• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Ainauditagagc
 

Ainauditagagc

on

  • 5,435 views

 

Statistics

Views

Total Views
5,435
Views on SlideShare
4,735
Embed Views
700

Actions

Likes
10
Downloads
0
Comments
0

5 Embeds 700

http://apontamentoslpo.blogspot.com 380
http://apontamentoslpo.blogspot.pt 288
http://static.slidesharecdn.com 28
http://www.slideshare.net 3
http://apontamentoslpo.blogspot.de 1

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Ainauditagagc Ainauditagagc Presentation Transcript

    • Maria José Nogueira 2008/09
    • Maria José Nogueira 2008/09
    • Numa carta que Mário de Carvalho escreveu aos alunos de uma escola secundária de Vila Nova de Gaia, que o questionaram precisamente sobre a génese da obra, disse Mário de Carvalho: “O que me levou a escrever a Inaudita…e por que razão misturei épocas distintas: foi a consciência de que Portugal é um país muito antigo, muito miscigenado, percorrido por muitas culturas e civilizações, de modo que cada um de nós é mais do que ele próprio, porque tem atrás de si uma grande espessura de História. Nós somos mais do que nós, nós somos uma nação muito antiga. E, antes de sermos nação, isto tinha um caldeamento muito grande de povos e civilizações. Por detrás de nós, há toda uma estrutura histórica. Quando eu escrevo A Inaudita Guerra da Avenida Gago Coutinho, quando os mouros aparecem aí num engarrafamento em Lisboa, é isso que eu quero dizer: atenção, nós somos uns e somos outros. Ou seja, temos cá uma civilização árabe também.” Maria José Nogueira 2008/09
    • Constatamos, assim, que a razão apresentada por Mário de Carvalho é, fundamentalmente, histórico-cultural, aliados, evidentemente, a uma incontível ânsia de liberdade. Maria José Nogueira 2008/09
    • Análise morfológica: “A inaudita Guerra da Avenida Gago Coutinho” Determinante nome comum abstracto, artigo definido, nome comum género feminino, género feminino, abstracto, contracção número singular, número singular género feminino, da grau normal número singular, preposição nome grau normal “de” com o próprio determinante concreto, adjectivo, artigo definido género masculino, género feminino, “a” número singular, número singular, “de”+”a”= da grau normal grau normal Maria José Nogueira 2008/09
    • Maria José Nogueira 2008/09
    • Informações fornecidas pelo título: “A inaudita Guerra da Avenida Gago Coutinho” Geógrafo, marinheiro, principal local matemático e inventor. acontecimento onde Almirante português, Qualificação do do ocorre o pioneiro da aviação Substantivo conto (acção) acontecimento (Lisboa 1869- In- + audita (espaço físico) - 1959). Geó- grafo de campo, ten- prefixo Palavra tou adaptar à aeronavegação de primitiva os processos e instrumentos da navega- negação ção marítima, tendo criado, em 1919, o famoso sextante que ostenta o seu nome. Maria José Nogueira 2008/09
    • Gago Coutinho Maria José Nogueira 2008/09
    • Simões Muller chamou-o “O Grande Almirante das Estrelas do Sul”, por ter empreendido um feito “inaudito”, a maior façanha de então: a primeira travessia aérea do Atlântico Sul (entre Lisboa e o Rio de Janeiro), em 1922, com Sacadura Cabral, executada com grande rigor científico. Maria José Nogueira 2008/09
    • Inaudita = in- + audita In- =prefixo de negação de origem latina. Audita = particípio passado, com função adjectival, do verbo latino audire que significa “ouvir”. Inaudita = palavra derivada por prefixação. “não ouvida, nunca ouvida” incrível espantosa insólito de que não há exemplo ou memória Maria José Nogueira 2008/09
    • Maria José Nogueira 2008/09
    • O título fornece informações sobre o narrador: - o seu gosto pela História; - a sua ligação à cidade de Lisboa, escolhida como cenário desta guerra inaudita; - o seu conhecimento sobre a cidade; - o prazer que tem em provocar abertamente o leitor. Maria José Nogueira 2008/09
    • O Conto 1. O narrador explica e justifica a génese da história que se propõe contar. 2. O narrador recorre à Antiguidade Clássica para certificar a justificação que dá (Homero, Clio). 3. Quandoque bonus dormitat Homerus (o grande Homero às vezes dormitava), até os grandes sábios cometem deslizes. Esta fragilidade não é específica apenas do mundo humano, ela é alargada ao mundo mítico/divino: os deuses (Clio) também são dados a fraquezas. Note-se já aqui a evidente tendência temática do cruzamento de mundos diferentes: o humano e o divino. Maria José Nogueira 2008/09
    • 4. A palavra dos poetas antigos não gera dúvida nem contestação “…garante Horácio.” 5. Clio, a musa da História, é a chave para o desenrolar dos fios da meada narrativa. 6. É no âmbito do fantástico, do insólito, da duplicidade, da alteridade e da manipulação livre do tempo e da história, que se insere o conto A Inaudita Guerra da Avenida Gago Coutinho. Maria José Nogueira 2008/09
    • Clio é uma das nove musas, e, junto com as irmãs, habita monte Hélicon. Filhas de Zeus e Mnemósine, a memória. As musas reúnem-se, sob a assistência de Apolo, junto à fonte Hipocrene, presidindo às artes e às ciências, com o dom de inspirar os governantes e restabelecer a paz entre os homens. Clio é a musa da história e da criatividade, aquela que divulga e celebra as realizações. Preside a eloquência, sendo a fiadora das relações políticas entre homens e nações. É representada como uma jovem coroada de louros, trazendo na mão direita uma trombeta e, na esquerda, um livro intitulado quot;Thucydide“ . Outras representações apresentam- -na segurando um rolo de pergaminho e uma pena. Clio é considerada a inventora da guitarra. Nalgumas de suas estátuas traz esse instrumento numa das mãos e, na outra, Maria José Nogueira 2008/09 um plectro (palheta).
    • Clio Da união de Zeus e Mnemósine – a deusa da memória –, nasceram as nove musas, personificando as artes e ciências. Clio (ou Arauto) é a musa grega da História. Representada como uma jovem com uma coroa de louros e um pergaminho nas mãos, é frequentemente acompanhada por um baú de livros nas representações iconográficas. Metaforicamente, Clio simboliza que o conhecimento é fruto da leitura e do estudo e, nas lendas gregas, a musa é referida como aquela que legou o alfabeto aos homens. quot; Clio é a musa maior, assim como os livros são a maior invenção da humanidade, e o conhecimento, a maior dádiva dos Deusesquot;. Maria José Nogueira 2008/09
    • Clio Maria José Nogueira 2008/09
    • Acção do conto 1. Génese da acção – Clio adormeceu e enleou os fios da trama da História, misturando as datas de 4 de Junho de 1148 e 29 de Setembro de 1984. 2. Núcleo da narrativa – situa-se num confronto (guerra) entre duas hostes que pertencem a dois tempos diferentes. 3. A acção é encadeada, as sequências narrativas sucedem-se numa relação de causa/efeito. Maria José Nogueira 2008/09
    • 4. 1º Momento – Confronto de dois tempos no mesmo espaço: . Os automobilistas apanham um grande susto e saem dos carros. . Os árabes assustam-se, não percebendo o que se estava a passar. Maria José Nogueira 2008/09
    • 4. 2º Momento – Intervenção das forças militarizadas: . Incidente que provoca o início da guerra – Manuel da Silva Lopes atirou uma pedra que foi bater no broquel de Mamude Beshewer. . Rendição – trapo branco – improviso à portuguesa. Maria José Nogueira 2008/09
    • 4. 3º Momento – Resolução do problema: . Clio desperta e devolve todos ao seu tempo histórico, borrifando-os, em seguida, com água do rio Letes, o rio do esquecimento. Assim, do mesmo modo inexplicável como haviam surgido os árabes na Avenida Gago Coutinho na manhã de 29 de Setembro de 1984, assim desapareceram misteriosamente. E não podendo Clio apagar totalmente os vestígios dos acontecimentos decorridos, pôde, pelo menos, toldar a memória dos homens com borrifos de água do rio Letes. Maria José Nogueira 2008/09
    • Consequências: . Ibn-el-Muftar desistiu de atacar Lixbuna, por considerar todas aquelas aparições de mau agoiro; . Os policiais e militares do séc. XX viram-se obrigados a explicar, em processo marcial o que se encontravam a fazer naquelas zonas à frente de destacamentos armados, ensarilhando o trânsito e gerando a confusão e o pânico. Maria José Nogueira 2008/09
    • 5. Supremacia da força árabe: . Os árabes estão assustados, mas dignos, procurando cumprir a sua função de atacantes, ao contrário do corpo policial lisboeta, que bate em retirada e se refugia na cervejaria Munique. Maria José Nogueira 2008/09
    • Esquema síntese: 1º momento Clio adormece… mistura os fios do tempo enlaça 2 épocas diferentes 4/6/1148 29/9/1984 1 espaço Lisboa: Av. Gago Coutinho Maria José Nogueira 2008/09
    • Lisboa: Av. Gago Coutinho Acção Encontro de 2 grupos antagónicos Exército árabe automobilistas de Ibn-el-Muftar Polícia de Intervenção Tropa do Ralis e da Escola Prática de Administração CONFRONTO 2 épocas 1148 – Lisboa do séc.XII 2 Maria José Nogueira 2008/09 espaços 1984 – Lisboa do séc.XX
    • 2º momento Clio acorda… o engano é desfeito Consequências O exército árabe volta à A Polícia de Intervenção sua época, aproveitando fica sem objectivo de o regresso “com grande combate; não recorda vantagem de troféus e uma justificação aceitá- espólios”. para dar aos seus superi- ores. Clio é castigada: a ambrósia é-lhe interdita Maria José Nogueira 2008/09 durante 400 anos!
    • Tempo Mistura (amalgama) de dois tempos diferentes – 4 de Junho de 1148 e 29 de Setembro de 1984. Tempo cronológico/Tempo histórico Manipulação livre do tempo da história. Maria José Nogueira 2008/09
    • Espaço Avenida Gago Coutinho, em Lisboa. A escolha deste espaço cujo nome recorda e perpetua um feito igualmente inaudito (a travessia aérea do atlântico sul com adaptação à aeronavegação dos processos e instrumentos da navegação marítima) foi intencional. Uma guerra inaudita só poderia acontecer num palco cujo nome perpetua um acontecimento que na época foi considerado, também, inaudito. Trata-se, então, de dois tempos históricos diferentes, mas de um só espaço. Também aqui sobressai o insólito, deixando-nos na ânsia e na expectativa de desvendar tão estranho mistério. Maria José Nogueira 2008/09
    • Personagens 1. colectivas/individuais: século XII /século XX. Caracterização das personagens – directa (é feita directamente pelo narrador ou pelas personagens) e indirecta (as características são deduzidas através de atitudes e comportamentos). Descrição das personagens colectivas e individuais – descrição física e psicológica: - personagens colectivas: dois grupos pertencentes, cada um deles, a épocas históricas distintas. E é um facto que poucas são as personagens que ganham algum relevo, destacando-se e individualizando-se dos seus grupos. Maria José Nogueira 2008/09
    • - personagens individuais com algum protagonismo, pertencentes ao séc. XX: o agente da PSP, Manuel Reis Tobias; Manuel da Silva Lopes, condutor de camiões distribuidores de grades de cerveja; comissário Nunes; e o capitão Aurélio Soares. - personagens individuais com protagonismo do séc. XII: Ibn-el-Muftar e Ali-Ben-Yussuf, seu lugar-tenente. Todas as outras personagens, que formam a “multidão” que se vai apinhando na Avenida Gago Coutinho, não passam de figurantes, cuja única função é conferir alguma verosimilhança a uma história particularmente inverosímil. Maria José Nogueira 2008/09
    • 2. As personagens apresentadas apontam, pela indumentária e pelos adereços de guerra, para dois grupos de personagens distintas e espaçadas no tempo, embora presentes no mesmo espaço. Maria José Nogueira 2008/09
    • Narrador 1. Quanto à presença é heterodiegético, a sua focalização/ciência é omnisciente e a posição é subjectiva. O leitor recebe o conto através do olhar do narrador, que é uma entidade omnisciente (sabe tudo) e que controla totalmente a narração. Esta visão omnisciente confere-lhe uma posição de superioridade, que lhe acentua o seu distanciamento irónico e a sua veia humorística. 2. O narrador evidencia conhecimento acerca de um período da História de Portugal: a conquista de Lisboa aos Mouros. Evidencia também conhecimentos de vários campos semânticos e conhecimentos da língua. Maria José Nogueira 2008/09
    • 3. O narrador identifica-se, claramente, como contemporâneo de 1984 e essa identificação permite-lhe um olhar próximo, mas repleto de humor, de ironia, de espírito crítico sobre a cidade e os seus costumes (engarrafamentos…). 4. O narrador apresenta, a partir da narração, a sua perspectiva de História: repetição cinzenta dos acontecimentos – os homens caem sempre nos mesmos erros. 5. O narrador transmite que o texto é uma tapeçaria que vai sendo tecida ao longo do tempo. Cada texto acrescenta um fio à história. O tempo é o grande escultor da narrativa. 6. Transmite os pontos de vista e as impressões das personagens dos dois tempos diferentes. Maria José Nogueira 2008/09
    • 6. Transmite os pontos de vista e as impressões das personagens dos dois tempos diferentes. 7. Ridiculariza as forças policiais, apresentando a sua incapacidade para defender a população. 8. Duas visões: - negativa – das forças policiais lisboetas; - positiva – das tropas árabes. Maria José Nogueira 2008/09
    • A linguagem e o estilo 1. O tecido verbal do conto cruza o registo familiar com o registo cuidado. 2. Recursos expressivos: sinestesia, ironia, adjectivação, comparação, metáfora, enumeração, onomatopeias, hipérbole. 3. Expressividade dos verbos e dos advérbios de modo. 4. Classes de palavras: nomes, adjectivos, advérbios, determinantes, pronomes, preposições, conjunções, verbos. 5. Sinonímia, antonímia, hiperonímia, hiponímia. 6. Linguagem expressiva, com recurso a sensações auditivas e visuais e a José Nogueira 2008/09 todo um conjunto de termos Maria
    • e expressões lexicais que, para além de nos permitir imaginar, quase visualizar a situação, contribui para dar cor épocal aos tempos cronológicos referidos, bem como aos seus contendores, evidenciando distintamente as suas diferenças. “Salam Aleikum” é uma expressão árabe que se pode traduzir por “Que a paz esteja contigo”. Foi desta expressão árabe que adveio a palavra portuguesa “salamaleque” que é um cumprimento de cortesia. Maria José Nogueira 2008/09