Sofia de melo breyner
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Sofia de melo breyner

on

  • 2,149 views

 

Statistics

Views

Total Views
2,149
Views on SlideShare
2,149
Embed Views
0

Actions

Likes
2
Downloads
17
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft Word

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Sofia de melo breyner Sofia de melo breyner Document Transcript

    • Sofia de Melo BreynerSophia de Mello Breyner, nasceu no Porto a 06 de novembro de1919, é de origem dinamarquesa pelo lado paterno. Passou a suainfância nesta cidade no meio de uma família aristocrata, foieducada nos valores tradicionais da moral cristã.Entre 1936 e 1939 estuda Filologia Clássica na Universidade deLisboa. Publica os primeiros versos em 1940, nos Cadernos dePoesia. Casada com Francisco Sousa Tavares tem cinco filhos.Participou ativamente na oposição ao Estado Novo e é eleita,depois do 25 de abril, deputada à Assembleia Constituinte.A sua obra é vastíssima, composta por contos e poesia. A autorainspirou-se nas suas vivências infantis para escrever as suas obras.Entre 1944 e 1997 publicou catorze livros de poesia.Em 1999 recebeu o prémio Camões, entre outros prémios. Em2001 o prémio Poesia Max Jacob e o prémio Rainha Sofia dePoesia Ibero-Americana este último atribuído pela primeira vez aum português.A sua obra é sobretudo marcada pelo contacto com a natureza.
    • Com uma linguagem poética quase transparente e íntima, aomesmo tempo ancorada nos antigos mitos clássicos, Sophia deMello Breyner Andresen, evoca nos seus versos os objetos, ascoisas, os seres, os tempos, os mares, os dias. A sua obra, váriasvezes premiada está traduzida em várias línguas.Sophia de Mello Breyner Andresen faleceu a 2 de julho de 2004,em Lisboa.ObrasPoesiaPoesia (1945, Cadernos de Poesia, nº 1, Coimbra; 3ª ed. 1975)O Dia da Mar (1947, Lisboa, Edições Ática; 3ª ed. 1974)Coral (1950, Porto, Livraria Simões Lopes; 2ª ed., ilustrada porEscada, Lisboa, Portugália, 1968)No Tempo Dividido (1954, Lisboa, Guimarães Editores)Mar Novo (1958, Lisboa, Guimarães Editores)Livro Sexto (1962, Lisboa, Livraria Morais Editora; 7ª ed. 1991)O Cristo Cigano (1961, Lisboa, Minotauro, ilustrado por JúlioPomar)Geografia (1967, Lisboa, Ática)Grades (1970)11 Poemas (1971)Dual (1972, Lisboa, Moraes Editores; 3ª ed., Lisboa, Salamandra,1986)
    • Antologia (1975)O Nome das Coisas (1977, Lisboa, Moraes Editores)Navegações(1983)Ilhas (1989)Musa (1994)Signo (1994)O Búzio de Cós (1997)Mar (2001) - antologia organizada por Maria Andresen de SousaTavaresPrimeiro Livro de Poesia (infanto-juvenil) (1999)Orpheu e Eurydice (2001)Poemas não incluídos na Obra Poética:[13] "Juro que venho para mentir"; "És como a Terra-Mãe que nosdevora"; "O mar rolou sobre as suas ondas negras"; "Históriaimprovável"; "Gráfico", Távola Redonda - Folhas de Poesia, nº 7,Julho, 1950."Reza da manhã de Maio"; "Poema", A Serpente - Fascículos dePoesia, nº 1, Janeiro, 1951. "Caminho da Índia", A Cidade Nova, suplemento dos nº 4-5, 3ªsérie, Coimbra, 1958."A viagem" [Fragmento do poema inédito "Naufrágio"], CidadeNova, 5ª série, nº 6, Dezembro, 1958. "Novembro"; "Na minha vida há sempre um silêncio morto";"Inverno", Fevereiro - Textos de Poesia, 1972.
    • "Brasil 77", Loreto 13 - Revista Literária da AssociaçãoPortuguesa de Escritores, nº 8, Março, 1982."A veste dos fariseus", Jornal dos Poetas e Trovadores -Mensário de Divulgação Cultural, nº 5/6, 2ª série, Março/Abril,1983. "Oblíquo Setembro de equinócio tarde", Portugal Socialista,Janeiro, 1984."Canção do Amor Primeiro", Sete Poemas para Júlio (BibliotecaNacional, cota nº L39709), 1988."No meu Paiz", Escritor, nº 4, 1995. "D. António Ferreira Gomes. Bispo do Porto"; "Naquele tempo"["Dois poemas inéditos"], Jornal de Letras, 16 Jun., 1999.FicçãoContos Contos Exemplares (1962, Lisboa, Livraria Morais Editora; 24ªed. 1991)Histórias da Terra e do Mar (1984, Lisboa, Edições Salamandra;3ªed., Lisboa, Texto Editora, 1989)Contos InfantisA Menina do Mar (1958)A Fada Oriana (1958)Noite de Natal(1959)
    • O Cavaleiro da Dinamarca (1964)O Rapaz de Bronze (1965)A Floresta (1968)O Tesouro (1970)A Árvore (1985)TeatroO Bojador (1ª ed. s/d, 2ª ed. 2000, Lisboa, Editorial Caminho)O Colar (2001, Lisboa, Editorial Caminho)O Azeiteiro(2000), Lisboa, Editorial CaminhoFilho de Alma e Sangue(1998)Lisboa, Editorial CaminhoNão chores minha Querida(1993)Lisboa, Editorial CaminhoEnsaio"A poesia de Cecíla Meireles" (1956), Cidade Nova, 4ª série, nº6, Novembro 1956Cecília Meireles (1958), in Cidade NovaPoesia e Realidade (1960), in Colóquio, nº 8"Hölderlin ou o lugar do poeta" (1967), Jornal de Comércio, 30de Dez. 1967.O Nu na Antiguidade Clássica (1975), in O Nu e a Arte, EstúdiosCor, (2ª ed., Lisboa, Portugália; 3ªed. [revista], Lisboa, Caminho,1992)
    • "Torga, os homens e a terra" (1976), Boletim da Secretaria deEstado da Cultura, Dezembro 1976"Luís de Camões. Ensombramentos e Descobrimentos" (1980),Cadernos de Literatura, nº 5"A escrita (poesia)" (1982/1984), Estudos Italianos em Portugal,nº 45/47[editar] Tradução por Sofia de Melo Breyner AndresenA Anunciação de Maria (Paul Claudel) – 1960, Lisboa, EditorialAsterO Purgatório (Dante) – 1962, Lisboa, Minotauro "A Hera", "A última noite faz-se estrela e noite" (Vasko Popa);"Às cinzas", "Canto LI", "Canto LXVI" (Pierre Emmanuel);"imagens morrendo no gesto da", "Gosto de te encontrar nascidades estrangeiras" (Edouard Maunick), O Tempo e o Modo, nº22 - 1964Muito Barulho por Nada (William Shakespeare) - 1964Medeia (Eurípedes) - 1964Hamlet (William Shakespeare) – 1965 "Os reis Magos", tradução de um poema do Eré Frene, Colóquio- Revista de Artes e Letras, nº 43, 1967.QuatrePoètesPortugais (Camões, Cesário Verde, Mário de Sá-Carneiro, Fernando Pessoa) – 1970A Vida Quotidiana no Tempo de Homero, de Émile Mireaux,Lisboa, Livros do Brasil, s.d. [1979]Ser Feliz, de LeifKristianson, Lisboa, Presença, 1980
    • Um Amigo, de LeifKristianson, Lisboa, Presença, 1981PrémiosMedeia, de Eurípedes (inédito) [199]1964 - Grande Prémio de Poesia da Sociedade Portuguesa deEscritores, atribuído a Livro Sexto.1977 - Prémio Teixeira de Pascoaes1979 – Medalha de Verneil da Societé de Encouragement auProgrés, de França1980 – Ordem Militar de Sant’Iago de Espada 1983 - Prémio da Crítica, do Centro Português da AssociaçãoInternacional de Críticos Literários, pelo conjunto da sua obra1989 - Prémio D. Dinis, da Fundação da Casa de Mateus1990 - Grande Prémio de Poesia Inasset / Inapa1992 - Grande Prémio Calouste Gulbenkian de Literatura paraCrianças1994 - Prémio cinquenta anos de Vida Literária, da AssociaçãoPortuguesa de Escritores1995 - Prémio Petrarca1995 – Homenagem de Faculdade de Teologia da UniversidadeCatólica de Lisboa, pelo cinquentenário da publicação doprimeiro livro "Poesia"1995 - Outubro – Placa de Honra do Prémio Fransesco Petrarca,Pádua, Itália1996 - Homenageada do "Carrefour desLittératures", na IVPrimavera Portuguesa de Bordéus e da Aquitânia
    • 1998 - Prémio da Fundação Luís Miguel Nava1999 - Prémio Camões (primeira mulher portuguesa a recebê-lo)2000 - Prémio Rosalia de Castro, do Pen Clube Galego2001 - Prémio Max Jacob Étranger2003 - Prémio Rainha Sofia de Poesia Ibero-americana.http://pt.wikipedia.org/wiki/Sofia_de_Melo_Breyner/detail/id/652http//www.wook.pt/authorshttp://www.ecolenet.nl/tellme/poesia/sophia.htm