Arcos
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Arcos

on

  • 2,351 views

 

Statistics

Views

Total Views
2,351
Views on SlideShare
2,351
Embed Views
0

Actions

Likes
2
Downloads
20
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Arcos Arcos Document Transcript

  • Escola: Eb2,3 Do Cavado Professor: Rui Pereira Disciplina: Educação Visual Trabalho elaborado por: Mariana Ribeiro Monteiro nº21 8ºA
  • Arco Romano Resolução: Traça-se uma linha horizontal onde se marca o vão AB. Traça-se a mediatriz que vai determinar o ponto O ou seja o centro do arco. Fazendo centro no ponto O traça-se o arco a partir dos pontos de nascença A e B.* *Texto retirado da ficha de informação do professor Rui Pereira.
  • Arco Árabe Resolução: O seu traçado geométrico é semelhante ao do arco romano, sendo o seu centro (O) subido em relação aos pontos de nascença A e B.* *Texto retirado da ficha de informação do professor Rui Pereira.
  • Arco ogiva encurtada Resolução: Sendo dados o vão ou abertura AB e a flecha ou altura ZV une-se o vértice V com os pontos A e B. Determinam-se as mediatrizes dos segmentos AV e BV que vão intersectar a linha de nascença (ou vão) do arco C1 e C2 sendo estes pontos os centros, respetivamente, dos dois arcos VB e AV que constituem a ogiva encurtada. * *Texto retirado da ficha de informação do professor Rui Pereira.
  • Arco ogiva alongada Resolução: Emprega-se o mesmo processo da ogiva encurtada. Note-se que, na ogiva encurtada, os centros dos arcos situam-se dentro da abertura AB e, na ogiva alongada, situam-se fora da abertura, ou seja, no prolongamento do segmento AB. * *Texto retirado da ficha de informação do professor Rui Pereira.
  • Arco ogiva perfeita Resolução: Sendo dado o vão ou a abertura AB, e fazendo centro em A e em B, traçam-se dois arcos de circunferência de raio igual a AB intersectando-se no ponto V (vértice) obtendo-se assim uma ogiva perfeita. Se unirmos os pontos A, V e B, obtemos um triângulo equilátero. Daí o facto deste arco ser também conhecido por ogiva equilátera.* *Texto retirado da ficha de informação do professor Rui Pereira.
  • Arco contracurvado sendo dado o vão Resolução: Traça-se uma circunferência de diâmetro igual ao vão (ou abertura) AB com o centro em C1. Com raio igual a metade da abertura AB, e fazendo centro em A e em B, traçam-se dois arcos de circunferência que determinam os pontos E e F. Fazendo centro nesses pontos E e F, e com o mesmo raio anterior, traçam-se arcos de circunferência que se cruzam em V. Com centro neste ponto V, e sempre com o mesmo raio, traçam-se dois arcos de circunferência que intersectam os anteriores nos pontos C2 e C1. Os pontos C1 C2 e C3 são os centros dos três arcos que formam o arco contracurvado. * *Texto retirado da ficha de informação do professor Rui Pereira.
  • Arco contracurvado sendo dado o vão e a flecha Resolução: Traçado o vão AB determina-se a mediatriz desta abertura, onde a partir do ponto de cruzamento Z, se marca a flecha dada ZV. Une-se o ponto V aos pontos A e B, ou seja, aos pintos de nascença de arco. Traça-se a mediatriz do segmento do segmento AV que determina o ponto T1. Traça-se a mediatriz do segmento AT1 que, intersectando o segmento AB (vão), determina o ponto C1. Unindo este ponto C1 ao ponto T1, e prolongando deste segmento, vai-se intersectar uma paralela ao vão que, passando pelo vértice, determina o ponto C2. Os pontos C1 e C2 são os centros dos arcos de circunferência que concordam no ponto T1 e constituem o lado esquerdo do arco contracurvado. Para o lado direito procede-se de igual modo.* *Texto retirado da ficha de informação do professor Rui Pereira.
  • Arco Abatido Resolução: Traçado o vão AB determina-se a mediatriz desta abertura, onde, a partir do ponto de cruzamento, se marca a flecha dada DE. Une-se o ponto E aos Pontos A e B, ou seja, aos pontos de nascença do arco. Fazendo centro em D e com raio DA (metade do vão) traça-se uma circunferência. Fazendo centro em E descreve-se uma circunferência de raio igual a EF que vai intersectar os segmentos AE e BE determinando os pontos G e H. Traçam-se as mediatrizes dos segmentos AG e BH que se intersectam em C1 e determinam, no vão, os pontos C2 e C3. Os pontos C1, C2, C3 são os centros dos três arcos que formam o arco abatido. Fazendo centro em C1, com abertura do compasso até ao ponto E, descreve-se o segundo e o terceiro arcos que são concordantes com o primeiro nos pontos T1 e T2, formando assim o arco abatido. * *Texto retirado da ficha de informação do professor Rui Pereira.
  • Arco Aviajado Resolução: Traçam-se as horizontais que passam pelos pontos e nascença A e A1. Fazendo centro no ponto M, e com abertura do compasso até A1, traça-se um arco que vai determinar o ponto B. A mediatriz que passa entre o ponto A e o ponto B determina os centros dos dois arcos, isto é, o ponto O e o ponto O1, que vão permitir o traçado do arco aviajado ou esconso. * * Texto retirado da ficha de informação do professor Rui Pereira.