Informativo"Lá Vem o Trem das CEBs" Nº 52 e 53 Dezembro 2009 e Janeiro de 2010

  • 1,640 views
Uploaded on

Informativo das CEBs Nº 52 e 53 Dezembro 2009 e Janeiro de 2010

Informativo das CEBs Nº 52 e 53 Dezembro 2009 e Janeiro de 2010

More in: Spiritual
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
1,640
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
8
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Lá vem o Trem das CEBs... Formação e Informação para animadores Diocese de São José dos Campos - SP Informativo das CEBs - Ano V - Dezembro 2009 / Janeiro 2010 - Nº 52 Indíce PÁG 2................................... Palavra do Assessor PÁG 4................................... Campanha da Fraternidade 2010 PÁG 7................................... Projeto CREIHU PÁG 09 ................................ Novo Método do Encontro das CEBs 2010 PÁG 10 ................................ Aconteceu PÁG 11 ................................ Tudo sobre o Encontro Celebrativo das CEBs Foto: Pe. Jaime C. Patias
  • 2. 2 CEBs - Informação e Formação para animadores :: PALAVRA dO AceSSOR CENTRALIDADE DA PALAVRA Estimado(a) Animador(a) de Co- sejam marcados com a Bíblia na mão dimensões como: profética (anúncio e Deus na vida, que nos leva à abertura a munidade, olá! de todos... para denúncia), missioná- Jesus Cristo e ao semelhante), martirial A partir da verdade de que as Pe- passarmos de lei- ria (ir ao encontro (dar a vida pelo outro como o Mártir quenas Comunidades são um dos lu- tura da Bíblia para do outro), libertado- Jesus, sobretudo no testemunho diá- gares privilegiados para o encontro Leitura Orante da ra (promover e de- rio), litúrgica (celebramos os mistérios pessoal e comunitário com Jesus Cris- Bíblia. fender a dignidade de Cristo, da Igreja o do ser humano), to, Palavra Eterna do Pai, apresento A partir da humana, na justiça), comunitária (mesmo sozinhos, temos a grandeza e a realidade do encontro Bíblia (Leitura bíblica (a partir da sentido de pertença a Cristo e à Comu- com Deus por meio da Leitura Orante Orante) podere- experiência vivida e nidade), entre outras... da Bíblia, que as CEBs propõem para mos viver um dis- anunciada do Povo Fique atento, pois a partir de feve- 2010, de modo mais vivo e eficaz. Cen- cernimento espiri- de Deus, a partir reiro estaremos vivenciando a Leitura tralidade da Palavra vai além de ter tual que nos leva da revelação divi- Orante da Bíblia em nossos encontros nas mãos a Bíblia. Ela deverá fazer-se ao compromisso na), mariana (Ma- semanais das CEBs. Leia novamente o presente nos momentos de oração pes- com o Reino de ria como modelo e informativo “Lá vem o trem das CEBs” soal e comunitária, iluminando nossos Justiça e Frater- incentivo para viver do mês passado. encontros e conversas em grupo, nas nidade, sonhado em comunidade, na Creio que assim poderemos cele- nossas formações e assembléias... Mo- e garantido por simplicidade e na brar bem o Natal, a Páscoa, o dia a dia tivo a todos termos, sim, o livro da Sa- Deus, até mesmo luta contínua), es- de nossa vida, e tudo mais... grada Escritura (a Bíblia) sempre que em nossas atua- catológica (palavra Feliz Natal e um ano cheio de reali- possível em nossas mãos, como sinal de ções na política, que significa os tem- zações... do Projeto de Deus! nossa busca de iluminação e alimento na economia, na pos futuros que há na caminhada como Igreja, para anun- cultura, na educa- de vir e que já expe- Um forte abraço! ciar e testemunhar a vida e a esperan- ção... rimentamos na fé e ça a todas as pessoas. Por isso, que os Lembremo- na vivência fraterna Pe. Ronildo encontros semanais das CEBs em 2010 nos que nossa Espiritualidade carrega do evangelho), orante (experiência de Assessor Diocesano das CEBs :: IdenTIdAde dAS ceBs Identificação com o Reino Ao iniciarmos um novo tempo litúrgi- O nascimento de Jesus tornou concre- não tem limites. Já ouvimos de mui- exercício eficaz da justiça que traz consi- co na Igreja com o Advento, que para nós ta a missão de revelar entre nós o Pai e tos que o tempo do Natal poderia ficar go possibilidade real de mudar estruturas é muito especial, porque fazemos a lem- o seu Reino. Nas CEBs, todos os grupos congelado e todos nós ficaríamos com que sufocam a pessoa humana. brança de celebrar a chegada do Menino se reúnem para orga- estas belas imagens Fazer acontecer a justiça traz dignida- Deus, conforme anunciaram os profetas, nizar e celebrar nas de fraternidade, mo- de! A mensagem do Advento do Senhor que da casa de Davi uma virgem dará a casas e em família a mentos mágicos em é esta grande oportunidade que surge de luz a um menino e seu nome será Ema- experiência de refle- que muitas pessoas revermos a nossa caminhada e o que pre- nuel “ Deus conosco”. (Isaías 7,10-14). tirmos sobre a reali- lembram e são lem- cisamos fazer, para nos identificarmos Deus se fez presente entre nós através de dade atual à luz das bradas, presenteiam com o seu Reino!. Maria que tornou realidade a promessa. citações bíblicas, que e são presenteadas e Aproveitamos para agradecer a todos Este novo tempo exige preparação in- nos chamam atenção a sensibilidade para animadores e animadoras e participantes terior para a vinda do Senhor, assim como para a disparidade da ajudar é muito gran- das comunidades, que reunidos ao lon- nos preparamos neste mês arrumando desigual relação en- de. go do ano possibilitaram com a graça de nossa casa, pensando em adquirir aquele tre as pessoas. Mas se pararmos Deus, este belo trabalho de formação e presente acalentado durante o ano, tam- Quantos de nós para pensar, quan- evangelização fazendo acontecer em seus bém é importante fazer a reflexão de abrir nos questionamos tas pessoas que nem ambientes os ensinamentos de Jesus, a mão de parte de nosso tempo e agendar a neste período; pre- lembradas são? E partilha, a fraternidade e a comunhão. nossa participação na preparação para o cisamos fazer algo? o tempo continua Desejamos a todos (as), um Santo e Natal. Por isso o gesto con- acontecendo, por Feliz Natal, um Ano Novo de realizações Como seria bom se todos os batizados creto é a resposta da isso precisamos nos na família, comunidade, trabalho, lazer e se motivassem e, em suas casas, com as comunidade a este identificar com o crescimento espiritual, com a certeza de suas famílias, ou em comunidade parti- anseio ao nos mobi- Reino de Deus e os que Deus está conosco e renova em nós a cipassem da Novena de Natal, que a Igre- lizarmos em mutirão seus valores, para esperança de um novo tempo. ja coloca ao alcance de todos, e também partilhando gestos de amor, mas que não que todo o Tempo da Igreja seja tempo de Fraternalmente participassem nas celebrações que nos pode ficar restrito ao Natal. novas atitudes, de disponibilidade no ser- dão oportunidade de aprofundar os valo- Cristãos conscientes não podem se viço ao próximo, na participação pastoral, Luiz Marinho res do Reino . submeter a estes limites porque o amor na evangelização levando a Boa Nova, no Equipe de Comunicação
  • 3. 3 CEBs - Informação e Formação para animadores :: eSPIRITUALIdAde Para resgatar que sustenta e faz novas todas as coisas” (cf. Ap 21, 5). Especialistas afirmam que como caminho espiritual: uma experiên- cia mística e outra política. A mística é anunciou que o Reino de Deus está pró- ximo e, de fato, já se encontra em nosso o Espírito o vazio existencial do ser humano na so- a experiência de sentir-se Filho de Deus, meio (Mc 1, 15). O Reino é a presença ciedade contemporânea é acelerado pela enviado entre a humanidade como Sal- ativa e transformadora de Deus no uni- pressão do consumismo, que valoriza e vador e Messias. Sendo Jesus da mesma verso e em cada ser humano. Jesus revela do Natal reconhece a pessoa pelo que ela tem, pa- rece ter ou parece ser. Passa-se então a humanidade que nós, porque é nosso ir- mão, essa consciência de ser Filho do Pai um Deus cheio de compaixão e miseri- córdia, que ama e cuida, cura e restabe- Jaime Carlos Patias, imc * forjar uma aparência de su- lece a vida. Ele não se isola das pessoas, O tempo de Natal acelera a vida nas cesso, fama, beleza, magre- mas se aproxima de todos, especialmente ruas e aquece o comércio. O glamour das za, não importando o custo. dos rejeitados, até porque se não fizes- peças publicitárias e o brilho nas decora- Isso está afetando profun- se isso, a encarnação não teria sentido. ções transformam o ambiente ao nosso damente as relações sociais O mundo se desenvolveu de maneira redor, misturando-se com desejos de paz, e cotidianas da sociedade, extraordinária, e ao mesmo tempo não harmonia e felicidade. Mesmo sabendo famílias e comunidades. consegue nos tornar mais humanos. A que nenhuma mercadoria anunciada, e até Por outro lado, percebemos sociedade como um todo está perdendo mesmo os votos de Feliz Natal realizam uma sede de espiritualida- o essencial, a sua alma e os valores que de fato o que prometem, somos envolvi- de, revelando a falta que dão sentido à existência. A espirituali- dos por um espetáculo contagiante. Por ela faz. As pessoas têm dade existe justamente para recuperar outro lado, o vazio existencial e a busca desejos profundos de vi- a alma quando a perdemos, a partir de do sentido da vida seguem nos desafian- ver em comunhão ou união uma união profunda com Deus, viver a do. A humanidade anseia pela felicidade, com o divino. Por influên- solidariedade, a justiça, a paz e a defesa verdade, fraternidade e paz: um anseio cia da mesma sociedade de da Criação integrados no seu conjunto universal somente alcançado à luz da re- consumo, notamos também com a mesma espiritualidade de Jesus. velação de Deus, num menino que nasce uma variedade de ofertas e Resgatar o verdadeiro espírito do Natal em Belém. A celebração do Natal de Je- propostas de produtos da fé, nas diversas abre a possibilidade a cada um de nós de na chegada do menino-Deus nos aju- sus tem por objetivo recordar a primeira manifestações religiosas que florescem fazer a mesma experiência, sentindo-nos da a assumir um estilo de vida segundo vinda do Filho de Deus entre a humani- por toda parte. Nessa busca ávida pelo seus filhos e filhas queridos (cfr. 1Jo 3, o Espírito de Cristo, e a contrapor a so- dade e ao mesmo tempo nos tornar vigi- religioso, criam-se confusões: existem 1). Como seria diferente a humanida- ciedade do espetáculo e do consumo. lantes à espera de sua segunda vinda, no coisas úteis e coisas menos apropriadas. de se todos soubessem e fossem respei- final dos tempos. Ante à perda do sentido Na nossa busca, deveríamos sempre tados como filhos e filhas de Deus, nas Jaime Carlos Patias, imc, é mestre em da vida, temos no Natal do Senhor razões nos voltar para Cristo. Destacamos duas diferenças, nas raças e nas culturas! A se- comunicação e diretor da revista Missões. suficientes para aprofundar a nossa espi- experiências na vida de Jesus, pilares gunda experiência de Jesus é de natureza Fonte: Adital ritualidade “enquanto força do Espírito que até hoje sustentam o cristianismo político-religiosa. Em sua pregação, Ele :: MeMÓRIA & cAMInHAdA Agenda Latino Para contribuir com este mutirão de cidadania universal e de cuidado ecológi- pelas grandes causas da humanidade. Além de um calendário ecumênico, Americana co, a Agenda Latino-americana Mundial minuciosamente organizado, a Agen- de 2010 lança este tema e nos convida a da toma o tema do ano (neste 2010, fazer de todo o ano de 2010 um tempo de “salvemo-nos com o planeta”) e con- Nossa Agenda nasceu e vem cami- atenção maior com o planeta e suas ne- vida intelectuais e militantes sociais nhando sempre à luz e sob o estímu- cessidades. Na carta introdutória, Dom dos cinco continentes para escrever lo da Utopia. Uma Utopia indefinida Pedro Casaldáliga explica: “Somos nós um estudo sobre algum aspecto deste nos seus contornos e em sua hora, mas ou é o Planeta que está em crise mortal? tema geral. Estes textos e artigos são irrenunciável a partir do nosso com- Batalhamos três títulos para a agenda dispostos de acordo com o método promisso com o humanismo integral. Latino-americana 2010 que aportam para consagrado do Ver, Julgar e Agir. Cada ano a Agenda tem um tema central, possíveis focos. Salvar o Planeta, Salva- Como em outras edições, a Agenda tratado por especialistas que abordam remos o Planeta?, Salvemo-nos com o 2010, em convênio com entidades esse tema de ângulos diferentes. Os te- Planeta. Optamos pelo último título, por- afins, também propõe concursos de mas têm sido maiores, ambiciosos, como que técnicos e profetas nos vêm recordan- textos e temas a serem aprofunda- o diálogo intercultural, a comunicação, a do que nós somos o Planeta também; so- dos. Para os vencedores, há prêmios democracia, a política, o mundo indígena, mos Gaia, estamos despertando para uma e possibilidade de divulgação do as migrações, a dívida externa, a Pátria visão mais holística, mais integral…”. seu trabalho.( Ir Marcelo Barros) Grande... Temas maiores, digo, porque Como nos anos anteriores, a “Agenda La- Há 18 anos a Agenda Latino-ame- abrangem pessoas e povos, nosso Conti- tino-americana Mundial 2010 marca cada ricana mundial traz reflexões sobre nente e o Terceiro Mundo, a solidariedade data com a memória dos acontecimentos a situação política e econômica da do Primeiro Mundo e a transformação das que tornam aquele dia diferente, na his- América Latina e do mundo, sendo dis- instituições internacionais. (Dom Pedro tória da libertação dos povos e assinala a tribuída em várias línguas pelo continente Colaboração: Maria Matsutacke Casaldaliga) lembrança das pessoas que deram a vida americano e europeu. Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe
  • 4. 4 CEBs - Informação e Formação para animadores :: FORMAÇÃO PARA AnIMAdOReS de cOMUnIdAdeS :: eSPAÇO dO AnIMAdOR CAMPANHA DA FRATERNIDADE ECUMÊNICA DE 2010 “2010 - Ano da Esperança” Tema: - “Economia e Vida” Lema: “ Vocês não podem servir a Deus e ao dinheiro.” Mt 6,24c - Questões de trabalho: informalidade, trabalho escravo, precariedade e desem- Igrejas que fazem parte prego. do CONIC - Questões agrárias: terra e água. - Recursos naturais, privatizações. Igreja Católica Apostólica - Tributação, previdência, concentração Romana - ICAR de renda. Dom Geraldo Lyrio Rocha - Consumismo. SE/Sul Quadra 801 - Conj.B - CEP - Uso indevido do dinheiro público. 70.259-970 – Brasília – DF Enfim o Ano Novo; povos se confra- - Sonegação. ternizam, pessoas se abraçam, lágrimas www.cnbb.org.br que rolam, corações que se apertam, per- dões que se perpetuam, fogos que espo- 2 – Educar para a prática de uma econo- Igreja Cristã cam... Afinal vislumbramos o Novo Ano! mia de solidariedade, de cuidado com a Reformada - ICR Nova caminhada, novos projetos; mas criação e de valorização da vida. Sr. Antônio Bonzoi como realizá-los? Olhamos para trás, - Interagir na realidade. Rua Domingos Rodrigues, 306 - Lapa avaliamos a nossa atuação: o que fize- - Justiça, solidariedade. CEP 05.075-000 – São Paulo – SP mos, atuamos bem, concluímos os nossos - Valorização da vida mais do que ao lu- Tel.: 11 3260-7514 projetos? Talvez ao terminarmos a nossa cro. jornada percebamos que tenha faltado al- - Preservação da criação. Igreja Episcopal Anglicana guma coisa a ser acabada; não proferimos - Consumo responsável e consciente da do Brasil - IEAB aquela palavra amiga que com certeza mu- situação do próximo e do planeta. Bispo Primaz Dom Mauricio de Andrade daria toda uma situação, nos ausentamos Objetivo Geral quando nossa presença se fazia necessá- - Contra o preconceito de classe. Av. Engº Ludolfo Boehl, 278 Unir Igrejas Cristãs e pessoas de boa ria àquele momento, nos achamos muito - Direitos Humanos. Teresópolis - CEP 91.720-130 vontade na promoção de uma economia importantes quando a humildade deveria - Respeito da dignidade humana além de Porto Alegre - RS a serviço da vida, sem exclusões, cons- ser preponderante, mas aqui estamos nós. interesses egoístas. www.ieab.org.br Finalmente o Ano Novo, 2010, truindo uma cultura de solidariedade e paz. o Ano da Esperança. 2010, ano par. 3 – Conclamar as Igrejas, as religiões e Igreja Evangélica de Confissão Ora, Os pares! Quando pensamos no toda a sociedade para a implantação de Luterana no Brasil - IECLB par vêm-nos os sentimentos de união, do Objetivo Específico um modelo econômico de solidariedade Pastor Dr. Walter Altmann achegar-se propõe-nos a esperança de 1 – Denunciar a perversidade de um mo- e justiça para todas as pessoas. Rua Senhor dos Passos, 202 – 5º andar acontecimentos fortuitos, se olharmos a delo econômico que visa em primeiro - Direito a educação de qualidade. CEP 90.020-180 – Porto Alegre – RS história através dos “pares” testemunha- lugar o lucro aumenta a desigualdade e remos realizações extraordinárias pela - Praticas de economia solidária. Tel.: 51 3221-3433 gera miséria, fome e morte. www.luteranos.com.br mão de Deus, juntou o par Homem e Mu- - Políticas públicas. lher, tivemos a humanidade, aliou o par Igreja Sirian Ortodoxa José e Maria e eles amparam o Menino Oração da de Antioquia - ISO Jesus, o mesmo Jesus que num momento Camp anha da fraternidade 2010 Del. Patriarcal Mons. Antonio Nakkoud de sublimação juntou a Morte e a Ressur- reição e nos presenteou com a vida eterna. Rua 14 de Julho, 1.060 - Centro Ó Deus criador, do qual tudo nos vem, nós te louvamos pela beleza e perfei- CEP 79.004-393 - Campo Grande - MS Ah! Esperança, que ela seja nossa as- sessora neste ano que está se iniciando, que ção de tudo que existe como dádiva gratuita para a vida. Tel: 67 3324-7937 uni- caminhemos por ele fazendo paridade com Nesta Campanha da Fraternidade Ecumênica, acolhemos a graça da www.syriac-br.org , aprendendo a ser fiéis ao Evangelho. Ilumina, a solidariedade, fraternidade e caridade... dade e da convivência fraterna é amor, Participemos de toda ação que nos seja ó Deus, nossas mentes para compreender que a boa nova que vem de ti Igreja Presbiteriana Unida - IPU de direito e dever, levando sempre como compromisso e partilha entre todos nós, teus filhos e filhas. Moderador: Rev. Enoc Teixeira Wenceslau lema o ensinamento do Cristo: - “Amar a Reconhecemos nossos pecados de omissão diante das injustiças que causam Av. Princesa Isabel, 692 Deus sobre todas as coisas e ao próximo na pro- exclusão social e miséria. Pedimos por todas as pessoas que trabalham Ed. Vitória Center - Salas 1210/1211 com a nós mesmos”, pois, desta maneira moção do bem comum e na condução de uma economia a serviço da vida. mudaremos os acontecimentos, não com en- CEP 29.010-360 - Vitória - ES Guiados pelo teu Espírito, queremos viver o serviço e a comunhão, promov palavras, mas através de atos concretos. www.ipu.org.br do uma economia fraterna e solidária, para que a nossa sociedade acolha a vinda Atenciosamente, do teu reino. Fonte: CONIC Por Cristo, nosso Senhor. Amém. Valdemair e Cida - Casal coordenador da CEBs da Paróquia Coração de Jesus
  • 5. 5 CEBs - Informação e Formação para animadores :: “A BíBLIA nOS InTeRPeLA” Mobilização Bíblica, Dez Passos O Sínodo sobre a Palavra de Deus bíblicas. Ouvir e compreender, ler e com- 8. Dar primado à Pala- realizado em Roma é uma ótima chance preender, eis o que produz fruto. vra. A Bíblia deve vir antes para deslancharmos uma mobilização bí- 4. Rezar com a Bíblia. É a Leitura do catecismo e de outros li- blica. Por sermos discípulos missionários, Orante da Bíblia. Ler, meditar, rezar, con- vros. Nossa catequese deve precisamos mais de Bíblia que de projetos templar. Esta é a porta de entrada para ser dada com a Bíblia. A pastorais. Nosso povo deve ter acesso à um entusiasmo bíblico e a conseqüente Palavra é alma da missão, Bíblia, formação bíblica, vivência bíblica transformação da vida e da realidade. A da liturgia, da teologia. para que suscitemos um “catolicismo bí- meditação da Palavra deve ser diária e não Nada antepor à Palavra de blico”. Eis os passos dessa mobilização: menos de meia hora. Deus que é Jesus. O prima- 1. Ter a Bíblia. Para a maioria do povo, 5. Estudar as Escrituras. São as escolas do da Palavra irá realizar a a Bíblia é cara. A paróquia e a diocese bíblicas, cursos, leituras para que a Pala- primavera da Igreja porque podem fazer campanhas para o povo ter vra seja entendida e nunca falsificada. É dará gosto à celebração dos acesso à Palavra de Deus. Há casas onde perigoso ler a Bíblia sem saber interpretar, sacramentos e vigor à ação Palavra é criadora, eficaz, regeneradora. não há Bíblia, noutras ela é um enfeite, ler fora do contexto e desligados da Igreja. evangelizadora. É hora de formar nos católico um “cora- aliás, bastante caro. Ter a Bíblia nas mãos 6. Formar grupos bíblicos. Conhe- 9. Ter ministros da celebração da Pala- ção bíblico”, um apego e familiaridade é uma boa propaganda da Palavra. Para cemos os grupos bíblicos de reflexão, vra bem preparados. A celebração da Pa- com a Bíblia para que a Igreja renove suas o povo simples e pobre a Bíblia é muito os círculos bíblicos e outros grupos que lavra deve enfocar a Palavra, a homilia, a forças missionárias. A Palavra de Deus, cara. Vamos popularizar a Bíblia com pre- se alimentam da Palavra. Nestes grupos partilha bíblica. Não transformá-la numa mais precisamente a Bíblia, deve estar na ço acessível ao povo. acontece o ensino bíblico e a vivência da “quase missa”. Os ministros da Palavra, os mão de cada criança, de cada jovem, de 2. Saber abrir a Bíblia. O mundo da mensagem. Vamos proliferar grupos bí- sacerdotes, religiosos e religiosas, leigos e cada casal, cada cristão. Não podemos ser Bíblia é complexo. Como aprendemos a blicos para que o povo sacie a fome da leigas devem estar nas rádios, jornais, es- analfabetos bíblicos, nem tornar rotineira abrir a TV, o celular, o computador, cada Palavra. quinas de rua, casas e templos, divulgan- a Palavra viva, fecunda e eficaz. Só pode- paróquia, pastoral e movimento deve en- 7. Bons microfones, bons leitores, e do as Sagradas Escrituras. Chegou a hora mos ser discípulos com a Bíblia na mão, sinar as pessoas a abrir o Livro Sagrado. bons anunciadores. A Palavra deve ser do “mutirão bíblico”, de uma mobilização no coração e pés na missão. A Igreja será Não ignoremos as Escrituras. Basta de bem ouvida para produzir o efeito espe- bíblica. atraente e convincente a partir de uma re- analfabetos bíblicos. rado. Precisamos ter todo cuidado com o 10. Transformar o catolicismo devo- novação bíblica, eis que chegou a hora da 3. Saber interpretar. A Bíblia não é um som, a proclamação e o anúncio da Pala- cional e sacramentalizador em “catolicis- mobilização bíblica nacional. livro fácil. É perigoso cada um fazer sua vra. Ela não pode cair por terra. A Palavra mo bíblico”. A V Conferência propõe uma interpretação pessoal. Não podemos nos deve atrair, comover, converter. Haja o “pastoral bíblica” Precisamos ir além desta Dom Orlando Brandes fixar ao pé da letra. Isso se chama funda- ministério que prepara os leitores porque proposta e vislumbrar um horizonte ainda Fonte Catequisar mentalismo. Daí a necessidade de escolas onde se lê a Palavra, ali Deus está falando. maior que o catolicismo bíblico, porque a :: nOTícIAS dA cnBB RECADO PARA OS Com grande votação, ANIMADORES PEC Alimentação é aprovada pela Câmara dos Deputados Foi aprovada em primeiro turno, na mada em segundo turno. Após a segun- precisando de 3/5 dos votos favoráveis. última semana, pelo plenário da Câmara da aprovação, a PEC finalmente será Antes do anúncio do resultado, com dos Deputados, a Proposta de Emenda promulgada pelo Congresso Nacional. a expressiva votação favorável, os de- Constitucional (PEC) 047/2003, de auto- No Senado, a matéria foi aprovada em putados se revezavam na tribuna, de- ria do senador Antônio Carlos Valadares todas as instâncias e também pelo ple- fendendo a proposta. “Este era um dé- (PSB-SE), que inclui o Direito Humano nário em dois turnos. Toda proposta que bito que esta Casa tinha com o povo à Alimentação entre os direitos sociais da altera a Constituição deve ainda passar brasileiro há 21 anos”, disse o deputado Constituição Federal. Atualmente o arti- por quatro votações em plenário, sendo Nazareno Fonteles (PT-PI), presiden- go 6º da Constituição prevê como direitos duas vezes na Câmara e duas no Senado, te da Frente Parlamentar de Segurança As reuniões de comunidade vão ter sociais a educação, a saúde, o trabalho, a Alimentar e Nutricional. “Esta Casa, mudanças no Primeiro Subsídio. Suge- moradia, o lazer, a previdência social, a portanto, está de parabéns”, completou. rimos que seja verificado no Informa- proteção à maternidade e à infância, a se- “A luta faz a lei”, disse o deputado tivo do mês de Novembro e no livreto gurança, e a assistência aos desamparados. Chico Alencar (PSol-RJ), exibindo com da Novena de Natal. Este novo jeito de Entre os 513 deputados, 377 partici- uma mão a camiseta da campanha Ali- conduzir os encontros, vai precisar de param da votação. O resultado foi: 374 mentação, direito de todos. “Mas não bas- preparação antecipada para melhor votos a favor, 2 contrários e 1 absten- ta votar, nós temos que fazer isso sair do condução nos grupos de reflexão. ção. Agora, a matéria segue para ser vo- papel e entrar para a vida”, defendeu ele. Mãos à obra gente! tada em segundo turno, após intervalo regimental de cinco sessões da Casa. A Com informações do Consea. Equipe de Comunicação tendência é que a aprovação seja confir- Fonte CNBB
  • 6. 6 CEBs - Informação e Formação para animadores :: dInAMIZAndO O encOnTRO de cOMUnIdAdeS NATAL: A GRANDE ESPERANÇA! ta noite eu vim adorar. muita preocupação, meu senhor. Minha mu- Narrador: O senhor foi Rei... qual era o lher vai dar à luz esta noite. É época de mui- seu reino, e como foi o seu governo? to movimento por causa do recenseamento, Davi: Eu fui rei de Israel. Eu governei em teremos que ser contados por ordem do go- Música: (à escolha) Moisés: Mas disseram apenas uma parte nome de Deus e procurei ser justo e honesto, verno. Narrador: Boa-noite. da verdade. O pessoal lá maltratava o nos- para servir o meu povo. Eu também tive meus Narrador: Quem são vocês? Para celebrar este Natal, vai ser preciso so povo: nós éramos trabalhadores e nunca momentos de fraqueza, quando a comodida- José: Sou José, e minha esposa é Maria. esquecer um pouquinho as bolas coloridas, ganhávamos nada. Nós éramos escravos dos de e os prazeres da terra me atingiram. Mas Somos descendentes de Davi e temos que dar os sinos festivos e as poesias. Desculpem, governantes. nem mesmo assim Deus me desamparou e os nomes aqui em Belém, para cumprir a or- mas queremos deixar a História falar, a His- Narrador: Mas o que houve com a pro- eu me corrigi. Governei Israel por quarenta dem do Imperador. E agora nós vamos pro- tória da Salvação. E na História da Salvação messa que Deus tinha feito a Abraão? Ele se anos. Fui um homem temente a Deus e pro- curar um lugar para o nosso filho nascer. (Os é Deus quem fala, a partir daquilo que nós esqueceu de seu povo? curei seguir todos os seus pedidos da melhor dois saem e vão bater na porta da sacristia, apalpamos, vivemos. Moisés: Não, não! Quando estávamos maneira possível. (apagam-se as luzes. Davi depois na outra porta, do outro lado. Voltam No começo, Deus fez tudo bem. “Depois passando necessidades, Deus me ordenou coloca-se junto a Abraão e Moisés) para o centro da Igreja). de criar todas as coisas e entregá-las ao do- que conduzisse o seu povo para fora do Egi- Isaías: “Por isso o próprio Senhor vos Maria: Já andamos muito e não encon- mínio do Homem, Deus contemplou toda a to, para uma terra de fartura, a nossa terra dará um sinal: Que a Virgem conceba e dê tramos onde ficar. Será que aqui, nas comu- sua obra e viu que tudo era bom” (Gn 1,31). prometida. à luz um filho e o chame de Emanuel” ( Is nidades desta região, tem um lugarzinho para Ora, se tudo no começo era muito bom, Deus Narrador: E você conseguiu tirá-lo da 7, 14) nós? seria injusto se achasse muito bom a pobreza, escravidão no Egito? Narrador: o senhor é profeta, não é? Narrador: Naquele tempo não houve o sofrimento, a dor e as dificuldades da vida. Moisés: Sim, nós conseguimos. O gover- É um daqueles que Deus mandava ao povo lugar para eles na hospedaria, lá em Belém. Se Deus achou tudo muito bom, é porque no daquela época mandou sua polícia atrás para falar, explican- Maria deu à luz seu Filho, envolveu- o com nada disso Ele queria, nada disso foi criado de nós, mas Deus sem- do os acontecimento, faixas e o deitou numa manjedoura (Prepara por Ele. Os Homens, porém, amaram mais as pre nos ajudou e a nos- apontando os erros e o nascimento de Jesus) trevas do que a luz. (Apaga-se a luz. Entra sa fé nunca se abalou. anunciando a esperan- Narrador: Os pastores de Belém foram Abraão com uma vela acesa) Foi difícil, uma viagem ça? os primeiros, a saber, do nascimento de Je- Narrador: Parece que vem aí uma pe- de quarenta anos no Isaías: É isso mes- sus. Eram gente humilde, analfabetos, não quena luz, uma pessoa... deserto: muita areia, mo. Saiba que isto me sabiam rezar direito, mas foram os primeiros -Boa-noite, quem é o senhor? muita poeira e pouca custou muita persegui- a repetir com os anjos a mensagem de Deus: Abraão: Eu sou Abraão. Já sou velho, água. Mas Deus nunca ção. Seria bem mais fá- “Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos meu filho, há milhares de anos. Deus me nos desamparou, mes- cil se tudo fosse correto homens de boa vontade” . chamou e me mandou mudar, com minha mo quando mais pre- na sociedade. Meu ami- Música: (Aleluia de Haendel ou outro) família, para outra terra, bem longe daquela cisávamos dele. E foi go, eu sou o profeta Isa- Anjo: “Não tenham medo. Eis que vos onde nasci. Não foi fácil, parecia que tudo dessa forma que Ele ías e, nesta noite, vim anunciamos uma grande alegria,que será dava errado. Mas, no meio de toda essa luta, fez conosco esta alian- confirmar a vinda do para todo o povo. Nasceu-vos hoje o Salva- eu guardei esperança na promessa de Deus. ça. Certa vez Deus nos Salvador. (Isaías junta- dor que é o Cristo o Senhor isto vos servirá Narrador: Abraão, por que o senhor fica disse claramente: “EU se aos outros) de Sinal: encontrareis um recém-nascido en- olhando o céu tanto tempo? SEREI O VOSSO Narrador: Antes volto em faixas e deitado numa manjedoura”. Abraão: Eu gosto muito de admirar as DEUS E VÓS SEREIS de Jesus nascer, Deus Narrador: E de repente, juntou-se ao estrelas. Elas me lembram a promessa que O MEU POVO”. mandou um homem anjo uma multidão do exército celeste e co- Deus me fez. Ele disse que de minha família Narrador: Como para dizer ao mundo meçaram a louvar a Deus cantando: sairia um povo grande, tão numeroso como vocês conseguiram que Jesus estava para Música: as estrelas do céu. Desse povo, Deus disse chegar à terra da far- nascer e que todos nós 1° Pastor: Eis aqui o menino, o Menino-Deus. que sairia o Salvador. tura? devíamos nos preparar. 2° Pastor: É o Salvador do mundo. Eu tive que mudar o rumo da minha vida Moisés: Com a ajuda de Deus. E é por João Batista: “Eu vos batizo na água, 3° Pastor: Bendito o que vem em nome do e começar tudo de novo. Tenho andado muito isso que eu vim hoje aqui, para dar testemu- mas eis que vem outro mais poderoso do que Senhor. por essas estradas. O povo de Deus que tive nho de todos esses fatos. Esta noite é uma eu, a quem não sou digno de lhe desatar a Maria: (com o menino nos braços) Ain- a honra de iniciar me chama de Pai Abraão, noite de vida: hoje vai nascer Aquele que vai correia das sandálias; ele vos batizará no Es- da hoje, meus filhos, esse Jesus, que nasceu porque tive fé na promessa de Deus. Escute nos guiar para aterra da fartura onde rema o pírito Santo e no fogo. Ele tem a pá na mão e em Belém, está vivo entre vocês e Ele diz: bem, meu filho, nesta noite, vai se cumprir a amor e a paz. (Moisés afasta-se) limpará a sua eira, e recolherá o trigo ao seu “Não tenham medo, eu venci o mundo.” promessa. Narrador: Mas depois de tudo isso, o celeiro, mas queimará as palhas num fogo Narrador: E nós cremos nele e anun- (Abraão afasta-se e entra Moisés) povo foi se esquecendo dos sofrimentos pas- inextinguível” (Lc 3, 16-17). ciamos como os anjos: “Eis que anunciamos Canto: O Povo de Deus sados e se deixou levar pelos falsos deuses Narrador: Você não sabe, João, o povo uma grande alegria: O Salvador nasce hoje Narrador: Olá, como está? Quem é o que propunham uma vida alienada, afastada anda tão alienado! O próprio Natal virou co- nesta comunidade.” senhor? da realidade, vida de luxo e prazer. Hoje caí- mércio. Pobre Menino Deus! Já são poucos José: Meus irmãos, os pastores de hoje Moisés: Hoje eu estou muito contente. mos em tanta injustiça e opressão, que preci- os que vão à gruta, os próprios cristãos prefe- são os pobres, os operários, os bóias-frias, as Meu nome é Moisés. Sou um descendente de samos fazer uma nova caminhada. rem ir aos estádios de futebol, nos motéis, jo- lavadeiras, as domésticas, os desempregados, Abraão, um protegido da filha de Faraó, um O povo estava precisando de um bom gar na loteca ou beber nos bares... Enquanto os oprimidos, os injustiçados, que continuam inconformado com os sofrimentos do meu animador, alguém que saísse do povo pobre, os grandes estão “podres de rico”, os pobres esperando a promessa de Deus. povo, um fugitivo e um chamado por Deus. um rapaz inteligente e trabalhador. são oprimidos, marginalizados. Narrador: A gruta é sua casa, sua rua, Abraão era bisavô do meu pai. Canto: Vai Moisés/ Liberta o meu João Batista: Infelizmente é isso mesmo, seu bairro, sua comunidade. Jesus Cristo Narrador: Pelo jeito, você é peão, um povo/ vá você também/ e construa um minha gente! Mas vocês já sabem da grande sempre nasce onde os homens se unem, onde camarada que lida com gado. mundo novo (bis). notícia. Ele está chegando. Ele irá construir o pão é repartido, onde todos lutam unidos. Moisés: Quase isso: eu era pastor de ove- Narrador: Aí vem um homem importan- um novo Reino. (Vai para junto dos outros. Feliz Natal para todos os que lutam por lhas na terra de Madiã, bem longe daqui. É te. Quem é o senhor? Está bem vestido, por Maria e José entram) um mundo cristão, pelo bem comum, por que eu tinha fugido do Egito. acaso o senhor é um príncipe? Narrador: Boa-noite, gente boa. Parece uma sociedade justa e fraterna. Narrador: Fugiu do Egito? Pelo que me Davi: Não, não sou príncipe, eu sou rei. que andaram muito, não? Vocês vêm de lon- Canto: Noite Feliz. disseram, o Egito era um país forte e rico, Sou o Rei Davi. Mas, acima de mim está um ge? (Os personagens vão para o meio do povo com grandes pirâmides, cheias de riquezas, e rei, que é o Rei dos Reis, que é da minha des- José: A gente vem lá de Nazaré, e com e todos, de mãos dadas, cantam Noite Feliz). de gente muito boa. cendência. É o Rei Salvador. É a Ele que nes-
  • 7. 7 CEBs - Informação e Formação para animadores 7º Encontro Nacional de Fé e Política Fotos: Divulgação Aconteceu nos dias 28 e 29 de No- Desenvolvimento Social, os participantes No domingo, o en- vembro, o 7º Encontro Nacional do foram divididos em grupos para a realiza- contro teve inicio com Movimento Fé e Política, desta vez na ção das oficinas, com temáticas variadas, a mística de abertura, cidade de Ipatinga – MG. O encontro desde juventude a culturas indígenas, con- seguido por novas fa- teve como tema “Cuidar da Vida: Es- tudo com foco no tema geral do encontro. las acolhedoras ao mo- piritualidade, Ecologia e Economia”. Cada uma em locais diferentes da cidade. vimento. E ao meio Foi realizado no ginásio, no mes- Ao término das oficinas, os participan- dia, encerrou-se com mo palco, em que aconteceu o en- tes foram ao parque ao lado do ginásio, a mística final, quan- contro Intereclesial das CEBs, 7 a onde foram plantadas centenas de árvo- do todos os participan- 11 de outubro, ha 4 anos atrás. Desta res, ato realizado em sinal de conscienti- tes foram ungidos com vez abrigou mais de 2000 participan- zação do estado em que o planeta vive e água consagrada, para tes de todos os estados Brasileiros. o papel que cada um tem. O encontro teve um clima muito aco- No encerramento das lhedor, pois como é característico do atividades do sábado, as movimento Fé e Política, teve um cará- Pastorais da Juventude do ter ecumênico. A mística de abertura de Brasil (PJ, PJMP, PJE e sábado permaneceu em todo o encontro PJR) lançaram oficialmen- desde a benção da mesa de celebração te a CAMPANHA CON- que levem as bênçãos deste povo so- pelas culturas afros, os cantores de fo- TRA O EXTERMÍNIO nhador a suas comunidades, e depois lias de Rei até o encerramento com um DE JOVENS, com uma cada um abençoou seu companheiro e lindo espetáculo musical, onde dança- enorme bandeira branca, lhe desejou a paz. O encontro foi fina- rinos trouxeram deficientes físicos em cor símbolo da paz, todos lizado com as falas de agradecimento. cadeiras de rodas que mais uma vez no os participantes do encon- O nosso regional é um dos candi- ensinam que devemos “Viver, e não a tro foram convidados a datos para receber o 8º encontro, com a vergonha de ser feliz, cantar e cantar e colocar a palma da mão inscrição da Diocese de Campo Limpo. cantar a beleza de ser um eterno aprendiz.” com tinta, que será o sím- Durante o encontro, após algumas fa- bolo da campanha, dizen- Daniel Arrebola las de convidados, como o Ministro de do BASTA ao extermínio. Pastoral da Juventude Diocese de São José dos Campos EVANGELIZAÇÃO EM REDES PROJETO CREIHU g das Acesse o Blo C EBs! Tendo as CEBs à frente e com objeti- tudo, na mentalidade. vo de colocar em prática as orientações do Teremos formação em 14 lugares nas Documento de Aparecida, em comunhão quartas-feiras com todas as “forças vi- com a América Latina, Caribe e com a vas”, como ministros, agentes de todas Diocese, a Paróquia N. Sra. do Perpétuo as pastorais e movimentos, com os gru- Socorro discerniu a necessidade de criar pos de trabalho, crianças e jovens... entre um projeto de evangelização, que tem março e junho. como sigla CREIHU (Comunidade em Centralidade da Palavra e Conversão :: Notícias Redes de Evangelização e Integração Pastoral serão carros chefes destas forma- Humana), com proposta de setorizar a Pa- ções, levando a refletir profundamente o :: Agenda róquia, não só regionalmente, mas, sobre- Caminho de formação dos Discípulos de Jesus Cristo (processo em 5 :: Fotos :: Videos passos): 1) encontro com Je- sus Cristo, 2) conversão, 3) :: Baixe o Informativo e o discipulado, 4) comunhão e 5) missão, conforme o Capítulo Subsídio das CEBs VI do Documento de Apare- ...e muito mais!!! cida. Evangelização em Redes: eis o desafio! Pe. Ronildo, pela Paróquia
  • 8. 8 CEBs - Informação e Formação para animadores :: FIQUe LIGAdO! Novo método de Encontro das CEBs para 2010 CEBs É MAIS QUE UM ENCONTRO SEMANAL DE 1 HORA Muitos se enganam em pensar e agir como de costume. Neste momento, como POR QUE CELEBRAR O OFÍCIO e também com grupos religiosos que de como se CEBs fossem apenas aquele mo- em qualquer Celebração da Palavra, não DIVINO? (ver página 7 do ODC – 13ª outros modos buscam a Deus, escutar a mento de 1 hora ou um pouco mais de se faz adoração eucarística. Após a comu- edição - 2005) Palavra de Deus nos acontecimentos da encontro, usando este subsídio. Na verda- nhão, o ministro faz a oração conclusiva e “Desde o início as comunidades cris- vida, iluminados pela Sagrada Escritura e de, este momento é também momento de deixa para que o dirigente do encontro o tãs se reúnem para cantar os salmos e responder-lhe pelo louvor e pelas preces CEBs, mas não único e exclusivamente. conclua conforme está preparado. proclamar o louvor de Deus, em nome de de todo o povo. CEBs é um modo natural da Igreja ser - Convidar ou descobrir pessoas que toda criação e da humanidade. Fazendo RITOS, GESTOS E AÇÕES SIMBÓ- junto com todos que convivem na mes- têm o dom de animar o canto, seja com isso, somos as testemunhas encarregadas LICAS NO OFÍCIO (ver página 14 do ma rua/estrada instrumentos de proclamar e cantar as maravilhas da- ODC – 13ª edição - 2005) ou num mes- musicais seja quele que nos libertou do poder das trevas O Ofício Divino pode ser rezado in- mo condomí- com a voz (can- e nos introduziu no reino da luz (cf. 1 Pe- dividualmente, sem nenhum rito. Entre- nio. Às vezes to), para que dro 2, 10). tanto, sendo uma ação litúrgica, tem um realizam-se possam colocar Esta oração do povo de Deus é a pró- caráter comunitário e celebrativo. O lou- encontros com a serviço de to- pria oração de Jesus Cristo, que se pro- vor de Deus se realiza na comunhão dos grande número dos, na anima- longa na Igreja. Nela expressamos por irmãos e irmãs, por meio da Palavra e dos de pessoas, no ção do encon- palavras e gestos, que as horas do dia, o gestos simbólicos. É importante, então, nível do quar- tro. Ver sempre nosso viver, toda a criação e toda a histó- que cuidemos do espaço, das cores, do vi- teirão ou do as propostas de ria pertencem a Deus. sual, da gestualidade... para que o ofício setor, chegan- cantos coloca- O OFÍCIO DIVINO E A LITURGIA envolva toda a pessoa.” do até a even- dos neste sub- DAS HORAS (ver página 8 do ODC – 13ª O QUE ASSUMIMOS DO OFÍCIO tos paroquiais sídio. edição - 2005) DIVINO DAS COMUNIDADES ou diocesanos. - Criar o O Ofício Divino das Comunidades é Nós assumimos o método e os tex- Mas, a identi- hábito de levar uma tentativa de inculturação da Liturgia tos que o Ofício oferece. Escolhemos de dade das CEBs é viver uma experiência a Bíblia em todos os encontros, pois será das Horas, não apenas simplificada em modo que atenda nossa realidade e, sobre- em grupos pequenos, diariamente e ”24h um “instrumento” essencial para a Leitura uma versão mais breve, mas transforma- tudo, nosso objetivo, que é celebrar sema- por dia”. Em todo momento cada um é Orante da Palavra de Deus. É convenien- da num jeito nalmente o chamado a viver a acolhida e a atenção te que o(a) dirigente ou o(a) animado(a) de rezar que Evangelho para com todos - não só o(a) animador(a) domine como encontrar o texto do Evan- sirva melhor às do domingo da rua, mas todos os moradores daquela gelho na Bíblia, para orientar com segu- nossas comu- seguinte, jun- rua. Vivendo assim, os vizinhos poderão rança os participante. Isto poderá acon- nidades. Ele tamente com perceber que eles são Igreja e a Igreja está tecer, sempre, antes de começar, de fato, possibilita que seu Salmo (em junto deles em toda e qualquer situação o encontro. Aqui não se justifica levar a nos situemos versão popu- da vida. Todos os moradores são protago- Bíblia para a celebração litúrgica, pois, na grande tra- lar). Por isso, nistas na animação de seu grupo de vivên- por exemplo, na missa há outro espírito dição litúrgica não trazemos cia... litúrgico: Palavra de Deus proclamada e, ao mesmo aqui todas as DICAS E SUGESTÕES e ouvida – por isso não duplicar o livro, tempo, nos horas que o - O(a) animador(a) de rua escolha ou porque há uma única Palavra quem diz: insere na rea- Ofício propõe. convide quem será o dirigente, que pode- Jesus Cristo, Palavra Encarnada do Pai. lidade cultural Quem desejar, rá ser alguém da família que acolhe, que Em outras palavras: não levar a Bíblia à e religiosa do adquire seu está aniversariando, ..., ou o(a) próprio(a) Missa. povo. ODC. animador(a) de rua, se for preciso. - O ODC possui CDs e Livros que O OFÍCIO DIVINO NAS COMUNI- CRIATIVIDADE E INICIATIVA - Realizar uma Celebração Mensal no poderão ser adquiridos nas livrarias ca- DADES (ver página 8 do ODC – 13ª edi- NOS ENCONTROS Setor, tendo como motivação a dimen- tólicas em nossa Diocese. Com certeza, ção - 2005) Este subsídio é uma proposta para o são celebrativa de todos os encontros do encontram-se no Apostolado Litúrgico O Ofício Divino das Comunidades, encontro semanal. Criatividade e inicia- mês. Escolher um local que, se possível, (site: www.apostoladoliturgico.com.br) e tem ajudado as comunidades no Brasil a tivas são bem-vindas, conforme a reali- acomode todos os participantes do setor. com a Rede Celebra (ver site: www.rede- organizarem melhor a oração comunitá- dade e a necessidade de cada grupo. No Se houver distribuição da Eucaristia, con- celebra.com.br). ria, oferecendo uma referência importante entanto, não perder o caráter da simpli- vidar o Ministro próprio que, apenas, no - Mesmo com este novo método de en- para a vida de oração. cidade. Ninguém poderá ficar “preso” a momento certo, colocará o Santíssimo contro orante, continua expressivo prepa- Cantando os salmos, escutando a Pa- este material, mas, se for acrescentar ou Sacramento sobre uma mesa com toa- rar o ambiente de forma que ajude a rezar lavra de Deus e respondendo na prece, as mudar algo, que seja para melhor e que lha, vela e corporal, e este convidará os o mistério de Deus e a realidade humana. comunidades recebem força para dar tes- não prejudique o método proposto para a presentes a rezarem o Pai Nosso e, logo Velas, imagens (também crucifixo), fotos, temunho do Cristo libertador... experiência de Leitura Orante da Bíblia em seguida, apresentará a Hóstia Consa- Bíblia, mesa no centro, flores, toalhas co- Por isso, convidamos você também a grada com a fórmula própria: “Felizes os loridas (de retalho), entre outros modos dedicar algo do seu tempo diário para esta CEBs convidados para a Ceia do Senhor. Eis o de ambientação, poderão ser usadas. É experiência de oração, junto com seus ir- Diocese de São José dos Campos - SP Cordeiro de Deus, que tira o pecado do preciso preparar antes, conforme o Evan- mãos e irmãs, ou mesmo sozinho(a) para, mundo”, diante da qual o povo responde gelho que será rezado naquele dia. em comunhão com todas as Igrejas cristãs
  • 9. 9 CEBs - Informação e Formação para animadores :: cOMPROMISSOS PALAVRA DE DEUS NA VIDA DO POVO PARA SE PREPARAR! Gerando dor, tristeza e desolação. riorização, sem demorar muito; Estimado(a) Animador(a) de Comuni- É necessário unir o cordão! b) Cada pessoa poderá partilhar fra- dade. O encontro abaixo será o que vai 3-Na força que hoje faz brotar a vida ses ou palavras que mais “tocaram a sair no primeiro livreto (subsídio) Palavra Atua em nós pela sua graça. vida”, em espírito de fé na força cria- de Deus na vida do povo, em 2010. Ele É Deus quem nos convida, pra trabalhar, dora e criativa que a Palavra de Deus está neste boletim para que você se reúna O amor repartir e a força juntar. traz consigo mesma (porque é Deus); com seu coordenador paroquial e aprenda c) Dar atenção somente ao texto pro- como vivenciar este novo método: Leitu- 5) SALMO 137 (138) (rezado ou cantado) clamado, sem fugir do assunto; ra Orante da Bíblia. Com o “esquema” do Dirigente: “Ele olhou para a humildade de d) Tirar proveito do texto para um Ofício Divino da Comunidade (ODC) – vá sua serva” (Lc 1, 48). Diante de toda cria- encontro pessoal/comunitário com o se acostumando com estes termos – você tura do céu e da terra, cantamos a Deus Senhor e Mestre, na atitude de escuta irá reunir todos os moradores possíveis de que dirige seu olhar amoroso para os po- atenta (como um discípulo); “sua” rua para um encontro semanal ao bres e pequenos. e) Trazer para os dias de hoje a men- redor do Evangelho do domingo seguin- Leitor 1 sagem do Evangelho proclamada no te (ao encontro). Caso haja dificuldade, Eu te agradeço bem de coração, encontro, sem fugir do assunto, ou fale isso com seu(sua) coordenador(a) Eu canto a ti, Senhor, perante os anjos. seja, ter sempre presente o texto em paroquial e ele(ela) saberá quem procu- Eu me ajoelho prá teu santuário, si, para não “vagar” por outros temas. rar na Diocese para possíveis orientações. Por teu amor fiel te nome eu canto! Neste momento é hora de iluminar a Sugerimos que a preparação se dê bem Leitor 2 realidade que vivemos com a Palavra antes do primeiro encontro, que está da- Além de toda imaginação, de Deus. Cuidar para não fazer isso tado para primeira semana de fevereiro de Tua palavra, teu nome engrandeces, sem passar pelo processo todo do método de tantos sofrimentos e perseguições. 2010. Que tal neste ano mesmo, se reunir E quando eu grito, meu Senhor respondes, orante. • Nós te louvamos porque nos fizeste par- com seu(sua) coordenador(a) paroquial Me satisfazes e me fortaleces. 8) REFLEXÃO TEMÁTICA: ANO ticipar da tua morte e ressurreição e nos das CEBs? Leitor 3 NOVO JÁ COMEÇOU! reuniste aqui para continuarmos sua mis- 1º ENCONTRO Todos os reis da terra te celebrem, Leitor 1 - Este é nosso primeiro encontro são de justiça e paz. DE 01 A 07 DE FEVEREIRO Pois já ouviram os dizeres teus do ano com nosso livreto. Mas não pode- Preces espontâneas... (que nasçam da Pa- Tema do encontro: “Avançar para o Façam poemas sobre os teus caminhos, mos nos esquecer de que a Igreja é como lavra de Deus meditada e partilhada) mais profundo e ir ao encontro de todas Pois é tão grande tua glória ó Deus! uma mãe: sempre está atenta aos filhos, Pai nosso... as pessoas” Leitor 1 24 horas. Assim nossa Comunidade não Ave Maria... 1) CHEGADA: Silêncio – oração pessoal Nosso Senhor é um Deus tão imenso se reúne somente nestes momentos, mas 10) ORAÇÃO (quem dirige convida a to- 2) ABERTURA (quem dirige) Mas é capaz de ver o pequenino, deve estar atentar a todas as pessoas com dos para esta oração final) _ Estes lábios meus, vem abrir, Senhor. E já de longe avista o arrogante; quem convivemos na vizinhança. É cla- Ó Deus, fonte de luz e de vida! Pela Res- Cante esta minha boca sempre o teu louvor! Em minha angústia livra do inimigo! ro que quem estiver trabalhando ou estu- surreição de Jesus tu nos conduzes das _ Venham, adoremos a nosso Senhor. Leitor 2 dando fora, lá é lugar do testemunho e da trevas à claridade da tua luz, da morte Hoje ele nos reúne em seu grande amor. Tua mão direita para mim estendeste, missão cristã, seja onde e como estiver. para a vida, da escravidão para a liberda- _ Venham em seu nome, venham se alegrar, Sempre me salva teu amor fiel. Leitor 2 – Somos missionários de Jesus de. Santifica-nos pelo teu Espírito para Ele é a nossa força, vamos aclamar. De tua mão a obra não desprezes, Cristo, é verdade. Mas antes devemos ser que possamos dedicar toda a nossa vida _ desde muito tempo, desde Israel, Glória a Deus, Mãe que une terra e céu! ouvintes da Palavra de Deus e ouvintes da a ti, como fez Jesus teu Filho, nosso Se- Bom é lembrar seus feitos, seu amor fiel. 6) EVANGELHO DE DOMINGO necessidade do próximo. nhor. Amém! _ Para quem caminha ele reservou Ler pausadamente Lucas 5, 1-11 (Pesca Leitor 3 – Atentos ao que o outro neces- 11) AVISOS / COMEMORAÇÕES O mel que sai da rocha e o trigo em flor. abundante) sita, cada um de nós deve viver sua fé (aniversário, nascimento, acolhida de _ Glória ao Pai e ao Filho e ao Santo Espírito. Método Leitura Orante da Bíblia solidária e fraterna, pois somente assim gente nova..) Glória à Trindade Santa, glória ao Deus Poderá seguir os seguintes passos: faremos deste mundo um mundo mais ir- • Evangelho de domingo que vem: Lucas bendito. a) Invoca-se a ação do Espírito Santo atra- mão, a começar pela nossa casa e por este 6, 17.20-26 (Bem-aventuranças); _ Aleluia, irmãs, aleluia, irmãos! vés de um canto, um refrão ou da oração pequeno grupo de convivência, oração e • Próximo encontro será na casa de Do povo que trabalha a Deus Louvação. ao Espírito Santo; partilha. ___________________ à Rua/Av, no 3) RECORDAÇÃO DA VIDA b) Faz-se a leitura pausada do texto do 9) O EVANGELHO SE FAZ ORAÇÃO dia...; Recordação da semana Evangelho. Repete-se algumas vezes a (PRECES) • Não se esqueça: traga a Bíblia no pró- 4) HINO (rezado ou cantado) – Momento leitura do mesmo texto para que todos co- Quem dirige - Irmãos e irmãs, coloque- ximo encontro. Prepare-se, marcando o Novo nheçam bem os detalhes que o texto diz mos diante do Senhor nossas vidas e texto do Evangelho e lendo-o até o dia em 1-Deus chama a gente pra um momento (atos, atitudes, palavras, gestos, reações... a vida de todo o universo: Santifica teu que nos reuniremos; novo / De caminhar junto com seu povo. que os personagens bíblicos apresentam povo, Senhor! • Outros... É hora de transformar o que não dá mais: em si, no texto). • Nós te louvamos, Senhor Jesus, porque 12) BÊNÇÃO Sozinho, isolado, ninguém é capaz. c) Não tirar conclusões nesta hora nem nos amaste e convidaste para lançar rede, Quem dirige: O Deus, fonte da luz, afas- Por isso vem! fugir do texto. formando comunidade, sem distinção e te de nós toda escuridão e fique conosco, Entra na roda com a gente, também! 7) MEDITAÇÃO DO EVANGELHO – sem pretensão. agora e para sempre. Amém! Você é muito importante! (Vem!) (bis) silêncio – partilha – refrões • Nós te louvamos, Senhor Jesus, por todas Quem dirige: Louvado seja nosso Senhor 2-Não é possível crer que tudo é fácil, a) Aqui quem dirige precisa provocar um as pessoas que estão vivendo hoje a sua fé Jesus Cristo! Há muita força que produz a morte, momento de silêncio, de fato, para inte- com autenticidade e perseverança, no meio Para sempre seja louvado!
  • 10. 10 CEBs - Informação e Formação para animadores :: AcOnTeceU A APRESENTAÇÃO DA NOVA O Lançamento da Momento das CEBs COMISSÃO DIOCESANA DAS CEBs Agenda na Rádio Mensagem Latino-Americana Pelo segundo ano consecutivo aconte- Mundial 2010 ceu na Rádio Mensagem um espaço so- bre o Encontro Celebrativo das CEBs, de Aconteceu, às 19h, do dia 05 de de- 24 a 27 de novembro. Participaram este zembro, no Auditório da Secretaria de ano: Pe Ronildo (assessor diocesano das Educação, na cidade de Jacareí, realiza- CEBs), Silvia (coordenadora diocesana ção da Paróquia São José Operário-Jac e das CEBs) , Maria Matsutacke - (Equipe Irmandade dos Mártires da Caminhada, a de Comunicação das CEBs) e Luzia ( vice apresentação musical do coral Brincan- coordenadora e tesoureira das CEBs). to, sob direção do Maestro Rodriguinho Nossos agradecimentos a todo o pes- ASSESSOR DIOCESANO COORDENADOR DIOCESANO VICE-COORDENADORA e apresentação teatral do Grupo de Teatro soal da Radio Mensagem, a Donizete Eu- Pe. Ronildo Aparecido da Rosa José Hamilton Tavares DIOCESANA genio que fez os contatos e a Carlos Sena, Paróquia N. Sra. Perpétuo Socorro Maria de Fátima da Silva Fidaha. Paróquia São Vicente de Paulo A seguir foram homenageados, o am- que apresentou os programas. bientalista e geógrafo, Ricardo Corbani Agradecemos a Deus pela oportunida- Ferraz (em memória), na pessoa de sua de, porque é um diferencial para caminha- mãe, o defensor público Dr. Wagner Gi- da, e aos animadores e todos os ouvintes ron De La Torre , da Defensoria Pública da Radio Mensagem! de Taubaté, Dra. Maria Paulete Pereira Martins, pesquisadora e doutora em eco- Equipe de Comunicação das CEBs logia e meio ambiente, Profº Moraes, po- eta e ambientalista, apresentação do do- cumentário baseado no livro “O buraco branco no tempo”, do físico Peter Russel, SUBSÍDIOS SECRETARIA COMUNICAÇÃO TESOURARIA a celebração da Ladainha dos Mártires Maria José de Oliveira Maria das G. B. Farias Luis Mario Marinho Lázaro de Souza teve fechamento do evento com Xico Es- Paróquia Paróquia Paróquia Paróquia Maria Coração de Jesus Aux. dos Cristãos vael música da Mercede Sosa e a seguir N. Sra. de Guadalupe São Judas Tadeu um coquetel. A Agenda Latino-Americana Mundial COORDENAÇÃO DE REGIÕES PASTORAIS é um livro traduzido para 15 idiomas e vendido em mais de 100 países. “Salve- mo-nos com o Planeta”, tema da agenda 2010, é uma obra coletiva que reúne tex- tos de diversas personalidades engajadas na defesa da vida e do Meio Ambiente. RP I e II RP III RP IV Marisa Aparecida R. Fonseca José Ribeiro Filho A formação da Leitura Orante da João Camilo da Silva Paróquia Nossa Sra de Fátima Paróquia Imaculada Conceição Paróquia SANTA Rita de Cássia Bíblia com o Pe. Ray na paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro no dia 27 de Novembro. RP V RP VI RP VII Maria Conceição Venâncio Maria Aparecida Matsutacke a definir Paróquia São Bento Paróquia N. Sra. de Guadalupe
  • 11. 11 CEBs - Informação e Formação para animadores ENCONTRO CELEBRATIVO DAS CEBs 2009 “ FESTA DA PARTILHA” Saiba como foi o Encontro Celebrativo das CEBs 2009, tudo o que aconteceu, participação, celebração, recordação, juventude e os frutos que este trabalho de evangelização plantou. Aconteceu a festa, domingo beleza da oração e nela Deus pre- sa pela motivação dos jovens da A organização da Liturgia ficou 29/11, foi sem dúvida um grande sente. Paróquia Perpétuo Socorro, que com as RPs 3 e 4, foi muito parti- encontro, estiveram presentes mais Em seguida, Pe. Ronildo falou apresentaram em sua mensagem a cipativa, presidida por Pe. Ronildo, de 700 pessoas de várias comuni- sobre o Tema do nosso encontro: questão ecológica, quanto a pre- os cantos sob responsabilidade do dades paroquiais de nossa diocese. CEBs: “Caminhar juntos pelo servação da terra e das águas, e a grupo Seguidores de Jesus da pa- Ao chegar, pudemos observar que Reino, fazendo ressoar em nossa forma como a natureza responde róquia S.José Operário de Jacareí. o placo e o ambiente estava com a diocese o grito que vem da Ama- quando agredida. A nosso ver de- O almoço tão esperado chegou, simbologia de acordo com o tema, zônia”. Falou também sobre o 12º veria ser apresentada em outras co- o pessoal estava ansioso, a fila por sinal muito bonito e de muito como não poderia deixar de acon- bom gosto, sob a responsabilida- tecer estava quilométrica, mas em de da RP 5, e a medida que outras um ambiente de muita descontra- comunidades iam chegando esten- ção, foi servido primeiro as pes- diam suas colchas no varal, seus soas que tem atendimento prefe- cartazes e suas faixas. rencial e correu dentro do que se Fomos chamados a fazer lem- esperava. À equipe que conduziu, brança do que esperávamos nes- o nosso agradecimento pelo cari- te XXI Encontro, abrir o coração nho , podemos afirmar que o chur- e a mente, agradecer a Deus por rasco e todos os alimentos servidos tudo, refletir sobre a necessidade tinham o tempero do amor . de sermos solidários no sofrimento Momento de descontração, pes- do outro, nas questões ambientais soal dançando, grupo do Serginho de zelar pelo jardim de Deus, mas da paróquia Coração Eucarístico também muito importante de fazer de Jesus animando, Hamiltom sor- a experiência do encontro de estar- teando, a coordenação agradecen- mos juntos, toda a diocese fazen- do a todos e especialmente à Co- do comunhão, com a certeza que munidade de São João Batista da Deus nos ouviu, pois tudo trans- paróquia S.Vicente que nos aco- correu de forma bem harmoniosa. lheu.. Iniciamos o dia com a celebra- É isso! Quem não foi perdeu, ção conduzida pela RP 6, com a Intereclesial, das questões ambien- munidades. Excelente! agora fica o desafio de prevalecer participação de todos. Os cânticos tais e que devemos colocar em A Celebração Eucarística, mo- estes momentos bons que expe- muito bem colocados, até a chuva prática em nossas comunidades, o mento de louvar a Deus e agrade- rimentamos e fazer com que eles fina ajudou o momento reflexivo sentido da missão, a organização cer pelas maravilhas que realiza aconteçam em nossas comunida- como uma benção da natureza, o de nossas comunidades e o agrade- em nós, lembramos também de des por todo o ano de 2010. silêncio quando precisou ser feito cimento a todos os que ajudaram nossas deficiências do que ainda foi observado o que ajudou a apro- para que a festa pudesse acontecer. não conseguimos colocar em práti- Equipe de Comunicação das fundarmos os nossos sentidos na O teatro foi uma grande surpre- ca para celebrar a vida e a partilha. CEBs
  • 12. 12 10 CEBs - Informação e Formação para animadores EBs ebrativo das C • Encontro Cel Par ticipação da Oração Inicial Juventude Celebrando a Caminhada A presença marcante dos jovens, fa- zendo a acolhida aos participantes. A PJ esteve presente no XXI Encontro Celebrativo das CEBs, com a participação na acolhida, segundo Caroline, a PJ ficou muito grata pelo convite, gostou da espi- ritualidade das CEBs, pois é muito pare- cida com a da PJ. Recordamos o compromisso ecológico Recordamos a missionariedade dos ani- Recordamos as famílias que recebem os Recordamos a Páscoa do cantador, poe- das CEBs, o 12º Intereclesial das CEBs, madores, das animadoras das CEBs du- encontros de reflexão em suas casas e ta e missionário Zé Martins, que esteve o encontro diocesano das CEBs de 27 de rante o ano, o seu serviço diário, 24 horas assim permitem acontecer o que Jesus conosco em nosso primeiro workshop de setembro onde entre nosso povo o 12º In- por dia , sete dias na semana na sua rua, ensinou : Onde dois ou mais...estiverem música, no Encontro Celebrativo de 2005 tereclesial aconteceu de novo na sua comunidade e mais conhecido por reunidos na Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo sua perseverança em fazer acontecer se- Socorro, nos 20 anos da Paróquia Cora- manalmente os encontros de reflexão nas ção de Jesus, em encontros Estaduais das casas CEBs, em Intereclesiais...
  • 13. 13 CEBs - Informação e Formação para animadores EBs ebrativo das C • Encontro Cel Palestras 1 - Pe. Ronildo falou sobre o Tema do nosso encontro: CEBs: “Caminhar juntos pelo Reino, fazendo ressoar em nossa diocese o grito que vem da Amazônia”. Juventude Interagindo com peça Teatral 2 - Os jovens da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, que apresentaram em sua mensagem a questão ecológica, quanto a preservação da terra e das águas, e a forma como a natureza responde quando agredida. Celebração Eucarística 3. A Celebração Eucarística, momento de louvar a Deus e agradecer pelas maravilhas que realiza em nós.
  • 14. 14 10 CEBs - Informação e Formação para animadores EBs ebrativo das C • Encontro Cel MILAGRE DA PARTILHA O milagre da partilha pode acontecer diariamente em nossas comunidades, e na sociedade a que pertencemos, basta que a gente tenha atitudes diferentes. É preciso desejar que ele aconteça com a pratica do gesto concreto. No XXI Encontro Celebrativo das CEBs, na Comunidade S.João Batista, aconteceu a partilha e se tornou real porque quem dele participou,colocou tudo em comum assim como Atos dos Apóstolos 2,42-47 todos se alimentaram , adultos jovens e crianças e sobrou ainda uma grande quantidade de carne que foi doada para a Toca de Assis. Milagres acontecem sempre a partir do momento em que abrimos mão de muitas coisas e as colocamos à disposição do outro. As CEBs continuam sendo herdeiras das primeiras comunidades fazendo acontecer o Reino de Deus, motivadas pela Palavra e a Eucaristia. A animação ficou por conta de Serginho e Élson que colocou o povo para dançar com um Animado Forró! SORTEIO Ana Júlia, da catequese da Paróquia Santa Rita de Cássia, foi a grande ganhadora da bicicleta PARABénS!!!
  • 15. 15 CEBs - Informação e Formação para animadores EBs ebrativo das C • Encontro Cel CEBs: Espaço para crianças, jovens, adolescentes... MISSÃO PARA DENTRO: vida comu- As Pastorais e Movimentos são con- Conversão Pastoral: transformação Investir o melhor possível de tempo, nitária, superar o sentimentalismo vocados a se fazerem presença nas pessoal, comunitária e social - RE- dinamismo, sinceridade e acolhida religioso, promover fé madura...; Pequenas Comunidades, testemu- NOVAÇÃO DA COMUNIDADE (cora- junto aos afastados da Comunidade nhando e animando o “ser Igreja na ção do Documento de Aparecida); (sem julgamento e auto-suficiência); base”; MISSÃO PARA FORA: há muitos am- Cultivar nas Pequenas Comunida- Só se é comunidade missionária Projeto Pastoral: ver tipo de anún- bientes sem contato com o Evan- des: espiritualidade da comunhão, se se faz comunidade e se faz co- cio e modelo de Igreja que se quer gelho, fazer presença nas escolas, escuta da Palavra, vida fraterna e munidade discípula de Jesus Cristo construir - ver que teologia está por junto à juventude e adolescentes, solidária, experiência de oração... e não apenas “seguindo de idéias, traz (ex: as músicas cantadas em política (cidadania), trabalho, famí- Isto aprofunda o processo de forma- projetos, planejamentos...”: segue- nossas liturgias...); lia, pobres (promoção humana)...; ção na fé e fortalece o compromisso se uma Pessoa, com compromisso social; do testemunho;
  • 16. 16 10 CEBs - Informação e Formação para animadores ebrati vo das CEBs • Encontro Cel Mensagens do Participantes do encontro Celebrativo das CEBs 1.Eu sou a Léia da Paróquia Nossa Senho- Na qual não podemos esquecer. Ser CEBs ra de Fátima do setor A, Altos de Santana. é bom demais! É a primeira vez que participei do encon- tro Celebrativo das CEBs, gostei de todos 4. Pela primeira vez fui no encontro Cele- os momentos tanto espiritual como as di- brativo das CEBs, gostei muito não quero versões; fui muito bem acolhida, fiz mui- perder mais. Encontrei pessoas amigas tas amizades e estou ansiosa esperando o dancei me diverti , foi muito bom! próximo encontro. Aparecida Marcelino da Costa Paróquia Nossa Senhora de Fátima 2. Foi a primeira vez que participei do En- Altos de Santana. contro Celebrativo das CEBs e posso dizer que gostei muito. Gostaria de parabenizar 5. Nós achamos o Encontro Celebrativo a todos os que colaboraram para o aconte- das CEBs maravilhoso. Descobrimos a cimento do encontro das CEBs. Foi muito riqueza de nossa igreja através da cultura proveitoso, divertido e uma benção a mis- de nosso povo. É Deus presente em nosso sa com o Pe. Ronildo. E foi bom participar com outras comunidades, e gostaria de es- dia, e em nosso irmão. tar presente nos outros encontros. Desejo a Mauro e Vanderlea todos um Feliz Natal e um 2010 de cheio Paróquia N. Sra. do Perpétuo Socorro de amor, paz e esperança. 6. O Encontro Celebrativo das CEBs me 7. O XXI Encontro Celebrativo das CEBs 5. Participei pela primeira vez do Encon- surpreendeu, foi maravilhoso! Toda certe- foi um marco para historia das CEBs de Luzia Tounoda tro Celebrativo, foi bom demais. Fiquei za de que foi minha primeira participação nossa comunidade, fomos em vinte e uma Paróquia Nossa Senhora de Fátima – pessoas, sendo dezoito pela primeira vez. Altos de Santana em estado de Graça, não vi o dia passar, de muitas próximas! A oração inicial me Todos gostaram muito e retornamos conver- todos os momentos foram especiais! As emocionou, gostei muito. Um dia de ora- sando e já pensando no próximo. Acolhida, 3. Meu nome é Cacilda Fernandes Dias, CEBs são verdadeiramente locais de ção e de festa. Parabéns a todos pela gran- oração, formação, partilha, festa, tudo isto e sou da paróquia Nossa Senhora de Fáti- acolhida e partilha! de capacidade de organização. muito mais! ma. Pela primeira vez participei do encon- Silene Barbosa de Souza Mislene Alvarenga Paulo de Assis Fonseca tro Celebrativo das CEBs, foi um dia ma- Comunidade São Gabriel Paróquia São José Operário – Jacareí Comunidade N. Sra. do Perpétuo Socorro ravilhoso de oração e confraternização. Paróquia São José Operário - Jacareí Paróquia N. Sra. de Guadalupe Aconteceu nas paróquias da Que Natal vamos celebrar? diocese a Missa de envio da Novena de Natal Que Natal iremos viver?! O Natal do prato farto, ao lado dos “sem-prato”? O Natal da fartura, ao lado dos que vivem a vida dura? O Natal do desperdício, ao lado de quem cata pão no lixo? O Natal da vida fácil, ao lado de quem ate para viver paga pedágio? O Natal dos prestigiados, ao lado de quem nasceu pobre e esquecido? O Natal de quem tem tudo, ao lado daquele a quem tudo falta? O Natal da ganância, da ambição desmedida, ao lado de quem para tudo tem medida? Que Natal iremos viver? Que Natal iremos celebrar? De fé e de amor? Ou de egoísmo e desamor? O Natal dos descompromissados, dos que estãosempre calados, com medo de se comprometer? O Natal de quem deixa tudo de lado ou o Natal de quem descruza as braços e fez a vida acontecer? “Eu vim para que todos tenham vida, que todos tenham vida plenamente”. (Jo 10,10), disse Jesus. Célia Suppi Expediente: Publicação Mensal das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) da Diocese de São José dos Campos - Diretor: Dom Moacir Silva - Diretor Técnico: Pe. Ronildo Aparecido da Rosa - Jornalista Responsável: Ana Lúcia Zombardi - Mtb 28496 - Equipe de Comunicação: Coordenadora: Mª Bernadete P. Mota Oliveira Integrantes: Celso Corrêa, Gerson Ribeiro, Maria Aparecida Matsutacke, Luis Mario Marinho e Rosana de Paula Rosa - Colaboradora: Madalena das Graças Mota Correção: Sandra Memari Trava - Revisão: Pe. Ronildo - Editoração e Impressão: Katú Editora Gráfica - Tiragem: 6.200 Exemplares Fotos: Maria Matsutacke, Celso Corrêa, Bernadete Mota Sugestões, críticas, artigos, envie para Bernadete. Fale com a Redação... Av. Ouro Fino, 1.840 - Bosque dos Eucalíptos CEP 12.233-401 - S. J. Campos - SP Esperamos seu contato! E-mail do informativo: tremdascebs@diocesesjc.org.br