Your SlideShare is downloading. ×
O Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares: Metodologias de operacionalização (parte1)
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

O Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares: Metodologias de operacionalização (parte1)

253
views

Published on

Published in: Education

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
253
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. O Modelo de Auto-avaliação das Bibliotecas Escolares: Metodologias de operacionalização (parte1) PLANO DE AVALIAÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR Informação, motivação e empenho de toda a equipa da Biblioteca, o envolvimento dos órgãos de gestão da Escola/Agrupamento são pressupostos inerentes à implementação/aplicação do modelo de auto-avaliação da Biblioteca Escolar. Do envolvimento da comunidade educativa dependerá o sucesso da aplicação do modelo. De acordo com uma calendarização adequada, é fundamental comunicar ao Conselho Pedagógico, o processo e o modo como cada agente educativo será nele envolvido e respectivas implicações dos resultados. O plano apresentado resulta da análise dos documentos e daquilo que me parece ser essencial para o colocar em prática. Selecção de um domínio A selecção recai no domínio B – Leitura e literacia, alicerçado nas metas do Projecto Educativo de Escola/Agrupamento - diminuir o insucesso escolar e porque consideramos que o desenvolvimento das competências de leitura e literacia é a base de qualquer construção de conhecimento, nos mais variados suportes, lúdica, formativa ou informativa, sendo a actividade chave de uma biblioteca, numa escola promotora do sucesso educativo para todos. Selecção de dois indicadores do domínio B B.1 - Trabalho da BE ao serviço da promoção da leitura (indicador de Processo) B.3 - Impacto do trabalho da BE nas atitudes e competências dos alunos, no âmbito da leitura e das literacias. (Indicador de Impacto/outcome) A BE/CRE tem desenvolvido diversas actividades de promoção de leitura e literacia, particularmente este ano lectivo decidiu investir mais nesta área, já que a leitura é o
  • 2. suporte do progresso de todas as competências que se pretende que os alunos desenvolvam. A avaliação deste domínio servirá para medir o impacto da BE na melhoria das competências dos alunos e das suas aprendizagens. Para delinear um plano de avaliação podemos ter em conta as considerações-chave do documento ” Basic Guide To Program Evaluation” de Carter Mac Namara , que apresento:  Os motivos que levam ao implemento dessa avaliação;  A quem interessam os resultados dessa avaliação;  O que devo avaliar, em termos de inputs, processos, outputs, ou os outcomes. Pontos fortes e fracos. Falhas e impedimentos;  Fontes de informação (utilizadores, equipa, documentos…etc);  Métodos de recolha de evidências (questionários, entrevistas, análise da documentação, observação directa, etc.);  Calendarização para a recolha da informação;  Recursos para a recolha de informação;  A análise crítica e o tratamento dos dados;  Relatório de Avaliação dos resultados/ Acções para a melhoria;  A divulgação dos resultados;
  • 3. Sensibilização da Comunidade Educativa para o Modelo de Auto- avaliação das Bibliotecas Escolares Etapas Formalização de Calendarização Procedimentos Motivação e compromisso - Reunião do Professor Institucional dos órgãos Bibliotecário com o de gestão pedagógica e Conselho Directivo executiva da Escola com o processo de auto- - Apresentação do Modelo avaliação da BE de Auto-Avaliação em Conselho Pedagógico (powerpoint) Setembro Apresentação aos - Reunião com Equipa / Professores, do propósito Colaboradores da BE e metodologia de auto- - Sensibilização dos Outubro avaliação para co-responsabilização professores dos vários /envolvimento de todos Departamentos os intervenientes Constituição do Grupo - Reunião com Equipa / responsável pela Colaboradores da BE- aplicação/condução do Definir as tarefas a realizar processo de avaliação por cada um dos elementos responsáveis pela avaliação. Outubro - Fazer um levantamento dos métodos e instrumentos a utilizar na recolha de evidências. Aferir da necessidade de se efectuarem outros registos fundamentais para a recolha de evidências relativas ao domínio a avaliar. Preparação dos instrumentos de avaliação (questionários para alunos e professores, grelhas de observação, …).
  • 4. Novembro a Maio - Recolha de evidências. Paralelamente, (sempre que possível) realizar-se-á o tratamento dos dados, não deixando acumular para o final do ano. Junho - Análise de resultados, identificação do nível de desempenho e planeamento de acções para melhoria; Divulgação dos resultados - O relatório final da Avaliação, com as conclusões, elaborado no final do ano lectivo, será apresentada em Julho no Conselho Pedagógico (PowerPoint). As conclusões serão igualmente divulgadas nos vários Departamentos da escola. Acções para a melhoria: No mês de Julho serão realizadas as reuniões necessárias com a equipa da BE e com os Coordenadores de Departamento, para elaboração do Plano Anual de Actividades do ano seguinte tendo como base a reflexão dos pontos fracos a desenvolver, os inexistentes a promover e os fortes a continuar, com vista a melhoria e o sucesso dos alunos e da Escola. Domínio B – Leitura e Literacia O que se avalia/ Como se avalia Indicadores Factores críticos de Evidências sucesso -A BE disponibiliza uma - Estatísticas de requisição, colecção variada e circulação na Escola e uso B.1 Trabalho da BE ao adequada aos gostos, de recursos relacionados serviço da promoção da interesses e necessidades com a leitura. leitura na escola/ dos utilizadores. agrupamento. - Estatísticas de utilização (Processo) - A BE promove acções informal da BE. formativas que ajudem a desenvolver as - Estatísticas de utilização competências na área da da BE para actividades de leitura. leitura programada/ articulada com outros docentes.
  • 5. -A BE incentiva o - Registos de projectos empréstimo domiciliário. desenvolvidos no âmbito da promoção da leitura. - A BE está informada (Concursos, feira do livro, relativamente às linhas de encontros com escritores, orientação e actividades ilustradores, sessões de propostas pelo PNL e leitura, encontros de desenvolve as acções leitura, exposições implicadas na sua temáticas) implementação. - Questionários aos docentes (QD2) - A BE promove encontros com escritores ou outros - Questionário aos alunos eventos culturais que (QA2) aproximem os alunos dos livros ou de outros - Registos de Observação materiais/ambientes e (O3) incentivem o gosto pela leitura. - Os alunos usam o livro e - Estatísticas de utilização a BE para ler de forma da BE para actividades de recreativa, para se leitura - (Registo de informar ou para realizar presenças onde está B3 – Impacto do trabalho trabalhos escolares. especificada a área a da BE nas atitudes e utilizar) competências dos alunos, - Os alunos, de acordo com no âmbito da leitura e das o seu ano/ciclo de - Estatísticas de requisição literacias (Outcome) escolaridade, manifestam domiciliária. (impresso progressos nas próprio que se preenche competências de leitura, na altura da requisição) lendo mais. - Observação da utilização - Os alunos participam na BE. (grelha de activamente em diferentes observação O4) actividades associadas à promoção da leitura: - Questionários a hora do conto/animação professores. (QD2) de leitura, fóruns, …etc. - Questionários a alunos. (QA2)
  • 6. Constrangimentos  O tempo  A sobrecarga de trabalho com a aplicação do modelo;  Eventual dificuldade em envolver todos os intervenientes;  Dificuldade em registar todas as evidências (nem tudo se regista…);  Falta de preparação para o tratamento de dados;  … Maria Antónia do Carmo