Your SlideShare is downloading. ×

Parte 3 - A interpretação

118

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
118
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Curso de Tradutor Intérprete de LIBRAS Linguística Geral Prof.ª Mariana Correia Linguagem e significado A interpretação Maria Cristina de Távora Saparano Segundo Davidson, toda compreensão de uma linguagem supõe uma capacidadede interpretar, e toda competência de intérprete é uma competência semântica. Não setrata, portanto, de estabelecer relações entre as expressões linguísticas e significado,mas entre estes e os locutores que as utilizam. A interpretação leva em conta o agente, pois este é o autor de seus atos. Oseventos têm vários movimentos, mas a ação é única, ligada por um encadeamentocausal. Davidson quer mostrar como uma teoria, que tem na sua base a noção de causa,“o cimento do universo”, é compatível com a idéia de que a liberdade de agir é um podercausal sem ser determinista ou restrito à causalidade original ao agente. O sujeito passa aser um produto de suas ações, mais do que a fonte última da intencionalidade quedetermina seu comportamento. Davidson passa, dessa forma, de uma teoria da ação e do mental, puxada por umateoria da linguagem, a uma teoria da interpretação, onde toda ação pertence a umacomunidade de intérpretes que se comunicam entre si. A condição indispensável é aracionalidade partilhada pelos agentes, elaborada sob a forma de um princípio: princípiode caridade, segundo o qual os partícipes podem formar uma ideia de um mundo objetivo,por atos de interpretação como sujeitos em relação outros sujeitos, sob forma de umaintersubjetividade. A intersubjetividade diz respeito a um mundo social, isto é, linguístico,onde se partilham normas de racionalidade com outros. A tese da interpretação radical supõe uma teoria que forneça a interpretação dasfrases da linguagem de um locutor ou de um grupo de locutores. A natureza dainterpretação linguística deve ser, pois, holística, mas verificável pelas atitudesproposicionais dos locutores, expressas na forma de “eu creio que” (...) “eu desejo que”(...). A teoria do significado é uma teoria analítica da linguagem, comportando verdade ereferência, a qual, porém, busca o sentido das frases da linguagem que têm causas masque se expressa por razões. Para Davidson: “A finalidade de toda interpretação é a compreensão.”Fonte: SPARANO, Maria Cristina de Távora. Linguagem e significado: O projeto filosófico de Davidson.Coleção filosofia 164. Edipucrs, 2003. 208 p.

×