Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
Religião do Egipto
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Religião do Egipto

  • 2,043 views
Published

A religião egípcia é politeista e ao serviço da eternidade.

A religião egípcia é politeista e ao serviço da eternidade.

Published in Education , Technology
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
2,043
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
71
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Segundo os egípcios, no início existia Num: deus do caos primordial, Num também foi tido como a água primordial da qual os deuses, terra e humanos foram criados.
  • 2. Gheb é o marido de Nut, a deusa do céu e que representa o céu, uma imagem espelho das águas do mar.
  • 3. Nut: a deusa-céu esposa de Gheb, o deus- terra. É representada como uma mulher, de corpo curvado coberto de estrelas. É filha de Shu e Tefnet.
  • 4. AMON-RÉ OU RÁ Ré é o deus do Sol criador do mundo. Amon é o seu duplo. A partir do império Novo os dois nomes são associados.
  • 5. Khnum Criou os Homens no seu torno de oleiro.
  • 6. Anúbis Chacal ou homem com cabeça de chacal. Ajudou Ísis a embalsamar Osíris. Anúbis recebe os mortos preside ao seu embalsamamento e conduz a sua alma até ao tribunal de Osíris
  • 7. Hórus Hórus único filho de Osíris e de Ísis é representado como um homem com cabeça de falcão ou mesmo uo mesmo um falcão. O seu olho é considerado simbolo de protecção.
  • 8. Tot Divindade com cabeça de Íbis, inventou a escrita e é o deus da sabedoria dos escribas e da Lua.
  • 9. Ísis Esposa e irmã de Osíris, ressuscitou-o com a ajuda de Hórus. É a deusa mágica, é também uma mãe atenta e carinhosa.
  • 10. Hator É a deusa da música, do amor e da fertilidade
  • 11. Ptah É o deus dos artesão e dos ourives.
  • 12. Sekhmet Deusa-leão adorada na região de Mênfis; a esposa de Ptah, leva a destruição aos inimigos de Rá. Sekhmet é descrita como uma mulher com a cabeça de leão que usa um disco do Sol e um uraeus (naja). O seu nome significa "ela que é poderosa", e como tal, ela personifica os aspectos agressivos de deidades fêmeas.
  • 13. Aton Deus do disco solar, adorado como o grande deus criado pelo faraó Akhenatom, que chegou a impor o seu único culto.
  • 14. CULTO AOS DEUSES Todos os dias, o sumo sacerdote do templo, penetra no santuário e desperta o deus. Ajoelha , recita as orações e apresenta a refeição preparada em honra do deus: carne; fritos; pão; vinho e cerveja. Depois lava e muda a roupa da estátua. Apresenta, também a estatueta da deusa Maet, deusa da sabedoria, para que o deus garanta a ordem do mundo.
  • 15. Festas – alturas em que os deuses são apresentados aos homens em procissão Festas de Amón –Ré em Tebas
  • 16. A religião egípcia era politeísta, o que quer dizer que os egípcios adoravam vários deuses. Estes eram muitas vezes representados sobre a forma de animais, pessoas ou animais e pessoas.
  • 17. Os egípcios acreditavam em mitos como o de Osíris, rei que, segundo eles, ensinou aos Homens a agricultura. O irmão Set, invejoso, decide, então , fabricar uma arca com as medidas de Osíris e convida-o para um banquete.
  • 18. Aí, Set declara que oferecerá a arca àquele cujo o corpo nela couber. O único a caber, foi ,naturalmente, Osíris.
  • 19. Mal ele entrou na arca, Set atirou-a ao Nilo.
  • 20. Ísis, desesperada procurou o corpo de Osíris
  • 21. Set tinha cortado em bocados o corpo de Osíris
  • 22. Reuniu-os com a ajuda de Horús e juntamente com Anúbis tentou dar-lhe vida, em vão.
  • 23. Desde então, Osíris passou a governar no Reino dos Mortos.
  • 24. Hórus, em adulto tenta vingar-se de Set, que se tornara Rei do Egipto. No combate contra Set perde um olho, mas a sua mãe Ísis, com artes mágicas, ajuda-o a reaver os seus olhos. O olho de Hórus, a partir daí, passa a constituir um amuleto.
  • 25. A CRENÇA NA IMORTALIDADE
  • 26. • O papiro de Nevolem relata o transporte da alma até Osíris: um barco levaria o sarcófago negro, que continha a múmia do defunto, e os canopos; Ísis seguia à frente e Néftis aos pés da múmia, ambas vestidas de vermelho. Após Anúbis receber o sarcófago, a alma ergue-se e começa a adorar os quatro génios do Oriente, as aves sagradas de Amon.
  • 27. Intestino Estômago Pulmões Fígado
  • 28. • A alma é denominada de ba, representado como um falcão. Devido ao facto de poder deslocar-se, o ba levava ao ka a energia que se encontrava nas oferendas.
  • 29. O morto deve ser conservado, embalsamado e mumificado, para chegar aos reinos dos mortos ou reino de Osirís intacto.
  • 30. O ba , no momento da morte viajava até ao reino de Osíris para ser julgado. Numa balança era posta, num lado a alma do morto e no outro a pena de avestruz que simboliza Maet, a justiça. Se a alma fosse mais leve do que a pena significava que o indivíduo merecia viver internamente. Se não, seria devorada por um monstro.
  • 31. O morto deve ser conservado , embalsamado e mumificado, para, depois de ser julgado , poder reencarnar no corpo que o tinha animado em vida.
  • 32. A arte egípcia era monumental e de grande beleza e está ligada à religião, ou seja, ao culto dos deuses e dos mortos.
  • 33. Arquitectura A crença na imortalidade levou os egípcios a construírem imponentes túmulos; o facto de adorarem vários deuses fê-los construir grandes templos.
  • 34. Túmulos Os primeiros foram escavados no solo e protegidos por uma construção de tijolos de terra seca :a mastaba. Esta elevava-se por cima da câmara funerária, decorada com cenas da vida do defunto, na qual ficava a urna do faraó ou de um grande senhor.
  • 35. O arquitecto Imotep , em 2650 a.C construiu uma pirâmide em pedra para o Faraó de Djoser. Era uma sobreposição de mastabas, ou pirâmide de degraus.
  • 36. As pirâmides mais célebres ficam, no planalto de Guiza : Khufu (Quéops), a do seu filho Khafré (Quéfren) e a do seu neto Menkaur (Miquerinos). Junto desta pirâmide localiza- se a grande esfinge, talhada na rocha.
  • 37. A esfinge de Gizé fica neste complexo. É a maior de todas do Egipto. Tem 73 metros de comprimento e 20 de altura. Foi talhada directamente na rocha, no reinado de Khafré. O seu rosto tem os traços do faraó, toucado com menés e simboliza a força e a potência. Guarda a entrada da
  • 38. • A zona funerária compõe-se , também, de pequenas pirâmides que guardam os restos mortais das esposas dos faraós. Possui, também, mastabas que guardam as múmias dos nobres e dos grandes sacerdotes.
  • 39. As pirâmides eram sempre construídas na margem esquerda do Nilo e geralmente perto deste para facilitar o transporte dos materiais. Os arquitectos, os sacerdotes, astrónomos e geómetras, delimitavam o local propício que os operários iriam aplanar.
  • 40. HIPOGEUS – Túmulos escavados na rocha
  • 41. Templo mortuário da rainha Hatshepsut, em Deir el-Bahari – Associa um pilão e um pátio a um santuário escavado na falésia
  • 42. O Hipogeu de de Tutankhamon, descoberto em 1922, foi encontrado praticamente intacto. No seu interior encontravam-se jóias valiosas, material de escrita, instrumentos musicais, roupas e muitas mais coisas.
  • 43. A múmia estava encerrada em vários sarcófagos, uns dentro dos outros. O último era de ouro maciço, pesando 110 quilos. O rosto de Tutankhamon estava coberto com uma lindíssima máscara de ouro, pasta de vidro e lápis-lazúli.
  • 44. TEMPLOS
  • 45. O templo de Luxor é constituído por gigantescas colunas, tem à entrada duas grandiosas estátuas de Ramsés II.
  • 46. Esquema de um templo. Este inclui um lago.
  • 47. Templo de Ramsés II em Abu Simbel
  • 48. Como o Templo ia ser submerso com a construção da barragem de Assuão foi cortado ( tinha sido construído na pedra do lugar) e reconstruído mais longe do rio.
  • 49. ESCULTURA
  • 50. Toda a escultura egípcia obedece à lei da frontalidade
  • 51. O BAIXO RELEVO A arte egípcia emprega o baixo relevo normal no qual se escava o fundo à volta das figuras e o baixo relevo escavado. Os egípcios observaram que num país, onde a luminosidade é intensa os pormenores do baixo relevo normal sobressaíam mal.
  • 52. • Ptolomeu entre duas deusas • Setoiu I e Hórus (baixo relevo escavado de Abydos)
  • 53. PINTURA
  • 54. Grande parte da pintura egípcia encontra-se nas paredes dos túmulos. Representam aspectos da vida quotidiana ou cenas religiosas Obedece a regras fixas: a cabeça , as pernas e os pés aparecem de perfil; o olho e o tronco de frente – é a lei da frontalidade.
  • 55. AS ARTES DECORATIVAS Fundidores
  • 56. Nas artes decorativas destaca-se o trabalho de ourivesaria, como comprovam as inúmeras peças encontradas nos túmulos.
  • 57. DIVERSÕES Música e dança
  • 58. Gostavam, também de jogos de tabuleiro, como o Senet.
  • 59. CIÊNCIA MEDICINA Os Egípcios elaboraram listas de remédios, formando a primeira farmacopeia conhecida.
  • 60. Trataram doenças de abdómen, da bexiga, do recto, dos olhos e da pele, cabelo, unhas e língua, tuberculose, cálculos biliares, apendicites, gota, artrites e fizeram algumas cirurgias.
  • 61. Usavam amuletos quer contra o mal que os podia afligir em vida, quer para os proteger na sua viagem para o além.
  • 62. Literatura • A literatura egípcia desenvolveu-se nos diversos géneros. • Nas obras religiosas, destaca-se o "Hino ao Sol", de Amenófis IV e o famoso "Livro dos Mortos".
  • 63. Uns dos mais belos poemas da literatura egípcia foi redigido e criado por Akhenaton, em honra ao Deus-Sol, Aton.
  • 64. ESCRITA Hieróglifos - um sistema de escrita complexo, pictográfico, ou seja, baseiam-se em imagens; ideográfico (representavam ideias) e fonético (representavam sons) e sílabas. Existem cerca de 6 mil hieróglifos conhecidos.
  • 65. Além da escrita hieroglífica, os Egípcios, também usaram a escrita hierática, nos documentos oficiais e a demótica, uma forma mais simples, baseada em abreviaturas. Escreviam sobre papiro ou pedaços de argila.
  • 66. Matemática Para construir as pirâmides, certamente, os egípcios tiveram que desenvolver a representação da quantidade de objectos de uma colecção através de desenhos - os símbolos.
  • 67. O sistema de numeração egípcio baseava-se em sete números-chave: 1 - 10 – 100 – 1000 – 10000 – 100000 – 1000000.
  • 68. Inventaram a régua, tomando como unidade , a medida do comprimento de um antebraço. Esta unidade chamava-se côvado. Existiam dois côvados: o real (50cm e o pequeno ( 45cm). O côvado dividia-se em unidades mais pequenas: os palmos e os dedos.
  • 69. Inventaram o valor de como sendo de 3,16. Só mais tarde os romanos o mudaram para 3,14.
  • 70. Calcularam áreas; resolveram problemas com fracções.
  • 71. Organizaram um calendário solar com 365. O ano começa a 19 de Julho. Está dividido em 12 meses de trinta dias, ou seja 360 dias. Os cinco últimos dias são consagrados a Osíris, Hórus, Set; Ísis e Néftis.
  • 72. ASTRONOMIA Identificaram a posição dos astros e o seu movimento. Descobriram um grande número de estrelas, como a polar e constelações de estrelas, como a Ursa Menor e Maior. Descobriram os planetas visíveis sem luneta como : Mercúrio; Vénus; Marte; Júpiter e Saturno. • Interrogaram-se sobre os eclipses do Sol e da Lua.
  • 73. OUTRAS INVENÇÕES
  • 74. Bibliografia: • A Mitologia, Descoberta do mundo em imagem, Fleurus • Ângela Mc Donald ( consultora), Caçadores de Tesouros, Texto, • Antigo Egipto, Descoberta do mundo em imagem, Fleurus • Atlas das Civilizações Antigas; Civilização • Aude Gros de Beler, A Mitologia Egípcia, Gama Editora • Egiptologia, Editorial Caminho, Lisvoa 2001 • Émille Beaumont, O Antigo Egipto, Fleurus
  • 75. • Fiona Macdonald, Antigos Egípcios, Mãos na História,Juvenil Universal • John Malam, Indiana Jones explora … O Antigo Egipto, Campo das Letras • Henry Martin (dir), L´art Égiptien, Flammarion • História 7, Texto Editora • Sinais da História 7, Ed. Asa • O Egipto em 200 perguntas, Larrousse 2006 • khanelkhalili.com.br • www.suapesquisa.com/egito/
  • 76. TRABALHO REALIZADO POR: • Diogo Trindade, nº 10 • José Pedro Moreira, nº 16