Apostila missiologia

8,266 views
7,950 views

Published on

0 Comments
10 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
8,266
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
97
Actions
Shares
0
Downloads
313
Comments
0
Likes
10
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Apostila missiologia

  1. 1. MISSIOLOGIA Introdução A palavra é composta de outras duas palavras heterogêneas: MISSIO (latim) e LOGOS (grego). A missiologia, portanto pode ser definida como: “O estudo sistemático da atividade evangelizadora da Igreja e dos meios para realizá-la. É um estudo científico da realidade missionária da Igreja em que a disciplina científica e o carisma missionário se enriquecem reciprocamente. A missiologia deveria ser o fundamento dinâmico de todos os estudos teológicos e o coração da eclesiologia”. 1
  2. 2. Em outras palavras a missiologia estuda a: REALIDADE missionária e REFLETE sobre a tarefa missionária do cristão e da Igreja 2
  3. 3. A missiologia estuda a teologia da missão em maneira sistemática e orgânica. Isso é: * expõe os fundamentos bíblicos da missão; * aprofunda a dimensão trinitária, cristológica, eclesiológica e pneumatológica da missão; * dá elementos de espiritualidade e vocação missionária e * percorre os caminhos históricos da missão, indicando como ela é realizada aqui e além-fronteiras e toda a sua organização. 3
  4. 4. A ORIGEM DA MISSIOLOGIA A missiologia é uma ciência jovem. O primeiro a iniciar um verdadeiro estudo sistemático da teologia da missão foi o protestante GUSTAV WARNECK (18341910), o pai da missiologia com sua obra prima Evangelische Missionslehre, dividida em cinco volumes. Ele faz teologia da missão a partir da Bíblia conjugandoa com a praxe e a história da missão. Ele foi o titular da cátedra de missiologia em absoluto. 4
  5. 5. Pe. JOSEPH SCHMIDLIN (1876-1944), o pai da missiologia católica Pe. Schmidlin, com Robert Streit, omi (cofundador), é o iniciador da missiologia em âmbito católico. Ele fundou a União acadêmica missionária na Alemanha, em Muster, e em 1912 a União missionária do clero. Sentia que lhe faltava uma “experiência missionária no campo” e, assim, em 1913 foi para o extremo Oriente, China e Hong Kong. 5
  6. 6. Voltando da missão, abre a nova cátedra de missiologia católica em Muster, e contemporaneamente, dá novos cursos de missiologia para o clero, para os missionários e para os leigos. Além disso, conduz congressos internacionais e nacionais de missiologia. Com a faculdade de missiologia ele funda uma renomada revista chamada Zeitschrif fur Missioswissenschaft, para as pesquisa no âmbito da missiologia. 6
  7. 7. Foi por mérito dele que a missão saiu de um certo âmbito romântico e entrou decididamente no coração da pesquisa teológica. Pe.Schmidlin foi também um convicto opositor do sistema nacional-socialista e por isso foi preso e levado ao campo de concentração nazista de Struthof, onde morreu o dia 10 de janeiro de 1944. No jazigo da família está escrito: “Prof.Dr.Joseph Schmidlin morreu mártir em Struthof e deveria estar sepultado aqui”. 7
  8. 8. O começo do nascimento da missiologia católica 1909: Congresso católico de Breslavia, o Katholikentag Superiores de institutos missionários e interessados aos problemas da missão se encontram e trocam experiências. Dentro do congresso criou-se uma Comissão para as missões. Nesse preciso contexto histórico é que nasce a missiologia católica. O Pe. Robert Streit apresenta um projeto ousado de uma “Bibliotheca Missionum”, isso é, uma bibliografia universal de obras que diz respeito às missões. 8
  9. 9. A “Bibliotheca Missionum”. É uma obra monumental que iniciou em 1916 e terminou só em 1974 e que tem XXX volumes. Compreende toda a literatura missionária a partir do fim da Idade Média até os nossos dias em forma bibliográfica e em ordem cronológica. Só a titulo de curiosidade, esta Obra apresenta a África a partir do ano mil, a Ásia do século XII e a América a partir do descobrimento. A Obra foi acolhida com entusiasmo nos círculos científicos missionários, não só no âmbito católico mas até protestantes. Hoje é uma obra cientifica de consulta que diz respeito à teologia da missão. 9
  10. 10. A missiologia supera os confins da Alemanha. O interesse para a missiologia ultrapassa o âmbito alemão e entra nas universidades de Roma por obra de um padre missionário do PIME (Pontifício Instituto das Missões ao Exterior): João Batista Tragella. Com ele nasce a primeira cátedra de missiologia que se tornou depois o Instituto científico de missiologia, atualmente é Universidade Urbaniana. 10
  11. 11. A missiologia no Brasil ITESP Associação São Paulo de Estudos Superiores – Instituto São Paulo de Estudos Superiores Instituto Teológico São Paulo MESTRADO EM TEOLOGIA com especialização em Missiologia O curso foi iniciado nos anos 87 e 88. Menção explícita no doc. N 40 da CNBB, Igreja: Comunhão e Missão. 11
  12. 12. DOC. 40 CNBB (1988) n. 124 “Nos seminários maiores, o estudo da Missiologia seja incluído entre as disciplinas do currículo teológico.” 12
  13. 13. Bibliografias www.mundomissao.com.br 13
  14. 14. 14
  15. 15. 15
  16. 16. Introdução : Igreja = Missão 16
  17. 17. SER MISSIONÁRIA não é para a Igreja um privilégio, nem uma simples nota característica: É a sua própria razão de ser! Ela Existe para a missão. Foi fundada para isso. A Igreja deixará de existir sobre a terra quando essa missão estiver cumprida. Também não é mais Igreja aquela comunidade que perde seu elã missionário. 17
  18. 18. O QUE É MISSÃO? Do latim “Mittere” = “Enviar” “Missus” = “Enviado” Missão: Incumbência - tarefa - obrigação - encargo comissão especial - vocação. 18
  19. 19. DIVERSOS TIPOS DE “MISSÃO” Diplomática - de guerra - de paz - científica religiosa. MISSÃO NO SENTIDO RELIGIOSO Protagonistas: Deus e o homem 19
  20. 20. 1. ORIGEM DA MISSÃO : A SANTÍSSIMA TRINDADE 20
  21. 21. 1.1. - A MISSÃO DO PAI : DEUS É AMOR Deus caritas est (1 Jo 4.8.16) Afirmar que Deus é amor é dizer que Ele não é “solidão cerrada” e é afirmar que Ele é “relação”. Transbordar, comunicar e relacionar são características do amor. O amor de Deus que transborda, na teologia da Santíssima Trindade, é chamado de “amor fontal”. “Deus amou de tal maneira o mundo, que lhe deu (transbordou) seu Filho único, para que todo o que n‘Ele crer não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus não enviou seu Filho para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por Ele.” (Jo 3,16-17) 21
  22. 22. A origem, portanto, de toda ação salvífica, está no Pai. Os destinatários: os homens, o mundo, nós. O missionário é o enviado, o mediador, que sai à procura do destinatário. A missão = mediação salvífica (embora Deus possa falar diretamente aos corações). O Pai é o primeiro interessado na salvação do mundo. “O vosso Pai que está nos céus não quer que se perca uma só destes pequeninos” (Mt 18,14) Por isso convida a pedir ao Pai para que como “Senhor da messe, envie operários” (Cf. Mt 9,37-38) 22
  23. 23. Todos nós que continuamos a missão de Jesus na Igreja, temos que reconhecer no Pai a origem de nossa missão. Nós somos missionários do Pai! 23
  24. 24. DEUS O PAI É SER PARA 24
  25. 25. 1. 2. A MISSÃO DO FILHO Dimensão cristológica 25
  26. 26. “Filipe disse a Jesus: Senhor, mostra-nos o Pai, isso nos basta. Jesus respondeu: Filipe, há tanto tempo estou convosco e não me conhece? Quem me viu, viu o Pai” (Jo 14, 8-9) “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida, ninguém vai ao Pai senão por mim.” (Jo 14, 6) Finalidade do envio do Filho, na nossa carne (missão – encarnação): Restabelecer a paz ou a comunhão com Ele, e formar uma comunidade fraterna entre os homens: A UNIDADE “Pai, que TODOS sejam UM.” (Cf. Jo 17, 21.22) 26
  27. 27. Cristo apresenta-se sempre como “enviado do Pai” Se diz missionário: “Saí de junto do Pai e vim ao mundo...” (Jo 16, 28) Jesus é o passo definitivo de Deus na história da salvação: “O Reino de Deus está no meio de nós” (Cf. Lc 16,16) “Com seu sangue reconciliou-nos a todos e, na sua pessoa, deu-nos todas as bênçãos.” ( Cf. Ef 1,3-4) De fato, “O Pai ama o Filho e colocou tudo em suas mãos.” (Jo 3, 35) 27
  28. 28. “A função da Igreja é apenas realizar a missão de Jesus.” (AG 5) Jesus, no momento de nos dar o mandato missionário, proclamou solenemente que o Pai lhe tinha dado “todo o poder” ( Cf. Mt 28,18) E na Igreja que envia, deixou este mesmo poder para enviar e participar de seu poder. Portanto, hoje, todo verdadeiro missionário só pode ser enviado pela Igreja pelo Cristo - pelo Pai. 28
  29. 29. Jesus deu regras para fazer a missão 1. Ser mediador – “Enviado como mediador entre Deus e os homens”. 2. Encarnar-se – “Andou pelos caminhos da verdadeira encarnação, para tornar os homens participantes da natureza divina; sendo rico, fez-se pobre...” ( Cf. 2Cor 8,9) 3. Ser fiel – Jesus nada mudou, nem do plano, nem da doutrina recebida do Pai, apesar de provocar escândalos e divisões. 29
  30. 30. 4. Evangelizar - Foi uma forma concreta com a qual Cristo realizou sua missão. “É necessário que anuncie o Reino de Deus em outras Cidades, porque para isso fui enviado...”(Cf. Mc 1,38) Trata-se de uma evangelização feita de Gestos e Palavras, dirigida sobretudo aos pobres - anuncia a libertação de tudo que oprime o homem: pecado pessoal e social. 30
  31. 31. 5. A Boa-Nova é Ele Mesmo! - Acreditar n’Ele, enviado do Pai. “Não faço nada por minha conta, mas digo as coisas como me ensinou o Pai. E o que me enviou está comigo.” (Jo 8,38) “A minha doutrina não é minha mas daquele que me enviou.” (Jo 7,16) 31
  32. 32. • O missionário também é enviado a pregar não a si mesmo, ou suas ideias pessoais, mas a pregar um Evangelho de que, nem ele (o missionário), nem ela (a Igreja) são donos absolutos para dele dispor a seu gosto, mas ministro para transmiti-lo com fidelidade. Os dois termos “transmissão e fidelidade” são importantes. (EN 4-15) • “O que foi pregado uma vez pelo Senhor, ou o que nele se realizou pela salvação do gênero humano, deve ser proclamado e difundido até os últimos confins da terra” (AG 3) 32
  33. 33. 6. Seu estilo?-“Vida de pobreza, de serviço total, de perseguição, de aparente fracasso até a morte” (AG 5) “A Igreja é destinada a percorrer o mesmo caminho, a fim de comunicar os frutos da salvação dos homens” (LG 8) A redenção universal é obra da cruz: “quando eu for elevado da terra, atrairei todos a mim” (Cf. Jo 12,23) e “o discípulo não é maior que seu mestre” (Mt 10,24) No sofrimento é onde se cumpre a missão de Cristo e do missionário. 33
  34. 34. 7. Cristo é também o centro e o objetivo de nossa atividade missionária. “Ele é a verdade”. (Cf. Jo 14,6) Ele é o “Evangelho de Deus” (Cf. Mc 1,1) Portanto, não devemos somente anunciar as suas palavras, mas sobretudo a sua pessoa. De sua aceitação ou não, depende a nossa salvação. 34
  35. 35. “O mesmo Jesus, a quem vós crucificastes, Deus o constituiu Senhor e Messias”. (I°discurso de Pedro, At 2,23). Por consequência “Convertei-vos e batizai-vos todos em nome de Jesus”. (Cf. At 2,36s) é o KERIGMA. São Paulo inaugurou sua pregação missionária dizendo: “Assim pois, fique bem claro, irmãos, que, por meio d’Este, se vos anuncia o perdão dos pecados; e de tudo aquilo que não pudestes ser libertados pela lei de Moisés, por este é libertado todo aquele que tem fé.” (At 13,38-39) 35
  36. 36. João Paulo II, na encíclica missionária Redemptoris Missio (RM) diz: “ A auto-revelação definitiva de Deus é o motivo fundamental pelo qual a Igreja é por sua natureza, missionária. Não pode deixar de proclamar o Evangelho, ou seja, a plenitude da verdade que Deus nos deu a conhecer de si mesmo “ (RM 5). 36
  37. 37. A missão de Cristo é universal. – “A evangelização deve também conter sempre, como base, centro e cume de seu dinamismo, uma clara proclamação de que Jesus Cristo, Filho de Deus feito homem, morto e ressuscitado, se oferece para a salvação de todos os homens”. (EN 27) 8. 37
  38. 38. O FILHO É SER PARA 38
  39. 39. 1. 3. A MISSÃO DO ESPÍRITO SANTO Dimensão pneumatológica 39
  40. 40. Jesus não deixou aos apóstolos um manual de missão, nem uma organização bem estruturada. Ele deixou o Espírito Santo que é o “protagonista da Missão” (RM 21) “O Pai envia-lo-à a vós em meu nome” (Jo 14, 26) É um dom de Cristo ressuscitado: “Recebei o Espírito Santo...” (Cf. Jo 21) Ao dar-lhes o mandato missionário “Ide e pregai ao mundo inteiro” (Mc 16, 15), deu-lhes também outro mandato: “Primeiro esperai ser revestidos da força do alto” – “Recebereis a força do Espírito Santo e sereis minhas testemunhas até os confins do mundo.” (At 1, 8) 40
  41. 41. Somente depois da vinda do Espírito Santo, no Pentecostes, os Apóstolos saem para todas as partes do mundo. (EN 75) A encíclica missionária Redemptoris Missio, no cap. 3, diz que “o Espírito Santo é o PROTAGONISTA da missão. 41
  42. 42. Sem o Espírito Santo a colaboração do homem na obra missionária não vale nada. “As técnicas de evangelização são boas; porém, nem as mais aperfeiçoadas poderiam substituir a ação discreta do Espírito Santo. Sem Ele, a dialética mais convincente nada consegue sobre o espírito dos homens. Sem Ele, os esquemas mais bem estruturados sobre bases sociológicas ou psicológicas, revelam-se depressa desprovidos de todo o valor” (EN 75) 42
  43. 43. O ESPÍRITO IMPÕE UM DINAMISMO No Antigo Testamento, o Espírito revela-se, com frequência, como “Ruah” , sopro-força que “reveste, enche, impulsiona” os enviados a fim de poderem cumprir a missão recebida . No Novo Testamento, a partir de Pentecostes, o espírito aparece como a força do missionário. Faz sentir seus imperativos missionários. Ex. a Pedro receoso, ordena: “Levanta-te, desce e vem com eles três pagãos sem duvidar, porque fui eu quem os enviou” (At 10,20) 43
  44. 44. No relato da conversão do primeiro pagão (At 10), o Espírito parece estar já em contato com aquele homem que segue a consciência, dá esmolas e..., a um certo ponto, o quer salvar levando-o a procurar o missionário (Pedro)... e a “escutar suas palavras, pelas quais será salvo ele e toda sua família”. “Se a Igreja ou os missionários não acudirem as missões, o Espírito, por caminhos conhecidos só de Deus, oferecerá a possibilidade aos não-cristãos de se unirem ao mistério pascal” (GS 22a) 44
  45. 45. A Igreja de Antioquia: O espírito ordena: “Separai-me Barnabé e Saulo, para a obra que os chamei”. O Espírito Santo é uma pessoa concreta em continuo diálogo com o Apóstolo: “Levarnos-á a verdade completa, recordar-vos-á o que vos ensinei”. (Cf. Jo 15,12s) 45
  46. 46. O “Ad Gentes” lembra: “Jesus, por meio do Espírito Santo, distribui os carismas para utilidade comum e inspira a vocação missionária” . O Espírito Santo predispõe também a se tomar a alma aberta e acolhedora da Boa-Nova e do Reino anunciado e leva a aceitar e compreender a Palavra da salvação (EN 75). 46
  47. 47. Nesse caso, existirá de nossa parte, uma grave responsabilidade: será que poderemos nos salvar se, por negligência, por medo, por vergonha ou por ideias falsas, nos omitirmos de anunciá-lo? Porque isto significa sermos infiéis ao chamado de Deus, que, por meio dos ministros do Evangelho, quer fazer germinar a semente. (EN 80) 47
  48. 48. O ESPÍRITO SANTO É SER PARA 48
  49. 49. CONCLUINDO O Espírito Santo é a pessoa da Santíssima Trindade que dinamiza a Igreja, dá força a sua ação missionária no mundo. O missionário nada pode fazer sem o Espírito Santo. O sucesso está na unidade-colaboração com o Espírito Santo. 49
  50. 50. A MISSÃO É SER PARA ... 50
  51. 51. 2. A missão eclesial 2.1 . Dimensão eclesiologica da missão A Igreja foi instituída como “ sacramento universal de salvação” (LG 49), portanto existe uma profunda relação entre a natureza da Igreja (ícone da Trindade) e sua missão (comunhão-unidade-ser para). Podemos afirmar que a natureza da Igreja é a sua missão. “Deus quis santificar e salvar toda a humanidade não individualmente, mas como um povo” (LG 9) 51
  52. 52. A missão não é só obra da Igreja universal, mas cada Igreja local é responsável. Não só as Igrejas já formadas, mas todas as Igrejas, também as jovens Igrejas. Veja a mensagem de Bento XVI para o dia mundial das missões 2007: “ Todas as Igrejas para Todo o Mundo: este é o tema escolhido para o próximo Dia Mundial das Missões. Ele convida as Igrejas locais de todos os Continentes a uma compartilhada consciência acerca da urgente necessidade de relançar a ação missionária ...” 52
  53. 53. “ Em primeiro lugar, Ele continua a chamar as Igrejas assim ditas de antiga tradição, que no passado forneceram às Missões, além de meios materiais, também um número consistente de sacerdotes, religiosos, religiosas e leigos, dando vida a uma eficaz cooperação entre comunidades cristãs. Desta cooperação nasceram abundantes frutos apostólicos, seja para as Igrejas jovens em terra de Missão, seja para as realidades eclesiais das quais provinham os missionários. “ Todas as Igrejas para Todo o Mundo 53
  54. 54. “Para dedicar-se generosamente à Missão “ad gentes”, o Bom Pastor convida também as Igrejas de recente evangelização. Apesar das muitas necessidades locais, são, todavia, enviados a desempenhar seu ministério pastoral e seu serviço apostólico em outros lugares, também nas terras de antiga evangelização. Desse modo, assiste-se a um providencial “intercâmbio de dons”, que reverte em benefício de todo o Corpo Místico de Cristo.” Todas as Igrejas para Todo o Mundo 54
  55. 55. “A Igreja é missionária por natureza”, escreveu João Paulo II na Encíclica Redemptoris Missio, “porque o mandado de Cristo não é algo de contingente e exterior, mas atinge o próprio coração da Igreja. Segue-se daí que toda a Igreja e cada uma das Igrejas é enviada aos não-cristãos. Mesmo as Igrejas mais jovens, precisamente “para este zelo missionário florescer nos membros da sua pátria”, devem “participar o quanto antes e de fato na Missão universal da Igreja, enviando também elas, por todo o mundo, missionários a pregar o Evangelho, mesmo que sofram escassez de clero” (n° 62). Todas as Igrejas para Todo o Mundo 55
  56. 56. “A cinquenta anos do histórico apelo do meu predecessor Pio XII, com a Encíclica Fidei Donum para uma cooperação entre as Igrejas a serviço da Missão(...). Deu vida assim a um novo “sujeito missionário”, que, justamente das primeiras palavras da Encíclica, extraiu o nome de “fidei donum”. “Inúmeros sacerdotes, após deixar as comunidades de origem, depositaram suas energias apostólicas ao serviço de comunidades que, às vezes, acabavam de nascer, em zonas de pobreza e em desenvolvimento. Entre eles há não poucos mártires que, ao testemunho da palavra e à dedicação apostólica, uniram o sacrifício da vida.” Todas as Igrejas para Todo o Mundo 56
  57. 57. Há nestes conceitos uma superação da distinção entre “Igreja que doa” e “Igreja que recebe” , entre uma “Igreja que envia” e “Igreja que acolhe”. Cada Igreja local é a representação da única Igreja. Missão como comunhão, partilha, reciprocidade intercâmbio. “Desse modo, assiste-se a um providencial ‘intercâmbio de dons’, que reverte em benefício de todo o Corpo Místico de Cristo.” Todas as Igrejas para Todo o Mundo 57
  58. 58. A missão é sinal de uma Igreja jovem. A missão não concede à Igreja pausas, repousos, estagnação, mas a coloca sempre além das suas fronteiras. O além é o coração da missão, a fronteira sempre nova na sua caminhada. A missão empurra a Igreja para as mudanças necessárias para que o homem e a mulher de cada tempo, raça e cultura, se deixe tocar pelo anúncio libertador do Evangelho de Deus, Jesus Cristo. DUC IN ALTUM 58
  59. 59. Concluindo: Teologia da missão e teologia da Igreja, isto é missiologia e eclesiologia são inseparáveis. A missão não exprime uma modalidade da Igreja, mas revela a própria identidade da Igreja. Por isso a teologia da missão enriquece a eclesiologia e a cristologia porque coloca a Igreja no seu dever natural o de abrir-se ao mundo entendido como o lugar teológico em que Ela encontra o ser humano histórico, concreto, situado e inculturado, e lhe anuncia a salvação de Jesus Cristo, além de todas as fronteiras geográfica, antropológica, cultural e religiosa pois o mandamento de Jesus a coloca em direção de todos os horizontes da humanidade: “ Ide, portanto e fazei meus discípulos todas as nações...” (Mt 28,19) 59
  60. 60. n.376 “ Para não cairmos na armadilha de nos fechar em nós mesmos, devemos formar-nos como discípulos missionários sem fronteiras, dispostos a ir a outra margem, àquela aonde Cristo não é ainda reconhecido como Deus e Senhor e a Igreja não está presente”. 60
  61. 61. A Diocese, a paróquia ou o cristão que prefere gastar todas as suas energias em casa, antes de dedicá-las às missões, é semelhante à pessoa que, temendo o empobrecimento do coração pelo impulsionar o sangue até às extremidades do organismo, levanta barreiras para estancar o sangue no coração. Imediatamente se aperceberá que as mãos e os pés se paralisarão e o próprio coração se acaba” (F. Sheen). 61
  62. 62. A MISSÃO NA BÍBLIA: NO ANTIGO TESTAMENTO
  63. 63. O Antigo Testamento não conhece o conceito de “Missão” no sentido técnico da palavra, como é entendido hoje, isto é “dirigir-se aos que ainda não conhecem a Cristo com a intenção de comunicar-lhes a fé num Deus Pai que nos ama.” No entanto, é possível olhar o AT e entender o conceito de missão por meio da palavra-chave ALIANÇA.
  64. 64. Deus faz uma ALIANÇA – PACTO com o povo hebreu, escolhendo pessoas e elegendo um povo, do qual mais tarde virá o Messias. Será Cristo que abrirá, definitivamente, as portas desse povo para todos outros povos.
  65. 65. Primeira ALIANÇA – NOÉ: sinal deste pacto é o arco-íris Texto bíblico: “Deus abençoou Noé e seus filhos, dizendo: “Sejam fecundos, multipliquem-se e encham a terra (...). Eu estabeleço a minha ALIANÇA com vocês e com seus descendentes (...). Colocarei o meu arco-íris nas nuvens, e ele se tornará um sinal da minha aliança com a terra (...). Este é o sinal da aliança que estabeleço com tudo o que vive sobre a terra.” (Gênesis 9, 1.9.13.16-17)
  66. 66. ALIANÇA COM ABRÃO: Por meio de Abrão, há mais de quatro mil anos, Deus fez uma aliança com o povo judeu, uma aliança que perpetuará. Nessa aliança há: UM CHAMADO: “Deus disse a Abrão: Saia de sua terra, do meio de seus parentes e da casa de seu pai e vá para a terra que eu lhe mostrar.” (Gn 12, 1)
  67. 67. UMA PROMESSA: “ Eu farei de você um grande povo, e o abençoarei; tornarei famoso o seu nome, de modo que se torne uma bênção...” (Gn 12,2) “Em você todas as famílias da terra serão abençoadas” (Gn 12, 3b). UMA OBEDIÊNCIA: “Abrão partiu conforme lhe dissera o Senhor Javé.” (Gn 12,4)
  68. 68. Na concepção de missão, podemos considerar Abrão como o primeiro grande missionário da Bíblia, modelo de toda a ação missionária da Igreja e de toda e qualquer vocação.
  69. 69. UMA CONTINUIDADE: Quando Abrãao morreu, o projeto de Deus continuou por meio de seus descendentes (Isaac, Jacó...) e operou até mesmo durante o cativeiro no Egito. Ali, Deus escolheu um outro “missionário”, MOISÉS, para livrar o povo da escravidão e sobre o Monte Sinai renova com ele a ALIANÇA iniciada com Abrão. Então Deus dá a Moisés a TORAH (LEI), conhecida hoje como os dez mandamentos .
  70. 70. Nas páginas do AT não se encontra uma verdadeira atividade missionária por parte de Israel. Ele se considerava o povo eleito, único, escolhido por Deus. Os outros povos eram “estrangeiros”, pagãos e portanto inimigos, a serem combatidos ou conquistados. Existe no AT, como uma tensão entre Particularismo e Universalismo.
  71. 71. PARTICULARISMO: Israel tem consciência de ser o povo eleito: “Você é um povo consagrado a Javé seu Deus: foi a você que Deus escolheu para que pertença a Ele como povo próprio, entre todos os povos da terra.” (Dt 7, 6)
  72. 72. “Se Javé se afeiçoou a vocês e os escolheu, não é porque vocês são os mais numerosos entre todos os povos; pelo contrário, vocês são o menor de todos os povos! Foi por amor a vocês e para manter a promessa que ele jurou aos antepassados de vocês.” (Dt 7, 7-8b) Essa eleição e separação dos outros povos é marcada com um sinal na carne: a circuncisão (Cf. Gn 17,11).
  73. 73. Porém, Israel tem também a consciência de ter sido escolhido em favor dos outros povos. Qual é a sua maior tentação? A de fechar-se em si mesmo, no particularismo. Dois exemplos: Jonas e o livro do Eclesiástico. Jonas se aborrece com Deus porque Ele é benevolente e misericordioso para com os ninivitas.
  74. 74. “ Há duas coisas que eu detesto, e uma terceira que nem sequer é nação: os habitantes da montanha de Seir, os filisteus e o povo insensato que habita em Siquém (os samaritanos)” (Eclesiástico 50, 27-28).
  75. 75. Mas não obstante essa tentação o AT, afirma que Deus salva este povo para que, através dele a salvação possa chegar a TODOS os povos. UNIVERSALISMO: Depois de ter atravessado o rio Jordão rumo à terra prometida: “ Isso aconteceu para que todos os povos da terra saibam como é forte a mão de Javé, a fim de que vocês temam sempre a Javé seu Deus.” (Josué 4, 24)
  76. 76. “Todas as nações da terra se converterão e temerão a Deus com sinceridade. Eles todos abandonarão os ídolos, que os enganaram com mentiras e bendirão, como é justo, o Deus dos séculos.” (Cf Tobias 14,6-8)
  77. 77. Também os SALMOS contêm uma dimensão universal: por exemplo o Salmo 67,4: “Que todos os povos te celebrem, ó Deus, que todos os povos te celebrem”. E ainda o salmo 117: “Louvem a Deus, nações todas, e o glorifiquem todos os povos! Pois o seu amor por nós é firme, e sua fidelidade é para sempre!”
  78. 78. Mas eis que surgem os PROFETAS para lembrarem ao povo de Israel o compromisso da aliança e que serão eles quem darão a essa aliança um conteúdo mais universal = missionário! Entre os profetas destaca-se ISAÍAS aquele que anuncia a vinda do Messias, o Emanuel, Jesus, Deus conosco.
  79. 79. O Servo do Senhor e sua missão (Is 42,1-9) : “1 Eis meu servo a quem apoio, meu eleito, ao qual quero bem! Pus nele meu espírito; ele levará o direito aos povos.” 2 Não gritará, não levantará a voz e não fará ouvir sua voz pelas ruas. 3 Não quebrará a cana já rachada nem apagará a mecha que está morrendo; com fidelidade levará o direito.
  80. 80. 4 Ele não esmoecerá nem se deixará abater, até estabelecer na terra o direito; as ilhas aguardam sua doutrina. 5 Assim fala Deus, o Senhor que criou o céu e o desdobrou, que consolidou a terra com os seus produtos, que concedeu o hálito aos homens, seus habitantes, o sopro vital aos que nela andam: 6 Eu, o Senhor, te chamei com justiça e tomei-te pela mão; eu te formei e te fiz como aliança do povo, como luz das nações;
  81. 81. 7 a fim de abrires olhos cegos, tirares do cárcere os presos e da masmorra os que moram na escuridão. 8 Eu sou o Senhor , este é meu nome: Não vou dar a minha glória a nenhum outro e tampouco aos ídolos o louvor que me cabe. 9 Vede: os primeiros acontecimentos já se realizaram, e estou a ponto de anunciar outros novos; antes que eles venham à luz, dou-os a conhecer.”
  82. 82. “Voltem-se para mim e vocês serão alvos, ó extremidades todas da terra, pois eu sou Deus e não existe outro.” (Is 45, 22) “Ilhas, escutem; prestem atenção, povos distantes (...). Faço de você uma luz para as nações, para que a minha salvação chegue até os confins da terra. Os reis verão e ficarão de pé, os chefes se ajoelharão, porque Javé é fiel, e o santo de Israel escolheu você.” (Cf Is 49, 1.6)
  83. 83. “ O povo que andava nas trevas viu uma grande luz (...). Porque nasceu para nós um menino, um filho nos foi dado: sobre o seu ombro está o manto real, e ele se chamará ‘Conselheiro maravilhoso’, ‘Deus Forte’, ‘Pai para sempre’, ‘Príncipe da Paz’. Grande será o seu domínio, e a paz não terá fim sobre o trono de Davi e seu reino, firmado e reforçado com o direito e a justiça.” (Is 9,1.5-6).
  84. 84. “A montanha da casa do Senhor se erguerá no cume das montanhas e será mais alta do que as colinas. Nela se reunirão todas as tribos e a ela afluirão muitos povos...Porque de Sião sairá a Lei e de Jerusalém a Palavra do Senhor” (Is 2,2 e Mq 4,1ss)
  85. 85. CONCLUINDO: Embora o judaísmo não tenha sido uma religião missionária, o AT missionário, pois afirma claramente que, por meio do povo hebreu, a salvação era destinada não somente aos filhos de Abrão, mas a todos os homens. É claro que a salvação plena seria realizada na plenitude dos tempos, por meio de Cristo. O AT é uma grande preparação para este EVENTO MISSIONÁRIO que realizará a promessa feita a Abrão: “Em você todas as famílias da terra serão abençoadas.” (Cf. Gn 12, 3)
  86. 86. Caberá à Igreja desempenhar essa missão, a partir justamente do testemunho do AT. A Igreja não pode esquecer que é Deus quem convoca as nações por meio do seu povo. Somente a intervenção divina faz de Israel “luz das nações”. A Igreja é o novo Israel e por isso mesmo a sua natureza é e sempre será MISSIONÁRIA.
  87. 87. A MISSÃO NO AT EXPRESSA GRAFICAMENTE MISSÃO CENTRÍPETA As nações eram convidadas a irem para o povo de Israel, porque no meio dele nasceria o futuro Messias, o Salvador de todos os povos.
  88. 88. A MISSÃO NO AT EXPRESSA GRAFICAMENTE MISSÃO CENTRÍFUGA Jesus convida o novo povo de Deus a sair de si mesmo para anunciar a todos os povos a Boa-Nova; Evangelização AD Gentes.
  89. 89. A MISSÃO NO NOVO TESTAMENTO OS SINÓTICOS Para Mateus a missão é ENSINAR = fazer discípulos e é caracterizada pelo GRANDE ENVIO que encerra o Evangelho e tem como símbolo A MONTANHA. Para Marcos a missão é ITINERANTE e o símbolo é a ESTRADA . E para Lucas como é a MISSÃO? 89
  90. 90. 1- A teologia da missão em Lucas Quem é Lucas? É filho de pagãos, médico de profissão, não foi discípulo direto de Jesus e faz parte da 2ª geração: é discípulo de Paulo. Escreve o Evangelho pelo ano 80 e se dirige em maneira especial aos cristãos de origem pagã e grega. Para Lucas a missão é TESTEMUNHAR e o seu símbolo é a COMUNIDADE. 90
  91. 91. Frase forte: “... descerá sobre vós o Espírito Santo e vos dará força; e sereis minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judéia e Samaria e até os confins do mundo.” (At 1,8) A obra de Lucas é em dois volumes e é a apresentação mais clara da missão universal da Igreja de todo o NT -Evangelho -Atos dos Apóstolos 91
  92. 92. Lucas liga a narrativa da comunidade primitiva (Atos) à narrativa da vida de Jesus (Evangelho) justamente para mostrar a relação entre: * A MISSÃO DE JESUS e * A MISSÃO DA IGREJA. Os temas mais importantes na teologia da missão de Lucas são: * o Espírito como força impulsionadora para a missão * o perdão * a oração * o amor e misericórdia * a justiça 92
  93. 93. Quando teve origem a missão segundo os sinóticos? A missão teve sua origem na manhã do domingo de Páscoa, quando Maria Madalena e a outra Maria foram ao túmulo e o encontraram vazio. Logo após o anúncio da Ressurreição, vem a missão: “Ide já contar aos discípulos que ele ressurgiu dos mortos, conforme havia dito” (Mt 28, 7). E elas foram apressadas fazer o anúncio aos discípulos que, segundo Marcos, estavam “aflitos e choravam” (Cf. Mc 16, 10). Em Pentecostes, iniciou-se a missão a todos os povos da terra. Essa missão continua até os nossos dias. Mas, apesar de vinte séculos, ela ainda está no início. O anúncio de Jesus Cristo e de sua Palavra ainda não chegou a todos os povos, a todas as culturas, a todos os espaços sociais. 93
  94. 94. 1.1- A missão como encargo final A última parte do Evangelho de Lucas relata: túmulo vazio (Lc 24,1-12). 1a descoberta do “No primeiro dia da semana, muito cedo, dirigiram-se ao sepulcro com os aromas que haviam preparado. Acharam a pedra removida longe da abertura do sepulcro. Entraram, mas não encontraram o corpo do Senhor Jesus. Não sabiam elas o que pensar, quando apareceram em frente delas dois personagens com vestes resplandecentes. Como estivessem amedrontadas e voltassem o rosto para o chão, disseram-lhes eles: Por que buscais entre os mortos aquele que está vivo? Não está aqui, mas ressuscitou. 94
  95. 95. Lembrai-vos de como ele vos disse, quando ainda estava na Galiléia: O Filho do Homem deve ser entregue nas mãos dos pecadores e crucificado, mas ressuscitará ao terceiro dia. Então elas se lembraram das palavras de Jesus. Voltando do sepulcro, contaram tudo isso aos Onze e a todos os demais. Eram elas Maria Madalena, Joana e Maria, mãe de Tiago; as outras suas amigas relataram aos apóstolos a mesma coisa. Mas essas notícias pareciam-lhes como um delírio, e não lhes deram crédito. Contudo, Pedro correu ao sepulcro; inclinando-se para olhar, viu só os panos de linho na terra. Depois, retirou-se para a sua casa, admirado do que acontecera.” 95
  96. 96. 1. 2 - Aparição aos discípulos de Emaús (Lc 24,13-35) “Nesse mesmo dia, dois discípulos caminhavam para uma aldeia chamada Emaús, distante de Jerusalém sessenta estádios. Iam falando um com o outro de tudo o que se tinha passado. Enquanto iam conversando e discorrendo entre si, o mesmo Jesus aproximou-se deles e caminhava com eles. Mas os olhos estavam-lhes como que vendados e não o reconheceram. Perguntou-lhes, então: De que estais falando pelo caminho, e por que estais tristes? 96
  97. 97. Um deles, chamado Cléofas, respondeu-lhe: És tu acaso o único forasteiro em Jerusalém que não sabe o que nela aconteceu estes dias? Perguntou-lhes ele: Que foi? Disseram: A respeito de Jesus de Nazaré... Era um profeta poderoso em obras e palavras, diante de Deus e de todo o povo. Os nossos sumos sacerdotes e os nossos magistrados o entregaram para ser condenado à morte e o crucificaram. Nós esperávamos que fosse ele quem havia de restaurar Israel e agora, além de tudo isto, é hoje o terceiro dia que essas coisas sucederam. 97
  98. 98. É verdade que algumas mulheres dentre nós nos alarmaram. Elas foram ao sepulcro, antes do nascer do sol; e não tendo achado o seu corpo, voltaram, dizendo que tiveram uma visão de anjos, os quais asseguravam que está vivo. Alguns dos nossos foram ao sepulcro e acharam assim como as mulheres tinham dito, mas a ele mesmo não viram. Jesus lhes disse: Ó gente sem inteligência! Como sois tardos de coração para crerdes em tudo o que anunciaram os profetas! 98
  99. 99. Porventura não era necessário que Cristo sofresse essas coisas e assim entrasse na sua glória? E começando por Moisés, percorrendo todos os profetas, explicava-lhes o que dele se achava dito em todas as Escrituras. Aproximaram-se da aldeia para onde iam e ele fez como se quisesse passar adiante. Mas eles forçaram-no a parar: Fica conosco, já é tarde e já declina o dia. Entrou então com eles. 99
  100. 100. Aconteceu que, estando sentado conjuntamente à mesa, ele tomou o pão, abençoou-o, partiu-o e serviu-lhes. Então se lhes abriram os olhos e o reconheceram... mas ele desapareceu. Diziam então um para o outro: Não se nos abrasava o coração, quando ele nos falava pelo caminho e nos explicava as Escrituras? Levantaram-se na mesma hora e voltaram a Jerusalém. Aí acharam reunidos os Onze e os que com eles estavam. Todos diziam: O Senhor ressuscitou verdadeiramente e apareceu a Simão. Eles, por sua parte, contaram o que lhes havia acontecido no caminho e como o tinham reconhecido ao partir do pão.” 100
  101. 101. 1.3- A aparição à comunidade reunida em Jerusalém (Lc 24,36-49) "Enquanto ainda falavam dessas coisas, Jesus apresentou-se no meio deles e disse-lhes: A paz esteja convosco! Perturbados e espantados, pensaram estar vendo um espírito. Mas ele lhes disse: Por que estais perturbados, e por que essas dúvidas nos vossos corações? Vede minhas mãos e meus pés, sou eu mesmo; apalpai e vede: um espírito não tem carne nem ossos, como vedes que tenho. E, dizendo isso, mostrou-lhes as mãos e os pés. Mas, vacilando eles ainda e estando transportados de alegria, perguntou: Tendes aqui alguma coisa para comer? 101
  102. 102. Então ofereceram-lhe um pedaço de peixe assado. Ele tomou e comeu à vista deles. Depois lhes disse: Isto é o que vos dizia quando ainda estava convosco: era necessário que se cumprisse tudo o que de mim está escrito na Lei de Moisés, nos profetas e nos Salmos. 102
  103. 103. Abriu-lhes então o espírito, para que compreendessem as Escrituras, dizendo: Assim é que está escrito, e assim era necessário que Cristo padecesse, mas que ressurgisse dos mortos ao terceiro dia. E que em seu nome se pregasse a penitência e a remissão dos pecados a todas as nações, começando por Jerusalém. Vós sois as testemunhas de tudo isso. Eu vos mandarei o Prometido de meu pai; entretanto, permanecei na cidade até que sejais revestidos da força do alto. 103
  104. 104. Depois os levou para Betânia e, levantando as mãos, os abençoou. Enquanto os abençoava, separou-se deles e foi arrebatado ao céu. Depois de o terem adorado, voltaram para Jerusalém com grande júbilo. E permaneciam no templo, louvando e bendizendo a Deus.” 104
  105. 105. É interessante notar como Lucas coloca o chamado para a missão universal no contexto da aparição da Ressurreição, mostrando assim que esse é o evento culminante da história de Jesus. A missão é “testemunhar” o Cristo ressuscitado = vivo, operante. Outro elemento é que a missão começa por Jerusalém e se estenderá a todas as nações (Cf. Lc 24,47). 105
  106. 106. JERUSALÉM 106
  107. 107. Para Lucas, a capital Jerusalém assume um valor simbólico. Jesus cumpre a promessa do AT e leva a termo a sua obra messiânica em Jerusalém e é de Jerusalém que brota a comunidade cristã (a Eclésia) e a sua missão. Jesus fundamenta esse universalismo na vontade de Deus (Cf Atos 10). Nessa missão, Jesus designa os apóstolos como “testemunhas disso” (Cf. Lc 24,48). Os apóstolos constituem o elo entre Jesus e a comunidade nascente. Outra característica de Lucas é a presença do Espírito como a fonte que sustentará e dirigirá a Igreja. Para Lucas, a missão da Igreja está fortemente associada à obra do Espírito. 107
  108. 108. 2. – Jesus e a missão universal em Lucas Desde o início do Evangelho, Lucas assinala claramente: a- O alcance universal de Jesus: Em Lucas 2, 25-32 o cântico de Simeão: “Ora, havia em Jerusalém um homem chamado Simeão. Este homem, justo e piedoso, esperava a consolação de Israel, e o Espírito Santo estava nele. Fora-lhe revelado pelo Espírito Santo que não morreria sem primeiro ver o Cristo do Senhor. Impelido pelo Espírito Santo, foi ao templo. 108
  109. 109. E tendo os pais apresentado o menino Jesus, para cumprirem a respeito dele os preceitos da lei, tomou-o em seus braços e louvou a Deus nestes termos: Agora, Senhor, deixai o vosso servo ir em paz, segundo a vossa palavra. Porque os meus olhos viram a vossa salvação que preparastes diante de todos os povos, como luz para iluminar as nações, e para a glória de vosso povo de Israel.” 109
  110. 110. Não será porém Jesus que levará essa luz até os confins da terra, mas a comunidade por Ele fundada, a Igreja missionária. Embora Jesus, o profeta, exerça o seu ministério dentro de Israel, Ele é fiel ao programa pastoral anunciado em Nazaré e a sua ação missionária é sempre aberta aos “estranhos”, como o centurião gentio e os samaritanos. Os samaritanos, tidos como povo inferior pelo Eclo 50, 25, com Jesus tornam-se até exemplo de virtude (parábola do bom samaritano em Lc 10,30-37, o leproso que volta a agradecer em Lc 17,11-19). 110
  111. 111. Jesus se dirige também aos leprosos e estende a sua mão para eles (um gesto considerado “impuro”): “Estando ele numa cidade, apareceu um homem cheio de lepra. Vendo Jesus, lançou-se com o rosto por terra e lhe suplicou: Senhor, se queres, podes limpar-me. Jesus estendeu a mão, tocou-o e disse: Eu quero; sê purificado! No mesmo instante desapareceu dele a lepra” (Lc 5,12-15). Também sua solicitude pelos pobres é um tema constante em sua pregação (veja a parábola do rico “Epulão” e o pobre Lázaro em Lc 16, 19-31). Pode-se afirmar que Lucas vê a relação entre essa dimensão universal de Jesus e os esforços que a Igreja de ontem e de sempre deve fazer para ultrapassar as próprias fronteiras. (Mais uma vez Atos dos Apóstolos 10 sobre Pedro e Cornélio) 111
  112. 112. b- Missão e salvação A palavra salvação aparece 6 vezes no Evangelho de Lucas. Salvação também como libertação (“libertação aos cativos...” - Cf. Lc 4, 18) de todos os males, salvação que exige uma conversão como resposta do homem ao convite de Deus (não é algo automático e mágico). c- Formação da comunidade A finalidade da missão de Jesus é restaurar Israel, moldar o povo de Deus = formar a nova comunidade o novo Israel. Lucas mostra que o plano de Deus consiste em incorporar “toda a carne” dentro do povo de Deus; nenhuma fronteira pode ser erguida para excluir os que temem a Deus e praticam a justiça ( ainda Cf. At 10). 112
  113. 113. Portanto, um dos papeis centrais da missão em Lucas é a constituição de comunidade entre povos diferentes unidos na fé e no amor. Jesus dá o exemplo: jantando com os pecadores é julgado de ser um comilão e glutão (Cf. Lc 7,34), se deixa tocar por uma mulher de rua (Cf. Lc 7, 36), escolhe Zaqueu e vai à casa dele (Cf. Lc 19, 1ss), etc. 113
  114. 114. 3. O poder do Espírito O Evangelho termina com um convite para esperar a “força que vem do alto” (Lc 24, 29), uma bela definição do Espírito. Desde o começo do Evangelho, fala-se do Espírito (Anunciação como primeiro Pentecostes, visitação como segundo Pentecostes), mas é, sobretudo, em Atos dos Apóstolos que Lucas mostra como o poder do Espírito impulsiona a comunidade para o mundo “gentílico” e guia para novas estratégias pastorais (42 vezes em Atos e 13 no Evangelho) 114
  115. 115. Atos dos Apóstolos: A missão universal da comunidade O programa da missão exposto em Lc 24, 44-49, como abordado anteriormente, é executado pelos apóstolos e pela comunidade do livro dos Atos. Todo esse livro (estrutura e conteúdo) é marcado pelo problema da missão universal (é proibido ser chamado de cristão sem ter lido esse livro). O poder do Espírito inaugurará uma missão que se estenderá desde Jerusalém por toda a Judeia e Samaria, até os confins da terra. O início de Atos, na realidade, é a continuação do Evangelho de Lucas. 115
  116. 116. 1 – Estrutura do livro de Atos A própria estrutura do livro está em uma perspectiva missionária contida no próprio envio: “Jerusalém-Samariaextremidade da terra” (Lc 1,8). O ponto central do livro é o capítulo 10: a conversão do pagão Cornélio e a compreensão de que eles também são chamados a fazer parte da nova comunidade. Duas figuras importantes: Pedro e Tiago – são agentes da missão em Jerusalém-Judeia-Samaria. Paulo: instrumento escolhido para levar a salvação até as “extremidades da terra”. (At 9,15) 116
  117. 117. Segunda etapa: A perseguição desencadeada contra os cristãos e a morte de Estevão (capítulos 6-8 de Atos) é a ocasião concreta para fazer sair de Jerusalém a Palavra e espalhá-la na Judeia e na Samaria: “E Saulo havia aprovado a morte de Estêvão. Naquele dia, rompeu uma grande perseguição contra a comunidade de Jerusalém. Todos se dispersaram pelas regiões da Judéia e da Samaria, com exceção dos apóstolos.” (At 8,1). Como aconteceu com Jesus, repete-se a mesma lógica: por meio da morte (perseguição) chega a vida: 117
  118. 118. “Os que se haviam dispersado iam por toda parte, anunciando a Palavra (de Deus). Assim Filipe desceu à cidade de Samaria, pregando-lhes Cristo. A multidão estava atenta ao que Filipe lhe dizia, escutando-o unanimemente e presenciando os prodígios que fazia. Pois os espíritos imundos de muitos possessos saíam, levantando grandes brados. Igualmente foram curados muitos paralíticos e coxos. Por esse motivo, naquela cidade reinava grande alegria.” (At 8, 4-8) 118
  119. 119. Terceira etapa: Paulo é o instrumento que leva a Palavra da salvação até as extremidades da terra. É tema predominante da segunda metade do livro de Atos. Paulo, a partir do cap. 13, 44-52, após ter sido rejeitado nas sinagogas, passa corajosamente para a missão na Ásia, na Grécia e finalmente em Roma, cumprindo com isso a promessa da salvação universal de Deus. 2- Mensagem de missão em Atos: Os Atos nos apresentam: * uma Igreja que nasce pela força do Cristo Ressuscitado, Vivo e animada pelo Espírito Santo; * uma Igreja que está totalmente animada pelo espírito missionário. 119
  120. 120. A missão universal da Igreja é a fundamental preocupação em Lucas. Ele mostra também que essa missão tem um custo: os missionários como Pedro e Paulo sofrem perseguição, encarceramento, privações e rejeições, como também Jesus sofreu. A palavra grega MARTIR é traduzida como TESTEMUNHA. É por isso que a missão em Lucas é TESTEMUNHO e o seu símbolo é a COMUNIDADE. 120
  121. 121. 4- Teologia da Missão em João Quem era João? Filho de Zebedeu, era pescador do Mar da Galiléia por onde Jesus passou e o chamou para ser apóstolo com seu irmão Tiago. “Uns poucos passos mais adiante, viu Tiago, filho de Zebedeu, e João, seu irmão, que estavam numa barca, consertando as redes. E chamou-os logo. Eles deixaram na barca seu pai Zebedeu com os empregados e o seguiram”. (Mc 1,19). João mesmo diz que escreve “o que viu e ouviu, o que contemplou com os olhos e tocou com as próprias mãos” (1 Jo 1,1). É verdadeiro teólogo, não um simples cronista. Ele quer mostrar a Divindade do Mestre, e escreve não aos pagãos, mas aos cristãos. Redigiu o Evangelho no finzinho do século. 121
  122. 122. 4.1- Envio final: “Disse-lhes outra vez: A paz esteja convosco! Como o Pai me enviou, assim também eu vos envio a vós. Depois dessas palavras, soprou sobre eles dizendo-lhes: Recebei o Espírito Santo.” (Jo20,21). Para João a missão é TRANSFORMANTE e o seu símbolo é a MESA. Jesus é a Palavra feita carne (veja o prólogo), enviado pelo Pai com a missão de redimir o mundo. A missão de Jesus é tornar conhecido o nome de Deus: Jo 17,3 “Ora, a vida eterna consiste em que conheçam a ti, um só Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo que enviaste”. O alvo da missão de Jesus é declarado pelo texto de Jo 3,17: “Pois Deus não enviou o Filho ao mundo para condená-lo, mas para que o mundo seja salvo por ele”. 122
  123. 123. O envio final : “Como o Pai me enviou, assim também eu vos envio a vós...” quer dizer que os discípulos participam da mesma missão de Jesus. Para João a missão de Jesus, a missão do Espírito e a missão dos discípulos estão estritamente ligadas entre si, para não dizer que é a mesma missão. Tem 4 tipos de envio em João: 1. João Batista é enviado por Deus a fim de testemunhar a respeito de Jesus (1,6-8;3,28) 123
  124. 124. “Houve um homem, enviado por Deus, que se chamava João. Esse veio como testemunha, para dar testemunho da luz, a fim de que todos cressem por meio dele. Não era ele a luz, mas veio para dar testemunho da luz”. *João replicou: Ninguém pode atribuir-se a si mesmo senão o que lhe foi dado do céu. Vós mesmos me sois testemunhas de que disse: Eu não sou o Cristo, mas fui enviado diante dele . 124
  125. 125. MATEUS Era do grupo dos 12 Estes três evangelhos são chamados de sinóticos LUCAS Não era do grupo dos 12 MARCOS Não era do grupo dos 12 JOÃO Era do grupo dos 12 125
  126. 126. 2. Jesus mesmo é enviado pelo Pai, a fim de testemunhar a respeito do Pai e realizar a sua obra. 3. O Espírito (Paraclíto) é enviado tanto pelo Pai como também pelo Filho para dar testemunho de Jesus. 4. Os discípulos são enviados por Jesus para fazerem como Ele fez. Só o Pai não é enviado, pois Ele é a origem da missão. Em João, o ponto final da missiologia ao qual tudo converge é o PAI . 126
  127. 127. 5 – Teologia da missão em Paulo Quem era Saulo de Tarso chamado de Paulo? Nasceu em Tarso, na Cilícia (atual Turquia) poucos anos após o nascimento de Jesus. Ele aparece na Bíblia em ocasião do martírio de Estêvão ± ano 35 (At 6-7), era um perseguidor da Igreja (At 7,58) e se converte a caminho de Damasco (AT 9; Gl 1,11-14). Fica alguns anos em Damasco, sob a direção de Ananias e na Arábia (Gl1,15-17). ± ano 36: Paulo volta à sua pátria, Tarso e junto com Barnabé conhece a Igreja de Jerusalém e Antioquia (At 11,25ss). 48/49 “Concílio dos Apóstolos em Jerusalém”(At 15). Os não-judeus são aceitos na comunidade cristã. 127
  128. 128. PRIMEIRA VIAGEM MISSIONÁRIA: Chipre, Ásia menor, Turquia (Cf. At 13-14) 128
  129. 129. 50/52 SEGUNDA VIAGEM MISSIONÁRIA.(Cf. At 15-18) Paulo vai à Galácia (Turquia do Norte) e à Macedônia e à Acáia. Funda as Igrejas da Galácia, Filipos, Tessalônica, Corinto. Durante esta viagem Paulo escreve as primeiras cartas. 129
  130. 130. 53/58: TERCEIRA VIAGEM MISSIONÁRIA. (Cf. At 18-21) Paulo permanece muito tempo em Éfeso onde é também preso. Visita as Igrejas da Grécia e volta a Jerusalém. Paulo escreve as cartas aos Corintios, aos Gálatas e aos Romanos. 130
  131. 131. 61/63: VIAGEM DO CATIVEIRO Paulo é transferido para Roma, onde fica em prisão domiciliar (Cf. At 27-28). Então ele escreve as cartas do cativeiro: Colossenses, Filemon, Efésios e Filipenses. 64/67: Martírio de Paulo em Roma, durante a perseguição de Nero. 131
  132. 132. 132
  133. 133. A palavra na ordem de São Paulo: “Anunciar o Evangelho não é glória para mim; é uma obrigação que se me impõe. Ai de mim se eu não anunciar o Evangelho!” (1 Cor 9, 16) O seu maior testemunho: “São hebreus? Também eu. São israelitas? Também eu. São ministros de Cristo? Falo como menos sábio: eu, ainda mais. Muito mais pelos trabalhos, muitos mais pelos cárceres, pelos açoites sem medida. Muitas vezes vi a morte de perto. Cinco vezes recebi dos judeus os quarenta açoites menos um. Três vezes fui flagelado com varas. Uma vez apedrejado. Três vezes naufraguei, uma noite e um dia passei no abismo. 133
  134. 134. Viagens sem conta, exposto a perigos nos rios, perigos de salteadores, perigos da parte de meus concidadãos, perigos da parte dos pagãos, perigos na cidade, perigos no deserto, perigos no mar perigos entre falsos irmãos! Trabalhos e fadigas, repetidas vigílias, com fome e sede, frequentes jejuns, frio e nudez! Além de outras coisas, a minha preocupação cotidiana, a solicitude por todas as igrejas! Quem é fraco, que eu não seja fraco? Quem sofre escândalo, que eu não me consuma de dor? Se for preciso que a gente se glorie, eu me gloriarei na minha fraqueza. Deus, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que é bendito pelos séculos, sabe que não minto.” (2 Cor, 22-31) 134
  135. 135. 5.1 – Paulo, o missionário “ad gentes” O aparecimento de Paulo na história do cristianismo faz com que a missão fique definitivamente universal - “ad gentes” e “ad extra” até os extremos confins da terra. A teologia missionária de Paulo está presente nas suas cartas e é fruto da sua prática missionária. Não é uma teologia feita “na mesa” ou uma teologia de “escritório”, mas é a prática missionária que provoca a reflexão teológica, a partir da experiência pessoal de Deus, em Jesus de Nazaré, que Paulo faz na estrada de Damasco. A experiência e teologia de Paulo é paradigmática para todos os missionários de todos os tempos e culturas. Lendo as cartas paulinas ele se apresenta sempre como “apóstolo” dos povos e como “embaixador de Cristo”. 135
  136. 136. “Paulo, apóstolo de Jesus Cristo pela vontade de Deus, e o irmão Timóteo, à igreja de Deus que está em Corinto, e a todos os irmãos santos que estão em toda a Acaia.” (2 Cor 1, 1) “Portanto, desempenhamos o encargo de embaixadores em nome de Cristo, e é Deus mesmo que exorta por nosso intermédio.” (2 Cor 5, 20) De maneira especial ele se considera apóstolo aos gentios: “temos recebido a graça e o apostolado, a fim de levar, em seu nome, todas as nações pagãs à obediência da fé.” (Rm 1, 5) 136
  137. 137. “Pois não há distinção entre judeu e grego, porque todos têm um mesmo Senhor, rico para com todos os que o invocam, porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo¹. Porém, como invocarão aquele em quem não têm fé? E como crerão naquele de quem não ouviram falar? E como ouvirão falar, se não houver quem pregue? E como pregarão, se não forem enviados, como está escrito: Quão formosos são os pés daqueles que anunciam as boas novas²?” (Rm 10, 14) ¹ Cf. Jl 3,5 ² Is 52,7 137
  138. 138. 5.2.- O conteúdo das pregações de Paulo É o Deus que oferece a Salvação a todos mediante a morte e ressurreição do seu Filho Jesus, o Cristo: “Na verdade, julgo como perda todas as coisas, em comparação com esse bem supremo: o conhecimento de Jesus Cristo, meu Senhor. Por ele tudo desprezei e tenho em conta de esterco, a fim de ganhar Cristo e estar com ele.” (Fl 3, 8-9) 138
  139. 139. “Porque para mim o viver é Cristo e o morrer é lucro” (Fl 1, 21) É a fé em Jesus Cristo que me justifica (=salva) e não as obras da lei (como a circuncisão): mas a fé é fruto da um encontro e uma fé pessoais ao chamado de Cristo: isso é missão para Paulo. 139
  140. 140. “Mas, agora, sem o concurso da lei, manifestou-se a justiça de Deus, atestada pela lei e pelos profetas. Esta é a justiça de Deus pela fé em Jesus Cristo, para todos os fieis (pois não há distinção; com efeito, todos pecaram e todos estão provados da glória de Deus), e são justificados gratuitamente por sua graça; tal é a obra da redenção, realizada em Jesus Cristo.” (Rm 3, 21-24) 140
  141. 141. “...sabemos, contudo, que ninguém se justifica pela prática da lei, mas somente pela fé em Jesus Cristo. Também nós cremos em Jesus Cristo, e tiramos assim a nossa justificação da fé em Cristo, e não pela prática da lei. Pois, pela prática da lei, nenhum homem será justificado.” (Gal 2, 15-16) 141
  142. 142. Conclusão A atividade missionária de Paulo é a explicitação do mandato missionário de Mateus e Marcos: um mandato vindo de Cristo ressuscitado e destinado a todos os povos. Paulo é uma pessoa convencida e ardorosa no desempenho da sua missão: “Anunciar o Evangelho não é glória para mim; é uma obrigação que se me impõe. Ai de mim, se eu não anunciar o Evangelho!” (1 Cor 9,16). Paulo cumpriu o mandato missionário de Cristo. O fundamento da sua missão era a sua fé pessoal em Jesus como Salvador do mundo que ele experimentou em sua própria conversão e que foi confirmada pela tradição cristã dos primeiros tempos. 142
  143. 143. 6 – TEOLOGIA DA MISSÃO NO RESTANTE DOS LIVROS DO NT 6.1 Pedro: o testemunho da esperança (as duas cartas de Pedro) A primeira carta apresenta a teologia do Batismo e a esperança como testemunho cristão. Os destinatários são cristãos batizados recentemente como fala em 1Pd 3,21 : “Esta água prefigurava o batismo de agora, que vos salva também a vós, não pela purificação das impurezas do corpo, mas pela que consiste em pedir a Deus uma consciência boa, pela ressurreição de Jesus Cristo”. 143
  144. 144. É na pregação missionária da Igreja e nas águas do batismo que o cristão vai encontrar este momento de graça, a força de sua esperança e do seu testemunho missionário (batismo come fonte do chamado a ser missionário, tema hoje muito atual). A carta foi escrita “aos que vivem dispersos como estrangeiros” por todas as regiões da Ásia menor. São portanto migrantes que vivem fora da pátria (missionários). 144
  145. 145. “Pedro, apóstolo de Jesus Cristo, aos eleitos que são estrangeiros e estão espalhados no Ponto, Galácia, Capadócia, Ásia e Bitínia.” (1Pd 1, 1ss) Eram cristãos longe de sua pátria, que sofrem humilhações, injúrias, perseguições por serem estrangeiros e cristãos. A carta foi escrita em “Babilônia”, que provavelmente designa a cidade de Roma e a data provável é o período imediatamente anterior a perseguição de Nero no ano 64. As cartas de São Pedro, de Tiago, de Judas e as 3 de João são chamadas de epístolas católicas (são 7) porque justamente são universais, isto é, não são dirigidas só a uma comunidade (como as de Paulo) mas em geral a todas as comunidades. 145
  146. 146. A segunda carta de Pedro é uma exortação à fidelidade de Cristo e ao amor de Deus, lembrando a vinda do Dia do Senhor. Foi escrita por volta do ano 80. Também tem uma clara advertência para rejeitar as falsas doutrinas pregadas por falsos profetas de vida corrupta. (Cf. 2Pd 2,1ss) 146
  147. 147. “Assim como houve entre o povo falsos profetas, assim também haverá entre vós falsos doutores que introduzirão disfarçadamente seitas perniciosas. Eles, renegando assim o Senhor que os resgatou, atrairão sobre si uma ruína repentina. Muitos os seguirão nas suas desordens e serão deste modo a causa de o caminho da verdade ser caluniado. Movidos por cobiça, eles vos hão de explorar por palavras cheias de astúcia. Há muito tempo a condenação os ameaça, e a sua ruína não dorme.” (2 Pd 2, 1-3) 147
  148. 148. Estamos no tempo em que a Igreja está passando da época primitiva para a chamada época pós-apostólica. O tempo de Jesus histórico começava a ficar longe e a Parusia demorava. Perigo: esfriamento da fé e influências negativas. A carta quer responder a essa situação, ensinando a firmeza na doutrina recebida, a paciência e a perseverança. São temas missionários sempre atuais! 148
  149. 149. 6.2 O livro do Apocalipse: Testemunho profético Apocalipse é uma palavra grega, cujo significado é “REVELAÇÃO”. “Revelação de Jesus Cristo, que lhe foi confiada por Deus para manifestar aos seus servos o que deve acontecer em breve. Ele, por sua vez, por intermédio de seu anjo, comunicou ao seu servo João” (Ap 1, 1). Trata-se portanto de um livro profético. Nele Deus revela os seus mistérios sobre a vida e sobre a salvação. 149
  150. 150. O autor escreve tal mensagem de forma disfarçada, em símbolos e figuras, por causa do clima de perseguição. Essa mensagem é dirigida a TODOS os cristãos que vivem dentro do longo período que vai da Ascensão do Senhor até o seu retorno no fim do mundo. É um livro missionário, pois a Salvação é proclamada para todos: “Vi, então, outro anjo que voava pelo meio do céu, tendo um evangelho eterno para anunciar aos habitantes da terra e a toda nação, tribo, língua e povo.” (Ap 14, 6) 150
  151. 151. 6.3- As cartas pastorais: Primeira e segunda Timóteo e Tito Estas cartas são chamadas pastorais porque são dirigidas a bispos, aos quais São Paulo dá normas pastorais. Timóteo é discípulo de Paulo e seu companheiro de viagem. Como a preocupação maior é o bom andamento interno da Igreja, parece que fica limitado o impulso de missão “ad extra”. Mesmo assim desde o começo é proclamado expressamente o alcance universal da missão: 1Tm 3,16 “Sim, é tão sublime - unanimemente o proclamamos - o mistério da bondade divina: manifestado na carne, justificado no Espírito, visto pelos anjos, anunciado aos povos, acreditado no mundo, exaltado na glória!” Também em várias passagens, Paulo repete que ele foi designado como pregador e apóstolo para uma missão universal (veja a introdução de 1 e 2Tm e Tito 1,1). 151
  152. 152. Conclusão A concentração nessas cartas sobre problemas internos, tais como de ordem, de doutrina e de conflitos éticos, faz com que a perspectiva da missão diminua à medida que a Igreja se tornava institucionalizada. Muitos desses escritores, contemporâneos do Evangelho ou mesmo de Paulo, manifestam um esforço missionário não somente verbal. É o caso da 1 Pd e Ap que falam de missão como testemunho heroico. Os escritos do NT representam os múltiplos modos pelos quais os membros da comunidade cristã ponderavam sobre a experiência de missão deles e sobre a sua relação com a pessoa de Jesus e a história de 152 Israel.
  153. 153. A MISSIOGRAFIA É MISSÃO + GEOGRAFIA Se baseia sobretudo nas estatística e nos números do Annuarium Statisticum Ecclesiae Veja agora um exemplo de missiografia: 153
  154. 154. ÁFRICA 765 milhões de habitantes 12,2% da população mundial 15% católicos 154
  155. 155. EUROPA 745 milhões habitantes 40%católicos 155
  156. 156. AMÉRICA DO NORTE 272 milhões de habitantes 25% católicos 156
  157. 157. ÁSIA 3 BILHÕES e 700 mil habitantes 2,6% CATÓLICOS 157
  158. 158. OCEANIA 30 milhões de habitantes 26% católicos 158
  159. 159. AMÉRICA LATINA 400 milhões de habitantes 88,25% católicos 159
  160. 160. BRASIL 137.570.000 CATÓLICOS 75% da população 160
  161. 161. Porcentagem dos católicos no mundo 1.098 bilhões Fatia 1 Fatia 2 6.388 bilhões 161
  162. 162. PORCENTAGEM MUNDIAL DOS CATÓLICOS 90 80 ÁFRICA ÁSIA 70 60 OCEANIA 50 40 EUROPA 30 20 10 0 AMERICA DO NORTE AMERICA DO SUL 162
  163. 163. AS 4 NAÇÕES COM MAIS CATÓLICOS 140.000.000 120.000.000 100.000.000 BRASIL 80.000.000 MÉXICO 60.000.000 USA 40.000.000 ITÁLIA 20.000.000 0 163
  164. 164. Comunicação Missionária -SIM- Serviço de Informação Missionária das POMs; -Revista Missões, missionários (as) da Consolata; -Revista Mundo e Missão do PIME; -Jornal Missão Jovem do PIME; -Jornal O Transcendente do PIME PIME – Pontifício Instituto das Missões ao Exterior 164
  165. 165. www.pom.org.br 165
  166. 166. www.pime.org.br 166
  167. 167. www.otranscendente.com.br 167
  168. 168. www.missaojovem.com.br 168
  169. 169. www.missaojovem.com.br 169
  170. 170. www.mundomissao.com.br 170
  171. 171. REVISTA MUNDO E MISSÃO A emoção de um mundo solidário 171
  172. 172. ESTA É UMA REVISTA DO PIME PONTIFÍCIO INSTITUTO DAS MISSÕES AO EXTERIOR 172
  173. 173. - Diretor: Padre Pedro Facci - Local . Rua Joaquim Távora , 686 . CEP 04015-011 - São Paulo . Tel: (11) 5549-7295 www.mundomissao.com.br 173
  174. 174. - Outubro de 1992, com o nome de Missão e Notícia e, em julho de 1993, ganha o nome de Mundo e Missão. 174
  175. 175. Finalidades: -animar missionariamente a Igreja do Brasil; -estimular o ardor missionário; -abrir as comunidades católicas do Brasil às dimensões da Missão universal; 175
  176. 176. -apresentar a missão em sua totalidade, em especial, a “missão ad Gentes” (Missão Além- Fronteiras); -colocar em relevo os testemunhos missionários, de maneira particular de missionários (as) brasileiros e -suscitar vocações missionárias. 176
  177. 177. - Revista no mundo hoje A revista Mundo e Missão está presente em mais de 70 países dos 5 continentes. 177
  178. 178. 178
  179. 179. 179
  180. 180. Carisma: -evangelizar os povos não cristãos; -evangelizar Além-fronteiras; -evangelizar por toda a vida; -evangelizar juntos e -acolher também padres diocesanos que querem partir para as missões (padres associados). 180
  181. 181. PIME no Mundo hoje: - O PIME está presente em 18 países. 181
  182. 182. Conteúdo da revista Mundo e Missão: -Editorial -Cartas e Linha direta -Notícias -Europa, Oceania, África, Ásia, América 182
  183. 183. Cultura: - Zoom - Comunicação e Evangelização -Especial -Entre Jovens - Juventude Missionária 183
  184. 184. -Infância e adolescência missionária -Desafios -Ano da Fé -Sal da terra -Missionárias da Imaculada -Fazenda da Esperança 184
  185. 185. Faça sua assinatura e receba dez exemplares durante o ano! Valor R$ 80,00 Telefone: (11) 5549-7295 Site: www.mundomissao.com.br 185
  186. 186. V Conferência Geral do Episcopado da América Latina e do Caribe 186
  187. 187. O que diz o Documento de Aparecida a respeito das paróquias? O documento diz: “As paróquias sejam centros de irradiação missionária (n.306) e “ A conversão pastoral de nossas comunidades exige que se vá além de uma pastoral de mera conservação para uma pastoral decididamente missionária. (n. 370) 187
  188. 188. 188
  189. 189. www.mundomissao.com.br 189

×