ANTIGO REGIME    ABSOLUTISMOE   MERCANTILISMO        NUMA    SOCIEDADE DE      ORDENS
O OURO DO BRASIL CONDUZIU AO     FRACASSO DAS MEDIDASMERCANTILISTAS CONTRA A CRISE DE       FINAIS DO SÉC.   XVII.        ...
ANTIGO REGIME                                  NÍVELNÍVEL POLÍTICO                                    NÍVEL SOCIAL     NÍV...
COMO ERA A VIDA      ECONÓMICANO   ANTIGO REGIME?
PREDOMINÂNCIA DA AGRICULTURA                   Caderno de atividades, página 27
•   Predomínio da economia rural: agricultura de subsistência; a    propriedade pertencia quase exclusivamente ao clero e ...
Terreiro do Paço no fim do Séc. XVIIDirk Stoop, Londres, 1662.
A IMPORTÂNCIA DO TRÁFICO COMERCIAL                                                                      Especiarias (canel...
“O que sabemos é que, por meados do século XVII, a economia portuguesaatravessava uma conjuntura difícil. Em parte, essa s...
“O que sabemos é que, por meados do século XVII, a economia portuguesaatravessava uma conjuntura difícil. Em parte, essa s...
Em 1668-1670, a economia portuguesa entrou em crise       Evolução dos preços em réis do açúcar e                     do t...
QUE MEDIDAS FORAMTOMADAS PARA COMBATER A CRISE COMERCIAL DEFINAIS DO SÉCULO   XVII?
“Creio que facilmente se estará de acordo                                    sobre este princípio de que apenas a         ...
MERCANTILISMOPARA CONCRETIZAR ESTA TEORIA ERANECESSÁRIO APLICAR UM CONJUNTO  Exportações                                  ...
Uma manufatura têxtil
O MERCANTILISMO EM PORTUGAL                                 DOC. 4, PÁG. 103                                              ...
Dom Pedro, por Graça de Deus, Príncipe de                                 Portugal e dosAS                                ...
DE QUE MODO SE EXPLICA A FALÊNCIA DAS PRIMEIRASMEDIDAS MERCANTILISTAS?
O TRATADO DE METHUEN (ler doc. 6, pág. 103)                                                                  Comérciode vi...
A CHEGADA DO OURO DO BRASIL        A FEBRE DO OURO ouro do Brasil    Descarregamentos de BRASILEIROA sede insaciável do(kg...
O OURO DO BRASIL CONDUZIU AO     FRACASSO DAS MEDIDASMERCANTILISTAS CONTRA A CRISE DE       FINAIS DO SÉC.   XVII.        ...
Foi utilizado:- para pagar a dívida externa.- Para financiar um nível de vida faustoso e paracunhar moeda sem restrições.-...
Mercantilismo
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Mercantilismo

9,739

Published on

Published in: Education
0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
9,739
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
238
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

No notes for slide
  • NO FINAL DO SÉCULO XVI INICIOU-SE UM PERÍODO HISTÓRICO QUE APRESENTAVA CARACTERISTICAS MUITO PARTICULARES. Em França vigorou atá à revolução francesa, e em Portugal até às revoluções liberais (1820). (sistema ou regime socio-económico e político) vigorou em quase toda a Europa Ocidental e central, com exceção da Holanda e Inglaterra. Nestes países a sociedade estava dominada por uma burguesia capitalista e uma nobreza igualmente interessada nos negócios, não estando sujeita ao regime de privilégios e ao absolutismo régio que caracterizava o antigo regime.
  • Contrariamente a uma certa estagnação do mundo rural, a vida urbana conheceu alguma prosperidade económica. As atividades mercantis concentravam-se essencialmente nas grandes cidades portuárias e apenas abrangiam um setor restrito da população. O desenvolvimento do comércio colonial esteve na base do dinamismo urbano.Terreiro do Paço no século XVIIEsta obra constitui uma vista da principal praça e documenta a sociedade Lisboeta de seiscentos. Destacam-se crianças, cavaleiros, fidalgos, alguns acompanhados de criados ou moços militares, homens do clero e diversos tipos populares: negros, criadas e vendedoras. Junto do chafariz de Apolo, no centro do quadro, alguns aguadeiros enchem as bilhas enquanto outros se envolvem numa rixa. Perto do rio, carregadores entregam-se a trabalhos relacionados com a actividade marítima. Um coche, transportando supostamente D. João IV, atravessa a cena dirigindo-se ao palácio. Ao fundo uma parada militar saúda a chegada do monarca.
  • Apesar da agricultura constituir a atividade dominante, o setor económico mais lucrativo e dinâmico era, sem dúvida, o mercantil. O comércio português centrava-se essencialmente nos tráficos ultramarinos. Como todas as potências coloniais da época, Portugal exercia sobre os seus domínioso direito do exclusivo comercial, o que significava que só navios nacionais podiam podiam fazer comércio com os territórios ultramarinos. O tráfico de escravos e a economia açucareira constituíam os elementos fundamentais do comércio triangular português do séc. XVII. Assim, Os mercadores portugueses traziam especiarias, açúcar, tabaco e outros produtos coloniais para os portos da metrópole, donde eram depois exportados, na sua maior parte, para os países europeus. Igualmente se exportavam outros produtos metropolitanos, como o sal, azeite, frutas e, sobretudo, vinho. Assim, o século XVII, o atlântico tornou-se a princiapal área económica portuguesa, suplantando a custosa e longa rota do cabo para o índico.mais de dois terços dessa burguesia mercantil era formada por cristão-novos que se encontravam ameaçados pela Iquisição e no final do século assistimos ao seu declíneo
  • Assim, Com uma agricultura pouco produtiva e desprovido de indústria, a economia portuguesa até meados do séc. XVII dependia fundamentalmente do sal e da venda das mercadorias coloniais para compensar o grande volume de compras que fazia ao estrangeiro: cereais, produtos manufaturados, etc. Contudo, devido à concorrência de ouras potências coloniais, a venda desses produtos baixou. Em 1668-1670, a economia portuguesa entrou em crise. Ora, a partir de 1650, o preço do açúcar brasileiro nos mercados europeus começou a baixar, entrando em franco declíneo na década de 70, devido, principalmente, a concorrência do açúcar produzido nas Antilhas (pressão da concorrência holandesa e inglesa). Os produtos coloniais brasileiros (açúcar e tabaco) acumulavam-se em Lisboa por falta de compradores e o sal português, devido à diminuição da vinda de barcos estrangeiros, vendia-se em menor quantidade.Por outro lado, como a moda europeia se tinha espalhado no país, aumentou a importação de seda e outros produtos de luxo. Assim, a balança comercial era altamente desfavorável (apresentar balança): os rendimentos do estado eram reduzidos e, em contrapartida, as despesas eram bastante elevadas.Face a esta situação, os governantes portugueses começaram a encarar uma nova solução: desenvolverem a produção interna do País e vários políticos e economistas portugueses defenderam a aplicação, entre nós, das ideias mercantilistas, já em voga em alguns países europeus.
  • Com efeito, Nos séculos XVII e XVIII imperava em quase tds os países da europa uma política económica que se designa por mercantilismoO modelo mais característico de mercantilismo foi o aplicado em França por ColbertMercantilismo DOUTRINA ECONÓMICA PROTECCIONISTAQUE DEFENDIA A IDEIA DE QUE A RIQUEZA DE UM PAÍS DEPENDIA DA QUANTIDADE DE METAL PRECIOSO QUE A COROA RETINHA NOS SEUS COFRES. COM ESTA TEORIA ECONÓMICA PRETENDIA-SE ASSEGURAR UMA BALANÇA COMERCIAL FAVORÁVEL > EXPORTAÇÕES< DAS IMPORTAÇÕESColbert, ministro do rei Luís XIV
  • A partir da análise do texto inferir alguns dos princípios mercantilistas: consideravam que a riqueza de um Estado residia na quantidade de metais preciosos de que dispunha e que a melhor forma de os obter era através das trocas comerciais com o exterior. Por isso,
  • o primeiro objetivo da política mercantilista era conseguir que as exportações do país excedessem as importações ou, por outras palavras, conseguir um saldo positivo da alança comercial. Entraria assim mais dinheiro no país através das vendas ao estrangeiro do que aquele que saía através das compras.Para isso, os governantes podiam adotar vários tipos de medidas... O mercantilismo era, pois, uma forma de protecionismo económico – o estado intervinha na economia, regulando e protegendo quer a produção quer o comércio – e era simultaneamente uma forma de nacionalismo económico, visto que cada estado defendia intransigentemente os interesses do próprio país contra os das nações rivais.
  • Colbert resolveu promover a industrialização, não só para evitar as importações como para poder exportar em larga escala. Criou ou protegeu manufaturas e concedeu-lhes o monopólio de fabrico de certos produtos e isenções de impostos; contratou técnicos estrangeiros; tabelou os salários e aumentou as taxas alfandegárias sobre a importação de produtos estrangeiros que lhes pudessem fazer concorrência. Instituiram-se, além disso, grandes companhia de comércio monopolistas, o que permitiu a Colbert fortalecer o poder económico da França.
  • As ideias mercantilistas chegaram a Portugal depois da Restauração. A prolongada guerra com Espanha empobrecera a economia nacional e o comércio colonial sofria a pressão da concorrência holandesa e inglesa. Qd a crise económica se instalou vários políticos defendiam a adoção de medidas mercantilistas.Duarte Ribeiro de Macedo, nosso representante diplomático em França, publicou uma obra defendendo a aplicação do modelo colbertista (1675).Ler documento 4 página 103 para inferir as medidas mercantilistas Nesse mesmo ano de 1675, o conde da Ericeira foi nomeado vedor da fazenda. Partilhando as mesmas ideias que Ribeiro de Macedo, resolveu promover a industrialização do país - propôs como solução uma política de fomento manufatureiro.
  • O principal setor da sua intervenção foi a indústria de lanifícios. Em Portugal existia desde há muito uma produção têxtil artesanal, mas de reduzida e fraca qualidade, razão por que se tinha de importar tecidos de lã inglesa em larga escala. O conde da Ericeira apoiou a fundação de manufaturas em localidades como a Covilhã e o Fundão que possuíam boas condições naturais para o desenvolvimento da indústria têxtil. Concedeu o monopólio do tecido de sarjas e baetas (tecidos de uso corrente) à manufatura da CovilhãCom esse objetivo mandou vir do estrangeiro equipamento moderno e técnicos experientesUm setor de luxo, como a indústria de sedas, foi igualmente protegido. Incentivou-se a plantação de amoreiras e foram concedidos privilégios a empresários que abriam manufaturas em Lisboa e TomarNenhuma destas indústrias poderia desenvolver-se se não fossem defendidas da concorrência dos tecidos importados de Inglaterra e França. O conde da Ericeira fez aprovar, por isso, algumas pragmáticas, proibindo o uso de panos e de outros artigos de vestuário de origem estrangeira.Qual era o objetivo destas medidas? Com estas medidas protecionistas pensava-se assegurar para as manufaturas nacionais o mercado interno, aliviando simultaneamente a balança comercial do pesado volume de importações que os têxteis representavam. Desta forma, a política mercantilista do Conda da Ericeira procurou evitar a saída de metais preciosos do país e, consequentemente, o seu empobrecimento.
  • Contudo, a política de fomento manufatureiro do Conde da Ericeira, continuada pelo Marquês de Fronteira, não deu os resultados esperados:Não possuíamos manufaturas capazes de rivalizar, em produção, com as estrangeiras; Não tínhamos técnicos nem dirigentes capazes;Carecíamos de falta de dinheiro e de meios de transporte
  • A política de industrialização emprendida pelo Conde da Eiceira acabou por falhar, vítima de uma série de interesses contrários.Numerosos protestos se levantaram contra a proteção de que gozavam os lanifícios. Os pequenos produtores artesanais revoltaram-se contra os privilégios concedidos às grandes manufaturas. Os comerciantes ingleses, prejudicados com a concorrência e com as proibições impostas pelas pragmáticas, passaram rapidamente das reclamações às represálias, deixando de comprar os vinhos portugueses. E, em consequência deste facto, os grandes viticultores do Norte e do Cnetro do país protestavam igualmente contra o protecionismo industrial. Da conjugação de interesses entre os comerciantes britâncos e a nobreza viticultora portuguesa, encabeçada pelo Duque do Cadaval, muito influente na corte, resultou a assinatura, em 1703 do tratado de Methuen.Por este tratado, os portugueses comprometiam-se a aceitar, sem quaisquer limitações, os lanifícios ingleses no mercado português. Como contrapartida, a Inglaterra aplicaria aos vinhos portugueses taxas alfandegárias mais reduzidas do que aos vinhos franceses, facilitando-assim, a venda dos nossos vinhos no mercado britânciso.As consequências dete acordo económico foram várias: a indústria portuguesa foi afetada pela concorrência dos têxteis ingleses; a cultura de cereais foi prejudicada, devido à plantação da vinha em terrenos tradicionalmente cerealíferos; o ouro, em grande parte escoava-s epara a inglaterra com o objetivo de equilibrar a balança comercial que nos era desfavorável Em suma, Portugal prejudicava a sua Indústria manufatureira nascente, embora conseguisse impor um novo produtos de exportação, o vinho do Porto.
  • Nos finais do século XVII (1693), descobre-se ouro no Brasil, o que veio solucionar as nossas dificuldades e atrair as potências estrangeiras. As preocupações mercantilistas perderam entretanto o seu sentido. Em 1699 chegara a lisboa a primeira remessa de ouro, finalmente descoberto no Brasil, na região a que foi dado o nome de Minas Gerais. Nas décadas seguintes, as médias anuais da produção de ouro foram sempre aumentando, até atingirem as 15 toneladas. Parecia haver ouro suficiente com que cobrir qualquer déficit da balança comercial, por mais elevado que fosse. De facto, deixaram de se colocar entraves à importação de produtos estrangeiros. O ouro inundou os mercados europeus, nomeadamente o inglês.As consequências deste acontecimento para portugal foram muito negativas. Abandonaram-se de novo as preocupações de fomento, enquanto se desencadeava uma forte emigração para o Brasil. Esta corrida ao ouro e aos diamantes também descobertos em minas geraisenfrequeceu as atividades produtivas na metrópole e na colónia, vindo a acentuar cada vez mais a dependência de Portugal em relação á inglaterra. Todavia, a Coroa, que cobrava 1/5 de toda a produção aurifera, passou a dispor de imensos recursos financeiros, podendo sustentar toda a magnificência que caracterizava o poder do monarca e dos privilegiados no Antigo Regime.Desta forma, a abundância de ouro proveniente do Brasil, contribuiu quer para o enriquecimento da Coroa e das classes mais altas (nobreza e burguesia), quer para, em última análise, o abandono das políticas mercantilistas.
  • Mercantilismo

    1. 1. ANTIGO REGIME ABSOLUTISMOE MERCANTILISMO NUMA SOCIEDADE DE ORDENS
    2. 2. O OURO DO BRASIL CONDUZIU AO FRACASSO DAS MEDIDASMERCANTILISTAS CONTRA A CRISE DE FINAIS DO SÉC. XVII. PORQUÊ?
    3. 3. ANTIGO REGIME NÍVELNÍVEL POLÍTICO NÍVEL SOCIAL NÍVEL CULTURAL ECONÓMICOABSOLUTISMO SOCIEDADE DE MERCANTILISMO BARROCO ORDENS O antigo regime ficou marcado a nível político: absolutismo; A nível económico: mercantilismo; A nivel social: divisão em ordens; na sociedade. A nível da cultura, a arte e a mentalidade: estiloLuísJoão V, Rei de Portugal D. XIV, Rei de França barroco.
    4. 4. COMO ERA A VIDA ECONÓMICANO ANTIGO REGIME?
    5. 5. PREDOMINÂNCIA DA AGRICULTURA Caderno de atividades, página 27
    6. 6. • Predomínio da economia rural: agricultura de subsistência; a propriedade pertencia quase exclusivamente ao clero e à nobreza, .• A agricultura fornecia as principais matérias primas para o Artesanato (madeira) e para o comércio (cereais, vinhos, produtos coloniais).• O tráfico comercial, por outro lado, desenvolvia-se cada vez mais à escala mundial e constituía-se como elemento dinamizador da economia.Os camponeses, depois de pagarem os impostos mal conseguiam omínimo para a subsistir. Em algumas regiões do norte da Europa verificou-se, a partir do século XVII, uma grande expansão das culturas cerealíferas, da vinha e a criação de gado.
    7. 7. Terreiro do Paço no fim do Séc. XVIIDirk Stoop, Londres, 1662.
    8. 8. A IMPORTÂNCIA DO TRÁFICO COMERCIAL Especiarias (canela e pimenta) Açores Lisboa Açúcar / Tabaco Madeira Cabo Calecut Escravos (sobretudo de Angola) Verde Guiné S. Tomé e Príncipe Pernambuco Angola Baía Moçambique Cabo da Boa EsperançaRotas comerciais portuguesas em meados do século XVII
    9. 9. “O que sabemos é que, por meados do século XVII, a economia portuguesaatravessava uma conjuntura difícil. Em parte, essa situação foi o resultado dasperturbações de vária ordem, provocadas pela Restauração. Mas, numa outraparte, não menos importante, teve a ver com a conjuntura económicainternacional, ela própria atravessando uma fase crítica em alguns setores (…).Os níveis do comércio externo decaíram consideravelmente; a agriculturacolonial havia estagnado (…), a agricultura metropolitana experimentou tambémdiversas dificuldades; e a indústria era incapaz de corresponder às necessidadesinternas, num momento em que, por falta de meios de pagamento, o país nãopodia continuar a recorrer às importações. Crise em toda a linha, portanto.” José Vicente Serrão in História de Portugal, Círculo de Leitores
    10. 10. “O que sabemos é que, por meados do século XVII, a economia portuguesaatravessava uma conjuntura difícil. Em parte, essa situação foi o resultado dasperturbações de vária ordem, provocadas pela Restauração. Mas, numa outraparte, não menos importante, teve a ver com a conjuntura económicainternacional, ela própria atravessando uma fase crítica em alguns setores (…).Os níveis do comércio externo decaíram consideravelmente; a agriculturacolonial havia estagnado (…), a agricultura metropolitana experimentou tambémdiversas dificuldades; e a indústria era incapaz de corresponder às necessidadesinternas, num momento em que, por falta de meios de pagamento, o país nãopodia continuar a recorrer às importações. Crise em toda a linha, portanto.” José Vicente Serrão in História de Portugal, Círculo de Leitores
    11. 11. Em 1668-1670, a economia portuguesa entrou em crise Evolução dos preços em réis do açúcar e do tabaco400035003000 Exportações250020001500 Importações1000500 0 1650 1659 1668 1688 Açucar (arroba) Tabaco (arrátel) Saldo negativo da balança comercial MERCANTILISMO
    12. 12. QUE MEDIDAS FORAMTOMADAS PARA COMBATER A CRISE COMERCIAL DEFINAIS DO SÉCULO XVII?
    13. 13. “Creio que facilmente se estará de acordo sobre este princípio de que apenas a abundância de dinheiro (ouro e prata) aumenta a grandeza e o poderia de um Estado. Segundo este princípio, todos os anos saem do Reino, em produtos necessários ao consumo, cerca de 12 a 13 milhões de libras. São essas as minas do nosso Reino e é na sua conservação que devemos trabalhar cuidadosamente . (...) Para lá das vantagens que traria a entrada de uma quantidade maior de moeda no Reino, pelas manufaturas, um milhão de pessoas que definham na ociosidade poderia vir a ganhar a vida; um número de pessoas, igualmente considerável ganharia a sua vida na navegação e nos portos marítimos, a multiplicação quase ao infinito dos barcos multiplicariam a grandeza e o poderia do reino. Eis, a meu ver, os fins aos quais deve tender a aplicação do Rei, a sua bondade e o seu amor pelos seus súbditos.”Claude LefebvreJEAN-BAPTISTE COLBERT (1619-1683)
    14. 14. MERCANTILISMOPARA CONCRETIZAR ESTA TEORIA ERANECESSÁRIO APLICAR UM CONJUNTO Exportações Importações DE MEDIDAS PROTECCIONISTAS. Importações ExportaçõesO MERCANTILISMO É UMA FORMA DE NACIONALISMO ECONÓMICO
    15. 15. Uma manufatura têxtil
    16. 16. O MERCANTILISMO EM PORTUGAL DOC. 4, PÁG. 103 EM PORTUGAL, D. LUÍS DE MENESES, CONDE DA ERICEIRA, VEDOR DA FAZENDA DO REI D.PEDRO II, TAMBÉM PROMOVEU ALGUMAS MEDIDAS MERCANTILISTASD. LUÍS DE MENESES, CONDE DA ERICEIRA
    17. 17. Dom Pedro, por Graça de Deus, Príncipe de Portugal e dosAS DESENVOLVEU Algarves [...]. MANUFACTURAS 1. DOS LANIFÍCIOS, NA Primeiramente ordeno e mando que COVILHÃ, FUNDÃO E nenhuma EM PORTALEGRE pessoas de qualquer condição, grau, qualidade, título, dignidade, pre eminência, por maior que seja, assim homens como mulheres, nestes Reinos e Senhorios de Portugal e suas Conquistas, possa usar nos PUBLICOU AS LEIS adornos de suas pessoas, INCENTIVOU A serviço filhos, casa, VINDA DE TÉCNICOS PRAGMÁTICAS e uso, que de ESPECIALIZADOS novo fizer, de ESTRANGEIROS (proibiam a importação e uso de artigos de seda, rendas, fitas, bordados ou guarnições que luxo) tenham ouro, prata fina ou falsa [...] 4. Nenhuma pessoa se poderá vestir de pano que não seja fabricado neste Reino: como CONCEDEU tambémEMPRESÁRIOS não PRIVILÉGIOS A poderá usarPágina 27 do caderno de rendas,ABRIAM QUEchapéus que não sejam feitos cintos, ESTRANGEIROS atividades nele [...] MANUFACTURAS EM PORTUGAL Lisboa, 25 de janeiro de 1677
    18. 18. DE QUE MODO SE EXPLICA A FALÊNCIA DAS PRIMEIRASMEDIDAS MERCANTILISTAS?
    19. 19. O TRATADO DE METHUEN (ler doc. 6, pág. 103) Comérciode vinho de Portugal para Inglaterra Exportação Português com a Inglaterra 18000 1200 16000 1000 14000N.º de pipas (média por ano) 12000 800 Milhares de libras 10000 600 8000 Importações 6000 400 Exportações 4000 200 2000 0 0 1678-1687 1701-1705 1688-1697 1706-1710 1711-1715 1698-1707 1716-1720 1721-1725 1708-1717 1726-1730 1731-1735 1718-1727 J. Rodrigues de Freitas, Notices of Portugal
    20. 20. A CHEGADA DO OURO DO BRASIL A FEBRE DO OURO ouro do Brasil Descarregamentos de BRASILEIROA sede insaciável do(kg) estimulou tantos ouro adeixarem as suas terras e a meterem-se por14000caminhos tão maus, como são os das12000Minas, que dificilmente se poderá contar o10000número dos que atualmente lá estão. [...] 8000[...] vão pessoas de todas as condições: 6000homens e mulheres, moços e velhos, pobres 4000e2000ricos, nobres e plebeus, seculares eclérigos. 0 1699 1701 1703 1712 Antonil, Cultura e opulência do Brasil, 1911 Carlos Julião Extração de diamantes, 1693
    21. 21. O OURO DO BRASIL CONDUZIU AO FRACASSO DAS MEDIDASMERCANTILISTAS CONTRA A CRISE DE FINAIS DO SÉC. XVII. PORQUÊ?
    22. 22. Foi utilizado:- para pagar a dívida externa.- Para financiar um nível de vida faustoso e paracunhar moeda sem restrições.-Portugal desinteressou-se do seu planomanufactureiro- O Tratado de Methuen representou um golpe finalna política mercantilista nacional, afetou, a longoprazo o setor manufatureiro e marcou o início dadependência de Portugal em realação à Grã-Bretanha.
    1. A particular slide catching your eye?

      Clipping is a handy way to collect important slides you want to go back to later.

    ×