A Cidade e as Serras   3ª D- 2011
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

A Cidade e as Serras 3ª D- 2011

on

  • 5,048 views

 

Statistics

Views

Total Views
5,048
Views on SlideShare
4,945
Embed Views
103

Actions

Likes
2
Downloads
61
Comments
0

2 Embeds 103

http://3serieirenedias.blogspot.com.br 70
http://3serieirenedias.blogspot.com 33

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

A Cidade e as Serras   3ª D- 2011 A Cidade e as Serras 3ª D- 2011 Presentation Transcript

  • IRENE DIAS RIBEIRO
    • EÇA DE QUEIRÓS
    • Ana Carolina Mota de Lima
    • Regiane C. Baricali
    • 3º D - 2011
  • BIOGRAFIA
    • José Maria Eça de Queiroz.
    • Seu nome muitas vezes foi de forma equivocada , grafado como Eça de Queiroz.
    • Nasceu na cidade de Póvoa de Varzim, no dia 25 de novembro de 1845.
    • Diplomata e escritor, considerado um dos maiores escritores de todos os tempos.
  • BIOGRAFIA
    • Abordava em sua obras diversos temas, mas tinhas características comuns em seus romances como: pessimismo, ironia, humor e temas cotidianos.
    • Morreu em Paris na França, no dia 16 de Agosto de 1900
    • Seu funeral foi feito em Lisboa no dia 17 de Agosto do mesmo ano.
  • BIOGRAFIA
    • A Cidade e as Serras
    • A Ilustre Casa de Ramires
    • A Relíquia
    • A Tragédia da Rua das Flores
    • As Farpas
    • Contos de Prosas Bárbaras
    • O Crime do Padre Amaro
    • O Mandarim
    • O Mistério da Estrada de Sintra
    • O Primo Basílio
    • Os Maias
    • Uma Campanha Alegre
  • ANÁLISE DA OBRA
    • O romance a cidade e as serras foi desenvolvido a partir da idéia central contida no conto civilização.
    • É um romance denso, belo, e ao longo da obra o autor ironiza ferrenhamente os males da civilização, fazendo elogios aos valores da natureza.
  • RESUMO
    • Nesta obra o autor conta a história de JACINTO TORRES, um ferrenho adepto do progresso e da civilização, repleto de comodidades provenientes do progresso tecnológico pelo mundo natural, selvagem, primitivo e pouco confortável. No sentido de caracterizar a vida urbana moderna, mas só encontra a felicidade mudando radicalmente de opinião.
  • RESUMO
    • A obra preconiza uma relação entre as elites e as classes subalternas, que promovem estas socialmente.
    • Que Jacinto ao reformar a sua propriedade no campo e melhorar as condições de vida dos trabalhadores rurais,.
    • Jacinto Torres representa a elite portuguesa, e a obra critica-lhe o estilo de vida afrancesado e desprovido de autenticidade, que enaltece o progresso urbano e industrial e desenraiza o solo e a cultura do país.
  • RESUMO
    • Na obra não se confunde o elogio da mesmice e da mediocridade da vida da vida campestre de Portugal. Muito pelo contrário ele retrata o espírito Lusitano, em seu caráter ativo e trabalhador. O protagonista procura o equilíbrio que vem da racionalização e da modernização da vida no campo.
    • Jacinto sente uni irresistível ímpeto empreendedor, que luta incansavelmente contra a resistência dos empregados ao trabalho.
  • RESUMO
    • Concluindo, Jacinto Torres, ao buscar a felicidade, empreendeu uma viajem que se reencontrou consigo mesmo e com seu país.
    • Essa viajem abarca a pátria portuguesa e se reveste de uma significação particular, pode ser lida como um processo de auto-conhecimento: um novo Portugal e um novo português se percebem nas serras que querem utilizam da cidade o necessário para se civilizarem sem se corromperem .
  • PERSONAGENS
    • Jacinto Torres : é chamado pelo narrador de Príncipe da Grã-Ventura, nasceu e foi criado em Paris, é filho de uma família de Fidalgos Portugueses. Odeia a vida no campo, mas acaba mudando de idéia quando vais a Portugal promover o translado dos ossos dos avós .
    • José Fernandes : é um homem rústico nascido na serra, não se deixa contaminar pelas idéias do amigo, mas aproveita-se do luxo e do conforto cultivados por ele.
  • PERSONAGENS
    • Joaninha : moça simples e boa, nascida na serra. É prima de José Fernandes. E Jacinto se casa com ela.
    • Tia Vicência : tia de José Fernandes, é uma senhora simples, boa e religiosa. Sua excelência na cozinha não agrada só o sobrinho mas também Jacinto.
  • PERSONAGENS
    • Grilo : criado de Jacinto, desde que era menino, aceitava todas as decisões do patrão sem reclamar. Simples e ignorante, mas sempre consegue definir os estados de alma de Jacinto.
    • Outros personagens de Paris : Madame de Oriol, Madame de Trèves, Grão-Duque Casimiro, Efraim, etc.
    • Outros personagens da serra : D. Teotônio Silvério, Melchior, Ana Vaqueira, Ricardo Veloso, Dr. Alípio , Melo Rebelo, Gertrudes, tio Adrião, etc.
  • TEMPO
    • O tempo é CRONOLÓGICO , estabelecido num período de 1866, momento em que Jacinto e José Fernandes se conhecem em Paris.
    • E 1899, aproximadamente quando José Fernandes retorna a Tormes depois de um passeio a Paris.
  • ESPAÇO
    • A narrativa apresenta dois espaços principais, que são Paris e Portugal ( Tormes)
    • O primeiro espaço é nitidamente urbano, e representa a visão de Jacinto de que a suprema felicidade só pode nascer no máximo de cultura e de progresso.
    • O segundo espaço inicialmente considerado de forma negativa, revela para o protagonista o lugar ideal, onde há simplicidade no modo de vida e aliada a pessoas verdadeiramente bondosas e compreensivas.
  • FOCO NARRATIVO
    • É escrito em 1ª pessoa, e como na maioria das obras de Eça de Queiroz há um narrador-personagem José Fernandes, amigo do protagonista Jacinto ,desde os tempos de escola, e conta com admiração a história do amigo a quem chama-o de Príncipe da Grã-Ventura.
  • ESTILO
    • A prosa de Eça de Queirós reflete a sua forma de pensar e exprime facilmente o seu modo de ver o mundo e a vida. Este soube explorar, a partir de um vocabulário simples, a força evocativa das palavras com o uso de sentidos conotativos e relações combinatórias. Através de processos como: o ritmo da narração, a descrição, o diálogo, monólogos interiores e comentários, Eça conseguiu imprimir nas suas palavras um verdadeiro encanto.
  • VEROSSIMILHANÇA
    • A Cidade e as Serras , acredita-se na vida simples e rústica, libertando o bucolismo, valorizando os seres simples, a distância da civilização, a pureza da vida campestre na mais sincera contaminação romântica. Volta-se para a descrição das paisagens mais familiares que costumava ver na infância, o primitivo e o apego histórico.
  • MOVIMENTO LITERÁRIO
    • Pertence ao Realismo e Naturalismo de Portugal, as caracteristicas presentes na obra são: objetivismo (vê o mundo como ele é), descritivismo (dá voracidade á obra), casamento arranjado, ironia (em relação ao comportamento humano), observação e análise (fatos presentes), contemporaneidade (exatidão para localizar o tempo e o espaço).
  • CONCLUSÃO
    • Neste romance, o autor se dedica a mostrar a futilidade reinante em Paris e a satirizar as idéias positivas que deslumbravam a juventude intelectual da época, que desprezavam as suas raízes e deixavam-se levar pelas tecnologias.
  • FONTES
    • http://www.sosestudante.com/resumos-a/a-cidade-e-as-serras-2.html
    • http://www.sorocaba.unesp.br/cursinho/Resumos/a_cidade_e_as_serras.pdf