Your SlideShare is downloading. ×
0
Parte 1   linguística geral apresentação
Parte 1   linguística geral apresentação
Parte 1   linguística geral apresentação
Parte 1   linguística geral apresentação
Parte 1   linguística geral apresentação
Parte 1   linguística geral apresentação
Parte 1   linguística geral apresentação
Parte 1   linguística geral apresentação
Parte 1   linguística geral apresentação
Parte 1   linguística geral apresentação
Parte 1   linguística geral apresentação
Parte 1   linguística geral apresentação
Parte 1   linguística geral apresentação
Parte 1   linguística geral apresentação
Parte 1   linguística geral apresentação
Parte 1   linguística geral apresentação
Parte 1   linguística geral apresentação
Parte 1   linguística geral apresentação
Parte 1   linguística geral apresentação
Parte 1   linguística geral apresentação
Parte 1   linguística geral apresentação
Parte 1   linguística geral apresentação
Parte 1   linguística geral apresentação
Parte 1   linguística geral apresentação
Parte 1   linguística geral apresentação
Parte 1   linguística geral apresentação
Parte 1   linguística geral apresentação
Parte 1   linguística geral apresentação
Parte 1   linguística geral apresentação
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Parte 1 linguística geral apresentação

8,682

Published on

Apresentação elaborada pela professora Mariana Correia

Apresentação elaborada pela professora Mariana Correia

4 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
8,682
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
368
Comments
4
Likes
3
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Curso de Preparação para Tradutor/Intérprete da Língua Brasileira de Sinais 6ª Edição <br />Linguística Geral<br />Prof.ª Esp. Mariana Correia<br />marianacorreiail@yahoo.com.br<br />http://profmarianacorreia.blogspot.com<br />
  • 2. Parte 1: Introdução aos estudos linguísticos<br />
  • 3. O homem sentiu sempre – e os poetas frequentemente cantaram – o poder fundador da linguagem, que instaura uma sociedade imaginária, animas as coisas inertes, faz ver o que ainda não existe, traz de volta o que desapareceu.<br />BENVENISTE apud BENTES e MUSSALIM<br />
  • 4. Mitos de criação<br />No princípio, Deus criou os céus e a terra. A terra estava informe e vazia; as trevas cobriam o abismo e o Espírito de Deus pairava sobre as águas. Deus disse: &quot;Faça-se a luz!&quot; E a luz foi feita. Deus viu que a luz era boa, e separou a luz das trevas. Deus chamou à luz DIA, e às trevas NOITE. Sobreveio a tarde e depois a manhã: foi o primeiro dia.<br />
  • 5. O que é linguística?<br />A linguística não se limita ao estudo de uma língua específica, nem ao estudo de uma família de línguas.<br />A linguística é o estudo científico da língua como um fenômeno natural. É claro que quanto mais avançamos nossos conhecimentos sobre as características das mais variadas línguas naturais, mais bem formamos um entendimento do que é a língua como um todo.<br />
  • 6. O que é linguística?<br />A língua é sem dúvida parte da cognição humana. Por isso, a linguística investiga a relação entre língua e pensamento, e suas conexões com nossa capacidade motora, com nossa percepção visual e auditiva, e como essas conexões operam na construção da significação.<br />
  • 7. O que é linguística?<br />A língua é também um fenômeno eminentemente social. As línguas emergem sempre que dois seres humanos entram em contato.<br />Pelo fato de a língua ser social, a linguística precisa entender as relações entre língua e cultura, entre língua e classes sociais, e entre uma língua e outras línguas que estão em contato com ela. Essas relações são importantes porque elas estão associadas a alguns fenômenos de grande interesse, como a variação e a mudança linguísticas.<br />
  • 8. O que é linguística?<br />A lingüística não tem um caráter prescritivo ou normativo.<br />Seu objetivo não é proteger a língua de mudanças, de influências de outras línguas, nem privilegiar as formas mais “cultas” de uma língua, em detrimento de formas mais “populares”. A lingüística é uma ciência empírica. O lingüista observa e descreve as línguas exatamente como elas se apresentam para ele, sem qualquer juízo de valor. O lingüistatambém busca explicações para a capacidade que as pessoas têm de falar ou sinalizar e para a capacidade que elas têm de compreender uma língua, e para o conhecimento que qualquer falante tem a respeito dos sons ou gestos, das palavras, das sentenças, dos discursos e dos textos de sua língua. A lingüística é, então, uma ciência descritivo-explicativa.<br />
  • 9. O que é linguística? (Teorias)<br />Cada definição de língua precisa ser entendida no âmbito de uma teoria particular.<br />
  • 10. Justificativa das teorias<br />As teorias são lentes que nos ajudam a perceber peculiaridades da língua, que passam despercebidas quando estamos fazendo uso dela em nosso dia-a-dia.<br />O objeto é definido pela teoria, pois é ela que define o objeto e não o objeto que define a teoria.<br />Taças<br />
  • 11. O que estuda?<br />Não é correto pensarmos que a língua é algo que podemos observar. Aquilo que nós observamos são produções linguísticas, manifestações externas da língua, mas não a língua ela mesma.<br />Nós percebemos sentenças ou discursos em português ou LIBRAS, mas não o português ou a língua de sinais brasileira em si, não o sistema de princípios, regras e valores que torna a produção linguística possível. É por isso que precisamos das teorias. São elas que nos ajudam a chegar à língua, a partir das produções linguísticas que podemos perceber e observar.<br />Colete<br />
  • 12. Como estuda? Linguística X Gramática<br />Definições de gramática<br /> Podemos definir o entendimento do conceito de gramática de três formas:<br />- Internalizada: saber linguístico que o falante de uma língua desenvolve na própria atividade linguística.<br />- Prescritiva: como o conjunto de regras (Gramática Tradicional) que determina como as relações dentro das sentenças deve ser feita.<br /> -Descritiva: como o uso efetivo observável em produções linguísticas.<br />
  • 13. Gramaticalidade e Agramaticalidade<br />Os usuários da língua são capazes de detectar claramente as construções que gramaticais e agramaticais. Observe os exemplos abaixo e anote aqueles que julgar agramaticais:<br />O pastor da minha vizinha alemão pegou.<br />O pastor alemão da minha vizinha pegou o jornal.<br />O cão de guarda estava machucado.<br />O cão estava machucado de guarda.<br />O pastor alemão é um ótimo cão de guarda.<br />O machucado morreu homem.<br />As flores de plástico não morrem.<br />Têm pessoas de barata medo.<br />
  • 14. Gramaticalidade e Agramaticalidade<br />As orações: 1, 4, 6, 8<br />Não estão de acordo com a organização estrutural da língua portuguesa, por isso, são agramaticais de acordo com o conhecimento da língua que, nós, usuários, temos.<br />
  • 15. Linguística X Gramática Tradicional<br />Linguística:<br />Não prescritiva,<br />Empírica (baseada na observação)<br />Descritiva,<br />Acompanha as mudanças.<br />Gramática Tradicional: <br />Prescritiva.<br />Normativa,<br />Não acompanha as mudanças,<br />Baseada nas tradição gramatical.<br />
  • 16. Qual o campo de conhecimento? (intersecções e combinações)<br />Cada uma das interfaces da linguística com outras ciências vai dar uma definição de língua que privilegia um de seus múltiplos aspectos:<br />A interface entre a lingüística e a biologia vai preferir definir a língua como parte da dotação genética da espécie humana;<br />A interface da lingüística com a sociologia, vai dar mais ênfase aos aspectos sócio-culturais da língua; <br />A interface da lingüística com a psicologia vai definir a língua como parte da cognição humana.<br />
  • 17.
  • 18. Parte 1<br />comunicação<br />
  • 19.
  • 20. Comunicação humana<br />Quem não se comunica se trumbica!<br />
  • 21. Comunicação Verbal<br />É aquela feita através de palavras, seja em discursos orais como em comunicações por escrito. Ou seja, são aquelas que utilizam o código escrito para a mensagem.<br />
  • 22. Comunicação Não-verbal<br />Há uma complementação das verbais, pois, ao ser emitido uma comunicação verbal, também se está emitindo mensagem não-verbal;<br /> Como as comunicações por mímicas (nas quais se empregam as mãos, os gestos, a face, o corpo), as comunicações pelo olhar (as pessoas entendem-se através do olhar).<br /> Também há as comunicações posturais (a postura do corpo ou atitudes indicam uma mensagem da qual se é pouco consciente).<br />Por fim, as comunicações conscientes e inconscientes (ao comunicar por meio da fala, os gestos podem estar demonstrando ao contrário do que se está expressando).<br />
  • 23. Elementos da comunicação<br />Emissor: aquele que envia a mensagem.<br />Receptor: aquele que recebe a mensagem.<br />Mensagem: conteúdo das informações transmitidas.<br />
  • 24. Elementos da comunicação<br />Código é o sistema de símbolos, signos ou sinais que, por convenção prévia, se destina a representar e a transmitir a informação entre a fonte dos sinais (emissor) e o ponto de destino (receptor).<br />Canal: meio pelo qual a mensagem é transmitida.<br />Referente: é o objeto ou contexto sobre o qual a mensagem se refere.<br />
  • 25. Esquema de comunicação<br />
  • 26. Comunicação Verbal e Não-Verbal<br />
  • 27. Comunicação, Linguagem, Língua e Linguística<br />A comunicação humana o se dá através da linguagem e da língua (que é uma parte dela) e a linguística estuda as manifestações da língua de acordo com o objeto definido pela teoria utilizada.<br />
  • 28.
  • 29. Referências<br />BAGNO, Marcos. Preconceito Linguístico: O que é e como se faz. 52ª Edição. Edições Loyola, 2009. 207 p.<br /> DUBOIS, Jean et al. Dicionário de Linguística. São Paulo: Cultrix, 2004. 653 p.<br /> FIORIN, José Luiz (org.). Introdução à Linguística – I Objetos teóricos. 6 ed. São Paulo: Contexto, 2010. 227 p.<br /> FIORIN, José Luiz (org.). Introdução à Linguística – II Princípios de análise. 4 ed. São Paulo: Contexto, 2010. 227 p.<br />MEDEIROS, Janaína. O poder da palavra no Egito. Disponível em: http://www.slideshare.net/marianacorreiail/o-poder-da-palavra-no-egito<br /> MUSSALIM, Fernanda e BENTES, Anna Christina (org.). Introdução à Linguística: Domínios e fronteiras. Volume 1, 2 e 3. 9 ed. São Paulo: Cortez, 2011. 294 p.<br />REITER, Aírton Júlio. Caderno de Estudos: Fundamentos da Linguística. Indaial: Editora ASSELVI, 2007. 136 p.<br />SPARANO, Maria Cristina de Távora. Linguagem e significado: O projeto filosófico de Davidson. Coleção filosofia 164. Edipucrs, 2003. 208 p.<br />VIOTTI, Ivani. Temática 1: O que é linguística. Os conceitos de Língua e Linguagem. Curso de Licenciatura em Letras-LIBRAS – UFSC. Disponível em: http://www.libras.ufsc.br/hiperlab/avalibras/moodle/prelogin/index.htm. Acessado em: 10/09/2011.<br />VIOTTI, Ivani. Temática 2: A língua para Fernidand de Saussure. Curso de Licenciatura em Letras-LIBRAS – UFSC. Disponível em: http://www.libras.ufsc.br/hiperlab/avalibras/moodle/prelogin/index.htm. Acessado em: 10/09/2011.<br />VIOTTI, Ivani. Temática 3: A língua para Noan Chomsky. Curso de Licenciatura em Letras-LIBRAS – UFSC. Disponível em: http://www.libras.ufsc.br/hiperlab/avalibras/moodle/prelogin/index.htm. Acessado em: 10/09/2011.<br />VIOTTI, Ivani. Temática 4: Linguística Geral. Curso de Licenciatura em Letras-LIBRAS – UFSC. Disponível em: http://www.libras.ufsc.br/hiperlab/avalibras/moodle/prelogin/index.htm. Acessado em: 10/09/2011.<br /> <br />

×