Your SlideShare is downloading. ×
Taet   a10 - primeiros socorros
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Taet a10 - primeiros socorros

2,732
views

Published on


0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
2,732
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
191
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. CAPACITAÇÃO EMPRIMEIROS SOCORROSProf. Enf. Charlon Pierrut do Nascimento
  • 2. PARADA CARDIORESPIRATÓRIA PCR É a interrupção súbita da atividade mecânica ventricular, útil e suficiente, e da respiração. A parada cárdio-respiratória (PCR) pode acontecer de duas maneiras: Parada cardíaca acarretando uma respiratória Parada respiratória acarretando uma cardíaca, que é menos grave, pois o coração continua bombeando sangue pouco oxigenado para os órgãos.
  • 3. CAUSAS DA PCRobstrução de vias-aéreas por corpos estranhos ou queda de base de línguao choque elétricooverdose de drogaschoque hemorrágico e ataque cardíaco.
  • 4. MANOBRAS DE RESSUSCITAÇÃO O objetivo da manobra é fornecersangue oxigenado de forma artificialaos órgãos nobres do corpo (coração ecérebro), buscando dessa formareverter o quadro de parada.
  • 5. Sintomas de uma vítima em PCR:Falta de pulsação e movimentos respiratórios.Dilatação das pupilas (midríase).Pele fria, extremidades arroxeadas e mucosas pálidas.Inconsciência Caso o socorrista NÃO constate presença de pulso carotídeo na vítima ou falta de batimentos cardíacos, ele deve suspeitar de parada cardíaca.
  • 6. Conduta frente ao Paciente em PCR Determinar o estado de consciência Pedir Ajuda / Ativar o Sistema Médico de Emergência (193)
  • 7. Posicionar a Vítima (Virá-la em blocopara decúbito dorsal)
  • 8. A (AirWay) Abrir as Vias Aéreas
  • 9. B (Breathing) Verificar se o Paciente respira VER - se o paciente respira OUVIR - sons respiratórios SENTIR - fluxo de ar
  • 10. C (Circulation) Verificar a circulação,com o controle de grandes hemorragias. (pulso carotídeo)
  • 11. D(Disability) Comprometimento Neurológico Exame neurológico onde normalmente é usada a Escala de Coma de Glasgow(resposta ocular verbal e motora). Para leigos pode ser usada a quantificação da resposta da vítima através da nomenclatura A-V-D-I. A= ALERTA V= Resposta VERBAL D= Resposta à DOR I= IRRESPONSIVIDADE.
  • 12. Além disso, deve ser observada a reatividade das pupilas:Miose (pupilas contraídas com a luz)Midríase (pupilas dilatadas apesar da luz)Anisocoria (pupilas reagindo diferentemente à luz)
  • 13. MASSAGEM CARDÍACAAche o local da massagem cardíaca externa. O local da massagem cardíaco externa é achado colocando a mão dois dedos acima do Apêndice Xifóide.
  • 14. As mãos devem ser sobrepostas, dedosentrelaçados e somente uma das mãos emcontato com o osso Esterno. As compressões fazem com que o sanguecircule, substituindo assim o trabalho que seriafeito pelo coração. Local correto para a realização da PCR
  • 15. Posição do socorrista na reanimaçãoOs braços do socorrista devem permanecer em extensãocom as articulações dos cotovelos fixas, transmitindo aoesterno da vítima a pressão exercida pelo peso dos seusombros.
  • 16. As compressões torácicas devem seralternadas com as ventilações de modointermitente. Após 4 a 5 ciclos de compressão eventilação (aproximadamente 1min),aconselha-se a reavaliação de presençade pulso e de respiração espontânea,repetindo-se as reavaliações a cada 3min.
  • 17. HEMORRAGIASA hemorragia é a perda de grandequantidade de sangue, para omeio externo ou interno, porruptura ou laceração de vasossangüíneos.
  • 18. As hemorragias também podem ser divididas do ponto de vista clínico em:Hemorragias externasHemorragias internasHemorragias mistas
  • 19. Sinais e SintomasPulso fraco (bradisfigmia).Vítima queixa-se de sede.Suor pegajoso e frio.Pele, Lábios e dedos cianóticos. Torpor e obinubilação.Desmaio.Hipotensão
  • 20. Hemostasia: É o conjunto ou qualquer manobraque vise conter a hemorragia. A hemostasiatemporária é aquela utilizada nos primeirossocorros. Compressão Direta: É também conhecida comotamponamento. Funciona fazendo-se pressãodireta (em cima do ferimento), utilizando-se umagaze ou pano limpo. Compressão Indireta: Consiste em comprimir ovaso num local acima do ferimento a fim de impediruma maior perda de sangue.
  • 21. Torniquete: Seu uso só é justificado em último caso, se houver amputação traumática, esmagamento ou quando não conseguimos interromper a hemorragia pela compressão direta ou indireta nos membros. Deve ser realizada com muita cautela e atenção. É preciso tomar cuidado com a perfusão sangüínea, por isso é essencial que a cada 15 minutos o torniquete seja afrouxado.
  • 22. Procedimentos básicos em hemorragias.1. Deitar a vítima.2. Verificar o A,B,C3. Colocar a cabeça da vítima mais baixa que o corpo.4. Elevar os membros inferiores.5. Folgar as roupas.6. Não fornecer líquidos.7. Caso a hemorragia ocorra num membro como braço ou perna, deve-se procurar fazer a elevação do mesmo.
  • 23. CONTUSÕES ENTORSES LUXAÇÕES FRATURAS
  • 24. CONTUSÕES É uma área afetada por uma pancada ouqueda sem ferimento externo. Podeapresentar sinais semelhantes aos dafratura fechada. Se o local estiverarroxeado, é sinal de que houve hemorragiasob a pele (hematoma).
  • 25. ENTORSESÉ a torção de uma articulação,com lesãodos ligamentos (estruturaque sustenta asarticulações).
  • 26. A vítima sente dor intensa na articulação afetada, que depois apresenta edema; se houver rompimento de vasos sanguíneos, a pele da região pode imediatamente apresentar manchas arroxeadas. As entorses mais comuns são:PunhoJoelhoPé
  • 27. O QUE FAZER:1. Colocar gelo ou compressa fria no local, protegendo a pele com um pano;2. Imobilizar a articulação afetada por meio de enfaixamento, usando ataduras ou lenços;3. Procure atendimento médico se a dor persistir.
  • 28. LUXAÇÕES É o deslocamento de um ou mais ossos para fora da sua posição normal na articulação. PRINCIPAIS SINTOMASDorDeformação no nível da articulaçãoImpossibilidade de movimentosAparecimento de hematoma
  • 29. O QUE FAZER1. Imobilizar a articulação sem, no entanto, tentar colocá-la no lugar.2. Encaminhar a vítima para atendimento médico
  • 30. FRATURAS É a ruptura total ou parcial da estrutura óssea,podendo ser fechada ou exposta.FRATURA FECHADAAquela onde não há o rompimento da pele
  • 31. FRATURA EXPOSTA Aquela onde há o rompimento da pele,muitas vezes causado pelo própriofragmento ósseo, ficando o osso exposto aomeio ambiente, facilitando o contato combactérias e o risco de infecção.
  • 32. O QUE FAZER FRATURA EXPOSTA1. Alinhar o membro, se possível (tracionando)2. Se encontrar grande resistência, imobilize na posição encontrada.3. Curativo com gaze ou pano limpo no local do ferimento4. Controle a hemorragia5. Imobilize com tala ou material rígido6. Remova a vítima com maca
  • 33. FRATURAS ATENÇÃO NÃO DESLOQUE OU ARRASTE AVÍTIMA ATÉ QUE A REGIÃO SUSPEITADE FRATURA TENHA SIDOIMOBILIZADA, A MENOS QUE A VÍTIMASE ENCONTRE EM IMINENTE PERIGO.
  • 34. FRATURA DE CRÂNIO Traumatismo craniano, acompanhado de sangramento no cérebro, se não tratado a tempo e adequadamente pode levar à morte. Sinais e sintomas de fratura no crânio (TC)• Dores• Hematomas na calota craniana• Vômito• Hemorragia nasal, pela boca e/ou ouvidos• Alteração do ritmo respiratório e/ou parada cardíaca• Inconsciência O que fazer :• Manter monitoramento dos sinais vitais• Levar imediatamente para um hospital
  • 35. FRATURA DE COLUNA Traumatismos violentos podem levar a fratura de coluna, com possibilidade de lesão na medula espinhal e comprometimento neurológico irreversível ( em casos de acidentes por desaceleração ou choque violento, imagine sempre esta possibilidade). O que fazer :1. Não vire ou flexione pessoa com suspeita de lesão na coluna;2. Imobilize o pescoço com colete cervical, na falta deste, improvise;3. Transporte o paciente sobre superfície plana e rígida, fixado de maneira a permanecer imóvel, evite qualquer situação que possa movimentar a vítima e o deslocamento da coluna (freadas, balanços, etc.)4. Monitore os sinais vitais.
  • 36. FRATURA DE COSTELAS As fraturas nas costelas podem produzir lesão interna e nos pulmões, causando pneumotórax (ar dentro da cavidade pleural) ou hemorragias, comprometendo a dinâmica respiratória. Sinais e sintomas : Respiração difícil Dores a cada movimento respiratório O que fazer :1. Fazer a vítima expirar e imobilizar o tórax com ataduras, sem apertar muito para impedir o movimento respiratório.2. Levar a vítima para um hospital
  • 37. Para a imobilização teremos que utilizar a imaginação, poisnem sempre haverão talas, tipóias e faixas a disposição.Nestes casos, um pedaço de madeira, um papelão dobrado,ou qualquer material rígido que encontrar poderá servir detala a qual será fixada ao osso fraturado através de faixas,manga de camisas, gravatas ou outro material queencontrar com o qual possa amarrar esta tala . O importante é que esta tala apoie e sustente o ossofaturado de maneira que ele não se movimente emnenhuma direção.
  • 38. IMOBILIZAÇÕESBraço imobilizado com apoiode uma bandagem triangular Imobilização em maca
  • 39. IMOBILIZAÇÕESImobilização do braçoesticado com uma tala equatro bandagens. Imobilização no cotovelo
  • 40. IMOBILIZAÇÕES Seqüência de imobilização da mão e dedos
  • 41. IMOBILIZAÇÕESImobilização da mão comapoio de uma tipóia Imobilização de ombro
  • 42. DESMAIOSTambém chama do síncope, trata-se da perdade consciência repentina fazendo com que avítima caia ao chão.Nesta hora é importante que aauxiliemos para que nãose machuque na queda.
  • 43. As causas de desmaios são inúmeras,dentre elas:A) falta de alimentação (jejum)B) psicoemocionais,C) tumores cerebrais, etc.Sintomas Comuns Geralmente antes do desmaio a vítimaqueixa-se de fraqueza, falta de ar e"escurecimento da visão".
  • 44. O QUE FAZERColoque a vítima deitada e eleve as pernas em 30 cm;Tente acordá-la,chamando-a ou batendo palmas próximo ao seu rosto;Afrouxe roupas, gravatas, etc;Verifique as vias aéreas;Verifique os sinais vitais, aplique ressuscitação se necessário;Passe uma compressa fria pelo rosto e testa.
  • 45. O QUE FAZER Quando ela acordar : Acalme-a, encaminhe-a ao pronto socorro. O que NÃO FAZER:Não dê nada à vitima, líquido ou sólido, até que recupere TOTALMENTE a consciência. Caso contrário poderá asfixiar-se;Não jogue água no rosto da vítima;Não bata no rosto da vítima.
  • 46. QUEIMADURASQueimaduras são lesões da pele,provocadas pelo calor, radiação,produtos químicos ou certos animais evegetais, que causam dores fortes epodem levar a infecções.
  • 47. PROFUNDIDADE OU GRAU DA QUEIMADURA 1º. grau : só atinge a epiderme ou a pele (causa vermelhidão). 2º. grau: atinge toda a epiderme e parte da derme (forma bolhas). 3º. grau: atinge toda a epiderme, a derme e outros tecidos mais profundos, podendo chegar até os ossos. Surge a cor preta, devido a carbonização dos tecidos.
  • 48. O QUE FAZER1. Retirar a vítima do contato com a causa da queimadura:a) lavando a área queimada com bastante água, no caso de agentes químicos; retirar a roupa do acidentado, se ela ainda contiver parte da substância que causou a queimadura;b) apagando o fogo, se for o caso, com extintor (apropriado), abafando-o com um cobertor ou simplesmente rolando o acidentado no chão;
  • 49. 2. Verificar se a respiração, o batimento cardíaco e o nível de consciência do acidentado estão normais.3. Para aliviar a dor e prevenir infecção no local da queimadura:a) Mergulhar a área afetada em água limpa ou em água corrente, até aliviar a dor. Não romper as bolhas e nem retirar as roupas queimadas que estiverem aderidas à pele. Se as bolhas estiverem rompidas, não colocá-las em contato com a água.b) Não aplicar pomadas, líquidos, cremes e outras substâncias sobre a queimadura. Elas podem complicar o tratamento e necessitam de indicação médica.
  • 50. 4. Se a pessoa estiver consciente e sentir sede, deve ser-lhe dada toda água que deseja beber porém, lentamente e com cuidado.5. Encaminhar logo que possível a vítima ao Posto de Saúde ou ao Hospital, para avaliação e tratamento. Outros cuidados:a) Não dê água a pacientes com mais de 20% do corpo queimado;b) Não coloque gelo sobre a queimadura;c) Não dê qualquer medicamento intramuscular, subcutânea ou oral sem consultar um médico, exceto em caso de emergência cardíaca;
  • 51. d) Não jogar água em queimaduras provocadas por pós químicos; recomenda-se cal e escovação da pele.e) Deve-se providenciar o transporte imediato do acidentado, quando a área do corpo queimada for estimada entre 60 e 80%.f) Além da percentagem da área corporal atingida, a gravidade das queimaduras é maior nos menores de 5 anos e maiores de 60.
  • 52. QUEIMADURAS SOLARES Ocorrem principalmente em indivíduos de cor branca, predispostos, ou não habituados ao sol, que trabalham em atividades a céu aberto (como agricultores e pescadores), ou frequentam praias sob sol forte. As queimaduras provocadas pelo sol, embora comumente extensas, são quase sempre superficiais (de 1o. grau). A pele fica vermelha, doida e irritada. É comum associar-se às queimaduras solares certo grau de insolação, a qual, em determinadas situações, apresenta gravidade maior do que a própria queimadura. Como tratamento local, dá-se preferência à exposição e aplicação de óleos inertes, associados ou não a anti-histamínicos , que aliviam rapidamente a dor.
  • 53. FERIMENTOS Ferimentos são rompimentos da pelepor objetos cortantes(facão, foice,enxada, caco de vidro, etc.) ouperfurantes (prego, espinho, ossopontudo, etc.).Todos os ferimentos, logo que ocorrem,causam dor, sangramento e sãovulneráveis a infecções
  • 54. FERIMENTOS SUPERFICIAISLimpe o ferimento cuidadosamente com água corrente e sabão.Não aplique soluções na ferida.Proteja o ferimento com gaze esterilizada ou pano limpo, fixando sem apertar.A menos que saiam facilmente, durante a limpeza, não tente retirar farpas, vidros ou partículas de metal do ferimento.Não toque no ferimento com os dedos, lenços usados ou outros materiais sujos.
  • 55. Mude o curativo tantas vezes quantas seja necessário para mantê-lo limpo e seco.Se posteriormente, o ferimento ficar dolorido ou inchado, é sinal de infecção. No caso de cortes maiores, depois de lavar bem o local, deve-se aproximar as bordas da ferida e colocar um pedaço de esparadrapo, para fixar a pele nesta posição
  • 56. FERIMENTOS EXTENSOS OU PROFUNDOS São os seguintes casos de ferimentos extensos ou profundos que requerem pronta atenção médica: Quando as bordas do ferimento não se juntam corretamente. Quando há presença de corpos estranhos. Quando a pele, os músculos, nervos ou tendões estão dilacerados. Quando há suspeita de penetração profunda do objeto causador do ferimento (bala, faca, prego etc.) Se o ferimento é no crânio ou na face. Se a região próxima ao ferimento não tem aparência ou funcionamento normal.
  • 57. FERIDA COM EXPOSIÇÃO DE ÓRGÃOSINTERNOS
  • 58. FERIDA COM EXPOSIÇÃO DE ÓRGÃOS INTERNOS Nas feridas extensas e profundas, como no caso da facadas, os intestinos e outros órgãos podem sair e ficar expostos. Neste caso deve-se:1. deitar a vítima imediatamente;2. lavar as mãos antes do atendimento;3. evitar tocar nos órgãos expostos e nem tentar recolocá-los no lugar;4. cobrir com compressas, gaze ou pano limpo;5. prender a compressa ou gaze com atadura e esparadrapo;6. conduzir a vítima, imediatamente, ao Hospital.
  • 59. INTRODUÇÃO DE OBJETOS PONTUDOS NO TÓRAXNas feridas muito profundas causadas por um objeto que foi introduzido no peito (punhal ou estaca, por exemplo), não se deve tentar retirá-lo, pois isso pode agravar a hemorragia e provocar a morte.O acidentado, neste caso, deve ser transportado para o Hospital com o objeto, imóvel, no local mesmo.
  • 60. FERIMENTO NA CABEÇA Exceto os de menor gravidade, os ferimentos na cabeça requerem sempre pronta atenção médica. Faça o seguinte: Em caso de Inconsciência ou de Inquietação, deite a vítima de costas e afrouxe suas roupas, principalmente em volta do pescoço. Agasalhe a vítima. Havendo hemorragia em ferimento no couro cabeludo, coloque uma compressa ou um pano limpo sobre o ferimento. Pressione levemente. Prenda com ataduras ou esparadrapo.
  • 61. Se o sangramento for no nariz, na boca ou no ouvido, vire a cabeça da vítima para o lado que está sangrando.Se escoar pelo ouvido um líquido límpido, incolor, deixe sair naturalmente, virando a cabeça de lado.
  • 62. CORPOS ESTRANHOS São pequenas partículas de vidro, madeira, poeira, carvão, areia ou limalha, grãos diversos, sementes insetos mosquitos, formigas, moscas, besouros, que podem penetrar nos olhos, nariz e ouvidos. Os idosos e crianças podem, acidentalmente, introduzir objetos nas cavidades do corpo, em especial no nariz, boca e ouvidos ou até mesmo quando estão comendo, podem engasgar. Estes objetos são, na maioria das vezes, cigarro, fumo, sementes, moedas, bolinhas de papel, restos de comida . Se houver asfixia, a vítima apresentará pele azulada e respiração difícil ou ausente.
  • 63. O QUE FAZER Vítimas conscientes (manobra de Heimlich)1. Posicionar-se atrás do paciente contornando sua cintura com os braços;2. Fechar uma das mãos, superpondo a outra e segurando-a no punho, na altura do epigástrio3. Aplicar uma compressão rápida, repetindo várias vezes, se necessário.
  • 64. Vitimas inconscientes1. Posicionar-se ao lado do paciente em decúbito dorsal;2. Posicionar as mãos uma sobre a outra entre a cicatriz umbilical e o apêndice xifóide. Em mulheres grávidas, lactentes e obesos são utilizadas compressões torácicas no ponto de massagem cardíaca externa;
  • 65. 3. Efetuar até cinco compressões abdominais direcionadas para o epigástrio do paciente4. Ventilar o paciente5. Observar6. Prosseguir até remover o corpo estranho.
  • 66. INTOXICAÇÕESTóxico ou veneno é qualquer substânciaque, quando ingerida, inalada, absorvida,aplicada à pele ou produzida dentro doorganismo em quantidades relativamentepequenas, causa lesão ao organismoatravés de sua ação química.
  • 67. INTOXICAÇÃO POR ALIMENTOSSinais e sintomas1. Náuseas2. Vômito3. Diarréia4. Sudorese abundante5. Palidez6. Febre7. Dor no abdome por irritação gástrica ou por cólica intestinal
  • 68. O que fazer na intoxicação alimentar1. Manter a vítima deitada após episódio de vômito.2. Não dar remédio para interromper a diarréia.3. Procurar orientação médica.4. Iniciar a reidratação oral, com soro caseiro
  • 69. Como prevenir a intoxicação alimentar1. Só consumir produtos cujo rótulo contenha tanto o registro do órgão fiscalizador quanto ao prazo de validade;2. Conservar alimentos cozidos, de um dia para o outro, em geladeira;3. Desprezar latas amassadas, enferrujadas, estufadas ou que apresentem espuma ou vazamento;4. Só comprar e consumir carnes vermelhas e brancas e frutos do mar (camarão, ostras) que estejam frescos, e cuja origem seja conhecida.
  • 70. INTOXICAÇÃO MEDICAMENTOSA Esse tipo de intoxicação pode ocorrerquando alguém ingere quantidadeexcessiva de um medicamento, misturavários medicamentos ou até quando tomarremédios fora do prazo de validade.
  • 71. SINAIS E SINTOMAS1. Náuseas e vômitos2. Azia3. Diarréia4. Sonolência e sensação de fraqueza5. Suor e palidez6. Inconsciência7. Dificuldade respiratória8. PCR
  • 72. O QUE FAZER1. Manter a vítima aquecida;2. Observar o ritmo da respiração e a frequência cardíaca e, identificando algum problema, realizar manobras de ressuscitação;3. Sempre que possível levar a embalagem ou o nome do medicamento que causou a intoxicação e informações, mesmo que aproximadas, sobre a quantidade ingerida.
  • 73. Como prevenir a intoxicação medicamentosa1. Apenas usar medicamentos sob orientação médica e jamais indicá-los para alguém só porque eles surtiram efeito em você ou em algum conhecido.2. Guardar os medicamentos em locais fora do alcance de crianças.3. Manter os medicamentos sempre nas suas embalages, preservando rótulo e observando tanto o prazo de validade quanto as condições ideais de armazenamento.
  • 74. CHOQUE O choque constitui um estado anormal dehipotensão e prostração, na qual, o fluxosanguíneo é inadequado para manter a atividadecelular normal, ou seja, deficiente no suprimentode sangue e oxigênio para o organismo. O choqueirreversível é definido como a incapacidade deresponder á ressuscitação.
  • 75. CHOQUE HIPOVOLÊMICODevido ao decréscimo do volume liquido provocadopela perda de sangue, plasma e líquidos doorganismo, sendo suas causas mais comuns ahemorragia, queimadura e desidratação. Quadro clinico:1. Hipotensão associada com taquicardia2. Pulso rápido3. Sudorese4. Polidipsia (sede excessiva)5. Respiração rápida e superficial6. Apatia e coma
  • 76. CHOQUE CARDIOGÊNICO:Causado pela falência do coração em sua função como bomba,ou seja, o coração não consegue bombear uma quantidade desangue suficiente para o organismo. Causas : IAM, ICC, arritmias e embolia pulmonar. Quadro clinico:1. Hipotensão arterial2. Baixo débito urinário3. Pele fria e pegajosa4. Agitação, confusão e obnubilação5. Pulso fraco e filiforme (às vezes ausente)6. Sintomas cardíacos como dor torácica recorrente ou persistente.
  • 77. CHOQUE SÉPTICO: Resulta de processos infecciosos graves, causadospor bactérias, vírus que acarretam distúrbioshemodinâmicos e metabólicos com conseqüente mortecelular, que poderá ou não ser reversível. A fonte maisfreqüente é o aparelho geniturinário e surge apóscirurgia ou manipulação. A seguir, é o aparelhorespiratório, após traqueostomia ou uso prolongado detubo traqueal. A terceira fonte é o trato gastrointestinalhavendo, geralmente, abscessos e fístula.
  • 78. Quadro Clinico: Calafrios com tremores Hipertermia Pele seca, quente e ruborizada (contrastando com outros choques) Pulso rápido e taquicardia Hipotensão arterial Palidez Oligúria e hipovolemia Confusão mental
  • 79. CHOQUE ANAFILÁTICO: Resulta da reação antígeno-anticorpo devido à hipersensibilidade do organismo à determinadas substâncias, como a Penicilina, por exemplo. Quadro Clinico:1. Sensação de calor2. Pruridos e formigamentos3. Dispnéia e cefaléia4. Ocorrência ou não de parada cardiorespiratória ou morte.
  • 80. O QUE FAZER1. Manter a vitima deitada com os pés mais altos que a cabeça;2. Mantenha-a aquecida e coberta, não excessivamente para evitar a vasodilatação;3. Se estiver consciente, ofereça água ou outra bebida morna, nunca bebidas alcoólicas;4. Mantenha as vias aéreas desobstruídas;5. Se estiver inconsciente, deite-a de lado com a cabeça baixa, inclinada para trás e virada para o lado. Em caso de vômito, essa posição impede a aspiração para os pulmões;6. Nunca dê nada por via oral sem que a vítima volte á consciência. Procure rapidamente um médico.
  • 81. “Aprendi que não posso exigir o amor de ninguém...Posso apenas dar boas razões para que gostem de mim... E ter a paciência para que a vida faça o resto... “ William Shakespeare