• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Informativo das CEBs  Mês de Outubro 2010
 

Informativo das CEBs Mês de Outubro 2010

on

  • 1,678 views

Informativo das CEBs - Diocese de São José dos Campos -SP

Informativo das CEBs - Diocese de São José dos Campos -SP

Statistics

Views

Total Views
1,678
Views on SlideShare
1,635
Embed Views
43

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

2 Embeds 43

http://tremdascebs.blogspot.com 42
http://webcache.googleusercontent.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Informativo das CEBs  Mês de Outubro 2010 Informativo das CEBs Mês de Outubro 2010 Document Transcript

    • CEBs - Informação e Formação para animadores 1 Lá vem o Trem das CEBs... Formação e Informação para animadores Diocese de São José dos Campos - SP - Informativo das CEBs - Ano VI - Outubro de 2010 - Nº 61 OUTUBRO Missionário Oração Missionária 2010 Pai de todos os povos, Vós que nos Mês abraçais com a ternura de uma mãe, ouvi o clamor das multidões da “Sigamos com Maria, “a grande missionária continuadora da missão de seu filho e formadora de missionários(as)....” DAP 269 Amazônia e do mundo inteiro Desejosas de Vos conhecer e Vos amar. Ensinai-nos a Vos servir, na partilha da Fé e dos Bens, que Vós mesmos nos destes. Amém
    • 2 CEBs - Informação e Formação para animadores PALAVRA DO ASSESSOR Foto: Bernadete Mota UNIDADE NA DIVERSIDADE Estimado(a) Animador(a) de Pequena até desconsiderar Paulo, com tendência o mais importante não é como se faz as carta? Se ficarmos somente com compa- Comunidade, olá! de expulsá-lo da Comunidade. coisas acontecerem, mas o serviço fiel ao rações e preferências seremos “homens Paulo, incansável, realista e animado Ele é firme em dizer Senhor (capítulo 4, versí- carnais” e não “espirituais”. Mesmo que apóstolo discípulo missionário, escreve que as pessoas parecem culos de 1 a 5), mesmo tratemos de coisas espirituais, estaremos para a Comunidade de Corinto suas pre- crianças, não podendo que não agrade a todos. sendo apenas carnais... ocupações e deixa uma mensagem de comer algo sólido, ape- Chegaram até a desejar Não nos iludamos: os dons que rece- ânimo e perseverança. Tratando apenas nas “comida de neném”. que Paulo “sumisse” da bemos são recebidos de Deus, e cada um das preocupações, reflito com você sobre Quando escreve sobre convivência deles, tra- tem sempre algo a oferecer para a Comu- a questão de “grupismo” que estava pre- isso é, exclusivamente, tando-o como um “não- nidade. Busquemos superar tendências sente naquela época, e que reflete ainda referente à divisão que apóstolo”. da busca de milagres, pois Paulo combate hoje. Podemos ler na Primeira Carta aos provocavam entre si. A No fim, quem faz isso apresentando o Cristo Crucificado... Coríntios, capítulo 3, versículos de 1 a 9 imaturidade leva à di- crescer os frutos da Com o desafio de uma fé intimista e, por- e de 18 a 23, a tendência de buscarmos visão, às preferências evangelização é Deus. tanto, alienada, a Igreja (que somos nós) nos agradar com um estilo ou outro de egoístas e às brigas, que Não impedimos o Reino é chamada a superar o neo-pentecosta- lideranças. desgastam a missão de de Deus acontecer, mas lismo, muito forte atualmente em grupos Paulo quer ajudar a Comunidade a su- Evangelizar. podemos atrapalhar com religiosos... perar, tanto a busca do miraculoso quan- Pedro também entra nossas manias humanas Paz, bem, unidade e fraternidade a to a busca de identificações imaturas com na história: havia pesso- de viver e pensar Jesus todos! apenas um modo de alguém ser e agir. A as que queriam somente Cristo. Que tal superar- Apolo parece agradar mais aquela Comu- a forma que Pedro vivia mos as diferenças entre Pe. Ronildo nidade Carismática, pois tinha um modo e falava. É aí que Pau- nós, provocando a uni- Assessor Diocesano das CEBs de falar diferente da de Paulo. Querem lo, com toda convicção, apresenta que dade, mensagem central de Paulo nesta MÁRTIRES: VIDAS PELA VIDA, VIDAS PELO REINO Foto: Divulgação PE. JOÃO BOSCO BURNIER Pe. João Bosco Penido Burnier nasceu Bosco, uma coronhada e um tiro da bala que não lhe pertencia mais. Vida doa- no dia 11 de junho de 1917, em Juiz de dundum. Os últimos momentos da vida da não é vida perdida, mas vida enal- Fora, MG. Na tarde de 11 de outubro de de Burnier foram uma agonia de santo” tecida e realizada. Contam seus ami- 1976, foi baleado, em Ribeirão Cascalhei- Pe. João Bosco, missionário jesuíta, gos que, desde jovem, dava atenção a ra, MT, por tomar a defesa de quando jovem, que- todos sem fazer distinção de pessoas. duas mulheres pre- ria ir para o Japão. Vivia uma grande pobreza evangé- o “Se o grão de trig sas. Faleceu no dia Depois de seus es- lica. Tomava as conduções mais bara- 12 de outubro, em tudos em Roma, ser- tas, esperava às margens das estradas, não cair na terra e Goiânia, GO. viu como prepósito pedia carona, até mesmo descansava É do relato de da Vice-Província ao relento à espera de uma condução dom Pedro Casaldá- liga que aprendemos não morrer, não Goiano-Mineira. De 1959 a 1965, res- que o pudesse carregar. Às vezes en- gatava uma viagem de ônibus na ou- os particulares do martírio de Burnier: pode dar fruto”. pondeu pelos car- gos de mestre de tra, sem descanso. O Cristo pobre e humilde era seu exemplo de vida. “João Bosco estava co- noviços e diretor Para um missionário que cai tom- migo, vínhamos de um espiritual dos juniores. Os anos de bado pelo Reino, outros vão surgindo encontro indigenista na aldeia dos tapira- sua vida madura foram dedicados à Mis- e continuando o caminho. A vida, en- pés, e ele quis me acompanhar a Ribeirão são de Diamantino, MT. Serviu aos bei- sina-nos pe. Burnier, tem um sentido Cascalheira, onde íamos celebrar a festa ços-de-pau e bacairis. Vários anos depois quando não é centrada sobre si mes- da padroeira. Era 11 de outubro. Dian- de sua morte, os povos indígenas, entre ma, mas quando é doada. A VIDA não te da cadeia, e delegacia, onde as duas os quais vivia, continuavam a considerá- se abastece de vibrações emocionais mulheres estavam sendo torturadas, ha- lo um santo. e não fica encalhada no individualismo. via a polícia e um caititu bravo que devia De poucas palavras, Burnier era reser- Como Jesus Cristo, a vida deve ser doada nier, foi provocado pelo regime militar. O despedaçar as duas mulheres. Eu falei: vado. Não falava de si e de suas experi- numa total entrega ao Reino de Deus. reconhecimento oficial da culpa do Esta- ‘Nós vimos aqui simplesmente porque ências pessoais com facilidade. Extrema- Com 33 anos de atraso, o Governo Fe- do na morte, repara um erro histórico e tem duas mulheres que estão sendo tor- mente disponível, dava atenção a todos. deral admitiu, no início de dezembro de abre caminho para a indenização dos fa- turadas’. Conversamos com eles uns três A vida não era algo a que se agarrar, mas 2009, através do trabalho da Comissão miliares de Burnier. minutos, só três. O soldado Ezy Rama- um dom que devia ser oferecido. A mor- Especial sobre Mortos e Desaparecidos lho Feitosa deu um soco no pobre João te violenta foi o coroamento de uma vida Políticos, que o assassinato do Padre Bur- Fonte: PIME
    • CEBs - Informação e Formação para animadores 3 IDENTIDADE DAS CEBs Foto: Luiz Marinho SEMANA BRASILEIRA SOBRE A MISSÃO CONTINENTAL “Vocês são testemunhas destas coi- No processo de formação do discípu- bém se aprofunda o mistério de sua pes- deve acompanhar todo o processo, em- sas” (Lc 24, 48) lo missionário aparecem cinco aspectos soa, de seu exemplo e de sua doutrina, bora diversamente, conforme a própria Atendendo ao convite para participar- fundamentais, diversos em cada etapa graças à catequese permanentemente e vocação e o grau de amadurecimento hu- mos da formação missionária no Centro do caminho, mas que se complementam à vida sacramental; mano e cristão de cada um, tendo Maria, Cultural Missionário em Brasília, relata- intimamente e se alimentam entre si: * A comunhão, pois não pode existir como modelo perfeito do discípulo mis- mos aqui o que vimos, o que aprende- * O encon- Participantes de Nossa Diocese vida cristã fora sionário. (DGAE92). mos e o que assumimos como enviados tro com Jesus da comunidade: Como enviados à missão na celebra- à missão, tivemos a alegria de conviver Cristo, median- nas famílias, nas ção eucarística de encerramento, é nosso com missionários e missionárias, ordena- te o querigma, Paróquias, nas compromisso, levar a Palavra de Deus, dos, religiosos, religiosas, leigos e leigas fio condutor de comunidades de tornar perfumadas as vidas das pesso- trazendo em suas bagagens relatos os um processo vida consagrada, as com o amor de Cristo. Despojados e mais diversos de sua atuação evangeli- que culmina na nas comunida- livres de preconceitos que muitas vezes zadora em terras distantes e próximas. maturidade do des de base, nas nos impedem de nos aproximarmos dos O que percebemos é que brota no cora- discípulo e deve outras pequenas outros, com novas atitudes e mentali- ção dos missionários, uma alegria e bri- renovar-se cons- comunidades e dade renovada nos mobilizaremos em lho nos olhos difícil de ser traduzida com tantemente pelo movimentos, tal comunhão seguindo a ação pastoral de palavras, para ir ao encontro do outro testemunho pes- como acontecia nossa Igreja no desafio de nos lançarmos independente da distância e das circuns- soal, pelo anún- entre os primei- à missão comprometidos nestas três ati- tâncias, é paixão pelo Reino de Deus para cio do querigma ros cristãos; a tudes de todo o missionário: acolher, par- que os valores que dele fazem parte pos- e pela ação missionária da comunidade. comunhão na fé, na esperança e no amor tilhar e servir. sam fazer parte de todos. Esta troca de * A conversão, resposta inicial de deve estender-se também aos irmãos e Que Nossa Senhora de Guadalupe, experiências, enriquece-nos e nos leva a quem crê em Jesus Cristo e busca segui- irmãs de outras tradições cristãs; nos proteja e seja nosso modelo na mis- nos confrontarmos com nós mesmos, faz- lo conscientemente; * A Missão, que nasce do impulso de são local, continental e universal. se necessário estar disponível para a mis- * O discípulo, como amadurecimento compartilhar a própria experiência de são como dever de todo o batizado como constante no conhecimento, amor e se- salvação com outros, de plenitude e de Luis Marinho - Participante da Sema- parte integrante de toda nossa Igreja. guimento de Jesus Mestre, quando tam- alegria feita com Jesus Cristo; a Missão na Brasileira sobre a missão Continental MEMÓRIA & CAMINHADA Fotos: Ana Lúcia Madre Tereza de Calcutá - Mulher que viveu plenamente o Evangelho! Madre Teresa, se estivesse viva, teria sós e abandonadas. Recebeu o Prêmio Pinheirinho. No dia 02 de setembro, Dom dor. Quem desejar e puder visite esta ca- completado 100 anos em 26 de agosto. Nobel da Paz em 1979. Foi beatificada em Moacir Silva, nosso bispo diocesano, pre- pela, com missa toda primeira sexta-feira Ela “foi para o mundo o exemplo das 2003, depois que o Vaticano reconheceu sidiu a missa, abençoando a Capela, no do mês, às 19h30. Ligue (12) 3966-1081 palavras de São João: Amados, se Deus como “milagre” a cura de um tumor no primeiro dia do Tríduo em preparação e informe-se. nos amou assim, nós devemos também abdômen de uma mulher indiana após para a festa da comunidade. “A falta de amor é a maior de todas amar-nos uns aos outros. Se nos amar- colocar uma fotografia da religiosa em Madre Teresa é um modelo exemplar as pobrezas” (Beata Madre Teresa de Cal- mos uns aos outros, Deus permanece em um relicário. de virtude cristã, sobretudo com atitudes cutá). nós, e seu amor se aperfeiçoa em nós” Em nossa Diocese, há uma capela concretas da opção preferencial pelos (Bento XVI). dedicada à beata Madre Teresa de Calcu- pobres. Ser padroeira do Pinheirinho é Equipe Diocesana de Comunicação Sempre servindo, sempre junto dos tá, na Região Pastoral V, Paróquia Nossa graça de Deus, pois, com certeza, ela se das CEBs mais pobres, dos doentes, das pessoas Senhora do Perpétuo Socorro, Bairro do identificaria com este povo sofrido e luta-
    • 4 CEBs - Informação e Formação para animadores C EBs EM FORMAÇÃO COMO TRABALHAR O MINISTÉRIO DE ACOLHIDA DOCUMENTO DO SÍNODO No dia 29 de agosto, a Paróquia São Paulo, que ensinou como trabalhar a Aco- Bento (Jd. Morumbi, em São José dos lhida em nossas comunidades paroquiais. No dia 29 de agosto, no Salão Paulo de Zé Vicente: “Se é pra ir a luta, eu vou. Campos) realizou o encontro de formação Participaram do encontro cerca de 150 VI, a Paróquia Coração de Jesus (Bosque Se é pra tá presente, eu to. Pois na vida “Acolher é Comunicar. Como Trabalhar o pessoas entre elas agentes das Pastorais, dos Eucaliptos) realizou reflexão e parti- da gente o que vale é o amor”. Pe. Ro- Ministério de Acolhida”. A formação foi Ministros, PJ e CEBs. lha sobre o Documento Conclusivo do I gério também passou pelo encontro e assessorada pela Irmã Helena Corazza, da Equipe Diocesana de Comunicação das Sínodo Diocesano. Participaram do en- reafirmou que as CEBs são prioridade na Congregação das Irmãs Paulinas, de São CEBs contro 53 pessoas, entre eles animado- Paróquia Coração de Jesus e que o traba- res (as) e coordenadores (as) das CEBs. lho nas CEBs é o caminho para chegar às Fotos: Bernadete Mota O encontro teve início às 7h com a ora- pessoas afastadas que não participam da ção do Ofício Divino das Comunidades e comunidade. Finalizou incentivando os encerrou às 11h com a Santa Missa. Pe. presentes que acreditem mais nas CEBs Alexsandro passou pelo encontro e dei- como meio de Missão. xou uma mensagem de ânimo para os Bernadete Mota - animadora do setor 13 participantes com um trecho da música Fotos: Bernadete Mota FORMAÇÃO DA REGIÃO PASTORAL V No dia 18 de setembro, aconteceu a prática. Orientou-nos para aprofundar- Formação da Região Pastoral V sobre o mos o seu estudo e seguir as orientações Documento Conclusivo do I Sínodo Dio- ali contempladas. cesano, assessorada pelo Pe. Edinei, coor- Avisou que as paróquias já estão pro- denador Diocesano de Pastoral. Os parti- videnciando o documento para que todas cipantes se reuniram na Paróquia Coração as lideranças tomem conhecimento. LEITURA ORANTE DA BÍBLIA de Jesus das 19h30 às 21h. Os participantes demonstraram bas- Foi um encontro de formação muito tante interesse e saíram motivados para oportuno dentro da Semana Social que fazer acontecer em nossa Diocese de São No dia 21 de agosto, na paróquia Nos- 3º tema: Comunhão, com o ministro da estava acontecendo na paróquia Coração José dos Campos, aquilo que é o espírito sa Senhora do Perpétuo Socorro (Campo Eucaristia Carlos Sena de Jesus, que acolheu a todos os nossos do Sínodo “ uma mentalidade nova para dos Alemães, em São José dos Campos) Contamos com três colaboradores ilu- irmãos e irmãs de caminhada da Região homens e mulheres novos”. aconteceu a formação paroquial das minados, de caminhada desta paróquia, Pastoral. Foi uma noite proveitosa, com Parabéns à equipe organizadora e ao CEBs. A tarde formativa foi dividida em que juntamente com os animadores e uma grande participação. Pe. Edinei e todos os padres que lá esti- três etapas: coordenadores de CEBs rezaram e glori- Pe. Edinei, com seu jeito objetivo e veram presentes, diáconos e a todos os 1º tema: Missão, com o diácono Zezinho ficaram a Cristo Ressuscitado na Leitura esclarecedor, abordou vários tópicos do participantes. 2º tema: Discipulado, com o ministro da Orante da Bíblia. documento clareando o seu entendimen- Luiz Marinho - Coordenador das CEBs Eucaristia Paulo André Coordenação Paroquial to, fornecendo pistas para colocarmos em Paroquia Coração de Jesus Fotos: Davina Fotos: Luiz Marinho
    • CEBs - Informação e Formação para animadores 5 ORMAÇÃO FORMAÇÃO DAS CEBs CEBs EM F Com assessoria do Pe. Ronildo, no dia 5 de setembro mais de 190 pessoas das muito bem, com bela animação, cheia de compromissos com pequenas comuni- Paróquias Imaculada Conceição (Eugênio dades. Pe. Edi Carlos e Côn. Gouvea es- ENCONTRO DIOCESANO DE FORMAÇÃO de Melo) e São Benedito (Galo Branco), em São José dos Campos, reuniram-se tiveram presentes, animando seus paro- quianos. Que os frutos venham junto dos DAS CEBs - “ECOS DO SÍNODO” para refletir sobre o que são CEBs, Leitura animadores de rua que lá estiveram. Orante da Bíblia, Rede de Comunidades Equipe Diocesana de Comunicação As Comunidades Eclesiais de Base re- para o nosso agir pastoral e evangeliza- e Conversão Pastoral. O povo participou das CEBs alizaram no dia 26 de setembro de 07:30 dor, começar já a implantar o documento às 16h o seu encontro de formação com nas paróquias, pastorais, movimentos e Fotos: Rodolfo Reginaldo o tema: Ecos do Sínodo Diocesano – Es- organismos, não olhar apenas para o que tudo do Documento Conclusivo. A forma- fazer, mas também para o como fazer e ção foi conduzida por Pe. Edinei Evaldo para o que fazer”, explicou Pe. Edinei. Batista, Coordenador Diocesano de Pas- O Coordenador diocesano de Pasto- toral. Além de centenas de animadores e ral trabalhou vários destaques do Docu- animadoras, Pe. Edi Carlos e Pe. Vicente mento, citou experiências criativas, citou estiveram na formação. a importância de se trabalhar mais o uso Padre Edinei nos ajudou a pensar e da Bíblia em nossas comunidades, a vi- repensar nossa caminhada, numa mes- vência da Eucaristia, e de sermos teste- ma missão, no entanto, com e em novos munhas da mensagem de Jesus com ale- caminhos e desafios. As CEBs estão em gria e ousadia. comunhão com a caminhada de toda a O trabalho de grupo também foi mui- Diocese, afirmou Pe. Ronildo, assessor to bom. Refletimos o Evangelho de Mar- Leitura Orante da Bíblia no diocesano das CEBs. O encontro come- çou com a Santa Missa presidida pelo cos 2,1-12 fazendo uso da metodologia da Leitura Orante. O nosso coordenador Encontro Diocesano de Formação das CEBs Pe. Ronildo e logo após deu-se início a formação com o Pe. Edinei. Ele nos ex- diocesano, José Hamilton, declarou que estiveram presentes 240 animadores e “Ecos do Sinodo”. plicou a importância do Sínodo, sua con- animadoras, e pode perceber uma gran- clusão e o que se fará a partir de agora de motivação de todos com esta forma- Fotos: Bernadete Mota na diocese diante dos desafios que se ção, o que é muito bom para a nossa ca- apresentam; “de ser uma Igreja na qual minhada. José Hamilton falou ainda que todos os seus membros sejam missio- tudo transcorreu normalmente quanto a nários, suas comunidades e estruturas serviço de cozinha, apoio e animação. Foi sejam casas e escolas de missionários,” um domingo maravilhoso. enfatizou ele. Falou-nos também da ne- Amém, Axé, Aleluia. cessidade do agir em conjunto com todas as Comissões. “Aquilo que é dito para uns Luiz Marinho - Equipe Diocesana de vale para todos, acolher o espírito novo Comunicação das CEBs Fotos: Bernadete Mota
    • 6 CEBs - Informação e Formação para animadores XVIII ENCONTRO DIOCESANO DE FÉ E COMPROMISSO POLÍTICO Com o tema Eleições 2010: Projetos para a promoção da vida, que devemos Humberto Dantas, cientista político, a participação, formação e informação de Nação foi realizado no dia 18 de se- ser ágeis, pois ninguém vai nos esperar. abordou o Projeto de Nação do ponto de ficaram em segundo plano. Onde está a tembro no salão do Instituto de Filosofia Neste projeto de nação, o controle da vista político, fez um histórico do avanço educação política nas escolas? Sabemos e Teologia Santa Teresinha, o XVIII Encon- inflação deve ser uma tônica, trabalhar da democracia dos últimos 25 anos indi- a importância de eleger o legislativo (de- tro Diocesano de Fé e Compromisso Polí- para uma reforma tributária onde o cida- cando que caminhamos pouco a despei- putados, senadores) e qual o papel que tico. Claudio Tavares, professor da Escola dão possa saber como funciona o tributo to dos avanços, frisando que a esperança eles têm? de Política e Cidadania da Diocese, EPC, brasileiro para depois de recolhido saber de consolidação da democracia propi- Dantas salientou que o processo edu- abordou o tema de Projeto de Nação sob o que se faz com o mesmo e que retorno ciada pela promulgação da Constituição cacional de entendimento da política não a ótica da economia, ressaltando que traz para a população. de 5 de outubro de 1988 não soubemos avança porque não amadurecemos poli- neste Projeto não podemos perseguir o O planejamento, eficiência do Estado, aproveitar. Houve aprimoramento do ticamente, precisamos nos sentir parti- desenvolvimento a qualquer custo, que a política de saúde articulada nos níveis processo eleitoral (os analfabetos po- cipantes da democracia, precisamos en- preservação da humanidade e crescimen- municipal, estadual e federal apoiada em diam votar) consolidando a democracia tender que a política nos acompanha em to sustentável ligado a uma promoção de uma boa estrutura; reforma agrícola; re- representativa (no Brasil 70% do univer- nosso cotidiano e define nossa vida. consumo consciente são itens que devem forma agrária; equacionar a relação de so votante se faz presente nas urnas). Foi Foi uma tarde de informação e refle- estar presentes. consumo e investimento; criar condições aprimorado o viés quantitativo da demo- xão muito especial. Neste mundo globalizado a educação, para que a mídia possa cumprir sua fun- cracia. Onde ficou o viés qualitativo? A formação e tecnologia e o diálogo com a ção com ética e responsabilidade, são fa- participação ficou limitada ao voto. Pila- Juan (EPC, Escola de Política e Cidada- sociedade devem ser um todo integrado tores imprescindíveis no Projeto. res fundamentais da democracia que são nia da Diocese de São José dos Campos) DIZIMANDO O ENCONTRO DE COMUNIDADE Foto: Pe. Ronildo O POTE E A MISSÃO O título deste artigo pode parecer es- Quando na missão somos “potes cheios” coração com o fogo interior do Espírito. tranho. Afinal, o que tem a ver pote com de nós mesmos passamos a ser “atração”, O silêncio é uma atitude interior em que missão? Vejamos: “show”. Isto nos leva ao stress. E aí, onde nos abrimos para a realidade de Deus Pote – Pote é uma vasilha de barro fica Deus e o testemunho do anonimato? que nos envolve. utilizada para se por água. Para receber A simbologia do pote nos lembra um Juntamente com o silêncio a espiritu- a água ele deve estar vazio. O estar va- ponto básico no trabalho missionário: o alidade missionária se alimenta na con- zio faz parte de sua identidade. Quando despojamento, a Kénosis. templação. A contemplação é a descida está novo e ainda não foi curtido, a água Trindade: Maior gesto Missionário. humilde da mente para o coração. Refle- que se põe nele tem gosto de barro. Na Ela é o ato missionário completo: Cria – timos e rezamos a sabedoria da Palavra medida em que fica curtido, a água depo- Redime – Santifica. de Deus que se apresenta na Bíblia e na sitada conserva o gosto de água. Ele dei- A missão tendo origem na Trindade se realidade da vida. Quando esta Palavra xa a água ser água. O pote quando está torna para nós uma questão de fé. Ela se de vida desce para o coração ela se torna cheio de água fica sempre umedecido. A torna a medida de nossa fé (Cf RM 11). inspiração contemplativa e missionária. A umidade da água passa pelas paredes do Ela renova a Igreja, revigorando sua fé e contemplação é uma atitude de abando- pote. Lança-se para fora. sua identidade. (Cf RM 28). A missão tem no aos apelos do Amor de Deus. Por isso Simbologia do Pote – O serviço da no Espírito de Deus seu primeiro agente, mesmo ela nos desinstala e nos leva por Missão tem muito a ver com o Pote. seu guia e seu impulsionador ( Cf RM 21. caminhos desconhecidos, facilitando um Para bem iniciarmos e desenvolvermos 24. 37). Sem a ação do Espírito Santo não novo olhar para a realidade. Deste modo um trabalho missionário devemos ser há Evangelização. Ele é a alma da Igreja. é a contemplação que nos impulsiona “potes” com sua verdadeira identidade. As técnicas da Evangelização são boas, para a missão “ad gentes” e não a curio- Isto quer dizer potes vazios. Pote vazio mas não substituem a ação discreta do sidade do diferente ou de ser diferente. não deixa de ser pote, apenas está pre- Espírito Santo. (EN 75). Através da contemplação começamos constante na execução do trabalho mis- parado para receber a água. Quando nos Espiritualidade do Missionário a enxergar e ver o cotidiano com um co- sionário, aberto ao diálogo e ser pessoa comparamos com potes vazios, não quer Na medida em que o missionário vai ração e espírito novos (Cf Ez 36, 26-27). A comunitária. dizer que ignoramos nossas potencialida- se deixando tocar pela simbologia do contemplação reforça em nós o sentido Neste instante em que a vida religio- des. Significa que a primeira atitude da pote ele vai esvaziando-se de si mesmo de pertença e permanência na vocação sa é chamada a reavivar seu profetismo Missão é esvaziarmos de nós mesmos, e deixando Deus ser Deus dentro dele. missionária. Aumenta o zelo e o espírito missionário, a simbologia do pote nos de nossos projetos pessoais para nos en- Adquire o verdadeiro temor de Deus, re- de unidade do missionário (a). Reanima o lembra que a missão é antes de tudo um chermos de Deus. conhecendo que Deus é Absoluto e nós fervor do missionário (a), dando-lhe for- estado de ser possuído por Deus que nos Quando no início do trabalho missio- somos criaturas. ça para semear mesmo entre lágrimas. leva a fazer ações missionárias. A Kénosis nário somos “potes vazios”, o mistério A espiritualidade requer que o A contemplação nos leva, a exemplo de é uma atitude básica para o discipulado de Deus penetra em nós, nos toca, nos missionário(a) seja uma pessoa de silên- Carlos de Foucauld, a “Gritar o Evan- missionário. Sem ela não seremos os(as) curte. Vamos percebendo as dimensões cio. O silêncio é mais do que não-falar. gelho com a Vida”. A falta de fervor se missionários(as) do silêncio contemplati- deste mistério. A partir daí o trabalho É uma atitude de escuta da Palavra de manifesta no cansaço, na desilusão, no vo. Nosso zelo, nosso fervor, nossa unida- missionário que realizamos é transpira- Deus. Deste modo o silêncio se torna a desinteresse e sobretudo na falta de ale- de terão fôlego curto. ção, testemunho da água viva do projeto morada desta Palavra. Dá fecundidade a gria e esperança (Cf EN 76.79.80). A con- de Deus e não tanto uma projeção nossa. esta Palavra. O silêncio faz arder nosso templação ajuda o missionário (a) a ser Fonte: Movimento Boa Nova
    • CEBs - Informação e Formação para animadores 7 GRITO DOS EXCLUÍDOS: DIOCESE DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - SP Ser Missionário nas CEBs Foto: PASCOM - Par. São Judas Em nossa diocese aconteceu o 1º Gri- momentos de reflexões, por Pe.Antonio to dos Excluídos, promovido pelas CEBs e Ap. Alves- AESI, Silvia Macedo-CEBs e Da- Foto: Maria Matsutacke Pastorais Sociais. Foi um grande momen- niel Arrebola-PJ. A seguir apresentação to e oportunidade de caminhar juntos e teatral pelo Grupo Teatral da Paróquia chamar a atenção da sociedade para os São João Batista, interpretando e ence- problemas que atingem grande número nando a música Disparada, de Geraldo de brasileiros e brasileiras que ainda não Vandre. alcançaram a cidadania plena. Encerramento com missa presidida Nesta data nacional, em que come- pelo bispo Dom Moacir Silva e concele- Irene Teles dos Santos Laura Lima da Silva moramos a nossa independência, será brada por Pe. Ronildo Ap. da Rosa, Pe. Região III Animadora da Rua Ricardo Verdelli preciso avançar ainda muito mais, para J. Bento Vichi de Paula, Pe. Vicente B. Si- Paróquia Santuário São Judas Tadeu Paróquia Nossa Sra. de Guadalupe resgatar e incluir uma grande parte de mões e Pe. Rinaldo R. de Rezende. nossa população. O grito gera oportuni- Pe. Ronildo Ap. da Rosa, assessor dio- Ser missionário é um compromisso Participo das CEBs desde 1989 e é dades de levar para debates os proble- cesano das CEBs, agradeceu o empenhos de toda comunidade que vive e transmi- abraçar uma missão; ser CEBs vinte e mas, com todos os envolvidos, por um das CEBs, das Pastorais Sociais e de todos te sua fé. quatro horas por dia! Brasil melhor, buscando construir novas que se articularam para tornar possível Ser missionário exige de mim, de Não é só o encontro semanal, mas alternativas para construção de uma so- a realização do 1º Grito dos Excluídos na você, de todos nós, uma abertura cons- durante a semana vamos nos encon- ciedade justa e fraterna. Diocese, colocando que seja o primeiro tante pessoal e comunitária para res- trando, vamos conversando e às vezes Início com concentração na Praça Pe. de muitos, que é muito mais que uma ponder aos desafios de hoje. Portanto, até mudando a casa em que seria o en- João, Igreja Matriz São José, centro. Em atividade, que possamos de fato assumir precisamos sair de nós mesmos para ir contro ou porque alguém solicita que seguida caminhamos pelas principais profundamente nossos compromissos, ao encontro do outro, do diferente, dos seja na casa dela ou porque não poderá ruas do centro em direção à Catedral São que saibamos ouvir o clamor do povo preferidos de Jesus. ser onde foi combinado, então saímos Dimas. que sofre, que tem muitos deveres e di- Como missionários temos a oportu- a avisar aonde será o novo local para Participaram cerca de seiscentas pes- reitos que desconhecem. nidade de criar novos laços, novas rela- acontecer o encontro. ções, ter um jeito novo de olhar a vida Não podemos desanimar. Sempre soas, com presença marcante da juven- Maria Matsutacke - Equipe de convidando as pessoas. Aprendemos tude. Na catedral foram promovidos três Comunicação Diocesana das CEBs e um novo jeito de ser igreja e aí entra que é uma missão para vida toda, pois a CEBs. viver em comunidade não é só estar jun- Enfim, ser missionário é levar Je- Fotos: Bernadete Mota tos, é muito mais. sus ao necessitado e colaborar com o Também precisamos ficar atentos às Mestre no que for preciso para tornar o formações, ao que acontece na comuni- mundo melhor. dade para poder informar o que nos é Que o Senhor nos abençõe e nos de perguntado. força e sabedoria de anunciar o seu Fi- Além da CEBs, participo dos Vicen- lho, que é o mesmo ontem, hoje e sem- tinos e da Pastoral do Dizimo. É uma pre. benção participar da comunidade e ser missionária. Dia Mundial da Alimentação 2010 “Unidos Contra a Fome” é o tema do muitos brasileiros ainda convivem com Dia Mundial da Alimentação 2010. A ce- esse flagelo social. lebração é promovida em todo o planeta Nesta data,16/10, estarão na ONU pela Organização das Nações Unidas para as listas de assinaturas coletadas em e a Alimentação e a Agricultura (FAO- cria- por nossas comunidades e, as de todo o da em 1945), no dia 16 de outubro. No mundo, para fazer uma pressão política Brasil, todos os anos a data é celebrada junto à ONU, mostrando que a fome é um pelo Conselho Nacional de Segurança crime Alimentar e Nutricional (Consea) junta- Maria Matsutacke mente com parceiros, órgãos públicos e Foto: Divulgação Coordenadora RPVI privados e entidades da sociedade civil. Neste ano, acontecerão atividades de 11 a 17 de outubro, consolidando a Semana Mundial da Alimentação. Estimativas recentes da FAO revelam que cerca de 1 bilhão de pessoas passam fome em todo o mundo. Embora o Brasil esteja cada dia mais perto de debelar o problema da fome, fruto do êxito de suas políticas públicas,
    • 8 CEBs - Informação e Formação para animadores ORAÇÃO DO 13º INTERECLESIAL DAS CEBs IRÁ ACONTECER! ACONTECEU Foto: Divulgação 6º Encontro Regional da Pastoral Reunião da Colegiada Deus da vida e do amor, da Comunicação (Pascom) Pai de Jesus e Pai nosso, San- Terra, nossa mãe. Em família e na comunidade eclesial, no das CEBs do Estado de tíssima Trindade, a melhor co- trabalho, na política, no mo- Acontecerá em Sorocaba (SP), São Paulo munidade: abençoai as nossas vimento popular, crianças, de 5 a 7 de novembro. O tema será Foto: Silvia Macedo CEBs, rumo ao 13º Interecle- jovens e adultos, mulheres e Comunicadores no mundo digital: sial, que iremos celebrar no homens. motivações e desafios e tem como coração alegre e forte do Nor- Denunciando a economia assessor o professor Luis Almeida deste, nas terras do Pe. Cícero neoliberal dos grandes pro- Marins Filho. e do Pe. Ibiapina, do beato Zé jetos depredadores, da seca, Da equipe de comunicação das Lourenço e da beata Maria de da cerca, do consumismo e CEBs irão participar deste encontro – Araújo, e de tantos sofredores da exclusão. Mª. Bernadete de P. Mota Oliveira e e lutadores, profetas e már- Mãe das Dores e das Alegrias, ensi- Mª. Aparecida Matsutacke. tires da caminhada, no Brasil, em Nossa nai-nos a sermos CEBs romeiras do Rei- América, no Mundo solidário. Ajudai-nos no, no campo e na cidade, fermento de a reacender sempre mais a nossa paixão justiça, de profecia e de esperança pas- pelo Reino, no seguimento de Jesus. cal. Proclamando a Boa Nova do Evange- Nos dias 21 e 22 de Agosto de 2010, À luz da Bíblia e na mesa da Eucaris- lho sobretudo com a própria vida, que é os coordenadores dos sub-regionais das tia, na opção pelos pobres, em diálogo “o melhor presente que Deus nos deu”. Comunidades Eclesiais de Base do Esta- ecumênico e ecológico, na defesa dos do de São Paulo estiveram reunidos na Direitos Humanos, sobretudo dos Povos Amém , axé, auerê, aleluia! Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora, em Indígenas e Quilombolas. No cuidado da (Pedro Casadáliga) Americana – SP, Sub regional de Limeira. Estavam presentes representantes dos Seja um colaborador(a) do informativo Sub- regionais de Aparecida, Botucatu, Vem aí a Novena Campinas, RP1, RP2, SP1, SP2, Soroca- “Lá Vem o Trem das CEBs” de Natal 2010 ba, onde se tratou de encaminhamentos para a caminhada das Comunidades do Povo das Comunidades Eclesiais de de comuni- Participe! Estado de São Paulo, assumindo nosso Base animadores e animadoras envie dades a con- para nós as suas experiências nas CEBs, tar as suas jeito de ser igreja . informando o que vocês estão fazendo experiências para dinamizar e animar as CEBs em e história e São José dos Campos, 21 de setembro suas comunidades. Vamos fazer uma dentro do de 2010 - Silvia Macedo - Representante troca de informações de experiência possível a do Sub-Regional Aparecida exitosas e criativas entre as comunida- nossa equipe de comu- des de nossa diocese. nicação editará, respeitando o que vier O objetivo é fazer com que o infor- da base. Se possível, envie fotos. Envie mativo “Lá Vem o trem das CEBs” seja um veículo de informações e troca de também o que irá acontecer e o que aconteceu nas CEBs em sua paróquia VEM AÍ! experiências entre as comunidades. para o e-mail: tremdascebs@dioce- Para isso acontecer é preciso que vo- cês animadores(as) e coordenadores sesjc.org.br XXII Encontro (as) sejam produtores de notícias: esti- Estamos aguardando! Celebrativo das CEBs mulem os participantes dos encontros Equipe de Comunicação das CEBs Dia: 28 de Novembro 2010 Local: Paróquia Coração de Jesus MÍDIAS SOCIAIS Novos vídeos no canal das Rua Ipatinga – Bosque dos Eucaliptos Blog: Siga nos no Twitter: CEBs http://tremdascebs.blogspot.com/ https://twitter.com/tremdascebs •Benção da Capela do Pi- São José dos Campos – SP nheirinho por Dom Moacir You Tube: http://www.youtube.com/user/bernadetecebs Assista aos videos dos principais acontecimentos das CEBs, dos encontros de • Formação nas CEBs: Ecos do I Sinodo Conclusivo Participe! Diocesano - Pe. Edinei comunidades nas paróquias, das Regiões Pastorais... Expediente: Publicação Mensal das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) da Diocese de São José dos Campos – Diretor: Dom Moacir Silva – Diretor Técnico: Pe.Ronildo Aparecido da Rosa - Jornalista Responsável: Ana Lúcia Zombardi - Mtb 28496 – Equipe de Comunicação: Coordenador: Luis Mario Marinho - Inte- grantes: Celso Corrêa e Maria Aparecida Matsutacke - Colaboradora: Madalena das Graças Mota - Diagramação: Maria Bernadete de Paula Mota Oliveira - Cor- reção: Sandra Memari Trava - Revisão: Pe. Ronildo - Arte Final, Editoração e Impressão: Katú Editora Gráfica - Tiragem: 6.200 Exemplares Sugestões, críticas, artigos, envie para Bernadete. Fale com a Redação... Av. Ouro Fino, 1.840 - Bosque dos Eucalíptos CEP 12.233-401 - S. J. Campos - SP Esperamos seu contato! E-mail do informativo: tremdascebs@diocesesjc.org.br