Jornal das CEBs - diocese de São José dos Campos - SP

5,087 views
4,938 views

Published on

Jornal das CEBs - diocese de São José dos Campos - SP

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
5,087
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4,195
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Jornal das CEBs - diocese de São José dos Campos - SP

  1. 1. Lá vem o Trem das CEBs... FORMAÇÃO E INFORMAÇÃO PARA ANIMADORES Diocese de São José dos Campos - SP - Informativo das CEBs - Ano IX - Outubro/Novembro/Dezembro de 2013 - Nº 88 5 • Rumo ao 13º Página 4 • Missionariedade Página 3 • Cantos da Comunidade Página 2 • Palavra do Assessor Página Página Um Santo Natal a todos! Ano Novo na Luz do Senhor! 6 • PJ e CEBs 1
  2. 2. :: Palavra do Assessor Encontro Celebrativo – 2012/Natal do Senhor Olá, queridos amigos e amigas das Comunidades Eclesiais de Base. Estamos chegando ao final de mais um ano, e é sempre bom nos reunirmos para celebrar nossas conquistas, para nos alegrarmos com nossa família Cebs. E como já realizamos todos os anos sempre no último domingo de novembro teremos o nosso Encontro Celebrativo no próximo dia 24 das 08h da manhã às 16h, na Chácara Lopes, no Bairro Rio Comprido. Este encontro é uma oportunidade para fortalecer os vínculos desta família – Cebs, e também uma motivação para os projetos propostos para o próximo ano. É oportunidade de rever muitas pessoas e de conhecer outras, aumentando nosso parentesco e fortalecendo nossa Identidade. O Encontro Celebrativo é movido pelo entusiasmo e pela partilha, colunas que sustentam todos os animadores e animadoras da Cebs. Por isso, queremos neste Encontro de 2013, celebrar com nossas famílias, um dia muito especial, um dia de Encontro e Encanto. Encontro que desponta para o diálogo, para uma relação saudável e de vida comungada e partilhada, vivida e celebrada em Família. Encanto que nos motiva cada dia mais, a seguir fiel à missão confiada por Jesus a cada um de nós – Ser Testemunha da Boa Nova. Também já estamos próximos do Natal. Não é mais um Natal que vamos celebrar, mas sim, o Natal do Senhor, o Natal de Jesus. O Menino pelo qual devemos nos apaixonar todos os dias e acompanhá-lo apresentando-O ao mundo. O Natal nos traz a certeza de que Deus quer está plenamente conosco. Ele quer nos conduzir e quer que tenhamos atitudes semelhantes às suas. Que amemos sem medida e que cultivemos o Amor como manifestação direta dos sentimentos divinos, pela humanidade. Deus quer nascer todos os dias no coração da humanidade. Por isso, se revela como amor, e como Amor, ama sua criação, ama tanto, que neste Natal, quer fazer do nosso coração, a sua casa. Amigos, convido todos a olharmos para o Menino Deus, a abrir os olhos do coração e sentir com ele o coração da humanidade. Para todos os cristãos vale muito a figura do Menino Jesus que está sobre as palhinhas sendo aquecido pelo bafo do boi e do jumento. Deixemos que o Menino cresça em nossa casa, em nossa família, em nosso trabalho; que Ele nos ensi- ne cada dia, a sermos cristãos e discípulos, apaixonados pelo Reino. Um abraço e minha bênção a todo o povo de Deus que faz parte das Comunidades Eclesiais de Base. Pe. Fabiano Kleber Cavalcante do Amaral Assessor Diocesano das CEBs Ler com Sabor Ao inaugurar uma nova seção do nosso In-formativo, com o desafio de propor leituras, filmes, dicas de eventos culturais e similares, para que façamos juntos uma leitura do mundo e das coisas que acontecem ao nosso redor, não apenas em busca do saber, mas também em busca do sabor das coisas que nos alimentam, sustentam e dão prazer, inúmeras foram as possibilidades que se apresentaram. No entanto, escolhi uma dentre elas que pode nos ajudar a não só olhar para trás sobre a nossa história enquanto Igreja que caminha, mas, acima de tudo, também nos ajudar a perceber as inúmeras lutas que ainda precisamos travar e os novos caminhos a serem desbravados sem medo, com coragem e em favor daquela evangélica opção preferencial pelos pobres que, em muitas igrejas, púlpitos e sermões, fora deixada de lado, seja pelo compromisso exigente que tal opção acarrete, seja por uma interpretação equivocada de parcela significativa da comunidade eclesial que a considera fora de moda ou ultrapassada, privilegiando-se ultimamente uma vivência eclesial mais individualista que comunitária. Sendo assim, passo a apresentar como sugestão de leitura a tese de doutorado de Alfredo César da Veiga, defendida em 2009 no Programa de Pós-Graduação em História Social do De- partamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, cujo título é: “Teologia da Libertação: Nascimento, expansão, recuo e sobrevivência da imagem do excluído dos anos 1970 à época atual”, que sem dúvida, vem melhor apresentada através das palavras do próprio autor no Resumo que transcrevemos a seguir: “Destaca a reconstituição histórica e estética do processo da arte político-religiosa no Brasil de 1970 aos dias atuais. O período marca o nascimento, expansão, recuo e sobrevivência da Teologia da Libertação, e junto com o discurso que brota dessa reflexão, nasceu uma produção iconográfica própria e que escapa daqueles modelos consagrados pela teologia tradicional. O negro, o índio, o retirante nordestino, a mulher marginalizada, emprestam seus rostos à Virgem Maria e a Jesus Cristo, a fim de reafirmar o nascimento de um homem novo que surge dos escombros da colonização e da dependência política e econômica que marcaram a América Latina. As figuras, os desenhos, os cartazes, as expressões corporais, se transformaram em documentos que essa teologia produziu ao longo das décadas e que aqui serão abordados. De fato, o que nos interessa de per- to, não é privilegiar questões de estilo, mas compreender, através de dados iconográficos, a latência de uma teologia exuberante e eficaz em sua intenção de se tornar a voz do pobre e marginalizado. A hipótese da pesquisa se constitui no problema referente ao processo de sacralização de iconografias, personagens profanos sob a égide da Teologia da Libertação no decorrer desse período no Brasil. A originalidade está em mostrar como esse ideário tomou forma através de representações pictóricas que facilitavam a sua compreensão e aceitação por parte do povo, especialmente o morador da periferia das grandes cidades ou do campo. Nesses lugares, graças a essa estratégia, conjugada a outras, como canções, danças e novos rituais, a Teologia da Libertação teve grande aceitação e força, semeando, através das CEBs (Comunidades Eclesiais de Base), a proposta da criação de uma nova sociedade, baseada em relações mais justas e fraternas, superando a exploração e a opressão dos poderosos a serviço do sistema capitalista. No entanto, a partir do final dos anos 1980, o rosto do sagrado estampado no rosto do pobre começa a esmaecer, sinal de um retorno conservador na Igreja. Apesar disso, esse rosto resiste e atravessa os tempos revelando a sobrevivência de um ni- cho mais que sagrado no profano.” Por fim, a consulta ao documento pode ser feita no site da Biblioteca Digital da USP, que disponibiliza o arquivo em PDF logo abaixo do aviso que estabelece as condições de uso, no seguinte endereço eletrônico: http://www.teses.usp.br/ teses/disponiveis/8/8138/ tde-03022010-121123/pt-br.php. Jairo Augusto dos Santos (Guto). ex pedien te Formação e Informação para Animadores Publicação trimestral das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) da Diocese de São José dos Campos. Diretor: Pe. Djalma Lopes de Siqueira - Administrador Diocesano – Diretor Técnico: Pe. Fabiano Kleber Cavalcante do Amaral. Jornalista responsável: Ana Lúcia Zombardi - Mtb 28.496. Realização da Equipe de Formação/ Assessores das CEBs Revisão Redacional: Diácono José Aparecido de Oliveira (Cido) - Diagramação: Fabrício Gustavo Flausino - Impressão: Katú Editora Gráfica. CNPJ: 556.333.347/000100 - Tiragem: 4.000 exemplares. “As matérias assinadas e opiniões expressas são de responsabilidade de seus autores”. Sugestões, críticas, artigos, envie para: tremdascebs.sjc@gmail.com 2
  3. 3. Cantos da Comunidade Cantos que embalam nossa mística Continuação: Canto dos Mártires da Terra (Zé Vicente) Venham todos, cantemos um canto que nasce na terra canto novo de paz e esperança em tempo de guerra neste instante há inocentes tombando nas mãos de tiranos tomar terra, ter lucros matando são esses seus planos. EIS O TEMPO DE GRAÇAS/ EIS O DIA DA LIBERTAÇÃO DE CABEÇA ERGUIDAS/ DE BRAÇOS UNIDOS IRMÃOS HAVEREMOS DE VER QUAQUER DIA CHEGANDO A VITÓRIA O POVO NAS RUAS FAZENDO A HISTÓRIA CRIANÇAS SORRINDO EM TODA NAÇÃO. Lavradores, Raimundo, José, Margarida, Nativo, Assumir sua luta e seu sonho por nós é preciso haveremos de honrar todo aquele que caiu lutando contra os muros e cercas da morte jamais recuando. Ó Senhor Deus da vida, escuta este nosso cantar Pois contigo o povo oprimido há de sempre contar Para além da injuria e da morte conduze nossa gente Que teu reino triunfe na terra deste continente Mais uma música do cantor das Comunidades, Zé Vicente. É o Canto dos Mártires da Terra. Profetas de nossa gente. É o Sangue dos Mártires no Sangue de Jesus. Verdadeiro Testemunho de luta pela Vida. O tempo presente clama por Profetas. Pessoas que nos ajudam a enxergar melhor as contradições da vida, da sociedade, da Igreja. Perceber as contradições e superá-las, construindo a Terra Sem Males, Prometida desde nossos Pais, na certeza de sua chegada. Não é um caminho fácil, necessita de gente com coragem, comprometida com a Vida Plena para todos, que aponte os sinais da mudança, que ouse em sua radicalidade do exemplo, que viva a vida do povo, que cure os doentes e anuncie a Boa Notícia aos pobres. A Vida dos Mártires nos garantem isso: que cada um de nós, impulsionados pelo mesmo Espírito, saibamos ser profetas nos tempos de hoje, custe o que custar. Mauro Kano “Profissão de Fé nas CEBs” M: Eu creio nas CEBs, porque creio na igreja como comunidade de fé, de esperança e amor. H: Eu creio nas CEBs, porque creio na eficácia da oração de Jesus. “Que eles sejam um, como tu, Pai, estás em mim e eu em ti” (Jo17,21). M: Eu creio nas CEBs, porque creio ser possível uma comunidade cristã, onde todos sejam “um só coração e uma só alma” (At.4,32). H: Eu creio nas CEBs, porque creio em comunidade que vivem em profunda comunhão, não de simples reunião, mas de verdadeira união, fruto de sincero amor. M: Eu creio nas CEBs, porque creio nas comunidades cheias de ardor missionário, capazes de levar a Boa Notícia de Deus aos corações, as paróquias, as dioceses, as Igrejas do mundo inteiro. H: Eu creio nas CEBs, porque creio nas comunidades geradoras de fé, de vida e de união, com suas celebrações festivas e com seu testemunho de vivência cristã. M: Eu creio nas CEBs, onde a Palavra de Deus é ouvida, partilhada e confrontada com o dia a dia, nesta simbiose divina de fé e vida. H: Eu creio nas CEBs, celebrando a Eucaristia e o Culto a Deus, e celebrando a DICA DE LEITURA partilha dos dons e serviços, só por amor. M: Eu creio nas CEBs, estes pequenos grupos de pessoas e de famílias, onde as relações de profunda comunhão e fraternidade levam a uma intima convivência pela fé em Jesus Cristo. H: Eu creio nas CEBs, reunindo-se nas Igrejas, nas capelas, nas casas, nas salas e salões, e até debaixo das árvores, aprendendo a amar, a servir, a sonhar... M: Eu creio nas CEBs, formadas pela base da Igreja, que são os Leigos, vivendo nas situações concretas da vida do povo, construindo o Reino de Deus para um mundo melhor. H: Eu creio nas CEBs, como célula vivas da Igreja, não só nas regiões rurais, mas também nas grandes cidades, onde sejam talvez uma das únicas formas de evangelização urbana moderna. M: Eu creio nas CEBs, como germe de produção humana e de desenvolvimento Eclesial, político e social, como fruto da fé, como gesto de esperança, como testemunho de amor. H: Eu creio nas CEBs, como sementeira de futuros lideres políticos e sociais que façam de sua fé a raiz, de sua esperança a força, e de seu amor o segredo para a promoção do bem comum. M: Eu creio nas CEBs, por um principio de fé: o Evangelho que pode levar-nos a superar os instrumentos e as estruturas de morte. H: Eu creio nas CEBs, pelos muitos frutos de renovação, de união, de solidariedade e de justiça que já nos tem dado em tantos lugares e durante tanto tempo. M: Eu creio nas CEBs, abençoadas pela Igreja, aprovadas pelo Papa, admiradas por bispos e sacerdotes, e apoiadas por cristãos sérios, que levam a sério o grito de Jesus peal união e pelo amor bem vivido e muito sofrido. H: Eu creio nas CEBs, que farão nossas comunidades eclesiais mais evangelizadoras, como redes de comunidades, unidas entre si e formando um belo conjunto de vida paroquial. M: Eu creio nas CEBs, onde os corações se abrem e os braços estendem para acolher, confortar, e socorrer a tantos irmãos e irmãs marginalizados e excluídos, os pobrezinhos, os preferidos de Jesus. H: Eu creio nas CEBs, porque creio em muitos irmãos e irmãs, em muitos sacerdotes e religiosos, em muitos bispos e nos santo padre, o Papa, que também acreditam nelas por este mundo a fora. M: Eu creio nas CEBs, miniaturas da Igreja, onde convivem e sofrem e lutam, e se amam, e se ajudam, e se animam irmãos e irmãs nossos, com suas pastorais ativas, com seus movimentos participativos, com suas alegrias e angustias, mas sempre com seu sonho infindável de serem felizes. H: Eu creio nas CEBs, porque creio na Santíssima Trindade, a comunidade perfeita: em Deus, que é Pai de todos; em Jesus Cristo, que é esperança de todos; e no Espirito Santo, que é fonte de amor, de justiça e paz!... M: Irmãos e irmãs, pensando na felicidade de tantos, pensando no bem da Igreja na glória de Deus, é que faço, do fundo do coração, está Profissão de Fé: Eu creio nas Comunidades Eclesiais de Base! Amém! * “Profissão de fé nas CEBs” autoria de Dom José Belvino do Nascimento – bispo emérito da Diocese de Divinópolis - MG. Fonte: Livreto “Reflexão em comunidade”, que a coordenação diocesana das CEBs de Divinópolis nos enviou pelo correio. Adaptado para homens e mulheres Para aprofundamento - Sugerimos para leitura e estudo: CEBs “Gente simples, fazendo coisas pequenas, em lugares pouco importantes, consegue mudanças extraordinárias.” Documento 92 - CNBB *MENSAGEM AO POVO DE DEUS SOBRE AS COMUNIDADES ECLESIAIS DE BASE *COMUNIDADES ECLESIAIS DE BASE NA IGREJA DO BRASIL 3
  4. 4. Missionariedade e papel do leigo e da leiga na Igreja e no mundo à luz dos 50 anos do Concílio Vaticano II A Igreja de Jesus Cristo, se não é para ser construída nas nuvens mas na carne e nos ossos da humanidade e, particularmente, no suor e nas lágrimas do mundo pobre, deverá buscar e encontrar a significação profundamente válida, embora anônima, da grande ministerialidade libertadora que, a seu modo, está exercendo hoje na libertação dos pobres da terra. A Comunidade Eclesial de Base é a Igreja que reencontra no Batismo em Cristo e na Confirmação em seu Espírito a raiz essencial de sua consagração e missão. Por isso, a Comunidade de Base é Igreja que se percebe como essencial e totalmente ministerial, devido aos dons de graça para o ministério (carismas) com os quais o Senhor enriquece a comunidade. Daí por que os cristãos das CEBs têm e exercem uma ministerialidade que lhes é própria. Nas Comunidades Eclesiais de Base, de sua eclesialidade flui sua ministerialidade, e uma ministerialidade que, por ser “de base”, constrói uma nova eclesialidade ou nova forma de ser a única Igreja de Jesus Cristo. As práticas ministeriais da “base” são eclesiais porque também a “base” é a Igreja. Porque também na “base” está o carisma da verdade e da interpretação, da prática viva da tradição, do estabelecimento da verdade e de sua formulação; e a grande riqueza de carismas e ministérios para evangelizar, ensinar, educar, celebrar, testemunhar, proclamar com a palavra e com a ação pessoal e política tendo em vista a fé e a justiça, a convivência e a dignidade dos pobres de Jesus Cristo. Não enquanto o Reino termine aí, mas enquanto o Reino é construído a partir daí. A partir dos impulsos dados pelos documentos Apostolicam Actuositatem e Lumen Gentium, ambos do Concílio Ecumênico Vaticano II, Christifideles Laici do Papa João Paulo II, dos documentos da Conferência Episcopal Latino-Americana (Medellín, Puebla, Santo Domingo e Aparecida), como também da Conferência dos Bispos do Brasil (Missão e ministérios dos cristãos leigos e leigas), a teologia do laicato deu um grande passo na recuperação de seu lugar dentro da ciência teológica. De fato “a noção povo de Deus exprime a profunda unidade, a comum dignidade, e a fundamental habilitação de todos os membros da Igreja à participação na vida da Igreja e à corresponsabilidade na missão [...] além de toda e qualquer diferenciação carismática e ministerial” (CNBB, Est. 77, n. 65). Todo aquele que é inserido na vida de Cristo e em sua comunidade discipular participa da identidade crística e dos elementos fontais da comunidade por ele constituída: profeta, rei e sacerdote (cf. LG 10; 1Pd 2,9-10), em vista de uma missão comum: “ide pelo mundo inteiro e pregai o Evangelho” (Mt 28,19). A realidade laical é a primeira expressão dessa existência profética-real-sacerdotal, que se manifesta epifanicamente como filialidade (batismo), liberdade (Confirmação) e a fraternidade (Eucaristia). O seguimento a Cristo segundo essas notas fontais (núcleo da vida laical) é o que conduz ao desenvolvimento da vocação humana originária que é ser a imagem de Deus. É evidente que, o marco conciliar recoloca a compreensão da identidade e 4 da missão do leigo na Igreja e no mundo em novas bases teológicas antes de estabelecer definições funcionais de um segmento, no âmbito do corpo eclesial. O leigo emerge como uma condição básica do ser cristão: povo de Deus que em comunhão com o Espírito do Ressuscitado caminha nesse mundo rumo à pátria definitiva e que tem como missão contribuir com a construção do Reino de Deus no mundo. O leigo é portador dessa condição eclesial fundamental a partir da qual se pensa em diferentes funções no corpo eclesial, incluindo, evidentemente, a função do próprio laicato. A compreensão do leigo demarcada pelo Vaticano II expressa um novo dinamismo eclesial que tem como epicentro o Reino de Deus a serviço do qual exerce a Igreja sua missão no mundo e entende a si mesma. Na questão dos cristãos-leigos, este concílio foi o que mais se debruçou sobre a sua compreensão eclesial, destacando o seu modo de ser e de fazer Igreja. O protagonismo do leigo na Igreja, como expressou o Sínodo de 1987, é fruto de um processo histórico-eclesial que tem como marco fundamental o Concílio Vaticano II com suas revisões Pois, o leigo é um agente eclesial central na ação da Igreja no mundo. A atuação dos cristãos no mundo foi sendo compreendida cada vez mais como uma missão inerente à condição cristã, decorrência mesmo da fé e que envolveu o magistério com suas declarações e decisões, a organização dos leigos em âmbito mundial e nas Igrejas locais, bem como a iniciativa de muitos leigos que se lançaram abnegadamente na luta por melhores condições sociais para os seus semelhantes. Pode-se dizer que a Igreja do século XX exerceu sua missão, tendo como contributo essencial a atuação do laicato, que contribuiu para que a mesma Igreja repensasse a si mesma em sua relação com o mundo, agora não mais como uma sociedade separada, mas sim inserida na realidade temporal e destinada a encarnar-se nessa mesma realidade como sinal de salvação. Por isso, o leigo não constitui tão somente um segmento passivo, espécie de consumidor dos bens salvíficos dispensados pela Igreja por meio de seus membros ordenados dentro do corpo eclesial, mas sim como portador de uma dignidade fundamental que constitui a própria eclesiológicas. O fato de o concílio repensar e recolocar a missão e identidade da Igreja impulsionou o apostolado leigo até então organizado e ativo e possibilitou o surgimento de novas formas de ação do laicato fora e dentro da Igreja. Muitas formas de serviços receberam incentivos por parte dos pastores em suas Igrejas particulares, sendo reconhecidos e organizados como ministérios em sintonia com os ministérios ordenados. Também numerosas foram as formas associativas que emergiram com seus carismas e objetivos, configurando uma diversidade de grupos e movimentos nas esferas nacionais e internacionais. A Igreja do Concílio Vaticano II pode ser entendida como uma Igreja de leigos e com os leigos e, em boa medida, para os leigos, sabendo do diálogo que visa estabelecer com todos os seres humanos, cristãos e não-cristãos, crentes e não-crentes. A rica distinção entre as esferas da Igreja, do Reino e do mundo fornece os lugares e as dimensões que situam, desafiam e dinamizam a identidade e a missão do leigo. E como acolhida ao dom do Espírito que cada fiel recebe na Igreja, o leigo lança-se a serviço do Reino no mundo. Igreja como comunhão de fiéis unidos a Jesus Cristo pela força do Espírito. Do ponto de vista eclesiológico ao leigo não falta nada; ao contrário, recebe tudo enquanto batizado e membro da comunhão dos filhos de Deus. Nesse sentido, o leigo é plenamente Igreja e dentro dela exerce sua missão própria enquanto membro do corpo místico de Cristo. O leigo situa-se, portanto, em um movimento que recoloca a identidade e missão da Igreja no mundo: - Do poder no mundo para o serviço ao mundo = o leigo tem tarefa fundamental nessa missão; - Do clero para o conjunto do povo de Deus = o leigo é portador da condição fundamental do povo de Deus e do sacerdócio universal; - Da unidade hierárquica perfeita à pluralidade de funções = o leigo tem missão específica no conjunto dos demais serviços exercidos na Igreja; - De uma visão eclesiocêntrica a uma visão reinocêntrica = o leigo é agente que leva o Reino de Deus ao mundo; - De uma Igreja fechada em si mesma a uma Igreja em diálogo com a cultura e com as outras religiões = o leigo se mostra como interlocutor do diálogo; - De uma visão filosófica e teológica clássica para o diálogo com as ciências modernas = o leigo posiciona-se como interlocutor privilegiado como sujeito de ciência; - De uma Igreja triunfalista para uma Igreja dos pobres = o leigo é protagonista dessa opção indissociavelmente espiritual e política. Chamado por Deus, unido em Jesus Cristo e ungido pelo Espírito o Povo de Deus tem como lei o amor, como lugar o mundo, como meta o Reino de Deus e como missão primordial ser sinal e instrumento de salvação no mundo (Cf. LG, n. 9). Em síntese, o Povo de Deus possui as seguintes dimensões: sobrenatural (origem nas missões das Pessoas da Santíssima Trindade), histórica (fiéis que formam a “união social visível” que é a Igreja peregrina no mundo rumo ao céu), cultual (povo sacerdotal que se oferece a Deus na oração, no culto e na caridade), diaconia (serviço comum dos diversos carismas na comunidade eclesial e serviço da caridade, construção do Reino de Deus na história), missionária (testemunho de fé perante os povos e anúncio de Jesus Cristo), sapiencial (certeza da verdade da fé por parte do conjunto dos fiéis) e escatológica (Igreja que caminha nesse mundo rumo a comunhão perfeita com Deus). Enfim, o Concílio, através de seu documento sobre os leigos (Apostolicam Actuositatem), explicita duas temáticas importantes: uma pneumatologia da condição e da atuação do laicato (O Espírito que distribui dons e suscita a ação diversa no mesmo corpo eclesial na busca de transformação do mundo em Reino de Deus, donde se completam a autonomia do dom recebido e a unidade da Igreja), uma espiritualidade do leigo (os dons do Espírito que sustentam a ação do leigo donde se destacam os dons da fé, esperança e caridade e as habilidades diversas traduzidas em organizações que permitem a ação no mundo). O sujeito leigo ainda é uma tarefa de construção dentro da Igreja, tarefa desafiadora de contra-cultura no mundo atual, missão de todos na Igreja e dom do Espírito para os seguidores de Jesus Cristo. Fontes e referências: - Compêndio do Vaticano II. Petrópolis: Vozes, 1969; - Libânio, J. Batista. Concílio Vaticano II. Em busca de uma primeira compreensão. São Paulo: Loyola, 2005; - João Décio Passos, Leigos: Fundamentação Teológica a Prtir do Vaticano II; Texto em arquivo PDF, baixado da Internet, site: www.cnbb.org.br/site/publicações/documentos, às 20h13, 23 de outubro de 2013. - Os Ministérios na Igreja dos Pobres, Alberto Parra, SJ, Coleção Teologia e Libertação, Petrópolis, Vozes, 1991; As Janelas do Vaticano II. A Igreja em diálogo com o mundo. Almeida – Manzini – Maçaneiro, Editora Santuário, 2013, páginas 446-447. Nivaldo Aparecido Silva Membro da Equipe Diocesana de Assessores das CEBs
  5. 5. Carta do Encontro de Delegados e Delegadas do Estado de São Paulo para o 13º Intereclesial das CEBs “Deus nos dá a graça de começar, nos dá a graça de continuar. A graça das graças é não desanimar nunca” (Dom Helder Câmara). Nos dias 21 e 22 de setembro de 2013, delegados e delegadas do Regional Sul 1 da CNBB, rumo ao 13º Intereclesial de CEBs, em número de quatrocentos e nove, nos encontramos em Pirajuí, cidade do Rio do Peixe Dourado, na Comunidade Nossa Senhora Aparecida, da Paróquia São Sebastião, Diocese de Lins, da Sub Região de Botucatu. Carinhosamente nos acolheu o Bispo de Lins Dom Irineu Danelon, a ele, nosso muito obrigado, igualmente agradecemos a presença em tempo integral do nosso Bispo Referencial e da diocese de Registro Dom José Luiz Bertanha. A todos e todas, nossa gratidão pelo carinho com que fomos acolhidos e acolhidas, nossa eterna gratidão a todos que tornaram possível este encontro. Contamos com as assessorias dos Padres Nelito Dornelas e Benedito Ferraro, estudamos e refletimos o tema: CEBs: Justiça e Profecia no Campo e na Cidade e a Identidade das CEBs. Nas orações, fizemos memória de todos os intereclesiais realizados neste chão de romeiros e romeiras de todos os cantos e recantos deste imenso país. As Comunidades Eclesiais de Base devem ser sinais de esperança em meio às dificuldades encontradas no cotidiano da vida; ser como água revigorante, que dá força e vigor ao sofrido, alegre e esperançoso Povo de Deus. Liz Marques e Edmundo Monteiro, nossos representantes na Ampliada Nacional, nos apresentaram as realidades e características de Juazeiro do Norte, cidade do Padre Cícero. Assim conhecemos um pouco mais da cidade e do modo de como seremos acolhidos e acolhidas na Centenária Igreja de Crato. Padre Ferraro refletiu conosco sobre a Identidade das CEBs. Vimos o rosto das CEBs, nosso modo de ser e o que é preciso para ser uma CEBs. Quando falamos de CEBs falamos de fé e vida; CEBs não é pastoral nem movimento. CEBs são Igreja. O nosso compromisso social é a luta pela justiça. Padre Nelito nos assessorou sobre o tema Justiça e Profecia no Campo e na Cidade. Trouxe-nos a reflexão sobre a necessidade de respirarmos o ar puro da Palavra de Deus para conseguimos lutar contra as injustiças do mundo. Nos “ranchos” e “chapéus” aprofundamos os temas: CEBs e Espiritualidade Romeira; CEBs no Campo e na Cidade; CEBs e o Protagonismo da Juventude; CEBs a Serviço da Vida; CEBs e a Pratica da Justiça; CEBs e a sua Vocação Profética e CEBs e o Compromisso Missionário. Ao anoitecer do sábado assistimos ao documentário “Nos Caminhos de Juazeiro” e assim conhecemos ainda mais a religiosidade popular que move a Fé do Povo Romeiro, dos campos e cidades de nosso rico semiárido brasileiro e toda região Nordeste de nosso Brasil. As Dores de Nossa Senhora e as alegrias dos sub-regionais do estado de São Paulo foram nossas orações do findar do primeiro dia. Iniciamos o nosso domingo com a Celebração Eucarística, Memorial da Vida, Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus e a Memória da Caminhada das Comunidades de nosso Regional Sul1. Moções e reflexões nos motivaram a assumir o compromisso com as diversas realidades que vivemos. Vivenciamos este momento agraciado na vida da Igreja, com o início do Apostolado do Papa Francisco, no qual refletimos sobre a necessidade de tornar-nos Comunidade de Comunidades, para que juntos e com a ajuda do Espírito Santo que tudo renova, possamos fazer que nossas comunidades sejam atuantes, ecológicas, resistentes e comprometidas na construção do Reino de Deus. Às comunidades deste imenso Estado de São Paulo nossa saudação. Que a Senhora Aparecida ajude-nos a reacender a Paixão pelo Reino no Seguimento a Jesus e a sermos Portadores da Paz, da Alegria e da Esperança. Que estejamos em comunhão e em oração com os romeiros e romeiras rumo ao 13º Intereclesial das Comunidades Eclesiais e Base do Brasil e do mundo, que será realizado de 7 a 11 de janeiro de 2014, aos pés da Serra do Araripe um dos poucos locais de área verde do Cariri no semiárido nordestino. Na Santíssima Trindade, a melhor comunidade, vos abraçamos. Delegados e Delegadas das CEBs do Estado de São Paulo. Setembro de 2013, Mês da Bíblia, Ano da Fé. 5
  6. 6. :: Encontro dos Delegados (as) para o Intereclesial da CEBs Juventude na Luta pela Justiça a serviço da Vida Foi nos dias 20, 21 e 22 de setembro que fomos animados e cheios de Esperança juntamente com pessoas tão queridas naquele trem da CEBs rumo as terras quentes e carinhosas de Pirajuí, cheia de aprendizado, reencontros e encontros preparando o caminho para o 13º Intereclesial da CEBs em Juazeiro do Norte, terra do Padinho Cicero e Padre Ibiapina, e de um povo que apesar de sofrido traz no peito a esperança das Lutas e da causa do Reino. Apesar da longa viagem, fomos celebrando nossa vida e lutas, é lindo ver a Pastoral da Juventude e a CEBs juntas, partilhando e vivendo o Reino em comunidade, e assim foi as longas horas de Viajem, foram rodeadas de Cantorias e Conversas! Chegando em Pirajui, reencontramos vários jovens que também se faziam presente neste Intereclesial e que junto com vários companheiros e companheiras deste extenso Regional Sul 1 fazia presente os gritos e a vida a caminho deste tão esperado encontro em Juazeiro. De forma muito especial destacamos a história deste solo tão rico que é a Diocese de Crato, terra que irá nos acolher e refletir através de seu povo, de sua história, regados de Espiritualidade, de uma mística que nos liberta. Para a Pastoral de Juventude o contato mais próximo com a CEBs é sempre um momento de fortalecer a caminhada, de saber que não estamos sozinhos e de fato que somos “ o mesmo Corpo, mesma alma e que tes- temunhamos o mesmo compromisso”. A Juventude espera e sonha com esse momento, que que este 13º Intereclesial da CEBs possa discernir nossas vidas para o verdadeiro sentido de Comunidade em tempos que a individualidade está totalmente dentro da vida da Juventude, para que assim a Juventude possa ser protagonista de uma realidade mais justa e solidaria, levando a bandeira da paz em todos os espaços e que juntos possamos construir um novo mundo. Nestes dias refletimos sobre qual é a missão da CEBs, sua identidade nos reconhecendo cada vez mais, e comungando do mesmo espirito que nos move e do alicerce que nos sustenta, afinal ser comunidade é ser igreja, e afirmamos como pre- ferencia pela CEBs como um espaço de ser igreja no meio do povo, firmando nossa comunhão, é a PJ e a CEBs lutando pela vida e pela justiça a caminho do Reino! Agradecemos as CEBs da Diocese de São José dos Campos que nos acolheu e fez destes momentos cheios de ótimas recordações, ao povo da cidade de Pirajui pela hospitalidade e pelo amor que nos recebeu, e nunca nos esqueçamos: - Pastoral da Juventude e CEBs caminhando juntos a Civilização do Amor! Danilo (Coração Eucarístico de Jesus), Robson ( Nossa senhora de Guadalupe), Dayane (Santa Cecília) e Lucas (Coração Eucarístico de Jesus) Assembleia Diocesana da Pastoral da Juventude Foi nos dias 27, 28 e 29 de setembro que jovens coordenadores da Pastoral da Juventude da Diocese de São José dos Campos se reuniram em Paraibuna para reavaliar suas ações no ano de 2013 e planejar as metas para 2014. Nesta Assembleia Avaliativa e Formativa o anúncio do Evangelho aos pobres teve seu foco a exemplo de Jesus quando 6 manda falar a João que preso estava, e detinha dúvidas sobre o Messias no Evangelho de Mateus (11,4-5). Ou ainda em Lucas 4,18, que Jesus assenta na sinagoga para ler e encontra um trecho que diz: “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque me ungiu; enviou-me para anunciar a Boa Nova aos pobres, e sarar os contritos de coração”. E enquanto lia, as pes- soas ficavam de olhos fixados no Senhor. Isso nos fez remeter que assim como Ele nós também temos o dever de levar o Evangelho a todos que necessitam da palavra de Deus e não têm como acessá-la. Deus se faz presente em todos e pela ação do seu Espírito realiza suas obras. Recordamos também a importância de cuidar dos nossos grupos e o quan- to são importantes para a construção do Reino, mas também lembramo-nos dos jovens que estão nas ruas e sofrem com a discriminação, a falta de recursos, e demais causas que retiram estes da construção de um futuro melhor. Nosso Papa Francisco já dizia “nada melhor para evangelizar um jovem, do que outro jovem”.
  7. 7. :: Formação Diocesana das CEBs 15 de setembro de 2013 Enviados pelo Espírito Santo nos reunimos, 275 pessoas, no dia 15 de setembro das 8:00 às 16hs, na Comunidade Galo Branco para Formação Diocesana de CEBs, com o tema: Justiça e Profecia a serviço da vida. Iluminados pela Espiritualidade Maia, saudamos o Deus de todos os povos e pedimos para nos abençoar e nos conduzir neste dia de formação. O assessor Mauro Kano nos levou a refletir sobre a Igreja que somos e que queremos ser: Igreja nas comunidades a partir da base, uma Igreja voltada para os pobres; como ser profeta hoje diante do sistema capitalista que vivemos. “ O fato de nos reunirmos nas casas é para fazermos o trabalho de base, gastando tempo naquela casa, sentindo a necessidade daquela família; nos reunimos nas casas para resolver os problemas de nos- sa vida, para ser a Igreja, para se ter vida em plenitude.” Após o delicioso almoço, preparado com muito carinho e amor pela equipe de cozinha, fizemos nossa Caminhada Profética: invocamos os Mártires da caminhada para que se façam presentes em nosso dia a dia, em nossas lutas para construir o Reino de Deus nos encorajando e nos impulsionando. Na mesa da Eucaristia selamos o compro- misso de sermos Igreja viva de Jesus Cristo no seio das comunidades, no meio do povo pobre ouvindo o seu clamor. Retornamos para nossas comunidades mais fortalecidos e convictos de que é pela causa de Jesus Cristo que estamos nessa caminhada e a assumimos até as últimas consequências. Rosa Maria Silva Comissão Diocesana das CEBs Grito dos Excluídos Este é o nosso País, essa é a nossa bandeira, é por amor a esta Pátria Brasil que a gente segue em fileira... Aconteceu na Paróquia Coração Eucarístico de Jesus com a participação da Fátima e Rosa da Paróquia São Vicente o grito dos excluídos, que se encerrou com a Santa Missa. A participação foi de um número reduzido de participantes. Mesmo com o convite para toda comunidade e o incentivo do Pe Vicente o número de participantes ficou aquém do esperado. Mas não nos sentimos incomodados, pois sabemos que para denunciar as injustiças são poucos os que se comprometem. O grito dos excluídos é uma manifestação popular carregada de simbolismo, é um espaço de animação e profecia. Com a participação de pastorais so- ciais e movimentos, denunciamos o modelo político e econômico que ao mesmo tempo concentra riqueza e renda condenando milhões de pessoas à exclusão social; tornar público nas ruas e praças o rosto desfigurado dos excluídos, vítimas das drogas, do desemprego, da miséria e da fome; propor caminhos alternativos ao modelo econômico neoliberal, de forma a desenvolver uma política de inclusão social. Não devemos ter medo de chamar atenção da sociedade para as condições de crescente exclusão social. Põe a semente na terra, não será em vão; não te preocupe a colheita, planta para o irmão. Silvia Macedo Paróquia Coração Eucarístico de Jesus 7
  8. 8. :: Aconteceu Encontro de Avaliação 2013 e Planejamento 2014 - 05 de Outubro de 2013 No Centro de Espiritualidade Dom Oscar Romero - Capela Mártir Jesus Aniversário de a Alice 100 Anos de Don s Eucarístico de Jesu Paroquia Coração CEBs DIOCESE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP Lançamento da Agenda Latino Americana 2014 CO NV I TE XXV ENCONTRO CELEBRATIVO DAS CEBs CONVITES ANTECIPADOS COM ANIMADORES E ANIMADORAS DAS CEBs “Todos os que abraçaram a fé eram unidos e colocavam em comum todas as coisas” (Atos 2,44). Dia 07 de Dezembro de 2013 às 19h Dia 24 de Novembro de 2013 Horário: das 8h às 16h Local: Rua Acre 343 – Chácara Lopes Bairro Rio Comprido - Jacareí – SP. Com direito a uma cartela de bingo para concorrer a: UM COLAR DE PÉROLAS CONTRIBUIÇÃO R$ 5,00 Crianças até dez anos não pagam Solicitado levar: 1. carne e refrigerante para partilhar quantidade que a família/ participante, irá consumir 2. kit refeição: caneca, prato e talheres 3. roupa de banho – PISCINA A PARTIR DAS 13h. 8 LOCAL: Igreja Matriz São José Operário Rua Mabito Shoji, 800 - Cidade Salvador - Jacareí – São Paulo

×