Módulo 3 - REFERENCIAL, TÉCNICAS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA AS  APRENDIZAGENS DOS ALUNOS EM CIÊNCIAS
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

Módulo 3 - REFERENCIAL, TÉCNICAS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA AS APRENDIZAGENS DOS ALUNOS EM CIÊNCIAS

  • 371 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
371
On Slideshare
323
From Embeds
48
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
2
Comments
0
Likes
0

Embeds 48

http://cms.ua.pt 48

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. MÓDULO 3. MARIA PEDRO SILVA mariapedro@ua.pt RUI MARQUES VIEIRA rvieira@ua.pt ANTÓNIO MOREIRA moreira@ua.pt TÉCNICAS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA AS APRENDIZAGENS DOS ALUNOS EM CIÊNCIAS
  • 2. 3.1. Que referencial para a avaliação das aprendizagens em Ciências? 3.1.1. Programa de Estudo do Meio – 1.º Ciclo Ensino Básico 3.1.2. Metas Curriculares – 2.º Ciclo do Ensino Básico 3.1.3. Visão crítica sobre o panorama atual. 3.2. Diversidade de Técnicas e instrumentos de avaliação para as aprendizagens. 3.3. Partilha, reflexão e discussão, pelos PF, de técnicas/instrumentos utilizados nas suas práticas avaliativas. 3.4. Partilha, reflexão e discussão de exemplos de instrumentos de avaliação. 3.5. Planificação, análise e reflexão de instrumentos de avaliação, focados nas metas definidas para as Ciências.
  • 3. 3.1.1. QUE REFERENCIAL PARA A AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS EM CIÊNCIAS? Programa de Estudo do Meio – 1.º CEB OBJETIVOS GERAIS 1. Estruturar o conhecimento de si próprio, desenvolvendo atitudes de autoestima e de autoconfiança e valorizando a sua identidade e raízes. 2. Identificar elementos básicos do Meio Físico envolvente (relevo, rios, fauna, flora, tempo atmosférico… etc.). 3. Identificar os principais elementos do Meio Social envolvente (família, escola, comunidade e suas formas de organização e atividades humanas) comparando e relacionando as suas principais características. 4. Identificar problemas concretos relativos ao seu meio e colaborar em ações ligadas à melhoria do seu quadro de vida. Ministério da Educação (2004)
  • 4. 3.1.1. QUE REFERENCIAL PARA A AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS EM CIÊNCIAS? Programa de Estudo do Meio – 1.º CEB OBJETIVOS GERAIS 6. Utilizar alguns processos simples de conhecimento da realidade envolvente (observar, descrever, formular questões e problemas, avançar possíveis respostas, ensaiar, verificar), assumindo uma atitude de permanente pesquisa e experimentação. 7. Selecionar diferentes fontes de informação (orais, escritas, observação…etc.) e utilizar diversas formas de recolha e de tratamento de dados simples (entrevistas, inquéritos, cartazes, gráficos, tabelas). 8. Utilizar diferentes modalidades para comunicar a informação recolhida. 9. Desenvolver hábitos de higiene pessoal e de vida saudável utilizando regras básicas de segurança e assumindo uma atitude atenta em relação ao consumo. Ministério da Educação (2004)
  • 5. 3.1.1. QUE REFERENCIAL PARA A AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS EM CIÊNCIAS? Programa de Estudo do Meio – 1.º CEB BLOCO 1 À DESCOBERTA DE SI MESMO BLOCO 2 À DESCOBERTA DOS OUTROS E DAS INSTITUIÇÕES BLOCO 3 À DESCOBERTA DO AMBIENTE NATURAL BLOCO 4 À DESCOBERTA DAS INTER-RELAÇÕES ENTRE ESPAÇOS BLOCO 5 À DESCOBERTA DOS MATERIAIS E OBJETOS BLOCO 6 À DESCOBERTA DAS INTER-RELAÇÕES ENTRE NATUREZA E A SOCIEDADE O SEU CORPO (saúde, segurança): - Reconhecer a sua identidade sexual (1.º ano); - Reconhecer a importância da vacinação para a saúde (2.º ano); - Identificar fenómenos relacionados com algumas das funções vitais: digestão, circulação, respiração (3.º ano); - Identificar alguns cuidados a ter com a exposição ao sol (4.º ano). - Participar na organização do trabalho da sala – planificação e avaliação – e na dinâmica do trabalho em grupo (1.º ano); - Localizar, em mapas ou plantas (2.º ano). - Reconhecer manifestações da vida vegetal e animal – observar plantas e animais em diferentes fases da sua vida (1.º ano); - Reconhecer a existência do ar (2.º ano); - Identificar alguns fatores do ambiente que condicionam a vida das plantas e dos animais (água, ar, luz, temperatura, solo) (3.º ano); - Realizar experiências que representem fenómenos (evaporação, condensação, solidificação e precipitação – (4.º ano) - Descrever os seus itinerários diários (1.º e 2.º ano ); - Conhecer os pontos cardeais (3.º ano); - Observar a ação do mar sobre a costa (4.º ano). REALIZAR EXPERIÊNCIAS COM: - materiais e objetos de uso corrente, com água e som (1.º ano); - materiais e objetos de uso corrente e com ar (2.º ano); - a luz, ímanes e de mecânica (3.º ano); - materiais e objetos de uso corrente, água, eletricidade, ar e som (4.º ano). - Identificar alguns perigos para o homem e para o ambiente resultantes do uso de produtos químicos na agricultura (3.º ano); - Identificar alguns desequilíbrios ambientais provocados pela atividade humana: extinção dos recursos, de espécies animais e vegetais, reconhecer a importância das reservas e parques naturais para a preservação e equilíbrio entre Natureza e a Sociedade (4.º ano) Ministério da Educação (2004)
  • 6. 3.1.2. QUE REFERENCIAL PARA A AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS EM CIÊNCIAS? Metas Curriculares – 2.º CEB “(…) a aprendizagem essencial a realizar pelos alunos, em cada um dos anos de escolaridade ou ciclos do ensino básico. Constituindo um referencial para professores e encarregados de educação”. “(…) surgindo na sequência da revogação do documento “Currículo Nacional do Ensino Básico – Competências Essenciais”. Conjuntamente com os atuais Programas de cada disciplina, as metas constituem as referências fundamentais para o desenvolvimento do ensino: nelas se clarifica o que nos Programas se deve eleger como prioridade, definindo os conhecimentos a adquirir e as capacidades a desenvolver pelos alunos nos diferentes anos de escolaridade”. Direção Geral de Educação
  • 7. 3.1.2. QUE REFERENCIAL PARA A AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS EM CIÊNCIAS? Metas Curriculares – 2.º CEB CIÊNCIAS NATURAIS A ÁGUA, O AR, AS ROCHAS E O SOLO – MATERIAIS TERRESTRES DIVERSIDADE DE SERES VIVOS E SUAS INTERAÇÕES COM O MEIO UNIDADE NA DIVERSIDADE DE SERES VIVOS PROCESSOS VITAIS COMUNS AOS SERES VIVOS - - - A importância das rochas e do solo na manutenção da vida; A importância da água para os seres vivos; A importância do ar para os seres vivos. - Diversidade nos animais; - - Diversidade nas plantas. - Trocas nutricionais entre o organismo e o meio: animais; - - Trocas nutricionais entre o organismo e o meio: nas plantas; - Transmissão de vida: reprodução no ser humano; - Transmissão de vida: reprodução nas plantas. Célula – unidade básica de vida; Diversidade a partir da unidade – níveis de organização hierárquica; Dinamismo das relações entre espaços. Bonito, J. (coord.) (2013)
  • 8. 3.1.2. QUE REFERENCIAL PARA A AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS EM CIÊNCIAS? Metas Curriculares – 2.º CEB CIÊNCIAS NATURAIS Bonito, J. (coord.) (2013)
  • 9. 3.1.3. QUE REFERENCIAL PARA A AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS EM CIÊNCIAS? visão crítica sobre o panorama atual Que visão para o ensino das Ciências? Práticas científicas e Raciocínio científico Seleção, sequenciação e grau de aprofundamento dos conceitos científicos Visão redutora e retrógrada, não havendo uma modernização/atualização das metas face aos desafios atuais e globais da sociedade, da ciência e da tecnologia. Redução, quase exclusiva, à aquisição de factos e conceitos, evidenciando uma grande centralização em atividades de memorização e observação. - Discrepância entre as metas de aprendizagem para o 1.º CEB e as metas curriculares do 2.º CEB; - Listas de descritores extensas (por exemplo, 6.º ano); - Conteúdos e objetivos irrelevantes que pouco parecem contribuir para a formação científica dos alunos. Apreciação crítica das propostas de metas curriculares de ciências naturais – disponível em http://blogs.ua.pt/ctspc/
  • 10. 3.1.3. QUE REFERENCIAL PARA A AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS EM CIÊNCIAS? visão crítica sobre o panorama atual A (aparente) autonomia do professor na seleção das estratégias de ensino A centralidade e a adequação do trabalho prático Outras observações - Verbos de ação induzem para a prática de um ensino transmissivo e de memorização (definir; indicar; enumerar; nomear); - Indicação das estratégias de ensino em vários descritores. - Grande maioria dos trabalhos práticos [TP] é do tipo ilustração ou observação; - As investigações (recolha e análise de dados para dar resposta a uma QP – controlo de variáveis) representa uma minoria dos TP. - Ciências Naturais versus Ciências da Natureza; - Preocupação na mensuração/quantificação das aprendizagens “Indica três aspetos (…)”, “Descrever o contributo de dois cientistas (…)”; - Grau de complexidade de vários descritores, os quais são considerados desadequado ao nível etário dos alunos. Apreciação crítica das propostas de metas curriculares de ciências naturais – disponível em http://blogs.ua.pt/ctspc/
  • 11. mais informações disponíveis em: https://www.facebook.com/avaliacaoPARAasaprendizagensdosalunosemciencias http://cms.ua.pt/aaac
  • 12. 3.2. DIVERSIDADE DE TÉCNICAS E INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA AS APRENDIZAGENS OBSERVAÇÃO INQUÉRITO ANÁLISE TESTAGEM Portefólios Formular e Responder a Questões-Desafio Listas de Verificação Escalas classificadas Descrições Narrativas Rúbricas Fichas de Avaliação Formativa Inventários Organizadores Gráficos Fichas de Avaliação Diagnóstica Exames Nacionais Agrupar e sequenciar afirmações Entrevistas Mapas de Conceitos Fichas de Avaliação Sumativa Posters e Diagramas Questionários Exames Intermédios Relatórios Harlen (2006); Naylor, Keogh e Goldsworthy, 2004); Tenbrink (1977)
  • 13. 5. A COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM: exploração da plataforma disponível em: https://www.facebook.com/avaliacaoPARAasaprendizagensdosalunosemciencias disponível em: http://cms.ua.pt/aaac/
  • 14. Referências bibliográficas Bonito, J. (coord.); Morgado, M.; Silva, M.; Figueira, D.; Serrano, M.; Mesquita, J.; Rebelo, H. (2013). Metas Curriculares Ensino Básico: Ciências Naturais - 5.º, 6.º, 7.º e 8.º anos. Lisboa: Governo de Portugal - Ministério da Educação e Ciência. Disponível em http://www.dge.mec.pt/index.php?s=noticias&noticia=396 Galvão, C.; Reis, P.; Freire, A.; Oliveira, T. (2006). Avaliação de competências em ciências: sugestões para professores dos ensinos Básico e Secundário. Porto: Edições Asa. Hadji, C. (1994). A Avaliação, Regras do Jogo: das intenções aos instrumentos. Porto: Porto Editora Harlen, W. (2006). teaching, learning and assessing science 5 -12.London: SAGE Publications Lda. Leite, C. e Fernandes, P. (2002). Avaliação das Aprendizagens dos Alunos: novos contextos, novas práticas. Porto: Edições ASA. Ministério da Educação (2004).Organização Curricular e Programas Ensino Básico – 1.º CEB. Mem Martins: Editorial do Ministério da Educação. Naylor, S.; Keogh, B.; Goldsworthy, A. (2007). Active Assessment: Thinking Leaning and Assessing in Science. London: David Fulton Publishers. Ribeiro, L. (1999). Avaliação da Aprendizagem. Lisboa: Texto Editora. Tenbrink, T. (1988). Evaluación: Guía práctica para profesores. Narcea: Madrid. Valadares e Graça, (1998). Avaliando... para melhorar a aprendizagem. Lisboa: Plátano Editora.
  • 15. mais informações disponíveis em: https://www.facebook.com/avaliacaoPARAasaprendizagensdosalunosemciencias http://cms.ua.pt/aaac