Lá vem o Trem das CEBs...
                                 Formação e Informação para animadores
     Diocese de São José ...
2                                                                   CEBs - Informação e Formação para animadores

        ...
3                                                                  CEBs - Informação e Formação para animadores

        :...
4                                                               CEBs - Informação e Formação para animadores

            ...
5                                                                  CEBs - Informação e Formação para animadores

         ...
6                                                                   CEBs - Informação e Formação para animadores


       ...
7                                                                CEBs - Informação e Formação para animadores

           ...
8                                                                            CEBs - Informação e Formação para animadores
...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Informativo das CEBs Fevereiro 2010

1,313 views
1,258 views

Published on

Informativo das CEBs - diocese de São José dos Campos - SP

Published in: Spiritual
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,313
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Informativo das CEBs Fevereiro 2010

  1. 1. Lá vem o Trem das CEBs... Formação e Informação para animadores Diocese de São José dos Campos - SP Informativo das CEBs - Ano VI - Fevereiro de 2010 - Nº 53 “Vocês não podem servir a Deus e ao dinheiro” Mt 6,24c Ó Deus criador, do qual tudo nos Reconhecemos nossos pecados de vem, nós te louvamos pela beleza e per- omissão diante das injustiças que cau- feição de tudo que existe como dádiva sam exclusão social e miséria. Pedimos gratuita para a vida. por todas as pessoas que trabalham na Nesta Campanha da Fraternida- promoção do bem comum e na condu- de Ecumênica, acolhemos a graça da ção de uma economia a serviço da vida. unidade e da convivência fraterna, Guiados pelo teu Espírito, que- aprendendo a ser fiéis ao Evangelho. remos viver o serviço e a comunhão, Ilumina, ó Deus, nossas mentes para promovendo uma economia fraterna compreender que a boa nova que vem e solidária, para que a nossa sociedade de ti é amor, compromisso e partilha acolha a vinda do teu reino. entre todos nós, teus filhos e filhas. Por Cristo, nosso Senhor. Amém. sessor 02 Palavra do As Caminhada 03 Memória da idades contro de Comun 04 Dinamizando o En atal 06 Novena de N Popular 07 Religiosidade Irá Acontecer 08 Aconteceu •
  2. 2. 2 CEBs - Informação e Formação para animadores :: PALAVRA DO ASSESSOR CF e Tempo Quaresmal: mais um desafio! Irmãos e irmãs de caminhada, paz cinzas sobre a cabe- mensão da conversão ver somente na dimensão individual o e bem! ça, fazer caminhada social. De fato, amar a tempo de quaresma. Necessariamente, A Quaresma inicia-se com a Quar- penitencial, fazer je- Deus começa no amar devemos partir para uma convivência ta-feira de Cinzas, todos sabemos. Mas, jum, deixar de comer o irmão, converter- mais parecida possível com o ideal do corremos o risco de perder seu sentido carne ou beber algu- se para Deus exige Reino de Deus... Lembremos que não verdadeiro. Nada de exterioridade ou ma coisa... isso tudo converter-se para o dá pra servir a Deus e ao dinheiro ao superficialidade neste tempo e sem- pode ser vivido, mas próximo. mesmo tempo. Reflitamos e deixemo- pre. Quaresma é um convite de Deus que levem as pessoas Neste ano, o as- nos ser mudados em nossas atitudes e e da Igreja para uma revisão de vida... a serem mais frater- sunto é extremamente intenções pela graça de Deus e pelo vida esta em todas as suas dimensões: nas, mais irmãs. desafiador, tanto para tema da CF 2010, e façamos isso ecu- pessoal/individual, comunitária/social, Há muito tem- a Sociedade como menicamente! familiar/conjugal, humana, psicológica, po a CNBB tem nos para a própria Igreja: Ânimo e perseverança a todos neste moral, ecológica, ecumênica, eclesial, levado a refletir um o assunto é economia, início de ano! espiritual... tema em cada qua- para não falar dinhei- Pe. Ronildo Podemos ficar no “apenas” receber resma, e este na di- ro. Não dá para vi- (Assessor Diocesano das CEBs) Foto: Bernadete Mota :: IDENTIDADE DAS CEBs ORAÇÃO DOS CRISTÃOS LEIGOS E LEIGAS OS POBRES NÃO SÃO APENAS DESTINATÁRIOS DE NOSSA COMPAIXÃO Foto: Maria Matsutacke É verdade que é preciso promover, profundo grandes pessoas... Com seu nem o resultado de fenômenos natu- com urgência e eficiência, os direitos trabalho constroem os rais, tais como en- Foto: Divulgação dos pobres e organizar a sociedade alicerces da vida em so- chentes ou a seca, que de modo a lhes facilitar o ingresso na ciedade, em atividades sem dúvida desafiam Senhor Jesus Cristo, cidadania plena. Entretanto, é impor- diversas. Não precisam as capacidades huma- Tu, que caminhaste no chão deste mundo, testemunhando o Projeto de tante também valorizá-los mesmo em apenas ser socorridos, nas. Os seres huma- Deus para a humanidade, ensinando sua pobreza, como pessoas capazes de mas também devem nos organizam-se em homens e mulheres a viverem a radi- dar-nos lições de vida, gerando ao invés ser ouvidos, levados a sociedade para fazer calidade dos valores do Reino de Deus, do preconceito o respeito. A vida sofri- sério, valorizados em frente, juntos, às ne- chamando todos à decisão do segui- da de tantas famílias que lutam, não só suas capacidades e po- cessidades da vida. mento e a assumirem as exigências da para sobreviver, mas também para dar tencialidades. Com Na cooperação soli- Missão, Faze com que nós, cristãos lei- um futuro melhor a seus filhos e filhas, isso, todos ganhariam, dária podem aumen- gos e leigas, respondamos com a vida é fonte de edificantes exemplos para a também os que não são tar as possibilidades ao Teu chamado, na nossa vida pesso- vida vazia de muitos que ostentam si- hoje pobres, porque de desenvolvimento al, na família, na comunidade, no tra- seria melhor este úni- de sua personalidade, balho, na ação política e na sociedade. co mundo onde todos desenvolvendo suas Que hoje se revigorem em nós as motivações e a graça dos Sacramentos tem o direito de viver. potencialidades, não do Batismo e da Crisma, doados pelo Foi com este espírito apenas no campo ma- amor da Trindade Santa, tornando-nos que Dom Helder Câmara compôs o terial, mas também no nível intelectual, “protagonistas da evangelização”, tes- seguinte poema, baseando-se na pa- afetivo e espiritual. Todos querem, com temunhando presença na construção rábola evangélica do rico e do pobre razão, desfrutar de uma vida longa, de uma sociedade justa e solidária. Lázaro: saudável e criativa, como indivíduos e Que nossa disposição de conversão APELO A LÁZARO como membros da sociedade, pondo nos leve a amar os excluídos e a supe- Foto: Pe. Ronildo Pelo amor que tenho aos ricos - a em ação o potencial de dons que Deus rar a exclusão – particularmente a ex- quem não devo julgar, e que custa- a todos distribuiu. Isso é um direito clusão dos empobrecidos, dos menores ram o sangue de Cristo- eu te peço, universal e uma necessidade que impli- abandonados, dos doentes, da mulher, Lázaro, não fiques nas escadas e não ca o bem de toda a sociedade. do negro, dos povos indígenas, dos al- coólatras, dos encarcerados, dos dro- nais de prosperidade. Em vez de con- te deixes enxotar... gados, dos desempregados, dos idosos siderar “importantes” só os bem vesti- Irrompe banquete adentro, vai provo- Campanha da Fraternidade Ecumê- e dos moradores de rua – para assumir dos que esperam até certa reverência car náuseas nos saciados convivas. nica -2010 – ECONOMIA E VIDA com responsabilidade e discernimento pela sua posição social, seria preciso Vai levar-lhes a face desfigurada de “Vocês não podem servir a Deus e ao a exigência de novos ministério, res- aprender a admirar os pobres, aqueles Cristo de que tanto precisam sem saber Dinheiro” (Mt 6,24) pondendo criativamente aos desafios que lutam com muito menos recursos e sem crer. de nosso tempo, no novo milênio. e se tornam em um sentido bem mais A pobreza não é uma fatalidade (Texto Base: reprodução nº 46/47) Amém.
  3. 3. 3 CEBs - Informação e Formação para animadores :: FORMAÇÃO PARA ANIMADORES Fundamentação eclesiológica das reuniões das CEBs nas Comunidades a) A Igreja é o povo de Deus, que c) Na Diocese devem florescer as ce o relacionamento interpessoal na justa e solidária, “para que todos te- manifesta sua vida de comunhão e ser- paróquias e as comunidades cristãs, fé, o aprofundamento da Palavra de nham Vida e a tenham em abundância” viço evangelizador em diversos níveis como células vivas e pujantes da vida Deus, a participação na Eucaristia, a (Objetivo Geral da Ação Evangeli- e sob diversas formas (Documento de eclesial (Documento de Santo Domin- comunhão com os pastores e um maior zadora da Igreja no Brasil 2008-2010). Puebla 618). go 55). compromisso social (Documento de g) Tudo isso pode ser vivenciado no b) A Diocese, presidida pelo Bis- d) As paróquias devem se tornar, Aparecida 307-310). Nelas se acentua Grupo Bíblico em Família, que é uma po, é o primeiro espaço da comunhão mediante uma ação renovadora, espa- o compromisso com a família, com o das possíveis formas de pequenas co- e da missão (Documento de Aparecida ços de inicia- trabalho e a co- munidades eclesiais. No Grupo Bíblico Foto: Bernadete Mota 169). Em todas as suas comunidades e ção cristã, da munidade local. em Família é possível fazer experiência estruturas, ela é chamada a ser “comu- educação e ce- As pequenas de Deus, vivência fraterna, formação nidade missionária” (Documento de lebração da fé, comunidades bíblico-teológica e ação missionária Aparecida 168). A Diocese é um ter- abertas à diver- são a esperança (Documento de Aparecida 226). O ritório geográfico onde vivem pessoas sidade de caris- da Igreja (Evan- Grupo Bíblico em Família ajuda seus e comunidades com determinadas ca- mas, serviços e gelii Nuntiandi membros a serem discípulos missioná- racterísticas histórico-culturais, que se ministérios. A 58). rios através do encontro com Cristo, da constituem como uma porção da Igreja paróquia, “co- f) A missão conversão, do discipulado, da comu- de Cristo, unida no mesmo Espírito, munidade de da Igreja e dos nhão e da missão (Documento de Apa- alimentada pelo mesmo Evangelho e a comunidades”, grupos Bíblicos recida 278). No processo de formação mesma Eucaristia e presidida pelo mes- deve ser o lu- em Família é: de verdadeiros discípulos missionários mo Bispo. Ela é uma Igreja Particular, gar privilegiado “Evangelizar, a de Jesus Cristo, o Grupo Bíblico em Fa- que se constitui e vive na comunhão da no qual a maioria dos fiéis tem uma partir do encontro com Jesus Cristo, mília pode ser um espaço de iniciação à Igreja Universal, presidida pelo Papa. experiência concreta de Cristo e da co- como discípulos missionários, à luz da vida cristã, como também de formação Na ação evangelizadora, tudo deve ser munhão eclesial. As paróquias são cha- evangélica opção preferencial pelos po- permanente (Documento de Apareci- feito em unidade com o Bispo e com as madas a ser “casas e escolas de comu- bres, promovendo a dignidade da pes- da 286-300). opções, prioridades e decisões da Igre- nhão” (Documento de Aparecida 170). soa, renovando a comunidade, partici- ja diocesana. e) Nas pequenas comunidades cres- pando da construção de uma sociedade Fonte: Arquidiocese de Florianópolis :: MEMÓRIA DA CAMINHADA 75 Anos de História e Caminhada No dia 2 de fevereiro, a Paróquia de foi criada pelo então bispo de Taubaté, Quando se tornou paróquia ganhou Sant’Ana comemorou 75 anos de exis- Dom Epaminondas Nunes de Ávila e uma extensa área rural, com dezenas tência. A missa em Ação de Graças foi Silva, que atendeu a reivindicação de de capelas. às 19h30, na Matriz, presidida pelo pá- uma comissão de moradores, preocu- Desde sua fundação, 10 párocos já roco Padre Antonio pados com a grande passaram pela Igreja de Sant’Ana. Sen- Silva França. extensão da paró- do padre Antônio Silva França, o 11º. quia Matriz de São Uma das figuras mais notáveis que pas- Foto: Maria Matsutacke Endereço: Praça José, a qual perten- sou pela paróquia foi Monsenhor Luiz Monsenhor Luiz G. cia, com suas cape- Gonzaga Alves Cavalheiro, que em par- A. Cavalheiro, 39 - las em áreas rurais. ceria com governos e iniciativa privada Santana - São José A história da Pa- (entre elas, destaca-se a colaboração dos Campos róquia de Sant’Ana de Olivo Gomes, então proprietário da se funde em vários Tecelagem Parahyba S.A.) pensava não Histórico: pontos com a histó- só no bem estar espiritual de seu povo, Data da Instalação: ria do bairro onde mas sim no contexto de sociedade como um todo. A vida paroquial cresceu ao 2/2/1935 Foto: Bernadete Mota está instalada, na mesmo tempo e proporção em que a Foto: Bernadete Mota Data de fundação: 17/01/1935 região norte da cidade, um bairro que sociedade crescia e se transformava. Os Primeiro pároco: Pe. Osvaldo Gemmi já foi muito forte econômica e politica- destaques deste período de desenvolvi- Chester mente. Um dos bairros centenários de mento são a construção da nova Igreja Construção da Nova Igreja: 1945 São José dos Campos, Santana serviu Matriz, depois a construção da Escola Dia da padroeira: 26 de julho como ponto de partida para o desen- Paroquial e da viabilização da constru- Abrangência : Santana, Vila Cristina, volvimento da cidade, com localização ção do Hospital PIO XII, administrado Vila Rossi, Vila César, Vila do Carmo privilegiada, próximo aos caminhos que hoje pelas Pequenas Missionárias de e Vila Machado. levam à Minas Gerais, o que o tornou Maria Imaculada. Desmembrada da paróquia Ma- importante parada de tropeiros e cen- triz São José, a paróquia de Sant’Ana tro de comércio desde os primórdios. Fonte: Site da Paróquia de Sant’Ana
  4. 4. 4 CEBs - Informação e Formação para animadores :: NOTÍCIAS DA CNBB Foto: Divulgação Episcopado salvadorenho solicitará ao Vaticano Beatificação de Dom Oscar Romero “Nós como Igreja temos o desejo Segundo dom José Luis, houve con- Romero, foi o quarto ar- de que dom Romero seja beatifica- senso entre os bispos para que fosse cebispo metropolitano do o quanto antes”. A afirmação é do escrita uma carta à Congregação das de San Salvador, entre arcebispo de San Salvador, dom José Causas dos Santos e já foi formada os anos de 1977 e 1980. Luis Escobar Alas, em coletiva de im- uma comissão para esse fim. “Espera- Em Roma, ele estu- prensa. Ele também confirmou que mos que a assinatura de todos os nossos dou na Pontifícia Univer- os bispos salvadorenhos pretendem bispos ajude no processo de beatifica- sidade Gregoriana. Ele enviar uma carta ao Vaticano pedin- ção, que se encontra numa fase que nós foi ordenado sacerdote do pela beatificação de dom Oscar não conhecemos, pois se trata de um em 4 de abril de 1942. Em 25 de abril Guerra Civil daquele país caribenho. Arnulfo Romero, arcebispo de San procedimento reservado”, enfatizou. de 1970 foi nomeado bispo auxiliar “A missão da Igreja é identificar-se Salvador assassinado em 24 de março O episcopado de San Salvador já de San Salvador, e em 15 de outubro com os pobres. Assim a Igreja encon- de 1980, enquanto celebrava missa. aprovou todos os eventos [culturais e de 1974, bispo de Santiago de Maria. tra sua Salvação”, disse, dom Romero, religiosos] que lembrarão o Dom Romero assumiu a arquidio- em sua homilia do dia 11 de novembro 30º aniversário do assassina- cese de San Salvador em 3 de fevereiro de 1977. Ele foi assassinado em 24 de to de dom Romero, que será de 1977 e foi escolhido arcebispo por março de 1980 por um atirador de eli- lembrado também em todas seu conservadorismo. Durante seu tra- te do exército salvadorenho, treinado as Igrejas da América Latina balho ele foi contra qualquer tipo de nas Escolas das Américas, enquanto a fim de atualizar a sua he- violência, posição que o fez ser compa- celebrava missa. Quando se espalhou rança espiritual e pastoral. rado ao líder indiano Mahatma Gandhi pelo mundo a notícia de seu assas- Quem foi dom Romero e ao americano Martin Luther King. sinato, houve comoção e protestos, Nascido em 15 de agosto Em suas homilias dominicais ele pas- além de pressões internacionais por de 1917, na Ciudad Barrios, sou a denunciar as violências contra os reformas em El Salvador. O papa João distrito de San Miguel, em direitos humanos e chegou a manifes- Paulo II o declarou servo de Deus. Foto: Pe. Ronildo El Salvador, Óscar Arnul- tar publicamente solidariedade pelas fo Romero Galdámez, mais vítimas da violência política que asso- Fonte: CNBB conhecido como monsenhor lava o país da época, no contexto da :: DINAMIZANDO O ENCONTRO DE COMUNIDADES Campanha Missionária 2010 já tem Estratégia de Comunicação “Missão e Partilha”. Este é o tema meios da imprensa católica já é o início de missionários atuando em diversas Campanha e incentivar os cristãos para da Campanha Missionária, de outubro do processo de articulação e divulgação partes do mundo. o compromisso concreto com a Missão. de 2010. Com o objetivo de intensificar da Campanha”, avaliou. O diretor da Verbo Filmes, padre “O DVD oferecerá vários horizontes de a sua divulgação, representantes dos Anualmente a Pom, para animar o Cireneu Kuhn, destacou que o objeti- experiências missionárias que podem principais meios de comunicação mis- mês das Missões, elaboram e enviam vo da novena é popularizar o tema da servir de referência para um projeto sionários, organismos ligados ao Con- a todas as dioceses do de vida a serviço do Reino”, explicou Foto: Divulgação selho Missionário Nacional (Comina) e Brasil, subsídios como Cireneu, que coordenará a produção. assessoria de imprensa da CNBB, reu- a mensagem do papa, Segundo o padre Paulo de Coppi, niram-se no dia 15 de Dezembro (2009) santinhos com a Oração diretor do jornal Missão Jovem, “os na sede das Pontifícias Obras Missioná- Missionária, folhetos in- Conselhos Missionários em todas as rias (Pom), em Brasília. formativos, textos e refle- instâncias têm um papel importante Para o diretor do organismo, pa- xões para as celebrações. na animação das comunidades”. A dre Daniel Lagni, que promoveu e Para o ano de 2010, além Coleta feita no Brasil, no Dia Mun- coordenou os trabalhos, a reunião foi da divulgação da Cam- dial das Missões, por meio do enve- “altamente positiva e serviu para apro- panha nos principais ve- lope enviado pela Pom a cada comu- fundar o processo de divulgação da ículos de comunicação, nidade é destinada ao Fundo Mundial Campanha Missionária no Brasil, como uma das propostas apro- de Solidariedade Missionária para fi- instrumento de formação, animação e vadas foi a produção de nanciar projetos de evangelização em cooperação”. Em sua opinião, “o fato um DVD contendo uma diversas frentes. de reunir um grupo que representa os Novena e testemunhos Fonte: Site da Revista Missões
  5. 5. 5 CEBs - Informação e Formação para animadores :: ESPAÇO DO ANIMADOR Compromisso com a Vida e com a Comunidade Põe a semente na terra, não será em vão… Início de um novo ano, desejo de de criar o trabalho de capacitação para mudança, recomeçar aquele trabalho os milhares de voluntários da Pastoral. Não te preocupe a colheita, plantas para o irmão... que está meio parado, novas esperan- Mas, logo que iniciou o trabalho, a ças etc... Assim começa nosso janeiro, fundadora da Pastoral da Criança per- depois chega fevereiro, o ritmo ainda cebeu um entrave para o repasse da permanece, chega o próximo mês e o orientação sobre a alimentação correta ritmo vai diminuindo, por que será? das crianças: “a maioria das mães nas Queremos acreditar que na maio- áreas carentes eram analfabetas. E ve- rificamos que os índices de mortalidade infantil são inversamente pro- porcionais ao nível de escolaridade. Pois as mães sem acesso à edu- cação também não tem autonomia para alimen- tar seus filhos de manei- ra correta”, revelou. A Foto: Bernadete Mota solução encontrada pela Pastoral foi a promoção de cursos de Educação de Jovens e Adultos. De todas as ações im- ria das vezes fazemos propostas a nós plementadas pela entidade, Dra. Zilda mesmos sem o devido planejamento e o sempre destacou o estímulo à solidarie- tempo vai passando, o calendário aper- dade como a mais importante delas. “A tando, e nós deixamos de corresponder solidariedade é identificada em estudos muitas vezes àquilo que esperávamos. nas universidades como a coisa mais Para muitos, isto é inquietante, e o de- importante do mundo atual”. Em sua sejo de fazer acontecer é grande; para última visita a Minas Gerais, ela ainda outros à medida que o tempo passa, o refletiu: “ No momento em que o pla- calendário os desculpa e vão tocando o neta está se destruindo por causa do barco. egoísmo de alguns, a solidariedade faz A missão nossa de cada dia é exi- falta até para os ricos, que não vivem gente, dado que a colheita é grande, mais em paz. O governo precisa fazer mas os trabalhadores comprometidos mais por aqueles que mais precisam. são poucos ( Lc.10,2). O compromis- Tem que acabar com o desequilíbrio so de batizados, a missão da Igreja, o social, da existência de poucos ricos e Doc. de Aparecida com suas propostas muitos pobres”. esperam de nós respostas, nada que (Narração sobre Dra. Zilda Arns fonte: seja impossível, apenas perseverança e Jornal Estado de Minas) objetivos concretos que possam ser ple- Dra. Zilda faleceu vitima de um namente realizados, como organizar a terremoto na cidade de Porto Príncipe- nossa agenda com o que é prioritário, capital do Haiti durante uma palestra não centralizar tudo para si, partilhar em uma igreja local que desabou. Por com os outros dividindo tarefas e res- todo o seu trabalho incansável a serviço ponsabilidades. do próximo, esta grande mulher, mãe Podemos citar como exemplo: o al- de cinco filhos, médica pediátrica, sani- cance que a Pastoral da Criança atin- tarista e missionária foi uma pessoa de giu a partir de uma proposta da Dra. “ COMPROMISSO” Zilda Arns, conforme sua narração Também nós, neste início de ano, “Sentei na cozinha com meus filhos e podemos repensar nossas atitudes de disse: hoje à noite, vou montar um pro- solidariedade e assumir o nosso com- jeto que se a Igreja levá-lo adiante, vai promisso de cristãos batizados na luta salvar milhões de crianças. Mas, como por uma sociedade mais justa. levar as ações a todas as comunidades? Me lembrei que a Bíblia fala da multi- Contribuição: Luiz Marinho plicação dos peixes e dos pães”, recor- (Equipe de Comunicação) dou ela, explicando como teve a idéia
  6. 6. 6 CEBs - Informação e Formação para animadores Notícias da Novena de Natal 2009 nas Regiões Pastorais da Diocese Região Pastoral II A Novena de Natal em nossos se- melhorar para crescermos em Cristo”. tos de profunda entrega, tores foi bem participativa com muito Nossa comunidade é composta de envolvendo a todos. entusiasmo e dinamismo no ouvir a Pa- doze pessoas, no momento estamos Nosso encerramento lavra de Deus. Foi possível envolver as com dois impossibilitados de frequen- da novena de Natal e con- crianças com teatro, músicas e sorteios, tar as reuniões das famílias nas segun- fraternização foi na Comu- para alegrar ainda mais os nossos en- das feiras. nidade Missionária do Pe. contros como pede nos subsídios. Vivemos realmente como irmãos Dijalma, foi uma benção! No encerramento, nono dia da no- em Cristo e nos preocupamos uns com Tivemos uma excelente participa- vena, aconteceu uma belíssima confra- os outros, verdadeiro testemunho em ção da comunidade. ternização onde todos puderam trocar nossa rua. Sou imensamente agradecida a todos presentes simbólicos e muita alegria. Decidimos realizar os encontros nas e todas que colaboraram para nosso Marisa Fonseca - Coordenadora RP II casas de nossa rua, onde tinham pes- gesto concreto, entregamos duas ces- Fotos: Madalena Mota Paróquia Nossa Senhora de Fátima . soas doentes impossibilitadas de sair. tas básicas à família indicada por nossa As famílias que nos acolheram ficaram Coordenadora Paroquial! Testemunho de um trabalho em felizes em poder receber os livretos e as Deus abençoe a todos e todas! missão do Reino Capelinhas Missionárias. Madalena das Graças Mota “Natal momento de grande refle- Nestes encontros, desde a oração Animadora da Rua Avaristo Borges, xão, avaliar e rever em que podemos inicial até a despedida, foram momen- Setor I - Paróquia de Sant’Ana Região Pastoral III Região Pastoral VI Eugenio de Melo Com a Novena de Natal, intensi- A Novena de Natal teve uma boa ficamos a preparação para a festa da participação com 19 grupos, tendo entrada do Verbo de Deus em nossa como gesto concreto arrecadação de historia, interpelados a fortalecer a alimentos para distribuição de cestas, esperança, assumir a historia de uma visitas e confraternização. maneira diferente, lutar para por fim a Juquita Coordenador - RP III uma cultura de morte e proclamar com Paróquia Nossa Senhora da Conceição atos e palavras que a vida é mais forte. A cada dia da novena, nas ruas, Foto: Maria Matsutacke nas comunidades da região aumen- Fotos: Divulgação tava a certeza de que a luz brilha nas trevas e que Deus nos ama a tal ponto que se faz gente como nós. O dom crescendo em cada um e nos tornando capazes de ir ao encontro das outras pessoas, de esparramar no mundo a solidariedade, a esperan- ça, a justiça, a paz, e assim, os gestos Região Pastoral V concretos aconteceram naturalmen- te. Gestos que seguiram a tradição de cada comunidade, arrecadação de Conforme informação das paró- muita motivação para a partilha. cestas básicas, de alimentos próprios quias; Nossa Senhora do Perpetuo Obs: Paróquia Coração de Jesus ar- da época, prendas para crianças, etc. Socorro, São Bento e Paróquia Cora- recadou 340 cestas de 25kg, totali- Inovando, as CEBs da Paróquia Nos- Região Pastoral IV ção de Jesus, a Novena de Natal foi zando 8.500kg destinando parte para sa Senhora de Guadalupe trabalha- muito proveitosa , com a participa- a Sociedade. São Vicente de Paulo e O coordenador Camilo informou ram, além dos já tradicionais gestos ção das famílias reunidas nas casas, outra parte destinada às vitimas das que a Novena foi bem participativa, concretos, a ecologia, conscientizan- celebrações e confraternizações nos enchentes em São Luis do Paraitin- as comunidades paroquiais conduzi- do para utilização de sacolas ecoló- setores e nas missas de encerra- ga e as crianças do Bosque e Inter- ram cada uma a seu jeito, reunindo- gicas, não descartáveis, no momento mento com grande participação . lagos foram presenteadas com 1.200 se nas casas, celebrando e confra- da compra de pão e leite, e a arre- Gesto concreto arrecadação de brinquedos e roupas, provenientes ternizando e como gesto concreto, a cadação de valores em prol da cons- cestas básicas, brinquedos e parti- da Campanha da árvore de Natal. arrecadação de alimentos. trução do Centro Pastoral Paroquial. cipação em visitas, e acima de tudo
  7. 7. 7 CEBs - Informação e Formação para animadores :: CEBs E RELIGIOSIDADE POPULAR Mão na Massa No meio do povo encontramos dente, para encontrar forças em sua Na América Latina, a religiosida- diversas práticas religiosas que se luta, para pedir ajuda nos problemas de popular são a expressão de grande Carne com denominam “religiosidade popu- que sozinho não consegue resolver. parte da população, experiências das lar”: fazer e pagar promessas, roma- Por que esta religiosidade se chama massas. As CEBs devem estar a serviço Banana rias, devoções a determinados santos popular? Porque suas expressões nasce- dos demais irmãos, especialmente dos ram espontaneamente no meio do povo. mais pobres e esquecidos, para acolher Cada prática religiosa no meio todos os seus valores e ao mesmo tem- do povo tem sua própria origem his- po propor-lhes questionamento crítico tórica. Muitas dessas práticas vie- ram do catolicismo europeu com os colonizadores que aqui chegaram. Foi o próprio povo (e isso é méri- Foto: Bernadete Mota to) que, a seu jeito, foi transmitindo de pai para filho a religiosidade, ou pelo menos certas tradições católicas. Foto: Bernadete Mota As práticas religiosas do povo, mes- (as), procissões, festa do Divino, fo- mo as mais simples, manifestam um lia de Reis, acender velas, a hora da sentimento profundo e sincero que me- ave-maria, etc. São alguns dos mui- rece todo o nosso respeito, elas tem de INGREDIENTES: tos costumes religiosos bem enrai- positivo a consciência de um Deus que 2 bananas zados no coração do povo, em geral. está perto, que muito tem a ver com de suas práticas, costumes... e, além 1 xíc. (chá) de água Religiosidade é um sentimento nossa vida e nossos problemas. No fun- disso, apresentar quadros pastorais 1 tablete de caldo de carne profundo que existe em cada pessoa, do (embora muitas vezes de maneira es- que possam integrar nas comunidades 1 xíc. (chá) de talos de brócolis fazendo com que sinta a necessida- tranha para nós), elas manifestam uma vivas os diferentes grupos populares. 4 col. (sopa) de azeite de de entrar em contato com Deus. confiança filial em Deus que é entendi- 2 col. (sopa) de cebola A realidade diária não satisfaz o ser do como Pai de infinita bondade e que Edvaldo C. Costa 1 dente de alho humano e este, de muitas formas, se torna acessível através de um tipo de Paróquia Imaculada Conceição - 200 g de carne moída procura se comunicar com o transcen- oração muito sincera, espontânea e viva. Jacareí sal a gosto 1 xíc. (chá) de tomate maduro picado :: VOCÊ SABIA? 1 col. (sopa) de salsa MODO DE PREPARO: Quais os efeitos que a oferta do Dízimo produz na pessoa e na comunidade? Descasque as bananas, corte em rodelas de aproximadamente 1 cm O Dízimo é como a semente. Lan- O Dízimo é um compromisso com nosso dinheiro, mas quer nos educar à e afervente na água com o caldo de çado em terreno fértil, germina, brota Deus, com a Igreja e com os pobres. O generosidade e à partilha. O Dízimo le- carne. e cresce, e com o tempo produz frutos dizimista é alguém que aprendeu a re- va-nos a imitar Deus na generosidade: Retire-as do caldo com uma escu- bons e abundantes. Com a evangeliza- partir. Seu Dízimo é uma partilha dos educa-nos para a vida de comunidade madeira e reserve-as. Ainda na água ção paroquial do Dízimo, observa-se bens de Deus, do que se tem e não do e torna-nos irmãos e irmãs de todos. do caldo, afervente os talos de bróco- que cresce, no coração do dizimista e que sobra. Por isso, o Dízimo deve vir, O Dízimo é um gesto de amor, lou- lis até ficarem macios. Reserve. Dou- na comunidade participativa, o espírito como diz a Bíblia, das nossas primícias, vor e gratidão a Deus. É um ato de fé re no azeite a cebola e o alho, junte a de fraternidade e de amor ao próximo. isto é, de nossos “primeiros frutos”. em Deus e confiança na comunidade. carne moída e deixe refogar. Tempe- Traços e gestos de caridade, generosi- Deus não precisa de nossas coisas e do “Quem semeia com largueza também re com o sal, acrescente os tomates dade e partilha se evidenciam a cada colherá com largueza” (2Cor 9,6). “Dai picados, os talos de brócolis com o dia. Percebe-se ainda que as pessoas, e vos será dado. Uma medida boa, soca- caldo de carne e a salsa. Coloque em ao fazerem a experiência do Dízimo, da, sacudida e transbordante será colo- um refratário e cubra com as rodelas vivenciam, em suas casas e em diferen- cada na dobra da vossa veste” (Lc 6,38). de bananas. Leve ao forno para aque- tes ambientes, o fato de que nada lhes Se você já fez a experiência do Dí- cer as bananas. falta, principalmente o necessário para zimo: Parabéns! Persevere sempre... Se sua sobrevivência. Essas pessoas, dian- ainda não é dizimista: Não tenha medo. Tempo de preparo: 30min te da sua caminhada cristã e graças ao Faça a experiência e verá a promessa de Rendimento: 4 porções trabalho necessário de evangelização Deus se cumprir na sua vida (Malaquias Valor calórico da porção: 250, 20 Kcal do Dízimo, se tornam dizimistas, por- 3,10-12). Procure em sua Paróquia a que entenderam a Palavra de Deus. Equipe de Pastoral do Dízimo. Deus o Dica: A banana é rica em po- Perceberam o sentido e objetivo do Dí- aguarda, com muito amor! Quem vai tássio, que auxilia no controle zimo. Descobriram que o Dízimo é um sair ganhando, ao final de tudo, é você! ato de louvor. É um agradecimento a da pressão arterial. Deus, por tudo o que temos e somos. Cartilha daFonte: cartilhade Arquidiocese da Pois Deus é nosso Pai e a Igreja é nos- Florianópolis Fonte: Cozinha Brasil/ SESI Arquidiocese de Florianópolis sa mãe e nós somos seus filhos e filhas.
  8. 8. 8 CEBs - Informação e Formação para animadores :: ACONTECEU Formação sobre o Ofício Divino das Comunidades na Região Pastoral VI No dia 31 de janeiro, na Comunida- alimentar foi trabalhada, sendo servi- continuamos na inspiração das Pri- de São Francisco, em Jacareí, as comu- do muitas frutas e chás, fruto da par- meiras Comunidades Cristãs, parti- nidades da Região Pastoral VI viveram tilha dos(as) participantes; a questão lhando nossos bens e nossa luta, ali- um rico momento de aprendizado, cons- ecológica se fez presente em uma breve mentando nossa espiritualidade na truindo e se familiarizando com a prati- apresentação de conscientização eco- espiritualidade de Jesus Libertador. ca do Oficio Divino das Comunidades. lógica e no sorteio de sacolas ecológi- Rezamos o Oficio da Manhã, Oficio do cas; imagens foram sorteadas, trazen- CEBs – RP VI Meio Dia e o Oficio da Tarde com Cele- do presente a religiosidade popular. bração da Palavra. O encontro foi asses- Dois gestos concretos aconteceram sorado por Éder M. Aono, de Sorocaba. no decorrer da formação, uma coleta para Passaram pelo encontro durante nossos irmãos e irmãs do Haiti e carta o dia: Pe. Ronildo, assessor diocesa- assinada pelos(as) presentes para pres- no das CEBs, Pe. Afonso, coordena- sionar os(as) deputados(as) federais para Fotos: Maria Matsutacke dor da RP VI, Hamilton, coordenador que o PLP 518/09, originário do Projeto diocesano das CEBs; Zezé, coordena- de Lei de Iniciativa Popular sobre a Vida dora do Subsidio das CEBs; Marinho, Pregressa dos Candidatos, seja coloca- coordenador da Comunicação CEBs. do em pauta e aprovada urgentemente. No intervalo da manhã, a questão Nossa alegria é imensa, porque :: ACONTECEU :: ACONTECEU Ordenação Dia 24/01, aconteceu uma tarde de formação para os(as) animadores(as) da Nota de pesar das do Padre Comunidade Nossa Senhora do Perpé- Comunidades tuo Socorro, Rio Comprido, com o Tema Eclesiais de Base Alexsandro Liderança Eficaz, assessorada por Valter de Souza. O coordenador diocesano das Com a Igre- Fotos: Bernadete Mota CEBs, José Hamilton Tavarez esteve pre- ja Santa Maria sente, o que muito alegrou os participan- lotada, Padre tes. Alexsandro de Comunidade N. Sra. do Perpétuo So- Ramos Brito foi corro – Paróquia N. Sra. de Guadalupe ordenado sacer- Fotos: Maria Matsutacke dote da Diocese de São José , pela imposição das mãos de Dom Moacir Silva, na manhã de sábado, 19 de :: IRÁ ACONTECER dezembro. Clero, seminaristas, re- A coordenação diocesana das ligiosas, seus parentes e centenas de amigos acompanharam, com Formação Diocesana VEM AÍ! CEBs lamenta o falecimento do Diá- cono Geraldo Bueno da Silva, ocorri- muita emoção, este momento deci- sivo para o neo sacerdote. A Diocese das CEBs do no dia 29 de janeiro. Que Nossa Senhora do Bonsu- de São José dos Campos ficou ain- cesso, leve conforto aos familiares, da mais alegre com a integração de Tema: Centralidade da Palavra parentes, amigos e às comunidades Padre Alecão a seu clero! Parabéns, Dia: 21 de Março 2010 A Romaria Estadual onde ele participava com muita ale- Padre Alecão! “Tamo junto”, como Local: Sociedade São Vicente das CEBs a Aparecida gria no trabalho missionário. foi colocado na faixa esticada pelos jovens da Pastoral da Juventude. de Paulo Dia: 25 de abril Assista no You Tube a Homena- Também na Igreja de Santa Maria, Rua: Ana Gonçalves da Passagens com os gem das CEBs ao Diácono Geraldo em Jacareí, Padre Alexsandro cele- Cunha, nº 351 coordenadores(as) paroquiais Bueno: brou sua primeira missa. Jardim Paulista das CEBs. Uma vida dedicada a Deus! http://www.youtube.com/ Fonte: Jornal Expressão São José dos Campos - SP PARTICIPE! watch?v=bkwOMpBEcxs Expediente: Publicação Mensal das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) da Diocese de São José dos Campos – Diretor: Dom Moacir Silva – Diretor Técnico: Pe.Ronildo Aparecido da Rosa - Jornalista Responsável: Ana Lúcia Zombardi - Mtb 28496 – Equipe de Comunicação: Coordenador: Luis Mario Marinho - Integrantes: Celso Corrêa, Maria Aparecida Matsutacke, Rosana de Paula Rosa e Luzinete Pereira - Colaboradora: Madalena das Graças Mota - Diagramação: Maria Bernadete de Paula Mota Oliveira - Correção: Sandra Memari Trava - Revisão: Pe. Ronildo - Arte Final, Editoração e Impressão: Katú Editora Gráfica - Tiragem: 6.200 Exemplares Sugestões, críticas, artigos, envie para Bernadete. Fale com a Redação... Av. Ouro Fino, 1.840 - Bosque dos Eucalíptos CEP 12.233-401 - S. J. Campos - SP Esperamos seu contato! E-mail do informativo: tremdascebs@diocesesjc.org.br

×