Módulo 0[2ªedição OF]

  • 209 views
Uploaded on

Enquadramento Geral da 2ª edição da Oficina de Formação" AVALIAÇÃO PARA AS APRENDIZAGENS DOS ALUNOS EM CIÊNCIAS DO 1.º E 2.º CEB: reflexão, planificação e melhoria das práticas didáticas"

Enquadramento Geral da 2ª edição da Oficina de Formação" AVALIAÇÃO PARA AS APRENDIZAGENS DOS ALUNOS EM CIÊNCIAS DO 1.º E 2.º CEB: reflexão, planificação e melhoria das práticas didáticas"

More in: Education
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
209
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
4
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. MARIA PEDRO SILVA mariapedro@ua.pt RUI MARQUES VIEIRA rvieira@ua.pt ANTÓNIO MOREIRA moreira@ua.pt MÓDULO 0. ENQUADRAMENTO GERAL DA OFICINA DE FORMAÇÃO
  • 2. 0.1. A Oficina de Formação: - finalidade e objetivos; - módulos programáticos; - organização e funcionamento - avaliação; - orientações para a estrutura do portefólio; - níveis de avaliação e classificação do portefólio. 0.2. A comunidade virtual de aprendizagem [CVA] - exploração da plataforma; - Inquérito por questionário “AVALIAÇÃO PARA AS APRENDIZAGENS DOS ALUNOS DO ENSINO BÁSICO EM CIÊNCIAS DO 1º E 2º CEB”
  • 3. 0.1. A OFICINA DE FORMAÇÃO: finalidade e objetivos MELHORIA/MUDANÇA DAS PRÁTICAS AVALIATIVAS DOS DOCENTES 1. Contribuir para a formação dos professores do 1.º e 2.º Ciclos do Ensino Básico (grupos de recrutamento 110 e 230), partindo dos seus conhecimentos, preocupações e necessidades, de modo a reforçar a compreensão da atual relevância da avaliação para as aprendizagens no processo de ensino e de aprendizagem; 2. Proporcionar oportunidades de reflexão colaborativa acerca da natureza, paradigmas e modalidades de avaliação e as suas implicações nas práticas didático-pedagógicas; 3. Contribuir para o envolvimento dos professores na sua formação, através da reflexão e partilha de experiências sobre as suas práticas avaliativas, nomeadamente sobre: aprendizagens valorizadas, técnicas e instrumentos de avaliação mais utilizados;
  • 4. 0.1. A OFICINA DE FORMAÇÃO: finalidade e objetivos MELHORIA/MUDANÇA DAS PRÁTICAS AVALIATIVAS DOS DOCENTES 4. Promover a prática de uma avaliação alternativa/autêntica/formadora/contextualizada, através da conceção/produção/implementação/avaliação de instrumentos de avaliação inovadores e diversificados, capazes de fornecer indicadores/evidências que promovam e motivem a aprendizagem dos alunos; 5. Fomentar nos professores uma cultura de trabalho colaborativo através da dinamização e participação numa comunidade virtual de aprendizagem.
  • 5. 0.1. A OFICINA DE FORMAÇÃO: módulos programáticos MÓDULO 1 – Enquadramento conceptual sobre avaliação para as aprendizagens dos alunos no Ensino Básico; MÓDULO 2 – Avaliação para as aprendizagens dos alunos em ciências; MÓDULO 3 – Técnicas e instrumentos de avaliação para as aprendizagens dos alunos em ciências; MÓDULO 4 – Utilização/implementação dos recursos criados em contexto formal de ensino e aprendizagem; MÓDULO 5 – Avaliação dos formandos e da oficina de formação.
  • 6. 0.1. A OFICINA DE FORMAÇÃO: organização e funcionamento FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES SA Modalidade: OF (17 horas TP + 18 horas TA) dinamizada Sessões de Acompanhamento SESSÕES PRESENCIAIS Sessões de Grupo engloba SESSÕES NÃO PRESENCIAIS constitui assente SG COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PRÁTICAS COLABORATIVAS finalidade http://cms.ua.pt/aaac adaptado de Andrade, I. (2006). Línguas e Educação. Projeto submetido à FCT. Consultado em http://linguaseeducacao.web.ua.pt
  • 7. 0.1. A OFICINA DE FORMAÇÃO: avaliação 1. AVALIAÇÃO DE DIAGNÓSTICO [AD] 1.1. Inquérito por questionário (a responder em http://cms.ua.pt/aaac - entre a 1ª e 2ª sessões) 1.2. Reflexão inicial onde será pedido aos docentes que descrevam as suas práticas avaliativas e partilhem/exemplifiquem com instrumentos de avaliação que utilizam (entre a 1ª e 2ª sessões). 2. AVALIAÇÃO FORMATIVA [AF] 2.1. Observação do docente em contexto – SESSÃO DE ACOMPANHAMENTO (condição para obtenção de EXCELENTE – data a combinar); 2.2. Reflexões individuais descritivas dos instrumentos de avaliação desenvolvidos e implementados, caracterizadoras das suas práticas e reflexivas em termos de mudanças conceptuais e de práticas (entre a 3ª e 5ª sessões); 2.3. Participação nas sessões presenciais participação e interesse – máximo de faltas: 2); (questionamento, resposta aos desafios lançados, 2.4. Participação e dinamização na plataforma (resposta 25% partilha de instrumentos de avaliação desenvolvidos, de experiências/vivências, (…)). 3. AVALIAÇÃO SUMATIVA [AS] aos fóruns de discussão lançados; 75% 3.1. Reflexão individual final relativa às mudanças que ocorreram ao nível do desenvolvimento pessoal, social e profissional dos docentes (final da oficina de formação).
  • 8. 0.1. A OFICINA DE FORMAÇÃO: orientações para a estrutura do portefólio 1. INTRODUÇÃO 1.1. identificação dos Propósitos/finalidades do Portefólio 1.2. reflexão pessoal de caracterização inicial das práticas de avaliação 2. PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO 2.1. Descrição do processo de desenvolvimento (conceção, produção e implementação) do(s) instrumento(s) desenvolvido(s) para avaliação das aprendizagens dos alunos em ciências 2.2. Reflexão sobre o processo de desenvolvimento (conceção, produção e implementação) do(s) instrumento(s) desenvolvido(s) para avaliação das aprendizagens dos alunos em ciências 3. CONSIDERAÇÕES FINAIS 3.1. Reflexão crítica final sobre o impacto da oficina de formação nas suas práticas de avaliação (desenvolvimento pessoal, social e profissional) 4. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS
  • 9. 0.1. A OFICINA DE FORMAÇÃO: níveis de avaliação e classificação dos portefólios INTRODUÇÃO finalidades/propósitos do portefólio INSUFICIENTE Não apresenta. REGULAR Contextualiza apenas o motivo pelo qual o portefólio foi construído – acreditação em oficina de formação. BOM Identifica as finalidades/propósitos do Portefólio de uma forma genérica, não relacionando com o trabalho desenvolvido na oficina de formação. IMPLEMENTAÇÃO DO(S) INSTRUMENTO(S) EM SALA DE AULA MUITO BOM Identifica as finalidades/propósitos do Portefólio, identificando os motivos para a frequência na oficina de formação, enumerando receios/medos/sucessos/ conquistas/expetativas. PRESENÇA DO FORMADOR EM SA EXCELENTE Identifica e fundamenta as finalidades/propósitos do Portefólio, enumerando receios/medos/sucessos/conquistas/expetativas e contextualizando/narrando/exemplificando as suas práticas avaliativas antes da frequência na oficina de formação – o que entendo por avaliar? o que avalio? como avalio? porque é que avalio?
  • 10. 0.1. A OFICINA DE FORMAÇÃO: níveis de avaliação e classificação dos portefólios DESCRIÇÃO DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO (CONCEÇÃO, PRODUÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO) DO(S) INSTRUMENTO(S) DESENVOLVIDO(S) PARA AVALIAÇÃO PARA AS APRENDIZAGENS DOS ALUNOS EM CIÊNCIAS INSUFICIENTE REGULAR Não apresenta qualquer descritivo relativo ao(s) instrumento(s) de avaliação concebido(s). Apresenta fotografias e cópias do(s) instrumento(s) de avaliação desenvolvidos. Apresenta registos e descreve: 1. o modo como decorreu, a conceção e a produção do(s) instrumento(s) de avaliação desenvolvido(s) BOM IMPLEMENTAÇÃO DO(S) INSTRUMENTO(S) EM SALA DE AULA MUITO BOM Apresenta registos e descreve: 1. o modo como decorreu, a conceção e a produção do(s) instrumento(s) de avaliação desenvolvido(s) 2. o contexto no qual o(s) instrumento(s) de avaliação foram aplicados PRESENÇA DO FORMADOR EM SA EXCELENTE Apresenta registos e descreve: 1. o modo como decorreu, a conceção e a produção do(s) instrumento(s) de avaliação desenvolvido(s) 2. o contexto no qual o(s) instrumento(s) de avaliação foram aplicados
  • 11. 0.1. A OFICINA DE FORMAÇÃO: níveis de avaliação e classificação dos portefólios REFLEXÃO SOBRE O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO (CONCEÇÃO, PRODUÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO) DO(S) INSTRUMENTO(S) DESENVOLVIDO(S) PARA AVALIAÇÃO DAS APRENDIZAGENS DOS ALUNOS EM CIÊNCIAS INSUFICIENTE Não apresenta reflexão sobre o processo de desenvolvimento do(s) instrumento(os) de avaliação desenvolvido(s). REGULAR Reflete globalmente sobre: 1. as técnicas e/ou instrumento (s) de avaliação desenvolvido(os) justificando as opções tomadas atendendo à sua experiência profissional. BOM Reflete globalmente sobre: 1. o trabalho desenvolvido, fazendo a sua própria interpretação fundamentada (no conhecimento existente e na experiência profissional). IMPLEMENTAÇÃO DO(S) INSTRUMENTO(S) EM SALA DE AULA MUITO BOM Reflete sobre particularidades da prática, nomeadamente sobre: 1. o modo como decorreu, a conceção e a produção do(s) instrumento(s) de avaliação desenvolvido(s) 2. o contexto no qual o(s) instrumento(s) de avaliação foram aplicados – reflexão geral sobre o momento da implementação do(s) instrumento(s) de avaliação desenvolvido(s) PRESENÇA DO FORMADOR EM SA EXCELENTE Reflete sobre o trabalho desenvolvido, analisando-o criticamente e refletindo sobre particularidades da prática, nomeadamente sobre: 1. o modo como decorreu, a conceção e a produção do(s) instrumento(s) de avaliação desenvolvido(s) 2. o contexto no qual o(s) instrumento(s) de avaliação foram aplicados – reflexão sobre o momento da implementação do(s) instrumento(s) de avaliação desenvolvido(s); o papel do aluno no processo de avaliação das aprendizagens; os resultados/evidências recolhidas e quais as opções a tomar.
  • 12. 0.1. A OFICINA DE FORMAÇÃO: níveis de avaliação e classificação dos portefólios REFLEXÃO CRÍTICA FINAL SOBRE O IMPACTO DA OFICINA DE FORMAÇÃO NAS SUAS PRÁTICAS DE AVALIAÇÃO (DESENVOLVIMENTO PESSOAL, SOCIAL E PROFISSIONAL) INSUFICIENTE REGULAR Não apresenta reflexão crítica. Apresenta reflexão final focalizada na sua experiência pessoal. BOM Reflete e evidencia as implicações da oficina de formação no seu desenvolvimento pessoal. IMPLEMENTAÇÃO DO(S) INSTRUMENTO(S) EM SALA DE AULA MUITO BOM Reflete sobre as implicações da oficina de formação nas dimensões: 1. pessoal 2. profissional PRESENÇA DO FORMADOR EM SA EXCELENTE Reflete e fundamenta as implicações da oficina de formação nas dimensões: 1. pessoal; 2. profissional; 3. social/organizacional.
  • 13. 0.1. A Oficina de Formação: - finalidade e objetivos; - organização e funcionamento - módulos programáticos; - avaliação; - orientações para a estrutura do portefólio; - níveis de avaliação e classificação do portefólio. 0.2. A comunidade virtual de aprendizagem [CVA] - exploração da plataforma; - Inquérito por questionário “AVALIAÇÃO PARA AS APRENDIZAGENS DOS ALUNOS DO ENSINO BÁSICO EM CIÊNCIAS DO 1º E 2º CEB”
  • 14. 0.1. A COMUNIDADE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM: exploração da plataforma disponível em: http://cms.ua.pt/aaac/
  • 15. Referências bibliográficas Coll, C. (2004). Las comunidades de aprendizaje. Nuevos horizontes para la investigación y la intervención en psicología de la educación. IV Congreso Internacional de Psicología y Educación, Almeria. Dias, P. (2004). Comunidades de aprendizagem e formação online. Nov@formação (3), 14-17. Dillenbourg, P., Poirier, C., & Carles, L. (2003). Communautés virtuelles d’apprentissage: e-jargon ou nouveau paradigme? In A. Taurisson & A. Senteni (Eds.), Pédagogies.Net. L'essor des communautés virtuelles d'apprentissage (pp. 11-72). Sainte-Foy: Presses de L'Université du Québec. Meirinhos, M. (2006). Desenvolvimento profissional docente em ambientes colaborativos de aprendizagem à distância: estudo de caso no âmbito da formação contínua. Tese de Doutoramento (não publicada). Instituto de Estudos da Criança: Universidade do Minho. Vieira, R. M. (Coord); Sá, P.; Almeida, I.; Marques, A.; Magalhães, S.; Soares, C.; Silva, M.P.; Martins, T.; Neves, M. J. (2010). O Programa de Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Básico - Ensino Experimental das Ciências na Universidade de Aveiro. Aveiro: Divisão Editorial da Universidade de Aveiro).