Os Lusíadas canto II

14,961 views
14,372 views

Published on

0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
14,961
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
13
Actions
Shares
0
Downloads
143
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Os Lusíadas canto II

  1. 1. OS LUSÍADAS Luís Vaz de Camões CANTO II
  2. 2. Luís de Camões
  3. 3. RESUMO DA OBRA: <ul><li>Antes de desembarcar em Mombaça,Vasco recebe falsas promessas de amizade e hospitalidade enviada por mensageiros muçulmanos,mas diz que não vai entrar no canal desconhecido,por julgá-lo perigoso à noite.Vasco,para tentar verificar a sinceridade dos nativos,escolhe dois degredados para enviar presentes ao rei. Em terra os enviados avistam Baco,que armava uma cilada para eles: </li></ul>
  4. 4. ESTROFE: <ul><li>Na terra cautamente aparelhavam </li></ul><ul><li>armas e munições,que,como vissem </li></ul><ul><li>que no rio os navios ancoravam, </li></ul><ul><li>neles ousadamente se subissem; </li></ul><ul><li>e nesta treição determinavam </li></ul><ul><li>que os de luso de todo destruíssem, </li></ul><ul><li>e que,incautos,passagem deste jeito </li></ul><ul><li>o mal que em Moçambique tinham feito. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Baco estava disfarçado de Monge, ajoelhado diante de um altar Cristão. Vasco da gama convencido de que naquela terra havia gente cristã,Vasco prepara-se para comandar a entrada da esquadra, quando Vênus,ajudada pelas nereidas , bloqueia a passagem das naus, forçando-as contra um rochedo. </li></ul>
  6. 6. ESTROFE: <ul><li>Convoca as alvas filhas de Nereu , </li></ul><ul><li>com toda a mais cerúlea companhia, </li></ul><ul><li>que,porque no salgado mar nasceu, </li></ul><ul><li>das águas o poder e obedecia. </li></ul><ul><li>E, propondo-lhe a causa a que desceu, </li></ul><ul><li>com todas juntamente se partia, </li></ul><ul><li>pera estorvar que a armada não chegasse </li></ul><ul><li>aonde pera sempre se acabasse. </li></ul>
  7. 7. ESTROFE: <ul><li>Já na água erguendo vão,com grande pressa, </li></ul><ul><li>com as argênteas caudas,branca escuma; </li></ul><ul><li>Cloto co’o peito corta e atravessa </li></ul><ul><li>com mais furor o mar do que costuma. </li></ul><ul><li>Salta Nise,Nerine se arremessa, </li></ul><ul><li>por cima da água crespa,em força suma. </li></ul><ul><li>Abrem caminho as ondas encurvadas, </li></ul><ul><li>de temor das nereidas apressadas. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Quando o capitão dá-se conta do que aconteceu, e do grande perigo de que se livrou, acha tudo um “milagre claríssimo e evidente”. Pede ajuda aos deuses;Vênus e mercúrio o ajudam a fugir do canal de mombaça e a chegar a melinde. </li></ul><ul><li>Depois de, mais uma vez, ivrar os portugueses das armadilhas de Baco, Vênus vai se queixar com júpiter,pedindo-lhe que os proteja: </li></ul>
  9. 9. ESTROFE: <ul><li>Este povo,que é meu,por quem derramo </li></ul><ul><li>as lágrimas que em vão caídas vejo, </li></ul><ul><li>que assaz de mal lhe quero,pois que o amo </li></ul><ul><li>Sendo tu tanto contra meu desejo, </li></ul><ul><li>por ele a ti rogando,choro e bramo, </li></ul><ul><li>e contra minha dita,enfim,pelejo. </li></ul><ul><li>Ora pois,porque o amo,é maltratado, </li></ul><ul><li>quero lhe querer mal:será guardado. </li></ul>
  10. 10. <ul><li>Júpiter promete atender ao pedido e envia mercúrio à terra, primeiro para inspirar Vasco da gama quanto ao caminho a seguir, depois para preparar uma recepção favorável na próxima escala, Melinde. Ao chegar, a esquadra é recebida com festas. </li></ul><ul><li>o rei de Melinde pede a Vasco que lhe fale dos feitos lusitanos. </li></ul>
  11. 11. ESTROFE: <ul><li>“ mas antes,valeroso capitão, </li></ul><ul><li>nos conta,lhe dizia,diligente, </li></ul><ul><li>da terra tua o clima e região </li></ul><ul><li>do mundo onde morais,distintamente; </li></ul><ul><li>e assim de vossa antiga geração, </li></ul><ul><li>e o princípio do reino tão potente, </li></ul><ul><li>co’os sucessos das guerras do começo, </li></ul><ul><li>que,sem sabê-las,sei que são de preço. </li></ul><ul><li>E Vasco da Gama apresenta-se ao rei de Melinde. </li></ul>
  12. 12. PERSONAGENS <ul><li>VASCO DA GAMA : capitão dos lusíadas </li></ul><ul><li>CLOTO : parca. (Parcas são divindades infernais, responsáveis pelo destino dos humanos) </li></ul><ul><li>CAPITAINA : a nau-chefe </li></ul><ul><li>Dione : outro nome dado a Vênus. </li></ul><ul><li>Nerine : nereidas provavelmente personagem inventada por Camões. </li></ul>
  13. 13. <ul><li>Júpiter : deus que domina o Olimpo. </li></ul><ul><li>Vênus :é a deusa do amor,filha e amante de Júpiter é a grande defensora dos lusitanos no Olimpo. </li></ul><ul><li>Baco :é o deus do vinho;estava contra a viagem de Vasco da Gama . </li></ul><ul><li>Nereu : são as nereidas,ninfas marinhas. </li></ul>
  14. 14. TEMPO <ul><li>Cronológico </li></ul><ul><li>“ [...]Do novo sol, da fria aurora trazem </li></ul><ul><li>o vento dorme, o mar e as ondas jazem. </li></ul>
  15. 15. ESPAÇO <ul><li>Canto II </li></ul><ul><li>. A viagem de Mombaça até Melinde, nessa trajetória em alto mar. </li></ul>

×