustentável de se vestir. Palabras clave: transformação, consumo, sustentabilidade e juventude 39
  42. 42. 15. A RESPONSABILIDADE SOCIAL UNIVERSITÁRIA COMO ATIVIDADE FORMATIVA NA EDUCAÇÃO SUPERIOR Bissoto, Maria Luisa; Centro Universitário Salesiano de São Paulo - Unisal; Brasil; malubissoto@yahoo.com Begnami; Maria Luiza Vechetin; Centro Universitário Salesiano de São Paulo - Unisal, Brasil; luizabegnami@gmail.com Resumen A responsabilidade social representa um compromisso contínuo de instituições e sujeitos para com a melhoria da qualidade da vida social. Novas demandas, decorrentes da complexificação da sociedade contemporânea, exigem que a Universidade repense seu papel, pois enquanto instância produtora de saberes e de formação tecnológica e humana, é para ela que a sociedade se volta em busca de respostas. Requer-se que a Universidade pense a realidade social. O ensino superior, de um modo amplo, deve cumprir uma função de socialização do conhecimento em uma configuração que se transforma em um fator decisivo no processo de hominização do ser humano. Contudo, para que este papel se consolide é necessário que a Universidade discuta concepções epistemológicas que vem marcando as perspectivas de formação do aluno na Educação Superior. Tais concepções ainda tratam o conhecimento como blocos de informações, neutras e ahistóricas, que podem ser “transmitidas”, “absorvidas”, ou “possuídas” pelos sujeitos, que “adquire” o direito de usá-las como bem pessoal. Argumenta-se que debater a formação universitária como atividade, no contexto da Teoria da Atividade, como pensada primeiro por Leontiev e, depois, por Engëstron, pode contribuir para a compreensão do ensino como não fragmentado, que transcorre por meio de processos transformadores, recorrentes da experiência, em plena interação entre os sujeitos e seu entorno. A Universidade pode, sob outras bases epistemológicas, conscientizar-se que o acesso e a produção de saberes não é exclusividade de “eleitos”, mas envolve desenvolver ações e atividades que viabilizem o pensar a realidade social. Levantar problematizações, atender às demandas que emergem da e na sociedade. Espera-se, como resultados, afirmar que a Teoria da Atividade se mostra uma base epistemológica importante para que a Universidade forme cidadãos conscientes do seu papel de sujeitos que pensem a realidade social, em sua complexidade, e que se perceba, enquanto instituição, não como supra-social, mas que encontre sua razão de ser imiscuída nas questões essenciais do seu tempo. Palabras clave: Responsabilidade Social Universitária, Teoria da Atividade, Educação Universitária, formação humanista. 40
  43. 43. 16. TURISMO EM ESPAÇO RURAL NA REGIÃO CENTRO (PORTUGAL) Palma, Ana Raquel, Instituto Politécnico de Viana do Castelo, raquelpalma89@gmail.com Pinto de Matos, Olga Maria; Instituto Politécnico de Viana do Castelo, Portugal, omatos@estg.ipvc.pt Resumen Este estudo pretende dar a conhecer os resultados dos questionários realizados aos empresários de TER na região Centro de Portugal e tem como objectivo analisar o perfil destes empresários. Pressupõe, ainda, a procura de novas formas de promoção deste produto turístico, nomeadamente pela inovação nos seus meios de distribuição, apresentando uma estratégia de promoção para a Turismo do Centro de Portugal. Estes objectivos foram concretizados em contacto directo com a Turismo do Centro de Portugal, onde foi possível ter acesso a algumas informações sobre o tema específico aplicado a esta região, nomeadamente os dados estatísticos sobre o número de unidades de alojamento. Assim, ao longo deste trabalho foi possível perceber algumas falhas que existem na região, relativamente ao produto TER, que aliado ao Turismo Verde e à utilização sustentável do património existente e dos espaços rurais, pode gerar não só satisfação para a comunidade, como para o visitante, dado que pode contribuir para a sua educação ambiental, bem como interligar-se com outros temas, como a Gastronomia, os Vinhos, o Turismo Equestre, o Cicloturismo ou o Turismo de Aventura. Verifica-se, então, uma necessidade de aproximação aos empresários do sector, analisando os problemas existentes e as formas de divulgação que utilizam para haver mais responsabilidade na promoção, para inovar e aumentar a atractividade destes estabelecimentos, resultando num aumento da procura e numa melhoria da oferta. Para além disso, deve apostar-se também em projectos que minimizem impactos ambientais, que consciencializem a população local para a problemática, que tragam benefícios económicos para ambos e que forneçam experiências positivas. Sobre os dados trabalhados (questionários), importa referir como foi difícil conseguir uma taxa de resposta viável, porque as pessoas estão, por vezes, distantes das questões mais académicas, mesmo que o assunto lhes diga directamente respeito. Contudo, foi interessante perceber a relação do TER com os outros produtos turísticos, bem como constatar o elevado grau de formação que os inquiridos possuem. Para além disso, importa referir ainda a questão de haver um grau de empregabilidade muito grande com contrato a tempo parcial, Com efeito, estes empreendimentos são de cariz fortemente familiar, mas onde, ainda assim, há vontade de dinamizar a sua região e onde há um querer imenso de levar pessoas a conhecer o que para estes empresários é genuíno e até banal, mas que para os turistas pode significar muito, só por ser autêntico. Assim, nota-se aqui um incentivo em crescendo, da agricultura que pode diferenciar um negócio, uma região e reduzir a sazonalidade. Ressalve-se, ainda, que o Turismo do Centro deverá ter um papel mais activo relativamente a este sector, fomentando o seu contacto com serviços e organizações, para que haja uma relação intensa e promissora que incentive as pessoas a criar espaços e empreendimentos rurais. Apenas isto poderá, em larga escala, contribuir para um forte desenvolvimento do espaço rural no geral e em particular, sendo que devem ser reduzidos, simultaneamente, os impactos negativos que este produto pode causar. Palabras clave: Turismo em Espaço Rural, Turismo Verde, Produtos Turísticos, Inovação, Promoção. 41
  44. 44. 17. MENINOS E MENINAS: UMA ANÁLISE DO MENINO MALUQUINHO, O FILME, SOB O OLHAR DO GÊNERO BITTENCOURT, Rosânia Maria Silvano; Universidade do Extremo Sul Catarinense UNESC; zanebit@hotmail.com RABELO, Giani; Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC; gra@unesc.net Resumen Este trabalho de pesquisa foi desenvolvido na Escola Municipal de Educação Infantil e Ensino Fundamental – E.M.E.I.E.F Moacyr Jardim de Meneses, no município de Criciúma (SC). Teve como objetivo analisar “Menino Maluquinho, o filme”, com a finalidade de compreender o olhar das crianças sobre as relações de gênero e sexualidade. Para tanto, problematizei as seguintes questões: As crianças percebem as diferenças entre as representações do masculino e do feminino, tecidos no decorrer da história apresentada na produção cinematográfica “Menino Maluquinho, o filme”? Quais as atitudes e/ou posturas das crianças diante das cenas que reforçam ou desconstroem papéis masculinos e femininos? As crianças relacionam os modelos identificados no filme com o seu cotidiano dentro e fora da escola? O filme permite às crianças refletirem sobre as suas sexualidades? Esta pesquisa foi organizada a partir de um grupo focal, com um grupo de oito crianças sendo a faixa etária entre oito e nove anos, numa abordagem qualitativa. Durante os seis encontros, foram trabalhados diferentes dinâmicas de grupo, que possibilitou perceber nos sujeitos de pesquisa, a visão de mundo e as suas relações socioculturais. O texto foi dividido em três eixos, infância; gênero e educação; cinema e a indústria cultural. Na busca de um melhor entendimento entre a teoria e a prática em pesquisas com crianças trouxe os estudos de Montandon e Corsaro. Para fundamentar a construção histórica dos diferentes conceitos atribuídos à infância e à criança ao longo da história com ênfase na contemporaneidade, busquei as contribuições de Sarmento, Kohan, Kramer e Kuhlmann Jr. e Fernandes. As questões de gênero e sexualidade foram focalizadas nos estudos de Felipe; Louro; Foucault e Moreno. O cinema, enquanto produção cultural foi problematizado a partir dos estudos de Pillar; Fischer e Fantin.Nesta análise percebeu-se que, a relação das crianças com os adultos acontece numa convivência relacional ao mesmo tempo em que paradoxal, pois na maioria das vezes, os mesmos adultos que as protegem são que também as reprimem. Foi perceptível a capacidade dos sujeitos desta pesquisa de transgredirem as regras sociais, impondo e marcando presença, ficando claro que, os atributos que socialmente são considerados dos meninos e/ou dos homens e das meninas e/ou das mulheres não são tão fixos como aprendemos. Os investigados, sujeitos dessa pesquisa, relacionaram os modelos de masculino e feminino, identificados no filme, com o cotidiano vivenciado por eles, dentro e fora da escola. Esse trabalho foi embasado em um referencial teórico que conceitua e analisa a história da criança e da infância, a partir da Modernidade e neste contexto, foi traçado um paralelo com “Menino Maluquinho, o filme”. Nesse processo, buscou-se ouvir os pontos de vista das crianças, sujeitos dessa pesquisa, partindo de uma concepção de infância que os/as consideram atores sociais que produzem cultura ao mesmo tempo em que são produzidas por elas. Trazer o olhar das crianças sobre as questões de gênero e sexualidade implicou em novas possibilidades de investigações e estudos, de forma que este estudo vem confirmar que as verdades deixam de ser permanentes para se tornarem temporárias. Palabras clave: Escola. Infância. Gênero. Sexualidade. Cinema. 42
  45. 45. 19. JOGOS RÍTMICOS E MELÓDICOS E OS LETRAMENTOS MÚLTIPLOS: ALFABETIZAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL Martins, Karina D, UNISAL, irkarinamartins@yahoo.com.br MUNHOZ, Richard. UNISAL, cehvl@hotmail.com Resumen Introdução: O aprendizado da leitura é extremamente complexo já que depende da integridade do sistema nervoso central, associado ao desenvolvimento de habilidades cognitivas, linguísticas, psicológicas, psicomotoras e sociais. Este estudo se caracteriza como base epistemológica nas orientações dos educadores como: Piaget, Gardner, Koellhreutter, Gaiza e Schafer, Roxane, Kodály e Dalcroze. Segundo Mársico (2011, p.145) “o aprender ouvir se transformará em algo deliberado que substituirá facilmente, por alguns momentos, a necessidade imediata de movimento”. Consideramos que a apreciação musical deve-se fazer presente em todas as etapas, ao descrever sobre essas etapas compreendemos que desde bebês as crianças devem ser despertadas para este senso musical. Juntamente com a apreciação musical se entrelaçam a promoção da acuidade auditiva, explorando a fundo as funções rítmicas e cognitivas para um aprendizado mais eficaz. Mediante as questões alfabetizatórias no âmbito da responsabilidade social, cabe as universidades darem respostas à crise de aprendizagem em leitura/escrita a partir dos letramentos múltiplos, o que parece acometer a escola brasileira. Esta é uma das propostas para a qualidade no ensino no Brasil que e perpassa pelo reconhecimento e valorização do docente enquanto profissional, bem como do aprendentes. É um dos fatores importantes que se buscam através dos jogos rítmicos e melódicos e os letramentos múltiplos construir a prática da Responsabilidade Social na educação escolar, tornando-a sustentável globalmente. Objetivo: Desenvolver atividades de jogos e/ou recursos didáticos musicais, com a finalidade de promover em crianças na fase alfabetizatória o senso de apreciação musical e acuidade auditiva. Colaborar para os aspectos cognitivos dos múltiplos letramentos em crianças de 1º ao 5º ano do ensino fundamental I. Explorar capacidades rítmicas e melódicas com o intuito do desenvolvimento de uma leitura expressiva bem como divisão silábica de palavras e rimas. Método: Para tanto, foi utilizado o método Jogos Rítmicos para percepção e cognição de Émile JaquesDalcroze e cartelas melódicas rítmicas e lousas didaticamente personalizadas como proposto pela metodologia de ZoltánKodaly. Canções folclóricas, cantigas de rodas, livros infantis como proposto pela Roxane Rojo. Salientamos que os recursos didáticos utilizados para esta prática não são comercializados no mercado e sim confeccionados com materiais de baixo custo podendo estes ser realizados pelos alunos e/ou professores podendo abarcar assim todas as classes sociais. Resultados: A proposta deste trabalho é capacitar educadores que desenvolvem o trabalho de educadores musicais e/ou alfabetizadores das séries iniciais com o intuito do despertar para o senso rítmico e melódico auxiliando na construção dos múltiplos letramentos em prol do desenvolvimento e responsabilidade social. Considerações: Este trabalho está em desenvolvimento em âmbito acadêmico no curso de latu senso em Jogos Psicocognitivos com a disciplina de: Jogos Musicais e a Interdisciplinaridade. Esperamos que educadores possam despertar para uma prática alfabetizatória mais prazerosa com o auxílio da música. Observando a centralidade desta aprendizagem que se pretende, de fato, construir uma educação voltada para a cidadania e a emancipação. Palabras clave: Ritmo, Melodia, Leitura, Aprendizagem, Responsabilidade Social. 43
  46. 46. 20. COMPREENDENDO E TRANSFORMANDO A EDUCAÇÃO UNIVERSITÁRIA CONTEMPORÂNEA: OLHARES PSICOPEDAGÓGICOS Karina Donizete Martins; Universidade Salesiana - UNISAL; irkarinamartins@yahoo.com.br Richard Stefanini Munhoz; Universidade Salesiana - UNISAL; richard.musi@bol.com.br Resumen Introdução: Ao pensar nas práxis pedagógicas existentes, têm-se observado o papel do professor como transmissor direto do conhecimento, adquirindo para si toda forma de expressão, não valorizando os sentimentos, pensamentos e ações dos mesmos, sendo esta o papel fundamental da educação, ricas em transformações de pensamentos e ideias sendo que, o mesmo deveria partir dos aprendentes e não dos educandos. Repensando nestas práticas, vale a pena considerar os aspectos culturais envolventes neste processo sócio educacional como cita Bruner (1988 a ) "A cultura é tanto um fórum para negociar e renegociar o significado e explicar a ação, como um conjunto de normas ou especificações da ação". Destaca-se a formação do psicopedagogo educacional favorecendo assim uma organização metodológica e gestão para uma melhor compreensão das estruturas sócia educacionais aqui descritas; na atual condição Brasileira da Psicopedagogia, têm-se observado a disjunção entre troca de saberes entre a pedagogia e a psicologia, sendo estas, as principais fundamentadoras da profissão. Objetivo: Desenvolver uma proposta para transformar a gestão do conhecimento considera-se importante a assumir uma postura de abertura à diversidade de pensamento na universidade. A compreensão dos fundamentos científico-tecnológicos dos processos produtivos, relacionando a teoria com a prática, no ensino de cada disciplina. Consolidar uma força de resistência e de oposição, e também realizar uma revisão do conceito de soberania, sem pôr em risco a independência da gestão democrática e participativa na ação do saber. Acompanhar o processo de conhecer de seus alunos, sem impor, sentir-se desmotivado, transformando em palavras aquilo que sucede em atos, desfazendo, para voltar a reconstruir sua práxis do aprender. Revelar toda a sua riqueza à luz de um olhar que, além de aspectos específicos "educacionais", atende o entrelaçamento de relações, significados e tarefas coletivas "informalmente" co-produzido que habitam no cotidiano dos sujeitos. Método: Nesse sentido, a gestão do conhecimento nos ajuda a tomar consciência do que são as práticas que constroem uma metodologia de aprendizagem, fazendo com que o sujeito se torne ativas em seu processo de aprender, uma vez que, seu professor não será apenas seu condutor e sim seu mediador durante toda esta construção. Consolidar as práticas Psicopedagógicas no processo educacional com o enfoque nas estruturas do pensar ativo do sujeito e sua participação contribuindo significativamente para a compreensão deste processo. Resultados: Através deste trabalho, esperamos que as propostas de pensamentos em transformação sócios educacional sejam reestruturadas pelos “ensinantes” e gestores com o apoio direto da práxis psicopedagógica educacional, esperando que os alunos sejam estes ativos competentes em suas reflexões e ideias contribuindo para uma melhor construção do conhecimento. Considerações: Observamos que na medida em que avançamos na produção acadêmica no nosso campo teórico, a psicopedagogia tem assumido papéis mais específicos, porém, estamos tratando em resgatar um sujeito total em seu processo ativo na construção do seu próprio conhecimento não buscando apenas em terceiros os seus embasamentos teóricos e científicos, rompendo paradigmas de uma gestão autoritária não contribuindo assim para uma construção sócia educacional efetiva dentro desta proposta. Palabras clave: Aprendizagem, Psicopedagogia, Gestão do Conhecimento. 44
  47. 47. 21. ACESSIBILIDADE E HOSPITALIDADE NO PROJETO CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA EM ALTAMIRA-PARÁ Elias Mota Vasconcelos Bacharel em Turismo pela Universidade Federal do Pará (Brasil), Ifpa Campus Santarém, Centro de Excelência em Turismo CET/UnB; eliasturismo@yahoo.com.br Donária Duarte, Universidade de Brasília, Laboratório de Estudos em Turismo e Sustentabilidade (Centro de Desenvolvimento Sustentável, UnB); donaria@unb.br Gilson Zehetmeyer Borda, Centro de Excelência em Turismo, Universidade de Brasília (UnB), Laboratório de Estudos em Turismo e Sustentabilidade (Centro de Desenvolvimento Sustentável, UnB); gborda@unb.brr Resumen Analisa-se a relação entre Acessibilidade e Hospitalidade (BORDA, DUARTE & SERPA, 2013) destacando o projeto pesquisa de campo realizada durante a participação de um dos autores no Projeto ‘Capacitação Profissional de Pessoas com Deficiência’, no município de Altamira-PA. UNWTO (2013, p.1) declara: ‘a facilitação das viagens de turismo para pessoas com deficiência é um elemento vital da qualquer política de desenvolvimento do turismo responsável e sustentável ". Considerando-se que, no Brasil, 23,9% da população - 45,6 milhões de pessoas - tem alguma deficiência ou incapacidade (IBGE, 2011), a reflexão sobre a acessibilidade e a hospitalidade cresce em importância possibilitando a ampliação da inclusão social e da inserção econômica (DEVILE, 2009; DUARTE, BORDA & OLIVEIRA, 2012). A metodologia utilizada foi pesquisa bibliográfica, história oral e observação participante (DELGADO, 2010; JORGENSEN, 1998). A pesquisa avaliou a acessibilidade em seis hotéis da cidade de Altamira, sendo que os itens básicos necessários para uma acessibilidade mínima eram deficientes ou ausentes. Tais como: elevador – não estava presente em nenhum dos empreendimentos. Bem como: rampas, pisos táteis, banheiros e Unidades Habitacionais adaptados para atender a demanda de PDMR/idosos. Uma das conclusões da pesquisa é que aparentemente a hotelaria local não está sensível à questão da acessibilidade. Sua pouca informação e percepção das necessidades das PDMR gerou um grande despreparo para o atendimento adequado desse público (SEMAT, 2012). O dado é preocupante desde que a cidade duplicou sua população nos últimos anos em função da Usina Hidrelétrica de Belo Monte e tem recebido muitos turistas e visitantes. Conclui-se que há a urgente necessidade de informação, treinamento e adequação dos estabelecimentos para as PDMR na hotelaria no município de Altamira. Sugere-se um aprofundamento e ampliação do estudo bem como o desenvolvimento de novos estudos sobre a temática na hospitalidade para melhor entender a situação atual do município em relação à acessibilidade e garantir a esse público o direito de ir e vir. Palabras clave: Acessibilidade, Hospitalidade, hotelaria, Altamira-(PA), mobilidade reduzida. 45
  48. 48. 23. EDUCAÇÃO SEXUAL: OS DESAFIOS E REALIDADES / UM PROJETO DE INTERVENÇÃO COMUNITÁRIA NA ESCOLA Gomes Alves, Maria Emília; Instituto de Educação - Universidade do Minho; emiliagomesalves@gmail.com Antunes, Maria da Conceição; Instituto de Educação - Universidade do Minho; mantunes@ie.uminho.pt Resumen Este projeto resultou de um trabalho de intervenção com professores (271 participantes) e teve como finalidade a sensibilização/formação no âmbito da educação/promoção da saúde, mais concretamente, da educação para os afetos e educação sexual. Objetivos: i) Conhecer os normativos legais de enquadramento da educação sexual em meio escolar; ii) promover a reflexão no sentido de melhorar a compreensão e a (in)formação relativamente à educação sexual; iii) conceber, dinamizar e avaliar ações(in)formativas no âmbito da educação sexual. Metodologia: O projeto teve como linha de orientação metodológica o paradigma de investigação qualitativa, muito embora os dados quantitativos não tivessem sido descurados. Tendo como ideário a investigação-ação, as atividades planeadas foram desenvolvidas com recurso a métodos e técnicas ativas que fomentaram a participação ativa dos participantes. Realizaram-se 4 cursos de 25h, devidamente creditados, para professores do 1º, 2º e 3º ciclos e educadores de infância/ensino especial e dinamizou-se, ainda, uma ação para professores do ensino secundário, um seminário e 3 oficinas. Conclusão / resultados: A avaliação validou a relevância das ações como um importante contributo na (in)formação dos docentes, foi valorizada a abordagem holística atendendo a aspetos biológicos, psicológicos e sociais da sexualidade e dado relevo à possibilidade de uma ação educativa afastada de mitos e preconceitos. Implicações da investigação: Este trabalho promoveu nos educadores competências para uma abordagem global da sexualidade e, neste sentido, promovendo competências para uma educação integral. Originalidade: Dado que a escola é, hoje, um espaço de (in)formação de relevância acrescida, esta intervenção procurou amenizar uma lacuna na formação inicial e contínua nesta dimensão específica, aspecto condicionador de uma abordagem educação sexual, assertiva e sucedida. Palabras clave: intervenção, formação, professores, educação sexual, sexualidade 46
  49. 49. 25. AS DIFERENTES REPRESENTAÇÕES SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL ORGANIZACIONAL Correia, Adelina; Universidade do Minho; adelinamcorreia@gmail.com Domingues, Ivo; Universidade do Minho; ivodomingues58@gmail.com Matos, Alice; Universidade do Minho Resumen A Responsabilidade Social das Organizações [RSO] é um conceito academicamente muito lavrado, no entanto permanece ambíguo e com um escopo demasiado amplo para permitir a sua operacionalização, podendo até justificar potenciais viés (Valor, 2005). Ainda que a literatura associe à RSO três questões nucleares, económicas, ambientais e sociais, esta é evasiva quanto a uma definição concisa que suporte os gestores, administradores e marketing na relação/comunicação da organização com os meios sociais e ambientais onde opera. A presente investigação decorreu numa unidade fabril, que integra um grupo industrial de dimensão multidimensional, situada no norte de Portugal, cujo escopo é a produção de equipamentos tecnológicos para o setor automóvel. Na presença de um conceito ambíguo, como é o da RSO, interessa compreender as representações que os diversos departamentos têm sobre o conceito, numa unidade fabril que assume ter uma política de RSO, política essa que deriva das diretrizes da casa-mãe e dos outputs do modelo EFQM. Assim, constituiu-se como propósito do estudo caraterizar as representações sobre a RSO. A investigação decorreu segundo uma metodologia qualitativa e o estudo de caso constitui-se como estratégia de investigação. Ao serviço da metodologia qualitativa, mobilizou-se como técnica a entrevista semi-diretiva dirigida a todos diretores de departamento da unidade fabril, doze no total. A entrevista pretendia a reflexão sobre a definição de políticas e objetivos de responsabilidade social [RS]; a relação da política estabelecida naquela fábrica com a das restantes fábricas; a importância da RS para o departamento e sustentabilidade da organização. Questionava-se, ainda, as práticas adotadas para os indicadores estabelecidos, os resultados alcançados com essas práticas e os fatores de sucesso e insucesso na condução dessas práticas. A análise dos dados da entrevista evidenciou resultados antagónicos. Se na atribuição da origem das políticas de RSO, as respostas eram unanimes (a determinação e herança do fundador do grupo), já nas representações sobre a RSO essas eram distintas e muito marcadas pelo funcionamento e metas do departamento (departamentalização), tendo ocorrido casos de ausência de representação sobre a RSO. Essas representações, não coincidentes, marcavam igualmente a perceção que cada departamento tinha sobre a autonomia da unidade fabril face ao grupo industrial e do departamento face à unidade fabril no que à política de RSO dizia respeito. Palabras clave: Responsabilidade social das Organizações; representações; departamentalização 47

×